Your SlideShare is downloading. ×
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Lógica de programação   construção de algoritmos e estrutura de dados
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Lógica de programação construção de algoritmos e estrutura de dados

1,975

Published on

Published in: Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,975
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
115
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Sumário 1 Apresentação...................................................................................................................................................................3 2 Prefácio ...........................................................................................................................................................................4 3 Introdução à Lógica de Programação............................................................................................................................5 3.1 Lógica ......................................................................................................................................................................5 3.2 Seqüência Lógica ....................................................................................................................................................5 3.3 Instruções ................................................................................................................................................................5 3.4 Algoritmo.................................................................................................................................................................5 3.5 Programas ...............................................................................................................................................................6 3.6 EXERCÍCIOS.........................................................................................................................................................6 4 Desenvolvendo algoritmos ..............................................................................................................................................8 4.1 Pseudocódigo...........................................................................................................................................................9 4.2 Regras para construção do Algoritmo ..................................................................................................................9 4.3 Fases.........................................................................................................................................................................9 4.4 Exemplo de Algoritmo..........................................................................................................................................10 4.5 Teste de Mesa........................................................................................................................................................11 4.6 EXERCÍCIOS.......................................................................................................................................................11 5 Diagrama de Bloco........................................................................................................................................................12 5.1 O que é um diagrama de bloco? ..........................................................................................................................12 5.2 Simbologia.............................................................................................................................................................13 5.3 EXERCÍCIOS.......................................................................................................................................................14 6 Constantes, Variáveis e Tipos de Dados.......................................................................................................................15 6.1 Constantes .............................................................................................................................................................16 6.2 Variáveis................................................................................................................................................................16 6.3 Tipos de Variáveis.................................................................................................................................................16 6.4 Declaração de Variáveis .......................................................................................................................................17 6.5 EXERCÍCIOS.......................................................................................................................................................17 7 - Operadores.................................................................................................................................................................19 7.1 Operadores Aritméticos .......................................................................................................................................20 7.2 Operadores Relacionais........................................................................................................................................20 7.3 Operadores Lógicos..............................................................................................................................................22 7.4 EXERCÍCIOS.......................................................................................................................................................24 8 Operações Lógicas ........................................................................................................................................................25 8.1 EXERCÍCIOS.......................................................................................................................................................26 9 Estrutura de Decisão e Repetição.................................................................................................................................28 9.1 Comandos de Decisão ...........................................................................................................................................28 9.1.1 SE ENTÃO / IF ... THEN ............................................................................................................................28 9.1.2 SE ENTÃO SENÃO / IF ... THEN ... ELSE.................................................................................................29 9.1.3 CASO SELECIONE / SELECT ... CASE....................................................................................................30 9.2 Comandos de Repetição .......................................................................................................................................34
  • 2. 9.2.1 Enquanto x, Processar (Do While ... Loop)...................................................................................................34 9.2.2 Até que x, processar ... (Do Until ... Loop) ...................................................................................................35 9.2.3 Processar ..., Enquanto x (Do ... Loop While)..............................................................................................35 9.2.4 Processar ..., Até que x (Do ... Loop Until)..................................................................................................36 9.2.5 EXERCÍCIOS...............................................................................................................................................38 10 Arquivos de Dados......................................................................................................................................................39 10.1 Conceitos Básicos .............................................................................................................................................39 10.2 Abertura de Arquivos......................................................................................................................................40 10.3 Fechamento de Arquivos.................................................................................................................................40 10.4 Leitura de Arquivos.........................................................................................................................................41 10.5 Movimentação de registros .............................................................................................................................42 10.6 Gravação de Arquivos .....................................................................................................................................43 10.7 Macro Fluxo .....................................................................................................................................................43 10.8 EXERCÍCIOS ..................................................................................................................................................44 11 Relatórios....................................................................................................................................................................45 11.1 Características do Formulário........................................................................................................................45 11.2 Controle de linhas e salto de páginas..............................................................................................................45 11.3 Impressão de Cabeçalho e Estética de Página ...............................................................................................46 11.4 EXERCÍCIOS ..................................................................................................................................................48 12 Simbologia ..................................................................................................................................................................49 13 INTRODUÇÃO À LINGUAGEM TURBO PASCAL................................................................................................50 13.1 IDENTIFICADORES......................................................................................................................................51 13.2 TIPOS PREDEFINIDOS SIMPLES..............................................................................................................52 13.3 ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM TURBO PASCAL.....................................................................53 14 Aprendendo a programar com o Portugol..................................................................................................57 Portugol para fixação....................................................................................................................................................................59 SINAL DE ATRIBUIÇÃO.............................................................................................................................................................60 SINAL DE IGUALDADE ..............................................................................................................................................................60 CORPO GERAL DE UM PROGRAMA........................................................................................................................................60 ESTRUTURAS SEQÜÊNCIAIS....................................................................................................................................................61 ESTRUTURAS DE DECISÃO ......................................................................................................................................................62 ESTRUTURAS DE CONDIÇÃO...................................................................................................................................................64 ESTRUTURA DE REPETIÇÃO DETERMINADA ......................................................................................................................64 ESTRUTURA DE REPETIÇÃO INDETERMINADA COM VALIDAÇÃO INICIAL................................................................66 ESTRUTURA DE REPETIÇÃO INDETERMINADA COM VALIDAÇÃO FINAL...................................................................67 15 Referências ............................................................................................................................................. 68
  • 3. 1 Apresentação Quando da resolução em um dado problema no computador, é necessário que seja primeiramente encontrada uma maneira de se descrever esse problema de uma forma clara e precisa. Sendo necessário encontrar uma sequência de passos que permitam que o problema possa ser resolvido de maneira automática e repetitiva. Esta sequência de passos é chamada de lógica de programação (algoritmo). O conteúdo desta apostila é dirigido principalmente para ser utilizado como livro-texto em disciplinas sobre algoritmos, apresentando uma linguagem simples e exercícios práticos para serem aplicados em sala de aula. Os exemplos desta cartilha foram desenvolvidos utilizando-se a ferramenta Visualg. Ferramenta esta ensinada em cursos em todo o Brasil, que permite a alunos iniciantes em programação o exercício dos seus conhecimentos num ambiente próximo da realidade. Os tópicos desta apostila constituem uma introdução aos conceitos de lógica de programação e uma preparação a conceitos mais avançados em programação de computadores. Estes estão agrupados em sete capítulos, cada um com o seguinte conteúdo: 1. Introdução que salienta a importância do estudo de algoritmos para os futuros profissionais de TI – Tecnologia da Informação; 2. Apresenta formalmente o conceito de Algoritmo e os conceitos básicos de lógica de programação; 3. Fornece formas de interatividade com o algoritmo, ou seja, a representação da troca de informações que ocorrerá entre o computador e o usuário; 4. Mostra as tomadas de decisão que permitem que determinados comandos sejam executados ou não, dependendo do resultado de um teste realizado (condição); 5. Aborda as estruturas de repetição necessárias de um ou vários trechos de um algoritmo um determinado número de vezes; 6. Apresenta estruturas de dados compostas que permitem a manipulação de dados multivalorados; 7. Introduz os conceitos de modularização de algoritmos, demonstrando técnicas de organização mais eficiente do código, bem como, a sua reutilização. Espero que este trabalho possa contribuir para o seu aprendizado e consequentemente para seu futuro profissional. Professor: Gelber Xavier de Freitas Maio 2014
  • 4. www.pronatecvja.blogspot.com.br - Prof. Gelber Xavier de Freitas – Maio/2014 2 Prefácio Existem muitos mitos e tabus sobre a dificuldade em aprender e estudar algoritmos, mas os algoritmos estão presentes em nosso cotidiano muito mais do que podemos imaginar. Quando vamos fazer uma viagem de férias e planejamos o roteiro de viagem definindo: pontos de parada, lugares a visitar, quanto tempo ficaremos em um determinado local, estradas que iremos percorrer etc., estamos montando um algoritmo para organizar de maneira lógica os passos da viagem em questão. A sociedade moderna está amplamente dependente da automação de processos e o atual aperfeiçoamento tecnológico deve-se em parte à análise e à obtenção de descrições na execução de tarefas por meio de ações simples o suficiente, tal que pudessem ser automatizadas, sendo executadas pelo computador que é uma máquina especialmente desenvolvida para este fim. Para resolver um problema no computador é necessário que seja primeiramente encontrada uma maneira de descrever este problema de uma forma clara e precisa. É preciso que encontremos uma sequência de passos que permitam que o problema possa ser resolvido de maneira automática e repetitiva. Esta sequência de passos é chamada de algoritmo. Um algoritmo pode ser definido como um conjunto de regras (instruções), bem definidas, para solução de um determinado problema. Segundo o dicionário Michaelis, o conceito de algoritmo é “utilização de regras para definir ou executar uma tarefa específica ou para resolver um problema específico.” A partir desses conceitos de algoritmos, pode-se perceber que a palavra algoritmo não é um termo computacional, ou seja, não se refere apenas à área de informática. É uma definição ampla que agora que você já sabe o que significa. Como já foi destacado anteriormente, é utilizada no cotidiano das pessoas. Na informática, o algoritmo é o “projeto do programa”, ou seja, antes de se fazer um programa (Software) na Linguagem de Programação desejada (Pascal, C, Delphi etc.) deve se fazer o algoritmo do programa. Já um programa, é um algoritmo escrito numa forma compreensível pelo computador (através de uma Linguagem de Programação), onde todas as ações a serem executadas devem ser especificadas nos mínimos detalhes e de acordo com as regras de sintaxe da linguagem escolhida. Esta apostila adota como linguagem padrão para codificação dos exemplos, o “Portugol”, aplicado na ferramenta VisialG, que é de livre distribuição e uso. Está disponível para download em http://www.pronatecvja.blogspot.com.br.
