Your SlideShare is downloading. ×
Privest - Cap.   07 - Hidrografia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Privest - Cap. 07 - Hidrografia

1,558
views

Published on

Aula - Geografia - 1º Ano EM.

Aula - Geografia - 1º Ano EM.

Published in: Education

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,558
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
73
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • Objetivos que deverão ser atingidos com o estudo da unidade:- Compreender o ciclo da água.- Distinguir as diferentes fases do ciclo da água.- Perceber a irregular distribuição da água na superfície terrestre.- Identificar as diferentes partes que compõem um rio.- Avaliar as condições ambientais do rio que abastece a sua cidade.- Entender que as águas oceânicas possuem diferentes características.Compreender a importância das águas subterrâneas. A escala dos mapas que estão sendo apresentados nos slides foi calculada para a versão impressa do livro didático, segundo um tamanho predefinido. Quando o mapa é projetado em meio digital, não há como recalcular e ajustar automaticamente essa proporção. Assim, é importante explicar aos alunos que, conforme o tamanho da tela utilizada na projeção, a escala gráfica poderá estar com mais ou com menos de um centímetro de intervalo, o que não é o correto. Os alunos poderão visualizar o mapa no livro didático para que tenham noção da escala utilizada.
  • Mapa com escala calculada para a versão impressa do material didático.
  • São fontes termais que jorram água quente. Indicam que a região é ígnea (ou magmática). A água que se infiltra na rocha vulcânica, ainda não totalmente resfriada, é aquecida e, quando atinge o ponto de ebulição, a pressão faz com que ela seja ejetada.
  • Rochas impermeáveis que armazenam água em seus poros e/ou fissuras.
  • Mapa com escala calculada para a versão impressa do material didático.
  • Transcript

