2º Mc Grupo 02

423 views
364 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
423
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
18
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

2º Mc Grupo 02

  1. 1. Agricultura no Brasil  A agropecuária representa cerca de 12% do PIB nacional, considerando-se apenas o valor da produção. Nas exportações brasileiras, a participação da agricultura, apesar de ter recuado significativamente com o processo de industrialização do País, ainda é fundamental. Mais de 1/4 das exportações brasileiras ainda são oriundas deste setor. O País destaca-se no cenário internacional como grande exportador, apresentando uma pauta de exportação agrícola diversificada, na qual os principais produtos são: café, suco de laranja, grão, farelo e óleo de soja, açúcar, fumo e cigarros, papel e celulose, carnes bovina, suína e de aves.
  2. 2. Pecuária Brasileira  No Brasil, os pioneiros da pecuária foram os senhores da Casa da Torre de Garcia d’Ávila, utilizando como vaqueiros, muitas vezes, mão-de- obra indígena. Entretanto, com uma grande seca no Nordeste e a descoberta de minerais preciosos em Minas Gerais no final dos séculos XVIII, o pólo pecuarista no Brasil transferiu-se para as regiões Sudeste e Sul, mais especificamente São Paulo e Rio Grande do Sul.
  3. 3.  Atualmente a produção pecuária de bovinos é partilhada principalmente pelo Centro-Oeste, Sudeste e Sul, cabendo ao Nordeste o predomínio sobre as criações de caprinos e muares. Os ovinos se concentram no Sul, assim como os suínos e aves, no Sudeste e no Sul. Desde o início do século XX, no entanto, o principal centro pecuarista do Brasil é o estado de Mato Grosso do Sul, o maior exportador de carne bovina do planeta. Quanto à distribuição da produção agropastoril pelo território nacional, as regiões Sul e Sudeste concentram a maior parte dela, embora o Centro-Oeste esteja experimentando uma participação mais expressiva, no decorrer dos últimos anos.
  4. 4.  O Bra il éos g om io p d r d c rneb vina s e und a r ro uto e a o , c rre p nd nd a15 d to l m ia c m6 m e d o so e o % o ta und l, o ,9 ilhõ s e to la a e uiva nte a a ap d ne d s q le -c rc ç ro uzid ab ixoc tod a a us e p d ã , to nd -s op ísm isc m e ro uç o rna o e a a o p titivoe níve m l inte c na O no s quot;b i ve e d a e ç ove e ria , rna io l. s o o rd quot;, e lim nta ã g ta na c ns g u-s c m om lho p rac ns ohum no livred o a ro e o o e r a o um a , e m le c m od va alo aefe rea s . a s o o a c uc b fto a
  5. 5. A gripe Suína afeta a produção no Brasil? Os Exportadores não acreditam que a carne brasileira possa sofrer embargo. Eles avaliam que ainda é cedo para prever restrições, mas esperam que a divulgação de mais informações sobre a atuação da doença e a reputação do produto nacional diminua o impacto sobre o mercado.
  6. 6. Para o presidente da Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), Péricles Salazar, a reputação dos produtos brasileiros é um trunfo do setor. Ele espera até mesmo que os produtores brasileiros ocupem espaços abertos com os embargos aos mexicanos e norte-americanos. No mercado interno, a chegada do inverno também deve aquecer o setor. quot;Pouco a pouco se percebe que não há relação da doença com a carne suína. No inverno, há o aumento do consumo e mesmo no mercado externo, vemos oportunidades de crescimentoquot;, pontua Salazar. 
  7. 7. Grupo:  Lorena Perestelo.  Carolina Leal  João Vitor Lomar  Letícia Cristina

×