• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
100 DICAS ENEM PARTE 09
 

100 DICAS ENEM PARTE 09

on

  • 1,743 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,743
Views on SlideShare
1,743
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
17
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • Esta obra foi originalmente desenvolvida pelo CERT.br, do NIC.br, com o propósito de promover a conscientização sobre o uso seguro da Internet e baseia-se na Cartilha de Segurança para Internet (http://cartilha.cert.br/). Esta obra foi licenciada sob a licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Brasil (CC BY-NC-SA 3.0). O CERT.br/NIC.br concede a Você uma licença de abrangência mundial, sem royalties, não-exclusiva, sujeita aos termos e condições desta Licença, para exercer os direitos sobre a Obra definidos abaixo Reproduzir a Obra, incorporar a Obra em uma ou mais Obras Coletivas e Reproduzir a Obra quando incorporada em Obras Coletivas; Criar e Reproduzir Obras Derivadas, desde que qualquer Obra Derivada, inclusive qualquer tradução, em qualquer meio, adote razoáveis medidas para claramente indicar, demarcar ou de qualquer maneira identificar que mudanças foram feitas à Obra original. Uma tradução, por exemplo, poderia assinalar que “ A Obra original foi traduzida do Inglês para o Português, ” ou uma modificação poderia indicar que “ A Obra original foi modificada ” ; Distribuir e Executar Publicamente a Obra, incluindo as Obras incorporadas em Obras Coletivas; e, Distribuir e Executar Publicamente Obras Derivadas. Desde que respeitadas as seguintes condições: Atribuição — Você deve fazer a atribuição do trabalho, da maneira estabelecida pelo titular originário ou licenciante (mas sem sugerir que este o apoia, ou que subscreve o seu uso do trabalho). No caso deste trabalho, deve incluir a URL para o trabalho original (Fonte – http://cartilha.cert.br/) em todos os slides . Uso não comercial — Você não pode usar esta obra para fins comerciais. Compartilhamento pela mesma licença — Se você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob uma licença similar à presente. Aviso — Em todas as reutilizações ou distribuições, você deve deixar claro quais são os termos da licença deste trabalho. A melhor forma de fazê-lo, é colocando um link para a seguinte página http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/ A descrição completa dos termos e condições desta licença está disponível em: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/legalcode http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Redes sociais: As redes sociais com comunicação mediada por computador tem suas raízes nas comunidades de BBS ( Bulletin Board System) onde era possível obter e disponibilizar programas, ler notícias, trocar mensagens, participar de fóruns de discussão, chat e jogos online . As atuais redes sociais utilizam tecnologia Web e permitem aos usuários, entre outras coisas: elaborarem perfis onde fornecem informações sobre si próprios (geralmente respondendo a uma série de questões), além de fotos, vídeos, aplicativos, etc; criarem listas de usuários com os quais se relacionam e compartilham informações; comunicarem-se usando diferentes meios como “ comentários ” , e-mails , mensagens instantâneas, etc; agrupem-se em comunidades com interesses comuns. Entretanto, um elemento marcante dos atuais sites de redes sociais é que são estruturados em função de redes pessoais, isto é, o foco é o indivíduo e não a comunidade e todo conteúdo é gerado pelos próprio usuários, sem mediação. Diferentes sites de redes sociais criaram nomenclaturas distintas para representar as ligações entre os usuários. Alguns exemplos são “ conexões ” , “ contatos ” , “ amigos", "seguidores ” , “ fãs ” . Nesta apresentação, estes termos podem ser usados em diferentes momentos para exemplificar uma rede social, mas possuem o mesmo significado básico. http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Redes sociais: Os perfis nas redes sociais, devido a grande quantidade de informações que disponibilizam, podem ser consideradas como um “ diário eletrônico ” público do usuário. As redes sociais, através de perguntas feitas nos próprios sites , estimulam os usuários a publicarem e a buscarem informações como, por exemplo: quem você é? onde você está? o que você curte? quem você conhece? o que está acontecendo? no que você está pensando? o que seus amigos dizem sobre você? onde você tem estado? http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Características principais: As redes sociais possuem algumas características próprias que as diferenciam de outros meios de comunicação, como a velocidade com que as informações se propagam, a grande quantidade de pessoas que elas conseguem atingir e a riqueza de informações pessoais que elas disponibilizam. Outras características marcantes dizem respeito à dificuldade de exclusão e de manter sigilo: aquilo que é publicado nas redes sociais nem sempre pode ser totalmente excluído ou ter o acesso controlado. Mesmo que você restrinja o acesso, não há como controlar que suas publicações não serão repassadas. Além disto, os sites costumam ter políticas próprias de privacidade e podem alterá-las sem aviso prévio, tornando público aquilo que antes era privado. Essas características, somadas ao alto grau de confiança que os usuários costumam depositar entre si, fez com que as redes sociais chamassem a atenção, também, de pessoas mal-intencionadas. http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Riscos principais: Invasão de privacidade: quanto maior a sua rede de contatos, maior é o número de pessoas que possui acesso ao que você divulga, e menores são as garantias de que suas informações não serão repassadas. Além disso, não há como controlar o que os outros divulgam sobre você. Furto de identidade: assim como você pode ter um impostor na sua lista de contatos, também pode acontecer de alguém tentar se passar por você. Invasão de perfil: por meio de ataques de força bruta, do acesso a páginas falsas ou do uso de computadores infectados, você pode ter o seu perfil invadido. Uso indevido de informações: as informações que você divulga, além de poderem ser usadas para a criação de perfil falso, também podem ser usadas em ataques de força bruta, em golpes de engenharia social e para responder questões de segurança usadas para recuperação de senhas. Danos à imagem e à reputação: calúnia e difamação podem rapidamente se propagar, jamais serem excluídas e causarem grandes danos às pessoas envolvidas, colocando em risco a vida profissional e trazendo problemas familiares, psicológicos e de convívio social. Vazamento de informações: há casos de empresas que tiveram o conteúdo de reuniões e detalhes técnicos de novos produtos divulgados na Internet e que, por isto, foram obrigadas a rever políticas e antecipar, adiar ou cancelar decisões. http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Riscos principais: Recebimento de mensagens maliciosas: alguém pode lhe enviar um arquivo contendo códigos maliciosos ou induzi-lo a clicar em um link que o levará a uma página Web comprometida. Acesso a conteúdos impróprios ou ofensivos: como não há um controle imediato sobre o que as pessoas divulgam, pode ocorrer de você se deparar com mensagens ou imagens que contenham pornografia, violência ou que incitem o ódio e o racismo. Contato com pessoas mal-intencionadas: qualquer pessoa pode criar um perfil falso, tentando se passar por uma pessoa conhecida e, sem que saiba, você pode ter na sua rede (lista) de contatos pessoas com as quais jamais se relacionaria no dia a dia. Sequestro: dados de localização podem ser usados por criminosos para descobrir a sua rotina e planejar o melhor horário e local para abordá-lo. Por exemplo: se você fizer check-in (se registrar no sistema) ao chegar em um cinema, um sequestrador pode deduzir que você ficará por lá cerca de 2 horas (duração média de um filme) e terá este tempo para se deslocar e programar o sequestro. Furto de bens: quando você divulga que estará ausente por um determinado período de tempo para curtir as suas merecidas férias, esta informação pode ser usada por ladrões para saber quando e por quanto tempo a sua residência ficará vazia. Ao retornar, você pode ter a infeliz surpresa de descobrir que seus bens foram furtados. http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Preserve a sua privacidade: considere que você está em um local público, que tudo que você divulga pode ser lido ou acessado por qualquer pessoa, tanto agora como futuramente; pense bem antes de divulgar algo, pois não há possibilidade de arrependimento; use as opções de privacidade oferecidas pelos sites e procure ser o mais restritivo possível; mantenha seu perfil e seus dados privados, permitindo o acesso somente a pessoas ou grupos específicos; procure restringir quem pode ter acesso ao seu endereço de e-mail , pois muitos spammers utilizam esses dados para alimentar listas de envio de spam ; seja seletivo ao aceitar seus contatos. Quanto maior for a sua rede, maior será o número de pessoas com acesso às suas informações. Aceite convites de pessoas que você realmente conheça e para quem contaria as informações que costuma divulgar; não acredite em tudo que você lê. Nunca repasse mensagens que possam gerar pânico ou afetar outras pessoas, sem antes verificar a veracidade da informação; seja cuidadoso ao se associar a comunidades e grupos, pois por meio deles muitas vezes é possível deduzir informações pessoais, como hábitos, rotina e classe social. http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Seja cuidadoso ao fornecer a sua localização: observe o fundo de imagens (como fotos e vídeos), pois podem indicar a sua localização; não divulgue planos de viagens e nem por quanto tempo ficará ausente da sua residência; ao usar redes sociais baseadas em geolocalização, procure se registrar (fazer check-in ) em locais movimentados e nunca em locais considerados perigosos; fazer check-in quando sair do local, ao invés de quando chegar. http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Respeite a privacidade alheia: seja cuidadoso ao falar sobre as ações, hábitos e rotina de outras pessoas; não divulgue, sem autorização, imagens em que outras pessoas apareçam; não divulgue mensagens ou imagens copiadas do perfil de pessoas que restrinjam o acesso; tente imaginar como a outra pessoa se sentiria ao saber que aquilo está se tornando público.   http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Proteja o seu perfil: seja cuidadoso ao usar e ao elaborar as suas senhas: não utilize dados pessoais. Evite nomes, sobrenomes, contas de usuário, números de documentos, placas de carros, números de telefones e datas; jamais reutilize senhas que envolvam o acesso a dados sensíveis, como as usadas em Internet Banking ou e-mail ; procure não usar a mesma senha para assuntos pessoais e profissionais. http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Proteja o seu perfil: habilite, quando disponível, as notificações de login , pois assim fica mais fácil perceber se outras pessoas estiverem utilizando indevidamente o seu perfil; use sempre a opção de logout para não esquecer a sessão aberta; denuncie casos de abusos, como imagens indevidas, perfis falsos ou invadidos e disseminação de spam. http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Proteja o seu computador: mantenha os programas instalados com as versões mais recentes; remova programas que você não utiliza mais. Programas não usados tendem a ser esquecidos e a ficar com versões antigas (e potencialmente vulneráveis); remova as versões antigas; tenha o hábito de verificar a existência de novas versões, por meio de opções disponibilizadas pelos próprios programas ou acessando diretamente os sites dos fabricantes; mantenha os programas instalados com todas as atualizações aplicadas; configure, quando possível, para que os programas sejam atualizados automaticamente; programe as atualizações automáticas para serem baixadas e aplicadas em horários em que seu computador esteja ligado e conectado à Internet; use mecanismos de segurança, como programas antimalware e firewall pessoal, e assegure-se de mantê-los atualizados. http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Proteja o seu computador: desconfie de mensagens recebidas, mesmo que tenham vindo de pessoas conhecidas, pois elas podem ter sido enviadas de perfis falsos ou invadidos; procure confirmar com seu contato, por outros meios, se é realmente o autor da mensagem; seja cuidadoso ao acessar links reduzidos. Procure utilizar s ites e complementos que permitam que você expanda o link antes de clicar sobre ele. http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Proteja os seus filhos: procure deixar seus filhos conscientes dos riscos envolvidos no uso das redes sociais; respeite os limites de idade estipulados pelos sites (eles não foram definidos à toa); oriente seus filhos para não se relacionarem com estranhos e para nunca fornecerem informações pessoais, sobre eles próprios ou sobre outros membros da família; oriente seus filhos para jamais marcarem encontros com pessoas estranhas; oriente seus filhos sobre os riscos de uso da webcam e que eles nunca devem utilizá-la para se comunicar com estranhos; oriente seus filhos a não divulgarem informações sobre hábitos familiares e nem de localização (atual ou futura); procure deixar o computador usado pelos seus filhos em um local público da casa (dessa forma, mesmo a distância, é possível observar o que eles estão fazendo, participar ativamente e verificar o comportamento deles). http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Proteja sua vida profissional: cuide da sua imagem profissional. Antes de divulgar uma informação, procure avaliar se, de alguma forma, ela pode atrapalhar um processo seletivo que você venha a participar (muitas empresas consultam as redes sociais à procura de informações sobre os candidatos, antes de contratá-los); verifique se sua empresa possui um código de conduta e procure estar ciente dele; evite divulgar detalhes sobre o seu trabalho, pois isto pode beneficiar empresas concorrentes e colocar em risco o seu emprego; preserve a imagem da sua empresa. Antes de divulgar uma informação, procure avaliar se, de alguma forma, ela pode prejudicar a imagem e os negócios da empresa e, indiretamente, você mesmo; proteja seu emprego. Sua rede de contatos pode conter pessoas do círculo profissional que podem não gostar de saber que, por exemplo, a causa do seu cansaço ou da sua ausência é aquela festa que você foi e sobre a qual publicou diversas fotos; use redes sociais ou círculos distintos para fins específicos. Você pode usar, por exemplo, uma rede social para amigos e outra para assuntos profissionais ou separar seus contatos em diferentes grupos, de forma a tentar restringir as informações de acordo com os diferentes tipos de pessoas com os quais você se relaciona. http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Proteja a sua empresa: A definição de regras e a conscientização dos funcionários acerca delas é um elemento primordial para evitar prejuízos, tanto financeiros como de imagem. Portanto, para que as empresas possam se proteger dos riscos relacionados ao uso das redes sociais, é muito importante criar um código de conduta e informar aos funcionários sobre o conteúdo. É muito importante também que os funcionários sejam informados sobre: os riscos advindos do uso das redes sociais; as regras de uso de recursos da empresa, especialmente no que se refere ao acesso à Internet e ao e-mail (restrições, permissões e horários); o comportamento esperado, no que tange a divulgação de informações corporativas (classificadas como confidencial ou não) e a emissão de opiniões pessoais que possam comprometer a empresa. Outras ações a serem tomadas são: investir em treinamento. Um boa preparação dos funcionários é fundamental para evitar erros e, por conseguinte, prejuízos; cuidar da imagem da empresa, observando ações que envolvam o nome da empresa e a opinião de clientes e consumidores. http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Mantenha-se informado: Material de referência pode ser encontrado na “ Cartilha de Segurança para Internet ” . Novidades e dicas podem ser obtidas por meio do RSS e do Twitter do CERT.br. http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Mantenha-se informado: Outras fontes disponíveis são: Portal Internet Segura, que reúne as principais iniciativas de segurança na Internet no Brasil, auxiliando os internautas a localizarem informações de interesse e incentivando o uso seguro da rede; O site da Campanha Antispam.br, onde são descritas várias iniciativas no combate ao spam tanto para conscientização de usuários como de boas práticas para administradores de redes e sistemas. http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • ESTE SLIDE NÃO PODE SER REMOVIDO. DEVE SER EXIBIDO EM TODAS AS REPRODUÇÕES, INCLUSIVE NAS OBRAS DERIVADAS Esta obra foi originalmente desenvolvida pelo CERT.br, do NIC.br, e é promovida pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br). Ela faz parte de um conjunto de materiais educativos com o propósito de promover a conscientização sobre o uso seguro da Internet e baseia-se na Cartilha de Segurança para Internet (http://cartilha.cert.br/). Esta obra foi licenciada sob a licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Brasil (CC BY-NC-SA 3.0). O CERT.br /NIC.br concede a Você uma licença de abrangência mundial, sem royalties, não-exclusiva, sujeita aos termos e condições desta Licença, para exercer os direitos sobre a Obra definidos abaixo Reproduzir a Obra, incorporar a Obra em uma ou mais Obras Coletivas e Reproduzir a Obra quando incorporada em Obras Coletivas; Criar e Reproduzir Obras Derivadas, desde que qualquer Obra Derivada, inclusive qualquer tradução, em qualquer meio, adote razoáveis medidas para claramente indicar, demarcar ou de qualquer maneira identificar que mudanças foram feitas à Obra original. Uma tradução, por exemplo, poderia assinalar que “ A Obra original foi traduzida do Inglês para o Português, ” ou uma modificação poderia indicar que “ A Obra original foi modificada ” ; Distribuir e Executar Publicamente a Obra, incluindo as Obras incorporadas em Obras Coletivas; e, Distribuir e Executar Publicamente Obras Derivadas. Desde que respeitadas as seguintes condições: Atribuição — Você deve fazer a atribuição do trabalho, da maneira estabelecida pelo titular originário ou licenciante (mas sem sugerir que este o apoia, ou que subscreve o seu uso do trabalho). No caso deste trabalho, deve incluir a URL para o trabalho original (Fonte – http://cartilha.cert.br/) em todos os slides . Uso não comercial — Você não pode usar esta obra para fins comerciais. Compartilhamento pela mesma licença — Se você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob uma licença similar à presente. Aviso — Em todas as reutilizações ou distribuições, você deve deixar claro quais são os termos da licença deste trabalho. A melhor forma de fazê-lo, é colocando um link para a seguinte página http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/ A descrição completa dos termos e condições desta licença está disponível em: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/legalcode http://cartilha.cert.br/fasciculos/ Segurança em Redes Sociais
  • Tela 1: tela de abertura da palestra. Aqui aparecem o título do programa, os nomes dos apoiadores e do realizador. Clique uma vez e, enquanto os ícones e nomes se movimentam, inicie sua fala. O que falar: “O DETRAN/PR traz até a comunidade paranaense o programa Comunidade & Trânsito, uma iniciativa pioneira e inédita no Brasil. Este programa conta com o apoio da Secretaria de Estado da Segurança, Secretaria de Estado da Educação, Governo do Estado do Paraná, Programa PARE e IST – Instituto Brasileiro de Segurança no Trânsito.”
