Apostila 1 - Sociologia - 2°G

5,935 views
5,592 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
5,935
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
200
Actions
Shares
0
Downloads
64
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apostila 1 - Sociologia - 2°G

  1. 1. APOSTILA DE SOCIOLOGIA – 2°G PARTE 1 – De onde vem a diversidade social brasileira? A população brasileira – diversidade nacional e regional DIVERSIDADE CULTURAL NO BRASIL A diversidade cultural refere-se aos diferentes costumes de uma sociedade, entre os quais podemos citar: vestimenta, culinária, manifestações religiosas, tradições, entre outros aspectos. O Brasil, por conter um extenso território, apresenta diferenças climáticas, econômicas, sociais e culturais entre as suas regiões. Os principais disseminadores da cultura brasileira são os colonizadores europeus, a população indígena e os escravos africanos. Posteriormente, os imigrantes italianos, japoneses, alemães, poloneses, árabes, entre outros, contribuíram para a pluralidade cultural do Brasil. Nesse contexto, alguns aspectos culturais das regiões brasileiras serão abordados. Região Nordeste Entre as manifestações culturais da região estão danças e festas como o bumba meu boi, maracatu, caboclinhos, carnaval, ciranda, coco, terno de zabumba, marujada, reisado, frevo, cavalhada e capoeira. Algumas manifestações religiosas são a festa de Iemanjá e a lavagem das escadarias do Bonfim. A literatura de Cordel é outro elemento forte da cultura nordestina. O artesanato é representado pelos trabalhos de rendas. Os pratos típicos são: carne de sol, peixes, frutos do mar, buchada de bode, sarapatel, acarajé, vatapá, cururu, feijão-verde, canjica, arrozdoce, bolo de fubá cozido, bolo de massa de mandioca, broa de milho verde, pamonha, cocada, tapioca, pé de moleque, entre tantos outros. Região Norte A quantidade de eventos culturais do Norte é imensa. As duas maiores festas populares do Norte são o Círio de Nazaré, em Belém (PA); e o Festival de Parintins, a mais conhecida festa do boi-bumbá do país, que ocorre em junho, no Amazonas. Outros elementos culturais da região Norte são: o carimbó, o congo ou congada, a folia de reis e a festa do divino. A influência indígena é fortíssima na culinária do Norte, baseada na mandioca e em peixes. Outros alimentos típicos do povo nortista são: carne de sol, tucupi (caldo da mandioca cozida), tacacá (espécie de sopa quente feita com tucupi), jambu (um tipo de erva), camarão seco e pimenta-de-cheiro. Região Centro-Oeste A cultura do Centro-Oeste brasileiro é bem diversificada, recebendo contribuições principalmente dos indígenas, paulistas, mineiros, gaúchos, bolivianos e paraguaios. São manifestações culturais típicas da região: a cavalhada e o fogaréu, no estado de Goiás; e o cururu, em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. A culinária regional é composta por arroz com pequi, sopa paraguaia, arroz carreteiro, arroz boliviano, maria-isabel, empadão goiano, pamonha, angu, cural, os peixes do Pantanal - como o pintado, pacu, dourado, entre outros. Região Sudeste Os principais elementos da cultura regional são: festa do divino, festejos da páscoa e dos santos padroeiros, congada, cavalhadas, bumba meu boi, carnaval, peão de boiadeiro, dança de velhos, Prof. Valter Batista de Souza 1
  2. 2. APOSTILA DE SOCIOLOGIA – 2°G PARTE 1 – De onde vem a diversidade social brasileira? A população brasileira – diversidade nacional e regional batuque, samba de lenço, festa de Iemanjá, folia de reis, caiapó. A culinária do Sudeste é bem diversificada e apresenta forte influência do índio, do escravo e dos diversos imigrantes europeus e asiáticos. Entre os pratos típicos se destacam a moqueca capixaba, pão de queijo, feijão-tropeiro, carne de porco, feijoada, aipim frito, bolinho de bacalhau, picadinho, virado à paulista, cuscuz paulista, farofa, pizza, etc. Região Sul O Sul apresenta aspectos culturais dos imigrantes portugueses, espanhóis e, principalmente, alemães