Your SlideShare is downloading. ×
0
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A Geologia e a Ação Humana Final

13,657

Published on

Published in: Education, Technology
4 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Gostaria de ter este slide nos meus registos, mas não está a ser fácil fazer 'save'.Peço ajuda por favor
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Este slide me ajudou muito a adquirir alguns conceitos e informações no momento de apresentar um seminario de pedagogia com assunto voltado para as ações humanas que ajudam a degradar a natureza de forma a causar a erupção de um vulccão mesmo que 'adormecido', referente ao vulcão do pico do Cabuji no RN
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • este slide adorei porque encontrei na hora certa em que preciso de leccionar uma aula sobre a geologia. muito obrigada
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • este slide adorei porque encontrei na hora certa em que preciso de leccionar uma aula sobre a geologia. muito obrigada
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total Views
13,657
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
363
Comments
4
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A GEOLOGIA E A AÇÃO HUMANA
  • 2. A GEOLOGIA E A AÇÃO HUMANA
  • 3. ASPECTOS GERAIS... <ul><li>A Terra não é apenas o nosso planeta, ela constitui a nossa única possibilidade de vida, ela é a herança para os nossos filhos e netos. A Terra, com a sua atmosfera rica em oxigênio, que nos permite respirar, com a camada de ozônio, que nos protege das radiações ultravioletas, com a água, que nos evita a desidratação, e com as suas amenas temperaturas, oferece-nos o que nenhum dos milhares de estrelas, planetas ou outros corpos astrais nos consegue dar - a vida. Este seria um muito bom motivo para a protegermos e a preservarmos para as gerações futuras. No entanto, diariamente, as agressões à Terra continuam sob as mais variadas formas. A caça ilegal e excessiva continua, as leis de proteção às espécies não são respeitadas, os incêndios espalham-se tão rapidamente, quanto rapidamente se deitam esgotos de todo o tipo para as águas dos rios e oceanos. O Homem dilapida rapidamente os recursos minerais e os recursos biológicos, não parando para refletir que, uma vez esgotado um recurso, este não se renova, antes arrasta consigo duas ou três espécies que dele dependem, que conduzirão à extinção de outras espécies/recursos. </li></ul>
  • 4. CONCLUINDO... <ul><li>O crescimento populacional da espécie humana e o desenvolvimento econômico e tecnológico têm como consequencia um aumento da exploração dos recursos naturais. Recursos naturais são elementos constituintes da Terra com utilidade para o Homem, no sentido de permitir a sua sobrevivência e o desenvolvimento da civilização. </li></ul><ul><li>Os recursos naturais podem ser renováveis e não renováveis. Os recursos não renováveis formam-se a um ritmo muito lento, de tal modo que a taxa da sua reposição pela natureza é infinitamente menor que a taxa do seu consumo pelas populações humanas. São recursos finitos. </li></ul><ul><li>Os recursos renováveis são ciclicamente repostos pela Natureza, num intervalo de tempo compatível com a duração da vida humana. </li></ul>
  • 5. Tempo histórico <ul><li>• Tempo das transformações humanas. Tempo em que as transformações ocorrem com uma intensidade de tempo maior que as do tempo geológicos. </li></ul>
  • 6. Tempo geológico <ul><li>• É o tempo que mede a idade da Terra. O tempo geológico é dividido em eras, que são subdivididas em períodos. Cada etapa desse tempo é marcado pôr acontecimentos que o caracterizam. </li></ul>