  • 5. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 5 de 68 3 Introdução à Lógica de Programação 3.1 Lógica A lógica de programação é necessária para pessoas que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas e programas, ela permite definir a sequência lógica para o desenvolvimento. Então o que é lógica? Lógica de programação é a técnica de encadear pensamentos para atingir determinado objetivo. 3.2 Seqüência Lógica Estes pensamentos, podem ser descritos como uma sequência de instruções, que devem ser seguidas para se cumprir uma determinada tarefa. Seqüência Lógica são passos executados até atingir um objetivo ou solução de um problema. 3.3 Instruções Na linguagem comum, entende-se por instruções “um conjunto de regras ou normas definidas para a realização ou emprego de algo”. Em informática, porém, instrução é a informação que indica a um computador uma ação elementar a executar. Convém ressaltar que uma ordem isolada não permite realizar o processo completo, para isso é necessário um conjunto de instruções colocadas em ordem sequencial lógica. Por exemplo, se quisermos fazer uma omelete de batatas, precisaremos colocar em prática uma série de instruções: descascar as batatas, bater os ovos, fritar as batatas, etc.... É evidente que essas instruções tem que ser executadas em uma ordem adequada – não se pode descascar as batatas depois de fritá-las. Dessa maneira, uma instrução tomada em separado não tem muito sentido; para obtermos o resultado, precisamos colocar em prática o conjunto de todas as instruções, na ordem correta. Instruções são um conjunto de regras ou normas definidas para a realização ou emprego de algo. Em informática, é o que indica a um computador uma ação elementar a executar. 3.4 Algoritmo
  • 6. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 6 de 68 Um algoritmo é formalmente uma sequência finita de passos que levam a execução de uma tarefa. Podemos pensar em algoritmo como uma receita, uma sequência de instruções que dão cabo de uma meta específica. Estas tarefas não podem ser redundantes nem subjetivas na sua definição, devem ser claras e precisas. Como exemplos de algoritmos podemos citar os algoritmos das operações básicas (adição, multiplicação, divisão e subtração) de números reais decimais. Outros exemplos seriam os manuais de aparelhos eletrônicos, como um videocassete, que explicam passo-a-passo como, por exemplo, gravar um evento. Até mesmo as coisas mais simples, podem ser descritas por sequências lógicas. Por exemplo: “Chupar uma bala”. • Pegar a bala • Retirar o papel • Chupar a bala • Jogar o papel no lixo “Somar dois números quaisquer”. • Escreva o primeiro número no retângulo A • Escreva o segundo número no retângulo B • Some o número do retângulo A com número do retângulo B e coloque o resultado no retângulo C • 3.5 Programas Os programas de computadores nada mais são do que algoritmos escritos numa linguagem de computador (Pascal, C, Cobol, Fortran, Visual Basic entre outras) e que são interpretados e executados por uma máquina, no caso um computador. Notem que dada esta interpretação rigorosa, um programa é por natureza muito específico e rígido em relação aos algoritmos da vida real. 3.6 EXERCÍCIOS
  • 7. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 7 de 68 1) Crie uma sequência lógica para tomar banho: 2) Faça um algoritmo para somar dois números e multiplicar o resultado pelo primeiro número 3) Descreva com detalhes a sequência lógica para Trocar um pneu de um carro.
  • 8. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 8 de 68 4) Faça um algoritmo para trocar uma lâmpada. Descreva com detalhes: 4 Desenvolvendo algoritmos
  • 9. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 9 de 68 4.1 Pseudocódigo Os algoritmos são descritos em uma linguagem chamada pseudocódigo. Este nome é uma alusão à posterior implementação em uma linguagem de programação, ou seja, quando formos programar em uma linguagem, por exemplo Visual Basic, estaremos gerando código em Visual Basic. Por isso os algoritmos são independentes das linguagens de programação. Ao contrário de uma linguagem de programação não existe um formalismo rígido de como deve ser escrito o algoritmo. O algoritmo deve ser fácil de se interpretar e fácil de codificar. Ou seja, ele deve ser o intermediário entre a linguagem falada e a linguagem de programação. 4.2 Regras para construção do Algoritmo Para escrever um algoritmo precisamos descrever a sequência de instruções, de maneira simples e objetiva. Para isso utilizaremos algumas técnicas: • Usar somente um verbo por frase • Imaginar que você está desenvolvendo um algoritmo para pessoas que não trabalham com informática • Usar frases curtas e simples • Ser objetivo • Procurar usar palavras que não tenham sentido dúbio 4.3 Fases No capítulo anterior vimos que ALGORITMO é uma sequência lógica de instruções que podem ser executadas. É importante ressaltar que qualquer tarefa que siga determinado padrão pode ser descrita por um algoritmo, como por exemplo: COMO FAZER ARROZ DOCE ou então CALCULAR O SALDO FINANCEIRO DE UM ESTOQUE Entretanto ao montar um algoritmo, precisamos primeiro dividir o problema apresentado em três fases fundamentais. Onde temos:
  • 10. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 10 de 68 ENTRADA: São os dados de entrada do algoritmo PROCESSAMENTO: São os procedimentos utilizados para chegar ao resultado final SAÍDA: São os dados já processados Analogia com o homem 4.4 Exemplo de Algoritmo Imagine o seguinte problema: Calcular a média final dos alunos da 3 ª Série. Os alunos realizarão quatro provas: P1, P2, P3 e P4. Onde: Média Final = P1 + P2 + P3 + P4 4 Para montar o algoritmo proposto, faremos três perguntas: a) Quais são os dados de entrada? R: Os dados de entrada são P1, P2, P3 e P4 b) Qual será o processamento a ser utilizado? R: O procedimento será somar todos os dados de entrada e dividi-los por 4 (quatro) P1 + P2 + P3 + P4
  • 11. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 11 de 68 4 c) Quais serão os dados de saída? R: O dado de saída será a média final Algoritmo Receba a nota da prova1 Receba a nota de prova2 Receba a nota de prova3 Receba a nota da prova4 Some todas as notas e divida o resultado por 4 Mostre o resultado da divisão 4.5 Teste de Mesa Após desenvolver um algoritmo ele deverá sempre ser testado. Este teste é chamado de TESTE DE MESA, que significa, seguir as instruções do algoritmo de maneira precisa para verificar se o procedimento utilizado está correto ou não. Veja o exemplo: Nota da Prova 1 Nota da Prova 2 Nota da Prova 3 Nota da Prova 4 Utilize a tabela abaixo: P1 P2 P3 P4 Média 4.6 EXERCÍCIOS 1) Identifique os dados de entrada, processamento e saída no algoritmo abaixo • Receba código da peça • Receba valor da peça • Receba Quantidade de peças
  • 12. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 12 de 68 • Calcule o valor total da peça (Quantidade * Valor da peça) • Mostre o código da peça e seu valor total a) Faça um algoritmo para “Calcular o estoque médio de uma peça”, sendo que ESTOQUEMÉDIO = (QUANTIDADE MÍNIMA + QUANTIDADE MÁXIMA) /2 b) Teste o algoritmo anterior com dados definidos por você. 5 Diagrama de Bloco 5.1 O que é um diagrama de bloco?
