Your SlideShare is downloading. ×
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Doc FMI - FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

3,825

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,825
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
77
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 1 Assembleia deGovernadores do FundoMonetário Internacional A reforma do FMI Siomara de Morais Murta Diretora Allan Quaresma Diretor Assistente Clara Silberschneider Diretora Assistente Fernanda Araújo Diretora Assistente
  • 2. 1 SUMÁRIO1 APRESENTAÇÃO DA EQUIPE ..................................................................................... 22 APRESENTAÇÃO DO TEMA ........................................................................................ 42.1 Introdução ........................................................................................................................ 42.2 A Crise Financeira de 2008 ............................................................................................ 53 APRESENTAÇÃO DO COMITÊ .................................................................................... 73.1 Histórico do FMI e tema da reunião ............................................................................. 73.2 O Fundo Monetário Internacional .............................................................................. 103.2.1 Histórico do FMI ....................................................................................................... 103.2.2 Estrutura e Funcionamento do FMI ........................................................................ 143.3 A Assembleia dos Governadores e seu processo decisório .......................................... 153.4 Como Funciona o Comitê em Dupla ............................................................................ 184 POSIÇÃO DOS PRINCIPAIS ATORES ....................................................................... 184.1 Estados Unidos da América ......................................................................................... 184.2 Países que almejam a redistribuição de cotas ............................................................. 194.3 Países Desenvolvidos .................................................................................................... 195 QUESTÕES RELEVANTES .......................................................................................... 20REFERÊNCIAS ................................................................................................................. 20ANEXOS ............................................................................................................................ 22TABELA DE DEMANDA DAS REPRESENTAÇÕES ................................................... 30
  • 3. 21 APRESENTAÇÃO DA EQUIPECaros delegados, Sejam bem-vindos ao 12º MINIONU e à Assembleia de Governadores do FundoMonetário Internacional! O tema que iremos simular este ano é muito atual e de extremarelevância. Espero que vocês gostem do comitê da mesma forma que eu e os diretoresassistentes gostamos. No semestre do MINIONU estarei cursando o 8º período de Relações Internacionaisna PUC Minas. Foi durante o meu 6º período no curso, no qual cursei diversas matérias decaráter econômico, que me apaixonei pela área de economia internacional e em especial pelasorganizações financeiras internacionais como o FMI. Este será o meu quinto MINIONU entre participações diretas e indiretas, e esta é aprimeira vez que participo de um comitê de caráter econômico. Meu primeiro MINIONU foio da 8ª edição, onde participei da Assembleia Geral. Depois participei do comitê da UniãoEuropéia, onde fui diretora assistente e da FAO no ano subseqüente, também como diretoraassistente, embora eu tenha deixado o MINIONU meses antes do evento. No ano passado nãoparticipei diretamente do evento, mas fiz parte da equipe MINIONU na sala de aula, ondepude ajudar alguns alunos no treinamento para o evento. Os diretores assistentes do comitê serão Allan Quaresma, Clara Silberschneider eFernanda Araújo, que se apresentam: “Sou Allan Quaresma, cursei o 2º período de Relações Internacionais no primeirosemestre de 2011. Minhas experiências com o MINIONU sempre foram bastanteenriquecedoras. Participei como delegado da Bulgária no Conselho da União Européia em2008 e em 2010, como voluntário de logística na décima primeira edição. Tenho certeza que o12° MINIONU terá um nível altíssimo de discussões e, como diretor assistente do FMI, dareio meu máximo para que o evento seja exemplo em excelência.” “Sou Fernanda Araújo, esta é minha quinta experiência em simulações e a terceira noMINIONU. No segundo ano do ensino médio fui delegada, representando a Bélgica no comitêda OMC. Essa experiência foi muito significativa, agregou tamanho conhecimento e vontadede questionar e entender as relações humanas que movem o mundo, que se tornou a
  • 4. 3motivação que faltava para consolidar a escolha do meu curso superior. Ao ingressar na PUC,fui voluntária no comitê da União Européia e agora me tornei diretora assistente do FMI.Tenho certeza que este será um dos melhores comitês da 12º edição.” “Sou Clara, também estudante de Relações Internacionais e curso o segundo período.Minhas expectativas para o comitê do FMI são muito boas e tenho certeza de que seráenriquecedor para todos, tanto para nós, diretores, quanto para vocês delegados. Já participeicomo voluntária de comitê na edição passada e de outras simulações enquanto cursava oEnsino Médio.” Espero que vocês se empenhem na busca por informações acerca do tema. Creio quenão haverá dificuldades, dado que o tema tem sido discutido nas últimas reuniões do Fundo evem tendo bastante destaque na mídia. Peço que nos procurem caso tenham qualquer dúvida e que consultem nosso blog,onde encontrarão um glossário 1 que os auxiliará a compreender o guia de estudos e o FMI.Siomara de Morais Murta – frausi@gmail.comAllan Quaresma, Clara Silberschneider e Fernanda AraújoBlog: http://fmiminionu.wordpress.com/Facebook: http://www.facebook.com/pages/FMI-12%C2%BA-Minionu/191887030842387(FMI - 12º MINIONU)Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=111829869 (FMI - 12º MINIONU)Twitter: http://twitter.com/fmi_12minionu (fmi_12minionu)1 É imprescindível ter o glossário ao alcance para realizar a leitura do guia.
