• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
GuimarãEs   Conflitos Internacionais
 

GuimarãEs Conflitos Internacionais

on

  • 6,406 views

 

Statistics

Views

Total Views
6,406
Views on SlideShare
6,323
Embed Views
83

Actions

Likes
0
Downloads
142
Comments
5

6 Embeds 83

http://profmariodemori.blogspot.com 55
http://profmariodemori.blogspot.com.br 14
http://www.profmariodemori.blogspot.com 6
http://www.slideshare.net 6
http://www.google.com.br 1
http://profmariodemori.blogspot.pt 1

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

15 of 5 previous next Post a comment

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Quem controlava a Politica Expansionada na 1 [ guerra Mundia?
    me responda
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • É legal todo o seu conteúdo de matérias mais responda rápido vai
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • go! vai pressa prova
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • rapido
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Quem controlava a Politica Expansionada na 1 [ guerra Mundia?
    me responda
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    GuimarãEs   Conflitos Internacionais GuimarãEs Conflitos Internacionais Presentation Transcript

    •  
      • Já não se fazem mais GUERRAS COMO ANTIGAMENTE...
      • Conflitos ATUAIS tem causas
      • MÚLTIPLAS...
      • ECONÔMICAS....
      • RELIGIOSAS...
      • PELA POSSE DA ÁGUA...
      • QUEM SOFRE SÃO OS INOCENTES...
      • REFUGIADOS SÃO MUITOS...
      • MAS...
      • COMO SEMPRE...
      • ALGUÉM... SAI GANHANDO...
      • É A INDÚSTRIA ARMAMENTISTA...
      • Atualmente, a mídia nacional e internacional têm dado grande ênfase às questões políticas mundiais e, portanto, nos tem apresentado os grandes focos de tensão. Esses focos têm sido bastante explorados no vestibular e, para que se tenha um bom desempenho neste conteúdo, aqui vão algumas dicas.
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
      • ESPAÇO: O espaço geográfico é o espaço construído e transformado pelo Homem.Mais basicamente é onde vivemos.
      • É o espaço das SOCIEDADES ou a dimensão espacial do social - ou ainda o modo pelo qual as sociedades estabelecem as distâncias que separam seus componentes (indivíduos, unidades produtivas, ESTADOS, recursos, etc.).
      • O espaço geográfico contém elementos "naturais" (rios, planaltos, planícies e etc.) e artificiais (casas, avenidas, pontes, etc.).
      • Pode receber vários significados, mas na ciência geográfica é definida como um conjunto de estruturas naturais e sociais de um determinado lugar no qual desenvolvem uma intensa interatividade, seja entre os elementos naturais, entre as relações humanas e desses com a natureza. Geograficamente, a paisagem é tudo aquilo que podemos perceber por meio de nossos sentidos (audição, visão, olfato e tato), mas o que mais destaca é a visualização da paisagem.
      • É é um elemento de base do espaço geográfico, por isso ressaltamos seus pontos singulares, identificáveis e identificados. O senso comum desta noção já traz componentes geográficos. A palavra deriva do latim, locus , lugar onde se instala.
      • Palavra que deriva do latim territorium, significa grande área ou extensão de terra delimitada.
      • A auto-referência, quando o território adquire um valor emblemático para o grupo social que constrói suas representações e o reivindica;
      • A apropriação do espaço por um indivíduo ou por um grupo social;
      • a.
      • No fim do século XX, a ONU contava com 54 missões de paz em regiões afetadas pela guerra ou em vias de pacificação.
      • Guerras entre Estados-Nações, guerras civis, guerrilhas, ocupação de territórios à força e movimentos de separatismo dentro de Estados-Nações acontecem em todos os continentes, exceto na Oceania.
      • Os principais motivos dos conflitos que ocorrem no mundo são: disputas por território, soberania do Estado nacional (nacionalismo e separatismo), rivalidades étnicas e religiosas, questões de fronteiras, recursos minerais e, até mesmo, água. A pobreza é também causa de muitos desses conflitos.
