ORIENTE MÉDIO   Aspectos humanos        Bruno Rangel
Localização
Diversidade étnica                                    Densidade demográfica:                                        Áreas ...
O Islã• Religião monoteísta que mais cresce no Planeta;Breve cronologia:• 570: nascimento de Maomé.• 610: Maomé tem a prim...
• Antes de mais nada, vale a regra: “Nem todo muçulmano  é árabe, e nem todo árabe é muçulmano”  • Ao contrário do que se ...
• Os Sunitas compreendem a maioria do mundo  muçulmano, compreendendo algo próximo a 84% do  total  • Aceitam não apenas o...
• Os Xiitas são o segundo maior ramo do Islã.  • Países que tem a maior parte da população Xiita:     • Irã, Azerbaijão e ...
• Os Kharijitas respondem pela menor parte do mundo  islâmico.  • Defendiam que qualquer homem, mesmo um escravo,    poder...
Domínio do Islã (submissão à Deus)            Cresce na carência de modelos sociais e econômicos e “resistência”.         ...
Fiéis por país:                  1º) Indonésia: 200 milhões.                  2º) Paquistão: 158 milhões.Mundo Muçulmano  ...
Sunitas: 80%                     Xiitas: 20% (Irã e Iraque)Crença nos califas (moderados).   Crença apenas em Maomé (dissi...
A Primavera Árabe“Quando a liberdade eclode no espírito de um homem, dez nãopodem nada contra esse um” (Jean-Paul Sartre, ...
• Jornalistas no mundo todo,              passaram a designar o              movimento de Primavera              Árabe, em...
• Entre as causas da Primavera Árabe podemos citar:  • Altos índices de desemprego na região  • Crise econômica  • Pouca o...
“Na Primavera Árabe, os jovens de classe média e os jovens mais pobres querem viver os gostos da liberdade individual e do...
• Se é possível tipificar a Primavera Árabe, podemos situar  ela entre os seguintes pontos:  •   Movimentos de caráter lai...
• Alguns tem se referido à Primavera Árabe como uma  “Revolução 2.0”, porque:  • Uso de redes sociais na organização dos p...
Na Líbia, os protestos começaram em   fevereiro de 2011. Após reações   violentas do governo de Muamar Kadafi, eclodiu uma...
Após meses de impasses e conflitos, opresidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, no poder há 33 anos, assinou um acordo epass...
A situação na Síria se apresentaCom o início dos protestos     extremamente complexa, não permitindo em janeiro de 2011, e...
• Após a Tunísia, foram verificados levantes em:     •   Argélia (governada até hoje sob estado de Emergência)     •   Líb...
RevoluçãoMudanças no governoConflito armadoGrandes protestosPequenos protestos O Mapa da Primavera
A ideologia ba`ath (ressurreição)            Baathismo: A ideologia Baath ou Baath é            uma tentativa de adaptação...
Oriente médio com primavera
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Oriente médio com primavera

2,087 views
1,928 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,087
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,034
Actions
Shares
0
Downloads
72
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Oriente médio com primavera