  • 13. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 13 de 68 O diagrama de blocos é uma forma padronizada e eficaz para representar os passos lógicos de um determinado processamento. Com o diagrama podemos definir uma sequência de símbolos, com significado bem definido, portanto, sua principal função é a de facilitar a visualização dos passos de um processamento. 5.2 Simbologia Existem diversos símbolos em um diagrama de bloco. No decorrer do curso apresentaremos os mais utilizados. Veja no quadro abaixo alguns dos símbolos que iremos utilizar: Símbolo Função TERMINAL Indica o INÍCIO ou FIM de um processamento Exemplo: Início do algoritmo PROCESSAMENTO Processamento em geral Exemplo: Calculo de dois números ENTRADA DE DADO MANUAL Indica entrada de dados através do Teclado Exemplo: Digite a nota da prova 1 EXIBIR Mostra informações ou resultados Exemplo: Mostre o resultado do calculo Dentro do símbolo sempre terá algo escrito, pois somente os símbolos não nos dizem nada. Veja no exemplo a seguir: Exemplos de Diagrama de Bloco “CHUPAR UMA BALA” “CALCULAR A MÉDIA DE 4 NOTAS
  • 14. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 14 de 68 CHUPAR A BALA Veja que no exemplo da bala seguimos uma sequência lógica somente com informações diretas, já no segundo exemplo da média utilizamos cálculo e exibimos o resultado do mesmo. 5.3 EXERCÍCIOS 1. Construa um diagrama de blocos que: JOGAR O PAPEL NO LIXO FIM INÍCIO Receber n1 Receber n2 Receber n3 Receber n4 FIM Calcular Media=(n1+n2+n3+n4) / 4 Média INÍCIO PEGAR A BALA RETIRAR O PAPEL
  • 15. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 15 de 68 Leia a cotação do dólar Leia um valor em dólares Converta esse valor para Real Mostre o resultado 2. Desenvolva um diagrama que: Leia 4 (quatro) números Calcule o quadrado para cada um Somem todos e • Mostre o resultado 3. Construa um algoritmo para pagamento de comissão de vendedores de peças, levando-se em consideração que sua comissão será de 5% do total da venda e que você tem os seguintes dados: Identificação do vendedor Código da peça Preço unitário da peça Quantidade vendida E depois construa o diagrama de blocos do algoritmo desenvolvido, e por fim faça um teste de mesa. 6 Constantes, Variáveis e Tipos de Dados Variáveis e constantes são os elementos básicos que um programa manipula. Uma variável é um espaço reservado na memória do computador para armazenar um tipo de dado determinado. Variáveis
  • 16. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 16 de 68 devem receber nomes para poderem ser referenciadas e modificadas quando necessário. Um programa deve conter declarações que especificam de que tipo são as variáveis que ele utilizará e as vezes um valor inicial. Tipos podem ser por exemplo: inteiros, reais, caracteres, etc. As expressões combinam variáveis e constantes para calcular novos valores. 6.1 Constantes Constante é um determinado valor fixo que não se modifica ao longo do tempo, durante a execução de um programa. Conforme o seu tipo, a constante é classificada como sendo numérica, lógica e literal. Exemplo de constantes: N1+N2+N3 6.2 Variáveis Variável é a representação simbólica dos elementos de um certo conjunto. Cada variável corresponde a uma posição de memória, cujo conteúdo pode ser alterado ao longo do tempo durante a execução de um programa. Embora uma variável possa assumir diferentes valores, ela só pode armazenar um valor a cada instante Exemplos de variáveis VARIÁVEL VARIÁVEIS Total = Produto * Quantidade 6.3 Tipos de Variáveis As variáveis e as constantes podem ser basicamente de quatro tipos: Numéricas, caracteres, Alfanuméricas ou lógicas. 3 CONSTANTE NOME = "JOSE" IDADE = 50 CONTEÚDO DA VARIÁVEL
  • 17. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 17 de 68 Numéricas Específicas para armazenamento de números, que posteriormente poderão ser utilizados para cálculos. Podem ser ainda classificadas como Inteiras ou Reais. As variáveis do tipo inteiro são para armazenamento de números inteiros e as Reais são para o armazenamento de números que possuam casas decimais. Caracteres Específicas para armazenamento de conjunto de caracteres que não contenham números (literais). Ex: nomes. Alfanuméricas Específicas para dados que contenham letras e/ou números. Pode em determinados momentos conter somente dados numéricos ou somente literais. Se usado somente para armazenamento de números, não poderá ser utilizada para operações matemáticas. Lógicas Armazenam somente dados lógicos que podem ser Verdadeiro ou Falso. 6.4 Declaração de Variáveis As variáveis só podem armazenar valores de um mesmo tipo, de maneira que também são classificadas como sendo numéricas, lógicas e literais. 6.5 EXERCÍCIOS
  • 18. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 18 de 68 1) O que é uma constante? Dê dois exemplos. 2) O que é uma variável? Dê dois exemplos. 3) Faça um teste de mesa no diagrama de bloco abaixo e preencha a tabela ao lado com os dados do teste:
  • 19. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 19 de 68 Salário Abono Salnovo 600,00 60,00 350,00 4) Sabendo-se que José tem direito a 15% de reajuste de salário, complete o diagrama abaixo: 7 - Operadores Os operadores são meios pelo qual incrementamos, decrementamos, comparamos e avaliamos dados dentro do computador. Temos três tipos de operadores: INÍCIO NOME = "JOSÉ" SALARIOATUAL = 1200,00 REAJUSTE = VALORREAJUSTE = SALNOVO = SALNOVO FIM Recebe Salario Recebe Abono INÍCIO Salnovo=Salario + abono Salnovo FIM
  • 20. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 20 de 68 Operadores Aritméticos Operadores Relacionais Operadores Lógicos 7.1 Operadores Aritméticos Os operadores aritméticos são os utilizados para obter resultados numéricos. Além da adição, subtração, multiplicação e divisão, podem utilizar também o operador para exponenciação. Os símbolos para os operadores aritméticos são: OPERAÇÃO SÍMBOLO Adição + Subtração - Multiplicação * Divisão / Exponenciação ** Hierarquia das Operações Aritméticas 1 º ( ) Parênteses 2 º Exponenciação 3 º Multiplicação, divisão (o que aparecer primeiro) 4 º + ou – (o que aparecer primeiro) Exemplo TOTAL = PRECO * QUANTIDADE 1 + 7 * 2 ** 2 –1 = 28 3 * (1 – 2) + 4 * 2 = 5 7.2 Operadores Relacionais
  • 21. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 21 de 68 Os operadores relacionais são utilizados para comparar String de caracteres e números. Os valores a serem comparados podem ser caracteres ou variáveis. Estes operadores sempre retornam valores lógicos (verdadeiro ou falso/ True ou False) Para estabelecer prioridades no que diz respeito a qual operação executar primeiro, utilize os parênteses. Os operadores relacionais são: Descrição Símbolo Igual a = Diferente de <> ou # Maior que > Menor que < Maior ou igual a >= Menor ou igual a <= Exemplo: Tendo duas variáveis A = 5 e B = 3 Os resultados das expressões seriam: Expressão Resultado A = B Falso A <> B Verdadeiro A > B Verdadeiro A < B Falso A >= B Verdadeiro A <= B Falso Símbolo Utilizado para comparação entre expressões
  • 22. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 22 de 68 Campo com Constante 7.3 Operadores Lógicos Os operadores lógicos servem para combinar resultados de expressões, retornando se o resultado final é verdadeiro ou falso. Os operadores lógicos são: E AND OU OR NÃO NOT E / AND Uma expressão AND (E) é verdadeira se todas as condições forem verdadeiras OR/OU Uma expressão OR (OU) é verdadeira se pelo menos uma condição for verdadeira NOT Um expressão NOT (NÃO) inverte o valor da expressão ou condição, se verdadeira inverte para falsa e vice-versa. A tabela abaixo mostra todos os valores possíveis criados pelos três operadores lógicos (AND, OR e NOT) Codigo=Codant Sim Não Campo com Campo Codigo>1000 Não Numérica Nome="JOSE” Sim Não Campo com Constante Alfanumérica Sim
  • 23. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 23 de 68 1º Valor Operador 2º Valor Resultado T AND T T T AND F F F AND T F F AND F F T OR T T T OR F T F OR T T F OR F F T NOT F F NOT T Exemplos: Suponha que temos três variáveis A = 5, B = 8 e C =1 Os resultados das expressões seriam: Expressões Resultado A = B AND B > C Falso A <> B OR B < C Verdadeiro A > B NOT Verdadeiro A < B AND B > C Verdadeiro A >= B OR B = C Falso A <= B NOT Falso
  • 24. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 24 de 68 7.4 EXERCÍCIOS 1) Tendo as variáveis SALARIO, IR e SALLIQ, e considerando os valores abaixo. Informe se as expressões são verdadeiras ou falsas. SALARIO IR SALLIQ EXPRESSÃO V ou F 100,00 0,00 100 (SALLIQ >= 100,00) 200,00 10,00 190,00 (SALLIQ < 190,00) 300,00 15,00 285,00 SALLIQ = SALARIO - IR 2) Sabendo que A=3, B=7 e C=4, informe se as expressões abaixo são verdadeiras ou falsas. a) (A+C) >B ( ) b) B >= (A + 2) ( ) c) C = (B –A) ( ) d) (B + A) <= C ( ) e) (C+A) >B ( ) 3) Sabendo que A=5, B=4 e C=3 e D=6, informe se as expressões abaixo são verdadeiras ou falsas. a) (A > C) AND (C <= D) ( ) b) (A+B) > 10 OR (A+B) = (C+D) ( ) c) (A>=C) AND (D >= C) ( )
  • 25. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 25 de 68 8 Operações Lógicas Operações Lógicas são utilizadas quando se torna necessário tomar decisões em um diagrama de bloco. Num diagrama de bloco, toda decisão terá sempre como resposta o resultado VERDADEIRO ou FALSO. Como no exemplo do algoritmo “CHUPAR UMA BALA”. Imaginemos que algumas pessoas não gostem de chupar bala de Morango, neste caso teremos que modificar o algoritmo para: “Chupar uma bala”. Pegar a bala A bala é de morango? Se sim, não chupe a bala Se não, continue com o algoritmo Retirar o papel Chupar a bala Jogar o papel no lixo Exemplo: Algoritmo “Chupar Bala” utilizando diagrama de Blocos INÍCIO Pegar a Bala É de Morango NãoSim Retirar o Papel Chupar a Bala Jogar o papel no lixo FIM Chupar a Não Chupar a bala
  • 26. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 26 de 68 8.1 EXERCÍCIOS 4. Elabore um diagrama de blocos que leia um número. Se positivo armazene-o em A, se for negativo, em B. No final mostrar o resultado 5. Ler um número e verificar se ele é par ou ímpar. Quando for par armazenar esse valor em P e quando for ímpar armazená-lo em I. Exibir P e I no final do processamento. 6. Construa um diagrama de blocos para ler uma variável numérica N e imprimi-la somente se a mesma for maior que 100, caso contrário imprimi-la com o valor zero 7. Tendo como dados de entrada a altura e o sexo de uma pessoa, construa um algoritmo que calcule seu peso ideal, utilizando as seguintes fórmulas: Para homens: (72.7*h) - 58 Para mulheres: (62.1*h) - 44.7 (h = altura) 8. Faça um teste de mesa do diagrama apresentado abaixo, de acordo com os dados fornecidos: INÍCIO LER SALBASE LER GRATIF SALBRUTO = SALBASE + GRATIF SALBRUTO < 1000 IIR = SALBRUTO * (15/100) IR = SALBRUTO * (20 / 100) SALLIQ = SALBRUTO - IR SALLIQ FIM Sim m Não
