Privest - Europa II - 3º ano EM
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Privest - Europa II - 3º ano EM

on

  • 708 views

Geografia - Aula - 3º ano EM.

Geografia - Aula - 3º ano EM.

Statistics

Views

Total Views
708
Slideshare-icon Views on SlideShare
700
Embed Views
8

Actions

Likes
0
Downloads
13
Comments
0

2 Embeds 8

http://www.professorrodrigoribeiro.com.br 5
http://professorrodrigoribeiro.com.br 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Privest - Europa II - 3º ano EM Privest - Europa II - 3º ano EM Presentation Transcript

    • PRIVEST 3º Ano do EMEuropa - Sociedade Prof.: Rodrigo
    • Controle de imigração no Reino Unido em 2006.Fonte: Home Office, Folha de S.Paulo, 24 mar. 08. p. C-3.
    • População Em 2005 745 milhões A população de habitantesA densidade europeia era dedemográfica atingia aproximadamentecerca de 71 hab./km²,fazendo do O correspondente a As taxas de crescimento cerca de 12% dacontinente o mais demográfico europeu estãodensamente povoado próximas de zero. Alguns população mundial.do mundo. países vêm apresentando taxas negativas nos últimos anos. As partes menos habitadas, compreendem as regiões próximas do círculo polar Ártico, como a península Escandinava, a Finlândia, a porção norte da Rússia e as altas montanhas.
    • A dinâmica do crescimento populacional Taxa média de crescimento demográfico entre 2005 e 2010. Em decorrência da acentuada queda dos Países Crescimento anual índices de natalidadeEspanha 0,8Suécia 0,4Dinamarca 0,2 A Europa vemReino Unido 0,4 apresentando baixasAlemanha -0,1 taxas de crescimentoRepública Tcheca 0,0 populacional.Hungria -0,3Letônia -0,5Bulgária -0,7Fonte: L’état du monde, 2008. O que os dados da tabela revelam?
    • Essa queda pode ser atribuída:• ao desenvolvimento urbano-industrial do continente, queeleva o custo de vida para uma família numerosa;• redefinição do modo de vida, com casamentos mais tardios;• crescente participação da mulher no mercado de trabalho;• desejos de consumo, lazer e ascensão social;• disseminação dos métodos anticoncepcionais;• maior difusão dos meios de comunicação, que ampliaram oacesso a informação, permitiram que os casais passassem afazer planejamento familiar, reduzindo o número de filhos.
    • O aumento do número de idososA expectativa de vida na maioria dos paíseseuropeus está acima dos 75 anos. Em consequência disso, é grande o número de idosos na composição etária da população.O comportamento Tobias Fleber/ dpa/ Corbis/ LatinStockdemográfico europeutraz séria preocupaçãoao continente, pois aomesmo tempo em quenão há aumento da forçade trabalho, ocorre aelevação sensível dosgastos com aprevidência social. Idosas praticando atividade física na Alemanha (2007).
    • Patrick Ward/ Corbis Idosos em apresentação de dança tradicional em uma praça em Sevilha, na Espanha.
    • Analise a tabela. Expectativa de Vida – (2005-2010) Países AnosQuando se constata que Alemanha 79,4quase um terço dos Espanha 80,9cerca de 400 milhões dehabitantes da União República Tcheca 76,5Européia é constituído Reino Unido 79,4por pessoas com mais Grécia 79,5de 50 anos de idade, ouseja, pessoas Itália 80,5aposentadas ou que Portugal 78,1estão para se aposentar, Fonte: L’état du monde, 2008.é evidente a elevaçãodos gastos com aprevidência social.
    • Analise a pirâmide etária. As pirâmides etárias apresentam um estreitamento em suas bases. Assim, se essa situação de baixo índice de natalidade com elevação da expectativa de vida continuar, os topos das pirâmides ficarão cada vez mais largos.Fonte: Population Reference Bureau/ONU.
    • A composição étnica CEDOCOs europeus podem ser divididos em trêsgrandes ramos étnicos, cada um como umadiversidade de grupos de povos ou etnias.Esses ramos são:• atlanto-mediterrâneos;• germanos;• eslavos. Eslavo. Gloria Rodrigues/ Stock Photos No continente europeu, predominam os idiomas indo-europeus, subdivididos em três grupos principais: o latino, o germânico e o eslavo. Atlanto-mediterrâneas.
    • Europa Nórdica e Europa MeridionalA Europa Nórdica é formada por Noruega,Suécia, Finlândia, Dinamarca e Islândia. EEuropa Meridional é formada por Portugal,Espanha, França, Itália e Grécia. Essa divisãoobedece aos critérios geográficos.Enquanto os germanos e os eslavos, situadosna Europa Nórdica e na Oriental, têmgeralmente pele e olhos claros, os atlanto-mediterrâneos, localizados predominantementena faixa atlântica e na Europa Meridional, sãogeralmente morenos e têm olhos escuros.