      • Atualmente, a mídia nacional e internacional têm dado grande ênfase às questões políticas mundiais e, portanto, nos tem apresentado os grandes focos de tensão. Esses focos têm sido bastante explorados no vestibular e, para que se tenha um bom desempenho neste conteúdo, aqui vão algumas dicas.
      • 1º) Estudo da posição geográfica da área Trata-se de um dos elementos básicos de análise, pois, muitas vezes a localização estratégica de uma área pode ser um dos elementos-chave do foco. Veja o caso do Oriente Médio, por exemplo. Para a realização e interpretação desse estudo, é indispensável fazer uso da cartografia, através de mapeamento.
      • 2º) Relação do conflito com a Teoria Centro-Periferia Normalmente, um foco está relacionado com uma das partes de maior poder, o centro, representado pelo Estado ou por um grupo humano, e a periferia, que corresponde à parte mais fraca e oprimida.
      • 3º) Análise do foco de tensão Trata-se de uma descrição dos acontecimentos — como, por exemplo, quem está lutando contra quem. O governo colombiano e os guerrilheiros das FARC exemplificam bem essa questão. Outro aspecto importante é a ideologia de quem faz a análise. Todo cuidado é pouco ao se interpretar um determinado foco, pois a mídia, muitas vezes, tende a uma análise em função de sua identidade ideológica. As notícias veiculadas pela CNN (EUA) durante a guerra do golfo e no conflito de Kosovo servem como ilustração desse aspecto.
      • 4º) Forças presentes O foco pode ter uma ou várias causas básicas, diretas e indiretas. Como exemplos temos a influência dos países centrais, a exemplo dos EUA, e a questão étnica e religiosa, que tem determinado vários conflitos da atualidade.
      • 5º) Levantamento de hipóteses sobre o futuro do foco Esta é uma das questões mais complexas da Geografia Política, pois os processos políticos são dinâmicos e incertos. Um estudo mais detalhado dos itens anteriores pode deixá-lo mais seguro para levantar algumas hipóteses do foco em questão.É importante ressaltar que, após o término da Guerra Fria e concomitantemente com o fim do denominado Conflito Leste-Oeste, acreditava-se que o mundo iria entrar em uma época de paz. Entretanto, constata-se que os conflitos apenas mudaram de natureza, sendo que na maioria dos casos eles não têm mais a conotação ideológica (capitalismo x socialismo) do passado, mas a influência das questões separatistas, religiosas e étnicas
      • O INDEPENDENTISMO, também chamado por vezes separatismo, é um conjunto de IDEOLOGIAS NACIONALISTAS que têm a ver com a reivindicação dos direitos NACIONAIS por parte de um povo sem ESTADO face a um Estado expansionário maior. Nas aplicações normais em português, muitas vezes o termo separatismo recebe uma denotação pejorativa. Há diversas formas de independentismo, que podem aparecer misturados: de base POLÍTICA, cívica ou administrativa de base ÉTNICA ou RACIAL de base RELIGIOSA de base social
      • Existem ainda movimentos independentistas de diverso signo político, alguns com base na reivindicação livre exercício de AUTODETERMINAÇÃO reconhecido pelas principais instâncias internacionais, outros promovidos de maneira mais ou menos "artificial" com base em interesses econômicos de elites poderosas, como no caso da região PADÂNIA, no norte da (ITÁLIA) ou o departamento de SANTA CRUZ, na BOLÍVIA.
      • País Basco , da Espanha e da França Catalunha , da Espanha Galiza , da Espanha Córsega , da França Bretanha , da França Curdistão , da Turquia , do Iraque , do Irã , da Armênia e do Azerbaijão Quebec , do Canadá Mapuche , do Chile
    •  
      • No fim do século XX, a ONU contava com 54 missões de paz em regiões afetadas pela guerra ou em vias de pacificação.
      • Guerras entre Estados-Nações, guerras civis, guerrilhas, ocupação de territórios à força e movimentos de separatismo dentro de Estados-Nações acontecem em todos os continentes, exceto na Oceania.