    • 1. AUTORIA: Eliane Regina FerrettiEDIÇÃO DE CONTEÚDO: Carina Merlin EDIÇÃO: Miriam Conforto CRÉDITO DA IMAGEM NASA/Refo Stockli & Alan Nelson DE ABERTURA: PROJETO GRÁFICO: O2 Design Gráfico, Claudia Bordin Rodrigues, Daniel Miranda Editora Positivo, 2012.
    • 2. blu comunicação integrada
    • 3. Ciclo hidrológico
    • 4. Ciclo hidrológico e a distribuição da água na Terra Divanzir Padilha Figura ilustrativa, representação sem escala. PRESS, Frank et al. Para entender a Terra. 4 ed. Porto Alegre. Bookman, 2006. p. 315.
    • 5. Ciclo hidrológico e a distribuição da água na Terra Divanzir Padilha Glacial Perito Moreno, PRESS, Frank et al. Para entender a Terra. 4 ed. Porto Alegre. Bookman, 2006. p. 315. Patagônia, Argentina
    • 6. Quantidades relativas de água na Terra Figura ilustrativa, representação sem escala. Figura ilustrativa, representação sem escala.WICANDER, Reed; MONROE, James S. Fundamentos de Geologia. São Paulo: Cengage Learning, 2009. p. 264.
    • 7. Distribuição relativa dos recursos hídricos renováveis na TerraBORGHETTI, Nádia R. B.; BORGHETTI, José R.; ROSA FILHO, Ernani F. Aquífero Guarani: a verdadeira Figura ilustrativa, representação sem escala.integração dos países do Mercosul. Curitiba: Gia, 2004. p. 51.
    • 8. Disponibilidade hídrica social Luciano Daniel Tulio BORGHETTI, Nádia R. B.; BORGHETTI, José R.; ROSA FILHO, Ernani F. Aquífero Guarani: a verdadeira integração dos países do Mercosul. Curitiba: Gia, 2004. p. 59. Adaptação.
    • 9. Águas superficiais
    • 10. Classificação dos rios – quanto ao relevo Rios de planície Baixo gradiente Rio Uruguai, São Borja, Rio Grande do Sul Navegação Rio Nilo, Cairo, Egito
    • 11. Classificação dos rios – quanto ao relevo Rios de planalto Alto gradiente Rio Nilo Azul, Etiópia Geração de energia Usina hidrelétrica Perucac, Rio Drina, Sérvia
    • 12. Classificação dos rios – quanto ao regime Glacial Derretimento da neve das geleirasRio de regime glacial. Ilha doSul, Nova Zelândia
    • 13. Classificação dos rios – quanto ao regime Pluvial Rios alimentados pelas chuvas Rio São Francisco, próximo a Piaçabuçu, Alagoas
    • 14. Classificação dos rios – quanto ao regime Misto Chuvas e derretimento da neve das geleiras Rio Apurimac, uma das nascentes do Rio Amazonas, Peru
    • 15. Classificação dos rios – quanto ao tipo deescoamento Permanentes ou perenes Semprepossuem água em seu canal Rio Vístula, Cracóvia
    • 16. Classificação dos rios – quanto ao tipo deescoamento Rio intermitente em Pollença, Temporários Maiorca, EspanhaIntermitentes Efêmeros Secam Formam-se por durante um curtodeterminado período, devido período do às chuvas ano intensas – torrentes Rio efêmero. Região Yosemite Nordeste National Park, do Brasil Califórnia
    • 17. Características da hidrografia brasileira Rios caudalosos e perenes = clima úmido Foz do tipo “estuário” Predomínio Regimes pluviais Rios de planalto = grande potencial hidráulico
    • 18. Águas superficiais Bacias hidrográficas Região hidrográfica Áreas drenadas por um rio principal, Conjunto de bacias seus afluentes e subafluentes, hidrográficas delimitados pelos divisores de água
    • 19. Regiões hidrográficas brasileiras Luciano Daniel Tulio AGÊNCIA Nacional de Águas. Disponível em: <http://www.ana.gov.br/pnrh/DOCUMENTOS/5Textos/ 2OPlano%20Nacional4_04_03.pdf>. Acesso em: 2 jul. 2009.
    • 20. ÁguasÁguas oceânicassuperficiais
    • 21. Águas oceânicas – Oceanos Oceano Maior de todos e maiores Pacífico profundidades Oceano Mais importante Atlântico economicamente Grandes massas deágua salgada Oceano Menor em área Índico Oceano Glacial Águas congeladas na Ártico maior parte do ano
    • 22. Águas oceânicas – Mares Comunicação Mar do Norte, Costeiros aberta com o Mar das ou abertos oceano AntilhasPróximos ao continente, Interiores Comunicação Mar menor ou semi- por canais Mediterrâneo, salinidade e -abertos estreitos Mar Vermelhoprofundidade Não há Fechados Mar Cáspio, comunicação ou Isolados Mar de Aral com o oceano
    • 23. Águas oceânicas – Mares Mar das Antilhas próximo à Praia de Cancun, MéxicoMar Mediterrâneo,Cadaqués, Espanha Mar Cáspio
    • 24. Movimentos das águas oceânicas Correntes Ondas Marés marítimas Movimento de Ação do vento Movimento determinado sobre a superfície regular de subida volume de água dos oceanos, e descida das do oceano com profundidade das águas. Atração temperatura, águas e forma da do Sol e da Lua salinidade, costa continental. sobre a Terra. velocidade e direção próprias.
    • 25. Luciano Daniel Tulio Correntes marítimas IBGE. Atlas geográfico escolar. 4. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2007. p. 58. Adaptação.
    • 26. ÁguasÁguas subterrâneassuperficiais
    • 27. Águas subterrâneasPRESS, Frank et al. Para entender a Terra. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. p. 322. Figura ilustrativa, representação sem escala.
    • 28. Águas subterrâneas – Gêiseres Gêiser, Islândia
    • 29. Águas subterrâneas – Aquíferos – PorosidadeAquífero poroso Aquífero fraturado ou Aquífero cárstico ou sedimentar fissural (Karst) Rochas mais duras, como as A água dissolve as A água circula magmáticas e rochas carbonáticas,entre os poros de metamórficas, como o calcário, rochas apresentam fissuras e deixando espaços sedimentares. fraturas por onde a vagos onde a água irá água subterrânea se circular. movimenta.
    • 30. Aquífero Guarani Luciano Daniel TulioBORGHETTI, Nádia R.B.;BORGHETTI, José R.;ROSA FILHO, Ernani F.Aquífero Guarani:a verdadeira integraçãodos países do Mercosul.Curitiba: Gia, 2004. p.131. Adaptação.