SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO

on

  • 5,050 views

ESTUDOS SOBRE AS AULAS DE SALA TEMA O MEIO RURAL NO MUNDO TEMPERADO E TROPICAL

ESTUDOS SOBRE AS AULAS DE SALA TEMA O MEIO RURAL NO MUNDO TEMPERADO E TROPICAL

Statistics

Views

Total Views
5,050
Views on SlideShare
4,578
Embed Views
472

Actions

Likes
1
Downloads
111
Comments
0

5 Embeds 472

http://geografiaemdia.blogspot.com 306
http://geografiaemdia.blogspot.com.br 158
http://geografiaemdia.blogspot.pt 4
http://www.geografiaemdia.blogspot.com 2
http://www.geografiaemdia.blogspot.com.br 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO Presentation Transcript

  • SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
    • PROFESSOR MARIO FERNANDO DE MORI
    • http:/ / mariodemori.blogspot.com/
    • http:// profmariodemori.blogspot.com/
    • http:// focosdetensoesinternacionais.blogspot.com/
  • CONCEITOS DE SOLOS E ETAPAS DE FORMAÇÃO
    • conceito
    • Solo é a camada superficial da crosta terrestre resultante da desagregação e decomposição das rochas e que possui vida microbiana.
    • etapas
    • Na formação do solo podemos considerar duas etapas:
    • a desintegração e a decomposição das rochas, dando origem aos componentes minerais do solo;
    • a incorporação e a decomposição de organismos animais e vegetais, propiciando a formação de componentes orgânicos do solo.
    • fatores da formação
    • Vários são os fatores que atuem na formação do solo: a temperatura, a topografia, a intensidade e a distribuição das chuvas, a natureza da cobertura vegetal, o tipo de rochas, etc.
  • EVOLUÇÃO DE UM SOLO
  • HORIZONTES DE UM SOLO
  • QUALIDADE DO SOLO SE DEFINE....
    • ESPESSURA: Quanto mais espesso for o solo, mais tempo terá para ser explorado. Maior espessura, sinal de boa penetração das raízes.
    • FERTILIDADE: Solos férteis, são aqueles que possuem minerais e matéria orgânica.
    • HÚMUS: É o que gera vida em um solo.
    • SOLOS INFÉRTEIS: Precisam de adubação...
  • SOLOS NOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS
    • A contaminação nesses países é grave, causado principalmente por uma prática agrícola inadequada, pois além de usá-los de forma tradicional, não conhecem as qualidades dos solos que utilizam, praticando um agricultura especulativa, gerando degradação, desmatamento e perda do solo em seu horizonte mais importante.
  • MELHORAMENTOS SOLOS PARA EVITAR EROSÃO
    • -nos solos pobres em nutrientes, pode aplicar adubo mineral ou orgânico, ou alternar o plantio com legumes (plantas que dão vagens), como tremoço, feijão-de-porco e leucena. Por produzirem grande quantidade de massa verde (folhas, ramos e raízes), as leguminosas são chamadas de adubo verde, que é todo vegetal fresco que se incorpora ao solo. Elas também acrescentam muito nitrogênio ao terreno.
    • -corrigir a acidez do solo com aplicação de calcário (processo de calagem). O solo ácido apresenta alto teor de alumínio, elemento tóxico para os vegetais.
    • -utilizar máquinas agrícolas apropriadas ao tipo de solo. A perda do solo agrícola e a baixa produtividade muitas vezes estão relacionadas a utilização inadequada das máquinas agrícolas. Seu uso deve ser feito após análise da situação do solo. Nem sempre as técnicas, as máquinas ou mesmo os equipamentos utilizados em países de clima temperados são adequados a países de clima tropical.
    • -manter ou introduzir no solo alguns pequenos seres vivos, muito importantes; na verdade, imprescindíveis à agricultura, como minhocas, larvas e insetos. Eles constroem túneis que servem para a circulação do ar e para penetração das raízes e da água. Além disso, trituram a matéria orgânica, tornando-a de fácil absorção pelas raízes das plantas.
    • -manter o solo coberto com vegetação (cobertura viva) ou com palha (cobertura morta), para sua proteção.
