Your SlideShare is downloading. ×

Animação 1 - Arquetipos

1,776

Published on

Descrição dos arquétipos a serem utilizados na implementação da narrativa do Animatic referente à disciplina de Animação 1 - Dep. de Design UFPR.

Descrição dos arquétipos a serem utilizados na implementação da narrativa do Animatic referente à disciplina de Animação 1 - Dep. de Design UFPR.

0 Comments
9 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,776
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
9
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 1ArquétiposDefiniçãoArquétipogrego ἀρχή - arché: principal ou princípioτύπος - tipós: impressão, marca)é o primeiro modelo ou imagem de alguma coisa, antigasimpressões sobre algo.Conceito explorado em diversos campos de estudo, comoa Filosofia, a Psicologia e a Narratologia.http://pt.wikipedia.org/wiki/Arqu%C3%A9tipo
  • 2. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 2ArquétiposDefinição - JungCarl Gustav Jung~1920 – Arquétipos são imagens antigas ouarcaicas que derivam do inconsciente coletivo.
  • 3. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 3ArquétiposCarl Gustav JungDois tipos GERAIS dedisposição (perfis)• Introvertido• ExtrovertidoQuatro tipos FUNCIONAIS• Pensamento• Sentimento• Percepção• IntuiçãoOito Perfis Combinados GxFJUNG, C. G. Tipos Psicológicos. Rio de Janeiro, Zahar, 1976.Definição - Jung
  • 4. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 4ArquétiposJoseph Campbell 1949Definição - Campbell
  • 5. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 5ArquétiposDefinição - Campbell
  • 6. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 6ArquétiposDefinição - Campbell
  • 7. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 7ArquétiposDefinição - Campbell
  • 8. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 8ArquétiposDefinição - CampbellO monomito está dividido em três seções:1.  Partida (às vezes chamada Separação),2.  Iniciação e3.  Retorno.A Partida lida com o herói aspirando à sua jornada;a Iniciação contém as várias aventuras do herói ao longo de seucaminho;e o Retorno é o momento em que o herói volta a casa com oconhecimento e os poderes que adquiriu ao longo da jornada.Isto foi estabelecido por Joseph Campbell na primeira parte do livro O Heróide Mil Faces, intitulada A Aventura do Herói. A tese do autor é de que todosos mitos seguem essa estrutura em algum grau.http://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito
  • 9. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 9ArquétiposDefinição - CampbellPara citar vários exemplos, as histórias de Prometeu, Osíris, Buda e JesusCristo todas seguem este paradigma quase exatamente.A Odisseia apresenta repetições freqüentes da Iniciação.O conto da Gata Borralheira (Cinderela) segue esta estrutura um tanto maislivremente.http://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito
  • 10. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 10ArquétiposDefinição - Campbellhttp://pt.wikipedia.org/wiki/MonomitoOs 12 Estágios da Jornada do Herói1. Mundo Comum - O mundo normal do herói antes da história começar.2. O Chamado da Aventura - Um problema se apresenta ao herói: um desafioou a aventura.3. Reticência do Herói ou Recusa do Chamado - O herói recusa ou demora aaceitar o desafio ou aventura, geralmente porque tem medo.4. Encontro com o mentor ou Ajuda Sobrenatural - O herói encontraum mentor que o faz aceitar o chamado e o informa e treina para sua aventura.5. Cruzamento do Primeiro Portal - O herói abandona o mundo comum paraentrar no mundo especial ou mágico.6. Provações, aliados e inimigos ou A Barriga da Baleia - O herói enfrentatestes, encontra aliados e enfrenta inimigos, de forma que aprende as regras domundo especial.