  • Tela 2: apenas de transição - Dê mais um clique
  • Tela 3: utilize para explicar como o assunto trânsito se relaciona com o programa FICA – Ficha de Cadastramento do Aluno Ausente. O FICA é um programa da SEED/PR (Secretaria Estadual de Educação do Paraná) que tem por objetivo mobilizar a sociedade para compreender os diferentes motivos que afastam as crianças da escola, bem como elaborar estratégias e implementar ações para evitar esse problema. O FICA é uma iniciativa do Ministério Público e o DETRAN/PR uniu-se à SEED para levar à comunidade paranaense a discussão sobre um dos mais importantes destes motivos: a violência do trânsito, fornecendo metodologia e ferramentas didáticas e estimulando a criação dos Conselhos Municipais de Trânsito. O que falar: “Há vários motivos que explicam – mas não justificam – a falta de acesso das crianças às escolas e o porquê destas crianças não permanecerem freqüentando as salas de aula. Muitas formas de violência como a exploração do trabalho infantil, exploração sexual, além de outras violências físicas e emocionais, são preocupações e alvos de atenção do FICA. A violência do trânsito é mais um dos motivos pelos quais a criança sofre e se afasta ou interrompe a vida escolar. Humanizar o nosso trânsito é preciso. Urgentemente. Os princípios a seguir para conseguirmos humanizar o trânsito são os mesmos do FICA: RESGATAR VALORES, com COMPROMISSO, COOPERAÇÃO e SOLIDARIEDADE. Todo esforço que fazemos dentro do FICA tem por objetivo garantir uma vida escolar para as crianças (ACESSO e PERMANÊNCIA). Através da educação formal as crianças se transformarão em cidadãos. Além disso, conhecimentos mínimos sobre o trânsito, seus benefícios e seus perigos, precisam ser ensinados pela família e pela escola, um complementando o outro. Quem ensina a caminhar pelas ruas é a família. A escola deve ampliar os conceitos de percepção dos perigos no trânsito e comportamento seguro para as crianças. Somente por estarmos falando sobre este tema, pensando e discutindo este assunto, a segurança já aumenta em muito. E a sala de aula é um ambiente ótimo para isso, com excelentes resultados práticos.”
  • Tela 4: nesta tela estão listados os tópicos correspondentes às metas do Comunidade & Trânsito O que falar: “Inicialmente, vamos ver onde o DETRAN/PR pretende chegar com o Projeto Comunidade & Trânsito. O principal objetivo principal é estimular a comunidade – nós, aqui reunidos – a criarmos um CONSELHO, que cuide especificamente dos problemas do trânsito na nossa cidade, no nosso município: o CMT - Conselho Municipal de Trânsito. Até o final desta palestra, vamos detalhar o que é e para que serve o CMT; Outro objetivo é a criação do Forum Paranaense de Segurança no Trânsito. Seguindo o exemplo de sucesso dos estados de Minas Gerais e Santa Catarina, o DETRAN/PR - contando com o apoio do Programa PARE - traz para vocês a idéia da organização de um Forum Permanente, onde toda a sociedade paranaense vai discutir os problemas do nosso trânsito, em cada um de nossos municípios e em todo o estado, que será organizado com base nos CMT’s. Sobre a Municipalização do Trânsito, este projeto pretende esclarecer o que é, para que serve, e fornecer todas as informações necessárias para que a comunidade tome uma decisão consciente e no momento adequado, para a sua cidade municipalizar o trânsito. Há, por um lado, uma previsão legal para que isso seja feito por todos os municípios brasileiros e, por outro, uma série de exigências e caracaterísticas deste processo que gera muitas dúvidas para as administrações públicas e, especialmente, para os cidadãos. Em muitos casos, principalmente nos municípios pequenos, a renovação dos convênios com a Polícia Militar ainda pode ser a opção mais sensata. No material que o DETRAN/PR está fornecendo através do Programa Comunidade & Trânsito, há um guia ampliado que ficará à disposição do CMT - que os senhores estarão formando em suas comunidades - para orientar sobre esse tão importante assunto. Finalmente, a última meta é juntarmos todas as informações, dados de pesquisas, e publicar um Relatório Estadual sobre o trânsito paranaense, desde o ponto de vista das comunidades através dos CMTs.”
  • Tela 5: nesta tela e na seguinte, estão itens e perguntas que servirão para você estabelecer um diálogo com a platéia. Provoque-os para que se manifestem, opinando, citando seus pontos-de-vista e experiências. ... Deixar os participantes responderem livremente, tanto poderão dizer frases, como palavras... é importante o ponto de vista deles. Vá juntando e memorizando as frases/palavras citadas. Escrevê-las em um quadro-negro ou flip-chart pode ser intererssante, para visualizar o modo como aquele grupo percebe o trânsito. O que falar: “É muito importante entendermos o que é, afinal, esse tal trânsito. Quero começar perguntando o que é Trânsito? Vamos conversar um pouco e ver como cada um de nós percebe nosso dia-a-dia no trânsito. Será que, quando dirigimos, nos sentimos assim (figura do motorista) tranqüilos? Será que quando estamos na condição de pedestres nos sentimos seguros (figura da faixa de pedestras)? Ou será que passamos a maior parte do tempo preocupados com o fantasma dos acidentes?”
  • Tela 6: com esta tela você poderá conduzir a platéia para pensarem – alguns pela primeira vez na vida – sobre o que é trânsito, sobre como cada uma daquelas pessoas se vê ou ‘não se vê’ utilizando o trânsito. Vá fazendo as perguntas, estimulando para que respondam e tente explorar o fato de que, invariavelmente, ninguém dá a devida atenção a um sistema tão presente em nossas vidas. O que falar: “Se pudéssemos perguntar a um peixe – e se ele pudesse nos responder como um humano – o que é água? Ele provavelmente não entenderia a pergunta e responderia com outro questionamento como “do que você está falando?’ Os peixes nunca pararam para pensar o que é água, como definí-la, como entendê-la, nem sobre seus benefícios em suas vidas, ou nos riscos que podem correr se o rio, mar ou açude esquentar demais, esfriar demais, se estiver poluído ou se turbulências inesperadas acontecerem. O peixe não percebe a água porque tudo o que é o seu mundo é água. Está tão presente, sempre que ele nem percebe. Pois nós, humanos, temos a tendência de agir assim, em relação ao trânsito. Não o percebemos. Não analisamos. Não pensamos nos seus benefícios para nossas vidas atribuladas, cheias de mil necessidades de deslocamentos, muito menos temos dado importância para o crescente aumento da violência que vem do trânsito. Agora, depois de nos darmos por conta de que utilizamos o trânsito sempre, desde que nascemos, vocês percebem que participar do trânsito é inevitável? Mais do que isso: é obrigatório. Desde o momento em que deixamos nossa cama nas primeiras horas da manhã, já iniciamos nossa movimentação diária: da cama até o banheiro. Do banheiro para a cozinha. Da casa para a calçada, para a rua, para o ônibus ou para o carro e assim por diante. Será assim até final de nossas vidas. Até mesmo para nossa participação derradeira, nas atividades do mundo, estaremos utilizando o trânsito para que nos levem ao cemitério, ou ao crematório. O trânsito, como ambiente comunitário é, sem dúvida, o maior ‘palco social’ que existe. Se não temos escolha, se vamos mesmo ter que utilizar o trânsito sempre, para sempre, como não nos preocuparmos com a forma com que ‘o outro’ participa do trânsito. Será que ‘o outro’ age com violência? Pensa que é dono da rua, da estrada? Será que dormiu bem à noite, ou está com sono ao volante? Será que bebeu antes de dirigir? Somente por estes aspectos, o assunto deveria interessar a todos. Deveríamos, até mesmo por uma questão de segurança, nos preocuparmos em como o outro percebe e atua no trânsito.”
  • Tela 7: Continuando ‘a construção’ de um conceito de trânsito junto com sua platéia, nesta tela você poderá fazer perguntas, estimulando as pessoas a lembrar mais palavras que definam ou ‘que tenham algo a ver’ com trânsito. Clique uma vez para que “acidente” apareça na tela. Estimule-os a “ajudá-lo” a juntar palavras, expressões ou frases que possam ser usadas para construir um conceito sobre trânsito, retomando o momento anterior onde eles já tinham começado a falar. O que falar: “A maioria das pessoas lembra, quando perguntadas sobre ‘O que é trânsito?’, de 3 aspectos que, embora façam, sim, parte do trânsito, não definam, nem ‘de longe’, TUDO o que É trânsito. Trânsito não é só o acidente, não é só o automóvel e não é só o motorista. Qualquer país – que esteja ou já tenha passado por momentos graves de violência do trânsito tal qual estamos passando agora no Brasil – apresenta em pesquisas, respostas ‘reduzidas’ e ‘simplistas’ como esta: ‘trânsito é o acidente, o automóvel e o motorista’. Só isso. Com pequenas variações - alguns lembram também da fiscalização, das multas ou do álcool - quando não temos ainda uma visão ampliada do que é trânsito, nossa tendência é enxergar apenas o que é mais evidente. Nada mais evidente do que os acidentes, claro. Mas ver o trânsito apenas por este prisma é muito pouco. E este pensamento já revela um dos motivos pelos quais não temos encontrado soluções para humanizar o trânsito: SEQUER PENSAMOS SOBRE O QUE É, AFINAL, TRÂNSITO, OU SEQUER SABEMOS O SUFICIENTE SOBRE ELE, SOBRE SUAS CARACTERÍSTICAS, PERIGOS OU BENEFÍCIOS. Mesmo os aspectos positivos do trânsito (a mobilidade, a agilidade, etc) não são lembrados num primeiro momento.”
  • Tela 8: nesta tela, você pode ajudar a expandir o pensamento da platéia sobre o que é trânsito, aumentando seu conhecimento sobre o assunto. O que falar: “Trânsito é muito mais do que o automóvel, o motorista e o acidente. Para definir trânsito, é preciso, em primeiro lugar, lembrar do sagrado e inalienável ‘Direito de Ir e Vir’ que assite a cada ser humano. Qualquer constituição de um país que seja decente, leva em conta este direito. É basico. É cidadania. Pela imensidão do nosso território, somos um país cujos cidadãos exercem seu direito de Ir e Vir em canoas, no lombo de jegues, ou mesmo em helicópteros. Outros, em seus automóveis. Aliás, construimos um país pensando apenas nisso: nas estradas. Nossa estrutura viária privilegia quem utiliza automóveis, embora a maioria das pessoas faça seus deslocamentos de transporte coletivo, montado em animais, em carroças, de bicicleta ou à pé. Para formar um conceito e entender um pouco melhor o que é trânsito, precisamos também levar em conta a abrangência e a importância do trânsito no nosso dia-a-dia: pensem em produtos que as pessoas, empresas, produzem e consomem. Vejam que não há nada que não passe pelo trânsito, que não precise ser transportado. Por outro lado, as pessoas – os cidadãos PARA os quais o trânsito foi feito, ou DEVERIA ter sido feito – são desiguais em suas condições e recursos para utilizar o trânsito. Nem todos têm avião, barco, carro. Alguns nem mesmo têm dinheiro para o transporte coletivo. Ou são analfabetos e não conseguem entender qual ônibus serve para qual trajeto. Vocês já pensaram nisso? Entretanto, para formarmos uma idéia mais abrangente e próxima da nossa realidade, não podemos esquecer de uma condição que nos iguala a todos: todos somos pedestres. E é justamente na condição de pedestre – o mais frágil dos usuários - que devemos nos ver para entender melhor nossos direitos e deveres neste que é o maior de todos os ambientes sociais: o trânsito. Dos direitos, lembramos ou descobrimos facilmente. É muito fácil nos acostumarmos com as coisas boas. O difícil é lembrarmos, e/ou assumirmos, os nosso deveres. Imaginem um trânsito onde o referencial seja o pedestre. Um trânsito que considere o mais frágil de seus usuários como a base de tudo. Pensem um pouquinho: o nosso trânsito, o seu trânsito, o trânsito na sua cidade, naquela estrada, naquela rua por onde você sempre passa, ele foi feito para o cidadão que se desloca de carro, de ônibus, ou para quem ‘vai à pé’? Como ele é? Está certo assim? Como ele deveria ser?”
  • Tela 9: Nesta tela, está reproduzida a definição de trânsito constante do CTB. Lembre-se que o CTB completo, com anexos, está disponível no CD Material de Apoio, formato PDF, e impresso, na pasta do Kit 1 Comunidade & Trânsito. O que falar: “Estamos construindo um conceito nosso do que seja trânsito. Que tal vermos o que está na lei? O que diz o CTB a respeito do que é o trânsito? A definição do nosso Código coincide com o que estamos falando aqui? Vamos ver: (ler a tela) Trata-se de uma definição técnica e, como tal, é considerada por muitos especialistas como sendo adequada. E é mesmo. Alguns consideram nosso CTB um dos códigos mais avançados do planeta. Esta definição é muita boa, principalmente, considerando-se o código anterior (CNT – Código Nacional de Trânsito). Se compararmos com a elaboração coletiva que estávamos fazendo até há pouco, ela vai parecer um tanto fria e, provavelmente, vamos achá-la limitada, considerando-se todos os aspectos comportamentais do homem. Vamos, então, ver um outro conceito..”
  • Tela 10: Uma definição de trânsito muito interessante e respeitada é a do especialista em trânsito Eduardo Vasconcelos, da ANTP – Associação nacional de Transporte Públicos, em “O que é Trânsito?”, da Editora Brasiliense. O que falar 1: (Ler a tela) Provoque a platéia peguntando se concordam com o autor. Conduza o diálogo tentando estabelecer um conceito próprio, um conceito que seja daquela assembléia. O que falar 2: “Quero lhes propor um exercício: vamos imaginar e tentar perceber a que diferentes conceituações chegariam grupos diferentes deste nosso, formado, por exemplo, apenas por motoristas de caminhão, apenas por pedestres, ou outro formado apenas por idosos que ainda dirigem. É claro que diferentes pontos de vista resultariam em conceitos diferentes, provavelmente tendenciosos, tentando privilegiar as suas próprias necessidades. Vejam como o trânsito é mesmo difícil de ser entendido, compreendido e, principalmente, compartilhado: estas diferentes pessoas estão todas – ao mesmo tempo – utilizando o trânsito. Cada qual usando – e/ou abusando – conforme sua crença pessoal do que o trânsito seja. Ou do quê cada um gostaria que o trânsito fosse.”
  • Tela 11: Nesta tela, está disposto, de forma resumida, a composição do SNT – Sistema Nacional de Trânsito. É a forma como está estruturado o trânsito brasileiro. Utilize-a para ampliar os conhecimentos da platéia sobre como funciona o trânsito no Brasil. O que falar: “Voltemos às leis para entendermos melhor como o trânsito brasileiro funciona: o nosso Sistema Nacional de Trânsito está dividido nas esferas Federal, Estadual e Municipal. No topo desta pirâmide, está o Denatran, na esfera federal, que é o órgão executivo máximo, e o Contran, órgão normativo, aquele que faz as leis. Na esfera estadual, o destaque é o Detran, órgão executivo que autoriza e controla veículos e condutores em cada estado brasileiro. No nível municipal, temos duas situações: a das cidades que municipalizaram o trânsito, criando o seu próprio Órgão Executivo Municipal de Trânsito, e nas cidades que ainda não ‘municipalizaram’o seu trânsito. Neste caso, convênios entre a prefeitura, o Detran e a Polícia Militar garantem o funcionamento do trânsito local. Este é o modelo que ainda predomina em todo o país. Dentre 5.560 municípios brasileiros, menos de 800 municipalizaram o seu trânsito. Então, onde entra o CMT? Por que DETRAN/PR está estimulando a idéia de cada município criar o seu próprio Conselho de Trânsito, mesmo antes da municipalização? Porque esta é uma forma inteligente de fazer amadurecer, no seio da própria comunidade uma consciência sobre o que é trânsito, quais são seus benefícios e ameaças, quais os seus problemas, como funciona o trânsito no país, no estado e na sua cidade, quais são os problemas mais urgentes, masi importantes, como o comportamento de cada um pode ajudar a melhorar e tornar mais humano o dia-a-dia de nossas movimentações, de nossos deslocamentos, do nosso ir e vir diário.
  • Tela 12: nesta tela você encontra uma definição para o que está sendo proposto, com destaque para o ponto principal, que é a palavra-chave COMPROMETIMENTO. Aqui, você deve fazer um link com os propósitos do programa FICA, cuja palavra de ordem também é comprometimento. O que falar: “Vamos ver, então, o que é esse tal CMT. (ler) “ O CMT é uma forma de estruturarmos corretamente o trânsito nas cabeças de cada um e no espírito da sociedade em que vivemos. Está comprovado: as sociedades que dão importância a este tema têm um trânsito com índices de violência muito mais baixos que os nossos. Todos os países que hoje têm um trânsito seguro (Japão, Suécia, Suíça, etc) passaram por um momento que foi o divisor de águas: foi o momento em que a sociedade disse ‘CHEGA! Não podemos mais conviver com isso. Chega de vermos nossos concidadãos, filhos, amigos, maridos, esposas se ferirem e morrerem num ambiente que não foi feito para ferir e matar’. Criar o CMT, esta proposta que o DETRAN/PR nos traz através do Programa Comunidade & Trânsito, é assumir um COMPROMISSO com a vida.”
  • Tela 13: Tela: nesta tela estõa listadas algumas atribuições do CMT, constantes da seção CMT do Kit 1. O que falar: “Vejamos como o CMT vai desempanhar suas funções: (ler) Estas são, resumidamente, algumas funções que podem – ou devem – ser assumidas pelo CMT. Aqui no Kit 1 (Mostrar) há uma seção especial que descreve em detalhes tudo o que precisamos saber para criar um Conselho Municipal de Trânsito. Ao elaborar este material, o DETRAN/PR se preocupou em nos dar todo o suporte técnico necessário para que o nosso CMT pudesse funcionar bem. Um aspecto interessante é que os CMTs são livres associações de pessoas que se interessam, que se preocupam, com o trânsito. Portanto, dele podem participar qualquer pessoa que se enquadre numa única exigência mínima: ser cidadão. Mesmo o Presidente, Diretor Geral, Coordenador Geral – como quer que o entitulemos (até para isso, temos liberdade) – pode ser qualquer um de nós. O que o DETRAN/PR está fazendo é nos alertar para a gravidade do assunto e para que façamos – nós próprios – a nossa parte. Mas vejam que não ficou só na provocação ou na ‘venda’ da idéia. O DETRAN nos forneceu material. Participamos de um evento como esse e recebemos orientações e todo o material necessário para realizarmos este evento aqui (agora). Também há material para estudos e ações junto à nossa comunidade. E ainda um material especial para as escolas, com videos em desenhos animados para as crianças. O DETRAN veio nos lembrar e mostrar que temos ‘fome’, mas nos ‘ensinou a pescar’. Não só isso, nos deu linha, vara, anzol e até mesmo… isca.”