  • MELHORAMENTOS SOLOS
    • -Curvas de nível – linhas que ligam pontos de mesma cota altimétrica, sobre as quais se faz semeadura, estabelecendo-se, assim, fileiras de plantas. Isso permite que a água escorra mais lentamente.
    • -Plantio direto – técnica que consiste em plantar diretamente sobre os restos de plantas da colheita anterior (no Brasil, tem sido muito utilizado no cultivo de soja, principalmente no Paraná).
    • -Rotação de culturas – cultivo alternado de produtos (por exemplo: soja, depois tremoço, depois milho).
    • -Afolhamento – método no qual o terreno é dividido em três partes e que, enquanto duas partes são cultivadas, a terceira permanece em repouso por um ou dois anos para recuperar as propriedades retiradas com as sucessivas colheitas.
    • Outra forma de combater a erosão, especialmente aquela causada pelo vento (erosão eólica), consiste no plantio de árvores, tais como eucalipto, cedrinho e bambu, dispostas em fileiras, formando um “quebra-vento”.
  • USO INADEQUADO DO SOLO
  • LIXIVIAÇÃO DO SOLO
    • Lixiviação é o processo de extração de uma substância de sólido através da sua dissolução num líquido.
    • Processo físico de lavagem das rochas e solos pelas águas das fortes chuvas (enxurradas) decompondo as rochas e carregando os sedimentos para outras áreas, extraindo, dessa forma, nutrientes e tornando o solo mais pobre.
    • Processo que sofrem as rochas e solos, ao serem lavados pelas águas das chuvas. Nas abundantes regiões equatoriais, e nas áreas de clima úmido, com abundantes precipitações sazonais, verificam-se, com maior facilidade, os efeitos da lixiviação.
    • Lavagem do solo pela chuva, que provoca carreamento de minerais solúveis, como fósforo, cálcio, nitrogênio, etc.
  • QUEIMADAS AFETAM OS SOLOS...
  • LATERIZAÇÃO DO SOLO...
    • A laterização é o surgimento de uma crosta ferruginosa, formada pela decomposição das rochas com precipitação dos óxidos e hidróxidos de alumínio e ferro, que acaba com a fertilidade do solo.
    •   No Brasil, o escoamento superficial da água é o principal agente erosivo. Para combater a erosão superficial é preciso manter o solo recoberto por vegetação ou quebrar a velocidade do escoamento utilizando a técnica de cultivo em curvas de nível.
  • SALINIZAÇÃO É...
    • Salinização é a concentração progressiva de sais, provocada pela evapotranspiração intensa, principalmente em locais de climas tropicais áridos ou semi-áridos, onde normalmente existe drenagem ineficiente.
    • Os solos apresentam sais em níveis diferenciados. Quando este nível eleva-se chegando a uma concentração muito alta pode prejudicar o desenvolvimento de algumas plantas mais sensíveis, ou mesmo impedir o desenvolvimento de praticamente todas as espécies.
  • OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO TEMPERADO
  • CARACTERÍSTICAS DA OCUPAÇÃO RURAL
    • COM MENOR INSOLAÇÃO, o crescimento de vegetais e criação de animais fica comprometido, tornando possível o desenvolvimento de técnicas que permitem desenvolver melhor o plantio e a criação de animais.
    • MAIORIA DOS PAÍSES DESENVOLVIDOS, estão nesta região, o que torna a mesma marca do desenvolvimento de alguns países com particularidades.
  • AMÉRICA ANGLO-SAXÔNICA
  • PRODUÇÃO AGRÍCOLA DOS EUA
  • CARACTERÍSTICAS DA AGRICULTURA NORTE-AMERICANA
    • A agricultura dos Estados Unidos, uma das mais modernas e produtivas do mundo tanto em área quanto em volume de produção, organiza-se em grandes faixas, zonas ou cinturões agrícolas denominados belts, formados conforme as particularidades históricas de povoamento, as condições climáticas e os tipos de solos.
  • BELTS
    • Os belts são especializados no cultivo de determinados produtos, como trigo, milho, algodão, frutas, culturas tropicais. Merecem ainda destaque as produções de soja, tabaco, laranja e gado bovino.
