Your SlideShare is downloading. ×
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Va
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Va

3,473
views

Published on

Published in: Education, Travel, Business

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,473
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
50
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. O MUNDO DO BREVE SÉCULO XX ATIVIDADE DA TURMA 2º VA COLÉGIO JESUS CRISTO REI
  • 2. FRASE 1 Na segunda metade do século XIX, países europeus como a Inglaterra, França, Alemanha, Bélgica e Itália, eram considerados grandes potências industriais. Na América, eram os Estados Unidos quem apresentavam um grande desenvolvimento no campo industrial. Todos estes países exerceram atitudes imperialistas, pois estavam interessados em formar grandes impérios econômicos, levando suas áreas de influência para outros continentes. Com o objetivo de aumentarem sua margem de lucro e também de conseguirem um custo consideravelmente baixo, estes países se dirigiram à África, Ásia e Oceania, dominando e explorando estes povos. Não muito diferente do colonialismo dos séculos XV e XVI, que utilizou como desculpa a divulgação do cristianismo; o neocolonialismo do século XIX usou o argumento de levar o progresso da ciência e da tecnologia ao mundo. Na verdade, o que estes países realmente queriam era o reconhecimento industrial internacional, e, para isso, foram em busca de locais onde pudessem encontrar matérias primas e fontes de energia. Os países escolhidos foram colonizados e seus povos desrespeitados. Um exemplo deste desrespeito foi o ponto culminante da dominação neocolonialista, quando países europeus dividiram entre si os territórios africano e asiático, sem sequer levar em conta as diferenças éticas e culturais destes povos.
  • 3.
    • COMENTÁRIO
    • No século XIX, o imperialismo, baseava-se predominantemente no domínio econômico, sendo que no campo político o domínio era menos explícito. Os produtos que mais ambicionaram e necessitaram eram, principalmente, carvão, ferro, petróleo e produtos alimentícios.
    • Fenômeno típico do século XIX, o Imperialismo ou Neocolonialismo demarcou o processo de expansão do capitalismo industrial pela Europa. Nesse período, as nações europeias precisavam de um volume cada vez maior de matéria-prima e buscavam a conquista de novos mercados consumidores que pudessem reverter a produção industrial destes países em lucro. Com isso, regiões dos continentes africano e asiático começaram a ser o principal alvo dessa demanda das nações industrializadas.
    • O neocolonialismo foi a principal expressão do imperialismo, forma assumida pelo capitalismo a partir da Segunda Revolução Industrial. Foi incrementado a partir de 1880, e tinha por base uma nova divisão econômica e política do mundo pelas potências capitalistas em ascensão. Na segunda metade do século XIX, países europeus como a Inglaterra, França, Alemanha, Bélgica e Itália, eram considerados grandes potências industriais. Na América, eram os Estados Unidos quem apresentavam um grande desenvolvimento no campo industrial.
    • Devido ao fato de possuírem os mesmo interesses, os colonizadores lutavam entre si para se sobressaírem comercialmente.
  • 4.  
  • 5. Frase 4 O nacionalismo, que se manifestava sob diferentes formas nos diversos povos, provocou choques de aspirações e ambições. Foi desta forma que a estabilidade do Império Austro-Húngaro foi ameaçada pelo desejo de independência das suas minorias eslavas estimuladas pelo pan-eslavismo do Império Russo. Este, por sua vez, alimentou a ambição de tirar da Turquia o domínio dos estreitos que ligam o Mar Negro ao Mediterrâneo, o que vinha de encontro a uma das diretrizes do movimento pan-germanista: a expansão para o Leste. A Alemanha, recém-unificada e em fase de extraordinário desenvolvimento econômico, ambicionava a ampliação do seu império colonial, bem como uma posição de hegemonia na Europa, alarmando justificadamente as outras potências. Na França, o nacionalismo era marcado pelo desejo de "revanche" pela derrota de 1871 e da recuperação da Alsácia-Lorena, desejo este exacerbado pela rudeza da intervenção diplomática alemã nas crises internacionais. Mediante ao contexto de tensões na Europa, tínhamos formado o terrível “barril de pólvora” que explodiria com o início da guerra em 1914. Utilizando da disputa política pela região dos Bálcãs, a Europa detonou um conflito que inaugurava o temível poder de metralhadoras, submarinos, tanques, aviões e gases venenosos. Ao longo de quatro anos, a destruição e morte de milhares impuseram a revisão do antigo paradigma que lançava o mundo europeu como um modelo a ser seguido.
  • 6. Explicação
    • O nacionalismo é um sentimento de valorização marcado pela aproximação e identificação com uma nação, mais precisamente com o ponto de vista ideológico.
    • Esse pensamento nacionalista vem gerando vários conflitos, como do império Austro-Húngaro que foi ameaçado pelo desejo de independência das suas minorias eslavas estimuladas pelo pan-eslavismo do Império Russo.
    • O nacionalismo pode ser percebido também na França com caráter de revanche pela derrota de 1871.
    • Esses são alguns exemplos do nacionalismo, que afeta países causando conflitos, tensões e milhares de mortes.
  • 7. Imagens
  • 8. FRASE 05 O entre - guerras, período compreendido entre o término da Primeira Guerra Mundial (1918) e o início da Segunda Guerra Mundial, foi marcado por crises econômicas, políticas e sociais em vários países. Quando o primeiro conflito mundial terminou, os EUA era uma nação poderosa, a mais rica do mundo. Assim, em 1918, novamente a presença americana era flagrante. Empréstimos e mais empréstimos foram contratados pelos europeus visando à reconstrução dos países destruídos. Esses fatores condicionaram aos EUA uma prosperidade sem precedentes. Um período de grande abundância gerou uma idêntica euforia social. Os empresários americanos nadavam em capitais. Exportava também o "modelo de homens de negócios", o Self-made-mam. Aquele empreendedor, que, saindo das camadas humildes da população, competentemente prosperou. Toda essa riqueza gerou, nos EUA, um novo ideal de vida ou um novo estilo de vida americano, o "american way of life". Estilo de vida baseado na febre de consumo de produtos industrializados. Mas essa abundância era ilusória, pelo menos para a maioria do povo norte-americano.
  • 9. COMENTÁRIO O EUA ele entrava nas guerra com uma estratégia, que era uma bem simples era a de invadir conquista e manda, e isso continuou nas duas guerras mundial. Mas o EUA ele não invadia por invadir ele tinha interesse por trás de tudo. EUA ele ser tornou numa grande potência pois as duas guerras não aconteceu no terreno americano todos na Europa ai ele ia invadia destruía e saia vitorioso. Como ele era um dois pouco pais que não foi destruído e tinha um grande poder aquisitivo, os países que foram destruído e não tinha com se recupera sozinho pedia ajuda a Estados Unidos como os empréstimo eram bem grande os juros não era lá esta coisas (eram bem altos). Depois que tudo isso acabou e o modo de vida americano mudo fico mais cobiçado todos queriam ter bastando poder aquisitivo, e quem tia bastante dinheiro teve ainda mais e quem tava começando a vida galho dinheiro rapidinho e o Estados Unidos foi crescendo.