  • Tela 14: tela depreparação para apresentar as estatísticas sobre acidentes de trânsito. O que falar: “Qual será o tamanho deste ‘problema’ que vamos enfrentar? Vamos conhecer um pouco mais? Alguém aqui faz idéia de quantos brasileiros se ferem ou morrem por ano?”
  • Tela 15: nesta tela estão, de uma forma pouco comum de apresentação destes dados, a impressionante quantidade de mortos e feridos no trânsito brasileiro. Vá clicando para que as linhas paarecem uma a uma. O que falar: “Vocês tinham idéia disso?... Se a cada onze minutos o trânsito brasileiro mata uma pessoa, então, desde que começamos esta apresentação, infelizmente, quantas pessoas já morreram? Vejam que, pelo número oficial, do DENATRAN, morrem 30 mil brasileiros por ano em nossas ruas e estradas. Mas esta estatística considera apenas os mortos no local do acidente. Se a vítima morrer uma semana depois, no hospital, já não será contada como vítima do trânsito. Este número, sabidamente, está subestimado. Somente a FENASEG – Federação Nacional da Seguradoras – que é quem paga as indenizações dos acidentes – efetivou cerca de 40 mil indenizações em 2005. Estima-se que o número real pode chegar a 50 mil mortos a cada ano. Alguns estudos (dados extra-oficiais) apontam para até 80 mil mortes! Consideremos os 50 mil. Significa que, diariamente morrem, aproximadamente, 150 pessoas. 150 pessoas por dia! É como se, todos os dias, um avião comercial caísse em solo brasileiro. P odemos dizer que CAI UM AVIÃO POR DIA NO BRASIL. Quando cai um avião há sempre uma repercussão enorme. Teríamos, então, diariamente, uma catástrofe a lamentar. Mas não é o que acontece! Nós não damos a mesma atenção e importância aos acidentados terrestres. O quadro geral do nosso trânsito é de caos, de tragédias, de calamidades. E a a maioria das pessoas não têm consciência de sua seriedade e gravidade. Muitas vezes, os números já não sensibilizam mais. As pessoas correm o risco de se acostumarem com eles, de banalizarem a dor, a desgraça e a tragédia que é perder uma vida só, que seja, por um problema que poderia ser completamente evitável.
  • Tela 25: nesta tela você poderá explorar os dados resumidos de pesquisas realizadas pelo IST e pelo IPEA, mostrando o impacto financeiro dos acidentes de trânsito no brasil. Leia os dados e estabeleça o comparativo proposto. O que falar: “Além dos prejuízos pessoais, emocionais, da dor da perda de entes queridos – e todas as vítimas de trânsito têm, ou tinham, entes queridos para chorar por eles – das perdas de talentos que tiveram suas vidas interrompidas (morte) ou comprometidas (invalidez)... Há também os pesados prejuizos materiais. Vou mostrar dados do IPEA – Instituo de Economia Aplicada e do IST – Instituto de Segurnaça no Trânsito. Alguns bem recentes (2004 e 2006) e outros, como os do IST, que já previam o gigantesco impacto dos acidentes de trânsito em nossa economia, desde 2002. Acham que isso é muito, ou pouco? Vamos comparar com algo que provavelmente vocês irão compreender, e que faz parte do trânsito: alguém aqui, sabe qual é o preço de um carro popular, tal qual um Uno, um Celta ou um Gol? Vejam quantos carros novos poderiam ser comprados se não jogássemos no lixo, anualmente, todo este dinheiro.”
  • Tela 26: aqui você tem dados econômicos sobre os custos do trânsito aos cofres públicos. O que falar: “Em 2004, o IPEA publicou um estudo sobre o impacto econômico dos prejuízos gerados pela violência do trânsito, considerando acidentes ocorridos em áereas urbanas. Neste ano, o DENATRAN e o IPEA publicaram um estudo complementar, mostrando dados referentes aos acidentes ocorridos em rodovias. Somente com acidentes em rodovias, gastamos incríveis 24,6 bilhões de reais por ano. Mais impressionante é este dado, calculado pelo Dr. David Duarte Lima, professor da UnB, Doutor em Segurança de Trânsito, e Diretor do IST: um politraumatizado (pessoa que sofreu muitos ferimentos, e de vários tipos, vítima típica de acidente de trânsito), caso sobreviva, pode representar gastos de até impresisonantes 10 mil dólares por dia! Pensem bem: que doenças cuja cura ainda não foi descoberta ou, por exemplo, catástrofes naturais causem enormes gastos ao Sistema de Saúde de um país, tudo bem. Mas acidentados no trânsito?... Acidentes que sabidamente poderiam ter sido evitados, gerar tantos gastos… O que acham? Não lhes parece uma grande estupidez?...”
  • Tela 27: aqui está um outro estudo feito pelo IPEA, que lhe permitirá mostrar para a platéia os impactos sociais dos acidentes O que falar: “Nossa conversa está muito fria? Estamso falando muito sobre dinheiro, apenas? Vejam este estudo do IPEA (ler) Será que podemos calcular os prejuízos pessoais gerados pelos acidentes de trânsito? Mas, talvez, o pior da violência do trânsito seja o aspecto da Seletividade: os acidentes de trânsito fazem uma ‘seletividade às avessas’. Na natureza, morrem primeiro os mais fracos, os mais velhos. O trânsito mata principalmente jovens de 18 aos 35. A maioria homens. Dadas as características de nossa sociedade, os homens, nesta faixa etária, estão no auge de suas vidas e no melhor de suas capacidades produtivas. Qual será o prejuízo social disto?”
  • Tela 28: aqui você terá a oportunidade de falar sobre as soluções clássicas para os problemas de trânsito. O que falar: “Qual é a solução para os problemas de trânsito? A solução clássica, utilizada no mundo todo, é um conjunto de medidas chamada “Os três ‘E’s do trânsito”. Todos os países desenvolvidos, que hoje têm um trânsito seguro, aplicaram esta fórmula, com algumas variações. De quem é a responsabilidade da implantação de cada “E” ? (Deixá-los responder. Resposta esperada: Comunidade + Governo).
  • Tela 29: destaque para o capítulo 6 do CTB O que falar: “Dos três ‘E’s para resolver o trânsito, o ‘E’ da Educação é de fundamental importância. O nosso CTB – Código de Trânsito Brasileiro foi escrito levando em conta a prevenção e a educação. Voltemos às leis e vejamos o que está escrito sobre educação no nosso Código. (ler) Como vocês podem ver. Não é por falta de previsão legal. O que está sendo proposto aqui, o Comunidade & Trânsito, o Conselho Municipal de Trânsito, está em perfeita sintonia com este espírito presente no Código.”
  • Tela 30: continuação da anterior
  • Tela 31: destaca o papel da comunidade e as experiências exitosas de outros estados O que falar: “Afinal, qual é o papel da comunidade nisso tudo? O que compete a nós, comunidade, e a cada um de nós, cidadãos, fazer para humanizar o nosso trânsito? O que nos compete é um mínimo de organização, de dedicação para enxergarmos o que está acontecendo à nossa volta, percebermos que esta parte ruim e indesejável do trânsito (os acidentes) não podem ser o destaque principal em nossa mobilidade diária. Nosso papel é nos organizarmos e agirmos. Há várias formas de fazer isso. Mas não precisamos ‘reinventar a roda’. Adaptar, sim. Encontrar nossa própria receita, sim. Porque não há uma fórmula mágica que funcione para todos. Há históricos muito interessantes para nos referenciarmos, como os Foruns de Segurança, estimulados pelo Ministério dos Transportes através do Programa PARE. É o caso do Forum Catarinense e do Forum Mineiro. Tendo estes casos como referencial, o DETRAN/PR sugere que um Forum Paranaense de Segurança no Trânsito poderia ser criado, com suporte nos CMTs que o Comunidade & Trânsito vai criar.”
  • Tela 33: nesta tela você vai poder
  • Tela 34: nesta tela, você poderá demonstrar como a criança, dentro do trabalho que o CMT vai fazer nas escolas, vai participar de forma ativa do Comunidade & Trânsito.
  • Tela 35: saliente que as crianças ganham um benefício imediato e a sociedade, como um todo também ganha. Hoje: porque as crianças passam a se comportar com mais segurança, evitando se envolver em acidentes. 2) porque ela passam atuar naturalmente como multiplicadores, irradiando os conceitos de segurança e, de certa forma, ‘fiscalizando’ o comportamento das pessoas.
  • 30/10/12
  • 30/10/12
  • 30/10/12
  • 30/10/12
  • 30/10/12
  • 30/10/12
  • 30/10/12
  • 30/10/12
  • 30/10/12
  • 30/10/12
  • 30/10/12
  • 30/10/12
  • 30/10/12
  • 30/10/12

100 DICAS ENEM PARTE 09 100 DICAS ENEM PARTE 09 Presentation Transcript

  • 100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM 2012/2013 PARTE 9 E AÍ, GOSTARAM?ACABARAM-SE AS DICAS, E AGORA É TORCER PARA QUE ALGUMA DELAS CAIA NO SEU ENEM... SUCESSO SERÁ TODO SEU..SE VOCE LEVOU A SÉRIO VOCE VAI VER... Prof. MARIO FERNANDO DE MORI
  • A RESPEITO DO TEMA, PODE-SE DIZER1 - Desde o dia 11 de maio, manifestações contrárias ao monopólio do poder pelos membros do Partido Revolucionário Institucional (PRI) no México estão sendo chamadas de Primavera Mexicana.2 - As graves denúncias de corrupção contra o governo, seguidas da repressão aos meios de comunicação, tem ampliado o movimento que começou com o protesto dos estudantes da Universidade Iberoamericana, localizada na Cidade do México, durante a visita de Peña Nieto, candidato do PRI à presidência.3 - Na época, forças policiais reprimiram brutalmente manifestantes da “Frente de Povos em Defesa da Terra”, que protestavam contra a construção de um aeroporto em Texcoco. De acordo com a CNDH (Comissão Nacional de Direitos Humanos), a repressão resultou na morte de dois jovens, na prisão de mais de duzentos manifestantes e no estupro de quarenta e sete mulheres por membros das forças repressoras.4 - O candidato do PRI à presidência acusa os líderes dos protestos de estarem ligados ao partido de Andrés Manuel López Obrador, candidato à presidência pelo PRD (Partido da Revolução Democrática), seu principal adversário eleitoral. Peña afirmou ainda que os manifestantes não seriam estudantes e que foram pagos pelos seus opositores esquerdistas. Diante dessas acusações, os universitários gravaram um vídeo no qual 131 jovens mostram a carteira de identificação da universidade. A partir de então, teve início o movimento #yosoy132 (“eu sou o 132”).5 - Além dos estudantes da Universidade Iberoamericana, universitários de outras instituições se juntaram ao movimento e se organizam por meio do Twitter, Facebook e Youtube. Entre as manifestantes já há jovens da UNAM, do Instituto Politécnico Nacional, da Universidade Autônoma Metropolitana, da Universidade Autônoma da Cidade do México, do Claustro de Sor Juana, da TEC de Monterrey, do ITAM e da ANÁHUAC. Os próprios dirigentes estudantis definem o movimento, "Primavera Mexicana", como uma luta "em que os jovens florescem e espalham suas ideias como pólen, no qual os corações se incendeiam, as mentes se abrem e se fazem tangíveis as ilusões".ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:a) Todas estão corretasb) Somente 1,3,4,5 estão corretasc) Somente 2,3,4 e 5 estão corretasd) Somente 1,3,4,5 estão corretase) Somente 2,4,5 estão corretas
  • DICA 91: 100 ANOS DA GUERRA DOS BÁLCÃS
  • 1. Fatores que contribuíram para a eclosão do conflito: 1.1. Imperialismo • Inglaterra X Alemanha
  • “Como faremos para apertar as mãos?”Na charge, a rivalidade naval entre a Alemanha e a Grã- Bretanha.
  • 1.2. Disputa colonial na África e Ásia por mercados e matérias-primas;
  • 1.3. Conflitos nacionalistas• Pan–eslavismo, liderado pela Rússia contra o Império Austro-Húngaro;• Pan–germanismo, liderado pela Alemanha;• Revanchismo francês, devido à perda da Alsácia-Lorena, em 1870.
  • •1.4. Tensões no Marrocos e nos Bálcãs; •1.5. Assassinato do arquiduque austríaco Francisco Ferdinando, na Bósnia. Arquiduque FranciscoFerdinando e sua esposaSofia, uma hora antes doatentado em Sarajevo, em 28 de junho de 1914.
  • Ilustração feita em 1914 mostra oatentado em Sarajevo contra o herdeiro austríaco FranciscoFerdinando. Veja que sua esposa também será baleada pelo terrorista.
  • 2. A política de alianças e a “paz armada”Percebendo o inevitável conflito, inicia-se a corrida armamentista;• Formação de dois blocos militares
  • 3.Inicia-se a guerra (28 de julho/1914)•O império Austro-Húngaro declaraguerra à Sérvia;• A Rússia mobiliza-se contra os Austro-húngaros e alemães;
  • •A Alemanha ataca a Bélgica (neutra) para chegar à França (Plano Schlieffen), generalizando o conflito.Com a invasão das tropas alemãs, a população belga foi obrigada a fugir do país.
  • 3.1. A guerra de movimento3.2. A guerra de posição (trincheiras)3.3. 1917: Dois fatos marcantes• Saída da Rússia, devido à RevoluçãoSocialista (Tratado de Brest-Litovsk - 1918);• Entrada dos Estados Unidos.
  • Na primeira Guerra, ocorreu a estreia de armasmortíferas: o tanque e o avião. Os aviões eram biplanos(com duas asas ) e atingiam uma velocidade de até200km/h. O tanque foi uma invenção inglesa, excelentepara enfrentar as trincheiras.
  • Tropas norte- americanas escoltam prisioneirosalemães no final da PrimeiraGuerra Mundial.
  • 3.4. O Programa dos 14 Pontos: atentativa de paz sem vencedores;4. O fim da guerra e os “Tratados de Paz”: • O Kaiser Guilherme II abdica e a Alemanha, transformada numa república,assina o armistício (11 de novembro/1918).
  • •O Tratado de Versalhes: 440 artigos que humilharam a Alemanha, com indenizações,devolução de territórios, desmilitarização etc.•Surgimento de novos países: Tchecoslováquia, Hungria, Polônia, Iugoslávia, entre outros, desmembrando impérios como o Austro- Húngaro. •Criação da Liga das Nações (1919), sem as participações dos Estados Unidos e União Soviética.
  • Soldados britânicos em ação Representantes dos paísesenvolvidos no Tratado de Versalhes. À esquerda, o primeiro-ministro britânico, David Lloyd George. No centro, o primeiro-ministro francês George Clemenceau. À direita, o presidente norte-americano Woodrow Wilson.
  • 5. A supremacia mundial dos Estados Unidos (fatores) •A neutralidadedurante a maior parte do conflito,fornecendo produtos e empréstimos aos países da Entente; • A dependênciaeuropeia pós-guerra e o consequente aumento de divisas.
  • Charge ironiza os vencedores da guerra: o inglêsDavid Lloyd-George, o francês Georges Clemenceaue o americano Woodrow Wilson redefinem o mapa domundo.
  • TanqueRenault usado Bala de na Primeira canhão usada Guerra na Primeira Mundial. Guerra.
  • Soldados à frente e, ao fundo, um tanque britânico.
  • Canhões em campoaberto preparando-se para agir.
  • General Pershing, Marechal von comandante das Hindenburg, sob cujotropas americanas comando estiveram os alemães ao final das na Europa. operações.
  • Carros blindados numa estrada. O aspecto desses carros mostra como era incipiente o uso da mecanização que mais tarde se generalizaria.
  • Soldados em repouso, numatrincheira, aguardam o momento de entrar novamente em ação.
  • Já na I Guerra Mundial muitas cidades foram duramente castigadas pelos bombardeios. Aqui vemos oaspecto a que os Alemães reduziram a cidade francesa de Ypres.
  • Comboio alemão detanques durante a guerra.
  • Comboio aliadotransportando provisões durante a guerra.
  • Aviões alemães num campo de pouso, à espera para decolagem.
  • Canhão utilizadona Primeira Grande Guerra Mundial.
  • Uma cidade totalmente destruída durante a guerra.
  • Mapa da Europa durante a I Guerra Mundial.
  • “A humanidade é louca! Deve ser louca para fazer o que estáfazendo. Que massacre! Que cenasde horror e carnificina. Não consigo encontrar palavras para traduzir minhas impressões. O inferno não pode ser tão terrível. Os homens estão loucos!” Soldado francês, pouco antes de morrer, vítima da guerra.
  • QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 91A região dos Bálcãs foi um importante foco de tensão. Ali, ocorreram diversos confrontos armados que acabaram deflagrando a Primeira Guerra Mundial, o que justifica a ideia de que os Bálcãs eram um barril de pólvora. Na primeira Guerra dos Bálcãs (1912), o Império turco perdeu suas possessões nesta região ao ser derrotado pela Liga Balcânica (Sérvia, Bulgária, Montenegro, Romênia e Grécia) com o apoio da Rússia. A segunda Guerra dos Bálcãs (1913) foi travada entre a Sérvia e Bulgária na disputa desses mesmos territórios. A Paz de Bucareste deu a vitória aos sérvios.A respeito da REGIÃO BALCÂNICA e DA GUERRA CITADA, PODE-SE AFIRMAR QUE:1 – A Primeira Guerra Mundial ocorreram nas frentes ocidentais, em trincheiras e fortificações (separadas pelas "Terras de Ninguém", que era o espaço entre cada trincheira, onde vários cadáveres ficavam à espera do recolhimento) do Mar do Norte até a Suíça. As batalhas davam-se em invasões dinâmicas, em confrontos no mar, e pela primeira vez na história, no ar.2 – A região dos conflitos, a balcânica, é uma área entrincheirada com grandes produções de petróleo, e um mosaico cultural, e esses dois fatos foram os causadores desta batalha do início do séc. XX;3 - Três impérios europeus foram destruídos e consequentemente desmembrados: Alemão, o Austro-Húngaro e o Russo. Nos Bálcãs e no Médio Oriente o mesmo ocorreu com o Império Turco-Otomano.4 – Os conflitos entre sérvios e muçulmanos, que marcaram a região no final do séc. XX, foi originado nas migrações dos árabes mouros para esta região da Europa, onde aspectos culturais dos mesmos estão presentes.ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:a) Todas estão corretasb) Somente 1 e 3 estão corretasc) Somente 2 e 3d) Somente 1,3,4 estão corretase) Somente 2 e 4 estão corretas
  • DICA 92: 10 ANOS DOSATENTADOS EM BALI
  • CHOQUE deCIVILIZAÇÕESA VITÓRIA do TERROR?
  •  Entrevistador: O senhor não gosta da expressão "choque de civilizações". Por quê?  Said: (...) são inúmeros os problemas. Para começar, ela trata as civilizações como se fossem entidades fechadas, lacradas, alheias a qualquer tipo de troca (...). Por fim, a idéia de choque de civilizações tem um aspecto caricatural muito nocivo, como se enormes entidades chamadas "Ocidente" e o "Islã" estivessem num ringue, lutando para ver qual é a melhor. (intelectual palestino Edward Said) -Revista Veja, 25/06/2003.
  •  1095-1291 – CruzadasIncentivados pelo papa, cristãos rumam para o OrienteMédio para conquistar Jerusalém e a Terra Santa dos muçulmanos.  1991 - Guerra do Golfo Iraque invade o vizinho Kwait, provocando reação militar dos Estados Unidos.  2001 - 11 de Setembro Liderados por Osama bin Laden, terroristas islâmicosseqüestram aviões nos Estados Unidos e projetam as aeronaves contra alvos em Nova York e Washington, causando mais de 3.000 mortes.  2003 - Guerra do IraqueEstados Unidos invadem o Iraque e derrubam o ditador Saddam Hussein.
  •  Em meio à luta contra o terror detonada pelo 11 de Setembro, o presidente americano George W. Bush referiu-se à empreitada da coalização ocidental no Oriente Médio e no Afeganistão como uma "cruzada".  "O terrorismo continua atuando, não devido a seu poder ideológico ou físico, mas porque as nações que dele são vítimas não conseguem detê-lo". (A.M. Rosenthal. "O Globo", 02/08/96, p. 07)
  • Alguns atentados
  • 21 de julho de 1972, Belfast• Mortos: 11 pessoas• Feridos: 130 pessoas• Culpados: braço armado do Exército Republicano Irlandês (IRA)• A mais famosa ação terrorista do braço armado do IRA, o principal grupo radical do Ocidente. As dez bombas e oito carros- bomba detonados em Belfast.
  • 5 de setembro de 1972, Munique• Mortos: 11 inocentes, 5 terroristas e um policial.• Culpados: palestinos da facção Setembro Negro.• A maior tragédia da história das Olimpíadas e o maior atentado em defesa da causa palestina.
  • 26 de fevereiro de 1993, Nova York• Mortos: 6 pessoas.•Feridos: cerca de 1.000 pessoas.•Culpados: radicais muçulmanos liderados por Ramzi Ahmed Yousef, ligado à rede Al Qaeda.• A explosão de um furgão recheado com meia tonelada de bombas matou e feriu americanos.
  • 20 de março de 1995, Tóquio• Mortos: 12 pessoas.• Feridos: 5.700 pessoas.• Culpados: integrantes da seita Aum Shirinkyo.• Uma nuvem de gás Sarin invadiu o metrô lotado e provou como as grandes metrópoles do mundo estão vulneráveis ao terror. Desta vez, os fanáticos não eram muçulmanos, mas sim membros de um culto apocalíptico.
  • 19 de abril de 1995, Oklahoma City• Mortos: 166 pessoas.•Feridos: centenas de pessoas.•Culpados: extremistas de direita ligados a milícias.•Quando uma van recheada de explosivos caseiros rasgou um prédio do governo ao meio na pacata e interiorana Oklahoma City, as suspeitas logo recaíram sobre homens de barba e turbante e Corão na mão. Os assassinos eram brancos e americanos.
  • 11 de setembro de 2001, N. Y., Washington e sul da Pensilvânia•Mortos: mais de 3.000 inocentes e 19 terroristas.•Feridos: milhares de pessoas.•Culpados: radicais muçulmanos ligados à rede Al Qaeda.•O maior atentado terrorista da História: quatro boeings seqüestrados.
  •  Número oficial de mortos no World Trade Center: 2819  Fragmentos de pele e ossos coletados: 19 858  Número de corpos identificados: 1102  Número de pedestres mortos pela queda de destroços: 10  Policiais mortos: 23  Bombeiros mortos: 343 Faixa etária média das vítimas do atentado: 36 anos Pessoas resgatadas com vida dos escombros, todas no dia seguinte ao atentado: 18
  •  144 anéis, 437 relógios, 77 colares, 119 brincos e 80 pulseiras foram recolhidos nos escombros, entre 65 000 objetos pessoais. Viagens de caminhões carregados de entulho: 108 444  Duração do incêndio no subsolo: 101 dias O impacto de cada um dos aviões equivaleu à explosão de 1 000 toneladas de dinamite As cédulas de dólares recolhidas nos destroços encheram 60 sacos de lixo de 100 litros
  •  Dos cofres do banco Nova Scotia, localizados no subsolo do WTC, foram retiradas 3 800 barras de ouro pesando 10,8 toneladas e avaliadas em 110 milhões de dólares e 848 toneladas de lingotes de prata que valem 120 milhões de dólares Dinheiro incinerado nos cofres do Bank of America: 11 milhões de dólares  Carros encontrados nas garagens subterrâneas: 1 350
  • 12 de outubro de 2002, Bali (Indonésia)• Mortos: mais de 200 pessoas.• Feridos: mais de 300 pessoas.• Culpados: radicais muçulmanos ligados à rede Al Qaeda.• O terror islâmico atacou jovens turistas e surfistas estrangeiros, arrasando boates, lojas, cafés e bares na ilha. Entre os mortos estavam cidadãos de vinte nacionalidades diferentes.
  • 23 de outubro de 2002, Moscou•Mortos: 118 inocentes e 54 terroristas.• Feridos: 146 pessoas.•Culpados: muçulmanos separatistas da Chechênia.•No segundo ato da peça em cartaz no Palácio da Cultura, os fuzis dos chechenos renderam público e atores. Vladimir Putin ordenou a sangrenta invasão do teatro. Sua população o apoiou.
  • 15 e 20 de novembro de 2003, Istambul•Mortos: 52•Feridos: mais de 450.•Culpados: A Al Qaeda assumiu a autoria das duas ações.•No sábado, dia 15, terroristas suicidas explodirem diante de duas sinagogas de Istambul, matando 25 pessoas. Cinco dias depois, carros-bombas explodiram na agência central do banco inglês HSBC.
  • 11 de março de 2004, Madri• Mortos: 200 pessoas.• Feridos: mais de 1.500 pessoas.•Culpados: terroristas islâmicos.•Uma série de bombas explodiram num intervalo de cinco minutos, entre 7h39 e 7h44 de uma quinta-feira. Dez bombas escondidas em mochilas dentro de trens metropolitanos.
  • 3 de setembro de 2004, Beslan (Ossétia do Norte, Rússia)• Mortos: mais de 200, a maioria crianças.• Feridos: 700 feridos.• Culpados: terroristas islâmicos chechenos e árabes.• Três dezenas de terroristas, sitiaram 1.200 pessoas durante três dias numa escola. Das vítimas, 70% eram crianças, professores e pais. As forças policiais russas invadiram a escola e a maioria dos terroristas foi morta.
  • 7 de julho de 2005, Londres• Mortos: 50.• Feridos: mais de 700.•Culpados: reivindicou o ataque o Grupo da Al Qaeda na Organização da Jihad na Europa.•Pouco antes das 9h da manhã, quatro bombas explodiram com pequenos intervalos.
  • QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 92Indonésia lembra dez anos dos atentados de Bali: Cerimônias foram realizadas sob forte esquema de segurança. Ataque terrorista mais sangrento da Indonésia foi realizado por membros do movimento Jemaah Islamiyah
  • A RESPEITO DOS ATENTADOS, DA IMAGEM ACIMA, PODE-SE DIZER1 - Ketika Nurani Bicara ("Quando a Consciência Fala", em tradução livre), com tiragem de dez mil exemplares, narra a história de Ali Imron, de jovem muçulmano a terrorista condenado. O objetivo da publicação é alertar os jovens do país sobre o perigo do extremismo islâmico.2 - Ali Imron cumpre atualmente sentença de prisão perpétua pelo ataque. Ele só não foi condenado à morte porque se mostrou arrependido e aceitou colaborar com a polícia.3 - Os atentados de 2002 contra os espaços noturnos Sari Club e Paddys Bar, na zona de Kuta, na ilha de Bali, levados a cabo pelo grupo Jemaah Islamiyah, ligado à Al-Qaida, causaram a morte a 202 pessoas, entre as quais 88 australianos.4 – Os atentados acima destacados tem relações com os do dia 11 de setembros às Torres do World Trade Center, nos EUA, uma dos maiores já feitos por um grupo extremista como a Al Qaeda.5 – Os atentados foram comandados por Bin Laden, que se utilizou do jovem Ali Imron como seu braço forte, que atuou como um mensageiro divino, devido às tensas relações entre os EUA e a Indonésia.ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:a) Todas estão corretasb) Somente 1,3,4,5 estão corretasc) Somente 2,3,4 e 5 estão corretasd) Somente 1,2,3,4 estão corretase) Somente 2,4,5 estão corretas
  • DICA 93: O ABORTO EM DEBATE : CRIME OU NÃO SE PRATICADO CONTRA ANENCÉFALOS?
  • Direito à Vida
  • Quando começa a vida humana?88
  • Quando começa a vida humana? 8989
  • Quando começa a vida humana?Código Civil Brasileiro“Art. 2º – A personalidade civil da pessoa começa com o nascimentocom vida; mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos donascituro”.Lei da Biosegurança“Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se: (...) X – clonagemterapêutica: clonagem com a finalidade de produção de células-troncoembrionárias para utilização terapêutica; XI – células-troncoembrionárias: células de embrião que apresentam a capacidade de setransformar em células de qualquer tecido de um organismo. (...)Art. 5o É permitida, para fins de pesquisa e terapia, a utilização decélulas-tronco embrionárias obtidas de embriões humanos produzidospor fertilização in vitro e não utilizados no respectivo procedimento,atendidas as seguintes condições: I – sejam embriões inviáveis; ou II– sejam embriões congelados há 3 (três) anos ou mais, na data dapublicação desta Lei, ou que, já congelados na data da publicaçãodesta Lei, depois de completarem 3 (três) anos, contados a partir dadata de congelamento.90
  • Quando começa a vida humana? Parecer do MPF na ADIn 3510/DF – Lei da Biosegurança “1. O conceito jurídico do início da vida não se esgota no campo do direito civil. (...) 2. A petição inicial dessa ação, calcada exclusivamente em fundamentos de ordem científica, sustenta que a vida há, desde a fecundação, para que se preserve sua inviolabilidade. 5. Não há, pois, enfoques contraditórios: enquanto no plano do direito constitucional considera-se a vida em si, para protegê-la desde a fecundação no enfoque do direito civil o nascimento com vida é que enseja aconteçam as relações interpessoais: considerações outras. 6. Pela procedência do pleito”. 9191
  • Quando começa a vida humana? 9292
  • ABORTO 9393
  • Aborto no Mundo 9494
  • Aborto nos Eua 9595
  • Aborto nos Eua: Roe vs. Wade (1973) 9696
  • Aborto nos Eua: Roe vs. Wade (1973)Por 7 votos a 2, a Suprema Corte decidiu que: (1) os Estados possueminteresses legítimos em assegurar que a prática do aborto não coloquemem risco a vida da mulher; (2) o direito à privacidade abrange o direito dea mulher decidir se interrompe ou não a gravidez; (3) o direito deinterromper a gravidez não é absoluta, podendo ser limitado pelosinteresses legítimos do Estado em manter padrões médicos apropriados eem proteger a vida humana em potencial; (4) o embrião não está incluídodentro da definição de “pessoa”, tal como usada na décima quartaemenda; (5) antes do fim do primeiro trimestre da gravidez, o Estado nãopode interferir na decisão de abortar ou não; (6) ao fim do primeirotrimestre até o período de tempo em que o feto se tornar viável, o Estadopode regular o procedimento do aborto somente se tal regulação serelacionar à preservação da vida ou da saúde da mãe; (7) a partir domomento em que o feto se tornar viável, o Estado pode proibir o abortocompletamente, a não ser naqueles casos em que seja necessáriopreservar a vida ou a saúde da mãe. 9797
  • Aborto nos Eua: Recente decisão 9898
  • Aborto no BrasilCódigo Penal Brasileiro:Aborto provocado pela gestante ou com seu consentimentoArt. 124 - Provocar aborto em si mesma ou consentir que outrem lhoprovoque: Pena - detenção, de um a três anos.Aborto provocado por terceiroArt. 125 - Provocar aborto, sem o consentimento da gestante: Pena -reclusão, de três a dez anos.Art. 126 - Provocar aborto com o consentimento da gestante: Pena -reclusão, de um a quatro anos.Parágrafo único. Aplica-se a pena do artigo anterior, se a gestante não émaior de quatorze anos, ou é alienada ou debil mental, ou se oconsentimento é obtido mediante fraude, grave ameaça ou violênciaForma qualificadaArt. 127 - As penas cominadas nos dois artigos anteriores são aumentadasde um terço, se, em conseqüência do aborto ou dos meios empregadospara provocá-lo, a gestante sofre lesão corporal de natureza grave; e sãoduplicadas, se, por qualquer dessas causas, lhe sobrevém a morte. 9999
  • Aborto no Brasil Art. 128 - Não se pune o aborto praticado por médico: Aborto necessário I - se não há outro meio de salvar a vida da gestante; Aborto no caso de gravidez resultante de estupro II - se a gravidez resulta de estupro e o aborto é precedido de consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu representante legal. 100100
  • Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo 101101
  • Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo Conceito de Anencefalia: anencefalia é uma malformação congênita que se caracteriza geralmente pela ausência da abóbada craniana e massa encefálica reduzida. O feto anencefálico é considerado pela resolução do Conselho Federal de Medicina nº 1.752, de 8 de setembro de 2004, como "natimorto cerebral", já que ele não possui viabilidade vital por ausência de cérebro. 102102
  • Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo Conceito de Anencefalia: anencefalia é uma malformação congênita que se caracteriza geralmente pela ausência da abóbada craniana e massa encefálica reduzida. O feto anencefálico é considerado pela resolução do Conselho Federal de Medicina nº 1.752, de 8 de setembro de 2004, como "natimorto cerebral", já que ele não possui viabilidade vital por ausência de cérebro. 103103
  • Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004 Luís Roberto Barroso 104104
  • Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004 Argumento da petição inicial: 105105
  • Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004 Pedido: 106106
  • Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004 A polêmica liminar do Min. Marco Aurélio: 107107
  • Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004 No Pleno, a liminar foi cassada por maioria, vencidos o Min. Marco Aurélio, relator, Carlos Brito, Celso de Mello e Sepúlveda Pertence, que referendavam integralmente a liminar. A ação, porém, foi conhecida por 7 votos a 4. Votaram a favor do cabimento da ADPF: Marco Aurélio, Carlos Brito, Celso de Mello, Sepúlveda Pertence, Gilmar Mendes, Joaquim Barbosa e Nelson Jobim. Votaram contra o cabimento da ADPF: Carlos Veloso, Ellen Gracie, Cezar Peluso e Eros Grau. Já adiantaram a opinião favorável ao aborto do feto anencefálico: Marco Aurélio, Joaquim Barbosa, Carlos Brito, Celso de Mello, Sepúlveda Pertence 108108 Já se manifestaram contra o aborto: Ellen Gracie, Cezar Peluso
  • QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 93 • Desde o Egito Antigo, as mulheres evitam gravidezes por meio de abortos. Tão antigas quanto essas práticas são as discussões em relação ao momento em que um embrião pode ser considerado uma vida. No atual caso dos bebês anencéfalos, esses debates se intensificaram. Vários argumentam contra o aborto, em proteção a uma suposta vida. Porém, a liberdade materna de escolha, nesse caso, deve sobressair, pois são as mães que arcarão com uma gravidez inviável, cujo feto morrerá rapidamente. O transtorno psicológico é extremamente grande quando a mãe se vê obrigada a engravidar e, em seguida, enterrar o “filho”. • O início da vida não pode ser considerado como o momento em que o o espermatozóide fecunda o ovócito, como muitos “antiabortistas” alegam. O zigoto, até as três primeiras semanas, pode se dividir, durante o desenvolvimento embrionário, e originar outros embriões. Isso torna o argumento de “o início da vida como sendo imediamente após a união dos gametas” contraditório, pois uma “vida” deu origem a outras. Assim como a morte é representada pelo fim da atividade cerebral, o início da vida deve coincidir com o desenvolvimento de tal atividade. Logo, não faz sentido considerar vida antes do desenvolvimento encefálico, como acontece em casos de anencefalia.• A mais penalizada por essa gravidez é a mãe, que se vê obrigada pelo estado e por parte da sociedade a levar a diante uma gravidez inviável, mesmo que isso traga sérias consequências negativas para a sua vida. Não é nada fácil para uma mãe continuar com uma gestação como essa. Todo esse transtorno poderia ser evitado se o Estado desse liberdade a ela de escolher, não sendo, assim, obrigada a recorrer a métodos alternativos que podem prejudicá-la, ou correr o risco de ser presa. • É fundamental uma reflexão, pois, do sofrimento dessa gestante. Apoiar o aborto em casos como esse, com bebês anencéfalos, não é apoiar a destruição de uma vida, e sim apoiar pela vida de quem realmente continuará a viver. • COMENTÁRIO DA REDAÇÃO • Sua redação está muito boa. Só não gostei muito da introdução, na qual acho que você escreveu demais, desenvolvendo o tema antes do tempo. Não entendi também por que usou haspas na palavra filho. Por outro lado, o argumento de que o zigoto ainda não pode ser considerado um ser-vivo só porque "se divide em outras vidas" pareceu-me fraco. Outra: o uso do verbo sobressair , a meu ver está inadequado. Melhor seria usar o verbo prevalecer.
