Your SlideShare is downloading. ×

Linguagem

12,133

Published on

Published in: Education
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
12,133
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
109
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. AULA I (1º ANO) LINGUAGEM E SOCIALIZAÇÃO“Somente o homem é um animal político, isto é, social e cívico, porque somente ele é dotado de linguagem. A linguagempermite ao homem exprimir-se e é isso que torna possível a vida social”, disse Aristóteles (384-322 a.C.).O filósofo grego define o homem como político no sentido do vocábulo grego politikós, ou seja, cidadão, aquele que écapaz de viver na pólis (ciadade), em sociedade. E ele atribuía à capacidade de linguagem, que nos é inerente, o fato de oshomens conseguirem viver em sociedade.A linguagem humana é fruto do raciocínio, e a expressão por meio dela é consciente e intencional, não meramenteinstintiva. E mais, a linguagem humana é dinâmica e criativa.Podemos definir a linguagem humana como todo sistema que, por meio da organização de sinais, permite a expressão oua representação de ideias, desejos, sentimentos, emoções. Essa representação possibilita leitura, o que concretiza adinâmica da interação, da comunicação e, consequentemente, da socialização. Podemos defini-la ainda como acapacidade inerente ao homem de aprender uma língua e de fazer uso dela.“A linguagem é a capacidade humana de articular significados coletivos e compartilhá-los (...). A principal razão dequalquer ato de linguagem é a produção de sentido”. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN): ensino médio. Brasília: MEC/SEMTEC, 1999. P. 125 LINGUAGEM VERBAL E LINGUAGEM NÃO-VERBAL“(...) texto, em sentido lato, designa toda e qualquer manifestação da capacidade textual do ser humano (quer se trate deum poema, quer de uma música, uma pintura, um filme, uma escultura etc.), isto é, qualquer tipo de comunicaçãorealizada por meio de um sistema de signos”. FÁVERO, L. F. & KOCH, I. V. Linguística textual: introdução. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2000.Linguagem é, portanto, todo sistema que permite a expressão ou a representação de ideias, e se concretiza em um texto.Podemos perceber a existência de diferentes linguagens à nossa volta. Linguagens que apelam a todos os nossossentidos. • A linguagem da pintura explora linhas, cores, formas, luminosidade; • A linguagem da escultura se vale volumes, tipos de material para a sua expressão.Diversos são os tipos de textos e os códigos utilizados na interação social, e um dos mais importantes é a língua.LINGUAGEM VERBAL → Aquela que utiliza a língua (falada ou escrita).LINGUAGEM NÃO-VERBAL → Aquela que utiliza qualquer código que não seja a palavra.
  • 2. OS SIGNOS VISUAISSignos visuais são componentes básicos dos códigos, que possibilitam a expressão de uma ideia substituindodeterminados objetos. Assim, são signos visuais o sinal vermelho do semáforo indicando “pare”; o polegar erguido numamão erguido numa mão fechada indicando “sim, ok”; etc.Segundo a relação com o objeto a que se refere, os signo visual pode assumir diferentes representações do real.Destacamos três: • ÍCONE: signo que apresenta relação de semelhança ou analogia com o objeto a que se refere (é metafórico). São ícones a fotografia, o diagrama, a planta de uma casa, etc. Na barra de ferramentas de programas de computador, encontramos atalhos para algumas funções em forma de ícones: o desenho de uma impressora para a função de imprimir; o de um disquete para a função de gravar; um signo de interrogação para a função de ajuda. • ÍNDICE: signo que mantém uma relação natural causal, ou de contiguidade física, com o objeto a que se refere (é metonímico). São índices a fumaça, que indica a presença de fogo; a nuvem negra no céu, indicando chuva; uma pegada, indicanto a passagem de alguém, a posição do cata-vento, que indica a direção do vento, etc. • SÍMBOLO: signo que se fundamenta numa convenção social e que, por isso, mantém uma relação convencional com o objeto a que se refere; é arbitrário, é imotivado. São símbolos o signo linguístico, a pomba branca (representação da paz), a cor vermelha (representação de perigo), a auréola (representação de santidade, inocência). SIGNO LINGUÍSTICOAo pensarmos na linguagem verbal, tendo a língua como código, os signos linguísticos são os responsáveis pelarepresentação das ideias. Esses signos são as próprias palavras, que, por meio da produção oral ou escrita, associamoscom determinadas ideias. Daí afirmar que os signos linguísticos apresentam dois componentes: uma parte material,concreta (o som ou as letras), que denominamos significante; outra abstrata, conceitual (a ideia), que denominamossignificado.“(...) signos são entidades em que sons ou sequências de sons – ou as suas correspondências gráficas – estão ligados comsignificados ou conteúdos. (....) Os signos são assim instrumentos e comunicação e representação, na medida em que,com eles, configuramos linguisticamente a realidade e distinguimos os objetos entre si”. VILELA, M. & KOCH, I. V. Gramática da língua portuguesa. Coimbra: Almedina, 2001. SIGNO LINGUÍSTICO SIGNIFICANTE + SIGNIFICADO Sequência sonora ou representação gráfica conceito
  • 3. Por exemplo, a palavra PAPAGAIO nos traz a ideia de “ave da espécie dos psitaciformes psitacídeos, geralmente de penasverdes, que imita bem a voz humana”. Tal ligação entre representação (significante) e ideia (significado) é totalmentearbitrária, ou seja, não há nada que indique que deve haver uma relação entre elas. Mas é uma convenção, senãosaberíamos a que a palavra PAPAGAIO faz referência; isso que dizer que a significação tem de ser obrigatoriamentecomum à comunidade que faz uso do mesmo código ou língua, para que a mensagem produzida possa ser entendida.O signo linguístico, isoladamente, não tem outra finalidade a não ser representar alguma coisa e, por isso, dizemos que apalavra isolada é neutra. No entanto, por diversas associações, um mesmo significante pode assumir diferentessignificados”. • O papagaio do Hagar é muito dócil. (ave da espécie ...) • Essa menina é um papagaio. (menina tagarela ou que repete tudo o que escuta) • Os meninos brincaram a tarde toda empinando um papagaio. (Brinquedo que consiste e uma armação de varetas de madeira leve, coberta de papel fino, e que, por meio de uma linha, se empina, mantendo-se no ar).É o arranjo dessa palavra, sua articulação e combinação num enunciado textual (falado ou escrito) que concretiza eexterioriza uma ideia e faz com que ela assuma este ou aquele sentido. LINGUAGEM, LÍNGUA E FALAA LÍNGUA é um sistema de representação constituído por palavras e por regras que as combinam, permitindo queexpressemos uma ideia, uma emoção, uma ordem, um apelo, enfim, um enunciado de sentido completo que estabelececomunicação.É importante salientar que essas palavras e essas regras são comuns a todos os membros de uma determinada sociedade.Isso significa que a língua pertence a toda uma comunidade, como é o caso da língua portuguesa.A FALA é um ato individual e depende de várias circunstâncias: do que vai ser falado e de que forma, da intencionalidade,do contexto, de quem fala e para quem se está falando. No entanto, o falante vale-se de um código já convencionado einstituído antes de ele nascer, ou seja, a criatividade de seu uso individual está limitada à estrutura da língua e àspossibilidades que ele oferece. LINGUAGEM VERBAL LÍNGUA FALA Sistema composto de código verbal de uma uso individual Signos linguísticos determinada comunidade do código verbalLINGUAGEM E ENUNCIAÇÃOÉ na enunciação, isto é, na situação real de comunicação que a linguagem se realiza e, consequentemente, a socializaçãodo homem. A enunciação engloba o processo de comunicação como um todo, abrangendo diversos elementos que ocondicionam e o modificam.