  • 5. 42 APRESENTAÇÃO DO TEMA2.1 Introdução O Fundo Monetário Internacional foi criado no Sistema Bretton Woods 2 em 1945,após a Segunda Guerra Mundial, com o intuito de manter equilibradas as taxas de câmbio e asbalanças de pagamento dos países afetados pelas duas guerras mundiais. Sua função seriabasicamente fornecer aos países assistência técnica e financeira através da fiscalização daspolíticas nacionais e do financiamento aos países para que os mesmos evitassem riscos natentativa de equilibrar suas balanças de pagamento. Com o fim do sistema Bretton Woods, em 1969, o fundo teve sua principal funçãoalterada, se tornando durante os anos 80 um financiador, em última instância. Já em 2004, oFMI se configurava como uma instituição que deveria assegurar o sistema contra possíveiscrises financeiras que viessem ameaçar o sistema financeiro mundial, promovendoempréstimos. Dadas as bruscas alterações ocorridas quanto às funções do fundo, especialistas,governantes e membros do FMI chegaram a um consenso, o de que o fundo deveria passar pormudanças profundas em sua estrutura, de forma a se ajustar às alterações que ocorreram nosistema internacional desde a criação do mesmo. Durante os anos de 2006 e 2008, nas reuniões do Comitê Financeiro e Monetário 3passos foram dados em direção à reestruturação do FMI, o que foi refletido em reuniões daAssembleia dos Governadores. Entretanto, as alterações promovidas não foram suficientes, oque foi reforçado pela crise iniciada ao longo de 2008 e que teve como conseqüências novasalterações quanto ao comportamento dos Estados frente ao FMI. Em 2010 uma outra reuniãodo Comitê Financeiro e Monetário estabeleceu, então, que no próximo ano a Assembleiadeverá se reunir novamente para discutir possíveis reformas. Este comitê reforça a idéia de que o FMI necessita de ajustes em sua estrutura. Esta éuma questão que deve ser discutida com cautela, pois são alterações que influenciam em todo2 Resultado de conferências realizadas em julho de 1944 na cidade de Bretton Woods (EUA) com o objetivo degerenciar a economia internacional, estabelecendo regras para as relações comerciais e financeiras entre ospaíses considerados desenvolvidos.3 Comitê que possui a função de dar diretrizes ao órgão decisório do fundo que é a Assembleia dosGovernadores
  • 6. 5o sistema de Estados. Desse modo, discutiremos no âmbito da Assembleia de Governadores,novas alterações que deverão ser realizadas no interior do FMI, tendo com ponto principal aalteração do sistema de cotas.2.2 A Crise Financeira de 2008 Para entender a crise de 2008 é preciso, primeiramente, entender a chamada “Crise dosSub-Prime” que ocorreu nos Estados Unidos. Esse “terremoto” foi o grande motivo quedevastou o mercado financeiro mundial no final daquele ano. A Crise dos Sub-Prime teve origem no mercado imobiliário norte-americano. Para estemercado funcionar são necessários três atores principais, os proprietários de um imóvelresidencial qualquer (como uma casa), os investidores e os bancos. Os proprietários de casarepresentam suas hipotecas, os investidores representam seu dinheiro (fundos de pensões,companhias de seguro, fundos de riqueza, fundos mútuos, etc.) e, unindo estes dois, há osbancos (banqueiros e corretores, também referidos simplesmente como Wall Street). Os investidores, a fim de expandirem seus lucros, geralmente compram títulos4 daReserva Federal, por serem considerados investimento seguro 5. Porém, com a redução dosjuros (taxa de retorno6) a 1%, os investidores preferiram não recorrer à Reserva. Já para osbanqueiros, os juros a 1% significam uma grande oportunidade para pegar dinheiroemprestado e utilizarem o chamado Leverage (quando um banqueiro pega uma alta quantiaemprestada, compra algum bem e vende este bem por uma quantia muito maior para quandopagar sua dívida à Reseva, ter um lucro muito elevado). No sistema imobiliário acontece o seguinte: uma família recorre a um corretor embusca de um imóvel; o corretor conecta a família a uma financiadora que empresta umahipoteca; um banqueiro compra várias hipotecas da financiadora e começa a receber opagamento das famílias no lugar da financiadora; este dinheiro é colocado na chamadaObrigação de Crédito Colaterizada (OCD), que é dividida em Investimento Seguro,Investimento Bom e Investimento Arriscado7; o dinheiro da OCD é qualificado de acordo4 Consultar glossário.5 Consultar glossário.6 Consultar glossário.7 Consultar glossário.
  • 7. 6com suas taxas de juros (tendo o Investimento Seguro uma taxa menor e o Arriscado a maior)e é vendido para os investidores; os bancos faturam e pagam suas dívidas para a ReservaFederal; os investidores compram cada vez mais “pedaços” do OCD; os banqueiros recorrema mais hipotecas; e os corretores a mais famílias. 8 Porém, as famílias que possuíam poder aquisitivo (os Prime) para realizar ofinanciamento de hipotecas já tinham casas. Logo, as financiadoras tendo em mente aconstante valorização imobiliária, começaram a financiar hipotecas à famílias com menorpoder aquisitivo (os Sub-Prime), exigindo menos responsabilidades, por exemplo pagamentoantecipado, comprovante de renda, entre outros documentos. Por outro lado, essas famílias, aoobservarem que este era um negócio que gerava lucro em um curto espaço de tempo, tambémse interessaram e financiaram novas casas. No entanto, o valor dos imóveis que já havia subido anteriormente, se elevou aindamais, fazendo com que não fosse mais interessante adquirir novos imóveis. Com isso, a classemédia alta, que constituía os Sub-prime, não conseguiu obter lucro com a casa hipotecada,nem fazer um refinanciamento a um valor menor. Então, as famílias Sub-Prime deixaram de pagar suas hipotecas e este foi o início daavalanche. Os bancos, que compraram as hipotecas das financiadoras, param de receber ospagamentos das famílias, tomaram a casa e colocaram novamente à venda. Mas com tantasfamílias parando de pagar, houve mais oferta de imóveis no mercado do que procura, fazendocom que o preço desses imóveis caísse drasticamente (ver Gráfico 1 em anexo), resultando emprejuízo aos bancos. Assim, os bancos ficaram com seus OCD‟s desvalorizados e osinvestidores preferiram não comprar seus “pedaços” dos OCD‟s. Os banqueiros não conseguiram mais vender seus investimentos dos OCD‟s, osinvestidores que já haviam comprado seus pedaços, agora desvalorizados, não conseguiramvendê-los e as financiadoras não acharam demanda para suas hipotecas. Ou seja, ninguémcompra nada de ninguém, as empresas ficaram em uma situação financeira muito ruim ealgumas chegaram a declarar falência. O primeiro banco a declarar falência foi o norte-americano Lehman Brothers Holdings Inc., em 15 de setembro de 2008. A falência do Lehman Brothers Holdings Inc. foi seguida pelo colapso de uma dasmaiores seguradoras do país, American International Group (AIG), uma empresa tradicionalnos Estados Unidos. A quebra dessas importantes instituições levou à falência de outrasempresas e bancos que possuíam negociações, e foi se alastrando em um „efeito dominó‟,8 No blog há um esquema explicativo.
