Cárie com interesse à Dentística

59,337 views
58,202 views

Published on

Cárie com interesse à Dentística

Published in: Education
7 Comments
48 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
59,337
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
9
Actions
Shares
0
Downloads
979
Comments
7
Likes
48
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Cárie com interesse à Dentística

  1. 1. Cárie Dentária Prof. Ms. Guilherme TerraDisciplina de Dentística Operatória Básica
  2. 2. Cárie Dentária É um processo de destruição localizada, dos tecidos dos dentes, causado por microorganismos. Envolve a dissolução da fase mineral, principalmente os de cristais de Hidroxiapatita, por ácidos produzidos pela fermentação bacteriana. (NEWBRUN, 1982)
  3. 3. Cárie Dentária Doença infecto-  Sacarose dependente contagiosa; multifatorial  Considerada uma Difícil de controlar epidemia Ocorre em função dos  Perda de minerais ácidos da bactérias (LOESCHE, 1993)
  4. 4. Cárie Dentária Nem a dieta nem os microorganismos, atuando como fatores individuais podem provocar o aparecimento da cárie. É necessária a presença desses fatores, simultaneamente, na superfície dentária, para que ocorra a doença. (THYLSTRUP;FEJERSKOV, 1988)
  5. 5. Cárie Dentária A cárie é considerada um desequilíbrio no processo Des-Re (desmineralização e remineralização) dos tecidos duros do dente. Este processo ocorre constantemente na cavidade bucal. A velocidade na progressão das perdas de mineral decorrentes desse desequilíbrio é que determinará o surgimento ou não de cavidades cariosas. (GONÇALVES; PEREIRA, 2003)
  6. 6. PARÂMETROS ENVOLVIDOS NO PROCESSO CARIOSO MICROORGANISMOS CÁRIEHOSPEDEIRO SUBSTRATO NEWBRUN, 1988 TEMPO
  7. 7. Cárie Dentária Substrato  Tipo de carboidrato.  Frequência de ingestão.  Difícil de controlar (mudar o hábito do paciente)
  8. 8. Cárie Dentária Microbiologia  Diversos tipos de bactérias.  Microbiota em equilíbrio.  O tratamento mais eficiente é a prevenção.
  9. 9. Cárie Dentária Microbiota  Higiene oral.  Transmissão de pais para filhos.
  10. 10. Cárie Dentária Microbiota  Streptococus mutans (início do desenvolvimento).  Lactobacillus (desenvolvimento tardio).  Actinomyces (cárie radicular).
  11. 11. Cárie Dentária Saliva  Pacientes com xerostomia ou hiposalivação têm maiores chances de desenvolver cárie.  Capacidade tampão.  Processo des-re e neutralização dos ácidos (modulação do Ph).
  12. 12. Evolução Película Adquirida. Biofilme Dental. “Amadurecimento” do Biofilme. Cárie dentária.
  13. 13. Película Adquirida Camada acelular. Formação instantânea por processo iônico. Adesão bacteriana. Presença de proteínas salivares.
  14. 14. Película Adquirida. Filme orgânico derivado principalmente da saliva e aderido ao esmalte dentário. Espessura 0,1 a 0,3 mm. Não causa danos ao elemento dental.
  15. 15. Película Adquirida Características da Película Adquirida Proteção do esmalte Lado positivo Reservatório de flúor Lado positivo Aderência de MO Lado negativo
  16. 16. Biofilme dental É formado quando as bactérias são capazes de colonizar e crescer na superfície do dente. Agregados bacterianos que estão aderidos aos dentes ou próteses. Formada após 8 horas.
  17. 17. “Amadurecimento” do Biofilme Adsorção contínua de bactérias específicas da saliva ao biofilme. Após 7 dias ocorre a dissolução do esmalte superficial. Se não removido evolui para a cárie.
  18. 18. Processo Des-Re Ph crítico Início da desmineralização  Necessário a presença de sacarose.  Ph  5,5; Perda de Cálcio e Potássio. Ph Neutro Remineralização  Capacidade Tampão e ausência da sacarose.  Ganho de Cálcio e Potássio.  Flúor ajuda na remineralização.
  19. 19. Lesão de cárie Dependente do tempo.  Perda de mineral inicial.  Aparecimento da manha branca.  Cavitação
  20. 20. Lesão de cárie Cárie ativa Cárie inativa Aspecto em esmalte:  Aspecto em esmalte:  Mancha branca, rugosa e  Mancha branca, lisa e opaca. brilhante ou pigmentada. Aspecto em dentina:  Aspecto em dentina:  Tecido amolecido de cor  Tecido duro e escurecido. marrom clara.
  21. 21. Mancha branca Não é cárie ainda. Não há cavidade. É uma desmineralização superficial do esmalte. Higienização e aplicação de flúor.