  • 11. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 11ArquétiposDefinição - Campbellhttp://pt.wikipedia.org/wiki/MonomitoOs 12 Estágios da Jornada do Herói7. Aproximação - O herói tem êxitos durante as provações8. Provação difícil ou traumática - A maior crise da aventura, de vida oumorte.9. Recompensa - O herói enfrentou a morte, se sobrepõe ao seu medo eagora ganha uma recompensa (o elixir).10. O Caminho de Volta - O herói deve voltar para o mundo comum.11. Ressurreição do Herói - Outro teste no qual o herói enfrenta a morte, edeve usar tudo que foi aprendido.12. Regresso com o Elixir - O herói volta para casa com o elixir, e o usapara ajudar todos no mundo comum.
  • 12. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 12ArquétiposDefinição - Campbellhttp://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito2. Descida, Iniciação, PenetraçãoEstrada de ProvasEncontro com a DeusaA Mulher como TentaçãoSintonia com o PaiApoteoseA Grande ConquistaOs Estágios de "O Herói de Mil Faces”1. Partida, SeparaçãoMundo cotidianoChamado à aventuraRecusa do ChamadoAjuda SobrenaturalTravessia do Primeiro LimiarNo Ventre da Baleia
  • 13. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 13ArquétiposDefinição - Campbellhttp://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito3. RetornoRecusa do RetornoVôo MágicoResgate de DentroTravessia do LimiarRetornoSenhor de Dois mundosLiberdade para ViverOs Estágios de "O Herói de Mil Faces”
  • 14. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 14ArquétiposDefinição - CampbellYouTube VideosPart 1: The Call to Adventure – O Chamado a AventuraPart 2: Supernatural Aid – A Ajuda SobrenaturalPart 3: Crossing the First Threshold – Travessia do Primeiro LimiarPart 4: The Belly of the Whale - No Ventre da BaleiaPart 5: The Road of Trials – A Estrada de ProvaçõesPart 6: Meeting with the Goddess – O Encontro com a DeusaPart 7: The Ultimate Boon – O Derradeiro DesafioPart 8: The Magic Flight – O Vôo Mágico
  • 15. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 15Arquétipos1992, 1998, 2007Christopher VoglerDefinição - Vogler
  • 16. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 16ArquétiposDefinição - Voglerhttp://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
  • 17. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 17ArquétiposDefinição - Voglerhttp://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
  • 18. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 18ArquétiposDefinição - Voglerhttp://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
  • 19. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 19ArquétiposDefinição – Voglerhttp://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.docMUNDO COMUMO mundo comum é o espaço cotidiano do herói, onde ele vive. O heróipode estar satisfeito com este mundo ou ter desejo de modifica-lo (ousair dele).CHAMADO À AVENTURAQuando acontece algo que modifica o mundo comum e o herói éconvidado a partir para restaura-lo. No outro caso, se possibilita aoherói mudar ou abandonar o mundo comum.RECUSA AO CHAMADOAo receber o chamado o herói hesita devido ao temor natural de separtir para o desconhecido.
  • 20. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 20ArquétiposDefinição - Voglerhttp://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
  • 21. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 21ArquétiposDefinição – Voglerhttp://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.docENCONTRO COM O MENTORO mentor estimula o herói a partir para a aventura e dá a ele informaçõesou presentes que serão úteis no mundo especial. Com algumconhecimento sobre este mundo o herói se sente mais seguro e começaa sua jornada.TRAVESSIA DO PRIMEIRO LIMIARA partir deste momento não há mais volta. O herói assume seucompromisso com a aventura e entra no mundo especial, mesmo quequeira já não pode mais retornar. É a passagem pelo Guardião do Limiar.TESTES, ALIADOS E INIMIGOSNesta etapa o herói tem suas forças testadas no mundo especial. Eleencontra seus aliados na aventura e seus inimigos (aliados da sombra).