      • Os principais motivos dos conflitos que ocorrem no mundo são: disputas por território, soberania do Estado nacional (nacionalismo e separatismo), rivalidades étnicas e religiosas, questões de fronteiras, recursos minerais e, até mesmo, água. A pobreza é também causa de muitos desses conflitos.
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
      • Os problemas na Irlanda do Norte são conseqüência de uma longa história de conflitos entre católicos (irlandeses) e protestantes (ingleses).
      • Os católicos, majoritários na República da Irlanda, mas minoritários na Irlanda do Norte (Ulster), reivindicam a separação do Ulster em relação ao Reino Unido. Para combater o domínio britânico, formou-se o IRA (Irish Republican Army/Exército Republicano Irlandês) – grupo que se notabilizou por uma série de atentados terroristas.
      • Um acordo de paz foi assinado em 1998, porém a situação ainda é relativamente tensa.
    •  
    • CATÓLICOS X PROTESTANTES
    •  
      • Cáucaso: região de grande diversidade étnica, teve duas influências religiosas fundamentais: a cristã ortodoxa e a islâmica. Os conflitos atuais dessa região estão ligados a nacionalismos (motivos políticos) e às diferenças religiosas.
      • Maiores problemas da Rússia ocorrem nas repúblicas da Chechênia e do Daguestão, com vários grupos lutando pela independência e para implantar Estados Islâmicos, empregado inclusive táticas terroristas (Moscou, Beslan).
      • Entre 1994 e 1996, ocorreu violenta guerra entre os rebeldes chechenos e a Rússia, arrasando várias cidades da república. Conseguiu-se uma autonomia parcial, mas em 1999, o governo russo volta a intervir na região.
    •  
    •  
    •  
    •  
      • 1920 – formação do Reino da Iugoslávia.
      • 2ª G.M. – resistência iugoslava (partisans) aos nazistas.
      • 1945 – Iugoslávia adota o socialismo sob a liderança do general Tito, sem alinhar-se com a União Soviética.
      • 1980 – morte do general Tito – início da crise iugoslava.
      • 1991 – Croácia, Eslovênia, Bósnia-Herzegovina e Macedônia declaram independência.
      • 1994 – Conflito na Bósnia envolvendo sérvios, croatas e bósnios muçulmanos, com cerca de 250 mil mortos, várias acusações de limpeza étnica e participação da OTAN no acordo de Dayton (1995).
      • 1998 – Conflito em Kosovo (província da Sérvia), que possui maioria albanesa. Os sérvios são acusados de limpeza étnica e a OTAN bombardeia a Iugoslávia (hoje já dividida em Sérvia e Montenegro). Forças da ONU ocupam Kosovo.
      • 2001 – Ocorrem conflitos entre rebeldes étnicos albaneses e o governo macedônio. É firmado um acordo de paz entre as partes.
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
      • Apesar de ser um dos países com melhores índices sociais do mundo, o Canadá tem uma pendência política interna. A região de Quebec é uma antiga colônia da França que mantém até hoje a língua e as tradições francesas.
      • Os habitantes dessa província reclamam de uma forte discriminação política e econômica, uma fez que são minoria ante as províncias de origem inglesa.
      • EZLN (Exército Zapatista de Libertação Nacional) – movimento rebelde que, em 1º de janeiro de 1994 (início do NAFTA), ocupou várias cidades no estado de Chiapas. Opôs-se ao governo mexicano, reivindicando o combate à exclusão social e a melhoria dos direitos constitucionais dos povos indígenas. Liderado pelo subcomandante Marcos, iniciou negociações com o governo mexicano e não atua mais por meio do confronto armado. As condições sociais de Chiapas contrastam com grandes reservas petrolíferas e de gás natural encontradas em seu subsolo.
    •  
    •  
      • Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e ELN (Exército de Libertação Nacional) – guerrilhas de esquerda surgidas na década de 1960, muito ativas até 1980. Após esse período, perderam seu caráter ideológico e passaram a atuar buscando desestabilizar o governo colombiano. Cobram ‘pedágios’ dos traficantes de drogas nas áreas que controlam – cerca de metade do território do país. Como oposição a essas guerrilhas surgiram as AUC (Autodefesas Unidas da Colômbia), grupos paramilitares de direita apoiados pelo exército colombiano.
