Módulo 5 - Tecnologia

1,386 views
1,213 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,386
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
65
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Módulo 5 - Tecnologia

  1. 1. Metodologia Científica e Tecnológica Módulo 5 – Tecnologia Prof. Carlos Fernando Jung carlosfernandojung@gmail.com http://lattes.cnpq.br/9620345505433832 Edição 2009 Material para Fins Didáticos – Distribuição Gratuita 1
  2. 2. O que é Tecnologia? 2
  3. 3. Tecnologia é a aplicação do conhecimento científico às propriedades da matéria e da energia, de forma a serem desenvolvidos novos produtos e processos destinados a reduzir o esforço humano . 3
  4. 4. Fonte Figura: http://www.spea.pt/index.php?op=grupo_eolicas Fonte Figura: http://www.diytrade.com/china/4/products/478714/Ferro_Silicon.html Fonte Figura: http://passa-tempo.blogs.sapo.pt/tag/livros + + Conhecimento Energia Matéria Científico Processo Novos Produtos Fonte Figura: http://www2.uol.com.br/interpressmotor/noticias/item20461.shl Fonte Figura: http://www2.uol.com.br/interpressmotor/noticias/item20461.shl ELEMENTOS DA TECNOLOGIA 4
  5. 5. Tecnologia Ciência Matéria Intuição + Fonte Figura: http://www.ubergizmo.com/15/archives/2007/08/digix_usb_pen_drive.html + Conhecimento Empirismo = = Redução do Esforço Humano Científico + Racionalismo + Através de Novos Produtos, Energia Processos, Métodos, Metodologias e Técnicas ELEMENTOS DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA 5
  6. 6. Fonte Figura: http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-88778123-mini-pen- drive-ultra-fino-slim-4-gb-lacrado-no-brasil-_JM REDUÇÃO DO ESFORÇO HUMANO 6
  7. 7. A tecnologia tem por princípio o estudo das necessidades humanas para o desenvolvimento de produtos e processos destinados às diversas atividades sócio-econômicas e culturais, considerando sempre a possibilidade de reduzir o esforço humano. 7
  8. 8. TECNOLOGIA 8
  9. 9. TECNOLOGIA 9
  10. 10. Você acha que somente existe tecnologia em produtos de alta complexidade? 10
  11. 11. Desvantagem do Sistema: Maior Esforço Humano, é necessário mais força para a operação e, Desvantagem do deve-se usar as duas mãos para executar o Sistema: Dificuldade progressiva movimento rotacional de manuseio devido a redução do material ao apontar-se o lápis Início da Escrita Quebra do Retomada da Término da Escrita T=0 Grafite Escrita T=150 Utilizar o Apontador Apertar o Botão Resultado : Otimização do Tempo de Retomada do Processo de Escrita Tempo Previsto para o Término da Escrita T=100 Início da Escrita Quebra do Retomada da Término da Escrita T=0 Grafite Escrita T=120 TECNOLOGIA 11
  12. 12. O que é agregar valor ao produto através de inovação? 12
  13. 13. Dispositivo para Apagar a Escrita (borracha) Dispositivo para Fixação e Portabilidade do Produto tendo por 2ª função a desobstrução do canal (Em bolsos de Camisas) do grafite Dispositivo para Aumentar a Aderência dos Dedos ao Corpo da Lapiseira e Proporcionar Maior Comodidade (Material com Elasticidade) Reservatório com Capacidade de Armazenamento de Várias Unidades de Grafites (Maior tempo de Utilização) TECNOLOGIA 13
  14. 14. O que é produzir Tecnologia? 14
  15. 15. Produzir tecnologia significa pesquisar e desenvolver novos métodos, técnicas e processos que viabilizarão a inovação e o desenvolvimento de novos produtos 15
  16. 16. Qual o processo utilizado para a produção de Tecnologia? 16