  • 7. Tempo Geológico <ul><li>Era Primitiva ou Pré-Cambriana </li></ul><ul><li>Duração de mais ou menos 4,5 bilhões de anos. </li></ul><ul><li>Formação de rochas sedimentares resultantes da deposição de detritos ou sedimentos. </li></ul><ul><li>Maior desenvolvimento da vida. </li></ul><ul><li>Intensa atividade vulcânica e formação de grandes montanhas. </li></ul><ul><li>Início da vida nos oceanos (seres unicelulares, como as algas). </li></ul><ul><li>Chuvas intensas que formaram oceanos e mares. </li></ul><ul><li>Início da formação da atmosfera a partir dos gases e vapores que se desprenderam da Terra quando de seu resfriamento. </li></ul><ul><li>Ausência de vida na terra. </li></ul><ul><li>Formação das primeiras rochas em virtude da solidificação dos minerais. </li></ul><ul><li>Resfriamento da Terra. </li></ul>
  • 8. GEOLOGIA DE PETRÓLEO Tempo Geológico <ul><li>Era Primária ou Paleozóica ( Paleo – antiga e Zóica – vida) </li></ul><ul><li>Duração de 570 milhões de anos. </li></ul><ul><li>Existência de uma única massa continental – a Pangéia – que irá se fragmentar e dar origem aos atuais continentes (veja era Cenozóica, período Quaternário). </li></ul><ul><li>Grande desenvolvimento da vida vegetal (florestas) e da vida animal nas águas e em terra (peixes, répteis, insetos etc.) </li></ul>
  • 9. <ul><li>Era Secundária ou Mesozóica ( Mezo – média ou intermediária e Zóica – vida) </li></ul><ul><li>Duração de 180 milhões de anos. </li></ul><ul><li>No que seria o Brasil, formação das ilhas de Trindade e Martin Vaz e do Arquipélago de Fernando de Noronha. </li></ul><ul><li>Separação da Pangéia em duas outras massas continentais. </li></ul><ul><li>Desenvolvimento de répteis (dinossauros). </li></ul><ul><li>Aparecimento dos mamíferos. </li></ul><ul><li>Plantas de sementes predominam. </li></ul><ul><li>Formação de depósitos de petróleo e gás </li></ul>GEOLOGIA DE PETRÓLEO Tempo Geológico
  • 10. GEOLOGIA DE PETRÓLEO Tempo Geológico <ul><li>Era Cenozóica ou Terciária ( Ceno – recente e Zóica – vida) </li></ul><ul><li>  Terciário </li></ul><ul><li>Duração de 63 milhões de anos. </li></ul><ul><li>Formação de grandes cadeias montanhosas (Andes, Alpes, Himalaia, Rochosas) e do Grand Canyon (EUA). </li></ul><ul><li>Os continentes começam a assumir os atuais contornos. </li></ul><ul><li>Desaparecimento dos grandes répteis (dinossauros). </li></ul><ul><li>Grande desenvolvimento dos mamíferos e aves. </li></ul><ul><li>Grande desenvolvimento dos primatas, ou seja, mamíferos com capacidade de agarrar as coisas com as mãos (macacos e o ser humano). </li></ul>
  • 11. <ul><li>Era Cenozóica ou Terciária ( Ceno – recente e Zóica – vida) </li></ul><ul><li>Quaternário </li></ul><ul><li>Duração de cerca de 1 milhão e 600 mil anos. </li></ul><ul><li>Aparecimento do Homo sapiens (início da história da humanidade e do tempo histórico). </li></ul><ul><li>Ocorrência de glaciações com alterações climáticas, o que, entre outros fatores, provocou a extinção e a adaptação de muitos animais e plantas. </li></ul><ul><li>Alterações do relevo. </li></ul><ul><li>Formação dos atuais contornos dos continentes e oceanos. </li></ul><ul><li>  </li></ul>GEOLOGIA DE PETRÓLEO Tempo Geológico
  • 12. <ul><li>ARQUEOZÓICA: </li></ul><ul><li>Formação da crosta terrestre. </li></ul><ul><li>Surgimento dos primeiros aglomerados rochosos, </li></ul><ul><li>chamados de escudos cristalinos. </li></ul><ul><li>PROTEROZÓICA: </li></ul><ul><li>Intensa atividade vulcânica originando imensos </li></ul><ul><li>depósitos de minerais metálicos. </li></ul><ul><li>PALEOZÓICA: </li></ul><ul><li>Grande atividade transformadora da superfície. </li></ul><ul><li>Surgem os Alpes Escandinavos, os Montes Apalaches. </li></ul><ul><li>Soterramento de florestas, dando origem às jazidas de carvão mineral. </li></ul><ul><li>MESOZÓICA: </li></ul><ul><li>Surgimento dos grandes répteis. </li></ul><ul><li>Intenso vulcanismo. </li></ul><ul><li>Intenso processo de sedimentação dos fundos marinhos, originando jazidas petrolíferas. </li></ul><ul><li>CENOZÓICA: </li></ul><ul><li>1. Terciário: - Intensa atividade orogenética. </li></ul><ul><li>- Dobramentos modernos (Andes, Alpes e Himalaia) </li></ul><ul><li>Quaternário: - Grandes glaciações; </li></ul><ul><li>- Tectônica de placas, deriva dos continentes. </li></ul>ERAS GEOLÓGICAS E O RELEVO