    •                                                      
    •  
    •  
    •  
      • Agravamento da situação econômica a partir da década de 1990 / “excluídos da globalização” – fraco mercado consumidor e exportação de produtos primários de baixo preço.
      • Conjunto de problemas: fome, guerras civis, aids, miséria, catástrofes naturais, fraca economia, fronteiras artificiais – formam um verdadeiro barril de pólvora.
      • Maioria dos países africanos passou por algum conflito nos últimos quinze anos: Ruanda, Burundi, Serra Leoa, Libéria, Sudão, Somália, Etiópia, Eritréia, República Democrática do Congo, Angola, Moçambique, Argélia são alguns exemplos.
    •  
      • “ À medida que a economia mundial se tornava global e, sobretudo após a queda da região soviética, mais puramente capitalista e dominada por empresas, investidores e empresários descobriram que grande parte dela não tinha interesse lucrativo para eles, a não ser, talvez, que pudessem subornar seus políticos e funcionário públicos para gastar dinheiro extraído de seus infelizes cidadãos com armamentos ou projetos de prestígio. Um número desproporcionalmente grande desses países se encontrava no infeliz continente africano.”
      • Eric Hobsbawn – Era dos Extremos , 1995, p. 355
    •  
    •  
    •  
    •  
    • Darfur
      • Onde fica Darfur?
      Darfur é a região mais a oeste do Sudão, o maior país da África. Ela se espalha pelo deserto do Saara, pelas savanas secas e florestas da África central. Ela é maior que a França, apesar de esparsamente povoada. A população de Darfur vive da terra, a cultivando durante a estação das chuvas (Junho - Setembro) e criando animais. Darfur foi um sultanato independente de cerca de 1600 até 1916, quando foi integrado ao vizinho Sudão e se tornou o maior território a ser absorvido pelo império britânico. Após a independência do Sudão em 1956, Darfur foi negligenciado, com pouco desenvolvimento económico.
      • Quem são os darfurianos? Cerca de um terço da população de Darfur (cerca de 6,5 milhões no total) é composta de descendentes de árabes que migraram pelo Saara entre os séculos 14 e 18, se casando com os habitantes locais de forma que a maioria é fisicamente indistinguível de seus vizinhos não-árabes. Darfur também tem uma longa história de migração da África Ocidental.
    • Darfur Acampamentos 5:00 http://br.youtube.com/watch?v=hd6LQHY3Bxo SUDÃO = Maior território da África, marcado pela guerra civil e atualmente pelo genocídio em Darfur, entre o ditador muçulmano Omar al-Bashir(89), guerrilheiros cristãos e animistas do sul envolvendo exploração de petróleo.
    • O conflito de Darfur (ou genocídio de Darfur ) é um conflito armado em andamento no oeste do Sudão, que opõe principalmente os janjawid - milicianos recrutados entre os baggara , tribos nômades africanas de língua árabe e religião muçulmana - e os povos não-árabes da área.
    • A maioria das ONGs trabalha com a estimativa de 400.000 mortes. O número de pessoas obrigadas a deixar seus lares é estimado em 2 000 000. A mídia vem descrevendo o conflito como um caso de "limpeza étnica" e de "genocídio". O governo dos EUA também o considera genocídio, embora as Nações Unidas ainda não o tenham feito.
    • No dia 4 mar 2009 o Tribunal Penal Internacional passou um mandado para a captura de Omar al-Bashir. É o primeiro Chefe de Estado em exercício a ser alvo de um mandado internacional de captura. E o procurador Luís Moreno-Ocampo garantira ter reunido provas suficientes para sustentar as acusações de genocídio no Conflito de Darfur formuladas contra al-Bashir Comentário GloboNews 4:19
    • Em 1997 Os EUA iniciaram sanções contra o governo e suas petrolíferas se retiraram do país sendo substituídas por empresas de outros países como a Total (França), KFPC (Kuwait), ONGC ( India ), Petronas (Malásia) e CNPC (China). A CNPC é controladora do consórcio Greater Nile Petroleum Operating Company (GNPOC), que inclui a Total, a ONG e a Sudapet (estatal Sudanesa).
    • Campo de refugiados ruandeses na Tanzânia