  1. 1. ORIENTE MÉDIO Aspectos humanos Bruno Rangel
  2. 2. Localização
  3. 3. Diversidade étnica Densidade demográfica: Áreas úmidasLínguas principais:Árabe Clássica (padrão)Árabe Dialetal (regional)PersaTurco+ Hebraico, Pachto, Curda, etc. Grandes cidades: Istambul (Turquia): 8,7 Teerã (Irã): 7,0 Ancara (Turquia): 3,5 Bagdá (Iraque): 4,5 URBANIZAÇÃO
  4. 4. O Islã• Religião monoteísta que mais cresce no Planeta;Breve cronologia:• 570: nascimento de Maomé.• 610: Maomé tem a primeira visão do arcanjo Gabriel.• 622: Hégira - início do calendário muçulmano.• 630: Maomé destrói os ídolos da Caaba; nascimento do Islão.• 632: Ascenção de Maomé aos céus a partir da Cúpula do Rochedo, em Jerusalém ou, segundo informes da historiografia ocidental, “morte de Maomé em Medina”.• Saiba muito mais: http://www.culturabrasil.org/alcorao.htm
  5. 5. • Antes de mais nada, vale a regra: “Nem todo muçulmano é árabe, e nem todo árabe é muçulmano” • Ao contrário do que se pode supor, o Islã não é uma unidade. • Como outras religiões, também o Islamismo possui diferentes correntesOs Árabes e o Islã
  6. 6. • Os Sunitas compreendem a maioria do mundo muçulmano, compreendendo algo próximo a 84% do total • Aceitam não apenas o Corão como livro sagrado, mas também a SunnaAs 3 grandes divisões doIslã: OS SUNITAS
  7. 7. • Os Xiitas são o segundo maior ramo do Islã. • Países que tem a maior parte da população Xiita: • Irã, Azerbaijão e Bahrein • Os Xiitas consideram apenas o Corão como livro sagrado do Islã. • São considerados apóstatas pelos SunitasAs 3 grandes divisões doIslã: OS XIITAS
  8. 8. • Os Kharijitas respondem pela menor parte do mundo islâmico. • Defendiam que qualquer homem, mesmo um escravo, poderia ser um Califa • Foram bastante populares entre os BeduínosAs 3 grandes divisões doIslã: OS KHARIJITAS
  9. 9. Domínio do Islã (submissão à Deus) Cresce na carência de modelos sociais e econômicos e “resistência”. Maior “fidelidade”! Profeta Maomé (570 – 632 d.C.) Países teocráticosPilares:1 – Oração: 5 vezes ao dia2 – Afirmação de fé Islã x Islã!3 – Caridade (10 %) Sunitas x Xiitas4 – Jejum de Ramadã Radicais x moderados5 – Peregrinação a Meca Hamas X Al Fatah
  10. 10. Fiéis por país: 1º) Indonésia: 200 milhões. 2º) Paquistão: 158 milhões.Mundo Muçulmano 3º) Índia: 135 milhões. 4º) Bangladesh: 132 milhões. 5º) Egito: 72 milhões. 6º) Nigéria: 68 milhões. 7º) Turquia: 67 milhões. 8º) Irã: 64 milhões.
  11. 11. Sunitas: 80% Xiitas: 20% (Irã e Iraque)Crença nos califas (moderados). Crença apenas em Maomé (dissidentes).
  12. 12. A Primavera Árabe“Quando a liberdade eclode no espírito de um homem, dez nãopodem nada contra esse um” (Jean-Paul Sartre, As Moscas)
  13. 13. • Jornalistas no mundo todo, passaram a designar o movimento de Primavera Árabe, em referência à Primavera dos Povos (1848) • Também o nome primavera tem sido associado a um “despertar” do mundo árabe para a sua condição social e política atualPor que “primavera”?
  14. 14. • Entre as causas da Primavera Árabe podemos citar: • Altos índices de desemprego na região • Crise econômica • Pouca ou nenhuma representação política da população • Ditaduras • Pouca liberdade de expressãoQuais as causas?
  15. 15. “Na Primavera Árabe, os jovens de classe média e os jovens mais pobres querem viver os gostos da liberdade individual e do consumo do Ocidente. Querem se afirmar como indivíduos. E nisso, as redes sociais fazem o seu papel. O modo de vida ocidental os atrai como atraiu os dos paísescomunistas, gerando as revoluções de 1989 que fizeram, no final, desaparecer a URSS.” Paulo Ghiraldelli Jr.
  16. 16. • Se é possível tipificar a Primavera Árabe, podemos situar ela entre os seguintes pontos: • Movimentos de caráter laico (inicialmente) • Liberalizantes • Pró-democracia • PopularesQual o tipo domovimento?
  17. 17. • Alguns tem se referido à Primavera Árabe como uma “Revolução 2.0”, porque: • Uso de redes sociais na organização dos protestos • Facebook • Twitter • Participação da rede de TV Al Jazeera, na cobertura dos movimentos; • Uso, pelos regimes em crise, de sistemas de telefonia celular para a delação dos envolvidos nos protestosAs Redes Sociais naPrimavera Árabe...
  18. 18. Na Líbia, os protestos começaram em fevereiro de 2011. Após reações violentas do governo de Muamar Kadafi, eclodiu uma guerra civil. Osrebeldes, com a decisão do Conselho de Segurança da ONU, foram favorecidos pelos bombardeios dasforças da OTAN as tropas e posições de Kadafi. Por fim, em 20 de outubro de 2011, o ditador foi capturado emorto. Assumiu o governo o Conselho Nacional de Transição. O caso líbio é diferente dos outros países que foram varridos pela Primavera Árabe. Além dos anseios legítimos do povo líbio, também concorreram para a queda de Kadafi os interesses dos Estados Unidos e da União Européia, especialmente aqueles ligados ao petróleo e a posição estratégica da Líbia.
  19. 19. Após meses de impasses e conflitos, opresidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, no poder há 33 anos, assinou um acordo epassou o cargo a seu vice, que irá convocar eleições. O acordo só foi possível com a pressão, e intervenção, da Arábia Saudita, que fez uso da sua grande influênciafinanceira e diplomática para tentar deter a Primavera Árabe e marcar posição em relação ao Irã.Em 21 de fevereiro de 2012, a população doIêmen foi convocada às urnas e escolheu o sucessor de Saleh.
  20. 20. A situação na Síria se apresentaCom o início dos protestos extremamente complexa, não permitindo em janeiro de 2011, e seu intervenções militares. O governo sírio recrudescimento a partir tem na Rússia e no Irã aliados importantes, sendo que a China possuide março, o ditador sírio grandes interesses econômicos no país. Bashar Assad colocou o Além do mais, o governo sírio deu exército para deter o acolhida as lideranças do Hamas eavanço das manifestações, assume uma posição de defesa doproduzindo uma repressão nacionalismo árabe, colocando-se brutal. Por outro lado, ele abertamente contra Israel. deu indicativos de aceitaralgumas reivindicações da oposição, como libertarpresos políticos e permitir a criação de novos partidos. Também derrubou a lei deemergência, que existia há 48 anos, e prometeu convocar eleições para 2012.
  21. 21. • Após a Tunísia, foram verificados levantes em: • Argélia (governada até hoje sob estado de Emergência) • Líbia (Ditadura de Muammar Khadafi) • Jordânia • Iêmen (Presidente Saleh é ferido gravemente) • Arábia Saudita • Líbano • Egito (então governado por Hosni Mubarak) • Síria (O governo de Bashar al-Assad promove dura repressão) • Também houve revoltas na Palestina, Omã, Mauritânia, Marrocos, Djibuti, Barein, Iraque e KuwaitE assim foi...
  22. 22. RevoluçãoMudanças no governoConflito armadoGrandes protestosPequenos protestos O Mapa da Primavera
  23. 23. A ideologia ba`ath (ressurreição) Baathismo: A ideologia Baath ou Baath é uma tentativa de adaptação do socialismo aos preceitos islâmicos e ao contexto das sociedades árabes. Base ideológica: O Pan-arabismo - Os baathistas são defensores do secularismo (que é não interferencia de instituições religiosas na política), da modernização industrial e de políticas de bem-estar social com intervenção estatal na economia, principalmente no setor de petróleo. Os Baath, desta maneira, são adversários ferozes tanto dos liberais pró-Ocidentais quanto dos fundamentalistas (como a Al Qaeda e o Hizbolá).

×