  17. 17. Gerar Conhecimento Trabalhos Teóricos e Experimentais sobre os Pesquisa Básica fundamentos de fenômenos e fatos (Sem Finalidade de Aplicação em Particular) Gerar Conhecimento Trabalhos Teóricos e Experimentais sobre os P&D Pesquisa Aplicada fundamentos de fenômenos e fatos (Com Finalidade de Aplicação em Particular) Gerar Produtos e Processos Utiliza o conhecimento científico e prático para o Desenvolvimento Experimental desenvolvimento de novos materiais, produtos, processos, dispositivos, sistemas e serviços, ou a otimização dos existentes. (Engloba a P&D Formal, Informal ou Ocasional) OECD. Manual de Frascati: Proposta de práticas exemplares para inquéritos sobre investigação e desenvolvimento experimental. (Trad.) More than Just Words (Portugal). Coimbra: F-Iniciativas, 2007. PESQUISA & DESENVOLVIMENTO 17
  18. 18. Quem possui Tecnologia? 18
  19. 19. Fonte Figura: http://www.pirisa.ind.br Layout de Fábrica Fase B = Protótipo do Produto Automação Resultado da Fase B: Resultado = Modelo Qualidade Novo Produto Pesquisa Desenvolvimento Engenharia Produção Produto Sistema Elétrico Construção Civil Fabricação Mecânica Fase A = Protótipo do Resultado da Fase A: Componente Novo Componente para P&D Fonte Figura: http://www.medtec nica.com.br/micros copio.html Novo Componente é Utilizado na Pesquisa & Desenvolvimento do Novo Produto Resultado da Fase A: Venda do Componente no Mercado SISTEMA DE PRODUÇÃO COM TECNOLOGIA PRÓPRIA 19
  20. 20. Layout de Fábrica Componentes Adquiridos no Mercado Protótipo do Automação Produto Qualidade Desenvolvimento Engenharia Produção Produto Sistema Elétrico Construção Civil Fabricação Mecânica Modelos e/ou Produtos Adquiridos no Mercado + Alterações Próprias no Design SISTEMA DE PRODUÇÃO COM TECNOLOGIA ADQUIRIDA 20
  21. 21. Por que investir em pesquisa na empresa? 21
  22. 22. Fonte Figura: http://www.pirisa.ind.br Layout de Fábrica Fase B = Protótipo do Produto Automação Resultado da Fase B: Resultado = Modelo Qualidade Novo Produto Pesquisa Desenvolvimento Engenharia Produção Produto Sistema Elétrico Construção Civil Fabricação Mecânica Fase A = Protótipo do Resultado da Fase A: Componente Novo Componente para P&D Fonte Figura: http://www.medtec nica.com.br/micros copio.html OBTENÇÃO DE PATENTE Resultado da Fase A: Venda do Componente no Mercado SISTEMA DE PRODUÇÃO COM TECNOLOGIA PRÓPRIA 22
  23. 23. Comprar e utilizar tecnologia não significa “ter” tecnologia e, sim, depender de tecnologia 23
  24. 24. Como é a nossa produção tecnológica? Investimentos em P&D 24
  25. 25. Dispêndios nacionais em pesquisa e desenvolvimento (P&D) financiados pelas empresas em relação ao produto interno bruto (PIB). Fonte: Ministério da Ciência e Tecnologia (2006) Dispêndios nacionais em pesquisa e desenvolvimento (P&D) financiados pelos governos em relação ao produto interno bruto (PIB). Fonte: Ministério da Ciência e Tecnologia (2006) 25
  26. 26. Pedidos de Patente de Invenção 26
  27. 27. Pedidos de patentes de invenção depositados no escritório de marcas e patentes dos Estados Unidos da América, alguns países, 2004. Fonte: United States Patente and Trademark Office (USPTO). 27
  28. 28. Por que transformar conhecimentos científicos em tecnologias? 28
  29. 29. Pesquisador nos E.U.A em 2006 reuniu os dados X + Y + Tecnologia de Pesquisador na Rússia produziu o Processos que resultou em um novo resultado X, em 2004 produto (Pesquisa Básica) (Pesquisa Aplicada) Divulgou em Forma de Artigo Fez o Depósito da Patente Divulgou em Forma de Artigo Pesquisador no Brasil produziu o resultado Y, em 2003 (Pesquisa Básica) O CONHECIMENTO CIENTÍFICO É A BASE PARA A PRODUÇÃO DE TECNOLOGIA 29
  30. 30. Pesquisas Básicas Pesquisador no País A Produziu X Todos os pesquisadores quando adquirem o produto estão pagando Pesquisador no País B Produziu Y pelo próprio conhecimento produzido Pesquisador no País C Produziu Z Divulgadas Através de Artigos Pesquisa Aplicada Pesquisador no País E Desenvolveu o Produto com X + Y + Z + Tecnologia de Processo + Conhecimento Tecnológico Sem falar no nosso minério que se transforma em novos produtos que adquirimos do exterior... Fonte Figura: http://www.diytrade.com/china/4/products/4 78714/Ferro_Silicon.html O CONHECIMENTO QUE PRODUZIMOS COMPRAMOS EM FORMA DE PRODUTOS 30