    •                                  Com 350 mil refugiados, o campo de Kibumba cresceu ainda mais quando o governo do Zaire transferiu refugiados de Goma e de Munigi para lá. Zaire, 1994                                              Como 350 mil pessoas chegaram ao campo de Benako em apenas quatro dias, as condições iniciais eram deploráveis. Tanzânia, 1994.
    •                                       Cadáveres de tutsis (a maioria estava cruelmente mutilada) em uma escola abandonada. Nyarubuye, Ruanda, 1995                                        No campo de Kibumba, milhares de ruandeses morriam todo dia de cólera, disenteria, fome e desespero. Os tratores do exército francês empilham os corpos contra montes de lava vulcânica, depois os cobrem com terra. A morte tornou-se um problema logístico. Zaire, 1994.
    •  
    • Os principais conflitos asiáticos são: 1 – O Oriente Médio e a questão da Palestina; e o problema do petróleo (aula número 1) 2 - Crise do Líbano 2 - A questão Curda 3 - Crise da Caxemira 4 -A invasão ao Iraque 5 - O problema da Coréia com o Ocidente 6 - A questão do Afeganistão 7 - China/Tibet/Taiwain
    • 1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 - Palestina 2 - Líbano 3 – Curdos 4 – Caxemira 5 – Iraque 6 – C. do Norte 7 – Afeganistão 8 – Tibet 9 – Taiwan 10 – Casos especiais (Índia/ China)
    • A questão Libanesa O sectarismo e a religião levam o Líbano ao caos.
    • ASPECTOS GEOGRÁFICOS Área: 10.400 km2 População: 3,6 milhões Comparações: Áreas – Sergipe no BR tem uma área de 21.910km² Populações – A soma das populações de BH, Contagem e Betim tem a mesma população que o Líbano O estado de SP no Brasil tem mais libanês do que no Líbano. Ocupação do Hizbollah Ocupação de Israel na Síria
    • Perceba: O problema político pela divisão de cargos. Divisão religiosa-política Elege o 1º Ministro 25% 25% 35% 5% 10% Sunitas Maronitas Xiitas Drusos Outros Elege o Presidente Presidente do Parlamento Cargos do 2º escalão
      • Sectarismo após a 1ª G. Mundial – França
      • Origens dos problemas atuais:
        • chegada da OLP nos anos 60
        • Beirute dividida: muçulmanos (W) e cristãos (E) e o centro destruído
        • Maronitas X Sunitas – Guerra Civil (1975/90)
        • Ocupação pela Síria
    • O Líbano e suas divisões
      • Problemas enfrentados pela Síria:
      • Ingerência israelense.
      • Ocupação territorial no sul do país.
      • Ingerência dos sírios.
      • Discordância das facções religiosas.
    • Conseqüências das mudanças no séc XXI
      • Revolução dos Cedros.
      • Retirada das tropas da Síria.
      • Seguidores de Hariri vencem a eleição com apoio pró-ocidental.
      • Hezbollah elege parlamentares que passam a fazer parte do governo libanês.
      • O Líbano enfrenta manifestações pró e contra a Síria dentro do país.
      Foi a revolta contra a presença Síria.
      • Ofensiva de Israel no sul é a resposta contra a morte e captura de seus soldados.
      • Israel (E.Olmert) considerou o fato como guerra pela presença do Hezbollah no governo.
      • Hezbollah argumenta que o ataque é forma de pressionar Israel para libertar prisioneiros palestinos.
      • Israel ataca a comunidade do Hezbollah, que misturado a população civil do sul do Líbano, cria um problema internacional.
      A guerra de Israel contra o Hezbollah
      • Israel afirma que Hezbollah é um Estado dentro de um Estado.
      • Conseqüências desses fatos: Líbano à beira de uma explosão!
      • As questões libanesas não cessaram, pois o sectarismo e as divisões religiosas, como também os atentados, não dão paz aos civis libaneses.
      Parte final
    • 1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 - Palestina 2 - Líbano 3 – Curdos 4 – Caxemira 5 – Iraque 6 – C. do Norte 7 – Afeganistão 8 – Tibet 9 – Taiwan 10 – Casos especiais (Índia/ China)
    • Mapa do Oriente Médio (Curdos) curdos Símbolo do futuro do Curdistão Partido que luta pela formação do Estado do Curdistão.
      • 1947 – Partilha da Palestina/Israel pela ONU
      • 1948-49 – implantação do Estado de Israel / guerra contra árabes
      • 1956 – Guerra de Suez pelo controle do canal contra o Egito