e italianos. As festas típicas são: a Festa da Uva (italiana) e a Oktoberfest (alemã). Também integram a cultura sulista: o fandango de influência portuguesa, a tirana e o anuo de origem espanhola, a festa de Nossa Senhora dos Navegantes, a congada, o boi-de-mamão, a dança de fitas, boi na vara. Na culinária estão presentes: churrasco, chimarrão, camarão, pirão de peixe, marreco assado, barreado (cozido de carne em uma panela de barro), vinho. Disponível em http://www.mundoeducacao.com/geografia/diversidade-cultural-no-brasil.htm, acesso em 01 de fevereiro de 2014. A VISÃO DA UNESCO O Brasil tem uma notável diversidade criativa. Diversidade cultural pode ter um papel central no desenvolvimento de projetos culturais no país, especialmente com ênfase nos indígenas e afrodescendentes. Áreas como o artesanato tradicional, pequenas manufaturas, moda e design são áreas estratégicas para o país, em vista de sua potencialidade em termos da melhoria das condições de vida das populações mais pobres. Elas podem trazer empoderamento individual e contribuir com a reduçâo da pobreza. Ao tentar enfrentar seu problema mais urgente – a desigualdade social – o país vem descobrindo a forte influência da cultura para a configuração dessa realidade, bem como seu potencial de transformação social do cenário atual. Falta ainda uma abordagem cultural mais profunda com relação aos povos indígenas e aos afrodescendentes. Estes dois grupos de minoria apresentam os piores indicadores sociais do país, mas que apenas nos últimos anos passaram a ser alvo de políticas sociais específicas. É preciso que mais seja feito para preservar: • tradições indígenas, • línguas indígenas ameaçadas de desaparecimento, • conhecimento tradicional indígena sobre a natureza terras índigenas - há conflitos a respeito da expansão a fronteira agrícola e os investimentos em infraestrutura, • • afirmação dos direitos dos povos indígenas, • Influência da cultura africana na cultura e história do Brasil. Prof. Valter Batista de Souza 2
  3. 3. APOSTILA DE SOCIOLOGIA – 2°G PARTE 1 – De onde vem a diversidade social brasileira? A população brasileira – diversidade nacional e regional Disponível em http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/culture/cultural-diversity/, acesso em 31 de janeiro de 2014. AMPLIANDO OS CONCEITOS Compreendemos que seja necessário reconceituar o que é diversidade cultural, para além do que se trata no senso comum, como uma variedade necessária e positiva de costumes de uma sociedade. Levando-se em consideração a necessidade de compreender que a cultura é construída na convivência social e que recebe influências históricas nesse processo, tem-se a diversidade cultural como uma possibilidade de intercâmbio, algo que se movimenta, que permite juntar as pontas que nos unem nos processos de diálogos e de trocas. Desse modo, compreendemos, assim como descrito no "Relatório Mundial da UNESCO - Investir na diversidade cultural e no diálogo intercultural", que a diversidade cultural é mais do que um bem a ser preservado, mas um recurso que é necessário promover, principalmente em espaços que são carentes da compreensão do que é cultura. Em dias de tantas instabilidades políticas e extremismos étnicos, faz-se necessário usar os canais disponíveis, em particular os que são inerentes à educação escolar, para trazer à tona estes importantes temas: cultura, identidade e etnias. O QUE É DIVERSIDADE CULTURAL? Para Anete Abramowicz (2006, p. 12): “diversidade pode significar variedade, diferença e multiplicidade. A diferença é qualidade do que é diferente; o que distingue uma coisa de outra, a falta de igualdade ou de semelhança”. Nesse sentido, podemos afirmar que onde há diversidade existe diferença. Marisa Vorraber Costa (2008) afirma que a diferença não é uma marca do sujeito, mas sim uma marca que o constituem socialmente, e se estabeleceu como uma forma de exclusão, ser diferente na educação ainda significa ser excluído e/ou ser subrepresentado