  • 27. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 27 de 68 Teste o diagrama com os dados abaixo SALBASE GRATIF 3.000,00 1.200,00 1.200,00 400,00 500,00 100,00 Memória SALBASE GRATIF SALBRUTO IR SALLIQ Dados de Saída SALLIQ Elabore um algoritmo levando-se em conta o diagrama apresentado:
  • 28. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 28 de 68 9 Estrutura de Decisão e Repetição Como vimos no capítulo anterior em “Operações Lógicas”, verificamos que na maioria das vezes necessitamos tomar decisões no andamento do algoritmo. Essas decisões interferem diretamente no andamento do programa. Trabalharemos com dois tipos de estrutura. A estrutura de Decisão e a estrutura de Repetição 9.1 Comandos de Decisão Os comandos de decisão ou desvio fazem parte das técnicas de programação que conduzem a estruturas de programas que não são totalmente seqüenciais. Com as instruções de SALTO ou DESVIO pode-se fazer com que o programa proceda de uma ou outra maneira, de acordo com as decisões lógicas tomadas em função dos dados ou resultados anteriores. As principais estruturas de decisão são: “Se Então”, “Se então Senão” e “Caso Selecione” 9.1.1 SE ENTÃO / IF ... THEN A estrutura de decisão “SE/IF” normalmente vem acompanhada de um comando, ou seja, se determinada condição for satisfeita pelo comando SE/IF então execute determinado comando. Imagine um algoritmo que determinado aluno somente estará aprovado se sua média for maior ou igual a 5.0, veja no exemplo de algoritmo como ficaria. SE MEDIA >= 5.0 ENTÃO ALUNO APROVADO Em diagrama de blocos ficaria assim: Em Visual Basic IF MEDIA >= 5 Then Text1 = “APROVADO” ENDIF Média >= 5.0 Aluno Aprovado Sim Não
  • 29. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 29 de 68 9.1.2 SE ENTÃO SENÃO / IF ... THEN ... ELSE A estrutura de decisão “SE/ENTÃO/SENÃO”, funciona exatamente como a estrutura “SE”, com apenas uma diferença, em “SE” somente podemos executar comandos caso a condição seja verdadeira, diferente de “SE/SENÃO” pois sempre um comando será executado independente da condição, ou seja, caso a condição seja “verdadeira” o comando da condição será executado, caso contrário o comando da condição “falsa” será executado Em algoritmo ficaria assim: SE MÉDIA >= 5.0 ENTÃO ALUNO APROVADO SENÃO ALUNO REPROVADO Em diagrama Em Visual Basic IF MEDIA >= 5 Then Text1 = “APROVADO” ELSE Text1 = “REPROVADO” ENDIF Média >= 5.0 Aluno Aprovado SimNão Aluno Reprovado
  • 30. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 30 de 68 No exemplo acima está sendo executada uma condição que, se for verdadeira, executa o comando “APROVADO”, caso contrário executa o segundo comando “REPROVADO”. Podemos também dentro de uma mesma condição testar outras condições. Como no exemplo abaixo: Em Visual Basic IF MEDIA >= 5 Then IF MEDIA >= 7.0 then Text1 = “Aluno APROVADO” ELSE Text1 = “Aluno Necessita fazer outra Avaliação” ENDIF ELSE Text1 = “Aluno REPROVADO” ENDIF 9.1.3 CASO SELECIONE / SELECT ... CASE A estrutura de decisão CASO/SELECIONE é utilizada para testar, na condição, uma única expressão, que produz um resultado, ou, então, o valor de uma variável, em que está armazenado um determinado conteúdo. Compara-se, então, o resultado obtido no teste com os valores fornecidos em cada cláusula “Caso”. No exemplo do diagrama de blocos abaixo, é recebido uma variável “Op” e testado seu conteúdo, caso uma das condições seja satisfeita, é atribuído para a variável Titulo a String “Opção X”, caso contrário é atribuído a string “Opção Errada”. Média >= 5.0 SimNão Aluno Reprovado Media >=7.0 Aluno Aprovado Aluno Necessita Faze r outra Avaliação Sim Não
  • 31. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 31 de 68
  • 32. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 32 de 68 Em Visual Basic utilizamos a seguinte sequência de comandos para representar o diagrama anterior. TITULO = “” OP = INPUTBOX(“DIGITE A OPÇÃO”) SELECT CASE OP CASE 1 TITULO = “OPÇÃO 1” CASE 2 TITULO = “OPÇÃO 2” CASE 3 TITULO = “OPÇÃO 3” CASE 4 TITULO = “OPÇÃO 4” CASE 5 TITULO = “OPÇÃO 5” CASE ELSE TITULO = “OPÇÃO ERRADA” END SELECT LABEL1.CAPTION = TITULO EXERCÍCIOS
  • 33. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 33 de 68 1) João Papo-de-Pescador, homem de bem, comprou um microcomputador para controlar o rendimento diário de seu trabalho. Toda vez que ele traz um peso de peixes maior que o estabelecido pelo regulamento de pesca do estado de São Paulo (50 quilos) deve pagar uma multa de R$ 4,00 por quilo excedente. João precisa que você faça um diagrama de blocos que leia a variável P (peso de peixes) e verifique se há excesso. Se houver, gravar na variável E (Excesso) e na variável M o valor da multa que João deverá pagar. Caso contrário mostrar tais variáveis com o conteúdo ZERO. 2) Elabore um diagrama de bloco que leia as variáveis C e N, respectivamente código e número de horas trabalhadas de um operário. E calcule o salário sabendo-se que ele ganha R$ 10,00 por hora. Quando o número de horas exceder a 50 calcule o excesso de pagamento armazenando-o na variável E, caso contrário zerar tal variável. A hora excedente de trabalho vale R$ 20,00. No final do processamento imprimir o salário total e o salário excedente. Desenvolva um diagrama que: Leia 4 (quatro) números; Calcule o quadrado de cada um; Se o valor resultante do quadrado do terceiro for >= 1000, imprima-o e finalize; Caso contrário, imprima os valores lidos e seus respectivos quadrados. 3) Faça um diagrama de bloco que leia um número inteiro e mostre uma mensagem indicando se este número é par ou ímpar, e se é positivo ou negativo. 4) A Secretaria de Meio Ambiente que controla o índice de poluição mantém 3 grupos de indústrias que são altamente poluentes do meio ambiente. 5) O índice de poluição aceitável varia de 0,05 até 0,25. Se o índice sobe para 0,3 as indústrias do 1º grupo são intimadas a suspenderem suas atividades, se o índice crescer para 0,4 as indústrias do 1º e 2º grupo são intimadas a suspenderem suas atividades, se o índice atingir 0,5 todos os grupos devem ser notificados a paralisarem suas atividades. Faça um diagrama de bloco que leia o índice de poluição medido e emita a notificação adequada aos diferentes grupos de empresas. 6) Elabore um algoritmo que dada a idade de um nadador classifique-o em uma das seguintes categorias: Infantil A = 5 a 7 anos Infantil B = 8 a 11 anos Juvenil A = 12 a 13 anos Juvenil B = 14 a 17 anos Adultos = Maiores de 18 anos 7) Elabore um algoritmo que gera e escreve os números ímpares dos números lidos entre 100 e 200. Construa um algoritmo que leia 500 valores inteiros e positivos e: • Encontre o maior valor • Encontre o menor valor • Calcule a média dos números lidos
  • 34. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 34 de 68 9.2 Comandos de Repetição Utilizamos os comandos de repetição quando desejamos que um determinado conjunto de instruções ou comandos sejam executados um número definido ou indefinido de vezes, ou enquanto um determinado estado de coisas prevalecer ou até que seja alcançado. Trabalharemos com modelos de comandos de repetição: • Enquanto x, processar (Do While ...Loop); • Até que x, processar ... (Do Until ... Loop); • Processar ..., Enquanto x (Do ... Loop While); • Processar ..., Até que x (Do ... Loop Until) • Para ... Até ... Seguinte (For ... To ... Next) 9.2.1 Enquanto x, Processar (Do While ... Loop) Neste caso, o bloco de operações será executado enquanto a condição x for verdadeira. O teste da condição será sempre realizado antes de qualquer operação. Enquanto a condição for verdadeira o processo se repete. Podemos utilizar essa estrutura para trabalharmos com contadores. Em diagrama de bloco a estrutura é a seguinte: Exemplo de Contador Em Visual Basic: Nr = 0 Do WhileNr<= 100 Nr = Nr + 1 Loop Se ... Processar Cont. Não Sim Nr <= 100 Nr = Nr + 1 Cont. Não Sim Nr = 0
  • 35. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 35 de 68 9.2.2 Até que x, processar ... (Do Until ... Loop) Neste caso, o bloco de operações será executado até que a condição seja satisfeita, ou seja, somente executará os comandos enquanto a condição for falsa. Em diagrama de bloco Em Visual Basic Nr = 0 Do UntilNr = 100 Nr = Nr + 1 Loop Label1.Caption = Nr 9.2.3 Processar ..., Enquanto x (Do ... Loop While) Neste caso primeiro são executados os comandos, e somente depois é realizado o teste da condição. Se a condição for verdadeira, os comandos são executados novamente, caso seja falso é encerrado o comando DO. Exemplo de Até Diagrama Se ... Processar Cont. Não Sim Nr = 100 Nr = Nr + 1 Cont. Não Sim Nr = 0
  • 36. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 36 de 68 Em diagrama de bloco Em Visual Basic Nr = 0 Do Nr = Nr + 1 Loop While Nr <= 100 Label1.Caption = Nr 9.2.4 Processar ..., Até que x (Do ... Loop Until) Neste caso, executa-se primeiro o bloco de operações e somente depois é realizado o teste de condição. Se a condição for verdadeira, o fluxo do programa continua normalmente. Caso contrário é processado novamente os comandos antes do teste da condição. Exemplo de Até Diagrama Se ... Processar Cont. Não Sim Nr<= 100 Nr = Nr + 1 Cont. Não Sim
  • 37. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 37 de 68 Em diagrama de Bloco Exemplo de Do .... Loop - Until Em Visual Basic nr = 0 Do nr = nr + 1 Loop Until nr >= 100 Label1.Caption = nr Nr>= 100 Nr = Nr + 1 Cont. Não Sim Se ... Processar Cont. Não Sim
  • 38. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 38 de 68 9.2.5 EXERCÍCIOS 1) Faça um algoritmo que determine o maior entre N números. A condição de parada é a entrada de um valor 0, ou seja, o algoritmo deve ficar calculando o maior até que a entrada seja igual a 0 (ZERO). 2) Uma rainha requisitou os serviços de um monge e disse-lhe que pagaria qualquer preço. O monge, necessitando de alimentos, indagou à rainha sobre o pagamento, se poderia ser feito com grãos de trigo dispostos em um tabuleiro de xadrez, de tal forma que o primeiro quadro deveria conter apenas um grão e os quadros subsequentes, o dobro do quadro anterior. A rainha achou o trabalho barato e pediu que o serviço fosse executado, sem se dar conta de que seria impossível efetuar o pagamento. Faça um algoritmo para calcular o número de grãos que o monge esperava receber. 3) Faça um algoritmo que conte de 1 a 100 e a cada múltiplo de 10 emita uma mensagem: “Múltiplo de 10”.