      • 1967 – Guerra dos Seis Dias – ocupação de vários territórios por Israel (Cisjordânia, Faixa de Gaza, Sinai, colinas de Golan)
      • 1973 – Guerra do Yom Kippur – choque do petróleo
      • Década de 1980 – primeira Intifada – “revolta das pedras”
      • 1993-95 – assinatura de acordos de paz entre Israel e a OLP de Yasser Arafat – devolução gradual dos territórios palestinos
      • 2001 – eleição de Ariel Sharon e paralisação das negociações; nova Intifada, seqüência de atentados terroristas.
      • 2004 – morte de Arafat; indefinição do conflito
      • Problemas : Jerusalém, assentamentos judaicos, Estado Palestino
    •  
    • Maior nação do mundo sem um território, 25 milhoes de habitantes, sendo: 15 M na Turquia, 6 M no Irã 4 M no Iraque 1,5 M na Síria e Armênia Querem um ideal: a formação do estado do Curdistão. CURDOS: UM SÉRIO PROBLEMA NO ORIENTE MÉDIO
    •  
    • • Ocupam a área há mais de 30 séculos, dos Montes Taurus, na Turquia, aos montes Zagros, no Iraque. • Praticamente todo o petróleo explorado na Síria e 1/3 do petróleo iraquiano é explorado nessa área. • Foram atacados com gás nervoso pelos iraquianos em 1988, resultando em centenas de mortos (Gov S. Hussem) • A solução dessa questão cria um sério problema com a Turquia: único país democrático da região, pertencente à Otan e detém o controle do Canal de Bósforos.
    •  
    • O que os curdos questionam? Estão nessa área há mais de 2 mil anos, são islâmicos, mas não árabes. O não comprimento de acordos pós 1ª Guerra Mundial. Uma conquista curda Na invasão norte-americana ao Iraque em 2003, o EUA prometeu e teve que cumprir a autonomia aos curdos (2006) iraquianos no Iraque. Este fato criou novos problemas, pois levantou a hipótese da formação do Estado do Curdistão. Sendo assim, houve invasões à Turquia dos curdos iraquianos, o que fez a Turquia agir com rigor provocando novos conflitos dos com os curdos no seu espaço.
    • Por que o Ocidente não luta pelos curdos? • A questão gira em torno da Turquia, onde existe o maior número de curdos. • A Turquia controla a saída do Canal de Bósforos (importante região de passagem de petróleo para o Ocidente). Istambul, no passado, se chamou Constantinopla.
    • • A Turquia é aliada da OTAN (recebe o apoio norte-americano). • A Turquia aceitou o Estado de Israel como soberano no final do sec. XX • A Turquia é o maior país aliado dos EUA no Oriente Médio (os EUA pressionam a E.U. a Turquia como membro). A União Européia tem questionado o apoio dos EUA à Turquia e não vê com bons olhos a entrada deste país para o seu grupo, pois são 70 milhões de turcos e a Europa tem a islamofobia . x fim
    • 1 - Palestina 2 - Líbano 3 – Curdos 4 – Caxemira 5 – Iraque 6 – C. do Norte 7 – Afeganistão 8 – Tibet 9 – Taiwan 10 – Casos especiais (Índia/ China) 4
    • Mapa da Caxemira
      • Maioria da população é muçulmana: religião principal do
      • Paquistão, mas a maior parte do ter. pertence a Índia.
      • Já existiram três graves conflitos, entre eles 1948/65/71
      • Esses conflitos já mataram mais 200 mil pessoas e levaram
      • 12 milhões de habitantes a migrar.
      • A questão ficou tensa 1999 , quando os dois países fizeram
      • testes nucleares, levando a ONU a condená-los. Junto a
      • ONU , EUA criou o Embargo Econômico a esses países.
      Caxemira é marcada por tensão religiosa entre grupos separatistas.
    • 5 – O Embargo feito pelos EUA na ONU não durou muito tempo. Em 2001 o atentado à NY, levou os EUA a retirar o Embargo à região, pois precisava do espaço geográfico para atacar o Afeganistão, sede do Talibã. Em 2004, sob pressão internacional, as negociações sobre a região foram reabertas, mas os problemas só tem agravado na região: a) a área tem a maior parte da população com baixa renda b) a região não tem riquezas minerais e nem energéticas
    • c) sofreu violentos terremotos em 2006/8, o que tem dificultando ainda mais os problemas . d) A pedido da ONU, é um conflito em suspensão. e) Mas continua sendo um problema político entre a Índia e o Paquistão. X