  • 10. Imagens
  • 11.
    • FRASE 10 Um dos aspectos da Guerra Fria está na questão de Berlin, onde os soviéticos bloquearam a cidade de Berlim em reação contra a tentativa de garantir a hegemonia política capitalista na região. Em resultado desse confronto, o território alemão foi dividido em dois Estados: a República Federal da Alemanha, de orientação capitalista; e a República Democrática Alemã, dominada pelos socialistas. Nessa mesma região seria construído o Muro de Berlim, ícone máximo da ordem bipolar estabelecida pela Guerra Fria. Buscando garantir oficialmente o apoio de um amplo conjunto de nações, os Estados Unidos anunciaram formulação do Plano Marshall, que concedia fundos às nações capitalistas, e logo depois, a criação da OTAN, Organização do Tratado do Atlântico Norte. Por meio dessa última organização militar, os capitalistas definiram claramente quais países apoiariam os EUA em uma possível guerra contra o avanço das forças socialistas.
  • 12.
    • COMENTÁRIO
    • Um dos maiores símbolos da guerra fria foi o muro de Berlim. Ele foi construído em 13 de agosto do 1961, e passou a dividir a Alemanha dominada pelo capitalismo da Alemanha dominada pelo socialismo.
    • Os EUA buscando apoio, criou o plano Marshall que foi o principal plano dos EUA pra a reconstrução dos países aliados da Europa nos anos seguintes à Segunda Guerra Mundial, e a criação da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) com o objetivo de construir uma frente oposta ao bloco socialista.
  • 13.
    • Camila Agrizzi 2ºVA
  • 14. Frase dada pelo Professor Sem demora, a União Soviética também conclamou os países influenciados pela esfera socialista a assinarem o Pacto de Varsóvia, criado em 1955. Tendo pretensões muito semelhantes à OTAN, a união congregava União Soviética, Albânia, Bulgária, Romênia, Tchecoslováquia, Hungria, Polônia e a República Democrática Alemã. Um pouco antes, respondendo às bombas de Hiroshima e Nagasaki, os soviéticos ainda promoveram testes nucleares no Deserto do Cazaquistão. Essa seria apenas uma pequena amostra da truculenta corrida armamentista que se desenhou entre os capitalistas e socialistas. Como se não bastassem tais ações, a Guerra Fria também esteve profundamente marcada pelo envolvimento de exércitos socialistas e capitalistas em guerras civis, onde a hegemonia política e ideológica desses dois modelos esteve em pauta. Somente nos fins da década de 1980, quando a União Soviética começou a dar os primeiros sinais de seu colapso econômico e político, foi que essa tensão bipolar veio a se reorganizar. Antes disso, conforme muito bem salientou o historiador Eric Hobsbawm, milhares de trabalhadores, burocratas, engenheiros, fornecedores e intelectuais, tomaram ações diversas em torno da ameaça de uma desastrosa guerra.
  • 15. Explicação da Frase A União Soviética foi um grande pais a ser responsável pelo acordo do Pacto de Varsóvia que se evoluiu em vários países e criado em 1955.Os planos da União Soviética era praticamente iguais ao ta OTAN uma legião de países que se envolveram neste grande acordo, Ex : Bulgária e Polonia e claro a U.R.S.S estava envolvida neste grande “investimento”eles não pararam por ai um, pouco antes do ataque das cidades Hiroshima e Nagasaki no qual U.R.S.S e Estados Unidos se envolveram. Além disso fizeram vários testes nuclear e no Deserto do Cazaquistão
  • 16. Isso só foi uma parte dos atques e guerras que se envolveu a corrida armamentista e a guerra Fria fiseram com que oa econimia da U.R.S.S entrasse no verdadeiro caos em questão de economia e e politica devido aos gastos peitos pelas bombas nucleares que lançaram os testes que gastaram milhôes de dolares vaoas entraram em confroto com a União Sovietica entre eles trabalhadores e Fornecedores Tomaram as açôes e foram uma ameaça dentro da Guerra. Uma parte dos historiadores defende que esta foi uma disputa entre o capitalismo, representado pelos EUA e o socialismo, defendido pela União Soviética (URSS).
  • 17.
    • Por sua vez a União Soviética ocupava apenas a metade oriental da Europa e na Ásia, uma parte da Manchúria e da Coréia, regiões tradicionalmente agrícolas e pobres. O próprio território soviético havia sido palco das maiores batalhas da II Guerra Mundial, contra as mais importantes divisões alemãs. O resultado é que em 1945 os EUA Morreram cerca de 500 mil pessoas na guerra, contra cerca de 20 milhões de soviéticos mortos. Centenas de cidades soviéticas estavam após a segunda guerra mundial. estava destruída ou seriamente comprometida. Pelos prejuizos causados pela a União Soviética que no final não saiu vitóriosa e sim perdedora de tudo que tinha vencido
  • 18. ANEXOS
    • Hiroshima e Nagasaki Capitalismo X Socialismo
  • 19. FRASE 12 O mundo depois da Segunda Guerra foi politicamente marcado pelo “racha” político e ideológico travado entre Estados Unidos e União Soviética. As duas principais potências vitoriosas do conflito mundial dividiram entre si áreas de influência econômica, política e ideológica, inaugurando um período conhecido como “Guerra Fria”. É nesse contexto que temos condições de compreender o conflito que dividiu a Coréia em dois diferentes Estados Nacionais. De fato essa divisão é anterior ao conflito já que, durante o processo de ocupação das áreas colonizadas pelo Japão, as tropas norte-americanas controlaram o sul e os exércitos soviéticos lutaram na parte norte. A partir desse processo de ocupação militar, as duas potências resolveram criar uma fronteira artificial que delimitaria o predomínio de ambas naquela região. Após um acordo, o paralelo 38° fixou os limites da socialista Coréia do Norte e da capitalista Coréia do Sul.
  • 20.
    • COMENTÁRIO
    • Após a 2° guerra, União soviética e Estados unidos se dividiram, travando assim uma grande disputa, de economia, ideologia, desenvolvimento e política, conhecido como ‘’ Guerra Fria ‘’ , responsável pela divisão da Coréia em duas partes, através de uma fronteira artificial onde a Coréia do norte que era socialista (URSS) e Coréia do sul que era capitalista(EUA).
  • 21.  