  • 8. 7atravessando as fronteiras dos Estados Unidos e atingindo diversos países como Suíça,Islândia, Alemanha, dentre outros em curto espaço de tempo.3 APRESENTAÇÃO DO COMITÊ3.1 Histórico do FMI e tema da reunião O FMI entrou em vigor em maio do ano de 1946, com apenas 39 países-membros.Atualmente, ele possui 187 membros e passou a ser alvo de criticas após a entrada de váriosmembros e das alterações decorrentes da economia mundial desde sua criação. Essas críticassão principalmente sobre o poder decisório no FMI, a divisão das cotas e sobre a existência dopoder de veto concentrado em um único Estado. No início dos anos 2000, vários países aderiram ao FMI e conjuntamente com asmudanças ocorridas nos métodos de atuação da instituição e nas alterações ocorridas naeconomia mundial levantaram questionamentos sobre o Fundo. De acordo com estadistas,economistas e membros do FMI, a instituição não conseguiu acompanhar as mudanças queocorreram na economia mundial desde a sua criação, em 1940, principalmente no que dizrespeito ao processo de decisão adotado pelo Fundo. Os questionamentos foram originadosprincipalmente pelo grupo de países em desenvolvimento, o G249, que se perceberam comosub-representados dento do Fundo, pelo fato de que suas cotas são muito menores do que seupapel na economia mundial. Algumas das críticas ao FMI vieram de países como Índia e Brasil, também membrosdo G-24, que são países que estão entre os dez maiores índices de PIB (Produto InternoBruto), mas que ainda assim permanecem com cotas reduzidas, que não chegam a 2% devotos cada. Após a crise de 2008, houve a intensificação dessas críticas, que foram incorporadas aagenda do Fundo e que agora necessitam ser discutidas e resolvidas. As principaisreclamações vêm de países que ultimamente se tornaram extremamente importantes no9 Os membros do G-24 são: África do Sul, Argélia, Argentina, Brasil, China (membro observador), Colômbia,Costa do Marfim, Egito, Etiópia, Filipinas, Gabão, Gana, Guatemala, Índia, Irã, Líbano, México, Nigéria,Paquistão, Peru, Síria, Sri Lanka, República Democrática do Congo, Trinidad e Tobago e Venezuela.
  • 9. 8cenário econômico internacional, principalmente pós-crise de 2008. Alguns países dessegrupo estão entre os dez maiores Produto Interno Bruto (PIB) mundial, como o Brasil, quepossui apenas 1,49% de votos. Com o aumento de reivindicações, o FMI tentou resolvê-las aumentando, durante areunião de 2006, as cotas de quatro países em desenvolvimento, sendo eles: China, Coréia doSul, México e Turquia. Vale ressaltar aqui que apenas dois destes são membro do G-24,China e México. Este aumento se deu em caráter provisório e tinha a previsão de ratificaçãopara o ano 2008. Entretanto, tal proposta também foi criticada pelos demais membros do grupo, queconsideraram injusto o aumento das cotas de apenas parte dos países do grupo em detrimentodos demais, pois o aumento das cotas ocorreram dada a redução das cotas dos outros países. Outras reivindicações feitas pelos membros do G-24 foi a do aumento dos votosbásicos, que todos os membros possuem, independentemente de sua cota e sobre o processode nomeação do presidente do Fundo, que é escolhido seguindo um acordo informal entreEUA e os países europeus, que faz com que o presidente do Banco Mundial seja sempre umamericano e o diretor-geral do FMI sempre um europeu. Os ocupantes dos dois cargos sãoescolhidos num processo com pouca transparência e onde os demais membros não participam,o que fazia sentido durante a criação das instituições, quando os EUA e a Europa ocidentalrespondiam pela maior parte da economia mundial. Algumas críticas destinadas a estrutura do FMI dizem que sua estrutura se tornouobsoleta diante das alterações na economia mundial, ela era adequada ao contexto do imediatopós Guerras Mundiais, mas não reflete mais a atual economia mundial, que passou pordiversas transformações. Assim, um dos principais desafios do FMI é como se adequar a essasmudanças e quais reformas devem ocorrer na instituição, principalmente no que diz respeitoao poder de voto e ao processo de nomeação do diretor-geral. O FMI necessita de recursos para atingir seus objetivos. Esses recursos sãoconstituídos, principalmente, por contribuições dos próprios membros. A partir disso, a cotade cada país é calculada, após a analise de seu desempenho econômico 10. Quanto mais rico emaior for a participação no comércio mundial, maior a cota, sendo que esta pode aumentar oudiminuir, de acordo com o aumento da prosperidade de cada Estado.10 Os principais indicadores são: renda nacional, reservas internacionais, montante do comércio exterior erelação comércio/PIB
  • 10. 9 Essas cotas servem como base de cálculo para o montante de recursos disponíveis paraempréstimo aos membros com dificuldades em seus balanços de pagamentos 11 e quanto maiora contribuição de um país, maior será seu limite de crédito no Fundo. Outra função das cotas éservir de referência para as votações internas do FMI. O voto é diretamente proporcional àparticipação do país no volume total de recursos recebidos. Isso justifica os Estados Unidosterem tanta influência na formulação de políticas dessa organização, pois ele é o país que maiscontribui. Quando o FMI foi criado, os norte-americanos subscreveram cerca de 30% do fundoinicial, o que foi alterado com a entrada de outras nações, levando a participação dos EUA aser reduzida para 18% aproximadamente. Porém, o país ainda continua a ser o que maiscontribui, detendo maior poder de veto nas decisões da organização. Cada decisão no Fundoexige a aprovação correspondente a 85% dos votos, os Estados Unidos são o país de maiorpeso, por ter uma porcentagem maior de votos. O poder norte-americano fica mais salientado quando percebemos que em segundolugar na subscrição do fundo ficavam Alemanha e Japão, com 5,67% cada. Assim, ficam ospaíses menos favorecidos absolutamente dependentes, mesmo que indiretamente, dos paísesricos. A ponderação das cotas no FMI tem um duplo sentido: político e técnico. Por um lado,ela determina o poder de voto dentro da instituição, que representa o papel de cada membrona economia internacional. Através das cotas o FMI define quais países receberãoempréstimos, sob quais condições e as receitas de política econômica para os países comproblemas econômicos. Sendo assim, ter poder de influenciar as decisões do FMI significa terpoder dentro do sistema monetário internacional. O aspecto técnico e econômico a ser considerado diz respeito ao fato de que o FMIfunciona como um banco, em que os países são acionistas. As cotas representam qual deve sera contribuição de cada país ao orçamento do fundo. Sendo assim, não se pode dar uma cotaexcessiva a um país que não possua condições de contribuir. Além disso, é preciso considerara estrutura econômica mundial, em que EUA e Europa Ocidental ainda representam grandeparte da economia mundial, apesar de não serem tão predominantes atualmente.11 O Balanço de Pagamentos é o conjunto de transações do país com exterior, e é composto por balançacomercial (exportações menos importações), movimento de capitais e de divisas. O país sempre busca ter umequilíbrio no balanço de pagamentos, e se, por exemplo, tem um déficit na balança comercial, deve recorrer a umempréstimo (entrada de capital) para alcançar esse equilíbrio.