    • É importante ressaltar que esses cinturões não constituem áreas monocultoras, pois, além do cultivo principal, existem também cultivos secundários.
    • De modo geral, podemos apontar três grandes zoneamentos agrícolas: os Greanbelts do Nordeste, o
    • Central belt e o Oeste.
  • CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS BELTS
    • A produção desses belts é intensiva, comandada pela agroindústria. Assim, comumente são utilizados, em grandes proporções, insumos agrícolas industrializados, como rações, sementes geneticamente modificadas, fertilizantes, inseticidas, entre outros.
    • Uma grande parcela da produção é direcionada para as múltiplas e diferentes indústrias que beneficiam e transformam os produtos agropecuários em mercadorias a serem utilizadas pelos consumidores.
    • Esse comando do setor industrial sobre o setor agropecuário, característico da agroindústria, alcançou nessa ampla região um alto nível de desenvolvimento, o que assegura aos Estados Unidos alguns dos maiores índices de produtividade agrícola do mundo.
    • Nas últimas décadas, os belts têm apresentado uma diversificação de sua produção agrícola. No Cotton belt , atualmente há, ao lado da cultura do algodão, a pecuária, a avicultura e cereais diversos. No Corn belt , o milho está cada vez mais associado à beterraba e também à soja. Já no Wheat belt , região em que somente se plantava o trigo de inverno, foram introduzidas culturas de milho e sorgo.
  • OS GREEN BELTS DO NORDESTE
    • A região abriga uma grande população, calculada em mais de 100 milhões de pessoas. Para atender a toda essa população, a agricultura é responsável por produzir hortifrutigranjeiros (hortas, granjas e pomares) nos Green belts ("cinturões verdes"), compostos de pequenas propriedades localizadas no entorno das áreas urbanas.
    • Saliente-se que os Green belts não se limitam à região Nordeste, mas também são encontrados no entorno de outras grandes cidades norte-americanas, principalmente as localizadas na costa oeste, como São Francisco e Los Angeles.
    • Na região Nordeste, também se destaca um espaço agrícola regional que recebe o nome de Dairy belt ("cinturão de leiterias"), onde ocorre a criação intensiva de gado leiteiro, sendo considerada a maior indústria de laticínios do mundo.
  • CENTRAL BELT
    • Corresponde à Planície Central, localizada entre os Apalaches e as Montanhas Rochosas.
    • Essa região é ocupada por enormes propriedades monocultoras, que se agrupam em três principais cinturões: Weatheat belt, especializado no cultivo do trigo, que ocorre ao norte, plantando-se na primavera e colhendo-se antes das nevascas, e mais ao sul, onde é plantado no inverno; C orn belt, especializado no cultivo do milho; e 3. Cotton belt, especializado no cultivo do algodão, ocorrendo tradicionalmente no sul, por ser uma região mais quente; mas, nos últimos anos, sua produção tem-se elevado muito na Califórnia.
  • OS BELTS DO OESTE
    • 1. Ranching belt - Nesse cinturão estão as maiores propriedades rurais do país, dedicadas principalmente à pecuária bovina de corte e ovina (ovelhas, carneiros, cordeiros). Localizam-se nos planaltos de Colúmbia e Colorado, áreas de clima predominantemente árido e semi-árido (com invernos frios e verões amenos). A produção nas propriedades é, em geral, extensiva e de baixa produtividade. Porém, já são comuns propriedades com produções intensivas de gado de corte. Vale ressaltar que os Estados Unidos possuem o quarto maior rebanho bovino do mundo, com cerca de 100 milhões de animais, superado apenas por Índia, Brasil e China. 2. Dry-farming - São fazendas típicas do sul da Califórnia, área bastante árida, onde se desenvolve uma fruticultura de excepcional qualidade, devido a uma técnica de arar criada no século 19 e empregada até hoje: grandes e poderosos tratores, que revolvem a terra profundamente, trazem para a superfície os solos mais úmidos e férteis. Esse sistema possibilita a produção de laranjas, uvas vinícolas (especialmente no Vale da Califórnia) e morangos. São produzidos ainda legumes e verduras; e cria-se gado leiteiro.