  • 22. Frase 14 O conflito entre o norte e o sul do Vietnã, começou em 1957, quatro anos depois os EUA passaram a participar do confronto, enviando conselheiros militares. Logo em seguida, com o assassinato de Dinh Diem, os EUA começaram a utilizar de seus exércitos para lutar contra o avanço do vietcongues, nome dado aos comunistas que participaram da guerra. Para justificar sua ação, os EUA acusaram o Vietnã do Norte de participar do ataque a embarcações norte-americanas no Golfo de Tonquim. Sem conseguir resolver militarmente a questão e derrotado em diversos confrontos, o governo norte-americano saiu da guerra com a assinatura do Acordo de Paris, em 1973. Nos três anos subseqüentes ainda houve conflitos na região, configurando agora, uma guerra civil no Vietnã. Em 1976, o grupo comunista venceu a guerra, formando a República Socialista do Vietnã. Ao total, a Guerra do Vietnã foi responsável pela morte de três milhões de vietnamitas, contando as perdas militares e civis.
  • 23. Explicação
    • Após a 2ª Guerra mundial o Vietnã foi dividido em áreas de influência onde o Norte ficou sobre influência comunista representada pela URSS e o Sul sobre a influência capitalista representado pelos EUA.
    • Essa guerra estava inserida no contexto da Guerra Fria numa época em que o mundo esta bi polarizado. O interesse dos EUA era conter o avanço comunista representado pelos vietcongs.
    • Por isso, os EUA até acusaram o Vietnã do Norte de atacar embarcações americanas.Os EUA não conseguiram vencer essas questões militarmente,foi derrotado e saiu da guerra assinando um acordo em 1973.
    • Três anos depois ainda ocorreram confrontos civis.Em 1976,após criticas da opinião publica mundial, o Vietnã do Norte venceu a guerra deixando um saldo de milhões de mortos entre civis e militares.
  • 24.  
  • 25. Frase 15 A Revolução Cubana de 1959 representou uma das principais derrotas sofridas pelos Estados Unidos no período da guerra fria, reativando a tensão entre as duas superpotências em plena fase da coexistência pacífica. A influência norte-americana no país só começou a ser rompida a partir de 1959, quando Fidel Castro, liderando um movimento guerrilheiro, depôs o ditador Fulgêncio Batista. O objetivo inicial do movimento guerrilheiro era livrar a ilha da dominação imperialista norte-americana. Porém, em pleno contexto da guerra fria, marcado pela bipolaridade, seria quase impossível evitar que o país caísse na área de influência soviética. Vencidas as ameaças de invasão dos Estados Unidos, e tendo recebido apoio quase imediato da outra superpotência da época, aos poucos Fidel Castro foi assumindo uma orientação socialista e alinhando Cuba ao bloco soviético. As primeiras medidas tomadas por Fidel Castro foram a reforma agrária — o que rompia com o histórico domínio dos latifundiários sobre a maioria da população — e a nacionalização das empresas estrangeiras, a maior parte delas norte-americana. O desenvolvimento econômico assumiu a forma ditada pelo planejamento estatal que orientava os países socialistas. Ou seja, cabia ao Estado fixar os objetivos da nova política econômica, estabelecer as metas de produção e direcionar os investimentos. Era também o Estado, e não o mercado, que fixava os preços se encarregava da distribuição das mercadorias. A prioridade básica assumida pelo governo foi levar os serviços de saúde e de educação para todo o povo. Essas medidas, associadas à política de eliminar totalmente o desemprego, foram determinantes para romper com os péssimos indicadores sociais que ainda hoje caracterizam os países centro-americanos.
  • 26. Explicação
    • Ou seja, o que a frase quer dizer resumidamente é que pós-guerra o EUA perdeu o domínio que ele havia sobre Cuba, um domínio que só era usado para explorar Cuba, ai Fidel Castro vem ao poder com várias metas para melhorar o país e se associa a URSS que era a outra potencia mundial da época que investia seu dinheiro em cuba para transforma os países num país melhor investiram em saúde, educação e em tudo que um país precisava para crescer, a URSS investiu tão bem em cuba isso foi determinante para romper com os péssimos indicadores sociais que ainda hoje caracterizam os países centro-americanos.
    • E também para deixar o país como se fosse uma vitrine para os países associados ao EUA que era capitalista e adotava o sistema, como se eles quisesse dizer olha o que o socialismo faz com quem é associado a nós.
  • 27.  
  • 28. Frase 18 Em 1962, o país foi o epicentro de outra grave crise internacional, a chamada Crise dos Mísseis. Nos demais países latino-americanos a instabilidade, as ditaduras e os confrontos políticos não conseguiram alterar substancialmente a tradicional situação de subdesenvolvimento, de miséria e de enormes desigualdades sociais. Na descolonização da Ásia e da África, destacou-se a iniciativa da Conferência da Bandung, onde se oficializou o bloco do Terceiro Mundo, disposto a não se alinhar automaticamente à União Soviética ou aos Estados Unidos. No processo de independência indiano destacou-se a atuação de Mahatma Gandhi, através da resistência pacífica. Na independência da Indochina, deu-se a incorporação dos confrontos da Guerra Fria, transformando essa área numa da mais violentas do mundo, sendo, portanto, ameaçadora à paz internacional, com a Guerra do Vietnã. Outra área de permanente tensão no pós-Segunda Guerra Mundial, e até hoje marcada por intensos conflitos, é a do Oriente Médio, envolvido nos sucessivos confrontos árabe-israelenses, nos conflitos do Líbano, na Guerra do Iraque contra o Irã e na Guerra do Golfo. Também na África, a herança colonial e as lutas libertadoras desembocaram em sangrentos confrontos e impasses políticos que se prolongam até hoje, como o caso de Angola, Moçambique, África do Sul, entre tantos outros.
  • 29. Em outubro de 1962, foi um dos momentos mais difíceis da Guerra Fria. A crise começou quando os soviéticos, em resposta a instalação de mísseis nucleares na Turquia em 1961 e à invasão de Cuba pelos estado -unidenses no mesmo ano, instalou mísseis nucleares em Cuba. Pode – se afirmar que Cuba não foi o único com tensões, pois pós - Segunda Guerra Mundial, no Oriente Médio ainda é uma área e muitos conflitos que se estende até hoje, alguns exemplos conflitos foram a Guerra do Iraque contra o Irã e na Guerra do Golfo. É fácil dizer que esses conflitos não fiaram apenas no Oriente Médio, pois na África assim como no Oriente Médio se estende até os dias de hoje com impasses políticos e com sangrentos conflitos, como por exemplo na Angola, Moçambique. Explicação
  • 30. Guerra do Iraque
  • 31. FRASE 19 No final dos anos 80 e inicio dos 90 teve inicio a crise do bloco socialista e o fim da Guerra Fria, seguidos do desaparecimento da própria União Soviética. O governo de Stálin tinha estruturado uma ordem econômica centralizada, que se, de um lado, elevou o país à condição de superpotência mundial, de outro, consolidou a burocracia soviética. No governo de Kruschev tentou-se romper com os entraves centralistas e burocratizados da era stalinista; essa tentativa, apesar de algum sucesso, acabou frustrada pela retomada do centralismo administrativo do governo Brejnev. Durante o governo de Gorbatchev (1985 - 1991), a União Soviética mergulhou num período de reformas com a perestróika e a liberalização política da glasnost, culminando em sérias crises. No bloco socialista do leste europeu as reformas ganharam dinamismo próprio e produziram a reunificação alemã e substanciais mudanças políticas em todo os países. Na União Soviética, o reformismo de Gorbatchev rachou politicamente o país em anti-reformistas e ultra-reformistas. Os conservadores, descontentes com as reformas e seus desdobramentos, tentaram um golpe contra Gorbatchev em agosto de 1991, sendo derrotados. Um dos principais líderes que enfrentou e frustrou as ambições dos golpistas foi Bóris Yeltsin, presidente da república soviética da Rússia e líder dos ultra-reformistas. Com o fim do bloco socialista e da URSS, terminou a Guerra Fria, nascendo uma nova ordem internacional, fundada basicamente no poderio econômico. Os principais pólos do poder são: EUA, Japão e Europa. De outro lado os países do 3º mundo estão empobrecendo cada vez mais.