  • DICA 94:O BRASIL QUE RECEBEIMIGRANTES: DOS VIZINHOS DO SUL, ATÉ OS DO NORTE
  • QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 94Brasil é quarto país da América Latina que mais recebe imigrantes internacionais: Cerca de 0,4% da população nasceu fora do território nacional, indica estudo da ONU;1 - O Brasil tem sua população composta por 0,4% de imigrantes mundiais, o que corresponde a 760 mil dos 190 milhões de habitantes. 2 - A nação da região que mais recebe imigrantes de outros países na América Latina é a Argentina, com 1,4 milhões de pessoas nascidas longe de suas fronteiras.3 - A Venezuela vem em segundo lugar, com um milhão de imigrantes. Esses números representam, segundo o estudo, cerca de 3,5% das suas populações.O terceiro lugar pertence ao México, que tem 0,7% da sua população composta por pessoas nascidas em outros países.4 - Juntos, os países da América Latina e do Caribe possuem um total de 7,5 milhões de imigrantes internacionais, quantidade que corresponde a 1,3% de toda a população da região.5 – As migrações para o Brasil seguem a linha do desenvolvimento por que passa o país, que acaba sendo atração para os vizinhos fronteiriços e outros do continente, na sua porção sul.ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:a) Todas estão corretasb) Somente 1,3,4,5 estão corretasc) Somente 2,3,4 e 5 estão corretasd) Somente 1,2,3,4 estão corretasd) Somente 2,4,5 estão corretas
  • DICA 95:A ERA VARGAS – MARCA DA HISTÓRIA DO BRASIL
  • 1 - O PERÍODO PROVISÓRIO (1930 – 1934): • Decretos-lei. • Nomeação de interventores. • Atrelamento de sindicatos ao governo.• Criação do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio (a cargo de Lindolfo Collor). • Criação de leis trabalhistas: 8hs diárias, salário mínimo, aposentadoria, férias, estabilidade... • Revolução Constitucionalista (SP – 1932): – Oligarquia paulista insatisfeita com exclusão do poder. – Classe média urbana insatisfeita com autoritarismo varguista.
  • • Símbolo da luta: MMDC (sigla retirada de estudantes mortos em manifestações, cujos sobrenomes eram Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo). • Objetivo: constituição.• Resultado: vitória militar de Vargas e convocação de eleições para a Assembléia nacional constituinte em 1933.
  • 2 - O PERÍODO CONSTITUCIONAL (1934 – 1937): • A constituição de 1934: – Voto secreto, obrigatório, direto. – Voto feminino (excluindo-se analfabetos). – Justiça eleitoral. – Corporativismo. – Confirmação de leis trabalhistas. – Mandato presidencial de 4 anos. – 1º presidente eleito indiretamente: Getúlio Vargas. – Intervenção do Estado na exploração de minérios.
  • • Formação de 2 correntes políticas antagônicas influenciadas pela conjuntura internacional. • AIB (Ação Integralista Brasileira): – Grupo fascista. – Plínio Salgado (líder). – Condenavam o capitalismo financeiro internacional (associado aos judeus) mas não a propriedade privada. – Totalitarismo, unipartidarismo e Estado centralizado forte. – Lema: “Deus, Pátria e Família”. – Saudação: ANAUÊ
  • – Apoiados por setores da Igreja (combate ao “comunismo ateu”), classe média alta, empresários capitalistas e imigrantes ou descendentes de imigrantes ítalo- germânicos radicados especialmente no RS e SC.
  • • ANL (Aliança Nacional Libertadora): – Aliança de esquerda reunindo comunistas, socialistas, democratas e simpatizantes de esquerda em geral. – Luís Carlos Prestes (líder). – Defendiam o não pagamento da dívida externa, reforma agrária e respeito às liberdades individuais (direito de greve, imprensa livre...), nacionalização de empresas estrangeiras e governo popular;• Getúlio coloca a ANL na ilegalidade (Jul/1935).
  • Nov/1935 - Intentona Comunista: tentativa de golpe por membros da ANL. Mal organizada, fracassou rapidamente. Seus líderes (incluindo Prestes) foram presos. OLGA BENÁRIO
  • • 1937: Divulgação do “Plano Cohen” (suposto plano comunista para tomar o poder).• Congresso é fechado e eleições suspensas. 3 - O ESTADO NOVO (1937 – 1945): • Nova constituição (1937): POLACA (constituição fascista).• Estado de Emergência permanente – plenos poderes ao presidente e a polícia. • Congresso fechado – decretos-lei. • Proibição de greves.
  • • Censura permanente (DIP – Departamento de Imprensa e Propaganda). • Prisão de qualquer opositor. • Apoio das forças armadas. • Simpatia ao fascismo.• Ausência de qualquer partido (até a AIB foi fechada). • 1938 - Intentona Integralista: – Golpe fracassado da AIB. – Líderes presos. – Plínio Salgado exila-se em Portugal.
  • • Política internacional pragmática: – Exploração de rivalidades para obter vantagens para o Brasil. – Projeto de industrialização. • 1942: Navios brasileiros são afundados por submarinos alemães.• Brasil declara guerra ao Eixo (ALE + ITA + FAB JAP). • 1943: Edição da CLT (controle dos trabalhadores). • 1944: FEB (Força Expedicionária Brasileira) desembarca na Itália com aproximadamente 25 mil homens. FEB
  • • Luta contra o nazifascismo estabelece contradição interna: ditadura lutando ao lado das “forças pró-democracia”. • Diversos setores sociais começam a pedir democracia interna (entre eles a UNE, criada em 1937, os meios de comunicação, apesar da censura...).• Vargas convoca eleições para 1945, acaba com a censura e anistia presos políticos. Vargas cria 2 partidos políticos, o PTB e o PSD, para agradar aos trabalhadores e a elite, respectivamente, além de permitir a formação de partidos oposicionistas. • Surge o “Queremismo”, apoiado discretamente por Vargas.
  • • Vargas aproxima-se até dos comunistas para permanecer no poder. • Propõe uma “Lei Anti-Truste” que desagrada os EUA. • Em 1945, é afastado do poder pelo exército (influenciado pelos EUA), que temia uma nova tentativa golpista do presidente. Vargas retorna para São Borja e é eleito posteriormente senador por dois estados ao mesmo tempo (RS e SP).• José Linhares (presidente do STF) assume o poder até que as eleições tivessem transcorrido e o novo presidente assumisse. JOSÉ LINHARES
  • 3 - CARACTERÍSTICAS GERAIS DO GOVERNO VARGAS:• POPULISMO – tipo de governo que possui as seguintes características: autoritarismo, estatismo, corporativismo, culto ao líder combinado com concessões parciais a camada mais pobre da população visando obter seu apoio. Ocorreu na América Latina entre os anos 30 e 50, e tem em Getúlio Vargas, no Brasil, Juan Domingo Perón, na Argentina e Lázaro Cardenas, no México seus mais notórios representantes. • O Estado era o “mediador” dos conflitos sociais. • Nacionalismo econômico, com criação de empresas estatais e obras públicas. • Intervenção do Estado na economia, inspirado no modelo do “New Deal” norte-americano.
  • • Controle dos trabalhadores com criação de leis (a CLT, é um exemplo disso) e atrelamento dos sindicatos. • Utilização intensa de propaganda governamental e censura, com a criação da DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda), que cuidadosamente “fabrica” a imagem do “pai do trabalhador”.
  • • Incentivo ao mercado interno. • Recuperação do preço do café (queima de estoque).• Incentivos a indústria nacional (especialmente a de base durante a II Guerra Mundial), com a criação da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional) e a nacionalização de refinarias de petróleo.
  • QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 95O governo Vargas tornou-se sinônimo de intervenção estatal. Embora essa política intervencionista tenha adquirido força no Estado Novo, pode ser percebida durante toda a chamada Era Vargas.Sobre a Era Vargas, é correto afirmar:a) O Departamento de Imprensa e Propaganda, embora impusesse limitações à imprensa, seguiu a orientação do estado, sem propaganda do governo e sem influência sobre a opinião pública.b) O governo, na questão agrícola, extinguiu diversos institutos, entre eles o do Açúcar e do Álcool, o do Pinho, o do Mate e o do cacau, e centralizou as ações do Ministério da Agricultura.c) Os principais opositores do governo foram facilmente cooptados pela política governamental de conciliação e políticos com visões opostas, como Luiz Carlos Prestes e Plínio Salgado, atuaram como ministros de Vargas.d) O movimento sindical passou a ser tutelado já no início do primeiro governo Vargas, com a Lei de Sindicalização (março de 1931) e, em decorrência, o sindicato tornou-se um colaborador do Estado, com o objetivo de intermediação e atenuação do conflito entre capital e trabalho.e) O Brasil, com a implantação do Estado Novo, conseguiu a tão sonhada paz social, e o governo Vargas implantou, pela via da conciliação política, um governo de coalizão entre socialistas e integralistas.
  • DICA 96:O GOVERNO JK – E OBRASIL DESENVOLVIMENTISTA
  • JUSCELINO KUBITSCHEK50 anos de governo de J.K.;30 anos de sua morte.
  • BRASIL EM MUTAÇÃO• Transição do meio rural para a industria. • Slogan: 50 anos em 5; • Juscelino político moderado não se importava com a origem do investimento.
  • CONSTRUIR PARA CRESCER • J.K. viajou o mundo vendendo suas idéias e durante seu governo U$ 2 bi entraram no país.• Coalizão no Congresso lhe dava maioria que aprovou seu plano de governo.
  • • Plano de Metas: obras de base;industrias; exploração de matérias primas; bens de produção e de consumo; construção da nova capital.
  • ANOS DOURADOS • Nos primeiros anos euforia do desenvolvimento. • O numero de estradas pavimentas aumentou 300%. • A quantidade de industrias cresceu 3 vezes;• Empregos multiplicados por 10.
  • • PIB cresceu 8% ao ano; • Salário Mínimo reajustado anualmente. • Renda per capita subiu 34%.• Brasil campeão da copa de 58 com Pelé e Garrincha. • A Bossa Nova com João Gilberto, Tom Jobim e Vinicius de Moraes.
  • CUSTOS DO CRESCIMENTO • Alto Custo das obras públicas pagas com empréstimos; • Endividamento do Estado internamente e externamente.• Inflação disparou a 31% ao ano.
  • • Gastança na construção de Brasília erguida em 03 anos e 10 meses.• Uso irregular de verbas públicas.
  • QUEM PAGA A CONTA • Desvalorização do salário e greves.• Empresários indignados com baixo crédito.• UDN denunciava corrupção e tentava instaurar CPIs.• O Estado atolado em dívidas recorreu ao FMI.
  • • J.K. realizou suas metas, mas a um custo muito alto. • Legado de dívidas, inflação, dependência do capital estrangeiro e déficit na balança comercial.
  • • J.K. deixou de herança a capacidade de liderar e administrar conflitos.• Seu maior erro teria sido não unir a política de crescimento a um modelo econômico estável e responsável.
  • CRONOLOGIA • 1902- No dia 12 de setembro nasce em Diamantina. • 1922- Ingressa na faculdade de Medicina em Belo Horizonte.• 1934- elege-se deputado federal. • 1940- assume a prefeitura de Belo Horizonte.
  • • 1946- deputado federal Constituinte. • 1950- Elege-se governador. • 1955- Elege-se Presidente da República tomando posse no ano seguinte. • 1960- Em 21 de abril inaugura Brasília. • 1961- Transmite o cargo a Jânio Quadros.
  • • 1964- Com o golpe militar parte para o exílio. • 1967- retorna ao Brasil.• 1974- Lança o primeiro volume de suas memórias “ Meu Caminho para Brasília”.• 1976- Morre em acidente na Via Dutra.
  • QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 96Observe o GRÁFICO ABAIXO:
  • O Plano de Metas aplicado durante o governo de Juscelino Kubitschek, entre 1956 e 1960, visava a estimular o desenvolvimento econômico brasileiro.Pela leitura do quadro, conclui-se que um dos objetivos alcançados pelo Plano de Metas foi:a) integração das redes de transporte rodoferroviáriob) modernização das técnicas de extrativismo mineralc) ampliação dos investimentos na infraestrutura industriald) expansão dos capitais privados na prospecção de petróleoe) estatização do processo de produção industrial.
  • DICA 97:COMPORTAMENTO JOVEM NAS MÍDIAS SOCIAIS: O FACEBOOK
  • Se gur ança emRedes Sociais <Nome> <Instituição> <e-mail>
  • Agenda• Redes sociais• Características principais• Riscos principais• Cuidados a serem tomados• Créditos
  • Redes sociais (1/2)• Redes de relacionamento que permitem que os usuários: – forneçam informações sobre si – acessem informações sobre outros usuários – utilizem mecanismos de comunicação – se agrupem, de acordo com afinidades, características, interesses e objetivos em comum• Conteúdo totalmente gerado pelos próprios usuários
  • Redes sociais (2/2)• Diário público: – quem você é? – onde você está? – o que você curte? – quem você conhece? – o que está acontecendo? – no que você está pensando? – o que seus amigos dizem sobre você? – onde você tem estado?
  • Car acterísticas principais
  • Características principais• Rápida velocidade de propagação de informações• Grande quantidade de usuários• Facilidade de acesso• Grande quantidade de informações pessoais• Dificuldade de exclusão de informações• Dificuldade de controle sobre as informações• Tempo que as informações ficam disponíveis
  • Riscosprincipais
  • Riscos principais (1/2)• Invasão de privacidade• Furto de identidade• Invasão de perfil• Uso indevido de informações• Danos à imagem e à reputação• Vazamento de informações
  • Riscos principais (2/2)• Recebimento de mensagens contendo: – códigos maliciosos – phishing• Instalação de programas maliciosos• Acesso a conteúdos impróprios ou ofensivos• Contato com pessoas mal-intencionadas• Disponibilização de informações para criminosos, que podem ser usadas: – em tentativas de sequestro – para furto de bens
  • Cuidados aserem tomados
  • Preserve a sua privacidade• Considere que você está em um local público• Pense bem antes de divulgar (não há como voltar atrás)• Use as opções de privacidade oferecidas pelos sites – procure ser o mais restritivo possível• Mantenha seu perfil e seus dados privados• Restrinja o acesso ao seu endereço de e-mail• Seja seletivo ao aceitar seus contatos• Não acredite em tudo que você lê• Seja cuidadoso ao se associar a grupos e comunidades
  • Cuidados ao fornecer sua localização• Seja cuidadoso ao divulgar fotos e vídeos– ao observar onde foram gerados pode ser possível deduzir sua localização• Não divulgue:– planos de viagens– por quanto tempo ficará ausente de sua residência• Ao usar redes sociais baseadas em geolocalização:– faça check-in apenas em locais movimentados– faça check-in ao sair do local, ao invés de quando chegar
  • Respeite a privacidade alheia• Evite falar sobre as ações, hábitos e rotina de outras pessoas• Não divulgue, sem autorização: – imagens em que outras pessoas apareçam – mensagens ou imagens copiadas do perfil de usuários que restrinjam o acesso• Tente imaginar como a outra pessoa se sentiria ao saber que aquilo está se tornando público
  • Proteja o seu perfil (1/2)• Seja cuidadoso ao elaborar as suas senhas – use senhas longas, compostas de diferentes tipos de caracteres – não utilize dados pessoais, como nome, sobrenome e datas• Seja cuidadoso ao usar as suas senhas – evite usar a mesma senha para acessar diferentes sites – evite, se possível, usar sua senha em computadores de terceiros
  • Proteja o seu perfil (2/2)• Habilite as notificações de login• Lembre-se sempre de fechar a sua sessão (logout)• Denuncie aos responsáveis pela rede social caso identifique abusos, tais como: – imagens indevidas – perfis falsos – spam
  • Proteja o seu computador (1/2)• Mantenha seu computador seguro com: – todos os programas instalados nas versões mais recentes – todas as atualizações aplicadas• Utilize e mantenha atualizados mecanismos de segurança – antispam – antimalware – firewall pessoal
  • Proteja o seu computador (2/2)• Desconfie de mensagens recebidas – mesmo que tenham sido enviadas por conhecidos – podem ter sido enviadas de contas falsas ou invadidas• Seja cuidadoso ao acessar links reduzidos – use complementos que permitam que você expanda o link, antes de clicar sobre ele
  • Proteja os seus filhos• Oriente-os sobre os riscos de uso das redes sociais• Respeite os limites de idade estipulados pelos sites• Oriente-os para não se relacionarem com estranhos – não marcarem encontros – não usarem a webcam• Oriente-os para não divulgarem: – dados pessoais – hábitos familiares – localização geográfica (atual ou futura)• Deixe o computador em um local público da casa
  • Proteja a sua vida profissional• Cuide da sua imagem profissional• Antes de divulgar uma informação – avalie se ela pode atrapalhar o seu emprego atual – avalie se ele pode atrapalhar um processo seletivo futuro – lembre-se que ela poderá ser acessada por seus chefes e colegas de trabalho – observe se ela não fere o código de conduta da sua empresa
  • Proteja a sua empresa• Crie um código de conduta• Informe os funcionários sobre: – os riscos de uso das redes sociais – as regras de acesso durante o expediente – o comportamento esperado, referente a: • divulgação de informações profissionais (sigilosas ou não) • emissão de opiniões que possam comprometer a empresa• Invista em treinamento• Cuide da imagem – observe a opinião de clientes e consumidores – observe ações que envolvam o nome da empresa
  • Mantenha-se informado (1/2)Cartilha de Segurança para Internethttp://cartilha.cert.br/ RSShttp://cartilha.cert.br/rss/cartilha-rss.xml Twitterhttp://twitter.com/certbr
  • Mantenha-se informado (2/2)Portal Internet Segura Campanha Antispam.brhttp://www.internetsegura.br/ http://www.antispam.br/
  • Créditos➠ Fascículo Redes Sociais http://cartilha.cert.br/fasciculos/➠ Cartilha de Segurança para Internet http://cartilha.cert.br/
  • QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 97
  • DICA 98:REFLEXOS DA VIOLÊNCIA NOBRASIL: A NAÇÃO MAIS ARMADA DO MUNDO
  • O termo violência vem do latim violentia que remete avis(força,vigor,emprego de força física, recursos docorpo para exercer a sua força vital).(FOUCAULTapud ZALUAR,2004).