  • 22. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 22ArquétiposDefinição - Voglerhttp://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
  • 23. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 23ArquétiposDefinição – Voglerhttp://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.docAPROXIMAÇÃO DA CAVERNA OCULTAO herói se aproxima do lugar mais sombrio do mundo especial. Podeser a fortaleza da sombra ou outro lugar sinistro, onde ele deve ir paraencontrar um meio de enfrentar a sombra. Em muitos casos o heróipode ainda ignorar a necessidade de se entrar na caverna oculta, masos rumos da história o levam até lá, onde ele enfrentará seus maioresmedos e pesadelos.PROVAÇÃO SUPREMAO herói entra na caverna oculta e enfrenta a morte (simbólica ou física).Aparentemente sem saída, o herói enfrenta o grande perigo e apósparecer morrer, ele triunfa.
  • 24. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 24ArquétiposDefinição - Voglerhttp://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
  • 25. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 25ArquétiposDefinição – Voglerhttp://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.docRECOMPENSAApós triunfar sobre a morte (ou grande perigo) o herói adaptado aocomum desaparece para o surgimento do herói adaptado ao mundoespecial. De certa forma ocorre uma morte simbólica. Este heróirenovado é capaz de enfrentar a sombra. Na caverna ele obteve arecompensa da luta, que pode ser conhecimento, armas. Com esta novaforça ele passa pelo limiar do mundo especial para retornar para o seumundo.O CAMINHO DE VOLTANo caminho de saída do mundo especial o herói encontra asconseqüências de ter manipulado ou enfrentado as forças obscuras domundo especial. Ele é perseguido por estas forças. Geralmente nestaetapa um sacrifício deve ser feito, o herói pode perder um aliado ou oseu mentor.
  • 26. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 26ArquétiposDefinição - Voglerhttp://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
  • 27. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 27ArquétiposDefinição – Voglerhttp://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.docRESSURREIÇÃONesta etapa a sombra faz sua última tentativa para destruir o herói, masé derrotada definitivamente. O herói vitorioso deve perecer para poderretornar ao seu mundo comum, em seu lugar tem-se o herói adaptadoao mundo comum, mas muito mais sábio e forte que o herói inicial.Ocorre, então, uma segunda morte simbólica. O guerreiro deixa suasarmas e se limpa do sangue dos inimigos para retornar a sua vida.VOLTA COM O ELIXIRTerminada a transformação o herói entra triunfante no mundo comum.Ele traz consigo a recompensa de sua jornada. Esta recompensa variaconforme a história e possui um valor superior da recompensa obtidaanteriormente. Ela será partilhada com os seus companheiros do mundocomum ou possibilitará ao herói uma vida nova no seu mundo.
  • 28. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 28ArquétiposDefinição – Voglerhttp://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.docArquétipo HERÓI♦ Possui qualidades louváveis, mas também fraquezas.♦ Se sacrifica pelo bem de todos.♦ Usualmente, é o protagonista e a narrativa é a história de suajornada.♦ Enfrenta obstáculos, muitos com risco de vida, onde a mortepode ocorrer física ou simbólicamente. Quando morre, se tornamártir, quando sobrevive as provas, renasce como um novoser.
  • 29. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 29ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo HERÓILucky Sky Walker
  • 30. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 30ArquétiposDefinição – Voglerhttp://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.docArquétipo MENTOR♦ Auxilia o Herói a se preparar para a sua jornada.♦ Prove ao Herói o conhecimento ou os recursos necessáriospara que ele comece a sua aventura com confiança ecoragem.♦ Socorre o Herói em momentos críticos através de conselhos e/ou recursos especiais.
  • 31. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 31ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo MENTORObi-Wan Kenobi
  • 32. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 32ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo MENTORMestre Yoda
  • 33. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 33ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo MENTORDumbledore
  • 34. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 34ArquétiposDefinição – Voglerhttp://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.docArquétipo GUARDIÃO DO LIMIAR♦ Se contrapõe ao Herói através de desafios e obstáculos.♦ Não precisam ser humanos, podem ser elementos de umcenário, objetos, animais, etc.♦ No caso de serem asseclas do vilão principal, oferecem aoHerói uma visão de como será a batalha final contra este vilão.