  • 39. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 39 de 68 10 Arquivos de Dados Os dados manipulados até o momento, estavam em memória, ou seja, após a execução do diagrama os dados se perdiam. Para resolver esse problema começaremos a trabalhar com arquivos, onde poderemos guardar os dados e também manipula-los. Para isso necessitamos rever alguns conceitos como: campos, registros e arquivos. 10.1 Conceitos Básicos CAMPO: é um espaço reservado em memória para receber informações (dados). Exemplo: Campo Nome, Campo Endereço Campo na memória NOME MARIA DAS GRAÇAS REGISTRO: é um conjunto de campos Exemplo: Registro de Clientes COD-CLI NOME ENDEREÇO FONE 00001 MARIA DAS GRAÇAS RUA DORES,1400 DAS 888-9876
  • 40. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 40 de 68 ARQUIVO: é um conjunto de registros Exemplo: O arquivo de Clientes da Empresa, onde estão armazenados os dados de todos os clientes da empresa. ARQ-CLI 10.2 Abertura de Arquivos Toda vez que for necessário trabalhar com arquivo, primeiramente precisamos ABRIR o arquivo. Abrir o arquivo significa alocar o periférico (disco, disquete) em que o arquivo se encontra, e deixá-lo disponível para leitura/gravação. O símbolo para abertura de arquivo 10.3 Fechamento de Arquivos Da mesma maneira que precisamos abrir um arquivo antes do processamento, também se faz necessário o fechamento do mesmo, para que suas informações não possam ser violadas ou danificadas. Fechar um arquivo significa liberar o periférico que estava sendo utilizado. ABRIR ARQUIVO Registro 1 Registro 2 Registro 3
  • 41. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 41 de 68 O símbolo para fechamento de arquivo 10.4 Leitura de Arquivos Após abrir um arquivo é necessário LER os dados que estão em disco e transferi-los para memória. Essa transferência é feita por registro. Esse procedimento é gerenciado pelo próprio sistema operacional. O símbolo para leitura de arquivo Toda vez que abrimos um arquivo ele posiciona o “ponteiro” no primeiro registro, ou seja, no início do arquivo. Para que possamos trabalhar com os dados se torna necessário sabermos onde está o ponteiro do registro. Isso poderemos fazer testando se o ponteiro está no início (BOF – BottomOf File) ou no final do arquivo (EOF – EndOf File). Esse é sempre executado após a leitura do registro (mudança da posição do ponteiro). Simbolicamente podemos representar esse passo da seguinte maneira. LER ARQUIVO FECHAR ARQUIVO
  • 42. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 42 de 68 Exemplo de diagrama de bloco 10.5 Movimentação de registros Como dito no item anterior, quando um arquivo é aberto o ponteiro está no primeiro registro. A cada leitura do Arquivo o ponteiro se movimenta para o próximo registro e assim por diante. Como mostra a figura abaixo: COD-CLI NOME ENDERECO TELEFONE 00001 JOSE DA SILVARUA DAS CAMELIAS788-2000 00002 MARIA RUA DAS DORES 788-2001 00003 ANTONIO RUA HORTENCIAS 788-2002 Registro 1 Registro 2 EOF (Final de Arquivo) BOF (Início do Arquivo) LER ARQUIVO E.O.F Sim Não LER ARQUIVO E.O.F INÍCIO ABRIR ARQUIVO NREG NREG = NREG + 1 NREG = 0 FECHAR ARQUIVO FIM Sim
  • 43. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 43 de 68 10.6 Gravação de Arquivos Da mesma maneira que os registros são lidos de um arquivo, também devemos gravar registros em um arquivo. A gravação consiste na transferência de um registro da memória, para um periférico (disco, disquete). O símbolo para gravação de arquivos 10.7 Macro Fluxo O macro fluxo é a representação gráfica dos arquivos que serão processados em um programa. Estes dois exemplos de Macro-fluxo dão uma visão geral de como devemos proceder com cada um dos programas. O primeiro diz que haverá um arquivo de entrada, um processamento e um arquivo de saída. Já o segundo exemplo diz que haverá um arquivo de entrada, um processamento, e a saída serão um relatório. ARQ CLI PROGRAMA RELATÓRIO GRAVAR REGISTRO ARQ ENT PROGRAMA ARQ SAI
  • 44. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 44 de 68 10.8 EXERCÍCIOS 1) Foi feita uma pesquisa entre os habitantes de uma região. Foram coletados os dados de idade, sexo (M/F) e salário. Faça um algoritmo que informa: a) A média de salário do grupo b) Maior e menor idade do grupo c) Quantidade de mulheres com salário até R$ 100,00 d) Quantidade de homens 2) Um arquivo de produtos tem os seguintes campos: Código do produto, Descrição, Quantidade em Estoque, Preço de custo, Margem Custo/Venda. Crie um arquivo com os seguintes campos: Código do Produto e Preço de Venda. Utilize o cálculo Preço de Venda = Preço de Custo * Margem CustoVenda. 3) Elabore um diagrama de blocos para verificar que produtos precisam ser comprados e a quantidade a ser adquirida: Tendo as seguintes informações Código do produto (CODPROD), Quantidade Mínima (QTDMIN), Quantidade Máxima (QTDMAX) e a quantidade em estoque (QTDEST) de cada produto. Um produto somente deverá ser comprado quando: a quantidade em estoque for menor ou igual a quantidade mínima: QTCOMPRAR = (QTDMAX – QTDEST) Grave em outro arquivo: Código do Produto e Quantidade a Comprar
  • 45. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 45 de 68 11 Relatórios A impressão de relatórios é o registro de informações processadas pelo computador em um meio de armazenamento de dados chamado de formulário. Para efetuarmos a impressão de relatórios devemos nos preocupar com os seguintes aspectos: • Características do formulário • Controle de linhas e salto de página • Impressão de cabeçalho e estética da página • Impressão de rodapé • Numeração de páginas 11.1 Características do Formulário A maioria dos formulários possui um formato padrão, isto é, a quantidade de linhas por página e de caracteres por linha são constantes. 11.2 Controle de linhas e salto de páginas Uma preocupação com impressão de relatórios é não permitir que a impressora imprima fora do papel, pois além de esteticamente não ficar bom, haveria perda de informações. Para controlarmos o número de linhas impressas, devemos criar um contador de linha e não deixar o valor desses contadores ultrapassarem o número desejado de linhas por páginas.
