DoençAs Causadas Por ProtozoáRios

24,971 views
24,729 views

Published on

Published in: Technology
5 Comments
8 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
24,971
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
227
Actions
Shares
0
Downloads
523
Comments
5
Likes
8
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

DoençAs Causadas Por ProtozoáRios

  1. 1. Principais endemias parasitárias do Brasil http://biomaiskatiaqueiroz.blogspot.com/ Professora:Katia Queiroz
  2. 2. Doença de Chagas
  3. 3. Etiologia <ul><li>Agente etiológico : Trypanosoma cruzi; </li></ul><ul><li>Classe : Mastigophora ou Flagellata; </li></ul><ul><li>Formas de vida do parasita </li></ul><ul><li> Epimastigota  intestino. </li></ul><ul><li> Tripomastigota  sangue dos hospedeiros e intestino do “barbeiro”; </li></ul><ul><li> Amastigota  células musculares. </li></ul>
  4. 4. Trypanosoma cruzi
  5. 7. Descritor da doença – Carlos Chagas
  6. 8. A figura abaixo mostra a manchete do Jornal da Tarde, publicada em 07 de maio de 1979, sobre a morte de Berenice, o primeiro caso de doença de Chagas registrado.
  7. 9. Manuscritos de Carlos Chagas sobre a doença de Chagas.
  8. 10. Hospedeiros da doença <ul><li>Doença transmitida pelo barbeiro, inseto da ordem Hemíptera (subfamília Triatominae ), hematófago e de hábitos noturnos ; </li></ul><ul><li>Vetores </li></ul><ul><li> Triatoma infestans, Rhodnius prolixus e Panstrongylus megistus. </li></ul>
  9. 16. Ciclo evolutivo
  10. 17. Ciclo evolutivo
  11. 18. Sinal de Romanã
  12. 19. Formas de transmissão <ul><li>Placenta (forma congênita da doença); </li></ul><ul><li>Transfusões de sangue; </li></ul><ul><li>Amamentação; </li></ul><ul><li>Esperma de animais; </li></ul><ul><li>Manuseio de animais recém abatidos (tatus, gambás), esfolando-os e limpando-os com as mãos machucadas. </li></ul>
  13. 20. Sintomas e patologias <ul><li>Fase aguda </li></ul><ul><li>Febre; </li></ul><ul><li>Mal-estar; </li></ul><ul><li>Dor de cabeça; </li></ul><ul><li>Falta de apetite; </li></ul><ul><li>Morte por falência cardíaca ou meningoencefalite. </li></ul><ul><li>Fase crônica </li></ul><ul><li>Cardiomegalia; </li></ul><ul><li>Megaesôfago; </li></ul><ul><li>Megacólon. </li></ul><ul><li> </li></ul>
  14. 21. Cardiomegalia
  15. 22. Cardiomegalia
  16. 23. Alterações cardíacas
  17. 24. Megaesôfago
  18. 25. Megacólon
  19. 26. Profilaxia <ul><li>Melhoria ou substituição de habitações; </li></ul><ul><li>Controle químico – uso de inseticidas; </li></ul><ul><li>Controle biológico; </li></ul><ul><li>Fiscalização nos bancos de sangue; </li></ul>
  20. 28. Aplicando o que você aprendeu!!! <ul><li>O trypanossoma cruzi é capaz de mudar sua forma depois de algum tempo no interior do hospedeiro. Nessa mudança, ele altera também as proteínas de sua membrana. </li></ul><ul><li>Que vantagem isso lhe confere? </li></ul>
  21. 29. Malária
  22. 30. Sinônimos da doença <ul><li>Impaludismo, febre palustre, febre intermitente, febre terçã benigna, febre terçã maligna, febre quartã, febre palúdica, maleita, sezão, tremedeira, batedeira, mãe das febres ou, simplesmente, febre. </li></ul>
  23. 31. Epidemiologia
  24. 32. Epidemiologia
  25. 33. Etiologia <ul><li>Plasmodium vivax (Grassi & Feletti, 1890); </li></ul><ul><li>Plasmodium falciparum (Welch, 1897); </li></ul><ul><li>Plasmodium malariae (Laveran, 1881); </li></ul><ul><li>Plasmodium ovale (Stephens, 1922). </li></ul>
  26. 34. Morfologia do Plasmodium sp <ul><li>Esporozoíto : glândula salivar do Anopheles sp; </li></ul><ul><li>Trofozoíto : saída do fígado às hemácias; </li></ul><ul><li>Merozoíto : fígado (formas esquizontes) e hemácias. </li></ul>