  • 35. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 35ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo GUARDIÃO DO LIMIAR
  • 36. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 36ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo GUARDIÃO DO LIMIAR
  • 37. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 37ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo GUARDIÃO DO LIMIAR
  • 38. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 38ArquétiposDefinição – Voglerhttp://roteiroparacinema.blogspot.com.br/2009/08/arauto.htmlArquétipo ARAUTO♦ Na mitologia grega, Hermes era o Arauto dos deuses, era quemlevava os recados de Zeus. Na dramaturgia, sua função é mover ahistória para frente anunciando a necessidade de mudança.♦ Normalmente, aparece no Ato I, impulsionando o herói a aceitar oChamado à Aventura.♦ Pode revelar-se de diversas maneiras: como um personagem, umacarta, um livro ou mesmo um filme cuja mensagem nos atinge numponto em que precisamos mudar.♦ Pode ser negativo quando induz o Herói a uma aventura perigosa,que coloque em risco a vida dele. Quando isso acontece, épossível que seja aliado de algum vilão ou antagonista.
  • 39. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 39ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo ARAUTO
  • 40. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 40ArquétiposDefinição – Voglerhttp://roteiroparacinema.blogspot.com.br/2009/08/arauto.htmlArquétipo CAMALEÃO / METAMORFO♦ A característica principal é a mudança de aparência ou de caráter,sendo difícil prever o seu comportamento.♦ Na história, está associado a imprevisibilidade e pode ser aliado doherói ou de seus inimigos.♦ Vários personagens podem assumir esta característica ao longoda história.♦ Pode mudar de posição ao longo do correr da história.
  • 41. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 41ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo CAMALEÃO / METAMORFOHan Solo / Star Wars
  • 42. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 42ArquétiposDefinição – Voglerhttp://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.docArquétipo SOMBRA♦ Representa o vilão ou inimigo do herói. Seu objetivo é, geralmente,a morte ou destruição definitiva do herói.♦ A função primordial é impor desafios ao herói, de modo que estetenha que se fortalecer para vence-los.♦ Em uma história de luta psicológica, pode ser representada portraumas e culpas do próprio herói.♦ Além de fraquezas que podem ser exploradas pelo herói, o sombrapode ter um lado bom ou uma visão que justifique suas ações.
  • 43. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 43ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo SOMBRALex LuthorSupermanDarth VaderStar WarsCapitão GanchoPeter Pan
  • 44. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 44ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo SOMBRA
  • 45. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 45ArquétiposDefinição – Voglerhttp://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.docArquétipo PICARO♦ Representado por um personagem cômico (palhaço), carrega em sio desejo de mudança da realidade.♦ Acorda o herói para a realidade, denunciando a hipocrisia e o ladoridículo de situações apresentadas.♦ Traz alívio cômico após uma situação tensa da história.♦ O personagem transparece bom humor e, algumas vezes,ingenuidade.♦ Heróis podem transparecer um estilo picaresco.
  • 46. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 46ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo PICARO
  • 47. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 47ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo PICAROC3PO e R2D2
  • 48. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 48ArquétiposDefinição – Voglerhttp://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.docArquétipo ANJO♦ Sua função é ligar o herói a um destino ou a um plano maior (podese confundir com MENTOR ou ARAUTO).♦ Se uma decisão do herói o afasta do rumo da história, um anjopode fazer com que ele retorne ao caminho original.♦ Os anjos também podem aparecer como anjos caídos que fazem oherói se afastar de seu objetivo.
  • 49. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 49ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo ANJO
  • 50. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 50ArquétiposDefinição – Voglerhttp://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.docArquétipo OUVINTE♦ Sua função é fazer com que as personagens principais passeminformações ao espectador, através do diálogo.♦ Ele não tem trajetória própria e aparece sempre próximo aoprotagonista ou ao vilão e ouve suas impressões pessoais sobre odesenrolar da história.♦ Pode confundir com ARAUTO e MENTOR.