  • 46. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 46 de 68 11.3 Impressão de Cabeçalho e Estética de Página Para termos uma ideia melhor da estética do formulário, veja o exemplo abaixo. LinCab 1 Lincab 2 Lincab 3 Lincab 4 Lincab 5 Linde t1 Linde t2 Linde t3 Linde t4 Lindet 5 Lindet n Área de Cabeçalho Local onde devemos colocar um cabeçalho para identificarmos o assunto a que se refere o conteúdo da página como um todo, e um cabeçalho indicando o significado do conteúdo de cada coluna de informações. Pode haver outras linhas de cabeçalho de acordo com a necessidade. Linha de Detalhe São as linhas geradas a partir de dados lidos de um arquivo. Área de Rodapé Pode haver linhas contendo valores de totalizações de determinadas colunas e/ou linhas de identificação da empresa, ou outras informações qualquer. CABEÇALHO Un ica m p P ag : 1 Listagem de F uncioná rios M atrNom e Un id ade 0001 JO S E DA S ILVA IG 0002 M A RIA DAS D OR ES IC 0001 JO S E DA S ILVA IG 0002 M A RIA DAS D OR ES IC 0001 JO S E DA S ILVA IG 0002 M A RIA DAS D OR ES IC 0001 JO S E DA S ILVA IG 0002 M A RIA DAS D OR ES IC 0001 JO S E DA S ILVA IG 0002 M A RIA DAS D OR ES IC 0001 JO S E DA S ILVA IG 0002 M A RIA DAS D OR ES IC 0001 JO S E DA S ILVA IG 0002 M A RIA DAS D OR ES IC 0001 JO S E DA S ILVA IG 0002 M A RIA DAS D OR ES IC 0001 JO S E DA S ILVA IG 0002 M A RIA DAS D OR ES IC 0001 JO S E DA S ILVA IG RODAPÉ . LINHAS D E DETALHE
  • 47. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 47 de 68 Veja abaixo um exemplo de diagrama de bloco para impressão de relatório
  • 48. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 48 de 68 11.4 EXERCÍCIOS 1) Um banco deseja emitir uma listagem de todos os clientes cujos saldos sejam iguais ou superiores a R$ 1.500,00. Faça o diagrama de bloco correspondente, considerando: 2) Macro-Fluxo LAY-OUTS (Cadastro de Clientes) NUMERO-CONTA NOME-CLIENTE SALDO-ATUAL Lay-Outs (Relatório) + RELAÇÃO DE CLIENTES / SALDOS PAG: XXX NÚMERO-CONTA NOME SALDO XXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXX.XXX,XX XXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXX.XXX,XX TOTAL EM CONTA CORRENTE XXX.XXX.XXX,XX Observações: Cabeçalhos em todas as páginas, 66 linhas por página e totalização no final de cada página. CADCLI PROGRAMA RELATÓRIO
  • 49. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 49 de 68 12 Simbologia Símbolo Função TERMINAL Indica o INÍCIO ou FIM de um processamento Exemplo: Início do algoritmo PROCESSAMENTO Processamento em geral Exemplo: Calculo de dois números ENTRA/SAÍDA Operação de entrada e saída de dados Exemplo: Leitura e Gravação de Arquivos DECISÃO Indica uma decisão a ser tomada Exemplo: Verificação de Sexo DESVIO Permite o desvio para um ponto qualquer do programa ENTRADA MANUAL Indica entrada de dados através do Teclado Exemplo: Digite a nota da prova 1 EXIBIR Mostra informações ou resultados Exemplo: Mostre o resultado do calculo
  • 50. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 50 de 68 RELATÓRIO Relatórios 13 INTRODUÇÃO À LINGUAGEM TURBO PASCAL SÍMBOLOS BÁSICOS Letras maiúsculas: A..Z; letras minúsculas: a..z; dígitos: 0..9; caracter sublinhado: _ e outros caracteres especiais: * - = + / ( ) { } [ ] <>& % $ # @ : ; , . ? ” ‟ ! ~ ` ^ espaço Os símbolos especiais individualmente ou em pares caracterizam os operadores e delimitadores: . fim de programa, decimal, seleção de membro em record ( ) precedência, parâmetro + adição, concatenação - subtração, negação / divisão real not não div divisão inteira mod resto da divisão inteira and e or ou xor ou exclusivo = igualdade, declaração <> desigualdade ou diferente > maior que < menor que >= maior ou igual <= menor ou igual * multiplicação := atribuição in pertence a ou está contido # prefixo que identifica o valor ordinal de caracter (0..255 - tabela ASCII) , separador de lista „ delimitador de sequência de caracteres $ prefixo que indica um número hexadecimal : declaração de tipo .. identifica intervalo em tipo ordinal simples ou faixa de valores ; separa declarações e indica fim de definições, cabeçalhos, blocos, ... [ ] referência a um elemento de um array (. .) referência a um elemento de um array
  • 51. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 51 de 68 { } delimita um comentário dentro de um programa (* *) delimita um comentário dentro de um programa 13.1 IDENTIFICADORES São nomes simbólicos que servem para representar programas, unidades, constantes, tipos, variáveis, procedimentos, funções. Existem identificadores predefinidos e definidos pelo usuário. Um identificador deve respeitar as seguintes regras: O 1º caracter tem que ser uma letra; os demais podem ser letras, dígitos e o caracter sublinhado; somente os primeiros 63 caracteres são significativos; letras maiúsculas e minúsculas são consideradas iguais; não é permitido o uso de palavras reservadas ea redefinição de um identificador padrão impede o uso do procedimento, função ou constante normalmente associado a ele. São palavrasreservadas: AND, ARRAY, BEGIN, CASE, CONST, DIV, DO, DOWNTO, ELSE, END, FILE, FOR, FUNCTION, IF, IN, MOD, NOT, OF, OR, PROCEDURE, PROGRAM, RECORD, REPEAT, STRING, THEN, TO, TYPE, UNTIL, USES, VAR, WHILE e outras. OPERADORES OPERADORES ARITMÉTICOS + adição - subtração * multiplicação / divisão real div divisão inteira - quociente mod divisão inteira - resto OPERADORES LÓGICOS or ou and e xor ou exclusivo not não OPERADORES RELACIONAIS > maior >= maior ou igual < menor
  • 52. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 52 de 68 <= menor ou igual = igual <> diferente in contido 13.2 TIPOS PREDEFINIDOS SIMPLES TIPO LÓGICO O tipo lógico é chamado de BOOLEAN, que assume um entre dois valores predefinidos: false (falso) ou true (verdade), representados internamente por 0 e 1, respectivamente. TIPOS CARACTERES Caracteres ordenados de acordo com o conjunto ASCII extendido (0..255), normalmente representado entre apóstrofes. Podem ser: CHAR ou STRING. CHAR Admite apenas um caracter. STRING Admite uma cadeia de até 255 caracteres. Deve-se declarar a quantidade máxima de caracteres que se pretende guardar. TIPOS NUMÉRICOS INTEIROS TIPO INTERVALO DE VALORES BYTE 0 .. 255 SHORTINT -128 .. 127 INTEGER -32768 .. 32767 WORD 0 .. 65535 LONGINT -2147483648 .. 2147483647 TIPOS NUMÉRICOS REAIS TIPO INTERVALO DE VALORES REAL 2.9 * 10 E -39 .. 1.7 * 10 E 38 SINGLE 1.5 * 10 E -45 .. 3.4 * 10 E 38 DOUBLE 5.0 * 10 E -324 .. 1.7 * 10 E 308 EXTENDED 3.4 * 10 E -4932 .. 1.1 * 10 E 4932 COMP -2 E 63 + 1 .. 2 E 63 - 1
  • 53. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 53 de 68 13.3 ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM TURBO PASCAL Os programas em Turbo Pascal podem ser estruturados utilizando a seguinte sequência: cabeçalho do programa, área de declarações e bloco de comandos. CABEÇALHO DO PROGRAMA PROGRAM nome_programa; { Identifica o programa; é opcional. } USES nome_unit1, nome_unit2, ...; { Cláusula uses: identifica as bibliotecas (units) usadas pelo programa. } UNITS PADRÃO DO TURBO PASCAL SYSTEM Usada pelas outras units padrão, contém todos os procedimentos e funções padrões do Turbo Pascal. É sempre carregada no programa. DOS Funções e procedimentos do DOS. CRT Rotinas que permitem acesso a recursos de hardware do micro (vídeo e som). PRINTER Declara um arquivo texto chamado LST e associa-o com o dispositivo LTP1 (impressora). GRAPH Contém rotinas gráficas. Requer a unit CRT. OVERLAY Permite uso de programas maiores do que a memória. Troca partes do programa entre o disco e a memória. WINDOWS Funções e procedimentos do ambiente windows. STRINGS Possui procedimentos e funções que permitem manipular strings. ÁREA DE DECLARAÇÕES CONST constante1 = valor1; constante2 = valor2; ...; { Declara constante; o valor atribuído à constante determina o tipo da mesma; é opcional. } TYPE tipo1 = definição_tipo1; tipo2 = definição _tipo2; ...; { Declara novos tipos a partir de outros já existentes; é opcional. } VAR variável1, variável2, ...: tipo1; variávelx1, variávelx2: tipox; ...; { Declara variáveis a serem usadas no programa. } BLOCO DE COMANDOS O bloco de comandos começa com a palavra reservada BEGIN e termina com a palavra reservada END. Pode conter comandos, procedimentos e funções.
