• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Restaurações em Amálgama
 

Restaurações em Amálgama

on

  • 37,417 views

Restaurações em Amálgama

Restaurações em Amálgama

Statistics

Views

Total Views
37,417
Views on SlideShare
37,417
Embed Views
0

Actions

Likes
5
Downloads
454
Comments
1

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Parabéns... mais uma aula muito bem feita...poderia me dizer quais as referências bibliográficas usou nessa aula ?
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Restaurações em Amálgama Restaurações em Amálgama Presentation Transcript

    • Prof. Ms. Guilherme TerraDisciplina de Dentística operatória básicaRESTAURAÇÕES EM AMÁLGAMA
    • Amálgama Conceito definido por Black em 1895. Liga metálica em que um dos componentes é o mercúrio. Formato de partículas  Limalha (Partículas irregulares)  Esferoidal  Limalha + Esferoidal A reação de presa do amálgama é chamada de cristalização.
    • Restaurações em Amálgama A restauração em amálgama deve seguir alguns passos para seu sucesso. Esses passos podem ser chamados de Tempos de Cristalização do Amálgama.
    • Tempos de Cristalização doAmálgama Deve-se considerar a:  trituração;  inserção;  condensação;  Brunidura pré-escultura;  escultura.
    • Trituração O objetivo da trituração é promover um maior contato entre a liga e o mercúrio. O tempo ideal é o mínimo para a formação de uma massa prateada e brilhante, de máxima plasticidade numa dada proporção liga/mercúrio.
    • Trituração A trituração pode ser:  Manual  Mecânica
    • Trituração manual É realizada através do gral e pistilo de vidro ou metálico. O excesso de mercúrio é removido com um pano de linho ou de camurça.
    • Trituração mecânica Amalgamadores são dispositivos mecânicos que têm a propriedade de misturar o mercúrio com a liga metálica.  Eles podem ser divididos em duas categorias:  Amalgamadores de proporcionamento automático.  Amalgamadores de cápsulas.
    • Amalgamadores de proporcionamentoA desvantagemdestesistema está naimprecisão daproporção.
    • Amalgamadores de cápsulasA proporção serealiza porbalança deprecisão, sendobem maisconfiável.
    • Inserção Deve ser inserido em pequenas porções com o auxílio do porta amálgama.
    • Condensação Visa o preenchimento da cavidade e a perfeita adaptação do amálgama com as paredes e ângulos. Visa também a compactação da massa. Realizada por um condensador de amálgama.
    • Brunidura pré-escultura Realizada com um brunidor ovóide ou esférico, com pressão firme sobre o amálgama. O intuito é remover o excesso de mercúrio.
    • Escultura Realizada logo após a brunidura pré-escultura com o instrumento de Hollemback . O tempo de trabalho para a escultura pode variar de 3 a 15 minutos dependendo da liga.  Amálgama de cristalização rápida  3 a 6 minutos  Amálgama de cristalização regular  6 a 10 minutos  Amálgama de cristalização lenta  10 a 15 minutos
    • Brunidura pós-escultura Realizada com leve pressão em movimentos circulares. Dar maior brilho e lisura superficial.
    • Acabamento e Polimento Reduz o depósito de placa e prolonga a vida da restauração. Corrigi discrepâncias marginais e melhora o contorno. Deve ser feito, no mínimo após 48 horas.
    • Acabamento e Polimento O acabamento é realizado com fresas multilaminadas de 12 ou 30 lâminas, em baixa rotação.
    • Acabamento e Polimento Nas proximais usa-se tiras de lixa. O polimento deve ser feito com movimentos intermitentes e sob refrigeração, para evitar o afloramento de mercúrio.
    • Acabamento e Polimento O polimento dever ser iniciado com as pontas de borracha mais abrasiva para as menos abrasivas, em baixa rotação. Estas borrachas abrasivas são encontrados nas cores marron (mais abrasiva), verde e azul;
    • Sequência clínica Isolamento do campo operatório; Adaptação do porta matriz (Classe II); Trituração do amálgama; O amálgama deve ser colocado num pote Dapen de vidro; Acomodar o material e condensar primeiro nas proximais (Classe II);
    • Sequência clínica Condensar contra as paredes e ângulos;
    • Sequência clínica Brunir com movimentos circulares e rápidos; Delimitar a crista marginal com explorador (Classe II);
    • Sequência clínica Esculpir com o Hollemback apoiando a ponta ativa do instrumento em dente, seguindo a inclinação das vertentes; Aguardar a cristalização inicial; Brunimento pós-escultura.
    • Sequência clínica Brunimento pós- escultura.
    • Falhas das restaurações emAmálgama O amálgama apresenta uma vida média de 4- 8 anos e uma vida máxima de 25 anos. Apesar do excelente desempenho clínico, que este material apresenta, muitas falhas poderiam ser evitadas.
    • Tipos de falhas Manchamento; Corrosão; Fratura de corpo e bordo; Cáries secundárias; Danos pulpares; Degradação marginal; Alterações dimensionais do material.
    • Causas das falhas Indicação incorreta do material; Carga mastigatória intensa (Bruxismo); Profundidade do preparo insuficiente; Proporção liga metálica/mercúrio incorreta;
    • Causas das falhas Trituração inadequada; Condensação insuficiente; Brunidura acentuada; Polimento exagerado; Forramento excessivo;
    • Causas das falhas Ausência de cunha e matriz; Anatomia / escultura inadequada; Falta de polimento; Excessos marginais; Contorno, altura e contatos incorretos.
    • Causas das falhas 56% pelo preparo cavitário incorreto 40% pela técnica incorreta 4% outras causas
    • Prevenção de falhas Indicação correta do material; Seguir os princípios gerais do preparo; Dominar a técnica restauradora; Manipular corretamente o material; Regular os aparelhos de acordo com o tipo de liga utilizado; Utilizar os instrumentos corretos.
    • Indicações Restaurações da cavidade tipo I, II e V .‰ Pacientes com péssima higiene bucal. Preenchimento para peças protéticas com infra- estrutura metálica. Restaurações subgengivais. Obturações retrógradas endodônticas.
    • Contra-indicações Pouco remanescente nas paredes circundantes. Contato proximal ou oclusal com outros metais. Pacientes com deficiências renais severas. Pacientes alérgicos à algum componente da liga. Crianças abaixo de seis anos de idade????? Gestantes e lactantes??????