    • A religião Apesar da diversidade étnica e linguística existente na Europa A maior parte da população pratica o o romano e o catolicismo, dividido em dois grupos ortodoxo.Além do catolicismo, praticam-se também:• o protestantismo, que predomina na parte Com a onda migratóriasetentrional do continente e divide-se em recente de turcos,luteranismo, calvinismo e anglicanismo; norte-africanos e• o islamismo, que possui muitos adeptos na árabes do OrienteTurquia e na península dos Bálcãs; Médio em direção à Europa Ocidental,• o judaísmo, que é praticado em diversos cresceu muito opaíses europeus, mas por um pequeno número de adeptos donúmero de adeptos. islamismo nessa porção do continente europeu.
    • Entre os praticantes do islamismo, Setboun/ Corbis há uma facção minoritária conhecida por fundamentalistas ou integrista, da qual fazem parte alguns grupos que promovem atos terroristas para desestabilizar governos ocidentais. Em vista disso, alguns governos de países europeus vêm se preocupando com a expansão da religião islâmica no continente.Na França, de acordo com a lei de2004, é proibida a entrada de alunoscom sinais religiosos ostensivos nasinstituições de ensino públicas. Com Mulçumanos em prece, em uma ruaisso, as alunas que professam o da cidade de Marselha, na França, emislamismo não podem usar na 2000.escolas o véu islâmico (chador).
    • A imigração e o racismo Observe o mapa e o gráfico. População natural de outros países na EuropaCarlos Tadeu de Carvalho Gamba Fonte: Eurostat/OCDE/ONU.
    • Fonte: Eurostat.
    • Conversa Qual é o tema tratado nas representações? Analise o mapa e cite os nomes de quatro países europeus que apresentavam percentuais superiores a 12% de população natural nascida em outros países. A migração efetiva é o saldo migratório – diferença entre emigração e imigração – proporcional a uma quantidade da população nativa (por cem ou por mil, por exemplo). Conforme a legenda e o gráfico, o que ocorreu com a quantidade de migrantes por mil habitantes na Europa, a partir de 1997? O que explica isso?
    • São bastante conhecidos os deslocamentos da população europeia para colonizar outros continentes Como a América eDurante séculos, os europeus deixaram seu a Oceania.continente à procura de novas perspectivas deemprego e melhoria das condições de vida para fugirde guerras religiosas e imperialistas. Com o fim da Segunda Guerra Mundial, porém, essa situação se inverteu: A Europa tornou-se um continente atraente a imigrantes do norte da África, Turquia e Oriente Médio, e sua população, de forma geral, não tem se deslocado de modo significativo em busca de outras regiões.
    • No período pós-Segunda Guerra Muitos países europeus Para ser mão de obra procuraram atrair imigrantes barata e sem qualificaçãoO crescimento econômico e o Essencial para o momento doalto padrão de vida alcançado processo de reconstrução dopelos países da União continente.Europeia, Suíça e Noruega nasegunda metade do século XXos transformaram em polo deatração de migrantes. Principalmente vindo dos países subdesenvolvidos, com destaque para os países da África, do sul da Ásia e da Turquia.
    • Nos últimos anos, os Charles Platiau/ Reuters/ LatinStockdeslocamentosinternos da populaçãoeuropéia se tornarammuito intensos. A crisenos países do LesteEuropeu provocou fortemigração para ospaíses da UniãoEuropéia, principalmente para a Alemanha, aFrança e a Itália. Imigrantes ilegais expulsos de alojamentos na França.
    • Em 2004 Com a admissão de oito países do Leste Europeu na União Europeia O fluxo de imigrantes Tendo em vista os investimentos sofreu modificação que o Oeste Europeu destinou aos novos ingressantes.Também cresceram os No período de transição do séculodeslocamentos da XX para o século XXI, não forampopulação dos países apenas operários não qualificadoscom grandes que se deslocaram, mas tambémdesequilíbrios jovens graduados em busca deeconômico-regionais, trabalho e de melhores condiçõesdas áreas mais pobres de vida.para as áreas mais ricas.
    • A continuidade desses movimentos populacionais O fato do crescimento demográfico da população imigrante ser superior ao da europeia GERAM Uma crescente diversidade étnica e cultural nas sociedades dos países europeus.Diante desse fenômeno, têm O fato da populaçãocrescido os movimentos xenófobos imigrante se concentrar nose o sentimento de nacionalismo em grandes centros urbanos dáalguns povos da Europa, que maior visibilidade aosatribuem aos imigrantes a culpa problemas de desempregopelo aumento do desemprego e da e de formação de periferiascriminalidade. miseráveis.
