Your SlideShare is downloading. ×
Trabalho   arte da guerra
Trabalho   arte da guerra
Trabalho   arte da guerra
Trabalho   arte da guerra
Trabalho   arte da guerra
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Trabalho arte da guerra

4,811

Published on

O livro em apenas 13 curtos capítulos nos mostra como devemos agir dentro da empresa comparando a uma guerra. Sun Tzu nos mostra varias estratégias que podem servir para combater o inimigo sem lutar, …

O livro em apenas 13 curtos capítulos nos mostra como devemos agir dentro da empresa comparando a uma guerra. Sun Tzu nos mostra varias estratégias que podem servir para combater o inimigo sem lutar, apenas estudando e atacando os seus pontos fracos, é necessário aproveitar-se dos pontos em que o inimigo esteja menos preparado, fazendo investidas constantes e certeiras para perturbá-lo, para deixa-lo confuso e andando de um lado para outro, sem saber a sua verdadeira intenção. Os ensinamentos são baseados em disciplina, planejamento, autoconhecimento e motivação

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,811
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
108
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIC - SORRISO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO WAGNER NERICKE A ARTE DA GUERRA SORRISO/MT DEZEMBRO DE 2013
  • 2. 2 O livro em apenas 13 curtos capítulos nos mostra como devemos agir dentro da empresa comparando a uma guerra. Sun Tzu nos mostra varias estratégias que podem servir para combater o inimigo sem lutar, apenas estudando e atacando os seus pontos fracos, é necessário aproveitar-se dos pontos em que o inimigo esteja menos preparado, fazendo investidas constantes e certeiras para perturbá-lo, para deixa-lo confuso e andando de um lado para outro, sem saber a sua verdadeira intenção. Os ensinamentos são baseados em disciplina, planejamento, autoconhecimento e motivação. As estratégias do livro são muito usadas pelos grandes gestores nas empresas no período que vivemos nas concorrências entre empresas ou ate mesmo nas disputas de cargos. O livro é antigo, mas ainda é Impossível ler a arte da guerra e não associá-lo ao nosso tempo, cada frase do livro nos faz pensar em nossos conflitos diários, na vida profissional, pessoal e em nossas metas que queremos alcançar. Capítulo I Planeamento Inicial: coloca a ênfase na importância do planeamento - antes de iniciar qualquer ação é necessário determinar cinco aspectos de fulcral importância, o caminho, o clima, o terreno, a liderança e a disciplina; Capítulo II Condução da Guerra: destaca as consequências internas da guerra e coloca a ênfase na rapidez e eficiência das ações de forma a conservar a energia e os recursos e assim minimizar o desgaste causado,“Nunca houve um estado que tenha sido beneficiado por uma guerra prolongada”. Capítulo III Estratégia Ofensiva: refere à importância de manter intacto o maior número de coisas possíveis - o melhor seria mesmo vencer as batalhas mesmo sem lutar, refere ainda à importância do conhecimento do inimigo e de nós próprios para vencer as batalhas. Um exército tem que ser rápido ter agilidade e habilidade para atacar as estratégias do inimigo, esse exemplo pode ser usado também nas empresas.
  • 3. 3 Capítulo IV Disposições Táticas: coloca a ênfase na disposição das tropas no terreno e declara que o segredo da vitória está na adaptabilidade e inescrutabilidade. Capítulo V Energia em Potência: é relevada a força, ou o ímpeto, a estrutura dinâmica do grupo em ação, a coordenação, a coerência da organização e são apresentados diversos métodos de ataque e defesa. Capítulo VI Pontos Fortes e Fracos (ou Vazio e Cheio): destaca a importância de conservar a própria energia e de, em simultâneo, induzir o inimigo a esgotar a sua. Capítulo VII Manobras: trata da organização efetiva no campo de batalha e das manobras de combate, ao mesmo tempo em que refere outros assuntos de especial importância para o sucesso. Capítulo VIII Nove Variáveis Táticas: é colocada a ênfase na adaptação, vista como um dos pilares da arte de guerrear,as nove variáveis são: => Não acampe em terrenos baixos, => Não ignore a diplomacia em terreno aberto (comunicante), => Não permaneça em terreno desolado, => Em terreno fechado, planeie uma fuga, => Em situação desesperada, lute até a morte, => Há estradas que não devem ser seguidas, => Há momentos em que não se deve capturar o inimigo, => Há cidades que não devem ser atacadas, territórios que não devem ser disputados, => Há ocasiões em que as ordens do comandante não devem ser seguidas.
  • 4. 4 Capítulo IX Marchas ou Movimentações do Exército: trata das manobras estratégicas do exército e fala dos três aspectos chave da arte do guerreiro: o físico, o social e o psicológico. Capítulo X Terreno: mais uma vez é colocada a ênfase na adaptabilidade, neste caso às condições do terreno - são caracterizados os diversos tipos de terreno existentes e apresentadas as formas mais adequadas de atuar em cada tipo. Capítulo XI Nove Classe de Terreno (ou Nove Regiões): é novamente analisada a questão da adaptação ao terreno. As nove regiões analisadas são: a região de dispersão, a região leve, a região de contenda, a região de comunicação, a região de interseção, a região pesada, a região ruim, a região sitiada e a região de morte (ou mortal). Capítulo XII Ataques com Fogo: faz uma descrição dos cincos tipos de ataque incendiário: o primeiro é atear fogo às tropas inimigas; depois, às suas provisões, em terceiro, queimar os seus transportes, quarto, o seu arsenal e as suas vias de abastecimento. Capítulo XIII Utilização de Agentes Secretos: é valorizada a utilização de espionagem como forma de reduzir os custos da guerra e são caracterizados os cinco tipos de espiões, espião local que é contratado entre a população da região em que são planeadas as operações, espião infiltrado que é contratado entre os oficiais de um regime contrário; espião reverso que é um agente duplo, contratado entre os espiões inimigos; espião morto que é o que recebe a missão de levar informações falsas ao inimigo e, espião vivo que é o que vem e vai com informações.
  • 5. 5 CONCLUSÂO Administrar uma empresa é como estar à frente de um grupo pronto para a guerra. Nas empresas, o ambiente é diferente do que em uma guerra, mesmo entre as empresas com concorrência bem acirrada e disputas que podem levar a “morte” de uma delas. Em qualquer luta devemos estar sempre preparados, com conhecimentos gerais do adversário para saber que arma usará para então assim não termos uma luta em vão. Devemos estar unidos com a equipe para formar um grupo mais forte e dedicado. O administrador é basicamente um general, onde deve estar prevendo o futuro e saber como enfrenta-lo. Tornar sua equipe apta para os desafios que viram. Para se ganhar uma guerra é preciso que o general tenha cabeça no lugar, muita paciência, e ser rígido na hora de punir quem não está seguindo suas ordens, alem disso ele deve conhecer bem os terrenos e climas a onde ele deseje lutar, se ele não domina os terrenos e o clima ele fica mais vulnerável, e conhecendo eles, ele pode usar em favor de si para fazer armadilhas e emboscas no inimigo. A Arte da Guerra é um livro que ensina o leitor a fazer uma estratégia perfeita, para se ganhar uma guerra, mas não só para o lado da guerra mas também para o nosso dia-a-dia a lidar com as dificuldades que nós enfrentamos, saber a observar o seu concorrente e analisar as táticas que você está usando e se elas são eficazes.

×