  • 11. 10 É necessário lembrar que apesar de ser do interesse de todos os países possuir maiorimportância política para si, deve-se considerar que o Fundo funciona como um banco em queos países são acionistas. As cotas representam qual deve ser a contribuição daquele país aoorçamento do Fundo e, portanto, não se pode dar uma cota excessiva para um país que nãopode realmente contribuir para o FMI. As reformas do FMI devem ser pensadas com cautela em relação aos setores em queesta deverá ser aplicada, para onde deverá ser estendido ou até mesmo extinto o poder de vetoentre os países membros (a fim de se reajustarem à conjuntura internacional), mas também àrealidade do que é cabível de ser feito.3.2 O Fundo Monetário Internacional3.2.1 Histórico do FMI O FMI surgiu após a conferência de Bretton Woods com o objetivo de reorganizar aeconomia mundial, que se encontrava arruinada pelas duas Guerras Mundiais. A conferênciatinha como finalidade alcançar equilíbrio econômico, o pleno emprego e criar uma ordemeconômica mundial estável (GILPIN, 1987). Assim, a Conferência tratava de três temas principais: a reconstrução pós SegundaGuerra Mundial, o comércio internacional e o sistema monetário internacional. Comoresultado houve a criação do Banco Mundial, do Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio(GATT, sigla em inglês), que posteriormente deu origem à Organização Mundial doComércio (OMC) e do Fundo Monetário Internacional (FMI). A criação do fundo foi uma estratégia de defesa daqueles países que tinham comointeresse a manutenção de um sistema financeiro estável, devido ao fato de que muitos paísesestavam no momento criando novas políticas voltadas à eliminação dos déficits 12 quepossuíam em suas balanças de pagamentos13 usando como instrumento o câmbio ajustável14.12 Ver glossário.13 Ver glossário.14 Ver glossário.
  • 12. 11Um dos objetivos principais era construir um novo sistema para substituir o padrão ouro 15, emvigor até então, além disso, o fundo criou também um sistema de financiamento 16 a fim deadequar os países à nova ordem financeira 17, contribuindo para a cooperação internacionalquanto aos problemas financeiros existentes nas relações monetárias. A estabilidade monetária internacional é garantida por cinco funções: manter ummercado de bens de primeira necessidade, prover empréstimos contra-cíclicos18, garantir umsistema de troca entre moedas estável19, garantir a coordenação de políticas 20 21macroeconômicas e prover empréstimos de ultima instância em caso de crises financeiras.Sendo assim, o FMI foi criado para garantir o funcionamento do novo sistema monetáriointernacional e como conseqüência seus objetivos seriam, resumidamente, os de: promovercooperação monetária internacional, promover a estabilidade das taxas de câmbio, assistir oestabelecimento de um sistema multilateral de pagamentos22, fornecer empréstimos a paísescom desajustes no balanço de pagamentos (KINDLEBERGER, 1986). No início o FMI possuía recursos escassos, considerando que estes não eramsuficientes para financiar todos os déficits resultantes do desequilíbrio do sistema monetário.Os recursos do fundo vinham de contribuições dos próprios membros da organização e ospaíses, para conseguirem empréstimos oferecidos pelo FMI, necessitavam preencher umasérie de requisitos. Dentre eles exigia-se que estes alterassem suas políticas domésticas eexternas, além disso uma das condições para o recebimento do financiamento era que esteseria de acordo com o índice de contribuição do país com Fundo. Isso quer dizer que os paísesteriam uma cota-limite de empréstimos disponível, analisada com base nos seus indicadoreseconômicos e que quanto maior fosse a contribuição, maior seria o acesso a empréstimos ebenefícios que os mesmos poderiam adquirir.15 Ver glossário.16 Ver glossário.17 Ver glossário.18 Empréstimos contra-cíclicos são aqueles que ajudam a amenizar uma crise. Os empréstimos cíclicosaumentam quando a economia cresce e diminui em períodos de crise, quando os empréstimos são maisnecessários. Os empréstimos contra-cíclicos agem na direção oposta, aliviando os países com dificuldades emmomentos de crise.19 Exemplos de sistema de troca são o padrão-ouro, que era mantido principalmente pelo Reino Unido, e opadrão ouro-dólar, que era mantido pelos Estados Unidos, através do FMI. Ver glossário.20 Para enfrentar crises, é preciso que todos os países ajam em conjunto. Para garantir que suas políticaseconômicas estejam em sintonia, é preciso um hegêmona, uma espécie de líder, que estimule todos os países aagirem assim.21 Ver glossário.22 Ver glossário.
  • 13. 12 O valor de contribuição de cada membro era, e ainda é, definido através de cotas pré-estabelecidas, determinadas, por sua vez, de acordo os seguintes fatores: o Produto InternoBruto23, as reservas internacionais24 e as transações correntes25. As cotas também sãoresponsáveis por definir o poder de voto de cada país na instituição, sendo o número de votosproporcional à cota. Estas cotas possuem a função de: determinar as contribuições dosmembros aos recursos do fundo, determinar o acesso dos membros aos recursos do FMI,decidir a quantidade de Direitos Especiais de Saque (DES)26 e determinar o poder de voto.Todos os países têm 250 votos básicos27 e mais um voto a cada 100.000 DES dados emcontribuição ao Fundo (JHA; SAGGAR, 2000). Outra função do Fundo era a da coleta de informações acerca da situação da economiamundial diante dos mercados financeiros, observando o desenvolvimento econômico dosEstados, individualmente e em seus grupos econômicos, e analisando a situação econômicamundial, apresentando uma prévia das evoluções econômicas nas relações financeiras entre osEstados: Com essas análises o FMI contribui para uma avaliação comum diante de situações de crises pelos governos dos Estados-membros, assim como por bancos e bolsas de investimentos que podem ser freqüentemente cruciais para ações preventivas. 28 (RITTBERGER; ZANGL, 2006; p.166; tradução nossa) . Apesar de o Fundo ter sido criado com o objetivo de manter a estabilidade do sistemaestabelecido em Bretton Woods (padrão ouro-dólar29), o sistema é extinto em 1971 e mesmoassim, a instituição sobrevive e ainda: Nos anos 70 o FMI se tornou supérfluo como o estocador de moeda e desde os anos 80 se tornou um financiador de último recurso em um contexto de uma ordem23 Ver glossário.24 Ver glossário.25 Ver glossário.26 O Direitos Especiais de Saque (DES) é uma cesta de moedas compostas pelas principais moedas no mundo e éusada pelo FMI para captar recursos de seus membros e fornecer empréstimos. Ver glossário.27 Os votos básicos são para manter algum poder de voto mesmo para os países menores e a proporcionalidadeentre os votos e a cotas serve para que os maiores contribuintes tenham o maior poder de voto28 Original em Inglês: “With these reports the IMF contributes to a common evaluation in a crisis situation bythe governments of member states as well as banks and investments houses, which can often be of decisiveimportance for remedial action.” (RITTBERGER; ZANGL, 2006; p.166).29 Os Estados Unidos manteriam o dólar atrelado ao ouro e os demais países do mundo fixariam suas moedas emrelação ao dólar, com possibilidade de ajustarem suas taxas de câmbio.