  • A humanidade emprega força ou agressividadeconstantemente para solucionar conflitos que não se deixou resolver pelo diálogo.Configura-se como dispositivo de controle, aberto e contínuo.(TAVARES,1998) A violência humana é caracterizada para CAON(2005) em atos violentos.
  • A violência se materializa e se manifesta em: atos violentos físicos, morais, psicológicos, econômicos, sociais, religiosos, sexuais, etc. Violência é uma prática com caráter difuso, não existindo lugar para acontecer.
  • É negada, invisível e silenciosa isso produz umretorno real de mais violência, desamparo e ódio.A sociedade atual reproduz a dominaçãohistórica. Projeta a ilusão da igualdade e amplia arealidade das desigualdades a começar dadivisão social das possibilidades.
  • Acontece um aumento das desigualdadeseconômicas e sociais, aprofundando a miséria ealimentando a expansão da violência social,quando as reformas estruturais econômicas atuana direção de diminuir ou extinguir direitossociais, historicamente conquistados.
  • Quando a sociedade torna hegemônica aideologia neoliberal, o Estado desaparece, ou seenfraquece no sentido de gerenciar e administrara sociedade.
  • O mercado ocupa o lugar das instituiçõesenfraquecidas responsáveis pela sociabilidadecomo: família, igreja e escola. O mercado não tem interesse de tratar pessoascomo seres humanos e sim como clientes.
  • A principal dificuldade dessa abordagem é que aviolência torna-se sinônimo de desigualdade,exploração, dominação, exclusão, segregação eoutros males usualmente associados a pobrezaou a discriminação de cor e gênero.
  • O tema violência não é novo para a humanidade,desde as organizações mais antigas ela já existia. Para Costa(2001) a revolução agrícolatransformou as relações dos homens entre si ecom o meio.
  • Mudando a organização da sociedade o homem deixou de ser nômade e estabeleceu-se definitivamente em determinado lugar. Deixando de ser predador e tornando-se produtivo.As classes dominantes sustentam-se na exploração do trabalho daqueles que não são proprietários nem possuidores dos meios de produção, assim como emdiversas formas de opressão social, política, intelectual e religiosa.
  • Por meio da luta de classe que as principaistransformações estruturais são impulsionadas, por isso ela é dita “o motor da história”. Surge assim a idéia de PROPRIEDADE.
  • A produção cresce, aumenta a população emvárias regiões do mundo e a disputa pelas terras coloca os grupos uns contra os outros.Por conseqüência, os homens utilizam os meios violentos para punir e coibir formas de comportamento que vai de encontro aos seus interesses pessoais.
  • Para manter direitos e privilégios, cada sociedade arma-se para a garantia dessas conquistas.A civilização se desenvolve junto aos modos deprodução, assim cresce o poder bélico, entre os homens e a violência passa a predominar na resolução dos problemas.
  • A expansão da modernidade européia ao longodos últimos cinco séculos foi obra de exércitosformados em sua grande maioria por oficiaisadultos e jovens soldados aptos ao uso de armas.
  • Esse tipo de violência jamais foi atribuída àcondição de crime, ato desumano próprio dosmarginais. O uso de armas representava conquistas eriquezas e os mais hábeis eram reconhecidos etratados como heróis. Por outro lado significava risco, marginalidade,formação de quadrilhas, variadas formas deameaça interna à ordem ou populações a seremsalvas do primitivismo, da incultura, da barbárie.
  •  O século 20 aprofunda heranças bélicas da modernidade. De início foi a primeira grande guerra que se estendeu de 1914 a 1918. Ao fim do período de guerras a década de 1990 é marcada pela guerra do Golfo e dos Balcãs e extermínio(Hobsbawn,1996)
  • A estimulação da violência é uma construção domodelo social e econômico que se alimenta deconquistas como forma de manter benefício parauma pequena parcela da população, ao mesmotempo que não consegue atender às condiçõesmínimas de sobrevivência para a grande maioriados seres humanos.
  • As manifestações de violência adquirem formasnovas e ganham uma dimensão social maior.Se transformam em práticas cotidianas e por issobanalizadas ou por que ocorrem emmanifestações que fogem ao controle do Estado.
  • Nesses locais, o índice de violência alcançaramnúmeros superiores aos daqueles que viveram ouvivem em guerra declarada.Todo esse processo histórico citado, vemos queas conquistas se deram na ocupação das terras ebusca de riquezas e as imposições das culturasdominante.
  • Culturas que influenciam no consumismo,implantando formas de pensar o mundo e do vivercotidiano conforme é demonstrado no período decolonialismo.
  • Outro ponto que nos chama atenção é a quetoma como objeto o processo de rotulação dosjovens que moravam em guetos ou bairrospobres, que os classificavam como jovens deetnias inferiorizadas ou de camadas pobres como“delinqüentes”.
  • A ONU(Organização das Nações Unidas), criada após a segunda guerra mundial,desenvolve campanhas pela paz no mundo todo. As campanhas procuram desarmar as nações através de estratégias como: a formação de valores comportamentos modos de vida relativos a solidariedade tolerância e convivência.
  • O Brasil não tinha autonomia e obedecia as  mesmas leis de Portugal. Leis chamadas deFilipinas, tratavam das penalidades e constituíam um código penal muito rígido. As penas eram estabelecidas de acordo com o estatuto social do réu.
  •  Perseguições religiosas e políticas deram o tom da prática autoritária que o Estado português implantou nas terras coloniais brasileiras. O código de leis e a inquisição construíram um arcabouço de doutrinação política, moral e social que posteriormente serviu de base para os primeiros códigos legais brasileiros.
  • A estigmação a mulher, ao negro e ao índio, constituiu-se na origem das idéias autoritárias e racistas que vingaram posteriormente. Os atos de violência contra essas classes menos favorecidas da população estão presentes nos dias de hoje com outros nomes.
  • O crescimento da população e o processo de industrialização que caracterizou a segunda metade do século XX, não eliminou as tragédias sociais herdadas no período da escravidão e do extermínio da população indígena. Nem mesmo o processo de democratização que foi acrescentada a constituição de 1988, não foi suficiente para produzir a igualdade.
  •  O comércio informal das ruas, paisagem de muitas cidades brasileiras, desde a época dos escravos.As atividades ilícitas e ilegais têm agora uma organização clandestina e poderosa. Objetos roubados que não são para uso próprio, entram na circulação de mercadorias.Num esquema de extorsão de favores e dívidas contraídas com traficantes, os jovens que começam como usuário de drogas são levados a roubar,assaltar, e as vezes até matar para pagar aqueles que os ameaçam de morte.
  • Outra manifestação de violência foi uma aliançaentre Estado e Igreja, com o objetivo de perseguir todos os que não fossem cristãos recebeu o nome de inquisição; que além de motivos religiosos, a inquisição se distinguia por motivos políticos.  A desigualdade existente no Brasil contemporâneo em relação ao exercício dos direitos constrange a ética.
  • QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 98O melhor conceito de violência que encontrei foi o utilizado por Rocha (1996): A violência, sob todas as formas de suas inúmeras manifestações, pode ser considerada como uma vis, vale dizer, como uma força que transgride os limites dos seres humanos, tanto na sua realidade física e psíquica, quanto no campo de suas realizações sociais, éticas, estéticas, políticas e religiosas. Em outras palavras, a violência, sob todas as suas formas, desrespeita os direitos fundamentais do ser humano, sem os quais o homem deixa de ser considerado como sujeito de direitos e de deveres, e passa a ser olhado como um puro e simples objeto.A RESPEITO DO TEMA, PODE-SE DIZER1 - A violência não é um estigma da sociedade contemporânea. Ela acompanha o homem desde tempos imemoriais, mas, a cada tempo, ela se manifesta de formas e em circunstâncias diferentes.2 - Não há quem não identifique uma ação ou situação violenta, porém conceituar violência é muito difícil visto que a ação geradora ou sentimento relativo à violência pode ter significados múltiplos e diferentes dependentes da cultura, momento e condições nas quais elas ocorrem.3 - Na Idade Média, por exemplo, certos procedimentos violentos eram formas de demonstração de amor a Deus. Nessa mesma época, havia a prova do ordálio, que consistia em submeter o suspeito de crime ou de falso amor a Deus a ter que segurar uma barra de ferro em brasa para provar sua inocência. Caso não se queimasse, seria absolvido como prova da verdade e do amor divino.
  • 4 - O processo educacional pode ser considerado como uma forma de violência visto que ele procura ordenar e adequar pulsões direcionando-as, organizando condutas e pensamentos, através da ética, da moral, regras e normas, de modo a civilizar o sujeito para sua própria preservação e convívio coletivo.5 - Há, portanto, um tipo de violência desejável e que colabora para a estruturação do sujeito e da sociedade. Ela faz parte do processo de adaptação necessário à vida, ao bem-estar comum e depende de critérios e recursos de cada cultura e meio ambiente.6 - O desenvolvimento da civilização em seu processo histórico mostra que as transformações tecnológicas, ambientais, filosóficas, psicológicas, econômicas, religiosas influenciam e contribuem para a modificação e o surgimento de novos circuitos biológicos, psicológicos e sociais. Entretanto, não elimina a presença de circuitos primitivos que, em determinadas circunstâncias, emergem, até porque fazem parte de registros genéticos transmitidos ou culturalmente herdados.ESTÃO CORRETAS AS SEGUINTES FRASES:a) Todas estão corretasb) Somente 1,3,4,5 estão corretasc) Somente 2,3,4 e 5 estão corretasd) Somente 1,2,3,4 estão corretase) Somente 2,4,5 estão corretas
  • DICA 99:SECA NO NORDESTE E ENCHENTE NO AMAZONAS: OS CONTRASTES AMBIENTAIS DO BRASIL
  • QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 99No Brasil há dois principais contrastes ambientais: as constantes cheias na Amazônia e a eterna seca nordestina. Tanto em um caso quanto no outro, o desdobramento é um só: destruição e mortes. Saber as causas desses problemas é importante para poder tomarem-se medidas capazes de amenizar as consequências.1 - No caso das cheias amazônica, o que ocorreu neste ano foi o grande volume de água despejado no Rio Acre, resultando também na cheia do Rio Amazonas. Parece mentira, mas até as ruas do centro de Manaus ficaram alagadas. Mas o que está causando tais enchentes? Ambientalistas afirmam que aquecimento global estaria derretendo o gelo nas calotas polares e aumentando assim o volume de água dos mares e rios. O fato é que a natureza mostra-se "desregulada" pois há pouco tempo na mesma região amazônica houve uma seca jamais vista;2 - Já em relação ao Nordeste, a questão é natural,já que a seca é uma consequência dos baixo índices de chuva naquela região. Esta área recebe pouca influência de massas de ar úmidas e frias vindas do sul. Logo, permanece durante muito tempo, no sertão nordestino, uma massa de ar quente e seca, não gerando precipitações pluviométricas (chuvas). Como vemos, esses dois problemas ambientais possuem causas diferentes e de modos diferentes também devem ser tratados.
  • 3 - No Amazonas, uma boa política de monitoramento das cheias evitaria maiores transtornos para as populações ribeirinhas e urbanas. Já no Nordeste, técnicas modernas de irrigação do solo, como foram feitas em Israel, amenizariam o sofrimento daquele povo.Também fica a torcida para que a obra de transposição do Rio São Francisco leve água para as regiões atingidas por esse fenômeno natural.Estão CORRETAS:a) Todas as frases.b) Apenas a frase 1c) Apenas a frase 2d) Apenas a frase 3e) Nenhuma das frases acima
  • DICA 100: A VIOLÊNCIA NOTRÂNSITO E NAS ESCOLAS
  • REALIZAÇÃO: Apoio:
  • FICA e Trânsito Acesso e permanência: crianças na escolaHumanização do Trânsito:  resgatar valores: compromisso, respeito, cooperação e solidariedade.Importância da educação formal:  quem não estuda tem dificuldade até para entender as leis e não será um cidadão pleno  acesso e permanência das crianças na escolaConhecimentos específicos sobre trânsito:  a escola e/ou a família devem dar  saber dos perigos diminui muito a vulnerabilidade  somente pensar e/ou discutir o assunto, já diminui os riscos
  • Metas do Projeto1 - criar o CMT – Conselho Municipal de Trânsito2 - criar o Fórum Paranaense de Segurança no Trânsito3 - informar sobre a Municipalização do Trânsito4 - publicar o Relatório Estadual dos CMTs
  • O que é Trânsito?A percepção de cada um:
  • O que é Trânsito?A percepção de cada um:Você utilizou o trânsito hoje?Pretende utilizar amanhã? E depois?Participar do trânsito é compulsório, inevitável.O trânsito é o maior palco social que existe. deveria interessar a todos: como o outropercebe e atua no trânsito
  • O que é Trânsito?a) não é só acidenteb) não é só automóvelc) não é só motorista
  • O que é Trânsito? Trânsito é muito mais do que isso: o inalienável “Direito de Ir e Vir” o Brasil das canoas, jegues e helicópteros nosso modelo rodoviário tudo o que produzimos e consumimos nem todos têm avião, barco ou carro todos somos pedestres DIREITOS e DEVERES É O MAIOR AMBIENTE SOCIAL
  • O que é Trânsito? CTB – Código de Trânsito Brasileiro (Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997) CAPÍTULO I: DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O trânsito de qualquer natureza nas vias terrestres do território nacional, abertas à circulação, rege-se por este Código. § 1º Considera-se trânsito a utilização das vias por pessoas, veículos e animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não, para fins de circulação, parada, estacionamento e operação de carga ou descarga.