  • 32. A crise do bloco socialista e a Nova Ordem Internacional
    • Com o fim do socialismo, após a Guerra Fria, prevaleceu o centralismo, que era voltado ao capitalismo, formando assim os quatro pólos de poder, que enriqueceram cada vez mais e os países pobres ficaram cada vez mais pobres, se classificando em países de 3º mundo. A ordem econômica centralizada, por um lado elevou o país à condição de superpotência mundial, por outro, consolidou a burocracia soviética, ocorreram várias mudanças políticas no mundo.
  • 33.  
  • 34. frase Nº 23
    • Às vésperas do ano de 1990, ainda existiam duas Alemanhas e continuava de pé o Pacto de Varsóvia, a aliança militar do bloco socialista da qual a Alemanha Oriental fazia parte.
    • Inicialmente, a proposta de reunificação das Alemanhas não foi bem recebida pela França, Grã-Bretanha e outros países europeus, que temiam o ressurgimento da grande potência germânica, berço do nazismo e de ambições históricas de hegemonia sobre a Europa.
    • Dentro da própria Alemanha Ocidental, a oposição argumentava que o lado capitalista teria de arcar com um preço muito alto para modernizar as empresas obsoletas e adaptar as estruturas sociais da Alemanha Oriental. Em 7 de junho de 1990, o Pacto de Varsóvia anunciou que deixaria de exercer suas funções militares, o que representava, na prática, o fim da aliança socialista. Acabava, assim, o único grande obstáculo geopolítico à reunificação das duas Alemanhas.
    • Exatamente em 3 de outubro de 90, a Alemanha Oriental deixava de existir. Com o apoio dos Estados Unidos, a potência germânica renascia no coração de uma Europa perplexa e preocupada. Nessa época, a União Soviética atravessava uma das piores crises de sua história. O líder Mikhail Gorbatchev era acusado de traidor por seus adversários. Além disso, ganhavam força os movimentos de independência nas 15 repúblicas soviéticas. O país estava politicamente paralisado, ao passo que uma crise econômica sem precedentes afetava o nível de vida da população. A União Soviética ainda era uma potência militar, mas já não possuía a estatura de uma superpotência.
  • 35. Reunificação da Alemanha e o enfraquecimento da URSS A reunificação da Alemanha ocorreu em 3 de outubro de 1990, quando o território da antiga República Democrática Alemã (Alemanha Oriental) foi incorporado à República Federal da Alemanha ( Alemanha Ocidental). Após as primeiras eleições livres na Alemanha Oriental, em 18 de março de 1990, as negociações entre as duas Alemanhas culminaram no Tratado de Unificação, celebrado em 31 de agosto de 1990, enquanto que os entendimentos entre a Alemanha Oriental e a Alemanha Ocidental e as quatro potências de ocupação (Estados Unidos da América, França, Reino Unido e União Soviética) resultaram no chamado "Tratado Dois Mais Quatro" celebrado em 12 de setembro de 1990, que outorgava independência plena ao Estado alemão reunificado. A reintegração das duas Alemanhas teve um alto custo econômico, que gerou inflação e recessão. Um dos problemas sociais provocados pela reunificação foi a necessidade de estender a toda a população o nível de vida e poder de compra alcançado pelos habitantes do lado ocidental. Nesse mesmo período a URSS passava por uma grave crise interna o que poderia ter influenciado no enfraquecimento da Alemanha Socialista.
  • 36. Queda do muro de Berlim
  • 37.
    • FRASE 25
    • “ A invasão do Panamá foi uma das primeiras ações internacionais norte-americanas depois da queda do muro de Berlim. Naquele momento, já estava evidente que a Casa Branca tinha nas mãos o poder de articular todas as iniciativas na defesa de seus interesses. Mas foi durante a crise do Golfo Pérsico que os Estados Unidos consolidaram seu novo papel no cenário mundial. Em agosto de 1990, o ditador iraquiano Saddam Hussein ordenou a invasão e ocupação do vizinho Kuwait, sob a alegação de que historicamente o pequeno país fazia parte do Iraque. O presidente norte-americano, George Bush, reagiu energicamente. Exigiu que a Organização das Nações Unidas, a ONU, adotasse uma série de medidas punitivas, incluindo um amplo boicote econômico ao Iraque. Hussein recebeu um ultimato: teria de sair do Kuwait até o dia 15 de janeiro de 1990. A crise no Golfo Pérsico evidenciava a nova postura diplomática dos Estados Unidos.”
  • 38.
    • COMENTÁRIO
    • O Estados Unidos invadirão o Panamá com a desculpa de combater o narcotráfico, escondendo seus verdadeiros motivos, assim não cumprindo o prazo de entregar ao governo panamenho o controle administrativo do Canal do Panamá, adotando lutar contra o narcotráfico como sua nova bandeira, com isso mantendo o controle do Canal do Panamá e a base o Comando do Sul feita durante a Guerra Fria.
    • Na Guerra Fria todas as decisões eram exercidas pela ONU, na crise do Golfo não, o EUA que tomava a frente de tudo. Na invasão do Kuwait no fim do prazo para os iraquianos retirarem-se, o presidente americano George Bush agiu rapidamente mandando 500 mil soldados ao Golfo Pérsico, e mostrando na mídia os soldados americanos deixando suas famílias e indo em direção ao conflito.
    • O Estados Unidos necessitavam de encontrar um novo inimigo e convencer o mundo, e a guerra do Golfo foi uma boa oportunidade. Mostrando que é dessa maneira que os norte-americanos tentam mostrar que eles defendem e lutam pelos valores democráticos e ocidentais.