    •  
  • OS BELTS AMERICANOS
  • O cinturão do trigo ou cinturão dos grãos ( Grain Belt em inglês) é o nome dado às pradarias encontradas ao norte do meio oeste dos Estados Unidos da América . Esta região é responsável por uma quantidade considerável da produção mundial de grãos e de soja .
  • SUN BELT
  • CORN BELT
  • A AGRICULTURA CANADENSE
    • A agricultura tem sido há séculos uma força vital na economia canadense e hoje, continua sendo um importante fator para o comércio do Canadá em mercados internacionais. Um dos principais produtores de alimentos do mundo, o Canadá é mais conhecido por seus excelentes grãos, sementes oleosas, verduras e legumes, carnes e laticínios. As práticas de cultivo, as tecnologias de fertilizantes e forragem, as técnicas de equipamento e controle, tudo isso contribui para as abundantes safras e rebanhos do Canadá.
  • CARACTERÍSTICAS
    • A Região Atlântica
    • Nesta região, plantam-se uma das melhores batatas da América do Norte. Maçãs e blueberries também produzem safras abundantes.
    • A Região Central
    • As planícies férteis do Rio São Lourenço, nas províncias de Ontário e Québec, estendem-se pela área mais populosa do Canadá. Tal área é uma combinação de cidades modernas e grandes fazendas. é a maior área produtora de grãos e é famosa por seus rebanhos e setor de horticultura.
    • A Região das Pradarias
    • Nas planícies da região das Pradarias ficam 75% da área de cultivo do Canadá. Os invernos são severos e longos, os verões são quentes e ensolarados, com pouca chuva.
    • A Região do Pacífico
    • Os climas e solos variados da região do Pacífico, situada a oeste das Montanhas Rochosas, permitem uma grande diversidade nos rebanhos e safras. A agricultura no nordeste é semelhante à das Pradarias, produzindo grãos e sementes oleosas, assim como uma variedade de safras e forragens.
  • A AGRICULTURA EUROPÉIA
  • A AGRICULTURA NA EUROPA
    • A Europa apresenta uma importante e diversificada produção agrícola, com grande aproveitamento de seus SOLOS, geralmente férteis. O uso do solo está sujeito a técnicas adequadas e modernas, com elevada produtividade.
    • A cultura de cereais é predominante, destacando-se o trigo , produto mais importante. Sua principal área produtora é a região de solos negros da UCRÂNIA ( tchernoziom ). Os outros países que se destacam na produção de trigo são ITÁLIA, FRANÇA, ALEMANHA, e RÚSSIA. Outros cereais cultivados são o CENTEIO, a AVEIA e a CEVADA, importantes produtos agrícolas das áreas temperadas.
  • NORTE EUROPEU
  • REINO UNIDO
    • Sua agricultura é intensiva e altamente mecanizada, com alta eficiência diante dos padrões europeus, produzindo cerca de 60% do alimento consumido internamente com menos de 2% da força de trabalho. Contribui com aproximadamente 2% do PIB. Cerca de dois terços da sua produção é dedicada ao gado, cabendo o restante à agricultura. Desta, os principais itens produzidos são trigo, cevada, aveia, batatas e beterraba. Na pecuária, destaca para os gados bovino e ovino, além da expressiva avicultura, cuja produção é a segunda maior na Europa, sendo a França a primeira colocada.
  • BÉLGICA
    • BÉLGICA: O sistema agropecuário belga, altamente produtivo, baseia-se fundamentalmente em propriedades de porte médio, em que tanto a agricultura como a criação de gado se vale de técnicas modernas, com alto grau de mecanização. Nelas, a cultura intensiva de cereais, beterraba, batata, hortaliças, frutas, flores e forragem têm rendimento superior ao da média européia. Dentre os cereais, o trigo é o que se produz em maior volume.
    • Não obstante, só uma pequena parcela da população economicamente ativa se ocupa das atividades rurais, ao passo que os setores manufatureiros e de serviços empregam a grande maioria dos trabalhadores.
  • DINAMARCA
    • Pecuária bovina, leiteira, feita com gado confinado.
