Your SlideShare is downloading. ×
Manual Nutriçao (nao profissional) 6
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Manual Nutriçao (nao profissional) 6

568

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
568
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Capítulo 6 – Plano Alimentar em algumas complicações metabólicas do Diabetes Mellitus: Hipoglicemia, Nefropatias e Dislipidemias. – 1 Manual de Nutrição Paciente Capítulo 6 Plano Alimentar em algumas complicações metabólicas doDiabetes Mellitus: Hipoglicemia, Nefropatias e Dislipidemias.
  • 2. MaNual de Nutrição teMas e autoresCapítulo 1 – Os alimentos: calorias, • Mestra em Nutrição Humana pela UFRJ • Especialista em Educação e Saúde pela UFRJmacronutrientes e micronutrientes • Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD -2006/2007Anelena Soccal Seyffarth• Nutricionista Especialista em Nutrição Humana Capítulo 7 - Plano alimentar nas situações• Preceptora da Residência em Nutrição da Secretaria de Saúde do Dis- trito Federal especiais: escola, trabalho, festas, restaurantes e• Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – dias de doença 2006/2007 Gisele Rossi GoveiaCapítulo 2 – Alimentação e hábitos saudáveis • Nutricionista Especialista em Nutrição Clínica pela Associação Brasi- leira de Nutrição - ASBRANDeise Regina Baptista Mendonça • Nutricionista da Preventa Consultoria em Saúde/SP; • Membro do Conselho Consultivo da Associação de Diabetes Juvenil • Nutricionista Especialista em Administração Hospitalar e em Saúde de São Paulo Pública • Coordenadora do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD - • Professora -adjunta do Departamento de Nutrição da Universidade 2006/2007 Federal do Paraná (UFPR)• Coordenadora do Curso de Especialização em Nutrição Clínica da UFPR; Colaboradoras:• Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – 2006/2007 Ana Cristina Bracini de Aguiar • Especialista em Nutrição ClínicaCapítulo 3 – Determinando o plano alimentar • Pós graduação em Administração Hospitalar. • Nutricionista Clínica do Instituto da Criança com Diabetes, do Rio Anita Sachs Grande do Sul. • Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – • Nutricionista Mestre em nutrição humana pela London School Hygie- 2006/2007 ne and Tropical Medicine• Professora adjunta e chefe da disciplina de Nutrição do Departamento de Medicina Preventiva da UNIFESP, Clarissa Paia Bargas Uezima• Doutora em Ciências pela UNIFESP • Nutricionista• Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – • Especialista em Nutrição em Saúde Publica pela UNIFESP 2006/2007 Josefina Bressan Resende MonteiroCapítulo 4 – Plano alimentar e diabetes mellitus • Nutricionista Especialista em Nutrição Clínica pela Universidade Fe-tipo 1 deral do Rio de Janeiro • Professora-adjunta do Departamento de Nutrição e Saúde da Univer-Luciana Bruno sidade Federal de Viçosa (DNS/UFV) • Pesquisadora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e • Nutricionista Especialista em Nutrição Materno Infantil pela Unifesp Tecnológico (CNPq) com treinamento na Joslin Diabetes Center • Coordenadora do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD • Nutricionista da Preventa Consultoria em Saúde /SP – 2004/2005• Membro do Conselho Consultivo da Associação de Diabetes Juvenil de São Paulo Juliane Costa Silva Zemdegs• Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – 2006/2007 • Nutricionista • Especialista em Nutrição em Saúde Publica pela UNIFESPCapítulo 5 – Plano alimentar e diabetes mellitus Kariane Aroeira Krinastipo 2 • NutricionistaCeleste Elvira Viggiano • Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – 2006/2007• Nutricionista clínica e sanitarista• Educadora e especialista em diabetes, obesidade e síndrome metabó- Marisa Sacramento Gonçalves lica.• Coordenadora do Curso de Graduação em Nutrição da Universidade • Nutricionista Centro de Diabetes e Endocrinologia do Estado da Municipal de São Caetano do Sul-SP Bahia• Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – • Residência em Nutrição Clínica - Hospital Universitário Antonio Pedro, 2006/2007 Niterói/RJ1980 • Especialista em Controle e Qualidade de Alimentos UFBA 1989 • Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – Capítulo 6 – Plano alimentar nas complicações 2006/2007metabólicas, agudas e crônicas do diabetes:hipoglicemia, nefropatia, dislipidemiasMarlene Merino Alvarez• Nutricionista do grupo de Diabetes da Universidade Federal Fluminen- se (UFF);
  • 3. MaNual de Nutrição Paciente CaPÍtulo 6 PLANo ALIMENTAR EM ALGUMAS CoMPLICAçõES METABóLICAS Do DIABETES MELLITUS: HIPoGLICEMIA, NEFRoPATIAS E DISLIPIDEMIAS.