    • O aumento da aversão aos imigrantes por parte de alguns membrosda população, entre outros fatores, explica o crescimento daparticipação dos partidos de extrema direita nas eleições que vêmsendo realizadas neste início de século. Esses partidos têm comopontos principais de seus programas o estabelecimento de políticasde combate a imigração e aos imigrantes que vivem na Europa. Protesto de membros de uma organização de direita, contra a construção de uma mesquita na Alemanha, em 2007.
    • Pancho Cajas Em:{http://cagle.slate.msn.com/politicalcartoons/pecartoons/archives/cajas.asp?Action=GetImage}.O que o cartunista quis expressar?
    • A partir de 2007 Para conter o fluxo de imigrantes africanos que se dirigem à Europa Ocidental,Com a entrada da Romênia e da os europeus decidiramBulgária na União Europeia levantar, em 1998, um muro semelhante ao existente entre Entre outros fatores o México e os Estados Unidos. A maior parte da obraEm razão dos elevados foi financiada pela Uniãoíndices de desemprego Europeia.desses países, muitosbúlgaros e romenos Em reação a isso, Alemanha,começaram a sair em França, Espanha, Portugal, Itália,busca de entre outros, implementaramoportunidades de ações de restrição ao ingresso detrabalho nos países pessoas originárias dessesmais ricos do países.continente.
    • A pobreza na Europa desenvolvidaApesar de terem retomado o crescimento econômico:• com baixa inflação;• alta rentabilidade de suas empresas;• boas perspectivas com a moeda única. Ashley Cooper/ Corbis/ LatinStock Os países europeus não conseguiram eliminar o que parece ser um dos seus principais problemas: o desemprego. O desemprego é um dos maiores problemas que o mundo enfrenta atualmente. Na fotografia, desempregado na Inglaterra (2003).
    • Dentre as medidas que estão sendo propostas para criar empregos Na Itália e no Reino Unido, o trabalho autônomo vem crescendo em virtude DESTACA-SE da terceirização e da subcontratação na indústria e nos serviços.• a adoção de políticas flexíveisde contratação; Os países da união européia• dispensa de trabalhadores. vêm organizando estratégias para conter o desemprego, que atinge cerca de 10% de seusTodo esse processo de alteração na habitantes, com destaque paraestrutura de empregos está sendo as elevadas taxas da Espanhaacompanhado pela deterioração das (8,7%), França (9,2%),condições de trabalho e de vida dos Alemanha (9,5%), Itália (7,7%),trabalhadores, o que se traduz em Polônia (17,2) e Eslováquiaqueda dos salários reais, (16,1%).instabilidade no emprego edesemprego dos menosqualificados.
    • Na década de 1980 Na Alemanha, na FrançaHouve a instituição de uma e em outros países.proposta de redução dajornada de trabalho semanal. Paulatinamente, por Com o objetivo de criar pressão das empresas, os oportunidades de emprego. trabalhadores vêm aceitando acordos de Entretanto, isso acabou ampliação de jornada de acarretando justamente o aumento trabalho sem aumento de no índice de desemprego em salários ou acordos de alguns países, pois com salários redução de jornada com elevados e jornada de trabalho diminuição de salário, a reduzida, muitas empresas fim de garantir seus europeias optaram por investir em empregos, sobretudo, outros países e continentes, entre após a crise de 2008. eles a China.
    • Alguns conflitos no continente europeuDiversos conflitos na Europa se relacionam a processosde incorporação de minorias étnicas e de territórios poralguns Estados-nação. Alguns desses conflitos têmorigem há séculos. Na primeira metade do século XX A desintegração de Como o Austro-Húngaro e o impérios Turco-Otomano, além das duas Grandes Guerras. Ocasionou instabilidades nos limites políticos entre os países.
    • Na segunda metade do séculoO processo de derrocada do socialismotrouxe também alterações nos limitesentre os Estados-nação. Em decorrência disso, A região mais instável nessa houve uma sucessão de perspectiva foi a dos Bálcãs – conflitos, sobretudo nas península estrategicamente duas últimas décadas. situada entre a Europa e a Ásia, o Ocidente e o Oriente, e que alternou situações de domínios de diferentes impérios e/ou Estados-nação, com culturas, línguas e religiões diferentes.