  • 14. 13 financeira e monetária sem o controle nos movimentos capitais (RITTBERGER; 30 ZANGL, 2006; p. 162; tradução nossa) . Em 1971, os EUA romperam com a conversibilidade ouro-dólar, extinguindo o padrãoouro-dólar desenvolvido em Bretton Woods, estabelecendo um “não-sistema” (GILPIN,2001). A partir de então, as taxas de câmbio poderiam ser alteradas livremente e as reservasinternacionais passaram a ser constituídas por qualquer moeda forte. Nesse contexto, o FMIpassou a estabelecer suas cotas baseadas em DES. Considerando a extinção do SistemaBretton Woods e que o Fundo tinha como função principal coordenar os países para mantê-lo,conclui-se que o FMI perdeu sua função essencial e que ele sobreviveu como uma instituiçãodesenvolvente, dedicada à estabilidade financeira de países em vias de desenvolvimento. Uma outra alteração que ocorreu no Fundo foi em relação ao destino de seusempréstimos: como todas as economias avançadas européias já haviam se recuperado daSegunda Grande Guerra e promovido a estabilização econômica, os empréstimos realizadospelo FMI mudaram de destino, eles passaram a se destinar a países subdesenvolvidos quepossuíam problemas no balanço de pagamentos. A função do FMI, que era de ajudar paíseseuropeus com pequenos problemas no balanço de pagamentos, passou a ser fornecerempréstimos a países em desenvolvimento com desequilíbrios externos. A instituição passa a sofrer de uma “crise de identidade”, uma vez que houve declíniode sua influência sobre os países aos quais prestava ajuda. Estes, por sua vez, mostram-semais dispostos a recorrer a empréstimos disponibilizados por outros órgãos ou por outrospaíses, em que não teriam de cumprir uma série de requisitos e em que encontrariam menorestaxas de juros. A partir de então o FMI começa a apresentar dificuldades em prover os benspúblicos (prestação de informação e análise aos governos, e também conselhos decoordenação política e empréstimos de emergência) que deveria. Neste momento, questionamentos sobre a função do FMI no sistema começaram a serlevantados e formou-se um consenso em diversos setores (governo, academia e dentro dainstituição) de que o Fundo necessita passar por certas mudanças estruturais, sendo elasdirecionadas ao sistema de votos e à maior transparência na sua estrutura burocrática para quese evite que sua manutenção deixe de ser interessante e faça com que ele caia em desuso.30 Original em Inglês: “In the 1970s the IMF had become superfluous as a currency buffer and since the 1980s ithas been functioning as a lender of last resort in the framework of a liberal financial and currency order largelywithout controls on capital movements” (RITTBERGER; ZANGL, 2006; p.162).
  • 15. 14 Em relação à mais recente crise dos mercados financeiros, já pode ser observada aatuação do FMI no sentido de aconselhar medidas a serem tomadas. O Fundo defendeumedidas mais fortes, como respostas rápidas dos governos aos primeiros sinais de perda nosetor financeiro, (a fim de evitar repercussões sistêmicas), que as intervenções do governosejam temporárias e evitar que os interesses do contribuinte sejam protegidos.3.2.2 Estrutura e Funcionamento do FMI O mais alto órgão de decisão do FMI é a Assembleia de Governadores. Cada paísmembro é representado por um governador e um vice, em geral o ministro das finanças epresidente do Banco Central. A Assembleia se reúne uma vez por ano, e decide as diretrizesgerais da instituição no período. O poder de voto de cada governador é definido de acordocom as cotas de cada país, como explicado anteriormente, cada um possui 250 votos básicos,e mais votos de acordo com a contribuição destinada ao FMI. O valor dessas cotas não podeser alterado livremente, e a distribuição de cotas é definida pela Assembleia dosGovernadores. Para qualquer decisão ser aprovada, é preciso no mínimo 85% dos votos, e oúnico país com poder de veto é os EUA, que possui mais de 16% dos votos. O trabalho daAssembleia dos governadores é auxiliado pelo Comitê Financeiro e Monetário e pelo ComitêConjunto FMI–Banco Mundial para o Desenvolvimento. Abaixo da Assembleia dos Governadores está a Diretoria Executiva. Dela, fazem parterepresentantes de 24 dos países membros, que são determinados da seguinte maneira: oito dosmaiores cotistas (Alemanha, Arábia Saudita, China, Estados Unidos, França, Japão, ReinoUnido e Rússia) têm representação permanente e as demais vagas são preenchidas pormembros eleitos com mandato de dois anos, que representam os votos de um grupo de países.A Diretoria Executiva mantém o voto ponderado da Assembleia dos Governadores, sendo queos países que não possuem diretores delegam seus votos para algum dos membros dadiretoria. O órgão funciona de forma permanente na sede da instituição, em Washington, e cuidado funcionamento do dia-a-dia do Fundo, além de colocar em pauta os temas que serãodiscutidos na Assembleia dos Governadores. A Diretoria Executiva é presidida pelo Diretor-Geral, que é tecnicamente eleito pela Assembleia dos Governadores, mas, por um arranjo
  • 16. 15informal estabelecido em Bretton Woods, é sempre um europeu. A Diretoria Executiva éauxiliada pelo Comitê Interino e pelo Comitê de Desenvolvimento, que se reúnem duas vezesao ano. O comitê que simularemos é uma reunião da Assembleia dos Governadores.3.3 A Assembleia dos Governadores e seu processo decisório A Assembleia de Governadores é a autoridade máxima do FMI e se reúne uma vez porano, com o intuito de tomar decisões a respeito das atividades do Fundo. O poder de voto decada país é definido pelo número de cotas que o mesmo possui. A distribuição de cotas édefinida pela própria Assembleia de Governadores, não podendo ser alterada livremente pelospaíses membros. Vale lembrar que toda decisão tomada por este órgão deve obter no mínimo85% dos votos e o único país com poder de veto é os EUA. Com a dinâmica da economia mundial, e a mudança constante da posição dos Estadosno Sistema Internacional, os membros do FMI concordam que a quantidade de cotas por cadapaís necessita de ajuste. Entretanto, como explicado acima, a Assembleia de Governadoresprecisa de 85% dos votos para poder efetivar qualquer decisão, inclusive a de mudança naestrutura de cotas. As cotas são distribuídas, teoricamente, de acordo com a contribuição financeira dopaís para o Fundo Monetário. Países emergentes, como a China, o Brasil, a Índia e a Coréiavêm crescendo economicamente na última década, mas não houve nenhuma mudança nosistema de cotas que levasse em conta a nova realidade econômica desses países. Por isso, nãosó os emergentes, como outros contribuintes, prezam pelo reajuste das cotas que os coloquenum nível de paridade com os países europeus e demais desenvolvidos que fazem parte doFMI. TABELA 1: Países da Assembleia dos Governadores e Cotas por grupo TOTAL VOTOS DE PAÍSES QUE PAÍS INDIVIDUAIS VOTOS REPRESENTA DO GRUPO Alemanha 146,394 --- 146,394 Argélia 13,286 Marrocos, Paquistão, Gana, 41,373
