• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Processo De FormaçãO Das Palavras
 

Processo De FormaçãO Das Palavras

on

  • 41,450 views

 

Statistics

Views

Total Views
41,450
Views on SlideShare
41,277
Embed Views
173

Actions

Likes
3
Downloads
532
Comments
2

5 Embeds 173

http://www.slideshare.net 140
http://escolaviegas.zip.net 14
http://escolaviegas.blogspot.com 9
http://escolaviegas.blogspot.com.br 9
http://www.steviegas.blogspot.com.br 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

12 of 2 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Muito Bom!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • orbital
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Processo De FormaçãO Das Palavras Processo De FormaçãO Das Palavras Presentation Transcript

    • Português - Língua viva Formação de palavras Profª Ângela Maria dos Santos
    • Onde a Língua Portuguesa é falada?  O português é língua oficial dos seguintes países: Brasil , Portugal , Cabo Verde , Guiné-Bissau , Moçambique , São Tomé e Príncipe . No Timor Leste é uma das duas línguas oficiais a outra é o tétum.  O português convive com idiomas nativos nos seguintes territórios: Diu , Damão , Goa e Macau.
      • A África do Sul e a França são os países onde existe um
      • maior número de falantes do português como língua estrangeira.
       Há, aproximadamente, 216,5 milhões de falantes da língua no mundo, distribuídos nos 5 continentes: América (Brasil), África (Guiné-Bissau, Cabo Verde, Angola, Moçambique República Democrática de São Tomé e Príncipe), Europa (Portugal), Ásia (Macao, Goa, Damão, Diu) e Oceania (Timor).
    • Formação de palavras Uma sociedade em permanente mudança, que cria a to- do instante novas necessidades e novos objetos de consumo, precisa ter também uma linguagem dinâmica , que acompa- nhe essas transformações. O falante de uma língua poderá formar uma palavra nova: a partir de elementos já existentes, importando um termo de uma língua estrangeira ou alterando o significado de uma palavra antiga, sempre que for necessário um nome para designar uma idéia ou objeto novo.A palavras assim criadas, dá-se o nome de neologismos .
    • Os avanços na era da informática nos últimos tempos, por exemplo, acabaram por incorporar à língua portuguesa inúmeros termos novos. Há, na língua portuguesa, muitos processos pelos quais se formam palavras e cujos mecanismos são constantemente utilizados para traduzir, em palavras novas, novas realidades. Entre os processos de formação de palavras, dois são mais comuns em português: a derivação e a composição .
    • Derivação É o processo pelo qual a partir de uma palavra se for- mam outras, por meio do acréscimo de certos elementos que lhe alteram o sentido primitivo ou lhe acrescentam um sentido novo. Os processos de derivação são:  Derivação prefixal : ocorre quando há acréscimo de um prefixo a um radical. Contrapor  contra + por prefixo radical
    •  Derivação sufixal :ocorre quando há acréscimo de um sufixo a um radical. arvoredo  arvor + -edo radical sufixo  Derivação parassintética : ocorre quando há acréscimo simultâneo de um prefixo e de um sufixo a um radical. Engarrafar  en- + garraf + -ar prefixo radical sufixo As formas parassintéticas são constituídas por substanti- vos e adjetivos e podem ser nominais (alinhamento, embarcação, desalmado) e verbais ( anoitecer, enraivecer, endurecer). Os pre- fixos que geralmente são empregados na formação de parassin- téticos verbais são: es- , em- , a- .
    •  Derivação prefixal e sufixal : ocorre quando há acréscimo não-simultâneo de um prefixo e de um sufixo a um radical. imperdoável  im - + perdo + -ável prefixo radical sufixo  Derivação regressiva : ocorre quando há eliminação de ele- mentos terminais (sufixos, desinências). Consumir  consumo Observação: Às vezes é difícil distinguir se a palavra é primitiva ou derivada. O filólogo Mário Barreto sugere “(...) se o substantivo denota ação , será palavra derivada, e o verbo palavra primitiva; mas se o nome denota algum objeto ou substância, se verificará o contrário”. Assim choro , socorro e emprego , denotadores de ação, são palavras derivadas; azu- lejo , alimento e fumo são palavras primitivas que dão origem aos ver- bos azulejar , alimentar e fumar .
    •  Derivação imprópria : ocorre quando há mudança de sentido e de classe gramatical. Só é possível identificar uma derivação imprópria dentro de um contexto ou de uma frase. O animal foi capturado pelo zoológico e a festa foi animal . substantivo adjetivo COMPOSIÇÃO Consiste na assoçiação de duas ou mais palavras (ou ra- dicais), para formar uma outra de significação nova, à qual se denomina palavra composta . Os dois tipos de composição são: justaposição e aglutinação .
    •  Composição por justaposição As palavras unem-se sem qualquer alteração fonética e gráfica. Ex.: guarda-noturno, dona-de-casa, obra-prima, pé-de-moleque, dia-a-dia, joão-ninguém, alma-gêmea etc.  Composição por aglutinação As palavras associadas se fundem num todo fonético, com um só acento tônico, e o primeiro componente perde al- guns elementos, normalmente acento tônico, vogal e consoan- te. Ex.: petróleo (pedra + óleo), aguardente (água + ardente), embora (em + boa + hora), vinagre (vinho + acre), fidalgo (filho + de + algo)