  • 4. Plano alimentar em algumas comPlicaçõesmetabólicas do diabetes mellitus: HiPoglicemia,nefroPatias e disliPidemiasAutora: Marlene Merino AlvarezMITOS: IDenTIfICAr MITOS A reSPeITO DO TeMA GlICeMIA < 50 – usar uma das opções abaixo 1. hora da hipoglicemia é o melhor momento A para se comer doce. 2. A alimentação para quem está com problema nos rins deve ser sem carne vermelha. 3. É normal o diabético ter gordura alta no sangue.fATOS:Hipoglicemiaos doces e guloseimas podem ser incluídos no plano alimentar em um outro momento, desde que quan- 1 colher (sopa) rasa de açúcar em 1/2 copo de águatificados e orientados pelo nutricionista, até mesmo porque a hipoglicemia é um momento em que o cor-po está debilitado e as funções normais não estão plenas e por isso o prazer da alimentação também fica prejudicado. Tratamento:Acha que está com hipo? Meça a glicemia. Se menor que 50mg/dl, ingerir 1 colher de sopa de açúcar (15 g de carboidratos) misturado com água. ou Suco de laranja (1 copo de 150ml) ou Caramelos (3 unidades) ou 1 copo (150ml) de suco de laranjaou Refrigerante comum (1 copo de 150ml). A glice-mia capilar (ponta de dedo) deve ser realizada após 15 minutos da administração do alimento (açúcar) e caso a glicemia não tenha voltado ao normal deve-se voltar a dar 15 g de carboidratos. Se estiver na hora da refeição esta deve ser antecipada. É importante saber reconhecer os sintomas da hipo, e também identificar as causa. Hipoglicemia não é nosso objetivo de tratamento. MeDIr GlICeMIA ou 3 caramelos ou 1 copo (150 ml) de refrigerante comum
  • 5. Capítulo 6 – Plano Alimentar em algumas complicações metabólicas do Diabetes Mellitus: Hipoglicemia, Nefropatias e Dislipidemias. – 5Nefropatia diabética vasculares do que pessoas não diabéticas. A nefropatia diabética é uma doença que acomete No tratamento das dislipidemias deve levar em os rins. os rins têm como principal função manter consideração:o equilíbrio do organismo. Eles funcionam como se • mudança do estilo de vida, fossem um filtro expulsando as substâncias “tóxicas” • hábitos alimentares saudáveise retendo os nutrientes essenciais ao bom funciona- • controle do excesso de peso corporal.mento do corpo. • evitar o consumo de álcool o plano alimentar na nefropatia diabética além de • atividade física regularser individualizado, irá variar de acordo com o es-tágio da falência renal. o nutriente mais afetado é a PerGUnTAS freQUenTeS:proteína (animal e vegetal), e não somente as car- 1. É possível aumentar a comida antes de uma ati-nes vermelhas. Com a progressão da doença, há ne- vidade física para evitar hipoglicemia?cessidade também de restrição de alguns minerais. Resposta: não é recomendado aumentar a quanti- o tratamento da nefropatia diabética pode ser di- dade de alimentos da refeição anterior imaginan-vidido em três etapas (primária, secundária e terciá- do que vai ocorrer a hipoglicemia. Ao aumentar a ria) de acordo com o comprometimento dos rins. alimentação antes de saber se vai ter hipoglicemia Na primária deve-se se ter preocupação com os pode prejudicar o controle metabólico e favorecer seguintes itens: o ganho de peso.1. Contole da glicemia bem de perto, controle da Informe o fato imediatamente ao seu nutricionista pressão arterial, controle da dislipidemia, suspen- e ao seu médico para que a equipe resolva qual são do fumo o procedimento mais correto para o seu caso.2. Na secundária entram todos os itens da primária e mais: 2. É necessário retirar todas as proteínas (carnes) 3. Plano alimentar com quantidade controlada de quando começa a aparecer o problema nos rins? proteínas. Esta recomendação visa não sobrecar- Resposta: não é necessário retirar todas as grandes regar ainda mais os rins. fontes de proteína, no entanto a redução é drásti-4. A restrição a proteína (carnes, leites, ovos, legu- ca porque normalmente a pessoa com diabetes já minosas e etc.) é bem restrito e as substituições faz uma alimentação rica em proteínas. o plano passam também a respeitar a quantidade de pro- alimentar deve ser calculado pelo nutricionista, de teína do alimento. maneira a manter mais da metade das proteínas5. o plano alimentar deve ser elaborado por um nu- oriundas de frango, peixe ou carne, no entanto é tricionista importante lembrar que a proteína vegetal (ex: soja) também deve ser contada. Na fase terciária da nefropatia diabética há a per-da irreversível da função renal devendo-se introduzir 3. Por que a gordura no sangue não abaixa uma vez métodos de substituição do rim: hemodiálise, diálise que os produtos utilizados pelos diabeticos são e transplante. o plano alimentar deve ser reavalia- diet?do e adequado ao novo método de filtração pois há Resposta: no diabetes o nível de colesterol no san-necessidade de repor perdas nutricionais. gue está relacionado ao controle metabólico além do aspecto genético e da alimentação. Se a glice-Dislipidemias mia estiver alta o tempo todo, isto pode favorecer As dislipidemias (gorduras altas no sangue) não são as gorduras altas no sangue. Além disso, os produ-classificadas como complicações agudas ou crônicas, tos diets tem aplicações específicas e isto não quer mas são muito comuns nas pessoas com diabetes em dizer que pode ser utilizado para todos os casos. virtude do excesso de peso e do mau controle. Ex: chocolate diet é rico em gordura hidrogenada os indivíduos com Diabetes Mellitus têm 2 a 3 e não pode ser consumido por pessoas que tem vezes maior chance de apresentar problemas cardio- colesterol alto.
  • 6. Capítulo 6 – Plano Alimentar em algumas complicações metabólicas do Diabetes Mellitus: Hipoglicemia, Nefropatias e Dislipidemias. – 6O QUÊ VOCÊ PODe COMeÇAr A fAZer PArA re- 4. Ter hábitos alimentares saudáveis com a inclusão TArDAr OU eVITAr A PrOGreSSÃO DAS COM- de legumes, verduras e frutas na alimentação di-PlICAÇÕeS DO DIABeTeS MellITUS ária1. Controlar sempre a glicemia com a ponta de dedo 5. Fazer atividade física com freqüência dentro do 2. Manter hemoglobina glicada dentro do valor es- seu limite e orientado pela equipe médica tabelecido pela equipe que o acompanha.3. Controlar o peso 6. Participar de grupos de convivência em diabetes

×