  • 4. AMBIENTE ASSUNTO CÓDIGO ESPAÇO-TEMPORAL PROCESSO DE COMUNICAÇÃO MEIO UTILIZADO PARTICIPANTESA enunciação é uma complexa interação de diversos fatores. ENUNCIADO ≠ FRASE • ENUNCIADO: é o resultado de processo comunicativo efetivo, condicionado por diversos elementos. • FRASE: é o resultado de uma combinação possível, compreensível e de sentido completo numa determinada língua, mas não contextualizada. “(...) tem-se reservado o termo frase (= sentença) para a unidade formal do sistema da língua, estruturada de acordo com os princípios da gramática, passível de um sem-número de realizações; e o termo enunciado, para a manifestação concreta de uma frase, em situações de interlocução”. (KOCH, Ingedore Villaça. A inter-ação pela linguagem. 5 ed. São Paulo: Contexto, 2001.) A ADEQUAÇÃOEm consequência da complexidade que envolve a enunciação, ou seja, o ato comunicativo efetivo, os conceitos de certoou errado ficam muito superficiais. É necessário considerar um novo conceito: a adequação. Um enunciado pode serconsiderado adequado quando é apropriado aos elementos presentes no processo de comunicação.Entende-se que o uso que cada indivíduo faz da língua depende de várias circunstâncias do que vai ser falado (assunto),do meio utilizado (canal), do contexto (ambiente espaço-temporal), do nível social e cultural de quem fala e,importantíssimo, de quem é o interlocutor (ou seja, quem é a pessoa para quem se está falando). Isso significa que alinguagem do texto deve estar adequada à situação, ao interlocutor e à intencionalidade do falante.De maneira geral, podemos distinguir dois tipos de registros da língua:
  • 5. • O padrão coloquial: emprego de estruturas da língua de forma espontânea e funcional. Utiliza-se de contextos informais, íntimos e familiares, que permitem maior liberdade de expressão. Esse padrão mais informal também é encontrado em propagandas de televisão ou rádio etc. • O padrão culto: emprego das estruturas da língua de forma mais cuidada e tradicional. Utiliza-se em situações que exigem maior formalidade, sempre tendo em conta o contexto e o interlocutor. Caracteriza-se pela conformidade ao conjunto de regras da gramática normativa. ATIVIDADES 1. (UM-SP) Para inglês verMuita gente usa a expressão “para inglês ver”, mas poucos conhecem sua origem. Costuma ser associada à lei de 1831,fruto de um tratado de 1826, assinado pelo Brasil e a Inglaterra por pressão desta, que nivelou o tráfico negreiro àpirataria. Como a proibição não pegou, o dispositivo foi apelidado de “lei para inglês ver”. Outra versão diz que a frasevem do tempo em D. João, recém chegado ao Brasil, promoveu uma faustosa recepção aos seus aliados britânicos,totalmente desproporcional aos usos destes tristes trópicos. Tudo “para inglês ver” – malharam os fofoqueiros da corte. Nossa HistóriaAssinale a alternativa correta. (a) Pegou (l. 3) é empregado no texto em seu sentido literal, já que a lei não permitiu a prisão daqueles que praticavam o tráfico de escravos. (E) (b) Para inglês ver é hoje empregado com o mesmo sentido com que surgiu e aplicado a situações que nos constranjam perante os ingleses. (E) (c) Faustosa (l.4) significa “barulhenta” e justifica a inadequação da festa ao ambiente recatado da corte brasileira. (E) (d) Para inglês ver, pegou e malharam inserem-se em um mesmo nível de utilização da língua , o informal.(C) (e) O dispositivo (l. 3) refere-se à forma de aplicação da lei que proibiu a prática da pirataria.(E) 2. (PUC-SP)Nas orações a seguir, as expressões coloquiais destacadas podem ser substituídas por sinônimas.“... e beijava tudo que era mulher que passasse dando sopa.”“... que o Papa de araque...”“... numa homenagem também aos salgueirenses que, no Carnaval de 1967, entraram pelo cano.”Indique que opção equivale, do ponto de vista do sentido, a essas expressões: (a) Descuidando, falso, deram-se mal.x (b) Reclamando, falso, obstruíram-se. (c) Descuidando, esperto, saíram-se vitoriosos. (d) Reclamando, falso, deram-se mal. (e) Descuidando, esperto, obstruíram-se.
