Your SlideShare is downloading. ×

O que é avaliação

8,873
views

Published on

Material do grupo 3. Disciplina Planejamento, Currículo e Avaliação. Prof. Fernando Pimentel

Material do grupo 3. Disciplina Planejamento, Currículo e Avaliação. Prof. Fernando Pimentel


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
8,873
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
66
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. AVALIAÇÃO DAAPRENDIZAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE GEOGRAFIA DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE IGDEMA Maceió 2010.
  • 2. ANDRÉ CAMILO DA SILVA HOGLA HORTÊNSIA DE OLIVEIRA JOÃO PAULO DOS SANTOS MICHELE QUERINO DA SILVA AVALIAÇÃO DAAPRENDIZAGEM Maceió 2010 Seminário apresentado a disciplina de Planejamento, Currículo e Avaliação da Aprendizagem, como um dos pré- requisitos de avaliação da 2ª unidade.
  • 3. Avaliação o que é? a.va.li.ar v. {mod.1} estabelecer o valor ou preço de 2 determinar a quantidade de; contar 3 pensar ou determinar a qualidade, a intensidade etc. de ~ avaliação s.f. Os métodos de avaliação ocupam, sem duvida espaço relevante no conjunto das práticas pedagógicas aplicadas ao processo de ensino e aprendizagem. Avaliar, neste contexto, não se resume à mecânica do conceito formal e estatístico; não é simplesmente atribuir notas, obrigatórias à decisão de avanço ou retenção em determinadas disciplinas.
  • 4. Havendo sempre, no processo de ensino/aprendizagem, um caminho a seguir entre um ponto de partida e um ponto de chegada, naturalmente que é necessário verificar se o trajeto está a decorrer em direção à meta, se alguns pararam por não saber o caminho ou por terem enveredado por um desvio errado A avaliação ícone imprescindível na práticas da atividade docente, e do ensino em geral É essa informação, sobre o progresso que a avaliação tenta recolher e que é necessária a professores e alunos descreve que que objetivos do ensino já atingiram num determinado ponto de percurso e que dificuldades estão a revelar relativamente a outros. Esta informação é necessária ao professor para procurar meios e estratégias que possam ajudar os alunos a resolver essas dificuldades e tentarem ultrapassá-las
  • 5. No entanto, atualmente avaliação tem aplicação conotada a medir quantitativamente os conteúdos assimilados pelos indivíduos, considerando-se um único estado de tempo específico, excluindo assim a dinâmica do processo educacional. Devido a esse fator, faz-se importante discutir a temática da avaliação no processo de ensino- aprendizagem, os apectos a serem considerados , bem como a aplicabilidade dela no cotidioano docente-educando
  • 6. Concepções de Cipriano Carlos Luckesi 1. Sempre se entendeu que avaliar o aluno era verificar o quanto ele havia assimilado do conteúdo a ele passado pelo professor. O que começou a determinar que se repensasse essa forma de avaliar até chegarmos às novas concepções de avaliação que temos hoje?
  • 7. Modalidade dos exames escolares foi sistematizada no decorrer do século XVI e primeira metade do século XVII – jesuítas. formalizaram o modo específico de examinar os alunos Ex: momento das provas - os alunos não poderão solicitar nada que necessitem nem aos seus colegas nem àquele que toma conta da prova Ratio atque Institutio Studiorum Societatis Dessas sistematizações iniciais muitos foram os aperfeiçoamentos na modalidade dos exames no decorrer dos séculos seguintes
  • 8. A partir da constituição da Psicologia como ciência e da emergência dos testes psicológicos em finais do século passado e início deste, especialmente, para a testagem da inteligência, nasceu, na pedagogia, a preocupação com os testes cientificamente elaborados. Nesse período não se questionava a validade dos exames Então essa nova abordagem sobre a avaliação, nasceu da insatisfação com os tratamentos somente técnicos anteriores E da insatisfação da ineficácia da modo de avaliar jesuítico. Nesse contexto, e nesse momento histórico, trabalhavasse muito sobre os procedimentos de avaliação e pouco sobre questões de fundo sobre essa prática.
  • 9. Havia necessidade de uma compreensão mais fundamental sobre essa prática, a partir de perspectivas diversas, filosófica da avaliação da aprendizagem, a questão sociológica, a política; às psicológicas e pedagógicas. AVALIAR OU EXAMINAR?
  • 10. EXAMINAR concede a o processo de ensino aprendizagem um caráter dinâmico e evolutivo, pois não importa o antes, o agora e o depois em conjunto. O RELEVANTE É AASSIMILAÇÃO DOS CONTEÚDOS PASSADOS, EXPRESSOS NO DETERMINADO MOMENTO. AVALIAR PARTICIPA e atua no processo de ensino aprendizagem , pois ela diagnostica os eventos do processo visando melhorá-lo.
  • 11. Em casos de haver uma maneira de “salvar” provas e exames, como elas deveriam ser elaboradas e planejadas pelos professores para que se possa fazer uma avaliação de fato eficiente? A prática da avaliação, não depende do uso deste ou daquele instrumento de coleta de dados, mas sim da postura pedagógica do educador e do uso que faz dos dados de desempenho
  • 12. teste: elaboramos e aplicamos nos educandos um teste de vinte questões, aluno respondeu corretamente treze, errou sete, -Um examinador faria o seguinte: o teste tem vinte questões e a escala de notas vai até dez, cada questão vale 0,5 (cinco décimos); deste modo, somando os décimos relativos aos acertos, este aluno obtém nota 6,5 (seis e meio) e, por isso será classificado como aprovado com uma nota um pouco superior a média. - avaliador: tomaria esse mesmo teste: observaria as questões que ele respondeu incorretamente, verificaria a que conteúdos, habilidades ou procedimentos metodológicos as questões que foram respondidas incorretamente, qualificando o desempenho desse aluno em insatisfatório nesses pontos específicos e tomaria a decisão de reorientá-lo. com o objetivo de que ele consiga superar suas carências.
  • 13. Desta forma, todos os instrumentos de coleta de dados podem ser ótimos tanto para a avaliação quanto para os exames, caso sejam adequados ao que se pretende avaliar ou examinar.