  • 51. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 51ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo OUVINTECarlos Alberto - A Praça é Nossa
  • 52. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 52ArquétiposDefinição – VoglerArquétipo OUVINTECarlos Alberto - A Praça é Nossa
  • 53. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 53ArquétiposDefinição – VoglerOutras ReferênciasOs Arquétipos na Fantasia – Parte 1http://livrodosespelhos.com/os-arquetipos-na-fantasia-parte-1/Os Arquétipos na Fantasia – Parte 2http://livrodosespelhos.com/os-arquetipos-na-fantasia-parte-2/Arquétiposhttp://dicasderoteiro.com/2009/12/30/arquetipos/
  • 54. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 54ArquétiposDefinição – VoglerOutras ReferênciasHistória Primeiro, Personagens Depoishttp://dicasderoteiro.com/tag/personagens/Quando Criar Novos Personagenshttp://dicasderoteiro.com/2011/01/03/quando-criar-novos-personagens/
  • 55. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 55ArquétiposDefinição – CowdenTami Cowden
  • 56. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 56ArquétiposDefinição – Cowdenhttp://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/8 Tipos de HeróisO CHEFE:Um líder dinâmico, ele não tem tempo para nada além detrabalhar. Ele pode ter nascido para liderar, ou talvez ele tenhaconquistado seu lugar até o topo, mas de qualquer modo, ele édurão, decidido e determinado a conquistar suas metas. Issosignifica que ele também é um pouco dominador, arrogante einflexível. Pense em Yun-Fat Chow em Anna e o Rei (Anna andthe King, 1999), Harrison Ford em Sabrina (Sabrina, 1995), ouMarlon Brando em O Poderoso Chefão (The Godfather, 1972).
  • 57. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 57ArquétiposDefinição – Cowden8 Tipos de HeróisO CHEFE
  • 58. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 58ArquétiposDefinição – Cowdenhttp://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/8 Tipos de HeróisO REBELDE (BAD BOY):Perigoso, ele gosta de viver selvagemente. Este é o rebelde, ogaroto do lado pobre da cidade. Ele é amargo e inconstante, umidealista oprimido, mas também é carismático e sabe sobrevivernas ruas. Pense em James Dean em Juventude Transviada (RebelWithout a Cause, 1955), Matt Damon em Gênio Indomável (GoodWill Hunting, 1997), Patrick Swayze em Dirty Dancing – RitmoQuente (Dirty Dancing, 1987), Kurt Russell em Fuga de Nova York(Escape From New York, 1981).
  • 59. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 59ArquétiposDefinição – Cowden8 Tipos de HeróisO REBELDEKurt Russell
  • 60. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 60ArquétiposDefinição – Cowdenhttp://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/8 Tipos de HeróisO MELHOR AMIGO:Doce e digno de confiança, ele nunca deixa ninguém na mão. Ele égentil, responsável, decente, um Sr. Cara Legal comum. Estehomem não gosta de confrontos e pode ocasionalmente serindeciso porque ele não quer ferir os sentimentos de ninguém. Masele sempre estará lá para quem contar com ele. Pense em JimmyStewart em A Felicidade Não Se Compra (It’s a Wonderful Life,1946), Adam Sandler em Afinado No Amor (The Wedding Singer,1998), Hugh Grant em Quatro Casamentos e Um Funeral (FourWeddings and a Funeral, 1994), Kevin Spacey em BelezaAmericana (American Beauty, 1999).
  • 61. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 61ArquétiposDefinição – Cowden8 Tipos de HeróisO MELHOR AMIGOKevin SpaceyHugh Grant
  • 62. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 62ArquétiposDefinição – Cowdenhttp://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/8 Tipos de HeróisO ENCANTADOR:Mais que um gigolô, ele cria fantasias. Ele é divertido, irresistível,um manipulador afável, mas não muito responsável nem confiável.Ele pode ser um playboy ou um malandro, e não se comprometefacilmente com uma mulher. Pense em Leonardo DiCaprio emTitanic (Titanic, 1997), James Garner & Mel Gibson em Maverick(Maverick, 1994), Don Johnson na série Nash Bridges (NashBridges, 1996 – 2001), Dustin Hoffman em Perdidos Na Noite(Midnight Cowboy, 1969).