  • O que é Trânsito? Para pensar: “O dono do veículo julga-se com muito mais direito à circulação do que os demais participantes do trânsito, o que está ligado às características autoritárias danossa sociedade e da falta de conscientização sobre os direitos do cidadão, que faz com que os motoristas ocupem o espaço viário com violência. O pedestre, porsua vez, assume o papel de cidadão de segunda classe,numa cidade que é cada vez mais o habitat do veículo e o antihabitat do homem.” (Vasconcelos, 1985)
  • O que é Trânsito? SNT – Sistema Nacional de Trânsito NACIONAL DENATRAN – Departamento Nacional de Trânsito CONTRAN – Conselho Nacional de Trânsito POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL ESTADUAL DETRAN – Departamento Estadual de Trânsito CETRAN – Conselho Estadual de Trânsito POLÍCIA RODOVIÁRIA ESTADUAL POLÍCIA MILITAR MUNICIPAL Prefeitura - Órgão Executivo Municipal de Trânsito* ---------------------------------------------------------------- CMT – Conselho Municipal de Trânsito
  • CMT – Conselho Municipal de Trânsito O que é?  É a comunidade preocupada e organizada em função da boa MOBILIDADE, segurança e funcionalidade do trânsito local.  Atribuição principal: comprometimento com a segurança no trânsito
  • CMT – Conselho Municipal de Trânsito Atribuições do CMT: Constituir grupos, técnicos ou não, temporários ou permanentes, com diferentes membros da comunidade, para estudar e sugerir:  políticas públicas ao setor de trânsito e transporte;  o uso do solo e segurança viária;  localização dos sistemas de fiscalização eletrônica;  medidas para o aperfeiçoamento da legislação local de trânsito.  programa de ações educativas: campanhas e PROGRAMA
  • O problema do TrânsitoA violência do TrânsitoEstatísticas no mundo e no Brasilresponsabilidades
  • Estatísticas do Trânsito O trânsito brasileiro: mata uma pessoa a cada 11 min. atropela uma pessoa a cada 7 min. fere uma pessoa a cada 2,8 min. produz um acidente a cada 31 seg. faz 30 mil vítimas fatais/ano (local) FENASEG indeniza 40 mil/ano 1 avião/dia
  • CUSTOO trânsito custa ao Brasil:  5,3 bilhões de reais/ano - área urbana (IPEA 2004)  24,6 bilhões de reais/ano em rodovias (IPEA 2006)  25 bilhões de reais/ano geral (IST 2002)  28,5 bilhões de reais/ano geral (IST - projeção) - 107 mil carros populares ~
  • CUSTO IPEA e Denatran 2006 (base 2004/2005) Projeto Impactos Sociais e Econômicos dos Acidentes de Trânsito nas Rodovias Brasileiras custo total dos acidentes em rodovias: R$ 24,6 bi / ano acidente com vítima fatal: R$ 421 mil prejuízos diretos = US$ 4 bilhões / ano (IPEA 2004) é o 2º. lugar no ranking de problemas de saúde (IPEA 2004) 50% leitos hospitalares ocupados (IPEA 2004)Até onde pode chegar (David Duarte Lima - IST):U$S 10.000/dia para determinados politraumatizados
  • CUSTO IPEA – Estudo sobre o Impacto Social dos Acidentes de Trânsito (2006)Qual é o custo social? de uma criança que perde sua mãe ou pai num acidente? de um homem ou mulher que adquiriu uma doença grave?Conclusão do estudo: acidentes afetam a saúde da familiar, comprometendo oufortalecendo a rede social para o enfrentamento do problema a vítima, a família, os atendentes, precisarão de suportepsicológico para ajudar a reestabelecer “o sentido de suas vidas” Seletividade às avessas: estamos perdendo nossomelhor potencial – diferenças entre as nações
  • Soluções Os três “E”s do trânsito EDUCAÇÃO Adultos Jovens Crianças ENGENHARIA Responsabilidade Fiscalização de projetos e obras Manutenção * Educação para os “engenheiros”* ESFORÇO LEGAL Legislação Fiscalização * Educação para os administradores*
  • Educação: Aspectos Legais CTB Cap VI: DA EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITOArt. 76. A educação para o trânsito serápromovida na pré-escola e nas escolas de 1º, 2º e3º graus, por meio de planejamento e açõescoordenadas entre os órgãos e entidades doSistema Nacional de Trânsito e de Educação, daUnião, dos Estados, do Distrito Federal e dosMunicípios, nas respectivas áreas de atuação. Parágrafo único. Para a finalidade prevista neste artigo, o Ministério da Educação e do Desporto, mediante proposta do CONTRAN e do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras, diretamente ou mediante convênio, promoverá:
  • Educação: Aspectos Legais CTB Cap VI: DA EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO....I - a adoção, em todos os níveis de ensino, de umcurrículo interdisciplinar com conteúdo programáticosobre segurança de trânsito;II - a adoção de conteúdos relativos à educação para otrânsito nas escolas de formação para o magistério e otreinamento de professores e multiplicadores;III - a criação de corpos técnicos interprofissionaispara levantamento e análise de dados estatísticosrelativos ao trânsito;IV - a elaboração de planos de redução de acidentes detrânsito junto aos núcleos interdisciplinaresuniversitários de trânsito, com vistas à integraçãouniversidades-sociedade na área de trânsito.
  • O papel da comunidade O que podemos fazer? organização + ação Fórum Catarinense (Programa PARE) Fórum Mineiro (Programa PARE)  Fórum Estadual Paranaense de Segurança no Trânsito  Conselhos Municipais de Trânsito
  • Trânsito na EscolaEducação para o trânsito Trabalhar com a criança para atingir a família A criança como agente multiplicador: não há agente multiplicador mais eficiente do que a criança Sensibilizando a criança = atingimos a família
  • Trânsito na EscolaAluno-cidadão: Exercício da cidadania através do trânsito  Criança: atividade extra-curricular  Família: CMT Motivo para a criança querer ficar na escola  querer ficar mais na escola Pilares da Educação (Morin):  Aprender a SER, FAZER, CONHECER e… CONVIVER = trânsito
  • Trânsito na EscolaPor que as crianças?Crianças são o PRESENTE e o FUTURO Hoje: efeito imediato  Auto-preservação  Influência na família Amanhã: efeito prolongado  Futuro cidadão  Futuro condutor
  • 231 DETRANSkanska Brasil Ltda 1
  • O Projeto Amigo da Vez é uma iniciativa do Ministério dosTransportes através do Programa de Redução de Acidentes nas 232Estradas em parceria com o DETRAN. Objetivo: Reduzir o número de acidentes Skanska Brasil Ltda 2 provocados por motoristas alcoolizados.
  • A REALIDADE 233• Acidentes de trânsito são a maior causa de morte entre jovens• A média de idade dos que morrem em ferragens de veículos é de 30 anos;• A maioria dos acidentes acontece nas madrugadas de sexta para sábado e de sábado para domingo;• Dirigir alcoolizado é infração gravíssima. O motorista será detido, terá a carteira suspensa por até 12 meses e o veículo apreendido, além de pagar multa de R$ 959,69;• Em caso de acidente com vítima, se o motorista estiver alcoolizado, poderá pegar até seis anos de prisão;• A seguradora poderá se recusar a indenizar os danos por acidente se constatar que o motorista estava embriagado. Skanska Brasil Ltda 3
  • 234 A pessoa amadurecida não precisa afirmar-se pela alta velocidade, por uma manobra arriscada, nem dirigir sob efeitoSkanska Brasil Ltda 4 de drogas.
  • 235 ATITUDES INADEQUADAS NO TRÂNSITO PRATICADAS SOB A INFLUÊNCIA DO ÁLCOOL Comportamentos desrespeitosos e provocativos• Velocidade inadequada;• Baixo ou nulo respeito à sinalização;• Condução errática ou ultrapassagens inadequadas;• Sair fora das zonas de circulação;• Circular na direção contrária/proibida;• Iluminação e sinalização incorreta das manobras; Skanska Brasil Ltda 5
  • “Não podemos esquecer o poder nefasto das drogas na 236manifestação de comportamentos suicidas ao volante: asdrogas reduzem a sensibilidade, embrutecem as pessoas eocasionam o empobrecimento do senso moral (tênue e quaseinexistente passa a ser o limiar da percepção entre opermitido e o proibido, entre o bem feito e o mal feito, entre ocerto e o errado)”. Ático Dotta Skanska Brasil Ltda 6
  • A FALSA SENSAÇÃO 237A sensação estimulante provocada pelo álcool nada mais édo que a diminuição da inibição.De fato, o álcool é depressivo, e a sua ação pode induzir aosono. Skanska Brasil Ltda 7
  • REDUÇÃO DA CAPACIDADE MENTAL 238A ação depressiva do álcool no cérebro e no sistemanervoso central reduz a capacidade mental e físicadiminuindo a habilidade para a realização de tarefas maiscomplexas, como conduzir um veículo. Skanska Brasil Ltda 8
  • INTOLERÂNCIA AO ÁLCOOL 239 Não existem estatísticas confiáveis, mas os especialistas estimam que, em metade dos acidentes com vítimas no País, alguém, o motorista ou o pedestre, tomou uns drinques a mais. O limite chamado índice de alcoolemia, que é a concentração de álcool no sangue permitida em motoristas no Brasil, é de 0,6 grama por litro. Skanska Brasil Ltda 9
  • A MEDIDA DO RISCO0,2 a 0,3g p/litro de 240 sangue Percepção da distância e velocidade prejudicadas. 0,3 a 0,5g p/litro de sangue Campo visual menor,controle cerebral relaxado.0,5 a 0,8gp/litro de sangueSubestimação dosriscos e tendência à agressividade Skanska Brasil Ltda 10 FONTE - DETRAN -DF
  • BEBER E DIRIGIR 241No mundo inteiro, a tendência é proibir o motorista de beber,mas, por enquanto, poucos países adotam a tolerância zero -o Japão é um deles. • Suécia: 0,2 g/l, o equivalente a uma lata de cerveja. • França: 0,5 g/l - limite de duas taças de vinho • Estados Unidos: o alvo são os motoristas mais jovens: menores de 21 anos estão proibidos de beber antes de guiar. • A medida já surtiu resultados. No ano de 2002, o país registrou a menor taxa de mortes no trânsito por consumo de álcool (16 mil ou 38,6% do total), desde 1975. Skanska Brasil Ltda 11
  • A VIDA É FEITA DE 242 ESCOLHASSkanska Brasil Ltda 12
  • 243AMIGO QUE DIRIGE NÃOBEBE NÃO DEIXE SEU MELHOR AMIGO DIRIGIR BÊBADO. Skanska Brasil Ltda 13
  • 244“O mundo é um lugar perigoso de se viver, não por causa daqueles que fazem o mal, mas sim por causa daqueles que observam e deixam o mal acontecer”. Skanska Brasil Ltda 14 Albert Einstein.
  • COMO ENFRENTAR A INDISCIPLINANO COTIDIANO ESCOLAR: CRISES, SUJEITOS E ESTRATÉGIAS. Profª Giane Fregolente
  • COMO FAZER Para FAZER PENSAR/ REFLETIR CRITICAMENTE SOBRE O FAZER DE QUE LUGAR;PRESSUPÕE COMPREENDER O ESPAÇO ONDE SE DÁ O FENÔMENO DA VIOLÊNCIA PRECISA SE ESTUDADO
  • ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA SE PODES OLHAR, VÊ...
  • CONTINUE VENDO
  • OLHE BEM...
  • ...
  • O QUE APRENDEMOS A VER
  • OS SÉCULOS XVIII E XIX REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – NATURALIZOU-SE A EXCLUSÃO
  • SE PODES VER, REPARA...
  • FOLHA DE PAPEL EM BRANCO
  • O PROFESSOR ESTÁ AUTORIZADO
  • PASSIVIDADE COGNITIVA A escola da modernidade: Nega a produção do conhecimento e enaltece a aprendizagem daquilo que já havia sido definido como conhecimento; Os estudantes são tratados como treináveis; Professores aprendem que conhecimento é adquirido num processo linear de habilidades.
  • A DÉCADA DE 1980 “QUEREMOS ELEGER O PRESIDENTE DO BRASIL” - 1987
  • Séculos XX e XXI: Seres que pensam o mundo de um jeito próprio.
  • AGRANDE CRISE
  • ESCOLA PARA TODOS PELA DIVERSIDADE...
  • ESCOLA PARA TODOS O grito Edvard Münch
  • POR QUE?Eternidade – HistóriaDeterminismo - Imprevisibilidade;Mecanicismo - Interpenetração e a auto organizaçãoOrdem – DesordemNecessidade - Criatividade e o Acidente” (Santos p.48)
  • Acompanhantes desta nova escola A criança real; Nossos preconceitos; Diferentes núcleos familiares; Ritmos diferentes de aprendizagem; Indisciplina; Vandalismo; Bullying .
  • ESCOLA DEMOCRÁTICADefinição É uma instituição que se propõe INSTRUIR E FORMAR alunos e aluna por meio da participação, juntamente com professores e professoras, no transcorrer das tarefas de trabalho e convivência docente. Entende a participação como um envolvimento baseado no EXERCÍCIO DA PALAVRA e no COMPROMISSO DA AÇÃOCaracterísticas Valores que tenham vínculo com a liberdade, a autonomia, o desenvolvimento do espírito crítico, da iniciativa e responsabilidade, a cooperação, a solidariedade, o espírito de grupo e a tolerância. Valores procedimentais – DIÁLOGO E AUTO-REGULAÇÃOObjetivoPráticas pedagógicas que impulsionem a participação.
  • ESCOLAS DEMOCRÁTICAS UMA CONSTRUÇÃO DE TODOS ASSEMBLÉIAS ESCOLARES; ASSEMBLÉIAS DE CLASSE.
  • Regras éticas do trabalho docente Des-idealização do perfil de aluno; Aluno-problema como um porta- voz das relações estabelecidas em sala de aula; Fidelidade ao contrato pedagógico; Experimentação de novas estratégias de trabalho; Competência e prazer.
  • Qual a contribuição? A Formação Moral Auto-reconhecimento; Reconhecimento das outras pessoas Raciocínio acerca dos problemas morais de uma maneira justa e solidária Auto-regulação; Tomada de consciência; Responsabilidade;
  • DESAFIO PARA O SÉCULO XXIABRA os olhos e VEJA
  • É PRECISO...Recuperar a lucidez, resgatar o afeto
  • VIOLÊNCIA NASESCOLAS : MITO OU REALIDADE ?
  • APAAEPAssociação de Pais, Alunos e Amigos das Escolas Públicas de Mendes CONVITE DIA 19 DE SETEMBRO DE 2003 ÀS 13:00 HORAS - CIEP 288 ( MENDES) PALESTRA COM A PROFESSORA JORZEIA AMORIM ESCOLA DE PAZ (SEE-RJ/UNESCO) TEMA: VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS : MITO OU REALIDADE ? "Eu gostaria, por fim, que nas escolas se ensinasse o horror absoluto à violência e às armas de qualquer tipo. Quem sabe algum dia teremos uma Escola Superior de Paz, que se encarregará de falar sobre o horror das espadas e a beleza dos arados, a dor das lanças e o prazer das tesouras de podar". Rubem Alves
  • COMO POSSO CONTRIBUIRPARA DIMINUIR O ÍNDICE DE VIOLÊNCIA NA MINHA ESCOLA?
  • COMO POSSO CONTRIBUIR PARA DIMINUIR O ÍNDICE DE VIOLÊNCIA NA MINHA ESCOLA? SENSIBILIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOSPROFISSIONAIS DA ESCOLA PARA A QUESTÃO DAVIOLÊNCIA .  SENSIBILIZAÇÃO COM PAIS E OU RESPONSÁVEIS.  APROXIMAR A COMUNIDADE NAS ATIVIDADESESCOLARES.  RESGATE DE VALORES.  CRIAÇÃO DE PARCERIAS E VÍNCULOS.
  • DO QUE EU MAIS PRECISOPARA AJUDAR OS NOSSOS JOVENS ?
  • DO QUE EU MAIS PRECISO PARA AJUDAR OS NOSSOS JOVENS ? LIMITE:Estabelecer parâmetros demonstrando os benefícios do entendimento entre direitos edeveres PACIÊNCIA:Exercitar de forma permanente, no entendimento ao comportamento do jovem. COMPREENSÃO:Exercitar de forma permanente, no entendimento ao comportamento do jovem. SOLIDARIEDADE:Apresentar-se sempre como o amigo, nos momentos alegres ou tristes. SABER FALAR SUA LINGUAGEM:Estar apto a promover o conhecimento sobre a forma de diálogo do jovem.
  • DO QUE EU MAIS PRECISO PARA AJUDAR OS NOSSOS JOVENS ? SUBSTITUIR UM PRAZER PELO OUTRO:Ofertar sempre possibilidade de convívio em situações prazerosas saudáveis. DIÁLOGO:Através do exercício da compreensão, do saber ouvir. AMOR EM TRABALHO:Dedicação, estar sempre a demonstrar que no exercício da função sempre haverá anecessidade do “fazer com amor”. RELIGIOSIDADE:Refletir sempre sobre a presença da Força Criadora em nossas vidas.
  • DO QUE EU MAIS PRECISO PARA AJUDAR OS NOSSOS JOVENS ? IMITAÇÃO DE ÍDOLOS:Referenciar na formação de ídolos da juventude, os comportamentos que possam produzirexemplos positivos que estimulem a formação correta de cidadania. GLOBALIZAÇÃO:Integrar o objetivo do Ensinar para a Vida, aproximando os sistemas educacionais para um sóideal: formar de fato e direito, o pensamento crítico para o crescimento humanizado naglobalização. ÉTICA:Estabelecer como referencial maior, a postura ética na área educacional. POR MEDO DE ERRAR AS PESSOAS NÃOPRODUZEM NADA.Necessidade de analisar posicionamentos, rompendo com atitudes que podem representarimpedimentos para atualizar-se nas propostas sobre EDUCAÇÃO.
  • O QUE NA SALA DE AULA O AJUDA A ENSINAR?
  • O QUE NA SALA DE AULA O AJUDA A ENSINAR? TER CONSCIÊNCIA DO MEU PAPEL NASOCIEDADE. RESPEITAR AS DIFERENÇAS. CONHECER A REALIDADE DO ALUNO. CAPACIDADE DE DIÁLOGO. TER AMOR PELO QUE FAÇO. NÃO TER PRECONCEITOS. SER ABERTO A MUDANÇAS.
  • O QUE NA SALA DE AULATORNA O APRENDIZADO MAIS DIFÍCIL?
  • O QUE NA SALA DE AULA TORNA O APRENDIZADO MAIS DIFÍCIL?DESESTRUTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO (FOME) ALIMENTAÇÃO (FOME)DESESTRUTURA FAMILIAR TELEVISÃO (MÍDIA) QUANTITATIVO DE ALUNOS QUANTITATIVO DE ALUNOS TELEVISÃO (MÍDIA)DEPENDÊNCIA QUÍMICA FALTA DE TECNOLOGIA FALTA DE TECNOLOGIADEPENDÊNCIA QUÍMICASAÚDE (DEFICIÊNCIA) PRÁTICA PEDAGÓGICA PRÁTICA PEDAGÓGICA SAÚDE (DEFICIÊNCIA) FALTA DE PROFISSIONAIS METODOLOGIAS IMPOSTAS METODOLOGIAS IMPOSTAS FALTA DE PROFISSIONAIS SEM ESPECIFICAÇÃO DE SAÚDE DE SAÚDE SEM ESPECIFICAÇÃO
  • O QUE NA SALA DE AULA TORNA O APRENDIZADO MAIS DIFÍCIL? VOCAÇÃO PROFISSIONAL VOCAÇÃO PROFISSIONAL FALTA DE PERSPECTIVA FALTA DE PERSPECTIVA (FALTA DE OPÇÃO) (FALTA DE OPÇÃO)CONTEÚDOS REPETITIVOS EMPOBRECIMENTO EMPOBRECIMENTOCONTEÚDOS REPETITIVOS DE TODOS DE TODOS LEIS ARBITRÁRIAS LEIS ARBITRÁRIAS DISCIPLINA = LIMITES DISCIPLINA = LIMITES MOTIVAÇÃO MOTIVAÇÃO
  • DEPOIMENTOS SOBRE OEVENTO : VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS
  • DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO “O Encontro se propôs a discutir a Violência na Escola: Mito ouRealidade. A metodologia proposta foi a de discussões em sub-grupos de ângulosespecíficos do tema proposto.A Coordenadora do Encontro, Professora Jorzeia Amorim, não trouxe um novoenfoque; buscou a visão, experiência e expectativa dos participantes(representantes de escolas municipais, estaduais, particulares e comunidade emgeral).A violência foi discutida amplamente em seus diversos aspectos: social, familiar,moral, profissional, institucional, legal.Ficou claro que a violência existe e está presente no cotidiano não só escolar,como no de todos os que interagem com a criança e ou adolescente. E que asolução para minorar essa violência, seria uma parceria real entre os váriossegmentos envolvidos: pais, professores, colaboradores, instituições públicas eprivadas.É fundamental, imprescindível que cada um faça a sua parte; que acredite econtribua para a PAZ. Não esperar que aconteça algum dia e sim agir AGORA,juntos, parceiros buscando alternativas que contemplem a INCLUSÃO e o fazercom amor e responsabilidade.”
  • DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO  “Eu achei muito proveitoso o encontro sobre a Violência naEscola. Momentos como este nos ajuda a refletir sobre problemasque enfrentamos diariamente. A solução é difícil mas temos que serotimistas e perseverantes.” Imaculada, professora da Escola Estadual Jayme Siciliano (Mendes)
  • DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO “A palestra sobre Violência nas Escolas foi muito importantepela forma como foi conduzida: dinâmica de grupos, em que osparticipantes discutiram todas as dificuldades apresentadas e que éexclusivamente do professor, que não está sabendo conduzir osseus alunos dentro de uma sala da aula, de forma a resgatar aauto-estima do aluno e incentivando ao método pedagógico.” Geraldo Heleno, Presidente a Associação de Moradores e Amigos do Bairro Humberto Antunes
  • DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO “A criação de espaços públicos para debates é sem dúvidanenhuma, uma das mais eficientes formas de se agregar aoconhecimento coletivo, as condições ideais para a busca de soluçõesdos mais diversos problemas que de uma forma geral, afligem aSociedade.A oportunidade para discussão sobre a PAZ como prática diária, sejanas escolas, ou lares, ou nas ruas, constituiu-se em um dessesmomentos, que se não nos deixou mais otimistas, com certeza nosdeixou mais esperançosos.” Hiquinho, professor e representante da Secretária Municipal de Saúde(funcionário).
  • DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO“ Parabenizo a APAAEP-MENDES pelo excelente encontro realizado com a professora JorzeiaAmorim – Coordenadora do Programa Escola de Paz, com o tema: Violência: mito ou realidade? Com entusiasmo, simpatia e muita experiência, a professora Jorzeia trabalhou o tema, levandoos presentes a refletir e debater sobre a nossa comunidade, nossas crianças e nossos jovens. No fechamento do trabalho mostrou a todos que respostas ou soluções mágicas – que sempreesperamos – não existem sem a união e trabalho da comunidade, e esta é quem de fato podedetectar seus problemas e conseqüentemente buscar dentro da sua realidade, os meios,caminhos e soluções para o problema da violência ou outros. Enfatizou também que Mendes -representada por membros de alguns segmentos da sociedade, pelas respostas e opiniões porela ouvidas, já conhece seus principais problemas faltando apenas conjugar esforços comunspara as soluções. Ela ajudou-nos a perceber que, como comunidade, já estamos pensando na mesma direção,embora ainda não estejamos unidos e comprometidos de fato. Como professora , mais uma vez pude refletir sobre educação, repensar as minhas ações comoeducadora, renovar idéias e continuar acreditando que com competência, muito amor e esforço,a comunidade pode alcançar seus objetivos. Parabéns!” Jussara Macedo dos Santos Reis Silva Professora da 1ª série do Ensino Fundamental
  • DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO“ A CLAMA ESTEVE PRESENTE ! 19/09 : A CLAMA esteve presente na palestra proferida pela professora Jorzeia Amorim.Ela se apresentou como uma integrante do movimento “ESCOLAS DE PAZ”,dizendo que só no Estado do Rio de Janeiro existem 70 escolas já engajadasnesse voluntariado.A violência doméstica foi apontada como uma das maiores dificuldades pois,uma criança criada com brutalidade, seguirá o mesmo caminho.Por fim, ficou a pergunta “Como contribuir para diminuir a violência nasEscolas?E como resposta ficou a sugestão:”Escola abrindo nos fins de semana, paraintegrar a comunidade.”  (Transcrito do Boletim da CLAMA - Cinco Lagos Associação de Moradores e Amigos).  
  • DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTOVIOLÊNCIA NAS ESCOLAS, MITO OU REALIDADE ? “ Ter participado deste evento foi uma experiência muito positiva para mim,pois a partir disto pude elaborar questionamentos sobre o meu efetivo papeldentro da Escola,enquanto agente participativo em um processo derelacionamentos diversos e nem sempre satisfatórios.Percebi que a Escola tem relevante importância na elaboração do tipo derelação entre os indivíduos e o quanto é delicado tratar certos conflitos,visto que existe todo um contexto familiar no qual a Escola não tem acesso.Mas nada impede que seja feito um trabalho de “formiguinha” na busca daPAZ.”  Professora Tânia; Escola Municipal Professora Hilda Braga ( Bairro Santa Rosa).
  • QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 100A violência é fruto, muitas vezes, de uma insatisfação social ou resultado de uma opressão absolutista imposta às pessoas, mas também pode ser conseqüência de uma mente doentia, com tendências ao masoquismo e às crueldades.O QUE FAZER CONTRA ESSES TIPOS DE VIOLÊNCIA ? LEIA ALGUMAS ANÁLISES E ALTERNATIVAS E JULGUE-AS:1 - Certas heranças históricas de diversas formas de violência certamente serão transmitidas por nós às próximas gerações com a esperança de atenuá-las, cientes de nossa impotência para eliminá- las.2 - A prevenção da violência no meio escolar e no seu entorno requer a análise situacional tanto do sistema escolar quanto de suas relações com as instituições, equipamentos sociais públicos e privados e características diversas do seu entorno.
  • 3 - Para a boa integração e articulação dos diferentes setores envolvidos, há a necessidade de se diagnosticar os agentes gerais e específicos de cada contexto. Esse diagnóstico situacional dá subsídios para a elaboração e aprimoramento de projetos e de políticas públicas abrangentes e que envolvem desde a compreensão das condições de trabalho dos professores, das equipes de trabalhadores da escola, das instalações físicas, da alimentação e, também, da qualidade da comunicação entre os vários níveis de relações institucionais e pessoais envolvidas nas relações diretas e indiretas dessa coletividade.4 - A articulação e integração dos fatores descritos permitem melhor controle, desenvolvem o sentimento de pertença, como também estimula a participação no desenvolvimento das relações pessoais e coletivas.5 - A sociedade brasileira dispõe, hoje, do Estatuto da Criança e do Adolescente, instrumento fundamental para o aprimoramento das relações entre os diversos níveis do relacionamento social.ESTÃO CORRETAS:a) Todas estão corretasb) Somente 1,3,4,5 estão corretasc) Somente 2,3,4 e 5 estão corretasd) Somente 1,2,3,4 estão corretase) Somente 2,4,5 estão corretas
  • DICA 101: OS PRÊMIOS NOBEL DA PAZ NA HISTÓRIA: EM 2012: À UNIÃO EUROPÉIA
  • E em que consiste o prémio? • Para além de ser uma enorme honra para quem o recebe, o prémio consiste numa avultada quantidade de dinheiro. • Esse dinheiro provém dos lucros que a enorme fortuna de Alfred Nobel ainda dá e que é gerida pela Fundação Nobel. Todos os anos dividem esse dinheiro em cinco partes e distribuem-no pelos vencedores do prémio. • Os vencedores dos primeiros quatro prémios são escolhidos por especialistas suecos em cada uma das áreas. • Por seu turno, o mais conhecido, o Prémio Nobel da Paz, é atribuído por uma comissão do parlamento norueguês. • Mas no testamento, Nobel refere que «...não se deve ter em conta a nacionalidade dos candidatos, quem deverá receber o prémio é o mais digno, independentemente se é escandinavo ou não». Por isso qualquer pessoa no mundo o pode receber.
  • Condições para atribuição do prémio• O testamento de Nobel dizia ainda que os prémios deveriam ser distribuídos da seguinte forma: - «...uma parte para a pessoa que tenha realizado o descobrimento ou o invento mais importante no campo da Física;» - «uma parte à pessoa que tenha realizado o descobrimento ou melhoramento mais importante em Química;» - «uma parte para a pessoa que tenha realizado o descobrimento mais importante no domínio da Fisiologia ou Medicina;» - «uma parte para a pessoa que tenha produzido, no campo da Literatura, a obra mais notável de tendência idealista;» - «e uma parte para a pessoa que tenha levado a cabo o maior ou melhor trabalho em favor da fraternidade entre as nações, pela abolição ou redução dos exércitos permanentes e pela celebração e fomento de congressos pela Paz».
  • Curiosidades • Nem sempre os prémios são entregues anualmente. Algumas vezes os membros da Fundação Nobel decidem não conceder o prémio por acharem que há ninguém nesse ano que o mereça e não o atribuem! • Os Prémios Nobel de Física, Química, Fisiologia ou Medicina, Literatura e o prémio de Economia são formalmente entregues pelo rei sueco, numa cerimónia no Palácio de Concertos de Estocolmo, no dia 10 de Dezembro - o aniversário da morte de Alfred Nobel. • A entrega do Prémio Nobel da Paz tem lugar, no mesmo dia, na Câmara Municipal de Oslo, na Noruega. • Cada premiado recebe uma medalha Nobel em ouro e um diploma Nobel. A importância do prémio, varia segundo as receitas da Fundação obtidas nesse ano. • Nasceu assim o Prémio Nobel, concedido todos os anosJosé Ramos pela Real Academia de Ciências da Suécia.Horta e D.Ximenes Belo
  • Contemplados portugueses• Apenas dois portugueses receberam prémios Nobel: - Egas Moniz - Prémio Nobel da Medicina em 1949; - José Saramago - Prémio Nobel da Literatura em 1998.
  • Mas quem foi este benemérito?• Alfred Nobel nasceu na Suécia a 21 de Outubro de 1833 e faleceu a 10 de Dezembro de 1896.• Viveu em vários países e aos 17 anos, já falava muito bem sueco, russo, francês, inglês e alemão.• Por incrível que pareça, o criador destes prémios dedicou toda a sua vida à criação de bombas e explosivos, sendo ele o responsável pela invenção da dinamite!• Em 1852, começou a trabalhar nas empresas do pai (especializadas em explosivos) e, com a ajuda do pai e dos irmãos, fez experiências para transformar a nitroglicerina num explosivo útil e comercial, mas sem terem resultados positivos. Numa dessas experiências, morre o seu irmão Emil.• Na tentativa de tornar a nitroglicerina segura de manipular, combinou-a com outros produtos que transformavam o líquido numa pasta moldável e em 1867, chega à dinamite, que tal como ele previa, veio facilitar as grandes construções, como canais e túneis. • Apesar de se dedicar aos explosivos, fez mais de 355 inventos noutras áreas, como por exemplo: a borracha sintética, a seda artificial, etc.
  • • Nobel tinha ficado muito decepcionado ao ver que muitas pessoas usavam a dinamite que ele inventara para fins guerreiros. Assim decide criar uma fundação que promovesse o bem- estar da humanidade.• E foi com a ideia de criar prémios com o seu nome que Nobel se conseguiu livrar de ser conhecido como «o homem que fazia muitas explosões».
  • Laureados…• Antes de mais, o que é um LAUREADO? – adj. e s. m., que ou aquele que obteve um prémio, que se laureou; – adj., coroado de louros; – honrado; – louvado; – enaltecido; – festejado. http://www.priberam.pt/dlpo/definir_resultados.aspx
  • Os nossos escolhidos:• 1901: Jean Henri Dunant – Elyelma • 1979: Madre Teresa de• 1905: Bertha Sophie Felicitas Calcutá – Alexandra e Baronin von Suttner – Rúben Rossana e Rui • 1996: Mikhail Gorbachev –• 1952: Albert Schweitzer – Ana Inês e Paulo Margarida e Ricardo • 2002: Jimmy Carter –• 1957: Lester Bowles Pearson Patrícia e Ionel Pop – Tatiana e Tiago • 2003: Shirin Ebadi – M.ª• 1964: Martin Luther King – Inês e Laura Fábio e Cláudia • 2004: Wangari Maathai – Vanessa • 2006: Muhammad Yunus – Beatriz e Nuno http://pt.wikipedia.org/wiki/Nobel_da_Paz
  • Jean Henri Dunant (Suíço) Ex aequo com Frédéric Passy (na França)• Nasceu a 8/5/1828• Faleceu a 30/10/1910• Profissão: Homem de Negócios.• Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 1901 por fundar a Cruz Vermelha. Pesquisa da Elyelma
  • Bertha Sophie Felicitas Baronin von Suttner (Austríaca) • Nasceu a 9/6/1843 • Faleceu a 21/6/1914 • Profissão: Escritora e foi secretária de Alfred Nobel. • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 1905 por ter ajudado a organizar o 1.º Congresso Internacional de Paz, em Viena, fundado a Sociedade Austríaca dos Amigos da Paz, sendo eleita Vice- Presidente do Escritório Internacional da Paz. Pesquisa de Rossana e Rui
  • Albert Scweitzer (Alemão) • Nasceu a 14/1/1875 • Faleceu a 4/9/1965 • Profissão: teólogo, músico (especialista em Bach) e médico. • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 1952 por construir um Hospital Ana Marg e Ricº em África (Gabão)com os seus próprios recursos. Pesquisa de Ana Margarida e Ricardo
  • Lester Bowles Pearson (canadiano) • Nasceu a 23/4/1897 • Faleceu a 27/12/1972 • Profissão: Foi 1.º Ministro do Canadá. • Foi escolhido para Tatiana e Tiago PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 1957 por resolver pacificamente a crise do Suez, em 1956. Pesquisa de Tatiana e Tiago
  • Martin Luther King (Americano) Cláudia e Fábio • Nasceu a 15/1/1929 • Faleceu assassinado a 4/4/1968 • Profissão: Pastor e Activista Político • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 1964 por defendeu os Direitos Civis das pessoas de cor, através da não-violência. O seu discurso ficou famoso: “Eu tenho um sonho”. Pesquisa da Fábio e Cláudia
  • Madre Teresa de Calcutá (Albanesa) • Nasceu a 27/8/1910 • Faleceu a 5/9/1997 • Profissão: Professora e Missionária • Foi escolhida para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 1979 porque concretizou o Projecto de apoiar e recuperar os desprotegidos na Índia (pobres). Alexª e Ruben Pesquisa de Alexandra e Rúben
  • Mikhail Gorbachev (Russo) • Nasceu a 2/3/1931 • Profissão: Último Secretário- Geral do Partido Comunista da União Soviética. • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 1990 porque conduziu ao final da Guerra Fria e terminou com o poder do Partido Comunista levando à dissolução da União Soviética. Paulo e Inês Pesquisa de Inês e Paulo
  • Jimmy Carter (americano) • Nasceu a 1/10/1924 • Profissão: 39.º Presidente dos E.U.A. • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 2002 por promover a Paz Patrícia e Pop Mundial e os Direitos Humanos, por ser Mediador em diversas questões conflituosas no globo. Pesquisa de Patrícia e Ionel Pop
  • Shirin Ebadi (Iraniana) • Nasceu a 21/6/1947 • Profissão: Advogada • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 2003 por ter lutado pela igualdade de direitos humanos promovendo reformas no seu país. Laura e Mª InêsPesquisa de M.ª Inês e Laura
  • Wangari Maathai (Queniana) • Nasceu a 1/4/1940 • Profissão: Ambientalista e activista dos direitos humanos. • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 2004, sendo a 1ª mulher africana a recebê-lo, pela sua contribuição para o desenvolvimento sustentável, democracia e paz, permanecendo, corajosamente, contra o antigo regime opressivo do Quénia. Vanessa Pesquisa da Vanessa
  • Muhammad Yunus (Bangladesh ) • Nasceu a 28/6/1940 Beatriz e Nuno • Profissão: Banqueiro dos Pobres. • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 2006 porque investiu no Microcrédito: financiava as pessoas para abrirem pequenas empresas. Criou então o Banco Grameen, que empresta sem garantias nem papéis, sendo, sobretudo, procurado por mulheres (97%). A taxa de recuperação é de 98,85%. Pesquisa de Beatriz e Nuno
  • QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 1011) O dissidente chinês Liu Xiaobo obteve, nesta sexta-feira, o Prêmio Nobel da Paz 2010, devido ao uso da não-violência na defesa dos direitos humanos, no seu país natal. A China reagiu duramente, qualificando a decisão de uma “blasfêmia” ao próprio prêmio. Folha de S.Paulo, 08/10/2010A conquista do Prêmio Nobel pelo ativista chinês, que participou das manifestações ocorridas na Praça da Paz Celestial, em Pequim, e duramente reprimidas pelo governo em 1989, deixam claras as contradições com as quais a China se depara no início do século XXI, porque,I. a abertura econômica, a partir de 1978, acabou com o coletivismo dos tempos maoístas e foi responsável pelo crescimento do PIB chinês, favorecido pelos investimentos estrangeiros no país.II. ao assumir o governo, Deng Xiaoping combinou abertura econômica com totalitarismo político e, mesmo constatando o crescimento desigual no interior da China, tem resolvido os impasses políticos por meio de negociações pacíficas.III. o paradoxo entre o totalitarismo político e adoção de liberdade de mercado na China tem desgastado as instituições de poder, que recorrem ao exercício da força para conservar o poder diante de um país influenciado pela economia de mercado.É correto afirmar quea) somente I está correta.b) somente II está correta.c) somente I e II estão corretas.d) somente I e III estão corretase) I, II e III estão corretas.