Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Independência das colônias espanholas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Independência das colônias espanholas

  • 14,937 views
Published

Indepedência do Haiti/ Simón bolívar/ José de San Martín/ Independência de Cuba/ América Central e América do Sul

Indepedência do Haiti/ Simón bolívar/ José de San Martín/ Independência de Cuba/ América Central e América do Sul

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
14,937
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5

Actions

Shares
Downloads
388
Comments
0
Likes
5

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. INDEPENDÊNCIA DO HAITI E DAS COLÔNIAS ESPANHOLAS Profª. – Fatima Ap. de Freitas
  • 2. Antecedentes• O continente americano encontrava-se dominado por portugueses e espanhóis.• A sociedade colonial era formada por diversas classes que estavam insatisfeitas com a situação em que viviam.• Apesar de numerosas rebeliões de índios, negros e mestiços, a independência só aconteceu na América espanhola a partir do momento em que os criollos engajaram no movimento de libertação.• Os criollos eram os descendentes dos espanhóis nascidos na América.• Observe a pirâmide social ao lado:
  • 3. A ADMINISTRAÇÃO ESPANHOLA• Até o início do século XIX, a monarquia espanhola mantinha o domínio colonial sobre vasta área do continente americano.• A região foi dividida em vice- reinos e capitanias gerais, sendo: Vice-Reinos: da Nova Espanha - criado em 1535, do Peru (1542), Nova Granada (1718) e do Prata (1776). Capitanias: Cuba, Guatemala, Venezuela e Chile. Observe o mapa ao lado.
  • 4. Causas da independência• Os criollos eram impedidos de exercer cargos políticos, apesar de constituírem a elite econômica e cultural do continente americano.• Grande parte das riquezas produzidas no continente ia para a metrópole na forma de altos impostos ou para a Inglaterra ( via indireta).• Restringia o desenvolvimento de manufaturas que concorressem com a metrópole.• Muitos criollos haviam estudado na Europa, onde assimilaram as idéias da Revolução Francesa e do Iluminismo, e pretendiam aplicá-las nos movimentos de libertação das colônias.• A contradição entre a política do livre comércio dos criollos e a dos defensores do monopólio das metrópoles.• Debilidade do governo espanhol com a invasão de Napoleão à Espanha em 1808, quando o trono foi ocupado por José Bonaparte, observou- se o enfraquecimento administrativo, e a elite colonial aproveitando desse momento, iniciou as lutas pela independência.
  • 5. Toussaint LouvertureRebelião deescravos
  • 6. • Ilha da América Central, colônia francesa desde 1697, e produtora de cana-de-açúcar e rum.• A independência foi liderada por escravos e ex-escravos.• O movimento teve início em plena Revolução Francesa, em 1791, sob o comando de Toussaint Louverture e Dessalines.• Os senhores de terra e as tropas francesas lutaram contra os escravos durante vários anos, e em 1802, Louverture foi preso e levado para a França, onde faleceu em 1803 de penumonia, mas o movimento continuou.• Em 1825, o país sob o comando de um ex-escravo Jean Jacques Dessalines, conseguiu o reconhecimento de sua independência em 1804, e a escravidão foi abolida.• A economia estava arrasada e a maior parte da produção foi destruída no conflito, os escravos demonstraram que para eles, independência era sinônimo de liberdade social.
  • 7. PADRE HIDALGOPadreMORELLOS
  • 8. • Na região do México (Vice-Reino da Nova Espanha), desde 1810, os padres Miguel Hidalgo (1810) e, posteriormente, José Morellos (1813) lideraram tropas formadas por muitos camponeses pobres (índios, brancos e mestiços).• Lutavam pela independência e por uma mudança das condições sociais: terra para os pobres, fim da escravidão, igualdade de direitos, etc.• As tropas espanholas apoiadas pela elite local, derrotaram os grupos populares, pondo fim à rebelião, Hidalgo em 1811 e Morellos (1815) foram julgados pelo Tribunal de Inquisição e fuzilados.• Em 1813, Morellos proclamou a independência do México e, em 1814, foi elaborada a 1ª. Constituição do país, o governo espanhol não reconheceu a independência, nem a Constituição.• Somente em 1821 ocorreria a independência do México, num movimento liderado pelo general Agostinho Itúrbide, militar criollo que aliado à elite criolla, fez um acordo com os líderes rebeldes e novamente proclamou a independência do México em 16 de setembro de 1821.• Itúrbide traiu o governo espanhol e se proclamou imperador com o nome de Estados Unidos Mexicanos até 1823, quando seu governo foi derrubado e instalou-se a República.
  • 9. • Do México, a luta pela independência espalhou-se pela América Central.• A antiga Capitania Geral da Guatemala anexou-se ao México em 1822 e separou em 1823.• As colônias centrais formaram a Confederação das Províncias Unidas da América Central em 1823.• Em 1838, a Confederação se desmembrou em cinco repúblicas: Nicarágua, Guatemala, Honduras, El Salvador e Costa Rica.• A República Dominicana tornou-se independente em 1844.• Cuba obteve sua emancipação só no final do século XIX.
