Your SlideShare is downloading. ×
0
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Republica velha resumão
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Republica velha resumão

40,235

Published on

1 Comment
12 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
40,235
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
859
Comments
1
Likes
12
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A República Velha na História do BrasilProf. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 2. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 3. Tropas republicanas festejam o fim da monarquia, no fim da madrugada, em Campo de Santana, no RJ Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 4. Reconstituição feita pelos militaresrelembrando a ocupação em 15/11/1889 Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 5. Cronologia da República Velha1. (1889-1891): Marechal Deodoro da Fonseca2. (1891-1894): Marechal Floriano Peixoto3. (1894-1898): Pudente de Morais4. (1898-1902): Campos Sales5. (1902-1906): Rodrigues Alves6. (1906-1909): Afonso Pena7. (1909-1910): Nilo Peçanha8. (1910-1914): Marechal Hermes da Fonseca9. (1914-1918): Wenceslau Brás10. (1918-1919): Delfim Moreira11. (1919-1922): Epitácio Pessoa12. (1922-1926): Arthur Bernardes13. (1926-1930): Washington Luís Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 6. 1° Presidente do Brasil: Marechal Deodoro da Fonseca (1889-1891)Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 7. O governo de Deodoro da Fonseca• O governo do Marechal Deodoro da Fonseca é tradicionalmente dividido em dois períodos: – Governo Provisório: da Proclamação da Republica, em novembro de 1889, até 1891; – Governo Constitucional: de fevereiro a outubro de 1991, pois foi eleito segundo as regras estabelecidas pela Constituição republicana recém aprovada. Obs: Foi um governo marcado pelo autoritarismo e pela tendência centralizadora, que colocou em constante choque os poderes executivo e legislativo, este último dominado pelos latifundiários. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 8. Encilhamento• Definição: Nome dado ao processo inflacionário, fruto da emissão de grandes somas de papel moeda sem lastro-ouro e da especulação na Bolsa de Valores.• Responsável pelo plano: Rui Barbosa, o Ministro da Fazenda. Simpático aos ideais positivistas, pretendeu adotar medidas que contribuíssem para o progresso industrial do país. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 9. Charge da época ironiza a chuva emitido pelo governoProf. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 10. Especulação na bolsa de valores agitando a cidade do Rio de JaneiroProf. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 11. Promulgada a Primeira Constituição Republicana: - O voto não era mais censitário, porém a maioria não votava; - O voto não era secreto; - Criação da Comissão Verificadora; - Federalismo; - Três poderes; - Separação Estado e Igreja.Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 12. 1891-1894: Marechal Floriano Peixoto• Foi considerado como o "consolidador da república" e lançou as bases de uma “ditadura de salvação nacional".• Fez um governo nacionalista, austero e centralizador. Tornou-se o "marechal de ferro".• Entre seus atos, estatizou a moeda, estimulou a indústria e baixou os preços de imóveis e de alimentos.• Ele enfrentou a Revolução Federalista no Rio Grande do Sul, que só terminaria com vitória das tropas republicanas em 1895. Também enfrentou a Segunda Revolta da Armada. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 13. Revolta da Armada e Revolução Federalista• A principal rebelião regional ocorreu no Rio Grande do Sul, onde a luta pelo poder colocou frente a frente os pica-paus, "republicanos históricos" liderados por Júlio de Castilhos, e os maragatos, liderados pelo monarquista Silveira Martins, do Partido Federalista Brasileiro.• Os maragatos eram defensores de uma reforma constitucional, adotando-se o parlamentarismo e se opunham ao governo de caráter ditatorial de Júlio de Castilhos. Apesar de Castilhos ter apoiado o golpe de Deodoro em 1891, Floriano pendeu para o lado dos pica-paus, pois precisava do apoio da bancada gaúcha no Congresso Nacional. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 14. Governo de Prudente de Morais (1894-1898)• Com a posse de Prudente de Moraes terminava a "República da Espada" e começava o Governo das Oligarquias, que se estendeu até 1930.• A principal obra de Prudente de Morais foi fazer o país voltar a normalidade, com o funcionamento das instituições, o respeito a Constituição, retirando do exército as funções políticas que havia exercido nos últimos anos. Prof. Ms. FabioSantos de Oliveira Augusto
