Grupo 5

844 views
782 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
844
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Grupo 5

  1. 1. A Dívida externa brasileira Suas causas, conseqüências e atualmente...
  2. 2. A dívida externa brasileira <ul><li>A dívida externa do Brasil surgiu com da chegada da família real portuguesa em 1808, quando Dom João VI, fugindo da invasão Francesa comandada por Napoleão, trouxe junto a ele dívidas contraída pela Casa Real Portuguesa na Inglaterra. Já em 1824 acontece uma das primeiras dívidas, onde o valor foi de 3 milhões de libras, que recebeu o nome de “empréstimo português” , esse dinheiro foi destinado a cobrir dívidas do período colonial, um pagamento a Portugal por ter reconhecido a independência do país. </li></ul><ul><li>Desde o princípio o crescimento da dívida brasileira foi constante, aconteceu o empréstimo conhecido como “Ruinoso”, depois com o “Convênio de Taubaté” e ganhou mais intensidade a partir do golpe militar de 1964. A dívida, quando os militares assumiram o governo, era de cerca de 2,5 bilhões de dólares. Nos primeiros anos os ditadores endividaram pouco o país, mas a partir de 1969 o endividamento cresceu rapidamente, chegando em 1985, quando o último general deixou o governo, a passar de 100 bilhões de dólares. </li></ul><ul><li>As maiores conseqüências é que o mundo inteiro está em crise com a situação da dívida global, com isso muitos países estão em situação difícil. As diversas guerras que o mundo presencia tem origem no desejo de independência, de rompimento com os países ricos que provocaram esta situação. Como resultado de todas essas dívidas, ficou a destruição da indústria nacional, uma das mais baixas parcelas de renda nacional do continente. </li></ul><ul><li>Atualmente a dívida externa é um dos assuntos mais polêmicos da atualidade, porque envolve todos os países do terceiro mundo e uma grande parte do primeiro. Porém, a dívida começa a existir, a partir das relações internacionais de compra e venda de produtos. </li></ul><ul><li>Em 21 de fevereiro de 2008, o Banco do Brasil mostrou que o Brasil possui recursos suficientes para quitar com a dívida externa. Pois o país apresentou reservas maiores do que a dívida externa no setor público e privado. Foi a primeira vez na história do País que o Brasil deixou de ser devedor, e seu empréstimo no exterior ficou em 6, 983 bilhões de dólares em janeiro de 2008. </li></ul>
  3. 3. O Brasil na Nova Geografia Comercial ...
  4. 4. Global Trader <ul><li>Global Trader é uma empresa do ramo das telecomunicações que atua em vários países do mundo levando a informação em tempo real através de modernos satélites e da tecnologia que interage com toda e qualquer forma de mídia inventada ou conhecida pelo ser humano. Como um país que se relacionam comercialmente com vários outros. </li></ul>
  5. 5. Palavras de uma empresa brasileira Global Trader <ul><li>“ A nossa sociedade se ocupa do comércio exterior, representação e fornecimento de serviços para o desenvolvimento das relações comerciais entre a Europa e o Brasil. O nosso objetivo é a intermediação comercial entre empresas estrangeiras e brasileiras, e principalmente entre empresas italianas e brasileiras, visto que os fundadores da nossa empresa são italianos. Graças as experiências e aos contatos adquiridos, possamos fornecer assistência total para vossas empresas, especialmente as pequenas e media empresas, que querem importar no Brasil ou exportar do Brasil, garantindo a máxima tranqüilidade e segurança , cuidando de todos os detalhes , da pesquisa de mercado até a entrega da mercadoria , para a sua comodidade e para expansão da sua empresa.” </li></ul>
  6. 6. O país rumo a Nova geografia comercial <ul><li>Países em desenvolvimento, como o Brasil, se reuniram no G-77 (que agrupa 130 países) lançaram, durante a décima primeira Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, que se realiza em São Paulo, a Terceira Rodada de Negociações do Sistema Global de Preferências Comerciais (SGPC). Essa reunião tem como foco, a estimulação a expansão do intercâmbio comercial entre países em desenvolvimento, que é fortalecer a participação dos países em desenvolvimento nos setores novos e dinâmicos do comércio mundial e assegurar ganhos de desenvolvimento a partir do comércio feitos por esses intercâmbios. </li></ul><ul><li>O objetivo dessa reunião é estender o sistema de preferências, inicialmente limitado as áreas de serviços e de investimentos. Existe uma lista de 1.600 produtos industriais e agrícolas. Além desse interesse, existe o interesse em novos membros. </li></ul><ul><li>Essa idéia tem dado oportunidade a países em desenvolvimento de expandirem e diversificarem as suas exportações, compensando em parte as dificuldades de acesso a mercado criadas pelos países ricos. Um dos acordos tem contribuído para acelerar programas de liberalização interna referentes ao comércio, complementando as capacidades nacionais e desenvolvendo nichos de especialização. </li></ul>
  7. 7. Novos parceiros do Brasil na Nova Geografia Comercial <ul><li>Países abrem novas parcerias com o Brasil, para que possa obter uma melhor e mais desenvolvida economia em seu país, são eles países em desenvolvimento do Hemisfério Sul, Asiáticos, Europeus, Argentina, México, China. </li></ul>
  8. 8. Conseqüências da política comercial no Brasil <ul><li>Com a Nova Geografia Comercial o Brasil teve um grande destaque no que se diz a desenvolvimento no nosso PIB (Produto Interno Bruto) que ocupa uma posição significativa. </li></ul><ul><li>Na posição de país em fase de desenvolvimento, o Brasil se colocou ao longo das últimas décadas na posição de recebedor de investimentos externos. Em 2006, invertemos essa situação. Os investimentos do Brasil no exterior superaram os recebidos. O setor externo ocupa dia-a-dia uma melhor posição no conjunto da riqueza nacional. </li></ul><ul><li>As exportações brasileiras experimentam novas e promissórias vantagens, há uma crescente diversidade de produtos que participam de exportação. Atingiram grau de diversificação e distribuição equilibradas. Em 2006, do total de nossas exportações, 26,5% foram para países da América Latina, 22% para União Européia, 18% para os Estados Unidos, e 15% para a Ásia. </li></ul><ul><li>Os bons resultados do comércio contribuíram para uma mudança importante na política externa. O Brasil se apresenta no sistema internacional como uma potência média. </li></ul>
  9. 9. Charge da economia brasileira:

×