Republica velha
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Republica velha

on

  • 11,097 views

 

Statistics

Views

Total Views
11,097
Views on SlideShare
10,389
Embed Views
708

Actions

Likes
0
Downloads
198
Comments
0

7 Embeds 708

http://sementesdementes.blogspot.com 310
http://www.sementesdementes.blogspot.com 253
http://sementesdementes.blogspot.com.br 130
http://www.sementesdementes.blogspot.com.br 11
http://sementesdementes.blogspot.jp 2
http://sementesdementes.blogspot.pt 1
http://todeolhonahistoria.wordpress.com 1
More...

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Republica velha Republica velha Presentation Transcript

    • República Velha 1889 a 1930
    • República de Espada (1889-1894)• Período em que os militares assumiram o poder econsolidaram a Republica
    • República Oligárquica República dos FazendeirosGoverno voltado para os interesses das aristocracias rurais. (Incentivo a agroexportação)
    • Política Café com Leite Os presidentes eram indicados e eleitos porinfluência das oligarquias paulistas e mineiras.
    • CORONELISMOO coronel – grandeproprietário de terra,possuía poder einfluência sobre umavila, município e atémesmo uma regiãono interior do país.Controlava os votosdos moradores desua região.
    • O voto imposto pelos “coronéis” contra a vontade do eleitor ficou conhecido como “voto de cabresto”.Charge de Claudius. Brasil Vivo 2, de Marcus Vinício, Chico Alencar e Claudius Ceccon. Editora Vozes, 1996).
    • Além do voto de cabresto, vários mecanismos fraudulentos (todos do conhecimento das autoridades oficiais) eram utilizados nas eleições. Exemplos maiscomuns: fornecimentos de títulos a menores de 21 anose a analfabetos; permissão para um eleitor votar váriasvezes; adulteração de atas e urnas eleitorais; contagem de votos de defuntos e muitas outras artimanhas.
    • Os governadoreseram eleitos egovernavamcontando com afidelidade doscoronéis
    • Os presidentes daRepública pressionavamos governadores paraque suas ordens fossemcumpridas nos estados
    • Belle Époque • Época de ouro do charme, da beleza e da inovação. O final do século XIX foi marcado pela euforia das elites européias com relação às novas tecnologias, à civilização ao progresso.
    • A BELLE ÉPOQUE BRASILEIRA• Logo após a Proclamação da República, o Brasil também passou por um processo de modernização e crença no progresso.• A idéia era copiar o modo de viver dos franceses e ingleses.• Rio de Janeiro, a Capital Federal, deveria ser modernizada.
    • Reurbanização da cidade do Rio de Janeiro• Rodrigues Alves (1902-1906), investiu-se em melhoramentos urbanos e na construção de portos, do Teatro Municipal, da Biblioteca Nacional, Confeitarias e livrarias importantes. Deu plenos poderes ao prefeito Francisco Pereira Passos para a remodelação, embelezamento e saneamento da cidade do Rio de Janeiro.
    • Pereira Passos ocupou aPrefeitura do Rio de Janeiro,durante o período de 1902 a 1906. Urbanizou a cidade, em especial o seucentro que passou a ser quase unicamente comercial
    • Aplicou a política do “Bota-Abaixo”...
    • ...que em nome da saúde destruiu os cortiços da cidade...
    • Avenida Central - 1º de dezembro de 1905Em 7 de setembro de 1904comemorou-se o final das demolições para a abertura da Avenida Central. Na sua inauguração, em 15 de novembro de 1905, existiam trinta prédios prontos, cerca de oitenta em construção e raros lotes ainda à venda. À esquerda, na esquina daRua São José, o prédio depropriedade da Irmandade do S.S. da Candelária, vizinho do primeiro edifício concluído, sede de Antonio Jannuzzi, Irmão e Cia.
    • Alargamento da Rua da Carioca – 31 de janeiro de 1906 O alargamento da Rua da Carioca, testemunhadopela fotografia de AugustoMalta, mostra o verdadeiro canteiro de obras em que foi transformado o centro urbano do Rio de Janeirono início do século XX. Os velhos sobradões, a maioria usada como cortiços que abrigavam dezenas de famílias, ou antigos armazéns, foramdemolidos para dar lugar a largas avenidas quetornaram a região um pólo comercial, banindo os antigos moradores.
    • Morro do Castelo "Embora fosse um sítio histórico, o morro havia se transformado em local deresidência de inúmeras famíliaspobres, que se beneficiavam dos aluguéis baratos das antigas construções ali existentes. Situava-se, entretanto, na áreade maior valorização do solo dacidade, a dois passos da Avenida Rio Branco. Daí porque era preciso eliminá-lo, não apenas em nome da higiene e estética, mas também da reprodução do capital". Maurício Abreu
    • Av. Centrale o Morrodo Castelo(depois demolido)
    • Foram usados todos osrecursos disponíveis para o desmonte do Morro do castelo, até seu completo arrasamento: desde a picareta, o martelo, a marreta, até os processoshidráulicos, tudo foi válidopara a rápida conquista de uma grande esplanada..