  • 15. A Guerra de Canudos(1896-1897) Com cerca de 5200 casebres, e aproximadamente 25000 habitantes era a segunda maior cidade da Bahia, só inferior a Salvador. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 16. Local : Arraial Belo Monte (BA) Líder: Antônio Conselheiro • Movimento Messiânico; • O movimento foi anti- republicano, mas também não era monarquista; • Denúncia de miséria, seca e descaso das autoridades; • Foi interpretado como uma afronta as autoridades republicas, da Igreja e dos latifundiáriosProf. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 17. Governo de Campos Sales (1898-1902)Política dos Governadores “É dando que se recebe” Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 18. Conseqüências da Política dos Governadores• Coronelismo• Voto de cabresto• Curral eleitoral Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 19. Funding-loan• Nome dado ao acordo firmado entre o governo de Campos Sales - com os bancos credores ingleses, que garantia novos empréstimos para o pagamento de juros da dívida externa e estabelecia uma moratória de dez anos para o pagamento da dívida externa.• Foi uma tentativa frustrada de equalizar as receitas do governo. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 20. Na política exteriorO Barão do Rio Branco conseguiu a solução do problema das fronteiras com a Guiana Francesa, a chamada Questão do Amapá. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 21. Governo de Rodrigues Alves (1902-1906) • Assinado o Tratado de Petrópolis; • Política do “Bota abaixo”; • Revolta da Vacina; • Reurbanização da cidade do Rio de Janeiro. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 22. Tratado de Petrópolis (1903) Garantiu ao Brasil a posse do território do Acre, devendo pagar a Bolívia uma indenização de 2 milhões de libras esterlinas e possibilitar a construção da estrada de ferro Madeira- Mamoré, que daria a Bolívia uma saída para o Atlântico Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 23. Política do “Bota-Abaixo” Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 24. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 25. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 26. Revolta da Vacina• Local: Rio de Janeiro• Período: 10 e 18 de novembro de 1904• Causas: política do “Bota-abaixo” e das medidas sanitaristas tomada pelo médico Oswaldo Cruz que obrigava a população a tomar vacinas contra a varíola.• Características: revolta urbana com grande participação popular e ausência de líderes diretos.• Conseqüências: saldo de 30 mortos, 110 feridos, cerca de 1000 detidos e centenas de deportados. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 27. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 28. Reurbanização da cidade do Rio de Janeiro• No governo de Rodrigues Alves, investiu- se em melhoramentos urbanos e na construção de portos, do Teatro Municipal, da Biblioteca Nacional, do Instituto de Manguinhos, da fábrica de pólvora de Piquete (São Paulo). Deu plenos poderes ao prefeito Francisco Pereira Passos para a remodelação, embelezamento e saneamento da cidade do Rio de Janeiro. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 29. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 30. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 31. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 32. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 33. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 34. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 35. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 36. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 37. 1906-1909: Afonso Pena • Lema de governo: “Governar é povoar”. • Buscou realizar uma integração nacional através de linhas telegráficas. Projeto desenvolvido pelo general Cândido Rondon. • Prestígio internacional: Rui Barbosa, “Águia de Haia”. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 38. Assinado o Convênio de Taubaté (1906) Nesse ano a crise de superprodução atingiu seu ponto culminante. Em fevereiro se reuniram em Taubaté os governadores de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, procurando uma saída para a crise. A política adotada foi a intervenção dos estados na economia, para comprar o excedente de café, com empréstimos obtidos no exterior. Intervenção do Estado na economia Benefícios Prof. Ms. Fabio Augusto de fazendeiros de café exclusivos aos Oliveira Santos