  • 39. Imagem da Guerra do Golfo
  • 40. Com o fim do comunismo, os antigos países socialistas abriram suas fronteiras e seus mercados. No ocidente, os países detentores de tecnologias avançadas, como Alemanha e Japão, já não precisavam se submeter à lógica da Guerra Fria e à liderança dos Estados Unidos. O resultado foi o início de uma feroz disputa pelo mercado mundial. Em junho de 91, os Estados Unidos lançaram uma ofensiva em seu comércio exterior com a "Iniciativa Para as Américas", um plano que pretendia criar um mercado unificado do Alasca à Terra do Fogo. Em 93, os Estados Unidos ganharam mais motivos concretos para se preocupar. Em 1.º de janeiro daquele ano, foi criada a União Européia, uma zona de livre comércio entre os antigos países-membros da Comunidade Econômica Européia. No outro lado do mundo, o Japão e os Tigres Asiáticos, como eram conhecidos Hong Kong, Taiwan, Coréia do Sul, Cingapura e Malásia, constituíam outro pólo em plena expansão, com que os Estados Unidos vinham mantendo relações comerciais tensas desde o final dos anos 80. Apenas o continente africano estava fora das grandes disputas comerciais, com a exceção de alguns países ricos, como a África do Sul. FRASE 26
  • 41. A frase 26 trata do fim do comunismo, com o fim do comunismo, os antigos países socialistas abriram suas fronteiras por que viram que se não fizessem isso poderiam atrasar sua economia dentre outros aspectos que poderiam ‘afundar’ o pais de vez, mas por outro lado países como Alemanha e Japão não precisavam se envolver no conflito, ouve então uma disputa pelo mercado mundial, em 91 os EUA lançaram o plano de unificação do mercado do Alasca a terra do fogo, após a criação deste plano foi criada também a união européia que visava criar uma zona livre de comercio com os antigos países membros da comunidades européias, do outro lado do mundo os tigres asiáticos expandiam cada vez a sua economia.
  • 42.  
  • 43. FRASE 29 Os Estados Unidos foram também a força decisiva na intervenção da ONU na guerra civil da Bósnia, no final de 95. Através da OTAN, Washington praticamente impôs um acordo às forças sérvias, muçulmanas e croatas, em conflito desde 91. O acordo não resolveu nenhum dos problemas que provocaram a guerra, mas pacificou a região e reforçou a campanha de Bill Clinton à reeleição, no final de 96. No final de fevereiro de 98, os Estados Unidos suspenderam na última hora o início de um novo conflito armado no Golfo Pérsico. Os norte-americanos, apoiados especialmente pela Grã-Bretanha do primeiro-ministro trabalhista Tony Blair, mobilizaram quatro porta-aviões, 27 mil homens e 372 aviões para a região. A perspectiva era de usar a força para obrigar o ditador iraquiano Saddam Hussein a permitir o trabalho de emissários da ONU, que inspecionavam o Iraque em busca de armas químicas e nucleares proibidas. O ataque dos norte-americanos e aliados foi evitado pela atuação diplomática do secretário-geral da ONU, o ganês Kofi Annan. Nos últimos dias de fevereiro, Annan convenceu Saddam a permitir o livre trânsito dos inspetores da ONU em seu território. Neste episódio, Washington enfrentou a resistência da França, da China, dos países árabes e particularmente da Rússia de Bóris Ieltsin. Esses países procuraram dissuadir os Estados Unidos a resolver diplomaticamente a questão. E, em último caso, a limitar os bombardeios somente aos locais suspeitos de abrigar as armas proibidas pelas Nações Unidas .
  • 44. OS Estados Unidos através da OTAN, Washington praticamente impôs um acordo ás forças sérvias, mulçumanas e croatas, em conflito desde 91. Esse acordo não resolveu nenhum dos problemas que provocaram a guerra, mas reforçou a campanha de Bill Clinton. Na última hora os norte americanos suspenderam um novo conflito armado, apoiados pela Grã- Bretanha do primeiro-ministro trabalhista Tony Blair. A ração era de usar as forças para que o ditador Saddam Hussein permitir a entrada dos emissários da ONU, que estava e busca de armas químicas e nucleares. O ganês Kofi Annan, convenceu a Saddam a permitir o trânsito dos inspetores da ONU em seu território. O presidente Washington enfrentava a resistência da França, da China, e dos países da árabes e particularmente da Rússia. Tentaram dissuadir e resolver diplomaticamente a questão. E limitar os bombardeios semente aos locais suspeitos de abrigar as armas proibidas pelas Nações Unidas.
  • 45.  
  • 46. FRASE 31 A URSS tinha a capacidade de lançar mísseis intercontinentais e de manter uma estação espacial em órbita, mas era absolutamente incapaz de produzir automóveis ou eletrodomésticos de qualidade. Diante dessas necessidades, Gorbachev deu início a um amplo processo de abertura política – glasnost – e de reestruturação da economia – perestroika. A abertura política, que possibilitaria à população manifestar-se a respeito de suas necessidades, tornando-a co-autora da ação do Estado que efetivamente a representaria, possibilitou, no entanto, a eclosão de sentimentos nacionalistas, sufocados duramente durante a Guerra Fria. A reestruturação da economia, que redirecionaria a ação do planejamento estatal para o setor civil, fez vir à tona o que de fato era sabido pelo governo e pela sociedade soviética: que o planejamento estatal fora um fracasso, se não em sua totalidade, pelo menos devido à consolidação da burocracia e da maquiagem dos resultados que o Estado procurou contabilizar politicamente. O caos econômico, associado à instabilidade política, efeitos colaterais do processo de modernização do país, levaram a URSS ao fim em 1991. E diante da necessidade de manutenção da integração econômica das ex-repúblicas soviéticas, visto que ainda não gozavam de autonomia nesse setor para se inserirem no mercado internacional, criou-se a CEI – Comunidade dos Estados Independentes, que tinha também como atributo o monitoramento do arsenal da ex-URSS.
  • 47. Explicando a Frase O trecho anterior, explica um período da história da URSS crítico, o pós Guerra Fria, em que o país passa por necessidades e também um momento quando o governo se deu conta que a população não precisa somente de satélites para sobreviver. Ele cita também dois movimentos que surgiram a partir dessa fase crítico o Glasnost e a Perestroika. Gorbachev percebeu que a economia da União Soviética estava a falhar e sentiu que o sistema socialista, apesar de não precisar de ser substituído, certamente necessitava de uma reforma, e isto seria levado a cabo pelo processo da Perestroika. Juntamente a ela o Glasnost foi colocado em prática ele contribuiu em grande parte para a intensificação de um clima de instabilidade causado por agitações nacionalistas, conflitos étnicos e regionais e insatisfação econômica, sendo um dos fatores causadores da ruína da URSS. Enfim no ano de 1991 o fim da URSS veio a tona, e assim para colocar as coisas em ordem foi criado o CEI(Comunidade dos Estados Independentes) que reforçou a manutenção da integração econômicae no monitoramento do arsenal do local.
  • 48.  