  22. 22. Mancha branca
  23. 23. Classificação da cárie Quanto à evolução do processo. Quanto à sua localização no dente. Quanto ao tipo de processo carioso.
  24. 24. Quanto à evolução Aguda  Segue um curso clínico de desenvolvimento rápido, e, muitas vezes resulta em comprometimento precoce da polpa dental.  Ocorre mais freqüentemente em crianças e adultos jovens, porque os canalículos dentinários possuem maior diâmetro, sem esclerose, tornando a dentina altamente permeável aos ácidos.
  25. 25. Quanto à evolução Aguda  Em razão da rápida evolução do processo carioso, não há formação de dentina de reação por parte da polpa dental.  Freqüentemente promove dor.  Possui coloração clara.  Consistência macia, friável.
  26. 26. Cárie aguda
  27. 27. Quanto à evolução Crônica  É de evolução lenta, permitindo a esclerose dos canalículos dentinários, com consequente menor permeabilidade dentinária.  Promove formação de dentina de reação (dentina reacionária).
  28. 28. Quanto à evolução Crônica  Possui coloração castanho-escuro.  A dor não é característica comum da cárie crônica, ao contrário da cárie aguda.  Consistência dura à remoção.
  29. 29. Cárie crônica
  30. 30. Cárie aguda e crônicaCÁRIE ASPECTO SINTOMATOLOGIAAGUDA LESÃO ÚMIDA E HÁ DOR AMOLECIDACRÔNICA LESÃO SECA NÃO HÁ DOR AMARELADA E ENDURECIDA
  31. 31. Quanto à sua localização Cárie de fóssulas e fissuras.  Localizadas nas superfícies oclusais de molares e pré-molares e nos sulcos das superfícies linguais dos dentes anteriores. Cárie de superfícies lisas  Localizados no terço cervical das superfícies vestibulares e lingual de todos os dentes.
  32. 32. Cárie de fóssulas e fissuras
  33. 33. Quanto ao tipo de processo Primária  Que têm seu início nas cicatrículas, fissuras e superfícies lisas do dente hígido. Secundária  As cáries secundárias (recidivantes ou recorrentes), detectadas ao redor das margens das restaurações.
  34. 34. Método de diagnóstico Clínico. Radiológico. Transiluminação. Medição da resistência elétrica. Separação temporária de dentes posteriores. Corantes detectores de cárie. Aparelhos específicos para diagnóstico.
  35. 35. Clínico Exame visual e táctil. Auxílio de uma sonda exploradora. Utiliza-se, preferencialmente, as “costas” da sonda.
  36. 36. Clínico
  37. 37. Radiológico Avaliação por meio de radiografias intra orais. A radiografia de eleição para o diagnóstico de cárie é a radiografia interproximal.
  38. 38. Radiológico
  39. 39. Transiluminação Utilização de uma fonte de luz por palatino / lingual. Quando há a presença de lesão a intensidade da luz fica modificada.
  40. 40. Transiluminação
  41. 41. Medição da resistência elétrica Explora a propriedade do tecido cariado de apresentar uma condutividade elétrica maior que o tecido são.
  42. 42. Separação temporária Para possibilitar o exame direto de superfícies ”escondidas” nas proximais dos elementos. Utiliza-se um separador ortodôntico.
  43. 43. Corantes Pode ser empregados para auxiliar na visualização de lesões iniciais de esmalte e para delimitar a existências e extensão de lesões dentinárias.
  44. 44. Aparelhos específicos DIAGNOdent - Laser de diodo fluorescente.  As perdas minerais são detectadas em relação ao tecido hígido.  Apresenta grande incidência de diagnósticos falsos-positivos.
  45. 45. Tipos de dentina Primária - é a dentina original ,normal e regular, a maior parte formada antes da erupção do dente.
  46. 46. Tipos de dentina Secundária - é a que se forma devido aos estímulos de baixa intensidade, decorrente de função biológica normal durante a vida clínica do dente.  Apresenta túbulos dentinários estreitos e tortuosos.
  47. 47. Dentina secundária
  48. 48. Tipos de dentina Terciária ou reparativa - Desenvolve-se quando existem irritações pulpares mais intensas, como cárie aguda, preparo cavitário, erosão, abrasão, irritações mecânicas, térmicas, químicas, elétricas e outras.  Apresenta seus túbulos mais irregulares, tortuosos, reduzidos em número ou mesmo ausentes.
  49. 49. Tipos de dentina Dentina esclerótica  Se caracteriza pela presença de túbulos dentinários obliterados com material calcificado.  Ocorre devido a estímulos crônicos como cárie crônica, abrasão, atrição, etc...

×