  • 13. Escala Geológica - pré-cambriana <ul><ul><li>A primeira Era é a chamada Pré-cambriana , que se divide em três períodos: </li></ul></ul><ul><ul><li>- Azóica: por volta de 4,5 bilhões de anos atrás, esse período é marcado pela não existência de vida, esse período durou bilhões de anos. </li></ul></ul><ul><ul><li>- Arqueozóica e Proterozóica: nesse período passaram a surgir os seres unicelulares e invertebrados (algas e bactérias). Formação das rochas magmáticas. </li></ul></ul>
  • 14. Escala Geológica - Paleozóica <ul><ul><li>A Era Paleozóica está dividida nos períodos: Permiano, Carbonífero, Devoniano, Siluriano, Ordoviciano e Cambriano. </li></ul></ul><ul><ul><li>Nestes períodos houve a existência de rochas sedimentares e metamórficas. Surgiu os peixes e os primeiros répteis. </li></ul></ul>
  • 15. Escala Geológica - Mesozóica <ul><ul><li>A próxima Era foi a Mesozóica , dividida pelos períodos Cretáceo, Jurássico e Triássico. Surgiram mamíferos e aves; répteis gigantescos (dinossauros); grandes florestas; e rochas sedimentares e vulcânicas. </li></ul></ul>
  • 16. Escala Geológica - Cenozóica <ul><ul><li>Já na Era Cenozóica existem dois períodos, Quaternário e Terciário. Este último houve o desenvolvimento dos mamíferos. Os répteis gigantes foram extintos, formou-se as bacias sedimentares. </li></ul></ul>
  • 17. Escala Geológica - Cenozóica <ul><ul><li>No período do Quaternário houve a glaciação no hemisfério norte; delineamento dos atuais continentes; formação das bacias sedimentares recentes; aparecimento do homem. </li></ul></ul>
  • 18. A GEOLOGIA E A AÇÃO HUMANA
  • 19. &nbsp;
  • 20. <ul><li>O PLANETA TERRA É COMPOSTO POR PLACAS TECTÔNICAS, QUE SE ACHAM APOIADAS SOBRE O MANTO, E ASSIM SENDO ELAS SE MOVEM E SÃO INSTÁVEIS E SE DESLOCAM EM IDADES DE ERAS TERRESTRES O QUE DENOMINAMOS DE DERIVA CONTINENTAL . </li></ul><ul><li>ASSIM, O QUE VAMOS ESTUDAR É A DINÂMICA DAS PLACAS TECTÔNICAS. </li></ul><ul><li>VAMOS VER NA SEQUÊNCIA, COM BASE NA TEORIA INICIAL PROPOSTA POR ¨ALFRED LOTHAR WEGENER¨ ,( GEOFÍSICO ALEMÃO ). </li></ul>
  • 21. 1. A TEORIA DAS PLACAS <ul><li>- ¨ALFRED LOTHAR WEGENER¨ , DESCREVE NO LIVRO “ A ORIGEM DOS CONTINENTES E DOS OCEANOS “ , EM 1915, PROPOS A TEORIA INICIAL EXPONDO OS PRINCÍPIOS BÁSICOS SOBRE A HISTÓRIA DO PLANETA TERRA. </li></ul>
  • 22. ¨WEGENER PARTIU DA HIPÓTESE QUE EXISTIRA UM ÚNICO CONTINENTE, DENOMINADO ¨ PANGÉIA ¨ ( VISTO NA IMAGEM INICIAL ) , ONDE HÁ 200 MILHÕES DE ANOS, NO INÍCIO DA ERA MESOZÓICA , O PLANETA TERRA COMEÇOU A SE FRAGMENTAR E CONSEQUENTEMENTE FORMANDO OS CONTINENTES COM AS DISPOSIÇÕES ATUAIS, CONFORME ESTE PRÓXIMO SLIDE . 2 . O PRINCÍPIO DA DERIVA
  • 23. &nbsp;
  • 24. &nbsp;
  • 25. <ul><li>A FRAGMENTAÇÃO DA PANGÉIA OCORREU NO INÍCIO DA ERA MESOZÓICA. </li></ul>
  • 26. <ul><li>A PANGÉIA, AO SE FRAGMENTAR, FORMA DOIS SUPER CONTINENTES: GONDWANA , AO SUL E, LAURÁSIA AO NORTE. </li></ul>
  • 27. DE ¨ GONDWANA¨ E DA ¨ LAURÁSIA¨ SURGIRAM OS CONTINENTES ATUAIS.
  • 28. NO MESOZÓICO FINAL SURGEM A FORMAÇÃO DO ATLÂNTICO E A ÍNDIA COMEÇA O SEU DESLOCAMENTO PARA O NORTE .
  • 29. <ul><li>NO INÍCIO DO TERCIÁRIO COMEÇA A FORMAÇÃO DAS ATUAIS CADEIAS MONTANHOSAS . </li></ul>
  • 30. NA MEADOS DA ERA TERCIÁRIA SURGE A AMÉRICA CENTRAL E O MAR MEDITERRÂNEO COMEÇA A SE ESTREITAR .