  • 17. 16 Tunísia, Rep. Islâmica do Afeganistão Arábia Saudita 70,594 --- 70,594 Áustria, Belarus, República Tcheca, Hungária, Kosovo, Bélgica 46,791 Luxemburgo, República da 122,566 Eslováquia, Eslovênia, Turquia Colômbia, República Dominicana, Equador, Brasil 43,244 Guiana, Haiti, Panamá, 70,179 Suriname, Trinidade e Tobago Antígua e Barbuda, Bahamas, Barbados, Irlanda, Jamaica, Belize, Canadá 64,431 Dominica, Granada, Sta. 90,696 Lúcia, São Vincent e os Grenadines, São Kitts e Nevis Argentina, Bolívia, Chile 9,3 46,329 Paraguai, Peru, Uruguai China 95,998 --- 95,998 Tailândia Cingapura 14,820 29,965 Austrália, Kiribati, Ilhas Marshall, Estados Federados da Micronésia, Mongólia, Nova Zelândia, Coréia do Sul 34,403 91,332 Palau, Papua-Nova Guiné, Samoa, Seychelles, Ilhas Salomão, Tuvalu, Uzbequistão, Vanuatu Egito 10,176 Iraque, Líbia, Kuwait 49,325 Bahrain, Jordânia, Líbano,Emirados Árabes Unidos 6,856 República das Maldivas, 29,354 Omã, Qatar, Síria Estados Unidos da 421,963 --- 421,963 América Federação Russa 60,193 --- 60,193 França 108,124 --- 108,124 Burkina Faso, Camarões, Cabo Verde, República Centro-Africana, Chade, Gabão 2,282 Comores, República 39,017 Democrática Do Congo, República do Congo, Costa do Marfim, Djibouti, Guiné
  • 18. 17 Equatorial, Guiné-Bissau, Mali, Mauritânia, Maurícia, Níger, Ruanda, São Tomé e Príncipe, Senegal, Togo Índia 58,954 Bangladesh, Sri Lanka, 70,701 Butão Indonésia 21,533 --- 21,533 Albânia, Grécia, Malta, Itália 79,562 Portugal, San Marino, 107,07 Timor Leste Japão 157,024 --- 157,024 Brunei, Camboja, Fiji, Laos, Malásia 18,478 Mianmar, Nepal, Filipinas, 46,157 Tonga, Vietnã Costa Rica, El Salvador, México 36,996 Guatemala, Honduras, 117,045 Nicarágua, Espanha, Venezuela Angola, Botsuana, Burundi, Eritréia, Etiópia, Gâmbia, Quênia, Moçambique, Nigéria 18,271 81,064 Namíbia, Libéria, Malauí, Lesoto, Serra Leoa, África do Sul, Sudão, Tanzânia, Uganda, Zimbábue, Zâmbia Dinamarca, Estônia, Noruega 19,576 Finlândia, Islândia, Latívia, 85,344 Lituânia, Suécia Armênia, Bósnia e Herzegovina, Bulgária, Croácia, Chipre, Geórgia,Reino dos Países Baixos 52,363 Israel, República Iugoslávia 113,809 da Macedônia, Moldova, Montenegro, Romênia, Ucrânia Reino Unido 108,124 --- 108,124 --- Rep. Islâmica do Irã 15,712 15,712 Suíça 35,324 Cazaquistão, Polônia, 69,834
  • 19. 18 Turcomenistão, Sérvia, Azerbaijão, Tajiquistão, República do Quirguistão TOTAL 1770,412 --- 2506,819Fonte: Elaborada pelos autores3.4 Como Funciona o Comitê em Dupla Para um melhor andamento das discussões neste comitê as delegações serão formadaspor duplas. Isso é extremamente importantes considerando a densidade dos assuntos tratadosno Fundo Monetário Internacional É de suma importância a cooperação e a concordância entre os dois representantes nosassuntos pautados, para que um agregue excelência no argumento do outro, o que resultará emuma delegação forte. Sugerimos o encontro e o debate prévio, que auxiliarão na boa oratória e na construçãode argumentos de ambos. Vocês devem se atentar na concordância com o outro no momentode expor seus argumentos. É permitido que ambos falem em um mesmo discurso, fica acritério de cada dupla decidir qual será a melhor maneira de se pronunciar no comitê. A formação em dupla reflete o funcionamento da Assembleia dos Governadores, que éconstituída pelo Ministro da Fazenda e o Presidente do Banco Central de todos os paísesmembros. A ausência de um dos delegados no comitê não implica em ausência da delegação,que será contabilizada como presente em todas as votações.4 POSIÇÃO DOS PRINCIPAIS ATORES4.1 Estados Unidos da América
  • 20. 19 Os EUA já se demonstraram a favor de certa redistribuição no poder de voto se a novaredistribuição do peso de votos se mantiver calculada no valor do PIB dos países membro doFMI. Apesar de favoráveis à redistribuição de cotas, os EUA não estão dispostos a perder odireito de veto e buscam nos países da União Européia uma cessão quanto à parte dainfluência que eles possuem, ou seja, diminuição do poder de voto da UE. Além disso, osEstados Unidos propõe a diminuição da Diretoria Executiva de 24 membros para apenas 20.4.2 Países que almejam a redistribuição de cotas Os principais países que almejam a reforma do FMI, principalmente no quesito que dizrespeito ao processo decisório, são países em desenvolvimento, liderados pelo grupo do G-24,que possuem como membros mais ativos e principais críticos do atual sistema Argentina,Brasil, Egito e Índia. Estes Estados alegam que a força econômica possuída por eles, frente à economiainternacional não está representada de forma fidedigna pelas cotas que os mesmos possuem.De acordo com estes países, o problema da sub-representação se estende pela maior parte dasregiões que cresceram significativamente nas últimas décadas, como países asiáticos, latino-americanos e do Oriente Médio. Estes afirmam que seu poder de voto está muito distante doque seria justo, se considerado o peso econômico que cada um possui em relação a outrospaíses. A partir dessa insatisfação, os países em desenvolvimento sugerem uma redistribuiçãodo peso dos votos e uma alteração na forma de determinar as cotas, calculada de acordo comuma lista mais ampla baseada nos aumentos de cotas dos mercados emergentes, além deconsiderar variáveis como: PIB, saldo comercial e reservas internacionais; defendem ainda oaumento nos votos básicos ou até o sistema de “um país, um voto”.4.3 Países Desenvolvidos Os países desenvolvidos, em geral, recriminam os critérios pelos quais as cotas sãodefinidas e o peso significativo que os Estados Unidos possuem dentro das decisões do
  • 21. 20Fundo. Estes países são contrários, principalmente quanto à consideração do PIB comocritério de definição das cotas, pois eleva o peso de países asiáticos dentro do Fundo. Aqueles que possuem uma grande economia não são favoráveis à cessão precipitadade capital e direito de voto no Fundo, principalmente à países em desenvolvimento. Estesdefendem que a reforma deve ser realizada de forma cautelosa e justa, de modo que os novoscritérios sejam mais transparentes e que consigam representar de forma mais autêntica aposição de cada país na economia mundial.5 QUESTÕES RELEVANTES Tendo em vista a crescente discussão a cerca da reforma do FMI, podemos ressaltar osseguintes tópicos que poderão ser discutidos e analisados durante os debates: ● Em quais setores do FMI serão realizadas reformas, além da reforma em relação as cotas? ● Deverá ser extinto o poder de veto existente no Fundo? ● Se não for extinto, o poder de veto deve ser estendido a outros Estados? Quais? Qual seria o novo critério para que um Estado tenha poder de veto? ● Haverá novos critérios para o sistema de empréstimos do FMI? ● Quais novas medidas deverão ser tomadas para maior e melhor regulação do sistema financeiro internacional? REFERÊNCIASBMG Bullion. Disponível em: <www.bmgbullion.com>. Acesso em: 25 mai. 2011.BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. FMI – Fundo Monetário Internacional.Disponível em: <www2.mre.gov.br/fmi.htm>. Acesso em: 02 abr 2011.BRICS fixam meta de cotas para emegentes no FMI e noBird. BBC Brasil, 2009. Disponível em: <http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/09/090904_brics_g20_fmi_dg.shtml>. Acesso em: 23 abr. 2011.
