1º Va   Grupo 03
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

1º Va Grupo 03

on

  • 984 views

 

Statistics

Views

Total Views
984
Views on SlideShare
944
Embed Views
40

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

2 Embeds 40

http://geografiaemdia.blogspot.com 25
http://geografiaemdia.blogspot.com.br 15

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

1º Va Grupo 03 Presentation Transcript

  • 1. Colégio Jesus Cristo Rei
  • 2. Alunas:Ana Carolina Bragança Caroline Brito, Larissa Vieira, Letícia Neves , Monielly Belmock , Natália Souto, Thamiris Brito. Série : 1º VA
  • 3. Grupo 3: Indicadores Demográficos Do Brasil
    • Taxa de Fecundidade;
    • Taxa de Natalidade;
    • Expectativa de Vida;
    • Taxa de Mortalidade.
  • 4. Taxa de Fecundidade
    • Taxa de fecundidade é uma estimativa do número médio de filhos que uma mulher teria até o final de seu período reprodutivo, mantido constantes as taxas observadas na referida data. Também pode ser definida como: o número médio de filhos por mulher em idade de procriar, ou seja, de 15 a 49 anos.
    • No final da década de 1960 , a taxa de fecundidade era de cerca de 6 filhos por mulher, passando para 4,5 no final da década de 1970 , e atualmente, como apontam os dados divulgados recentemente na Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde - PNDS , a taxa de fecundidade no Brasil é de 1,8 filhos por mulher , taxa esta bem abaixo do "nível de reposição" (taxa de fecundidade que mantém a população constante no longo prazo), que é de 2,1. Com este resultado, a fecundidade das mulheres brasileiras está se aproximando rapidamente a dos países desenvolvidos.
    • Com a taxa de fecundidade neste nível, a população brasileira deverá começar a diminuir antes do esperado, em cerca de 30 anos. Essa queda acelera o envelhecimento da população, e o sistema previdenciário poderá ficar com saldo negativo (com mais dependentes do que contribuintes na balança)
  • 5.
    • A região brasileira com a maior taxa de fecundidade é a Norte, com 2,6 filhos por mulher, seguida pela Nordeste, com 2,29, e a Centro-Oeste, com 2,01. A menor taxa é a da região Sudeste, com 1,62 filho por mulher. Na região Sul, foi registrado 1,78 filho por mulher.
    •  
  • 6. Taxa de Natalidade
    • Em demografia, por taxa de natalidade deve entender-se o número de crianças que nascem anualmente por cada mil habitantes, numa determinada área.
    • Até recentemente, as taxas de natalidade no Brasil foram elevadas, em patamar similar a de outros países subdesenvolvidos . Contudo, houve sensível diminuição nos últimos anos, que pode ser explicada pelo aumento da população urbana — já que a natalidade é bem menor nas cidades, em conseqüência da progressiva integração da mulher no mercado de trabalho — e da difusão do controle de natalidade . Além disso, o custo social da manutenção e educação dos filhos é bastante elevado, sobretudo no meio urbano.
  • 7.     Taxas bruta e padronizada de natalidade Brasil grandes regiões, 1991, 1995, 2000 e 2004 Regiões 1991 1995 2000 2004   Bruta Bruta Bruta Padronizada Bruta Padronizada Brasil 23,39 21,97 21,06 20,94 18,17 18,11 Norte 31,93 30,14 28,63 28,15 23,62 22,75 Nordeste 26,81 25,13 24,29 24,23 21,66 21,26 Sudeste 20,23 19,20 18,71 18,52 15,87 15,84 Sul 21,49 19,77 17,96 18,41 14,83 15,61 Centro-Oeste 24,38 22,34 20,70 19,22 19,16 17,95
  • 8.
    • INTERPRETAÇÃO:
    • Expressa a intensidade com a qual a natalidade atua sobre uma determinada população.
    • A taxa bruta de natalidade é influenciada pela estrutura da população, quanto à idade e ao sexo.
    • As taxas brutas de natalidade padronizadas por uma estrutura de população padrão permitem a comparação temporal e entre regiões.
    • Em geral, taxas elevadas estão associadas a condições socioeconômicas precárias e a aspectos culturais da população.
  • 9. Expectativa de Vida   Numa dada população, expectativa de vida à nascença ou expectativa de vida é o número médio de anos que um indivíduo pode esperar viver, se submetido, desde o nascimento. A expectativa de vida do brasileiro subiu para 72,7 anos em 2007, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ( IBGE ). Em 1997, o estudo apontava uma expectativa de 69,3 anos no país. Em 2006, era de 72,3 anos .   Ainda segundo a pesquisa ‘’Síntese de Indicadores Sociais’’, a vida média do brasileiro ao nascer, entre 1997 e 2007, cresceu 3,4 anos, com as mulheres em situação bem mais favorável que a dos homens (73,2 para 76,5 anos, no caso das mulheres, e 65,5 para 69,0 anos, para os homens).   A pesquisadora Ana Lúcia Sabóia, gerente de Indicadores Econômicos do IBGE, diz que o avanço na expectativa de vida é um reflexo dos avanços da medicina e da melhoria das condições de vida. Ela considera o resultado "bastante agradável".  
  • 10.
    • Diferença entre os sexos:
    •  
    • A vida média das mulheres permaneceu maior que a dos homens entre 2000 e 2005. No ano de 2000, a expectativa para as brasileiras era de 74,4 anos, enquanto os brasileiros viviam em média 66,7 -uma diferença de 7,7 anos. Em 2005, a esperança de vida ao nascer ficou em 75,8 para o sexo feminino e 68,2 para o sexo masculino; ou seja, as mulheres tinham 7,7 anos em seu favor. A diferença de esperança de vida ao nascer entre homens e mulheres se deve, em parte, por conta da violência contra os brasileiros do sexo masculino em idade jovem, afirma a demógrafa Ana Maria Nogales. "O risco de morte em cada idade é levado em conta no cálculo da vida média".
  • 11. Taxa de Mortalidade
    • Taxa de mortalidade é o número de pessoas que morrem por 1000 habitantes durante o ano.A taxa de mortalidade total no Brasil apresentou um grande declínio de 1950 a 1970, e desde então vem caindo em pequenas proporções.
  • 12.
    • MORTALIDADE INFANTIL:
    • (Crianças menores de 1 ano de idade que morrem por 1000 nascidos vivos durante o período de 1 ano)
    •   A taxa de mortalidade infantil durante os últimos dez anos do século XX apresentou uma tendência de queda em todas as regiões. No Brasil, em 1990, registravam-se 48 óbitos por mil nascidos vivos e, e em 2000, 29,6. Entretanto, ainda existem grandes diferenças regionais: a taxa de mortalidade infantil da Região Nordeste, por exemplo, é cerca de duas vezes a taxa observada nas demais regiões.
  • 13. Fontes:
    • www. mundovestibular .com. br
    • www. ripsa . org . br
    • www. wikipedia . org . br
    • www.globo.com/ brasil /pesquisas
  • 14.