  • 31. ASSIM É A CONFIGURAÇÃO CONTINENTAL ATUAL DOS CONTINENTES, PORÉM INSTÁVEL E EM DERIVA.
  • 32. POSIÇÃO DOS CONTINENTES DAQUI A 50 MILHÕES DE ANOS.
  • 33. POSIÇÃO DOS CONTINENTES DAQUI A 150 MILHÕES DE ANOS.
  • 34. POSIÇÃO DOS CONTINENTES DAQUI A 250 MILHÕES DE ANOS.
  • 35. O QUE ACONTECEU NO HEMISFÉRIO SUL NO HEMISFÉRIO NORTE PANGÉIA LAURÁSIA GONDWANA AMÉRICA DO NORTE ÁSIA EUROPA ÁFRICA AMÉRICA DO SUL ANTÁRTICA AUSTRÁLIA ÍNDIA
  • 36. PRINCIPAIS PLACAS TECTÔNICAS
  • 37. Principais placas tectônicas Euro-asiática Norte-americana Sul-americana Indo-australiana Nazca Pacífica Africana Antártida
  • 38. POR QUE AS PLACAS SE MOVEM? <ul><li>As placas fragmentam em função da pressão interna da Terra é maior que a externa. </li></ul>
  • 39. 4. INSTABILIDADES DAS PLACAS ATIVIDADE DAS CORRENTES CONVECTIVAS QUE OCORREM NO MANTO SUPERIOR OU ASTENOSFERA, INFLUENCIAM NA ESTABILIDADE DAS PLACAS.
  • 40. 5. CONSEQÜÊNCIAS DOS DESLOCAMENTOS AS PLACAS AO SE DESLOCAREM PROVOCAM INSTABILIDADES TECTÔNICAS, REPRESENTADAS, PRINCIPALMENTE, PELO: A) VULCANISMO; B) TERREMOTOS.
  • 41. Terremotos
  • 42. Vulcanismo - Everest
  • 43. Vulcanismo
  • 44. Vulcanismo
  • 45. AS MAIORES AÇÕES VULCÂNICAS DA TERRA OCORREM NO CINTURÃO DO FOGO DO PACÍFICO.
  • 46. O círculo de Fogo
  • 47. ÁREAS DE INSTÁVEIS COM TERREMOTOS NOS CONTATOS ENTRE PLACAS TECTÔNICAS.
  • 48. 6. TIPOS DE MOVIMENTOS AS PLACAS, AO SE DESLOCAREM, UMA EM RELAÇÃO À OUTRA, APRESENTAM TRÊS TIPOS DE MOVIMENTOS. ESTES TRES MOVIMENTOS SÃO:
  • 49. CARACTERIZA POR SER UM MOVIMENTO DE COLISÃO ENTRE AS PLACAS . 6.1 MOVIMENTO CONVERGENTE TRÊS INTERAÇÕES MECÂNICAS DIFERENTES ATUAM ENTRE AS PLACAS COM O MOVIMENTO CONVERGENTE. EM CADA TIPO DE INTERAÇÃO ASSOCIAM-SE ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS ESPECÍFICAS.
  • 50. Convergência de placas
  • 51. Convergência de placas
  • 52. Convergência de placas
  • 53. 1 . CONTINENTAL - CONTINENTAL COMO CONSEQÜÊNCIAS DESSA INTERAÇÃO TEM-SE A FORMAÇÃO: A) DAS CADEIAS MONTANHOSAS CONTINENTAIS; B ) DE UMA ZONA DE SUBDUCÇÃO, ISTO É, ÁREA ONDE OCORRE A ENTRADA DO MATERIAL DA LITOSFERA PARA O MANTO. COMO EXEMPLO DE PLACAS COM ESSE MOVIMENTO, PODE SER CITADA A INDIANA COM A EURO-ASIÁTICA.
  • 54. 2. OCEÂNICA - CONTINENTAL C) DE FOSSAS OCEÂNICAS , ISTO É, ÁREAS DE MAIORES PROFUNDIDADES DOS OCEANOS. A) CINTURÕES VULCÂNICOS; B) MONTANHAS LITORÂNEAS, COMO OS ANDES; COMO EXEMPLO DE PLACAS COM ESSE TIPO DE MOVIMENTO É PLCA DE NAZCA COM A SUL-AMERICANA.