  • 6. 3. (UFF-RJ)Quinze de NovembroDedodoro todo nos trinquesBate na porta de Dão Pedro Segundo.“— Seu Imperador, dê o foraQue nós queremos tomar conta desta buginganga.Mande vir os músicos.”O Imperador bocejando responde“Pois não meus filhos não se vexemMe deixem calçar as chinelasPodem entrar à vontade:Só peço que não me bulam nas obras completas de Víctor Hugo.” MENDES, Murilo. Poesia completa e prosa.O poeta Murilo Mendes apresenta um fato histórico construído também por discursos diretos que refletem a visão críticae irônica da Proclamação da República.Justifique como os diferentes registros da língua, na caracterização da fala das personagens, constroem a visão crítica eirônica da Proclamação da República.Leia o texto para responder as questões de 4 a 8.É um mito a pretensa possibilidade de comunicação igualitária em todos os níveis. Isso é uma idealização. Todas aslínguas apresentam variantes: o inglês, o alemão, o francês, etc. Também as línguas antigas tinham variações. Oportuguês e outras línguas românicas provêm de uma variedade do latim, o chamado latim vulgar, muito diferente dolatim culto. Além disso, as línguas mudam. O português moderno é muito distinto do português clássico. Se fôssemosaceitar a ideia de estaticidade das línguas, deveríamos dizer que o português inteiro é um erro e, portanto, deveríamosvoltar a falar latim. Ademais, se o português provém do latim vulgar, poder-se-ia afirmar que ele está todo errado.A variação é inerente às línguas, porque as sociedades são divididas em grupos: há os mais jovens e os mais velhos, osque habitam numa região ou noutra, os que têm esta ou aquela profissão, os que são de uma ou outra classe social eassim por diante. O uso de determinada variedade linguística serve para marcar a inclusão num desses grupos, dá umaidentidade para sues membros. Aprendemos a distinguir a variação. Quando alguém começa a falar, sabemos se é dointerior de São Paulo, gaúcho, carioca ou português. Sabemos que certas expressões pertencem à fala dos mais jovens,que determinadas formas se usam em situação informal, mas não em ocasiões formais. Saber uma língua é conhecervariedades. Um bom falante é “poliglota” em sua própria língua. Saber português não é aprender regras que só existemnuma língua artificial usada pela escola.As variantes não são feias ou bonitas, erradas ou certas, deselegantes ou elegantes; são simplesmente diferentes. Comoas línguas são variáveis, elas mudam. “Nosso homem simples do campo” tem dificuldade de comunicar-se nos diferentesníveis do português não por causa da variação e da mudança linguística, mas porque lhe foi barrado o acesso à escola ouporque, neste país, se oferece um ensino de baixa qualidade às classes trabalhadoras e porque não se lhes oferece aoportunidade de participar da vida cultural das camadas dominantes da população. FIORIN, José Luiz. In: Atas do I Congresso Nacional da ABRALIN, Excertos. 4. (UFPE)Pela compreensão global do texto, podemos afirmar que o autor (mais de uma alternativa pode estar correta): (a) Critica, no português moderno, o fato de ele ter-se modificado ao longo do tempo, distanciando-se de sua forma clássica.