  • 49. FRASE 32 Efetivamente a CEI nasceu morta. Do ponto de vista econômico, as ex-repúblicas soviéticas tomaram rumos não necessariamente concordantes. O fato é que pouco resta hoje do que já foi a segunda maior economia do mundo. As crises se sucedem. A Rússia, detentora da maior parcela do arsenal da ex-URSS, vive uma crise sem precedentes. A incerteza na sucessão do presidente Boris Yeltsin torna os investidores externos temerosos. A política econômica do Estado russo não dá conta das garantias exigidas pelo mercado internacional para a completa inserção do país. O rublo desvaloriza-se a cada dia. O Estado já pediu uma moratória. Além disso, movimentos nacionalistas eclodem em constante tensão – caso da Chechênia e, mais recentemente, do Daguestão. No resto do países que outrora se admitiam socialistas, a situação não é muito diferente. Na Europa, alguns como a Hungria, a Polônia e a República Checa vislumbram a possibilidade de ingressar na UE – União Européia; outros como as ex-repúblicas soviéticas Casaquistão, Uzbequistão e Quirguízia vêem seus governos ameaçados pela expansão do islamismo. A Coréia do Norte e Cuba amargam embargos econômicos que impedem tentativas mais concretas de ingressar no mundo sem fronteiras. Enfim, implodiu-se o mundo socialista, ou mais propriamente o socialismo real, deixando órfãos e sem orientação os partidos de esquerda; alguns até sucumbiram à proposta neoliberal.
  • 50. COMENTÁRIO
    • Do ponto de vista econômico realmente o CEI nasceu “morto”, pelo fato da URSS ter sido a 2° maior economia do mundo resta muito pouco economicamente falando. A Rússia vive uma crise hoje em dia pelo fato de a ex-URSS possuir o maior arsenal de armas do mundo, esse também ajudou a crise que a Rússia passa hoje.
    • A moeda vem caindo a cada dia , a Rússia não dá conta das garantias exigidas pelo mercado internacional, e contudo isso mais movimentos nacionalistas vem crescendo.
    • E isso não é só na Rússia, mas também com alguns outros paises que querem ingressar na UE (união européia).
  • 51.  
  • 52. FRASE 34 A nova ordem internacional acabou com um sem-número de conflitos diretamente ligados à ação das superpotências; mas fez surgir outros, na sua maioria de origem étnica, religiosa e nacional, que durante a Guerra Fria foram mantidos em estado latente, pois poderiam ameaçar a hegemonia das superpotências sobre determinados países ou regiões. Entre os países capitalistas, a despeito de ter-se pronunciado ainda mais a diferença entre ricos e pobres, agora Norte-Sul, vale a abertura dos mercados, o fim de restrições comerciais e a implantação de um comércio mais amplo, sob a égide da OMC – Organização Mundial do Comércio, que substituiu o GATT – General Agreement of Taxes and Trading (Acordo Geral de Tarifas e Comércio). A palavra de ordem é a inserção no mercado mundial. Os capitais estão cada vez mais livres e, perante uma variada gama de possibilidades de investimentos, deslocam-se facilmente de um país para outro, de uma economia menos atraente para outra mais atraente, até que uma outra surja, num fluxo contínuo de investimentos que se movimentam ao sabor dos ventos da economia.
  • 53. COMENTARIO
    • A frase da nova ordem internacional diz a respeito da nova ordem que se instalou no mundo depois da Guerra Fria, que acabou com alguns conflitos ligados as superpotências,mas que fez surgir outros ligados a religião, as origens étnicas entre outros.
    • Entre as características dessa nova ordem estão a abertura comercial entre os países, a diferença entre países desenvolvidos e subdesenvolvidos, a liberdade dos investimentos nos países capitalistas, q se define como capital produtivo e capital especulativo que estão cada vez mais livres.
    • Essa nova ordem fez surgir também um clima de tensão entre os países, que estão investindo cada vez mais em armas para se defender de seus “inimigos”, umas vez que esse aumento de comercio e interação entre os países faz crescer também a precaução entre eles, criando um clima parecido com o da guerra fria.
  • 54. TENHA UM BOM DIA
  • 55. FRASE 37 Com a globalização da economia, há a perspectiva de uma maior integração no sentido de cooperação entre os países; mas existem os excluídos – nações que não constituem Estados nacionais. A globalização não dá conta do nacionalismo, que surge na defesa de interesses de nações apartadas do direito a um território, o que faz eclodir inúmeros conflitos políticos, étnicos, religiosos e até mesmo tribais. No mundo global não há espaço para aquelas nações que, por mais justa que seja sua reivindicação, não se constituíram como Estado e não são, portanto, economicamente viáveis. A globalização é o que o capitalismo quer, independentemente do desenvolvimento, da integração real e da mutualidade entre os povos.
  • 56. Explicação
    • A frase retrata como o capitalismo envolve o mundo. Ao que se refere à globalização pode-se afirmar que é uma proposta capitalista que busca envolver todos os países, excluídos ou não, desenvolvidos ou não. O capitalismo busca uma total integração entre os países principalmente no âmbito econômico. A globalização quando entra em contato com os países que podem ser classificados mais excluídos não se responsabiliza portanto de estabelecer o nacionalismo, ou seja, a imposição sobre os exploradores, capitalistas.
  • 57.  
  • 58. FRASE 38 O mundo passa por uma acelerada transição. As áreas de concentração industrial não se restringem mais aos países desenvolvidos do Hemisfério Norte. Fora das regiões tradicionalmente industrializadas da Europa, América do Norte e Japão surgiram várias outras: Brasil, África do Sul, México, Ásia e os Tigres Asiáticos. A Nova Ordem Mundial não é mais estável ou segura. Países socialistas, como a China, por exemplo, têm cedido espaço à abertura de mercado e atraído capitais estrangeiros. A necessidade de reformar a economia chinesa e alterar as condições sociais no país fez com que a China se estruturasse na esfera econômica. Desde o final dos anos 70, a China adota uma crescente liberalização da economia, concentrada em Zonas Econômicas Especiais (ZEEs). Esta abertura progressiva, no entanto, foi cautelosa. As autoridades escolheram a região sul do país, deixando o “coração” da China, o norte e o centro isolados das influências ou “contágios” que se viessem verificar. As ZEEs foram criadas para acabar com a estagnação econômica que atingia os países socialistas e os afastavam do nível de desenvolvimento do capitalismo. São espaços territoriais onde foram concedidas condições especiais para a fixação de capitais estrangeiros e também algumas liberalizações do mercado, semelhantes às existentes nos países ocidentais Com o objetivo de atrair capital externo, expandir as exportações, receber novas tecnologias e absorver métodos ocidentais de administração, essa iniciativa contribuiu para alavancar o desenvolvimento econômico e tecnológico, além de fortalecer a inserção do país no cenário internacional.