  • 55. 3. OCEÂNICA - OCEÂNICA COMO CONSEQÜÊNCIAS DESSA INTERAÇÃO TEM-SE A FORMAÇÃO: COMO EXEMPLO DE PLACAS COM ESSE MOVIMENTO PODE SER CITADA A DO JAPÃO COM A DO PACÍFICO. A) DE FOSSAS ABSSAIS B) DE ARCOS DE ILHAS, CUJA ORIGEM SE DÁ A PARTIR DO VULCANISMO SUBMARINO . SAS OCEÂNICAS;
  • 56. <ul><li>Pode-se observar, que as montanhas têm origem como conseqüência do movimento convergente. </li></ul>
  • 57. <ul><li>Veja uma animação do movimento convergente. </li></ul>
  • 58. <ul><li>Caracteriza por ser um movimento de separação entre as placas. </li></ul>6.2 Movimento divergente <ul><li>Existem duas interações diferentes entre as placas com o movimento divergente. </li></ul><ul><li>Para cada tipo de interação associa-se conseqüências específicas. </li></ul>
  • 59. <ul><li>Como conseqüência dessa interação, tem-se a formação de lagos tectônicos , como os existentes no leste da África. </li></ul>1. Fossa tectônica ou “ rift valley” . <ul><li>É exemplo dessa situação a relação entre as placas da África e da Somália. </li></ul>
  • 60. 2. Dorsal oceânica ou montanha submarina <ul><li>Como conseqüência da interação, tem-se: </li></ul>A) formação de uma zona de agregação , isto é, área onde ocorre a saída de material do manto para a crosta; B) a expansão do fundo do mar como na Cordilheira Meso Atlântica ou Dorsal do Atlântico.
  • 61. As principais dorsais oceânicas são: 2 1 1. Dorsal do Atlântico 2. Dorsal do Pacífico
  • 62. <ul><li>A formação da Península do Sinai está ligada ao movimento divergente entre placas. </li></ul>
  • 63. <ul><li>Veja um exemplo de placas com movimento divergente. </li></ul>
  • 64. <ul><li>Caracteriza por ser um movimento paralelo entre as placas. </li></ul>6.3 Movimento tangencial <ul><li>Este movimento também é denominado de falha transformante . </li></ul>
  • 65. Limites transformantes
  • 66. <ul><li>Como conseqüência desse movimento tem-se as instabilidades tectônicas. </li></ul><ul><li>É um contato conservativo entre as placas, pois a litosfera não é criada ou destruída durante o movimento. </li></ul>
  • 67. <ul><li>A Falha de Santo André , localizada no contato entre as placas Juan de Fuca e Norte-americana, é o principal exemplo de movimento tangencial ou transformante. </li></ul>
  • 68. <ul><li>Veja um exemplo de placas com movimento transformante. </li></ul>
  • 69. RESUMO
  • 70. A ESTRUTURA DA TERRA (INTERIOR) <ul><ul><li>crosta: constituída de materiais mais leves </li></ul></ul><ul><ul><li>manto: camada intermediária </li></ul></ul><ul><ul><li>núcleo: formado pôr materiais mais densos. </li></ul></ul>
  • 71. A ESTRUTURA DA TERRA(INTERIOR)
  • 72. A ESTRUTURA DA TERRA(INTERIOR)
  • 73. Crosta terrestre ou Litosfera <ul><ul><li>É dividida em crosta : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>continental </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>oceânica </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Abaixo da litosfera está a astenosfera, e abaixo encontramos a mesosfera. </li></ul></ul><ul><ul><li>Logo em seguida encontramos a endosfera (núcleo) formada pôr ferro e níquel. </li></ul></ul>
  • 74. Crosta continental superior(SIAL) <ul><ul><li>Crosta continental superior, com 15 a 25 km de espessura, formada principalmente pôr silício e alumínio (SIAL) </li></ul></ul>
  • 75. Crosta continental inferior(SIMA) <ul><ul><li>crosta continental inferior, com 30 a 35 km de espessura; nela predomina silício e magnésio (SIMA) </li></ul></ul>
  • 76. Crosta e as rochas <ul><ul><li>A crosta é formada pôr rochas e minerais. </li></ul></ul><ul><ul><li>As rochas são agrupamentos de minerais. </li></ul></ul><ul><ul><li>Minerais são elementos ou compostos naturais sólidos, que possuem uma composição química bem definida, ou seja, é possível determinar com precisão os elementos que compõem um mineral.Exemplo , o elemento que compõem o diamante é o carbono. </li></ul></ul>
  • 77. Minerais <ul><ul><li>São exemplos de minerais: apatita, quartzo, calcita, fluorita topázio. </li></ul></ul><ul><ul><li>Os minerais e as rochas que possuem valor comercial são considerados minérios. </li></ul></ul><ul><ul><li>Minério, portanto, é uma rocha ou mineral dos quais são extraídas substâncias valiosas, como o ouro, o ferro, o cobre, o diamante etc. </li></ul></ul><ul><ul><li>Jazida mineral é a massa ou volume de minério que existe nas rochas, em um determinado lugar da crosta, seja na superfície ou no interior. </li></ul></ul>
  • 78. Rochas <ul><ul><li>Quando um ou mais minerais se agregam, eles formam as rochas. </li></ul></ul><ul><ul><li>O granito pôr exemplo é formado pôr três minerais:quartzo, feldspato, e mica. </li></ul></ul><ul><ul><li>São exemplos de rochas: areia, xisto dobrado, gnaisse, sienito , pedra-pomes, basalto, granito, calcário, carvão mineral, argilito, arenito, mármore entre outras. </li></ul></ul>
  • 79.