  • 7. (b) Considera que o bom falante do português é aquele que, tendo frequentado a escola, domina as regras da gramática normativa. (c) Estabelece uma relação entre um fato linguístico – a existência de variantes linguísticas – e um fato social – a divisão da sociedade em grupos.x (d) Considera a variação linguística um fenômeno típico das línguas românicas, o que as diferencia das outras línguas. (e) Percebe o uso de determinada variante linguística como um dos meios por meio dos quais o indivíduo se identifica como membro de um grupo.x 5. (UFPE)Sobre a relação entre o conhecimento linguístico e o ensino escolar, a posição do texto é a de que (mais de umaalternativa pode estar correta): (a) A escola é o lugar onde esse conhecimento é sistematizado e apreendido em sua totalidade. (b) A escola possibilita ao aluno o conhecimento de normas gramaticais, mas isso não significa necessariamente o domínio de todos os usos de uma língua.x (c) Há um conjunto de regras que apenas se mantém na língua ensinada na escola. “Saber português” é algo que se esgota pelo conhecimento dessas regras. (d) É do ensino escolar que restringe a gramática da língua ao uso padrão que resulta o “indivíduo poliglota em sua própria língua”. (e) É no ambiente escolar que as variantes são evidenciadas e trabalhadas. 6. (UFPE) A análise feita no texto, sobre a variação linguística, permite ao leitor inferir que (mais de uma alternativa pode estar correta): (a) A existência da língua portuguesa é uma prova da não-estaticidades das línguas, neste caso do latim.x (b) As línguas não somente variam com o passar do tempo mas também com as diferenças de grupos sociais.x (c) Algumas variantes, mais populares, são amostras de como o português é falado fora de um padrão que é correto, bonito e elegante. (d) A variação das línguas não é fenômeno exclusivamente linguístico; é também um fenômeno social.x (e) O fato de camponês apresentar dificuldade de comunicar-se nos diferentes níveis do português deve-se prioritariamente às variantes linguísticas. 7. (UFPE)Sobre as relações semânticas estabelecidas entre alguns segmentos do texto, analise as afirmações a seguir (mais de umaalternativa pode estar correta). (a) Em “Se fôssemos aceitar a ideia de estaticidade das línguas, deveríamos dizer que o português inteiro é um erro”, a parte destacada tem a função de levantar uma hipótese.x (b) Embora o conectivo SE funcione, na maioria das vezes, para explicar uma relação condicional, em “Ademais, se o português provém do latim vulgar, poder-se-ia afirmar que ele está todo errado”, esse conectivo pode ser substituído por “uma vez que”.x (c) O trecho “Quando alguém começa a falar, sabemos se é do interior de São Paulo, gaúcho, carioca ou português, é introduzido por uma referência temporal.x (d) No trecho “Como as línguas são variáveis, elas mudam”, apresentam-se a causa e a consequência de um fenômeno.
  • 8. (e) No último parágrafo, o autor apresenta uma sequência de causas para o fato de o “nosso homem simples do campo” ter dificuldade de comunicar-se nos diferentes níveis do português.x 8. (UFPE)Considerando o valor semântico de algumas palavras do texto, analise os comentários seguintes (mais de uma alternativapode estar correta). (a) “É um mito essa pretensa possibilidade de comunicação igualitária em todos os níveis”. Isto é, essa “suposta”, ou essa “presumida possibilidade de comunicação”.x (b) “Se fôssemos aceitar a ideia da estaticidade das línguas” quer dizer: “Se fôssemos aceitar que as línguas são inflexíveis, imutáveis”.x (c) “A variação é inerente às línguas.” Isto é, “A variação é inseparável, constitutiva das línguas”. (d) “Um falante poliglota” é um falante que sabe se expressar bem, conforme as normas aprendidas na escola. (e) “Participar da vida cultural das camadas dominantes” restringe-se a “inserir-se nas atividades intelectuais das classes que administram o poder”.x 9. (UEL – PR) “As línguas constituem sistemas de comunicação verbal. Conquanto a fala seja da maior importância, fator fundamentalde humanidade no homem, a nossa capacidade de comunicar conteúdos expressivos não se restringe às palavras; nemsão elas o único modo de comunicação simbólica. Existem, na faixa de mediação significativa entre nosso mundo internoe o externo, outras linguagens além das verbais”. ( OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. Petrópolis:Vozes, 1999. p. 24).Segundo o texto, é correto afirmar: (a) Nada pode constituir as palavras como forma de comunicação. (b) A capacidade humana de comunicação limita-se às linguagens não-verbais. (c) A fala não é o único elemento a considerar em situações de comunicação simbólica.x (d) A fala é indispensável na mediação entre nosso mundo interno e externo. (e) Para comunicar conteúdos expressivos, é prioritário dominar as linguagens não-verbais.

×