  • ALEMANHA
  • EUROPA MERIDIONAL – SUL
  • GRÉCIA, ITÁLIA
  • ESPANHA, PORTUGAL
  • EUROPA ORIENTAL – LESTE
  • RUSSIA
  • EUROPA OCIDENTAL – OESTE
  • FRANÇA
  • AGROPECUÁRIA ASIÁTICA
  • A AGRICULTURA NA ÁSIA
    • É MUITO DIVERSIFICADA, devido a fatores como: é a maior zona temperada do mundo, tem inúmeros países, variedade de culturas, graus de ocupação humana, áreas ecúmenas e anecúmenas, áreas desérticas e de grande pluviosidade, formas de organização e ocupação do solo.
  • AGRICULTURA NA CHINA
  • A AGROPECUÁRIA NA CHINA
  • CHINA: FATORES AGRÍCOLAS
    • No leste do país predominam planícies com altitude inferior a 200m.
    • A região, banhada por rios abundantes e caudalosos, é a que oferece melhores condições de vida na China, pois os solos férteis e o clima úmido favorecem a agricultura e permitem altos índices de concentração populacional.
    • A planície do nordeste estende-se pela região histórica da Manchúria. É uma área muito fértil.
  • A AGRICULTURA CHINESA
    • A China é um país agrícola.
    • Sua agricultura desempenha um papel crucial na economia nacional.
    • É o maior produtor de arroz , hortifrutigranjeiros, trigo e o segundo em milho .
    • Possui um rebanho de quase meio bilhão de suínos.
    • As principais regiões agrícolas estão em sua porção oriental, nas planícies e regiões banhadas pelos rios.
    • Cerca de 60% da população ainda se dedica à agricultura , que visa o atendimento do mercado interno: trigo , milho , arroz e cereais .
    • As produções destinadas à indústria são: algodão , tabaco , cana-de-açúcar , chá e amoreira
  • CARACTERÍSTICAS GERAIS
    • A agricultura e a silvicultura contribuem com 1/4 para o Produto Interno Bruto (PIB). Os produtos cultivados são o arroz, o trigo, o milho, o sorgo, a cevada, o amendoim, o girassol, a melancia, a laranja, a batata, o melão, a noz, a batata-doce, a cana-de-açúcar, a beterraba, o algodão
    • A economia chinesa é extremamente diversificada e com grandes contrastes de desenvolvimento regional e setorial.
    • É baseada na agropecuária, que ocupa 60% da população ativa e contribui com 25% do Produto Interno Bruto (PIB).
    • Antigamente na política socialista havia enormes fazendas coletivas que abrigavam uma média de 20 mil famílias e que, além de suas atividades econômicas agrárias, desempenhavam também funções industrial, política, administrativa, educacional, militar e social.
    • Atualmente a produção é dada para o sistema de cooperativas, cujos produtos são destinados ao mercado. , a soja, o tomate, o tabaco e o chá.
  • CHINA SE MODERNIZA...
    • A modernização da agricultura permitiu que nos últimos anos os chineses pudessem consumir alimentos que antes da revolução verde era inimaginável encontrar na mesa da pessoa comum. Um exemplo disso foi a expansão da produção de carne bovina que, em 1950 , permitia a cada chinês consumir 250 gramas/ano, e em 2000 já se tinha elevado para 6kg/ano.
    • Em 1970 , para cada 10 porções de alimentos consumidos, 8 eram de arroz, 1 de carne (porco e aves, principalmente) e 1 era de hortaliças.
    • Trinta anos depois, em 2000 , os chineses puderam consumir uma variedade enorme de alimentos .
    • As maiores transformações ocorreram nas cidades com a expansão rápida dos setores industriais e de serviços, principalmente depois das reformas econômicas dos anos 80 e de 2001 .
    • Vivem na China 250 milhões de agricultores. Mas 92,5% detêm menos de um minúsculo hectare de terra cultivada, algo como um quarteirão. Na produção animal, também predomina a pequena subsistência familiar, ao lado de muita pobreza.
    • Aumentar a escala de produção e tecnificar a agricultura chinesa será o maior desafio do desenvolvimento.
  • SILVICULTURA
  • RIZICULTURA
  • ZONA TEMPERADA DO SUL
    • PEQUENA, quando comparada com a do Norte.
    • Chile e Argentina, na América do Sul.
    • Austrália e Nova Zelândia, na Oceania.