  27. 35. Multiplicação dos esporozoários <ul><li>Esporogonia  Anopheles sp ; </li></ul>
  28. 36. Multiplicação dos esporozoários <ul><li>Esquizogonia  Homem ; </li></ul>
  29. 37. Vetor e hospedeiros <ul><li>Fêmeas dos mosquitos de gênero Anopheles ; </li></ul><ul><li>Hospedeiro intermediário : homem; </li></ul><ul><li>Hospedeiro definitivo : fêmeas do Anopheles ; </li></ul><ul><li>Hábitat : regiões tropicais </li></ul>
  30. 39. Acessos maláricos - cíclicos <ul><li>Calafrios; </li></ul><ul><li>Febre alta; </li></ul><ul><li>Dores de cabeça e no corpo; </li></ul><ul><li>Temperatura baixa; </li></ul><ul><li>Sudorese. </li></ul>
  31. 40. Ciclo evolutivo
  32. 41. Formas esquizontes Merozoítos Esquizogonia Esporogonia
  33. 42. Ciclo evolutivo
  34. 43. Ciclo evolutivo
  35. 44. Vias de transmissão <ul><li>Transfusão de sangue contaminado; </li></ul><ul><li>Compartilhamento de agulhas e seringas contaminadas; </li></ul><ul><li>Transmissão vertical; </li></ul><ul><li>Picada do Anopheles sp contaminado; </li></ul><ul><li>Contaminação em laboratórios. </li></ul>
  36. 45. Profilaxia <ul><li>Eliminação de criadouros; </li></ul><ul><li>Uso de larvicidas e inseticidas; </li></ul><ul><li>Proteção de portas, janelas e dormitórios; </li></ul><ul><li>Uso de repelentes. </li></ul>
  37. 46. Tratamento <ul><li>A profilaxia quimioterápica consiste em: cloroquina , 150 mg por comprimido, tomar dois comprimidos por semana (duas semanas antes de ir a zona endêmica), continuar com dois comprimidos por semana enquanto permanecer no local e continuar o esquema de dois comprimidos por semana por seis semanas. </li></ul>
  38. 47. Aplicando o que você aprendeu!!! <ul><li>“ De fato, medicamentos contra o parasita estão perdendo sua eficácia. Hoje, a resistência a cloroquina, que é a mais barata e largamente droga usada contra a malária, é comum na África. A segunda droga mais efetiva, porém mais cara, a sulfadoxinapyrimethamina, também está perdendo eficácia em áreas altamente endêmicas do leste e sudeste da África”. </li></ul><ul><li>Extraído de http://www.fiocruz.br/ccs/novidades/out02/nature_wag.ht </li></ul><ul><li>Formule uma hipótese que justifique os dados mencionados no texto acima em relação à malária. </li></ul>
  39. 48. Aplicando o que você aprendeu!!! Os gráficos a seguir referem-se a dois diferentes tipos de malária, causados pelas espécies Plasmodium vivax e Plasmodium malariae , e mostram as variações da temperatura corporal dos pacientes durante alguns dias.
  40. 49. A A
  41. 50. <ul><li>a) Qual é a causa dos picos das curvas nos dois gráficos? </li></ul><ul><li>b) Qual é a diferença básica entre os gráficos que determinou os nomes dos dois tipos de malária? Justifique-os. </li></ul><ul><li>c) O que acontece no sangue dos pacientes para desencadear os acessos febris? </li></ul><ul><li>d) Em poucos pacientes esses picos ocorrem diariamente, levando-os a um grave quadro clínico. Como poderia se explicar o fato? </li></ul><ul><li>e) Quais são as pequenas células indicadas por A , na base dos gráficos, e como se originam? </li></ul>
  42. 51. Aplicando o que você aprendeu!!! Estão representados nas figuras os exames de sangue de dois pacientes brasileiros, que nunca saíram do país, e que revelam a presença de protozoários.
  43. 52. <ul><li>a) Quais são os protozoários que podem ser identificados no sangue dos pacientes I e II? </li></ul><ul><li>b) De que forma estes pacientes poderiam ter adquirido os parasitas? </li></ul>

×