  • 80. Rochas Magmáticas ou ígneas ou Cristalinas <ul><li>Conceito: resultam da solidificação e resfriamento do magma que é lançado pelos vulcões. </li></ul><ul><li>Classificação : Intrusiva e Extrusiva </li></ul>
  • 81. Intrusivas ou plutônicas <ul><li>Formam-se quando o magma se resfria lentamente nas profundezas da Terra, dando origem a cristais relativamente grandes. </li></ul>
  • 82. Rochas magmáticas intrusivas <ul><li>Granito Amarelo Real </li></ul>
  • 83. Pedreira de Granito
  • 84. Rochas magmáticas intrusivas Diorito
  • 85. Extrusivas ou Vulcânicas <ul><li>Formam-se pela solidificação do magma expelido pelas erupções vulcânicas.Como seu resfriamento e solidificação são rápidos, não há tempo para a formação de macro-cristais. </li></ul>
  • 86. Extrusivas ou Vulcânica (Basalto)
  • 87. Extrusivas ou Vulcânica (Basalto)
  • 88. Rochas sedimentares <ul><li>Conceito: através da litificação dos sedimentos que procedem da erosão, transporte e deposição de sedimentos, realizado pela água, vento, reações físicas e químicas. Derivam-se de rochas que sofrem a ação de processos erosivos. </li></ul>
  • 89. Litificação <ul><li>Conceito: processo de sedimentação e cimentação, exercida através das camadas superiores. </li></ul>
  • 90. Rochas sedimentares - Calcário
  • 91. Rochas sedimentares - arenito
  • 92. Rochas sedimentares - arenito
  • 93. Rochas metamórficas <ul><li>Conceito: foram originalmente rochas magmáticas, sedimentares ou metamórficas que, pela ação do calor ou da pressão do interior da Terra, adquiriram outra estrutura. </li></ul>
  • 94. Rochas Metamórficas - Gnaisse
  • 95. Rochas Metamórficas - Gnaisse
  • 96. Rochas Metamórficas - Mármore <ul><li>Mármore azul mediterrâneo </li></ul>
  • 97. Rochas Metamórficas - Mármore <ul><li>Arabescato </li></ul>
  • 98. Rochas Metamórficas - Mármore <ul><li>Onix </li></ul>
  • 99. Rochas Metamórficas - Mármore <ul><li>Rosa Egeo </li></ul>
  • 100. Rochas Metamórficas - Mármore <ul><li>Pedreira de Mármore - Espanha </li></ul>
  • 101.
  • 102. Estrutura geológica <ul><li>O conjunto das diferentes rochas de um lugar, uma vez que as mesmas não estão distribuídas de maneira uniforme. Sua distribuição vai depender da ação das forças internas da terra - tectonismo. </li></ul>
  • 103. Tipos de estrutura geológicas <ul><li>Escudos cristalinos </li></ul><ul><li>Faixa Orogênicas </li></ul><ul><li>Bacias sedimentares </li></ul>
  • 104. <ul><li>ESCUDOS CRISTALINOS: </li></ul><ul><li>Formação pré-cambriana. </li></ul><ul><li>Terrenos arqueozóicos: Serra do Mar (granito). </li></ul><ul><li>Terrenos proterozóicos: jazidas de minerais (ferro e manganês). </li></ul><ul><li>BACIAS SEDIMENTARES: </li></ul><ul><li>Formação recente. </li></ul><ul><li>Terrenos paleozóicos: jazidas carboníferas do sul. </li></ul><ul><li>Área mesozóica: depósitos petrolíferos do litoral. </li></ul><ul><li>Terrenos cenozóicos: planícies. </li></ul><ul><li>TERRENOS VULCÂNICOS: </li></ul><ul><li>Áreas que durante a era mesozóica sofreram intensos derrames vulcânicos. (bacia do Paraná) </li></ul><ul><li>Rochas basálticas. </li></ul><ul><li>Solo fértil (terra roxa ) </li></ul>ESTRUTURA GEOLÓGICA BRASILEIRA
  • 105. Escudos cristalinos <ul><li>São rochas magmáticas e metamórficas muito antigas das eras pré-cambriana e Paleozóico.Sofreram fortes desgastes erosivos, apresentando-se desgastes e com baixas altitudes. Podem ser escudos ou embasamentos cristalinos. </li></ul>
  • 106. Escudos(cráton aflorado) <ul><li>Quando estão expostas à ação de agentes erosivos. </li></ul>
