Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
A avaliacao da aprendizagem como processo construtivo do aluno autor
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

A avaliacao da aprendizagem como processo construtivo do aluno autor

  • 1,239 views
Published

 

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,239
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
57
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS DIVISÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS AVA NO CONTEXTO DA APRENDIZAGEM E AVALIAÇÃO ATIVIDADE 3.2 - MÓDULO - III Desenvolvimento de apresentação do texto clássico por meio do SlideShare “ A avaliacao da aprendizagem como processo construtivo do aluno autor” AUTORA: Lázara Lima de Oliveira
  • 2. A avaliacao da aprendizagem como processo construtivo do aluno autor
  • 3.  
  • 4.  
  • 5.  
  • 6. A avaliacao da aprendizagem como processo construtivo do aluno autor O sistema educacional do Brasil na grande maioria usa a avaliação apenas de maneira classificatória. O estudante quando avaliado nesse método se encontra numa situação estática, definitivamente classificada como inferior, média ou superior.
  • 7.
    • É necessário perceber o real valor da avaliação o qual aparece no momento em que, o aluno toma conhecimento de seus avanços e dificuldades.
    Valorizar o todo .
  • 8.
    • Luckesi (1999) “cabe ao professor desafiá-lo a superar as dificuldades e continuar progredindo na construção dos conhecimentos”.
  • 9.
    • Se abrindo para receber do professor um norte, um incentivo, um posicionamento e não somente um resultado.
    Entendemos que, o momento de avaliação deveria ser uma parada ao longo do caminho, ou seja, um momento onde o aluno pudesse parar e respirar.
  • 10.
    • É necessária a mudança na aplicação da avaliação, passando a ser tratada como avaliação da aprendizagem e não avaliação da classificação.
  • 11. O progresso do aluno só pode ser percebido quando comparado com ele mesmo, isto é, o professor poderá informá-lo: como estava? como está? e direcioná-lo no sentido que, ele perceba seu próprio nível de aprendizagem e se encontre nas ações aplicadas pelo professor com intenções de retomar ou avançar na sua particular aprendizagem.
  • 12. E para alcançar tais objetivos Libâneo (1994) assegura que, “é necessário o uso de instrumentos e procedimentos de avaliação adequados”. Compreender que a utilização da avaliação como instrumento de aprendizagem é utilizar sua função principal, é contribuir para que o aluno aprenda se encontrando nas intervenções realizadas pelo professor e que o professor tenha a oportunidade de mediar, determinando o quanto e em que nível os objetivos foram alcançados.
  • 13. Isso nos remete a busca por mudanças! ?
  • 14. Segundo a afirmação de Perrenoud (1993), “mudar a avaliação significa provavelmente mudar a escola”, não de lugar, mas transformar a idéia da “avaliação do ensino” para a “avaliação da aprendizagem”, siguinifica mudar automaticamente o método da avaliação, é mudar os nossos próprios hábitos, é mexer em todo o nosso banco de dados, são ações que, irão gerar mudanças em série atingindo implacavelmente todos os celeiros educacionais desde o mais próximo do aluno como a família e a orientação pedagógica até os cientistas educacionais e ministério (MEC).
  • 15. Certamente inúmeras problematizações irão ocorrer , angustias e inseguranças com o novo, mas que se fazem necessárias para alcançarmos os objetivos propostos.
  • 16. Para o professor a avaliação deverá ser um componente de reflexão sobre os conhecimentos expostos pelo aluno e sobre a sua prática pedagógica.
  • 17.  
  • 18. E para o aluno deverá ser uma oportunidade de perceber o seu nível de aprendizagem e ou de reorganizar e expor seus conhecimentos e ainda como instrumento de reflexão sobre os próprios conhecimentos construídos bem como os procedimentos dessa aprendizagem.
  • 19. os novos paradigmas da educação que contemplam o qualitativo.
  • 20.  
  • 21. “ Por traz da mão que pega o lápis, dos olhos que olham, dos ouvidos que escutam. Há uma criança que pensa”. Emilia Fereiro
  • 22. Referências http://www.arealocal.com.br/blog/marketing-o-poder-do-posicionamento/ http://lubarrach.blogspot.com/2010/11/construtivismo-o-que-e.html http://anapaulapedagogiaufpa.blogspot.com/2010/10/avaliacao-da-aprendizagem.html http://brutoon.blogspot.com/2008/11/cartoon-xvi-os-tentculos-da-avaliao-dos.html http://professorempanico.blogspot.com/2010_11_01_archive.html http://www.moodle.ufba.br/mod/book/view.php?id=69197&chapterid=18999 http://www.toondoo.com./Search.toon?searchfield=aula%20coletiva&searchFrom=toon http://gabipedagoga.blogspot.com/ http://blogdarosangelaoliveira.blogspot.com/2010/08/avaliacao-de-desempenho.html http://rhproducao.wordpress.com/2010/03/21/como-se-auto-avaliar/ http://apaixonadosporletramento.blogspot.com/2009/09/frase.html http://blog.cancaonova.com/ead/tag/erros/ http://prazerdevivereaprender.blogspot.com/2010/08/qualidade-na-educacao.html http://ednatelles.blogspot.com/ http://www.vidamaislivre.com.br/noticias/noticia.php?id=1784&/aprovada.pec.que.impede.escolas.de.recusare.maiores.de.18.anos.com.deficiencia
  • 23. LUCKESI. C.C. Avaliação da aprendizagem escolar. Editora, São Paulo, 1999. HADJI, C. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001. PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens. Porto Alegre: Artmed, 1993. LIBÂNEO, J.C. Didática. 15. Ed. São Paulo: Cortez, 1999 Bibliografia