  • ARGENTINA
  • ARGENTINA
    • A agricultura é realizada em cerca de 60% do território nacional, e os principais produtos são o trigo, milho e centeio.
    • A pecuária também se destaca como uma das mais importantes atividades econômicas do país.  
    • Os Pampas ocupam 25% do território argentino e são formados por planícies férteis localizadas na região leste e central do país.
    • O solo desta região é o mais rico do mundo, totalmente sem pedras, o que torna a agricultura extremamente produtiva.
  • PAMPA ARGENTINO
  • CHILE
  • CHILE
    • Na região central do país há um extenso vale fluvial, um corredor de oitocentos quilômetros que, ao norte, é ocupado por vinhedos e grandes fazendas e, ao sul, por florestas e lagos.
    • Santiago, a capital, fica na seção mais próspera do vale central.
    • Destacam-se trigo, frutas, uvas, vinícolas, ovinos e madeira.
  • AUSTRÁLIA
  • AGROPECUÁRIA AUSTRALIANA
    • A agropecuária na Austrália é de grande importância.
    • A pecuária, principalmente de ovinos, faz com que o país seja o maior exportador mundial de lã, chegando a exportar cerca de 165 milhões de cabeças e os bovinos, cerca de 124 milhões de cabeças, pela alta produtividade e pela qualidade de sua carne.
    • A agricultura concentra-se na região Sudeste e é bastante moderna e diversificada, destaca-se a produção de cereais, cana-de-açúcar e frutas tropicais.
  • AUSTRÁLIA
    • A agricultura e os minérios desempenham um papel essencial na Austrália, que é um importante exportador de trigo, carne, leite e lã.
    • Embora o setor agrícola não tenha hoje muita importância, o futuro do país continua dependendo do setor pecuário e dos cultivos.
    • A Austrália é o maior país produtor e exportador de lã do mundo e a criação de gado tem também grande relevância.
    • A agricultura é altamente mecanizada, destacando-se a forragem, cereais, sementes oleaginosas, tabaco e muitas frutas.
  • NOVA ZELÂNDIA
  • AGROPECUÁRIA DA NOVA ZELÂNDIA
    • A Nova Zelândia é um país moderno e industrializado.
    • As principais indústrias exportadoras são a agricultura , a horticultura , a pesca e a silvicultura .
    • O país é grande produtor de kiwi e uva .
    • Produz também, em grande quantidade, lã , estando entre os 10 maiores produtores mundiais.
    • O país também produz um dos melhores vinhos do mundo.
  • OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO TROPICAL
  • CARACTERÍSTICAS GERAIS
    • RAIOS SOLARES perpendiculares sobre esta região, gerado muita insolação, com temperaturas médias anuais elevadas.
    • CLIMAS bem diversificados na região, dos equatoriais, altamente chuvosos, até os áridos, com ausência de chuvas.
    • REGIÃO com países de características sócio-econômicas muito similares: subdesenvolvimento e com carência de desenvolvimento humano compatível com os países desenvolvidos.
  • FATORES CARACTERÍSTICOS DA REGIÃO
    • FATORES NATURAIS: Climas quentes, úmidos, com invernos curtos e secos. Solos com deficiências, e carentes de técnicas de manejo.
    • FATORES SOCIAIS: Muita mão-de-obra no campo, e pouca urbanização, baixa qualificação.
  • FATORES ECONÔMICOS
    • PROPRIEDADE DA TERRA: Mal distribuída, com predomínio das plantations.
    • INVESTIMENTOS NO CAMPO: Muito baixo, com formas de produção precárias, instrumentos agrícolas ultrapassados, baixo nível de mecanização.
    • MODERNIZAÇÃO: Percebida em alguns países do mundo tropical, como o Brasil.
  • PRINCIPAIS ÁREAS AGRÍCOLAS DO MUNDO TROPICAL
  • ASPECTOS GERAIS
    • Todas as disparidades apresentadas nas áreas rurais da América Latina resultam diretamente nos níveis de produtividade da agropecuária. Essa questão se coloca com um dos fundamentais agravantes que impede o crescimento amplo de todo âmbito agrícola da América Latina. Cerca de 70% de todos os produtos que compõe a alimentação básica da sociedade é oriunda das pequenas e médias propriedades rurais, responsáveis por disponibilizar no mercado, sobretudo milho, feijão, batata, inhame e mandioca, além de uma restrita produção pecuária (carne, leite, frango entre outros).