nas instâncias sociais. Reconhecer que somos diferentes para estabelecer a existência de uma diversidade cultural no Brasil, não é suficiente para combater os estereótipos e os estigmas que ainda marginalizam milhares de crianças em nossas escolas e milhares de adultos em nossa sociedade. Maria Vera Candau (2005, p. 19) afirma que: “Não se deve contrapor igualdade a diferença. De fato, a igualdade não está oposta à diferença, e sim à desigualdade, e diferença não se opõem à igualdade, e sim à padronização, à produção em série, à uniformidade, a sempre o “mesmo”, à mesmice”. Prof. Valter Batista de Souza 3
  4. 4. APOSTILA DE SOCIOLOGIA – 2°G PARTE 1 – De onde vem a diversidade social brasileira? A população brasileira – diversidade nacional e regional Reconhecer a diferença é questionar os conceitos homogêneos, estáveis e permanentes que excluem o ou a diferente. As certezas que foram socialmente construídas devem se fragilizar e desvanecer. Para tanto, é preciso desconstruir, pluralizar, ressignificar, reinventar identidades e subjetividades, saberes, valores, convicções, horizonte de sentidos. Somos obrigados a assumir o múltiplo, o plural, o diferente, o híbrido, na sociedade como um todo (CANDAU, 2005). Falar sobre diversidade não pode ser só um exercício de perceber os diferentes, de tolerar o “outro”. Antes de tolerar, respeitar e admitir a diferença é preciso explicar como essa diferença é produzida e quais são jogos de poder estabelecido por ela. Como nos alerta Tomaz Tadeu da Silva (2000), a diversidade biológica pode ser um produto da natureza, mas o mesmo não se pode dizer sobre a diversidade cultural, pois, de acordo com o autor, a diversidade cultural não é um ponto de origem, ela é em vez disso um processo conduzido pelas relações de poderes constitutivos da sociedade que estabelece “outro” diferente do “eu” e “eu” diferente do “outro” como uma forma de exclusão e marginalização. Uma ação pedagógica realmente pautada na diversidade cultural deve ter como principio uma política curricular da identidade e da diferença. Tem obrigação de ir além das benevolentes declarações de boa vontade para com a diferença, ela coloca em seu centro uma teoria que permita não só reconhecer e celebrar a diferença, mas também questioná-la, a fim de perceber como ela discursivamente está constituída. Um debate interessante Na concepção atual, tanto a música funk quanto a erudita são consideradas manifestações culturais? A discussão aqui não é a qualidade da produção cultural, mas sim se consiste em manifestações distintas de cultura ou desvalorização e sobreposição de uma em relação à outra. Pensando nisso, pode-se afirmar que ambas musicalidades são expressões culturais. Cada uma a seu tempo, em seu lócus, têm enormes contribuições a dar à sociedade. Da cultura erudita vem a música clássica, da cultura popular de massas, o funk, Na forma e no conteúdo, são expressões bem diversas de uma das grandes artes. Há, ainda, obviamente, uma grande resistência à cultura funk, pela sua origem na periferia, pelas letras agressivas, por vezes, e pela estética que carrega, ferindo a gramática e a língua, para passar a mensagem da periferia pra frente. A música erudita, inacessível às massas, por conter um histórico que precisa ser conhecido para que se compreenda o todo de sua expressão e por não ter espaços democráticos que permitam o acesso facilitado às suas execuções. Mas são culturaS! E conhecer culturas diversas ajuda a conhecer mundos diferentes, realidades inacessíveis e a respeitar essas diferenças com mais facilidade. Amplia a visão de mundo, aproxima os povos, facilita a integração e fortalece os laços que nos aproximam dos outros. Além disso, num país como o nosso, erguido a partir da miscigenação e da exploração de povos diversos, conhecer as culturas indígena e africana, em particular, nos permite conhecer nossa história mais a fundo, buscar explicações para termos tão poucos indígenas em nosso país, para compreendermos os problemas inerentes a este processo e o atual quadro de desequilíbrio que se vê claramente em nossa sociedade, no que diz respeito aos direitos humanos, em particular os de negros e indígenas. A escola é uma Instituição que se presume democrática e inclusiva. Não é um simples espaço de aprendizagem ou de trocas, mas de construção. Quando se fala em diversidade cultural temProf. Valter Batista de Souza 4