  • 59. Desenvolvimento tecnológico
    • Países como china esta abrindo espaço para investimentos estrangeiros.São espaços territoriais onde foram concedidas condições especiais,e algumas liberalizações no mercado.A china esta com o intuito de atrair o capital externo para que com ele venha a ter novas tecnologias.E as concentrações tecnológicas não se restringe mais aos países desenvolvidos isso se deve por causa de uma acelerada transição .O PIB da china se da ao investimentos de infra-estruturas com construção de rodovias etc. A Abertura Econômica da China (república pulular da china) se deu a partir 1976 quando Mao Tse-Tung morre e Deng xiaoping conquista o poder político. As mudanças praticadas por este governo, que vão até o final dos anos de 1990, tiveram um caráter mais econômico do que político, rumo à conquista da mística chinesa de se considerarem culturalmente o "Império do Meio" ou "o país que está no centro do planeta o que corresponderia a um suposta posição de a “única superpotência econômica, política, tecnológica, social e cultural do mundo ".
  • 60.  
  • 61. FRASE 38 O mundo passa por uma acelerada transição. As áreas de concentração industrial não se restringem mais aos países desenvolvidos do Hemisfério Norte. Fora das regiões tradicionalmente industrializadas da Europa, América do Norte e Japão surgiram várias outras: Brasil, África do Sul, México, Ásia e os Tigres Asiáticos. A Nova Ordem Mundial não é mais estável ou segura. Países socialistas, como a China, por exemplo, têm cedido espaço à abertura de mercado e atraído capitais estrangeiros. A necessidade de reformar a economia chinesa e alterar as condições sociais no país fez com que a China se estruturasse na esfera econômica. Desde o final dos anos 70, a China adota uma crescente liberalização da economia, concentrada em Zonas Econômicas Especiais (ZEEs). Esta abertura progressiva, no entanto, foi cautelosa. As autoridades escolheram a região sul do país, deixando o “coração” da China, o norte e o centro isolados das influências ou “contágios” que se viessem verificar. As ZEEs foram criadas para acabar com a estagnação econômica que atingia os países socialistas e os afastavam do nível de desenvolvimento do capitalismo. São espaços territoriais onde foram concedidas condições especiais para a fixação de capitais estrangeiros e também algumas liberalizações do mercado, semelhantes às existentes nos países ocidentais Com o objetivo de atrair capital externo, expandir as exportações, receber novas tecnologias e absorver métodos ocidentais de administração, essa iniciativa contribuiu para alavancar o desenvolvimento econômico e tecnológico, além de fortalecer a inserção do país no cenário internacional.
  • 62. Desenvolvimento tecnológico
    • Países como china esta abrindo espaço para investimentos estrangeiros.São espaços territoriais onde foram concedidas condições especiais,e algumas liberalizações no mercado.A china esta com o intuito de atrair o capital externo para que com ele venha a ter novas tecnologias.E as concentrações tecnológicas não se restringe mais aos países desenvolvidos isso se deve por causa de uma acelerada transição .O PIB da china se da ao investimentos de infra-estruturas com construção de rodovias etc. A Abertura Econômica da China (república pulular da china) se deu a partir 1976 quando Mao Tse-Tung morre e Deng xiaoping conquista o poder político. As mudanças praticadas por este governo, que vão até o final dos anos de 1990, tiveram um caráter mais econômico do que político, rumo à conquista da mística chinesa de se considerarem culturalmente o "Império do Meio" ou "o país que está no centro do planeta o que corresponderia a um suposta posição de a “única superpotência econômica, política, tecnológica, social e cultural do mundo ".
  • 63.  
  • 64. Frase numero:39 As ZEEs Chinesas, localizam-se em áreas litorâneas, estabelecendo-se medidas semelhantes às adotadas nos Tigres Asiáticos: baixos impostos, isenção total para a implantação de máquinas e equipamentos industriais e facilidades para a remessa de lucros ao exterior. Além disso, as empresas que nelas se instalam podem estabelecer os seus próprios planos de desenvolvimento, desde que consigam encontrar fundos para tal e contam com a mão-de-obra mais barata do mundo, o que torna os preços dos produtos imbatíveis no mercado internacional. As conseqüências dessas medidas foram altas taxas de crescimento e invasão de mercadorias chinesas por todo o mundo, aumentando a demanda por produtos “Made in China”.
  • 65. Explicação da frase. Com a criação desse núcleo de empresas que possuíam uma mão-de-obra barata e qualificada sem fala na isenção de impostos naquela área, ficaria quase que impossível concorrer com eles, então com esses recursos, não foi muito difícil deles crescerem e conquistarem todo um espaço no mercado mundial, e podemos ver isso em quase todos os produtos que compramos hoje.
  • 66.  
  • 67. FRASE 41 As ZEE’s fizeram aparecer os primeiros traços capitalistas na China comunista. Uma China já em fase de transição para o que oficialmente se designava por “uma economia socialista de mercado”. Atualmente a China é considerada pelos EUA um país “comercialmente privilegiado”, o que amplia as cotas de exportação de produtos chineses para os mercados norte-americanos. A atual importância da economia chinesa e a posição de destaque que deverá assumir no mercado internacional nas próximas décadas atraem para si a atenção e o interesse das demais nações, seja em função das oportunidades ou das ameaças que ela representa. Entretanto, o desenvolvimento da economia chinesa encontra pela frente uma série de obstáculos. Embora existam mais de 400 milhões de pessoas na costa do Pacífico, o consumidor chinês é uma minoria privilegiada. As ZEE’s, acabaram contribuindo para o agravamento das desigualdades regionais (concentração de renda, desemprego, corrupção, êxodo rural etc) e para um processo de abandono significativo das zonas rurais do interior.
  • 68. Explicação da frase
    • A frase de número 41, ilustra que a China era um pais que lutava ao lado do socialismo, onde sua economia era socialista de mercado, mas isso veio mudando de uns tempos pra cá. A China atual, ainda país socialista, tem cedido espaço à abertura de mercado e atraído capitais estrangeiros,esta sendo um pais em que esta estabelecendo relações comerciais com o mundo todo, e dando destaque as relações com os norte americanos, que um dia já foram inimigos.
    • A necessidade de reformar a economia chinesa e alterar as condições sociais no país, fez com que a China se estruturasse na economia mundial. Mas a Zonas Econômicas Especiais (ZEEs) acabaram provocando um aumento no desemprego as desigualdades culturais etc.
  • 69. Imagens ilustrativa da frase
  • 70. FRASE 42
    • Com o fim da guerra fria e o ingresso de quase todo o mundo socialista na economia de mercado, Cuba passou a enfrentar uma grave crise econômica. Afinal, após a revolução, a ilha deixou de fazer parte do mercado internacional capitalista para ter como parceiros exclusivos os membros do Comecon (o mercado comum de países socialistas). Seu isolamento foi ainda agravado pelo embargo econômico imposto pêlos Estados Unidos, desde 1962. Para pressionar outros países a fazer o mesmo, ainda hoje os Estados Unidos prevêem sanções para as empresas estrangeiras que mantiverem negócios com Cuba. Atualmente o embargo à ilha tem tido como principais opositores os países europeus e o Canadá. Este último tem sido o principal parceiro comercial de Cuba, além de responsável por numerosos turistas que levam divisas ao país.