    • Apesar da extrema importância na produção de alimentos, essas propriedades detêm um modesto nível tecnológico que reflete em uma baixa produtividade, essa defasagem de tecnologia é proveniente entre outros motivos pelo desprovimento de auxílios financeiros e assessoria técnica. Por outro lado, os grandes latifúndios de produção monocultora alcançam elevados índices de produtividade em culturas destinadas à exportação, como cana-de-açúcar, café, soja, trigo, cacau e frutas tropicais. Além desses gêneros alimentícios, em diversos países esse tipo de propriedade rural é responsável pela exportação de carne, principalmente bovina que abastece mercados da Europa e outros continentes. Os latifúndios recebem incentivos do governo por meio de facilidades na obtenção de créditos, esse processo é oriundo de influências externas de países que querem que seus mercados internos sejam supridos por essas grandes propriedades rurais com os produtos que elas produzem. Outro tipo de pressão que favorece as grandes propriedades rurais são os representantes dos governos, como deputados, senadores em que alguns casos lutam pelos interesses desses produtores, denominados dentro do congresso de bancada ruralista.
  • MÉXICO
  • AGROPECUÁRIA MEXICANA
    • As zonas que permitem o cultivo não ultrapassam 15% do território embora algumas sejam extraordinariamente férteis o produzem várias safras por ano. No final do século XX a agricultura absorvia um terço de mão de obra, mas seu produto bruto era muito inferior da indústria e dos serviços.
    • Há no México dois setores agrícolas bem diferenciados. O setor da agricultura tradicional de subsistência tem mudado pouco  : baseia-se no cultivo de pequenas lavouras para consumo próprio de milho, feijão, abóbora e nas terras quentes, algumas frutas tropicais como o abacate.
    • A legislação agrária tem dificultado a introdução de uma agricultura moderna. A proibição dos latifúndios levou a proliferação de propriedades comunitárias e de pequenos sítios ou granjas familiares, encapas dos investimentos necessários a exploração mecanizada da terra. Em algumas zonas, entretanto, a agricultura extensiva consegui excelentes resultados.
    • Os cultivos comerciais, cuja a produção se destina ao mercado nacional e internacional, são praticados principalmente nas novas zonas irrigadas do norte ( trigo , milho , arroz , hortaliças, algodão ), nas planícies costeiras do Golfo do México ( cana-de-açúcar ) e nas terras temperadas e quentes de Vera Cruz e no sul do país, o café .
    • A pecuária bovina de grande importância, aproveita os pastos extensivos e também os campos irrigados do norte e as pradarias dos planaltos no centro do país.
    • Nas cercanias das grandes cidades se desenvolve a produção leiteira. Segue-se em importância econômica a criação de suínos, e em menor escala de ovinos.
  • AMÉRICA CENTRAL
  • AGROPECUÁRIA DA AMÉRICA CENTRAL
    • Agricultura é o seu alicerce econômico.
    • As madeiras de lei, o ébano, o mogno são os produtos que mais se destacam.
    • A caça possibilita a aquisição do couro pelas indústrias.
    • A parte agrícola é desenvolvida.
    • Países República das bananas.
  • AMÉRICA DO SUL
  • AGROPECUÁRIA DA AMÉRICA DO SUL
    • Grande parte dos produtos agrícolas e pecuários é destinada ao consumo local e ao mercado interno. No entanto, a exportação de produtos agrícolas é fundamental para o equilíbrio da balança comercial da maioria dos países.
    • Os principais cultivos agrários são justamente os de exportação, como a soja e o trigo . A produção de alimentos básicos como as hortaliças , o milho ou o feijão é grande, mas voltada para o consumo interno. A criação de gado destinada à exportação de carne é importante na Argentina, no Paraguai, no Uruguai e na Colômbia.