  • 39. 1909-1910: Nilo Peçanha Assumiu a Presidência da República após o falecimento de Afonso Pena, em 14 de junho de 1909, e governou até 15 de novembro de 1910. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 40. Rui Barbosa lança a Campanha CivilistaGraças à sua atuação na Conferência de Haia, Rui Barbosa despontou como candidato potencial às eleições presidenciais de 1910, em oposição à candidatura do militar Hermes da Fonseca. Defendendo o poder para os civis, tem sua principal base de apoio em São Paulo, realiza manifestações para obter o apoio popular e defende o voto secreto. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 41. Governo de Hermes da Fonseca (1910-1914) Primeiro militar eleito à presidência através de um pleito nacional, rompendo temporariamente a "política do café-com- leite". Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 42. Política das SalvaçõesEssa política consistia em desalojar dopoder as velhas oligarquias estaduais,substituindo-as por políticos ou militaresfiéis ao governo central. O intervencionismo do Estado na política. Salvar o próprio governo foi o grande objetivo dessa prática política. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 43. Revolta da Chibata (1910) Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 44. Reivindicações dos revoltosos• Fim dos castigos físicos;• Aumento de salários;• Melhor alimentação. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 45. Resultados Os marinheiros se renderam pensando que seriam atendidas suas reivindicações, mas eles são presos e levados para o Rio Amazonas como prisioneiros e sofrem desterro lá, são expulsos do Brasil. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 46. Contestado (1912 - 1916)Região conflitante: entre o Paraná e a Santa Catarina. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 47. Características do movimento• Principal líder: Monge José Maria• O movimento foi messiânico, por meio de sermões religiosos, pregava-se que a terra pertencia a todos• Os envolvidos eram adeptos do “Sebastianismo” e defendiam o retorno do rei português. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 48. Sedição do Juazeiro (1914)• Revolta de Juazeiro foi um confronto armado entre as oligarquias cearenses e o governo federal provocado pela interferência do poder central na política estadual nas primeiras décadas do século XX.• Ocorreu no sertão do Cariri, interior do Ceará.• Líder: Padre Cícero Romão Batista Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 49. • Padre Cícero montou um aparatopolítico e militar que utilizava a fé dosfiéis em sua pessoa para fortalecerseu poder na região, tornando-se umverdadeiro coronel.• A igreja Católica insatisfeita com apratica do mandonismo político,acabou por se afastar de PadreCícero•Aproximou-se dos coronéis da regiãoe também dos cangaceiros,realizando praticas violentas eassociando-as ao misticismo religioso. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 50. Cangaço : banditismo social O cangaço tem suas origens em questões sociais e fundiárias do Nordeste brasileiro, caracterizando-se por ações violentas de grupos ou indivíduos isolados: assaltavam fazendas, seqüestravam coronéis (grandes fazendeiros) e saqueavam comboios e armazéns. Não tinham moradia fixa: viviam perambulando pelo sertão praticando tais crimes, fugindo e se escondendo. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 51. Governo de Venceslau Brás (1914-1918)• Durante seu mandato enfrentou um conjunto de problemas como: – a Guerra do Contestado na região entre Santa Catarina e Paraná; – a grande greve operária de São Paulo; – o desenrolar da Primeira Guerra Mundial. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 52. Movimento OperárioProcesso de Industrialização durante a República Velha Ano Nº fábricas Nº de operários 1889 900 54.200 1920 13.430 275.500 Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 53. Operariado na República Velha •Salários baixos •Jornada de trabalho intensa •Multas e castigos corporais •Ausência de leis trabalhistasEssa SUPEREXPLORAÇÃO levou os operários a se organizarem em ligas operárias. Idéias anarquistas e socialistas Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 54. Governo de Delfim Moreira (1918-1919)• Assume o país devido a doença de Rodrigues Alves, tinha sido eleito vice-presidente em 1918.• Seu mandato, durou apenas oito meses, até a morte do presidente, quando foram realizadas novas eleições e Epitácio Pessoa saiu vitorioso.