  • 107. Embasamento cristalinos(plataformas cobertas) <ul><li>Quando estão recobertas pôr terrenos sedimentares </li></ul>
  • 108. Observação <ul><li>Estas áreas de escudos e embasamento são ricas em recursos minerais, principalmente as formadas na era pré-cambriana (Arqueozóico e proterozóico) </li></ul>
  • 109. Bacias sedimentares <ul><li>Com o passar das eras, os escudos cristalinos foram atacados pôr processo erosivo. Os sedimentos assim produzidos e transportados pelo ventos acumularam-se em depressões existentes na superfície dos escudos(bacias). </li></ul>
  • 110. Bacias sedimentares <ul><li>Temos bacias originárias das eras paleozóica, mesozóica e cenozóica. </li></ul><ul><li>Os combustíveis fósseis - carvão e petróleo são encontradas neste tipo de estrutura geológica. </li></ul>
  • 111. Faixa orogênicas ou dobramentos <ul><li>São movimentos originados pôr forças internas, que deram origem a cadeias de montanhas. Podemos distinguir de acordo com a era geológica. </li></ul><ul><li>Podem ser divididas em dobramentos antigos e modernos. </li></ul>
  • 112. Dobramentos antigos <ul><li>Alguns datam do pré-cambriano, período Arqueozóico, exemplo serra do Mar e Mantiqueira, no Brasil. </li></ul><ul><li>Outros datam do período Proterozóico, dando origem à chapada Dimantina, na Bahia e a serra do Espinhaço em Minas Gerais. </li></ul>
  • 113. Dobramentos Modernos <ul><li>Ocorreram na Era Cenozóica no terciário e deram origem às altas cadeias de montanha da terra - Himalaia, Alpes, Andes. </li></ul>
  • 114. CONHECENDO O SOLO GEOGRAFIA
  • 115. O que é solo? Há várias concepções de solo, em várias áreas da ciência: *Na ecologia: o solo é algo vivo que possibilita diversos ecossistemas ; *Na geografia: Pedologia - que o vê como meio natural que é a base para as plantas se desenvolverem ; Edafologia - o solo é algo natural que está ligado às características do Solo agrícola .
  • 116. O solo é formado pelo desgaste das rochas. Elas desgastam através do INTEMPERISMO FÍSICO (temperaturas diferentes) e QUÍMICO (ação de fatores naturais – ventos, chuvas, etc).
  • 117. Horizontes do solo São as CAMADAS do solo, chamadas de horizontes do solo. Unidas formam o perfil do solo
  • 118. Na PEDOGÊNESE ocorre o seguinte: as rochas que sofreram intemperismo começam a formar o solo que por sua vez tem uma porosidade. Pedogênese é o processo de origem do solo.
  • 119. POROSIDADE são os espaços que não são preenchidos por sólido e estes são preenchidos c/ ar e água, que oferecem a possibilidade do surgimento de microrganismos,os quais ajudam na fertilidade do solo .
  • 120. Os fenômenos que ocorrem c/ as rochas e c/ seus minerais faz c/ que cada horizonte do solo seja cada vez mais diferente da rocha que os gerou. Pode-se encontrar isto a mostra em trincheiras, escavações, cortes da estrada, etc.
  • 121. A fertilidade do solo depende da quantidade de minerais como potássio, nitrogênio, sódio, etc que são encontrados nos horizontes O, A e B.
  • 122. DO QUE O SOLO É FORMADO? <ul><li>PARTÍCULAS MINERAIS: </li></ul><ul><li>Partículas Minerais – elas tem tamanhos diferentes e composição diferentes. </li></ul><ul><li>Argila &lt; silte &lt; areia fina &lt; areia grossa &lt; cascalho. </li></ul>areia argila
  • 123. *MATÉRIA ORGÂNICA: Formados pela decomposição de restos vegetais e animais, por microrganismos. Uma espécie de Húmus.
  • 124. *ÁGUA: Fica no solo por um tempo e é reposta pela chuva e irrigação, sua composição de 02, gás carbônico e sais minerais passa nutrientes ao solo e à vegetação.