    • Caxemira Esse conflito se tornou um problema para o mundo , quando, no final dos anos 90, armas nucleares foram usadas pelos dois países.
    • Existem pressões para: A saída da Índia da Caxemira A anexação ao Paquistão. A independência da Caxemira. fim
    •  
    • Punjab Um conflito religioso na Índia
    • Um conflito pouco noticiado dentro da India O Punjab dos SIHKS. Conflito que luta pela independência contra o governo Indiano A Índia ainda sofre com o problema do Punjab
    • 1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 - Palestina 2 - Líbano 3 – Curdos 4 – Caxemira 5 – Iraque 6 – C. do Norte 7 – Afeganistão 8 – Tibet 9 – Taiwan 10 – Casos especiais (Índia/ China)
    •  
      • Como é a divisão ÉTNICO-RELIGIOSA do Iraque:
      • ÁRABE XIITA: 60%;
      • ÁRABE SUNITA: 25%;
      • CURDOS: 10%;
      • CRISTÃOS: 5%.
    •  
    • Problemas enfrentados pelo Iraque no final do sec. XX • Guerra do Golfo (1991). Invasão dos aliados americanos motivados pela invasão do Iraque ao Kuwat. • Conseqüência: Embargo econômico ao Iraque feito pelos EUA que dificultou a vida iraquiana, permitindo apenas a troca do petróleo por remédios e comidas. • Queda vertiginosa da produção do petróleo Problemas enfrentados pelo Iraque no ínicio do sec. XXI • País condenado pelo EUA como Eixo do Mal.
    • Por que os Estados Unidos e a Grã-Bretanha invadiram o Iraque? Os objetivos são muito difusos. Esses países queriam: • Provar que o Iraque possuía armas de destruição em massa: químicas e biológicas. (Esse dado não foi confirmado). • Queriam provar também que o país tinha envolvimento com o terrorismo internacional e envolvimento com o Al Qaeda. (Nada ficou provado). • Querem reordenar politicamente o Iraque e estender essa ação ao demais países do oriente médio, opondo-se às ditaduras. ( Não conseguiram até 2008 nenhum dos objetivos). Invasão dos estados unidos ao Iraque 2003
      • Os árabes xiitas querem implantar uma República Islâmica, nos moldes iranianos (o maior problema norte-americano).
      • Piorou a qualidade de vida iraquiana pois:
        • Houve fracasso da política imposta pelos EUA.
        • Surgimento de milícias locais
        • Destruição do sítio arqueológico dos Assírios e Babilônios.
        • Perda do prestígio americano
        • O mundo percebe que a presença americana na região é devida às reservas pretolíferas.
      • Desarticulado totalmente com contínuos atentados da população local contra a pesquisa e a produção de petróleo.
      • Ausência de investimento internacional na produção de petróleo por falta de segurança
      • O país entrou em processo de vietinamização.
      • Após 5 anos, não se percebe sinais de estabilidade
      Como está o Iraque hoje?
      • Analistas acreditam que o conflito não termine antes de 2012.
      • Existem um medo e insegurança dos soldados americanos contra os insurgentes.
      • Mais de 4 mil soldados americanos já morreram neste conflito.
      • Mais de 70 mil civis iraquianos mortos.
      • País completamente desarticulado.
      • Problemas sem fim.
      fim
    • A isolada Coréia do Norte A situação piorou com o fim da URSS em 1991, que dava apoio à sua economia. Existe uma “cerca-viva”, ou um muro que separa as duas Coreias, desde os anos 50, no paralelo de 38graus LN.
    • • Em 2002, foi incluída no Eixo do Mal com a suspeita de programas nucleares e ajuda à terrorismo. • Em 2005, rompeu com o Tratado de Não-proliferação Nuclear. • Em 2006, o Japão anunciou sanções devido à este país ter lançado mísseis no mar do leste e enviou navios-guardas para protegê-lo. • Risco Nuclear: a possibilidade de construção de bombas e mísseis teleguiados tem assustado o Japão e alertado os Estados Unidos.
    • • Os EUA pressionam esse país a abandonar seu programa nuclear. • A Coréia pede compensações políticas e econômicas para abandonar as atividades nucleares. Este impasse não terminou.
    • O PIB baixo da Coréia e a maior parte do PIB do país é utilizado para custear o exercito e o poder do ditador e líder King Jong-1
    • A questão do Afeganistão
      • 1º alvo militar da Doutrina Bush.(Asas da Liberdade)