  • 71. COMENTÁRIO
    • A partir do fim da guerra fria, cuba ficou totalmente isolada por décadas foi a única republica socialista, sobrevivendo a vários atos de agressões por parte dos Estados unidos que fazia sabotagem da infra-estrutura e a contaminação na lavoura, hoje Cuba tem um importante destino turístico e a economia socialista convive com cafés e restaurantes, centro de compras, hotéis e lojas que ajuda a suprir a necessidade que o pais tinha para fazer seus investimentos
  • 72. IMAGEM
    • Mikhail Gorbachev , Secretário-Geral do Partido Comunista da União Soviética e Ronald Reagan , Presidente dos Estados Unidos assinando o Tratado INF .
  • 73. Frase 44: Com o final da Guerra Fria, Cuba tomou medidas, dentre as quais, destacam-se: liberar a entrada de investimentos estrangeiros, de acordo com regras específicas; modificar o regime jurídico da propriedade, abrindo espaço para o retorno de formas de propriedade privada; abolir os subsídios dados a agricultores sem condições de competição no mercado; entregar 75% das terras a cooperativas e agricultores individuais, praticamente extinguindo as fazendas estatais coletivas; suprimir o monopólio estatal sobre o comércio exterior, concedendo autonomia tanto para estatais quanto para empresas privadas; aproveitar a mão-de-obra do país, que, por seu alto grau de instrução, tem um grande potencial de qualificação. Apesar das mudanças, Cuba não se transformou numa economia socialista de caráter misto, em que o Estado e o mercado atuam conjuntamente na determinação das regras de produção e de comércio. Afinal, as empresas públicas ainda são dominantes, e as empresas privadas são pequenas e frágeis. No entanto, já se pode falar na existência de uma "segunda economia", ou seja, aquela que envolve a ação privada de indivíduos. Politicamente, porém, a grande crítica apontada ao governo socialista é a falta de democracia, pois desde a revolução vigora a ditadura personalista de Fidel Castro, mesmo sem sua presença e com o atual governo de seu irmão Raul Castro.
  • 74. Explicação:
    • Cuba que era um país socialista tomou medidas que de certo modo modificou sua economia, política, porém essas medidas não tornou Cuba um país socialista de caráter misto, que é a partir do momento em que o estado atua junto com o mercado conjuntamente com o objetivo de por regras para produção e o comércio. Naquele momento veio a idéia de uma “segunda economia”, que significa o envolvimento privado de indivíduos, mas Cuba sofria com a falta de democracia no país.
  • 75.  
  • 76. FRASE 47 O termo Tigres Asiáticos é oriundo dos altos índices de crescimento no setor industrial ocorridos em alguns países asiáticos como Hong Kong, Cingapura, Coréia do Sul e Taiwan, tal ascensão se desenvolveu entre os anos de 1960 e 1990. O elevado crescimento apresentado por esses países é proveniente principalmente da abundante quantidade de mão-de-obra disponível no mercado, como a procura por trabalho é grande a desvalorização dos salários praticados é evidente, ou seja, lei da oferta e da procura, quando a oferta está grande o preço tende a cair. Esse fato é acompanhado por leis trabalhistas frágeis e pouco atuantes, outros fatores que contribuíram para o elevado crescimento foram os incentivos tributários e os baixos custos para a instalação de empresas oriundas de capitais externos. Os Tigres Asiáticos produzem em grande escala produtos eletrônicos e de informática que são distribuídos para o mundo todo. Diante desse fato, basta observar a origem de muitos aparelhos eletrônicos que fazem parte de nossas vidas, como mp3, celulares, brinquedos e muitos outros que quase sempre são dos países que integram o grupo em questão.
  • 77. COMENTÁRIO
    • A texto é sobre o Tigres Asiáticos. Os países tiveram um rápido desenvolvimento. O começa em 1960 até 1990, mas o desenvolvimento não acaba 1990, até hoje o tigres tem desenvolvimento. A maior sector tigres é os eletrônicos. Muitos empresas querem produção de tigres no país.
  • 78. Slide 3
  • 79. FRASE 49 FATORES QUE FAVORECERAM O DESENVOLVIMENTO DOS TIGRES ASIÁTICOS: Além de um sério planejamento econômico, outros fatores favoreceram o desenvolvimento destes países. Alguns fatores muito importantes: Investimento de capital estrangeiro, principalmente norte-americano e japonês, que via nesses países uma localização estratégica para fortalecer o capitalismo contra o socialismo, na época da Guerra Fria; Exploração da força de trabalho, relativamente barata, que compensava a falta de matérias-primas - as férias são muito reduzidas, a jornada de trabalho elevada e a previdência social restrita; Distribuição mais equilibrada de renda em relação a outros países capitalistas; - Estados altamente centralizados e ditatoriais; - Economias voltadas fundamentalmente para o mercado externo; Ética confucionista - estabelece um modelo socioeconômico que enfatiza o equilíbrio social, a consciência de grupo, a hierarquia, a disciplina e o nacionalismo. As grandes empresas são vistas como grandes famílias, viabilizando, muitas vezes, a ordem e a maior produtividade, o crescimento econômico dos Tigres Asiáticos alicerçou-se na associação entre as empresa privadas e o governo, que garantiu proteção às empresas nacionais por meio de barreiras alfandegárias e criou mecanismos legais de incentivo à exportação e investimentos estrangeiros. Nos países dos Tigres Asiáticos foram criadas as Zonas de Processamento de Exportação (ZPEs), com isenção de impostos e terrenos cedidos pelo estado. Num segundo momento o crescimento das ZPEs foi apoiado pelas próprias empresas.
  • 80. COMENTÁRIO Fora um ótimo plano econômico, favoreceram o crescimento em termos de desenvolvimento da Ásia outras características como a apresentação inicial de algumas regiões do pacifico de grandes avanços econômicos que as fizerem a receber o nome de Tigres Asiáticos. Eles usaram estratégias muito boas para atrair capital estrangeiro, o que implica a dizer,capital especulativo, utilizando da mão-de-obra barata, isenção de taxas de impostos e no baixo custo de se abria empresas. Outros pontos em comum aos Tigres Asiáticos são: seu pequenos mercados de consumidor interno, pesados investimentos em industrias voltadas a exporta, acelerado crescimento econômico. As áreas escolhidas eram marcadas por economias tradicionais ou muito ligadas às atividades agrícolas: Malásia, Tailândia, Vietnã, Indonésia e Filipinas. Desta maneira observa-se de que nada no “mundo Asiático” e dos seus Tigres aconteceu por acaso, os principais fatores deste tão invejado de desenvolvimento são: Investimento de capital especulativo; exploração da força de trabalho; melhor e mais equilibrada distribuição de renda; estados altamente centralizados e ditatoriais; econômicos fundamentados na exportação; e estabelecimento de um modelo socioeconômico que enfatiza o equilíbrio social.
  • 81.