  • 10. José de San Martín e as independências no Vice- Reino do Prata e do Peru• O criollo San Martín (argentino) e criado na Europa, liderou os movimentos pela independência na Argentina, Chile e Peru.• Ele planejava criar Estados independentes na América, governado conforme os interesses da população.• Começou a liderar as lutas na Argentina em 1813, consolidando em 1816 com a proclamação da república das Províncias unidas do rio da Prata.• O Paraguai emancipou-se em 1811, sob a liderança dos republicanos Yegros e José Francia que se tornou presidente do país até 1.840.
  • 11. • O Uruguai, que na época pertencia ao Brasil com o nome de Província Cisplatina, teve sua independência proclamada em 1823, ao término da Guerra da Cisplatina contra o Brasil.• No comando do exército dos Andes, San Martín, cruzou as montanhas andinas e, com o auxílio de soldados chilenos, conquistou a independência do Chile em 1818.• Depois partiu com suas tropas para o Peru, libertando-o em 1824.
  • 12. Simón Bolívar e a paz continental• Nasceu em Caracas, descendente de espanhóis, viveu na Europa entre 1803 e 1805, onde pôde sentir o fervor revolucionário das idéias iluministas.• Admirava Napoleão, cujo poder se fundava no sucesso e na glória da nação, como não há glória sem independência, em 1805 jurou libertar a América do jugo espanhol.• Ao norte do continente, o militar Bolívar comandou as tropas que lutaram e conquistaram a independência da Grã-Colômbia composta pela Venezuela, Equador e Colômbia, e Panamá.• Bolívar defendia a centralização do poder, acreditava na necessidade de um poder forte e único formado por países independentes, mas solidários entre si, e que formassem uma confederação.
  • 13. • Ele queria constituir uma grande nação latino-americana, incluindo a República da Grã-Colômbia e o resto da América Espanhola.• Em 1826, organizou o Congresso do Panamá, embrião para que a América de origem espanhola se transformasse em um único país, o projeto porém não se concretizou.• Chegou a ser presidente da Grã- Colômbia (Colômbia e Venezuela), mas com o esfacelamento do seu sonho de união latino-americana, renunciou ao poder, morrendo em 1830.
  • 14. CESPEDESMARTÍ
  • 15. • Cuba era grande produtora de açúcar desde o final do século XVIII e utilizava a mão-de-obra escrava africana.• A elite cubana mantinha a população escrava sob rígido controle , pois temia o “haitianismo” na ilha.• Como tinham certa autonomia comercial, pois vendiam açúcar para os EUA desde o século XIX, boa parte da elite não tinha interesses separatistas, daí o retardamento da independência.• A 1ª. guerra de independência ocorreu entre 1868 e 1878, sob o comando de Carlos Manuel Cáspedes, dono de engenho que libertou seus escravos para lutarem pela independência.• A maioria dos fazendeiros não aderiu à luta, e a revolta foi esmagada pelo exército espanhol.• A 2ª. Guerra ocorreu entre 1895 e 1898, onde os revoltosos estavam insatisfeitos com o aumento dos impostos cobrados pela Espanha e os altos custos na manutenção do exército na ilha.
  • 16. • O movimento separatista iniciado pelos partidários de Martí (político e escritor criollo), ganhou força e derrotou o outro grupo da elite cubana, contrário à independência.• Em 1898, quando a independência era iminente, os EUA, invadiram a ilha e declararam guerra à Espanha.• O interesse norte-americano era motivado pela exportação de produtos como açúcar, tabaco, ferro e manganês para os EUA.• Em 1901, O Congresso dos EUA aprovou a Emenda Platt, onde foi incluía na Constituição de Cuba e estabelecia o direito norte- americano de intervir na ilha sempre que seus interesses fossem ameaçados, transformando Cuba num “protetorado” e obrigando-a a ceder territórios para a instalação de bases militares.• Após vários conflitos, os espanhóis reconheceram a independência de Cuba em 1901, quando o país passou a ser administrado por um governo provisório norte-americano.
  • 17. • Em 1902 tomou posse Tomás Estrada Palma, o primeiro presidente cubano, após um tratado entre os dois países no qual parte da baía de Gantánamo passou a ser território norte- americano, onde os EUA criou uma base naval.• Embora Cuba tenha rompido relações diplomáticas com os EUA em 1961 devido à “Revolução Socialista Cubana”, essa base continua em poder norte- americano, apesar de protestos cubanos e de pessoas de outros países.
  • 18. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS História Global – Gilberto CotrimHistória Novo Olhar – Marco PelegriniHistória e Vida – Nelson e Claudino PilettiCaderno de Revisão – Editora Moderna SUGESTÃO DE FILME: O Guerreiro do Sol – Frederico Garcia,Peru, 1974, 109 min.