  • 125. *AR: Essencial para as plantas e suas raízes que necessitam de oxigênio.
  • 126. FATORES DA FORMAÇÃO DO SOLO *Material de origem: formar-se a partir da decomposição de rochas, onde os minerais são diferentes dando origem a solos muito diferentes. Rochas Metamórficas claras Rochas escuras Quartzo Basalto
  • 127. *Clima: Clima influencia na rapidez e intensidade do intemperismo e da evolução do sol. Quanto mais quente for um local mais rápido será o intemperismo e a translocação dos minerais também.
  • 128. *Relevo: O relevo influencia muito na quantidade de chuva e calor que recebe cada local.
  • 129. Em regiões de muito declive os solos são mais rasos, pois as chuvas passas por ele rapidamente não infiltrando-se. Já na superfície de relevos altos pode haver a superfície com nutrientes e mais profundos não.
  • 130. *Organismos: São os animais, microrganismos, vegetais e humanos. Estes servem para a decomposição da matéria viva, vegetal e animal e podem destruir ou conservar o solo.
  • 131. *Tempo: Período de exposição dos solos a atmosfera, os mais velhos são profundos e os mais novos rasos.
  • 132. Baixa relação molecular na fração argila, normalmente inferior a 2,2, dado o avançado grau de intemperismo do material do solo. TIPOS DE SOLO
  • 133. Não hidromórficos, com argila de atividade baixa, devido ao material do solo ser constituído por sesquióxidos, argilas do grupo 1:1 , quartzo e outros materiais resistentes ao intemperismo e saturação de bases baixa
  • 134. São solos minerais pouco desenvolvidos, não hidromórficos, medianamente profundos ou mais espessos tendo seqüência de horizonte , textura normalmente arenosa, contendo na fração areia e/ou cascalhos apreciáveis teores de minerais facilmente intemperizáveis.
  • 135. Poluição Solo do
  • 136. <ul><li>O solo é formado a partir de rochas, que com ajuda do clima e de microrganismos se transforma num material solto e macio. </li></ul><ul><li>É composto de ar, água, matéria orgânica e mineral. </li></ul>                                              
  • 137. dele retiramos parte <ul><li>É um recurso finito e não renovável. </li></ul><ul><li>Apresenta grande importância para o homem pois, </li></ul>de nossa alimentação.
  • 138. &nbsp;
  • 139. Erosão: prejudica grandemente a fertilidade do solo pela retirada da camada de humo, deixando o solo pobre e improdutivo. É causada pela ação das águas da chuva , rios , mares , geleiras , pelo vento e pela ação do homem .
  • 140. Lixo: pode ser classificado como doméstico , comercial , público , hospitalar e industrial . 75% do lixo coletado no Brasil é jogado em lixões a céu aberto, contaminando o solo e conseqüentemente poluindo lençóis subterrâneos de água.
  • 141. Aterro Sanitário: São construídos com procedimentos de segurança, diminuindo o contato das pessoas com o lixo. <ul><li>Possuem sistemas de drenagem e tratamento de resíduos. </li></ul><ul><li>O lixo é lançado ao solo, coberto com terra e comprimido. </li></ul>
  • 142. Metais Pesados Mercúrio: É largamente utilizado em indústrias e garimpos, para separação de impurezas. Chumbo: utilizado na fabricação de pilhas e baterias.
  • 143. Agrotóxicos: produtos utilizados para combater seres vivos que prejudicam plantações ou animais de criação. Podem ser denominados como: inseticidas, fungicidas, herbicidas, acaricidas, etc.
  • 144. <ul><li>O processo de modernização da agricultura, introduziu o uso de adubos químicos e herbicidas. </li></ul>cerca de US$ 2,5 bilhões. <ul><li>Somente 0,1% atinge o alvo específico enquanto 99,9% se acumulam em solos e água. </li></ul><ul><li>O Brasil é o 5º maior consumidor movimentando </li></ul>
  • 145. 90% dos organoclorados retidos no organismo humano são provenientes da alimentação. Organoclorados
  • 146. Organoclorados musculatura involuntária e depressão dos sistemas vitais como respiração, causando convulsões, paralisia e morte do indivíduo. Intoxicação : Atuam sobre o sistema nervoso central resultando em distúrbios comportamentais, sensoriais, equilibrio,
  • 147. Organoclorados Contaminação : Pode se dar por inalação, ingestão e contato pela pele.
  • 148. Descontaminação do Solo Biodegradação : atividade microbiana na eliminação de produtos químicos do ambiente.
  • 149. Descontaminação do Solo Biorremediação : emprego dos microrganismos para a remediação de locais contaminados devido ao uso de agroquímicos. . Bactérias Fungos

×