  • 22. 21INTERNATIONAL MONETARY FUND. Site oficial. Disponível em: <www.imf.org>.Acesso em: 17 mar. 2011.INTERNATIONAL MONETARY FUND. IMF Crisis lending. Disponível em: <http://www.imf.org/external/np/exr/facts/crislend.htm>. Acesso em: 23 abr 2011.G-24. Site Oficial. Disponível em: <www.g24.org>. Acesso em: 31 mar 2011.GILPIN, Robert. Global Political Economy. Princeton: Princeton University Press,2001.GILPIN, Robert. The Political Economy of International Relations. Princeton:Princeton University Press, 1987.JHA, Raghbendra; SAGGAR, Mridul K. Towards a More Rational IMF QuotaStructure: Suggestions for the Creation of a New International FinancialArchitecture. Development and Change, 2000, vol. 31, n.3, p.579.KINDLEBERGER, Charles. The World in Depression 1929-1939. Londres: University ofCalifornia Press, 1986.RITTBERGER, Volker; ZANGL, Bernhard. International Organization: Polity, Politicsand Policies. Palgrave Macmillan, 2006.SHAH, Anup. Global Financial Crisis. Global Issues, 2010. Disponível em:<www.globalissues.org/article/768/global-financial-crisis>. Acesso em: 25 mai. 2011.SOUZA, Marcílio. G-30 defende revisão de cotas do FMI a cada 4 anos. Agência Estado,2009. Disponível em: <http://www.estadao.com.br/noticias/economia,g-30-defende-revisao-de-cotas-do-fmi-a-cada-4-anos,446030,0.htm>. Acesso em: 23abr 2011.
  • 23. 22 ANEXOSANEXO A - Orientações para pesquisa Para pesquisar sobre as informações necessárias ao nosso comitê, vale a pena acessar osite oficial do FMI (http://www.imf.org), que, infelizmente, só possui versões em inglês,espanhol e francês. Para que vocês compreendam o guia com maior facilidade e consigam entender ostermos econômicos, postamos um glossário no blog (http://fmiminionu.wordpress.com/). Éestritamente necessário que vocês leiam o guia acompanhados por este glossário. Cada delegado também pode acessar o site do ministério da Fazenda e Ministério dasRelações Exteriores de seu respectivo país e conferir se há alguma informação sobre a políticafinanceira e fiscal do país que ajude na discussão do tema do comitê.Outras fontes relevantes são:www.pucminas.br/conjuntura: site desenvolvido por alunos e professores do curso deRelações internacionais da PUC-MG, possui informações e análises sobre as reformas eestruturas do FMI.http://www.brettonwoodsproject.org/: site com artigos recentes sobre o FMI, além de conterinformações sobre a história e estrutura do Fundo (em inglês e espanhol).Para pesquisas sobre reportagens do FMI, sites como http://www.folha.uol.com.br/ehttp://www.bbc.co.uk/portuguese/ são muito interessantes para os delegados se manterematualizados sobre o que acontece no Fundo.
  • 24. 23ANEXO B – Gráfico 1: Desvalorização imobiliária nos Estados Unidos em 2008Fonte: International Monetary FoundANEXO C – Tabela 2: Distribuição de votos e cotas entre os 187 membros do FMI Percent Director Votes by 1 Casting Votes of Total Votes of Fund Alternate Country 2 Total AppointedMeg Lundsager United States 421,963 421,963 16.80Douglas A. RedikerMitsuhiro Furusawa Japan 157,024 157,024 6.25Tomoyuki ShimodaHubert Temmeyer Germany 146,394 146,394 5.83Stephan von StenglinAmbroise Fayolle France 108,124 108,124 4.30Aymeric DucrocqAlexander Gibbs United Kingdom 108,124 108,124 4.30Robert James Elder Percent Director Votes by Total Casting Votes of 1 of Fund Alternate Country Votes 2 TotalElectedWilly Kiekens (Belgium) AustriaJohann Prader (Austria) 21,878 Belarus 4,603 Belgium 46,791
  • 25. 24 Czech Republic 10,761 Hungary 11,123 Kosovo 1,329 Luxembourg 4,926 Slovak Republic 5,014 Slovenia 3,489 Turkey 12,652 122,566 4.88Carlos Perez-Verdia (Mexico) Costa RicaJose Alejandro Rojas Ramirez(Venezuela, RepúblicaBolivariana de) 2,380 El Salvador 2,452 Guatemala 2,841 Honduras 2,034 Mexico 36,996 Nicaragua 2,039 Spain 40,973 Venezuela, República Bolivariana de 27,330 117,045 4.66Age F.P. Bakker (Netherlands) ArmeniaYuriy G. Yakusha (Ukraine) 1,659 Bosnia and Herzegovina 2,430 Bulgaria 7,141 Croatia 4,390 Cyprus 2,321 Georgia 2,242 Israel 11,350 Macedonia, former Yugoslav Republic of 1,428 Moldova 1,971 Montenegro 1,014 Netherlands 52,363 Romania 11,041 Ukraine 14,459 113,809 4.53Arrigo Sadun (Italy) AlbaniaPanagiotis Roumeliotis (Greece) 1,226 Greece 11,757 Italy 79,562 Malta 1,759
