PMO EM LISARB _ EQUIPE D.BEST

511 views
413 views

Published on

Titulo: PMO EM LISARB _ EQUIPE D.BEST
Alunos:Leonardo Cavalcanti Alves Teixeira,Guilherme Abreu Monnerat Solon de Pontes,Kresly Medeiros de Faria,Guilherme Queiroz,
Cidade: Natal
Disciplina: PMO
Turma: GP04
Data:26-12-2012
Hora:12:56
Comentarios:Prof. Marco, o Paulo Ribeiro não está podendo acessar a internet neste momento em que estamos fazendo o upload do trabalho, mas informamos que ele participou como integrante da equipe.
Aproveitamos para desejar-lhe ótimo ano.
Sds, Equipe D.Best (Natal - GP04)
Publico até ápos a correção

1 Comment
0 Likes
Statistics
Notes
  • Comentários
    Introdução: ok;
    Objetivo do trabalho: ok;
    Identificação: ok;
    Categorização: ok;
    Avaliação: ok;
    Seleção: ok;
    Priorização: ok;
    Balanceamento: ok;
    Rebalanceamento: ok;
    Nível de maturidade: ok;
    Benefícios do PMO: ok;
    Nível hierárquico: sugere-se justificar;
    Função do PMO: ok;
    Modelo de PMO: ok;
    Etapas de implementação: ok;
    Métricas: sugere-se justificar as métricas adotadas;
    Fatores críticos de sucesso: sugere-se justificar;
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
511
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
44
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
1
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