    • Nas regiões tropicais os cultivos mais importantes são o café , o cacau e as bananas , principalmente no Brasil, na Colômbia e no Equador. Por tradição, os países produtores de açúcar para a exportação são: Peru, Guiana e Suriname, sendo que no Brasil, a cana-de-açúcar também é utilizada para a fabricação de álcool combustível . Na costa do Peru, noroeste e sul do Brasil cultiva-se o algodão .
  • CONTINENTE ASIÁTICO
  • AGROPECUÁRIA ASIÁTICA
  • ASPECTOS GERAIS
    • PREDOMÍNIO DE CLIMAS ÁRIDO E SEMI-ÁRIDO: PECUÁRIA É EM GERAL NÔMADE.
    • INDIA: parte central: resquícios das plantations.
    • LESTE E SUDESTE ASIÁTICO: clima das monções, ocupadas pelo látex, na MALÁSIA, e chá, tabaco, cana-de-açúcar, INDONÉSIA.
  • CONTINENTE AFRICANO
  • AGROPECUÁRIA AFRICANA
    • É um continente basicamente agrário, pois cerca de 63% da população habitam o meio rural, enquanto somente 37 % moram em cidades.
    • A agricultura e a criação de gado são as atividades mais importantes, embora, à exceção das grandes plantações controladas por proprietários locais ou por empresas estrangeiras, a renda seja escassa e a produção não satisfaça as necessidades alimentares da população.
    • O clima é o fator determinante do tipo de lavoura de cada região.
    • Nas zonas de clima mediterrâneo pratica-se a característica agricultura de cereais, oliveiras, videiras, frutas, legumes etc.
    • As grandes plantações tropicais de cacau, café, chá, seringueiras, sisal, dendê, algodão, banana e cana-de-açúcar ocupam amplas zonas nas franjas tropicais do continente, alternando-se com pequenas lavouras nativas de cereais (painço e sorgo), algodão e hortaliças e com a criação de gado bovino e ovino, de baixo rendimento.
    • As plantações se estendem também pela zona equatorial, combinadas com a exploração de madeiras preciosas (mogno, ébano) e com um tipo de agricultura itinerante de tubérculos (mandioca, batata, inhame), praticada com técnicas rudimentares em solos muito pobres.
  • AGROPECUÁRIA BRASILEIRA
    • O Brasil se destaca no mercado mundial como exportador de alguns produtos agrícolas: café, açúcar, soja, suco de laranja.
    • Entretanto, para abastecer o mercado interno de consumo, há a necessidade de importação de alguns produtos, com destaque para o trigo.
    •   Ao longo da história do Brasil, a política agrícola tem dirigido maiores subsídios aos produtos agrícolas de exportação, cultivados nos grandes latifúndios, em detrimento da produção do mercado interno,. Porém, em 1995, houve uma inversão de rumos e os produtos que receberam os maiores incentivos foram o feijão, a mandioca e o milho.
    •   A política agrícola tem como objetivos básicos o abastecimento do mercado interno, o fornecimento de matérias-primas para a industria, e o ingresso de capitais através das exportações.
    •   Também se pratica pecuária semi-extensiva em regiões de economia dinâmica oeste paulista, Triangulo Mineiro e Campanha Gaúcha, onde há seleção de raças e elevados índices de produtividade e rentabilidade. Nos cinturões verdes e nas bacias leiteiras, a criação de bovinos é praticada de forma intensiva, com boa qualidade dos rebanhos e alta produtividade de leite e carne. Nessa modalidade de criação, destacam-se o vale do Paraíba e o Sul de Minas Gerais. Já o centro-oeste de Santa Catarina apresenta grande concentração de frigorífico e se destaca na criação de aves e suínos em pequenas e médias propriedades, que fornecem a matéria-prima as empresas.
  • A AGRICULTURA NO BRASIL
  • BRASIL, VISTO PELOS GAÚCHOS
  • EXPANSÃO DAS FRONTEIRAS AGRÍCOLAS
  • GRAU DE MODERNIZAÇÃO DA AGRICULTURA BRASILEIRA
  • PRODUÇÃO DE SOJA
  • I – LARANJA II – ARRO Z
  • I – CANA II – CAFÉ III – SOJA
  • FEIJÃO
  • ALGODÃO
  • MILHO
  • MILHO: PRODUTIVIDADE
  • BANANA