  5. 5. APOSTILA DE SOCIOLOGIA – 2°G PARTE 1 – De onde vem a diversidade social brasileira? A população brasileira – diversidade nacional e regional se na escola um espaço importante de formação de uma ética adequada aos novos tempos. Sim, porque em tempos passados, admitia-se de tudo, mesmo inferências preconceituosas, até mesmo racistas, em ambientes escolares. Apelidos e anedotas tão comuns outrora, se tornaram proibidos em nome de uma nova forma de convivência, baseada no respeito às diferenças, a partir do seu reconhecimento e na aceitação da riqueza de que a diversidade pode acrescentar muito à cultura local. Assim, é papel da escola contribuir na construção de uma visão de mundo adequada, em que a cultura diversa é um fator positivo e que deve ser valorizado. É necessário depreender uma questão semântica que delineia os termos multiculturalidade e interculturalidade. Portanto, devemos caminhar na direção de um processo educativo que pode ajudar na construção de uma educação intercultural. Ao redor de quatro ações, este processo pode contribuir para uma escola verdadeiramente inclusiva, no que diz respeito à questão da diversidade cultural. Primeiramente, desconstruir o conceito de cultura, aliás, de monocultura, reconhecendo o caráter desigual, discriminador e racista de nossa sociedade. Articular a igualdade e a diferença, assegurando a educação como um direito de todos. Resgatar nossas identidades culturais e colaborar na construção de novas identidades, inclusivas. Promover uma dinâmica educacional que favoreça processos de empoderamento nas dimensões individual e coletiva. Fonte: SOUZA, Valter Batista de. Cultura e culturas na escola. Texto escrito para o curso “Na trilha da cidadania: diversidade e etnias”, Outubro/2013. Prof. Valter Batista de Souza 5
  6. 6. APOSTILA DE SOCIOLOGIA – 2°G PARTE 1 – De onde vem a diversidade social brasileira? A população brasileira – diversidade nacional e regional se na escola um espaço importante de formação de uma ética adequada aos novos tempos. Sim, porque em tempos passados, admitia-se de tudo, mesmo inferências preconceituosas, até mesmo racistas, em ambientes escolares. Apelidos e anedotas tão comuns outrora, se tornaram proibidos em nome de uma nova forma de convivência, baseada no respeito às diferenças, a partir do seu reconhecimento e na aceitação da riqueza de que a diversidade pode acrescentar muito à cultura local. Assim, é papel da escola contribuir na construção de uma visão de mundo adequada, em que a cultura diversa é um fator positivo e que deve ser valorizado. É necessário depreender uma questão semântica que delineia os termos multiculturalidade e interculturalidade. Portanto, devemos caminhar na direção de um processo educativo que pode ajudar na construção de uma educação intercultural. Ao redor de quatro ações, este processo pode contribuir para uma escola verdadeiramente inclusiva, no que diz respeito à questão da diversidade cultural. Primeiramente, desconstruir o conceito de cultura, aliás, de monocultura, reconhecendo o caráter desigual, discriminador e racista de nossa sociedade. Articular a igualdade e a diferença, assegurando a educação como um direito de todos. Resgatar nossas identidades culturais e colaborar na construção de novas identidades, inclusivas. Promover uma dinâmica educacional que favoreça processos de empoderamento nas dimensões individual e coletiva. Fonte: SOUZA, Valter Batista de. Cultura e culturas na escola. Texto escrito para o curso “Na trilha da cidadania: diversidade e etnias”, Outubro/2013. Prof. Valter Batista de Souza 5

×