PMO EM LISARB _ EQUIPE D.BEST

  1. 1. PMOProject Office e Nível de Maturidade Turma GPJ04 Natal-RN 2012
  2. 2. ProjetoEmpresa
  3. 3. A Empresa A D.Best Consultoria é uma empresa bastante atuante e reconhecida mundialmente no fornecimento de assessoria técnica para gerenciamento de projetos, com ênfase no gerenciamento de portfólios, mais especificamente, na implantação de escritórios de gerencimanento de projetos (PMO). Atua no âmbito estratégico, tático e operacional, de forma a atingir elevada aderância da concepeção estratégica à operação. Sua larga experiência e competência é responsável pela seu elevado Market Share e, consequentemente, pela sua condição de liderança no mercado atual.
  4. 4. Integrantes da Equipe Guilherme Abreu Monnerat Solon de Pontes Guilherme Augusto Faria de Queiroz Kresly Medeiros Faria Leonardo Cavalcanti Alves Teixeira Paulo Ribeiro
  5. 5. Objetivo do Trabalho Apresentar proposta para a implantação de um Escritório de Projetos (PMO) em LISARB, no intuito de escolher adequadamente os projetos a serem desenvolvidos, a fim de garantir a aderência com os objetivos estratégicos definidos pelo cliente, bem como fornecer suporte técnico para garantir a adequada gestão do portfólio a ser formado, através do desenvolvimento dos projetos de forma maximizada no que se refere à eficiência e eficácia.
  6. 6. Planejamento Estratégico - LISARBA definição dos objetivos estratégicos é de suma importância naobtenção de sucesso, no que tange ao alcance das metas almejadas.Destarte, é fundamental o entendimento do plano estratégicoelaborado (fornecido pelo cliente), para que sejam inventariados edocumentados os componentes do portfólio a ser desenvolvido,iniciando, assim, o Processo de Identificação.Objetivos do Planejamento Estratégico: Aliança por um Lisarb mais justo; Educação para sociedade do conhecimento; Política cidadã baseada em princípios e valores; Economia para uma sociedade sustentável; Proteção social; Qualidade de vida e segurança para todos os lisarbeanos; Cultura e fortalecimento da diversidade; Política externa para o século 21; Combate à corrupção
  7. 7. Identificação Lisarb Importador Univer Lisarb Grandes Negócios Escola Integral Mobi Lisarb Lisarb Digital Metrô Lisarb Pedalar Reciclar Para Sustentar Lisarb SUS Lisarb Sustentável Tô Limpo Justiça Ágil Lisarb Saneada Lisarb Segura Aliança O Lisarb é Nosso LISARB Ética Creche Para Todos LISARB Social Idoso Feliz é Idoso Saudável LISARB Previdência Esporte e Cidadania Custo Lisarb LISARB Renovável Financia Já
  8. 8. Identificação Empreeder Lisarb Poupar Lisarb Viajar Trem TranspoLisarb Lixo Rico Lisarb Verde Política Cidadã Caçada Marajá Lisurarb Lisarb Fronteira Lisarb Cidadã OuviLisarb Intrega Já Lisarb Solidário Lisarb do Sec. XXI Lisarb do Conhecimento Educatech Escola Lisarb Educar Para Poupar Lisarb Saudável Água Para Todos Sociedade da Informação Educar ExternaLisarb Capacissor Lisarb Paz e Amor
  9. 9. Identificação – Pré Categorização Será utilizado um critério de valores, baseado no orçamento do projeto, a fim de se executar um filtro para a prévia categorização dos projetos. Foi definido que projetos com orçamentos superiores a L$ 2.000.000.000,00 (moeda Lisarb), não serão executados.
  10. 10. CategorizaçãoA categorização foi realizada de acordo com os objetivos comunsdos projetos identificados a partir do Planejamento Estratégico.Assim sendo, foram criadas alguma categorias que, para facilitar aimplantação dos diversos projetos, foram associadas às diversasáreas do governo através de seus ministérios e coordenadas peloMinistério do Planejamento, a saber:Portfólio de Projetos - Ministério do Planejamento Ecomonia – Ministério da Fazenda Transporte – Ministério do Transporte Meio-Ambiente – Ministério do Meio-Ambiente Segurança - Ministério da Justiça / Ministérios da Defesa Social – Ministério da Ação Social Educação e Cultura – Ministério da Educação e Cultura Saúde – Ministério da Saúde
  11. 11. Categorização
  12. 12. AvaliaçãoO referido processo consiste na coleta de informação de cadacomponente do portfólio, a fim de subsidiar o processo seletivo.Insta registrar que é de fundamental importância a coleta dosrequisitos do cliente, durante a definição dos critérios de avaliçãoa serem adotados. Assim, sob esta óptica, elegemos os seguintesíndices para compor o quadro de critérios: Custo de Implementação do Projeto – CIP Valor monetário bruto a ser dispendido na implementação do projeto. Visibilidade Auferida Pelo Projeto – VAP Deverá ser obtido através de pesquisas de campo, junto à população. Abrangência do Projeto – AP (número de pessoas beneficiadas) Índice calculado de acordo com a quantidade de pessoas atingidas pelo projeto. Índice de Aprovação da População – IAP Deverá ser obtido através de pesquisas de campo, junto à população.
  13. 13. AvaliaçãoAinda de acordo com a coleta de requisitos junto ao cliente, atribuímosas seguintes ponderações (pesos) para os critérios escolhidos: Custo de Implementação do Projeto – CIP – 20% Visibilidade Auferida Pelo Projeto – VAP – 30% Abrangência do Projeto – AP – 10% Índice de Aprovação da População – IAP – 40%
  14. 14. AvaliaçãoAtribuição das Notas: Foram feitas as seguintes considerações, paraatribuição das notas referentes a cada critério: Custo de Implementação do Projeto Identificado através de orçamentação preliminar: Nota 1 a 3 : L$ 1,2 bilhão < Custo ≤ L$ 2,0 bilhões Nota 3 a 5 : L$ 0,8 bilhão < Custo ≤ L$ 1,2 bilhões Nota 5 a 8 : L$ 0,4 bilhão < Custo ≤ L$ 0,8 bilhões Nota 8 a 10 : Custo ≤ R$ 0,4 bilhão. Visibilidade Auferida Pelo Projeto – VAP Índice de citação em pesquisas de opinião públicas, entre todos os critérios: Nota 1 a 3 : 0% < Citação ≤ 25% Nota 3 a 5 : 25% < Citação ≤ 50% Nota 5 a 8 : 50% < Citação ≤ 75% Nota 8 a 10 : 75% < Citação ≤ 100%