  • 54. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 54 de 68 COMANDOS BEGIN comando1; comando2; ...; END; {Define um bloco de comandos. Se a sintaxe do Turbo Pascal permite um comando simples também permitirá um bloco de comandos. } CASE expressão OF {Comando condicional de múltipla escolha.} opção1: comando1; opção2: comando2; ... ELSE comando; {O else (falso) é opcional. } END; FOR variável := início TO fim DO comando; { Comando com repetição automática, variável crescendo de início até fim. } FOR variável := fim DOWNTO início DO comando; { Comando com repetição automática, variável decrescendo de fim até início. } IF condição THEN comando1 ELSE comando2; { Comando condicional. Se condição for verdade o comando1 é executado, caso contrário, o comando2 é executado. O else (falso) é opcional. } REPEAT comando; ... UNTIL condição; { Executa o comando até que a condição seja verdade. } WHILE condição DO comando; { Executa o comando enquanto condição for verdade. } PROCEDIMENTOS E FUNÇÕES PREDEFINIDOS CHR(n) Retorna o caracter correspondente ao código ASCII n. O mesmo que #código. CLREOL Apaga todos os caracteres desde a posição do cursor até o fim da linha, mantendo a localização do cursor. CLRSCR Limpa a tela e coloca o cursor no canto superior esquerdo. DELAY(x) Espera durante x milisegundos. GETDATE(ano, mês, dia, diasem) Retorna a data do sistema operacional. GETTIME(hora, min, seg, s100) Retorna o horário do sistema operacional. GOTOXY(coluna, linha) Posiciona, em modo texto, o cursor nas coordenadas especificadas. KEYPRESSED Retorna true se alguma tecla for pressionada. NOSOUND Interrompe um tom iniciado por sound. RANDOM(faixa) Retorna um número pseudo aleatório entre 0 e faixa. Se faixa não for especificada retorna valor entre 0.0 e 1.0. RANDOMIZE Inicializa o gerador de números aleatórios com o valor atual do relógio do sistema. READLN(variável) Lê variável. READKEY Retorna um caracter lido do teclado. SOUND(hz) Inicia um tom na frequência hz e continua até
  • 55. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 55 de 68 executar nosound. TEXTBACKGROUND(cor) Seleciona a cor do fundo em modo texto. TEXTCOLOR(cor) Seleciona a cor do texto em modo texto. UPCASE(c) Retorna o caracter c convertido em maiúscula. WINDOW(col1,lin1,col2,lin2) Define em modo texto uma janela no vídeo. WRITE(„...‟, variável) Escreve o que estiver entre apóstrofes e/ou o valor da variável. Exemplos de Programas em Turbo Pascal: { Dados dois valores numericos maiores que 0 calcular e } { escrever as quatro operacoesaritmeticasbasicas. } program exemplo; usescrt; var x, y, soma, subt, mult, divi: real; begin { Preparatela. } textbackground(3); textcolor(1); clrscr; gotoxy(20,4); write('OPERACOES ARITMETICAS'); gotoxy(15,7); write('1º Numero........:'); gotoxy(15,9); write('2º Numero........:'); gotoxy(15,11); write('Adicao...........:'); gotoxy(15,13); write('Subtracao........:'); gotoxy(15,15); write('Multiplicacao....:'); gotoxy(15,17); write('Divisao..........:'); window(35,7,75,20); { Entrada de dados, calculo e saida de resultados. } repeat gotoxy(1,1); clreol; readln(x); until x>0; repeat gotoxy(1,3); clreol; readln(y); until y>0; soma:= x+y; subt:= x-y; mult:= x*y; divi:= x/y; gotoxy(1,5); write(soma:4:1); gotoxy(1,7); write(subt:4:1); gotoxy(1,9); write(mult:4:1); gotoxy(1,11); write(divi:4:1); gotoxy(1,14); write('Tecle<enter> para sair.'); repeat until readkey=#13; clrscr; { Retorna a tela toda e as cores padrao de fundo e texto. } window(1,1,80,25); textcolor(15);
  • 56. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 56 de 68 textbackground(0); clrscr; end. { Exemplo de programa em Turbo Pascal } program exemplo; usescrt; varra: string[9]; nome: string[25]; nota1, nota2, ntrab, media: real; k: byte; begin { Preparatela. } textbackground(3); textcolor(5); clrscr; gotoxy(20,4); write('CONTROLE DE NOTAS'); gotoxy(15,7); write('Registro Academico.:'); gotoxy(15,9); write('Nome do Aluno......:'); gotoxy(15,11); write('1ª Prova...........:'); gotoxy(15,13); write('2ª Prova...........:'); gotoxy(15,15); write('Trabalho...........:'); gotoxy(15,18); write('Media Final........:'); window(37,7,75,20); textbackground(7); clrscr; { Entrada de dados, calculo e saida de resultados. } gotoxy(1,1); clreol; readln(ra); whilera<>'' do begin repeat gotoxy(1,3); clreol; readln(nome); untilnome<>''; repeat gotoxy(1,5); clreol; readln(nota1); until (nota1>=0) and (nota1<=10); repeat gotoxy(1,7); clreol; readln(nota2); until (nota2>=0) and (nota2<=10); repeat gotoxy(1,9); clreol; readln(ntrab); until (ntrab>=0) and (ntrab<=10); media := (nota1+nota2+ntrab)/3; gotoxy(1,12); write(media:4:1); gotoxy(1,14); write('Tecle<enter> para continuar.'); repeat until readkey=#13; clrscr; gotoxy(1,14); write('Digite RA ou tecle <enter> para sair.'); gotoxy(1,1); clreol; readln(ra); gotoxy(1,14); clreol; end; { Retorna a tela toda e as cores padrao de fundo e texto. } window(1,1,80,25); textcolor(15); textbackground(0); clrscr;
  • 57. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 57 de 68 end. 14 Aprendendo a programar com o Portugol. Ensinar programação é sempre complicado. Muita gente usa o Portugol, mas isso de ficar escrevendo no caderno, sem a possibilidade de testar, é tão chatinho… Sem falar da importância dos fluxogramas algorítmicos! Alguns portugueses desenvolveram uma ferramenta muito legal, em Java, para ensino de programação. A ferramenta foi batizada como “Portugol IDE” e fornece um editor de texto com syntaxhighlighting e um editor de fluxogramas! Resolvi fazer algumas brincadeiras com alguns exercícios da lista de exercícios presente no site da comunidade Python Brasil. Para começar, vamos baixar a ferramenta. O download pode ser feito no site oficial, na opção download. Depois, basta extrair e executar o arquivo JAR (java -jar Portugol.jar ou apenas dar dois cliques sobre ele ^). De cara já temos uma janela simples, onde devemos selecionar qual editor abriremos: Vamos começar com o Editor de Fluxogramas, apenas para fazer um exercício bem simples:“Construa um diagrama de blocos que: leia a cotação do dólar; leia um valor em dólares; converta esse valor para real; mostre o resultado”.
  • 58. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 58 de 68 E o diagrama é esse: Vamos agora brincar com o editor de códigos, para isso, feche o Editor de fluxogramas e abra novamente o Portugol IDE, mas selecione desta vez o Editor de Texto. Bem chato isso, podia ter no menu algo como “Mudar para editor de texto”. Quando abre o editor de textos, vemos a telinha básica em Swing. Vamos fazer o exercício 10 da lista de Estruturas de repetição da comunidade Python Brasil. O enunciado é o seguinte: Desenvolva um gerador de tabuada, capaz de gerar a tabuada de qualquer número inteiro entre 1 a 10. O usuário deve informar de qual numero ele deseja ver a tabuada. A resolução disso fica assim, em Portugol: inicio variavel inteiro numero, i, resultado escrever "Qual número você deseja ver a tabuada?" ler numero escrever "Tabuada de ", numero, ":n" para i de 1 ate 10 passo 1 resultado<- i * numero escrevernumero, " x ", i, " = ", resultado, "n" proximo fim
  • 59. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 59 de 68 Um print para ver syntaxhighlighting :) Portugol para fixação TIPOS PRIMITIVOS DE DADOS INTEIRO ADMITE SOMENTE NÚMEROS INTEIROS. GERALMENTE É UTILIZADO PARA REPRESENTAR UMA CONTAGEM (QUANTIDADE). REAL ADMITE NÚMEROS REAIS (COM OU SEM CASAS DECIMAIS). GERALMENTE É UTILIZADO PARA REPRESENTAR UMA MEDIÇÃO. CARACTERE ADMITE CARACTERES ALFANUMÉRICOS. OS NÚMEROS QUANDO DECLARADOS COMO CARACTERES TORNAM SE REPRESENTATIVOS E PERDEM A ATRIBUIÇÃO DE VALOR. LÓGICO ADMITE SOMENTE VALORES LÓGICOS(VERDADEIRO/FALSO).
  • 60. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 60 de 68 COMANDOS DE I/O (INPUT/OUTPUT) LER Comando de entrada que permite a leitura de Variáveis de Entrada. ESCREVER Comando de saída que exibe uma informação na tela do monitor. IMPRIMIR Comando de saída que envia uma informação para a impressora. SINAL DE ATRIBUIÇÃO Uma Variável nunca é eternamente igual a um valor, seu conteúdo pode ser alterado a qualquer momento. Portanto para atribuir valores a variáveis devemos usar o sinal de “:=”. Exemplos: A := 2; B := 3; C := A + B; SINAL DE IGUALDADE As constantes são eternamente iguais a determinados valores, portanto usamos o sinal de “=”. Exemplos: PI = 3.1416; Empresa = „Colégio de Informática L.T.D.A.‟ V = Verdadeiro CORPO GERAL DE UM PROGRAMA PROGRAMA <<identificador>>; CONST <<identificador>> = <<dado>> VAR <<identificador>> :<<tipo>>; ÍNICIO { COMANDOS DE ENTRADA,PROCESSAMENTO E SAÍDA <<comando1>>; <<comandoN>> } FIM.