  • 26. 25 Portugal 11,036 San Marino 909 Timor-Leste 821 107,070 4.26Der Jiun Chia (Singapore) Brunei DarussalamAida S. Budiman (Indonesia) 2,891 Cambodia 1,614 Fiji, Republic of 1,442 Indonesia 21,532 Lao Peoples Democratic Republic 1,268 Malaysia 18,478 Myanmar 3,323 Nepal 1,452 Philippines 9,538 Singapore 14,819 Thailand 15,144 Tonga 808 Vietnam 5,346 97,655 3.89Jianxiong He (China) ChinaYang Luo (China) 95,998 95,998 3.82Christopher Y. Legg (Australia) AustraliaHeenam Choi (Korea) 33,103 Kiribati 795 Korea 34,403 Marshall Islands 774 Micronesia, Federated States of 790 Mongolia 1,250 New Zealand 9,685 Palau 770 Papua New Guinea 2,055 Samoa 855 Seychelles 848 Solomon Islands 843 Tuvalu 757 Uzbekistan 3,495 Vanuatu 909 91,332 3.64Thomas Hockin (Canada) Antigua and Barbuda 874
  • 27. 26Stephen OSullivan (Ireland) Bahamas, The 2,042 Barbados 1,414 Belize 927 Canada 64,431 Dominica 821 Grenada 856 Ireland 13,315 Jamaica 3,474 St. Kitts and Nevis 828 St. Lucia 892 St. Vincent and the Grenadines 822 90,696 3.61Benny Andersen (Denmark) DenmarkAudun Gronn (Norway) 19,653 Estonia 1,391 Finland 13,377 Iceland 1,915 Latvia 2,160 Lithuania 2,578 Norway 19,576 Sweden 24,694 85,344 3.40Moeketsi Majoro (Lesotho) AngolaMomodou Bamba Saho (Gambia,The) 3,602 Botswana 1,617 Burundi 1,509 Eritrea 898 Ethiopia 2,076 Gambia, The 1,050 Kenya 3,453 Lesotho 1,088 Liberia 2,031 Malawi 1,433 Mozambique 1,875 Namibia 2,104 Nigeria 18,271 Sierra Leone 1,776 South Africa 19,424
  • 28. 27 Sudan 2,436 Swaziland 1,246 Tanzania 2,728 Uganda 2,544 Zambia 5,630 Zimbabwe 4,273 81,064 3.23A. Shakour Shaalan (Egypt) BahrainSami Geadah (Lebanon) 2,089 Egypt 10,176 Iraq 12,623 Jordan 2,444 Kuwait 14,550 Lebanon 3,403 Libyan Arab Jamahiriya 11,976 Maldives 839 Oman 3,109 Qatar 3,765 Syrian Arab Republic 3,675 United Arab Emirates 6,856 Yemen, Republic of 3,174 78,679 3.13Arvind Virmani (India) BangladeshP. Nandalal Weerasinghe (SriLanka) 6,072 Bhutan 802 India 58,954 Sri Lanka 4,873 70,701 2.81Ahmed Abdulkarim Alkholifey Saudi Arabia(Saudi Arabia)Ahmed A. Al Nassar (SaudiArabia) 70,594 70,594 2.81Paulo Nogueira Batista, Jr. Brazil(Brazil)Maria Angelica Arbelaez(Colombia) 43,244 Colombia 8,479 Dominican Republic 2,928 Ecuador 3,762 Guyana 1,648 Haiti 1,558
  • 29. 28 Panama 2,805 Suriname 1,660 Trinidad and Tobago 4,095 70,179 2.79Rene Weber (Switzerland) AzerbaijanKatarzyna Zajdel-Kurowska(Poland) 2,348 Kazakhstan 4,396 Kyrgyz Republic 1,627 Poland 17,623 Serbia 5,416 Switzerland 35,324 Tajikistan 1,609 Turkmenistan 1,491 69,834 2.78Aleksei V. Mozhin (Russian Russian FederationFederation)Andrei Lushin (RussianFederation) 60,193 60,193 2.40Jafar Mojarrad (Iran, Islamic Afghanistan, IslamicRepublic of) Republic ofMohammed Dairi (Morocco) 2,358 Algeria 13,286 Ghana 4,429 Iran, Islamic Republic of 15,711 Morocco 6,621 Pakistan 11,076 Tunisia 3,604 57,085 2.27Alfredo Mac Laughlin (Argentina) ArgentinaPablo Garcia-Silva (Chile) 21,910 Bolivia 2,454 Chile 9,300 Paraguay 1,738 Peru 7,123 Uruguay 3,804 46,329 1.84Kossi Assimaidou (Togo) BeninNgueto Tiraina Yambaye (Chad) 1,358 Burkina Faso 1,341 Cameroon 2,596 Cape Verde 835
  • 30. 29 Central African Republic 1,296 Chad 1,405 Comoros 828 Congo, Democratic Republic of the 6,069 Congo, Republic of 1,585 Côte dIvoire 3,991 Djibouti 898 Equatorial Guinea 1,262 Gabon 2,282 Guinea-Bissau 881 Mali 1,672 Mauritania 1,383 Mauritius 1,755 Niger 1,397 Rwanda 1,540 São Tomé and Príncipe 813 Senegal 2,357 Togo 1,473 39,017 1.55 3 4Total of eligible Fund votes 2,506,819 99.80Fonte: International Monetary Found
  • 31. 30TABELA DE DEMANDA DAS REPRESENTAÇÕES Na tabela a seguir cada representação do comitê é classificada quanto ao nível dedemanda que será exigido do delegado, numa escala de 1 a 3. Notem que não se trata deuma classificação de importância ou nível de dificuldade, mas do quanto cadarepresentação será demandada a participar dos debates neste comitê. Esperamos que essarelação sirva para auxiliar as delegações na alocação de seus membros, priorizando aparticipação de delegados mais experientes nos comitês em que a representação do colégio formais demandada. Legenda Representações frequentemente demandadas a tomar parte nas discussões Representações medianamente demandadas a tomar parte nas discussões Representações pontualmente demandadas a tomar parte nas discussões REPRESENTAÇÃO DEMANDA 1. Alemanha 2. Argélia 3. Arábia Saudita 4. Bélgica 5. Brasil 6. Canadá
  • 32. 31 REPRESENTAÇÃO DEMANDA7. Chile8. China9. Cingapura10. Coréia do Sul11. Egito12. Emirados ÁrabesUnidos13. EUA14. Federação Russa15. França16. Gabão17. Índia18. Indonésia19. Itália20. Irã21. Japão
  • 33. 32 REPRESENTAÇÃO DEMANDA22. Malásia23. México24. Nigéria25. Noruega26. Países Baixos27. Reino Unido28. Suíça29. Primal Times

×