    • Outros processos  Hibridismo O hibridismo é a formação de palavras por derivação ou composição, a partir de elementos (radicais e afixos) pro- vindos de línguas diferentes. Ex.: burocracia (francês e grego), goiabeira (tupi e português), sociologia (latim e grego), asmático (português e latim)  Abreviação vocabular (ou redução) Consiste em reduzir as palavras, com o objetivo de eco- nomizar tempo e espaço na comunicação falada e escrita. Ex.: auto (automóvel), pneu (pneumático), ônibus (auto-ônibus), moto (motocicleta), foto (fotografia), quilo (quilograma).
    •  Siglas  Abreviatura São empregadas principalmente como redução de no- mês de empresa, firmas, organizações internacionais, partidos políticos, serviços públicos, associações estudantis e recreati- vas. Ex.: IBOPE , ONU , UNE , IBGE , CD , AIDS , etc. É a redução na grafia de certas palavras, geralmente, as limitando à letra inicial ou às letras iniciais e, às vezes à letra inicial com a final. Ex.: p. ou pág. (página), cal (caloria), Sr. (senhor), av. (avenida)
    •  Onomatopéia A onomatopéia consiste na formação de palavras que buscam reproduzir vozes de seres, sons ou ruídos da natureza. zas! tique-taque piu! bum! toque-toque miau! cabrum! zigue-zague au!  Palavra-valise Palavra-valise é uma redução que utiliza parte de duas palavras primitivas para formar uma palavra nova. Elefantástico (elefante + fantástico); portunhol (português + espanhol), brasiguaio (brasileiro + paraguaio). Observação : em geral, os verbos e substantivos denotadores de vozes de animais têm origem onomatopéica. Ex.: ciciar (cicio da cigarra), coaxar (coaxo da rã e do sapo).
    •  Estrangeirismo É o emprego de palavra estrangeira em frases de língua portuguesa. As palavras estrangeiras incorporadas à língua pelo uso constante podem ganhar ortografia portuguesa e/ou originar novas palavras por meio de processos típicos do português. Do ponto de vista formal podemos reconhecer 3 tipos de estrangeirismos: a) Decalque Versão literal do lexema modelo na língua originária. Ex.: antipoluente, bens de consumo, cartão de crédito, toca-fitas, freio, fim de semana, pára-brisa, supermercado, etc.
    • b) Adaptação da forma estrangeira à fonética e ortografia brasileira Isso ocorre em geral quando o estrangeirismo já foi ado- tado há muito tempo pela nossa cultura. Exemplo: Anglicismos : boicote (boy-cott), clube (club), coquetel (cocktail), drinque (drink), estoque (stock), filme (film), futebol (foot-ball), xampu (shampoo), sanduíche (sandwich), teste (test), etc. Galicismo : ateliê (atelier), bufê (buffet), boate (boite), patê (paté), pivô (pivot), ruge (rouge), toalete (toilette), chofer (chauffeur) etc
    • c) Incorporação do vocábulo com a sua grafia e fonética originais • anglicismos : best-seller , check-up, close-up,cowboy, gangster, hamburguer, hardware, know-how, layout, marketing, poster, play-boy, show, smoking, software, xerox, etc. • galicismos : avant-premiér, couvert, gourmet, lingerie, tournée, maitre-d’hôtel, pot-pourri, reveillón, etc. • outros idiomas : karatê (coreano), quibe (árabe), vodca (russo), iogurte (turco), pizza (italiano), campus , curriculum (latim), etc
    • Não há dúvida alguma de que, após a Segunda Guerra Mundial, os empréstimos e apropriações da língua inglesa pro- liferaram, seja porque a cultura norte-americana invadiu vários segmentos (cinema, informática, música), seja pelo poder polí- tico e econômico dos Estados Unidos.
    •  Gírias São palavras ou expressões de criação popular que nas- em em determinados grupos sociais ou profissionais e que, às vezes, por sua expressividade acabam se estendendo à lingua- gem de todas as camadas sociais. Gírias curiosas • Anos 60 e 70 bulhufas ou lhufas : nada. carango : carro cricri : chato gaita : dinheiro mora ? Entende? tá ruço : tá ruim broto :moça boko-moko : pessoa que não sabe se comportar, seja no mo- do de falar, seja no modo de vestir. papo-firme : que não dá mancada na crista da onda : em pleno sucesso
    • • dos metaleiros capilas : dinheiro breja : cerveja pão molhado : policial • dos lutadores de jiu-jitsu amarelão : medroso cheio de marra : metido casca grossa : lutador muito bom tomar toco : levar o fora • dos internautas lemmar : falso internauta lag :demora no recebimento de mensagens [ ] e : abraços
    • Heavy metal do senhor o cara mais underground que eu conheço é o diabo que no inferno toca cover das canções celestiais com sua banda formada só por anjos decaídos A platéia pega fogo, quando rola os festivais enquanto isso deus brinca de gangorra no playground do céu com os santos que já foram homens de pecado de repente os santos falam “toca deus um som maneiro” e deus fala “agüenta vou rolar um som pesado” a banda cover do diabo acho que já tá por fora o mercado tá de olho é no som que deus criou com trombetas distorcidas e harpas envenenadas mundo inteiro vai pirar com o heavy metal do senhor. Zeca Baleiro
    • “ Não te intimides se as pessoas se apresentam com ar de superioridade ou de mestres, pois todos um dia foram alunos, e apenas a arrogância não os deixa ver que são repetentes em matéria de humildade.” (Sidney Sob )