  • 63. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 63ArquétiposDefinição – Cowden8 Tipos de HeróisO ENCANTADOR
  • 64. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 64ArquétiposDefinição – Cowdenhttp://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/8 Tipos de HeróisA ALMA PERDIDA:Um ser sensitivo, ele compreende as coisas. Torturado, reservado,meditativo, e rancoroso. Assim é este homem. Mas ele também évulnerável. Ele pode ser um viajante ou um pária. No trabalho ele écriativo, mas provavelmente também um solitário. Pense em Shrekem Shrek (Shrek, 2001), Mel Gibson em Máquina Mortífera (LethalWeapon, 1987), David Duchovny na série Arquivo X (The X-Files,1993-2002), a Fera em A Bela e a Fera (Beauty and the Beast,1991).
  • 65. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 65ArquétiposDefinição – Cowden8 Tipos de HeróisALMA PERDIDA
  • 66. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 66ArquétiposDefinição – Cowdenhttp://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/8 Tipos de HeróisO PROFESSORAnalista frio, ele sabe a resposta. Ele é lógico, introvertido einflexível, mas verdadeiro em seus sentimentos. No trabalho elegosta de fatos duros e frios, mas ele também é honesto e fiel e nãodeixará você na mão. Pense em Leonard Nimoy na série JornadaNas Estrelas (Star Trek, 1966-1969), Robin Williams em Flubber –Uma Invenção Desmiolada (Flubber, 1997), Kelsey Grammer nasérie Frasier (Frasier, 1993-2004), Russell Crowe em Uma MenteBrilhante (A Beautiful Mind, 2001).
  • 67. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 67ArquétiposDefinição – Cowden8 Tipos de HeróisO PROFESSORKelsey Grammer Leonard Nimoy
  • 68. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 68ArquétiposDefinição – Cowdenhttp://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/8 Tipos de HeróisO OUSADO (VALENTÃO)O Sr. Agitação é um aventureiro. Este cara é ação, ação e maisação. Ele é audacioso e fisicamente ativo. Corajoso, ele é umatrevido ou um explorador. Ele necessita de excitações e calafriospara manter-se feliz. Pense em Antonio Banderas em A Máscara doZorro (The Mask of Zorro, 1998), Michael Douglas em Tudo PorUma Esmeralda (Romancing the Stone, 1984), Harrison Ford emIndiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida (Raiders of the LostArk, 1981)
  • 69. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 69ArquétiposDefinição – Cowden8 Tipos de HeróisO OUSADO (VALENTÃO)
  • 70. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 70ArquétiposDefinição – Cowdenhttp://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/8 Tipos de HeróisO GUERREIROUm nobre campeão, ele age com honra. Este homem é ou osalvador relutante ou o cavaleiro na armadura brilhante. Ele énobre, persistente, incansável, e sempre defende os oprimidos.Para quem precisa de um protetor, ele é o cara. Ele não se rendeàs regras e nem concorda com algo só para se dar bem com aspessoas. Pense em Tom Hanks em Estrada Para Perdição (TheRoad To Perdition, 2001), Clint Eastwood em PerseguidorImplacável (Dirty Harry, 1971), Russell Crowe em Gladiador(Gladiator, 2000), Mel Gibson em Coração Valente (Braveheart,1995), Tobey Maguire em Homem-Aranha (Spider-Man, 2002).
  • 71. UFPRLAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 71ArquétiposDefinição – Cowden8 Tipos de HeróisO GUERREIRORussell CroweTobey Maguire

×