    • A desintegração da IugosláviaAté 1991, a Iugoslávia era uma país federativo FORMADO POR Essa complexa colcha de retalhos permaneceuSeis repúblicas: unida enquanto foi•Sérvia; governada por dirigentes autoritários.•Croácia;•Eslovênia; O poderio militar da federação iugoslava,•Bósnia-Herzegovina; controlado na maior•Macedônia; parte pelos sérvios,•Montenegro. tentou impedir a independência dasE duas regiões autônomas pertencentes à repúblicas, contandoSérvia: com o apoio dos sérvios• Kosovo; que nelas viviam.• Vojvodina.
    • Acompanhe a linha do tempo: 1989 – retirada de parte da autonomia de Kosovo, estimulando o separatismo. Junho de 1991 – independência da Croácia e da Eslovênia. Setembro de 1991- independência da Macedônia. Março de 1992 – independência da Bósnia-Herzegovina. 1995 – acordo intermediado pela ONU, entre os sérvios e os mulçumanos da Bósnia que disputavam fatias do território do país. 1998 – crescimento do movimento separatista armado em Kosovo, presidente iugoslavo contra-atacou com violência. 2003 – o que restou da Iugoslávia assumiu o nome de Sérvia e Montenegro (junção de duas repúblicas). 2006 – Montenegro conquista sua independência, após realização de referendo em ambas as repúblicas. Fevereiro de 2008 – declaração da independência de Kosovo, porém vários países, inclusive a Rússia que é membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, até início de 2009, recusavam-se a reconhecer sua independência.
    • Iugoslávia – formação e desintegraçãoFonte: Le monde Diplomatique e Enciclopédia Britânica. Em: Almanaque Abril 2008. São Paulo: Abril.2008. p. 596.
    • David Turnley/ Corbis/ LatinStock Refugiados de guerra na Bósnia, em 1995. CEDOCDavid Turnley/ Corbis/ LatinStock A cena observada na fotografia foi uma constante ao longo do século XX: pessoas abandonando tudo por causada guerra. Nesse caso, são kosovares de origem albanesa deixando a região autônoma de Kosovo. A população dessa região era formada, ao menos até 1998, por 90% de albaneses e 10% de sérvios. Manifestações em Kosovo (2008).
    • O conflito entre católicos e protestantes na Irlanda do NorteO conflito entre católicos e protestantes na Irlanda doNorte é uma questão grave que havia muito tempo pediasolução no Reino Unido. Na verdade, não se trata deuma questão apenas religiosa, mas também política eeconômica.O Reino Unido da Grã-Bretanha e da Irlanda do Norteconstitui um Estado formado por Inglaterra, Escócia,País de Gales e Irlanda do Norte. Na Irlanda do Norte,os católicos (cerca de 38% da população) querem aindependência em relação ao Reino Unido. Osprotestantes (cerca de 51%) querem permanecer ligadosao Reino Unido, por isso são chamados de unionistas.
    • Acompanhe a linha do tempo: 1969 - exército inglês passou a interferir no conflito. 1991 - IRA intensificou os ataques a Grã-Bretanha. Setembro de 1994 - cessar-fogo do IRA. Outubro de 1994 - protestantes também anunciaram o fim da luta armada. Fevereiro de 1996 - voltaram os conflitos, IRA acabou com o cessar- fogo, em protesto à insistência dos protestantes em condicionar os acordos de paz ao seu desarmamento total. 1997- 2º cessar-fogo, recomeçando as negociações entre os líderes. 1998 – foi selado um acordo de paz, que propôs a formação de um governo autônomo, com a participação das duas comunidades no estabelecimento de uma Assembléia. Dezembro de 2000 – início do funcionamento dessa Assembléia. 2005 – conclusão do desarmamento do IRA e dos grupos paramilitares protestantes, além da libertação de presos políticos. 2007 – formou-se um governo de coalizão, garantindo a Irlanda do Norte o retorno a uma autonomia regional, e o exército inglês encerrou sua intervenção militar nesse país que já durava 38 anos.
    • Ilhas Britânicas Reino Unido e IrlandaFonte: P.Joint e outros. La Geographie de l’Europe des 15. Paris: Nathan, 1998. p.61 (adaptado).
    • Ciganos, um povo perseguido na EuropaEstima-se que haja cerca de20 milhões de ciganos pelo Em 2005, oito países do antigomundo. bloco socialista apresentaram em Grande parte vive Sófia (capital da Bulgária) uma na Europa. proposta de integração dos ciganos, prevendo que até 2015 Assim como fazem com eles sejam tirados da situação os turcos e os norte- marginal em que vivem na Europa. africanos, os jovens neo- nazistas têm promovido atentados a moradias ciganas. Na República A origem desse povo é incerta, mas Tcheca, a entrada de alguns pesquisadores acreditam que ciganos em alguns bares eles tenham vindo da Índia, cerca de e restaurantes é mil anos atrás, migrando para a parte proibida. oriental da Europa no século XIV e para a parte ocidental após a Segunda Guerra Mundial.