  15. 15. AvaliaçãoAtribuição das Notas: Foram feitas as seguintes considerações, paraatribuição das notas referentes a cada critério: Abrangência do Projeto – AP Identificado através de estimativas realizadas por especialistas: Nota 1 a 3 : 0% < Alcance da População ≤ 25% Nota 3 a 5 : 25% < Alcance da População ≤ 50% Nota 5 a 8 : 50% < Alcance da População ≤ 75% Nota 8 a 10 : 75% < Alcance da População ≤ 100% Índice de Aprovação da População – IAP Simulação de índice de aprovação em pesquisas de opinião públicas: Nota 1 a 3 : 0% < Aprovação ≤ 25% Nota 3 a 5 : 25% < Aprovação ≤ 50% Nota 5 a 8 : 50% < Aprovação ≤ 75% Nota 8 a 10 : 75% < Aprovação ≤ 100%
  16. 16. AvaliaçãoRanqueamento Multicritérios:
  17. 17. AvaliaçãoRanqueamento Multicritérios: Em ordem decrescente de nota obtida:Os componentes potenciais do Portfólio deverão ter obtido nota totaligual ou superior a 7,0.
  18. 18. SeleçãoA tabela abaixo representa uma lista de potenciais componentes doportfólio, tendo em vista que os mesmos atingiram as metas doscritérios de avaliação. O próximo passo se traduz em alinhá-los coma estratégia organizacional.
  19. 19. SeleçãoPara promover o alinhamento com a estratégia organizacional,devemos levar em consideração outros fatores, até entãoignorados, a saber: Capacidade de recursos de pessoal; Capacidade Financeira (Budget aprovado > Budget de projetos) ; Capacidade do Patrimônio (necessidades físicas).Para fins didáticos, admitamos que o sponsor (presidente deLisarb) considerou, com foco nos fatores acima apresentados,viável a implementação de todos os projetos que alcançaramas metas desejadas no critério de avaliação. Destarte, opróximo passo é o processo de priorização.
  20. 20. PriorizaçãoFoi utilizado como critério de priorização, o risco de não conclusãodo projeto dentro do prazo de 4 anos, que equivale ao período deum mandato presidencial em Lisarb.
  21. 21. Priorização – Resultado da Matriz Maior Prioridade Menor Prioridade
  22. 22. Balanceamento do PortfólioPara a construção do gráfico de bolhas, foram utilizados osseguintes critérios: Eixo X: Visibilidade Auferida pelo Projeto (VAP); Eixo Y: Índice de Aprovação do Projeto (IAP); Tamanho da bolha: Custo (CIP); Cor da bolha: Categoria; Textura da Bolha: Abrangência.
  23. 23. Balanceamento do Portfólio
  24. 24. Balanceamento do PortfólioPela análise do gráfico, constata-se que o portfólio de LISARB estábalanceado, uma vez que: Todos os projetos estão concentrados no canto superior direito, indicando que possuem alto grau de visibilidade e alto índice de aprovação pela população; O portfólio compreende projetos de diversos portes (custo); 06 das 07 categorias de projetos estão contempladas no portfólio;Desta forma, nenhuma ação foi necessária no sentido de balancearo portfólio.
  25. 25. Nível de MaturidadeA partir de pesquisa de maturidade em gerenciamento de projetos,aplicando-se questionário apropriado, foi identificado o seguintegrau de maturidade em LISARB: Pontuação Nível de Maturidade 69 pontos Nível 2 – Baixa Maturidade em G.P.
  26. 26. Benefícios de um PMO em LISARBA implantação de um Escritório de Projetos em LISARB poderátrazer como benefícios: Melhorias quanto à performance dos projetos; Visibilidade ao andamento dos projetos; Antecipação de problemas na execução dos projetos; Gerenciamento adequado do aumento da complexidade e/ou volume dos projetos; Compartilhamento de linguagem e melhores práticas na área de gerenciamento de projetos; Planejamento de capacitação e carreira na área de gerenciamento de projetos; Maior previsibilidade de resultados de projetos; Melhor alinhamento com a estratégia de negócios.
  27. 27. Hierarquia dos PMOs em LISARBOs PMOs de LISARB serão implantados obedecendo a seguintehierarquia: Foco da Consultoria Min. Planejamento PMO NÍVEL 3 PMO Estratégico, visando o País como um todo Demais Ministérios PMO NÍVEL 2 PMO visando processos e otimização de recursos em projetos diferentes Governos Estaduais PMO NÍVEL 1 PMO visando projetos e programas individuais
  28. 28. Função do PMOO PMO em LISARB deve ter a função de Métodos eProcedimentos, uma vez que: O país possui baixo grau de maturidade em G.P.; Permitirá o desenvolvimento, implementação e manutenção da metodologia de G.P.; Possibilitará avaliação do uso da metodologia e sua performance; Permitirá incorporação de melhores práticas.
  29. 29. Modelo do PMOO PMO a ser implantado em LISARB estará baseado no modeloTorre de Controle visto que deve: Estabelecer padrões para gerência de projetos; Suportar a execução desses padrões; Reforçar os padrões definidos; Promover melhoria contínua nos mesmos; Desempenhar papel de auditoria junto aos outros PMOs.
  30. 30. Etapas de Implementação do PMOA implementação do PMO seguirá as seguintes etapas: Fases Objetivos Principais I – Diagnóstico Inicial •Analisar estrutura de LISARB; •Estudar nível de maturidade; •Definir foco, função e modelo do PMO. II – Preparação do Terreno •Definir metas e objetivos; •Definir iniciativas de curto prazo e objetivos de longo prazo III – Metas de Curto Prazo •Catalogar projetos; •Treinar as equipes; •Elaborar modelos e padrões. IV – Soluções de Longo Prazo •Gerenciar Recursos; •Implantar Ferramentas; •Gerenciar Portfólio. V – Manutenção e Aprimoramento •Estabelecer processo de melhoria contínua.
  31. 31. Etapas de Implementação do PMOEAP de implantação
  32. 32. Métricas de SucessoConsiderando o PMO de Nível 3, as seguintes métricas serãoutilizadas para a aferição de sua performance: Quantidade de padrões em G.P. elaborados; Quantidade de acessos na base de conhecimento; Duração média dos projetos; Índice de satisfação da população; Quantidade de projetos em execução;
  33. 33. Fatores Críticos de SucessoOs seguintes fatores são de relevada importância para o sucessodo Escritório de Projetos: Comprometimento direto do Presidente de LISARB; Estabelecer objetivos alinhados com a estratégia do País; Disseminar resultados e lições aprendidas; Propor papéis e definir responsabilidades sincronizadas com as habilidades compatíveis; Estabelecer projetos prioritários e metas factíveis; Possuir infraestrutura, recursos e equipamentos dedicados.
  34. 34. FIM

×