  • 61. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 61 de 68 ESTRUTURAS SEQÜÊNCIAIS Como pode ser analisado no tópico anterior, todo programa possui uma estrutura seqüencial determinada por um ÍNICIO e FIM. ; PONTO E VÍRGULA ; O sinal de ponto e vírgula “;” indica a existência de um próximo comando (passa para o próximo). Na estrutura ÍNICIO e no comando que antecede a estrutura FIM não se usa “;”. PRIMEIRO ALGORITMO Segue um Algoritmo que lê o nome e as 4 notas bimestrais de um aluno. Em seguida o Algoritmo calcula e escreve a média obtida. PROGRAMA MEDIA_FINAL; VAR NOTA1, NOTA2, NOTA3, NOTA4, MEDIA: INTEIRO; NOME : CARACTERE [35] INICIO LER (NOME); LER (NOTA1, NOTA2, NOTA3, NOTA4); MEDIA := (NOTA1 + NOTA2 + NOTA3 + NOTA4) / 4; ESCREVER (NOME, MEDIA) FIM. SEGUNDO ALGORITMO Segue um Algoritmo que lê o raio de uma circunferência e calcula sua área. PROGRAMA AREA_CIRCUNFERENCIA; CONST PI = 3.1416; VAR RAIO, AREA : REAL; INICIO LER (RAIO); {PROCESSAMENTO} AREA := PI * SQR(RAIO); {ENTRADA} ESCREVER („AREA =‟, AREA) {SAÍDA} FIM. „ASPAS SIMPLES‟
  • 62. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 62 de 68 Quando queremos exibir uma mensagem para a tela ou impressora ela deve estar contida entre aspas simples, caso contrário, o computador irá identificar a mensagem como Variável Indefinida. Exemplo: ESCREVER („AREA OBTIDA =‟, AREA) {COMANDO DE SAÍDA} AREA OBTIDA = X.XX {RESULTADO GERADO NA TELA} ESTRUTURAS DE DECISÃO Executa uma sequência de comandos de acordo com o resultado de um teste. A estrutura de decisão pode ser Simples ou Composta, baseada em um resultado lógico. Simples: SE <<CONDIÇÃO>> ENTÃO <<COMANDO1>> Composta 1: SE <<CONDIÇÃO>> ENTÃO <<COMANDO1>> SENÃO <<COMANDO1>> Composta 2: SE <<CONDIÇÃO>> ENTÃO INICIO <<COMANDO1>>; <<COMANDON>> FIM; SENÃO INICIO <<COMANDO1>>; <<COMANDON>> FIM; ALGORITMO TRÊS Segue um Algoritmo que lê 2 números e escreve o maior. PROGRAMA ACHA_MAIOR; VAR A, B : INTEIRO; INICIO LER (A, B); SE A>B ENTÃO ESCREVER (A) SENÃO ESCREVER (B) FIM.
  • 63. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 63 de 68 ALGORITMO QUATRO Segue um Algoritmo que lê o nome e as 4 notas bimestrais de um aluno. Em seguida o Algoritmo calcula e escreve a média obtida pelo aluno escrevendo também se o aluno foi aprovado ou reprovado. Média para aprovação = 6 PROGRAMA MEDIA_FINAL; VAR NOTA1, NOTA2, NOTA3, NOTA4, MEDIA: REAL; NOME : CARACTERE [35] INICIO LER (NOME); LER (NOTA1, NOTA2, NOTA3, NOTA4); MEDIA := (NOTA1 + NOTA2 + NOTA3 + NOTA4) / 4; SE MEDIA>=6 ENTÃO ESCREVER („APROVADO‟) SENÃO ESCREVER („REPROVADO‟) ESCREVER (NOME, MEDIA) FIM. NINHOS DE SE Usados para tomadas de decisões para mais de 2 opções. Forma Geral: SE <<CONDIÇÃO>> ENTÃO <<COMANDO1>> SENÃO SE <<CONDIÇÃO>> ENTÃO <<COMANDO1>> SENÃO <<COMANDO1>> ALGORITMO CINCO Segue um Algoritmo que lê 3 números e escreve o maior. PROGRAMA ACHA_MAIOR; VAR A, B, C : INTEIRO; INICIO LER (A, B, C); SE (A>B) E (A>C) ENTÃO ESCREVER (A) SENÃO SE (B>A) E (B>C) ENTÃO ESCREVER (B) SENÃO ESCREVER (C) FIM.
  • 64. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 64 de 68 ESTRUTURAS DE CONDIÇÃO A estrutura de condição eqüivale a um ninho de SE‟S. Forma Geral: FACA CASO CASO <<CONDIÇÃO1>> <<COMANDO1>>; CASO <<CONDIÇÃON>> <<COMANDO1>>; OUTROS CASOS <<COMANDO1>>; FIM DE CASO ALGORITMO SEIS Segue um Algoritmo que lê 3 números e escreve o maior. PROGRAMA ACHA_MAIOR; VAR A, B, C : INTEIRO; INICIO LER (A, B, C); FACA CASO CASO (A>B) E (A>C) ESCREVER (A); CASO (B>A) E (B>C) ESCREVER (B); OUTROS CASOS ESCREVER (C); FIM DE CASO FIM. ESTRUTURA DE REPETIÇÃO DETERMINADA Quando uma sequência de comandos deve ser executada repetidas vezes, tem-se uma estrutura de repetição. A estrutura de repetição, assim como a de decisão, envolve sempre a avaliação de uma condição.
  • 65. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 65 de 68 Na repetição determinada o algoritmo apresenta previamente a quantidade de repetições. Forma Geral 1: PARA <<VARIAVEL DE TIPO INTEIRO>>:=<<VALOR INICIAL>> ATE <<VALOR FINAL>> FAÇA <<COMANDO1>>; Forma Geral 2: PARA <<VARIAVEL DE TIPO INTEIRO>>:=<<VALOR INICIAL>> ATE <<VALOR FINAL>> FAÇA ÍNICIO <<COMANDO1>>; <<COMANDON>> FIM; A repetição por padrão determina o passo do valor inicial até o valor final como sendo 1. Determinadas linguagens possuem passo –1 ou permitem que o programador defina o passo. ALGORITMO SETE Segue um algoritmo que escreve 10 vezes a frase “VASCO DA GAMA” PROGRAMA REPETICAO; VAR I:INTEIRO INICIO PARA I :=1 ATE 10 FACA ESCREVER („VASCO DA GAMA‟) FIM. ALGORITMO OITO Segue um algoritmo que escreve os 100 primeiros números pares. PROGRAMA PARES; VAR I,PAR: INTEGER; INICIO PAR:=0; PARA I:=1 ATE 100 FACA INICIO ESCREVER (PAR); PAR := PAR+2 VARIÁVEL IMPLEMENTADA DE 1 EM 1
  • 66. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 66 de 68 FIM FIM. ESTRUTURA DE REPETIÇÃO INDETERMINADA COM VALIDAÇÃO INICIAL É usada para repetir N vezes uma ou mais instruções. Tendo como vantagem o fato de não ser necessário o conhecimento prévio do número de repetições. Forma Geral 1: ENQUANTO <<CONDIÇÃO>> FACA <<COMANDO1>>; Forma Geral 2: ENQUANTO <<CONDIÇÃO>> FACA ÍNICIO <<COMANDO1>>; <<COMANDON>> FIM; ALGORITMO NOVE Segue um algoritmo que calcule a soma dos salários dos funcionários de uma empresa. O programa termina quando o usuário digitar um salário menor que 0. PROGRAMA SOMA_SALARIOS; VAR SOMA, SALARIO : REAL; INICIO SOMA:=O; SALARIO:=1; ENQUANTO SALARIO>=0 INICIO LER (SALARIO); SOMA:=SOMA+SALARIO FIM; ESCREVER (SOMA) FIM. VALIDAÇÃO INICIAL TODAS AS VARIÁVEIS QUE ACUMULAM VALORES DEVEM RECEBER UM VALOR INICIAL.
  • 67. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 67 de 68 ESTRUTURA DE REPETIÇÃO INDETERMINADA COM VALIDAÇÃO FINAL Assim como a estrutura ENQUANTO É usada para repetir N vezes uma ou mais instruções. Sua validação é final fazendo com que a repetição seja executada pelo menos uma vez. Forma Geral; REPITA <<COMANDO1>>; <<COMANDON>> ATE <<CONDIÇÃO>> ALGORITMO DEZ Segue um algoritmo que calcule a soma dos salários dos funcionários de uma empresa. O programa termina quando o usuário digitar um salário menor que 0. PROGRAMA SOMA_SALARIOS; VAR SOMA, SALARIO : REAL; INICIO SOMA:=O; REPITA LER (SALARIO); SOMA:=SOMA+SALARIO ATE SALARIO<0; ESCREVER (SOMA) FIM. ALGORITMO ONZE Segue um algoritmo que escreve os 100 primeiros números pares. PROGRAMA PARES_2; VAR I, PAR, CONTADOR : INTEIRO; INICIO CONTADOR := 0; PAR := 0; REPITA ESCREVER (PAR); PAR := PAR+2; CONTADOR := CONTADOR+1; ATE CONTADOR=100 FIM.
  • 68. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados Professor: Gelber Xavier de Freitas www.pronatecvja.blogspot.com.br Página 68 de 68 Programas Equivalentes O algoritmo onze poderia ter sido criado com qualquer estrutura de repetição. Portanto podemos ter algoritmos que são escritos de maneiras diferentes, mas, funcionam realizando o mesmo objetivo. 15 Referências Lógica de Programação – A Construção de Algoritmos e Estruturas de Dados – São Paulo: Forbellone, André Luiz Villar - MAKRON, 2001. Sites na Web: http://www.inf.pucrs.br/~egidio/algo1/ http//www.freitasjus.blogspot.com.br http//www.freitasinfo.blogspot.com.br http//www.pronatec.blogspot.com.br http//www.tecmundo.com.br http//www.olhardigital.com.br

×