• O período ficou conhecido como Regência Republicana, uma vez que Delfim sofria de uma arteriosclerose precoce e o governo foi conduzido, na prática, por Afrânio de Melo Franco, ministro da Viação. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 55. Governo de Epitácio Pessoa (1919-1922)A década de 20 foi caracterizada, entreoutros aspectos, por importantesmudanças, denunciando a crise daRepública Oligárquica. Destacam-se,nesse contexto, as novas manifestaçõesculturais, contrárias a mentalidadeeuropeizante até então predominante. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 56. Episódio das "Cartas Falsas"• Nos dias 9 e 10 de outubro o Jornal Correio da Manhã, do Rio de janeiro, publica cartas atribuídas a Artur Bernardes, com ofensas a Hermes da Fonseca - presidente do Clube Militar - e aos militares. A polêmica cria animosidade nos meios militares; a intenção é enfraquecer a candidatura oligárquica e forçar a volta dos militares a vida política Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 57. Governo de Artur Bernardes (1922-1926)• O governo de Artur Bernardes foi marcado pela crescente indisposição dos diversos setores do país com a República Velha. O período é marcado pelo crescimento do Movimento Tenentista, que evidenciava o descontentamento de diversos setores do exército com as oligarquias dominantes. A evolução do movimento culminou com a fracassada Coluna Prestes, que pretendia unir o país sob a tutela dos tenentes revoltosos, que corrigiriam os rumos da Pátria. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 58. Realizada em São Paulo nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro, no Teatro Municipal, a Semana de Arte Moderna representou a busca de novos padrões estéticos, caracterizados principalmente pelo nacionalismo.Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 59. MOVIMENTO TENENTISTA• O chamado Tenentismo nasce em 1922 entre a jovem oficialidade das Forças Armadas (capitães e tenentes) e estende-se até 1934. Tem a adesão de militares de patente superior e de civis das classes médias urbanas, insatisfeitos com um sistema que privilegia apenas as oligarquias estaduais, principalmente a do café.• Propunha maior centralização do Estado, moralização dos costumes políticos e voto secreto. Os chamados tenentes não procuraram incorporar as massas populares ao seu movimento.• Realizam ações militares diretas, como o levante dos 18 do Forte de Copacabana, a Revolução Paulista de 1924 e a Coluna Prestes. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 60. A Coluna Prestes 1925 A "Grande Marcha" de 1925 a 27 foi o ponto culminante do movimento armado que visava derrubar as oligarquias que dominavam o país e, posteriormente, desenvolver um conjunto de reformas institucionais, com o intuito de eliminar os vícios da República Velha.Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 61. Governo de Washington Luís (1923-1930)Fluminense, advogado, estimulou a expansão rodoviária, aumentou a reserva de ouro, remodelou a área urbana do Rio de Janeiro e tentou desenvolver uma política de valorização do café.Na época da sucessão, a Aliança Liberal reuniu as oposições em torno da candidatura de Getúlio Vargas contra Júlio Prestes, candidato oficial de Washington Luís. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 62. A Revolução de 1930• Ao perder as eleições, os rio-grandenses se rebelaram, em 3 de outubro, sob o comando do tenente-coronel Pedro Aurélio de Góes Monteiro, que marchou para São Paulo. As Forças Armadas depuseram o presidente da República na chamada Revolução Liberal, em 24 de outubro de 1930. Formaram, então, uma Junta Militar com os generais Augusto Tasso Fragoso, João de Deus Menna Barreto e o contra-almirante José Isaías de Noronha. Terminava aí a República Velha. Getúlio Vargas foi declarado o novo presidente do Brasil. Prof. Ms. Fabio Augusto de Oliveira Santos
  • 63. Um balanço da República Velha...• O sistema Republicano consolidou a oligarquia agrária no poder, que usava o Estado para garantir os seus interesses.• Essa República foi acompanhada por uma “modernização” ao molde dos padrões europeus.• A população, apesar de excluída de exercer seu direito de cidadã, não assistiu passivamente a essa monopolização do poder.• Cada revolta, reprimida ou vitoriosa, obrigou os governantes a olhar para o que ocorria fora dos palácios, das sedes das fazendas, das casas de chá e o povo de pouco a pouco foi conquistando espaçoFabioSantos de Prof. Ms. Augusto na república. Oliveira

×