  31. 31. O que é Transferência de Tecnologia? 31
  32. 32. A transferência de tecnologia é definida como aquisição, utilização e/ou adaptação de conhecimento tecnológico por uma organização ou indivíduo mediante pagamento ou compensação àquela(e) que gerou o conhecimento. 32
  33. 33. Como se faz Transferência de Tecnologia? 33
  34. 34. A maneira mais fácil e imediata para aquisição de tecnologias é a compra direta, tanto de empresas nacionais como de centros de pesquisas internacionais. Este procedimento de aquisição não requer ações de negociação, planejamento, discussão e adequação com as instituições de ensino e pesquisa. Neste caso, não há necessidade de investir-se em recursos humanos para pesquisa na própria empresa. 34
  35. 35. Detém o conhecimento de como fazer e a patente Necessita o conhecimento de como fazer ou a licença para Te ensino como fazer e/ou deixo fazer fabricar Usuário de Tecnologia Te pago para saber como fazer. Para eu Produtor de Tecnologia poder fabricar ou usar TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA POR COMPRA DIRETA 35
  36. 36. No entanto, a lucratividade é menor e a dependência é perpétua! 36
  37. 37. Inovadores Já Nascem Feitos, não Não tem tempo para Possuímos Ninguém pensar em pesquisa na Empresa A Criação de Novos Produtos é Muito Arriscada Usuário de Tecnologia Produtor de Tecnologia Empresário Tradicional Não dispomos de Estou preocupado Recursos Necessários em ter capital para para Inovar me atualizar tecnologicamente ALGUMAS MANEIRAS DE PENSAR QUE OCASIONAM A COMPRA DIRETA 37
  38. 38. Quais os resultados? 38
  39. 39. Remessas ao exterior por contratos de transferência de tecnologia, 1992-2004 Fonte: Banco Central do Brasil / DEPEC / DIBAP 39
  40. 40. Quais as alternativas? 40
  41. 41. Empresa Novas Tecnologias, Faculdade + Produtos e Processos PRODUZIR TECNOLOGIA POR PESQUISA COOPERATIVA: FACULDADE + EMPRESA 41
  42. 42. O Programa de Apoio aos Pólos de Inovação Tecnológica foi criado pela SCT, em 1989, para estimular a integração entre Universidades e centros de pesquisa com o setor produtivo, objetivando o desenvolvimento de tecnologias adequadas às diferentes regiões do RS. O programa evoluiu ao longo dos anos, aumentando sua eficácia e promovendo a transferência de tecnologias apropriadas ao setor produtivo regional. PRODUZIR TECNOLOGIA POR PESQUISA COOPERATIVA: PARCERIAS 42
  43. 43. Acesse o site http://polovp.faccat.br PRODUZIR TECNOLOGIA POR PESQUISA COOPERATIVA: PARCERIAS 43
  44. 44. O que é Difusão Tecnológica? Como e quando realizar? 44
  45. 45. A difusão tecnológica ocorre diretamente pelos pesquisadores, pela literatura técnico-científica, pela participação em seminários e congressos e pelo acesso a informações de pessoas ligadas a empresa ou instituição, pela compra direta de bens e serviços e por meio do licenciamento, franchising, co-produção ou consórcios tecnológicos e parcerias (ROMAN e FLUETT JÚNIOR, 1983) ROMAN, D. D.; PUETT JUNIOR, J. E. International Business and Technological Innovation. 1. ed. New York: Elsevier Science Publishing Co., 1983. DIFUSÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA 45
  46. 46. A divulgação prematura dos resultados da pesquisa e do desenvolvimento da tecnologia pode resultar em perda da patente Deve-se primeiro efetuar o Depósito da Patente no INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) 1 3 Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) Difusão Tecnológica Divulgação Pública dos Resultados 2 Depositar o Pedido de Patente Seminários, Congressos e Palestras Revistas (Artigos Científicos) DIFUSÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA 46

×