      • País que abrigou Osama e seus companheiros, que atacaram
      • os EUA.
      • O regime do Talibã foi desmantelado, mas analistas
      • Internacionais afirmam que ele está de volta. (a questão da droga aumentou no país, o maior produtor mundial de heroína)
      • Muito de seus militantes presos, levados para base
      • naval de Guantânamo. (polêmica do Acordo de Genebra)
      Afeganistão é uma desgraça continua
    • • Existe uma força internacional de Paz dentro do país, e a OTAN também atua naquele país. • Com um presidente eleito sob a tutela americana, esse país nada tem a comemorar. • A instabilidade no país é tão grande que não se pode medir o IDH. • Os analistas internacionais afirmam que o Talibã está de volta no interior do país e o governo sob tutela americana atua apenas nas regiões próximas à capital.
    • Suas mulheres continuam usando a burca e os atentados são constantes .
    • 7 fim
    • A China mantém um relacionamento complicado com Taiwan, que afirma ser uma província rebelde e quer retomar esse território. (Taiwan /Tigre asiático de destaque no capitalismo). China /Taiwan China Taiwan
    • Área: 35.908 km² População: 23 milhões/hab Comparação: Rio de Janeiro no Brasil 43.691 km² População do RJ tem 17milhões/hab. Taiwan
    • Taiwan Em julho de 2007, o país solicitou o seu reingresso na ONU, pelo 15° ano consecutivo. De forma inédita, porém, o pedido é como Taiwan e não sob o nome oficial de Republica da China , a solicitação é novamente negada. Não podemos esquecer que a China popular faz parte do conselho da ONU e bloqueia a entrada de Taiwan como país. fim
    • China e a questão tibetana O Tibet localiza-se nas partes elevadas do Himalaia dentro da China. China Tibet
    • • Ocupado pela China nos anos 50 do sec. XX, teve a luta pacífica do Dalai Lama , mas que foi “domado” pelo gigantismo da China. • Em Março de 2005 , rendeu-se à China, dizendo ser um fato consumado e reconheceu que Tibet pertence a China. • Em 2008, com as Olimpíadas, os monges tibetanos fizeram manifestações para mostrar ao mundo a insatisfação da ocupação chinesa na região. Tibet
    •  
    • O líder espiritualista do Tibet, Dalai Lama, novamente chamou a atenção do mundo contra o rigor do governo chinês no Tibet, onde morreram mais de mil pessoas na passagem da tocha olímpica. Tibet
      • 1975 – independência em relação a Portugal.
      • 1975-1999 – anexação do Timor Leste pela Indonésia.
      • 1999 – plebiscito define desocupação indonésia do país; militares indonésios atacam a população civil; intervenção de tropas da ONU.
      • 2001-2002 – realização de eleições e pacificação completa do país.
    •  
    •  
    •  
      • Os exércitos da Etiópia e da Eritréia, dois dos países mais pobres do mundo, voltaram a trocar pesados bombardeios nesta sexta-feira, encerrando uma trégua parcial que durou quase um ano.
      • Os dois países africanos estão em guerra desde 1998, por causa de desentendimentos a respeito de suas fronteiras.
      • Nações Unidas (ONU), Catherine Bertini, avalia que a situação no Chifre da África (região Nordeste do continente) "pode ficar desesperadora e quase 16 milhões de pessoas estão em perigo". Bertini, enviada especial da ONU para a seca na região, iniciou na terça-feira uma viagem pela Etiópia, Eritréia, Djibuti, Somália e Quênia. "Não existe fome generalizada, embora haja áreas onde as pessoas estão morrendo por falta de comida, principalmente por causa da seca. Se a seca piorar e não chegar comida, a situação vai ficar muito difícil e pode haver uma grande fome", diz Bertini.
    •  
      • fundamentalismo islâmico, por sua vez, fez avanços significativos no norte da África, com atentados no Egito, Líbia, Marrocos e, principalmente, na Argélia. Neste país, desde 1991 a Frente Islâmica de Salvação (FIS) tornou-se um partido influente e, face à sua vitória no primeiro turno das eleições em 1992, o processo foi suspenso e implantada a lei marcial, regida pelos militares. Iniciou-se então uma guerra civil esporádica, com grande número de atentados e massacres de civis.