Elias e os profetas de baal
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Elias e os profetas de baal

on

  • 17,961 views

1º TRIMESTRE DE 2013

1º TRIMESTRE DE 2013
4ª LIÇÃO

Statistics

Views

Total Views
17,961
Views on SlideShare
17,961
Embed Views
0

Actions

Likes
4
Downloads
361
Comments
2

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Elias e os profetas de baal Presentation Transcript

  • 1. Elias e osprofetas de Baal 1º Trimestre de 2013 4ª Lição Pr. Moisés Sampaio de Paula 1
  • 2. Texto Áureo Então Elias se chegou a todo o povo e disse: Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-o, se é Baal, segui-o. Porém o povolhe não respondeu nada (1 Rs 18.21)Verdade Prática O confronto entre Elias e os profetas de Baal marcou definitivamente a separação entre a verdadeira e a falsa adoração. Pr. Moisés Sampaio de Paula 2
  • 3. Objetivos da Lição• Qual a impotância de se confrontar os falsos deuses.• Quais são os perigos de dar crédito aos falsos deuses.• A necessidade de confrontar a falsa adoração. Pr. Moisés Sampaio de Paula 3
  • 4. Introdução • Estudaremos como Elias foi usado pelo Senhor para confrontar os falsos profetas com seus falsos deuses, fazendo com que o povo de Deus abandonasse a falsa adoração. Pr. Moisés Sampaio de Paula 4
  • 5. Esboço da LiçãoI. Confrontando os falsos deuses I. Conhecendo o falso deus Baal II. Identificando a falsa divindade AseráII. Confrontando os falsos profetas I. Profetizavam sob encomenda II. Eram mais numerososIII. Confrontando a falsa adoração I. Em que ela imita a verdadeira II. No que ela diferencia da verdadeiraIV. Confrontando o sincretismo religioso estatal I. O perigo do sincretismo religioso II. A resposta divina ao sincretismo. Pr. Moisés Sampaio de Paula 5
  • 6. Palavra chave: Confrontar• Significa: Pôr frente a frente, comparar, cotejar, confrontar a cópia com o original. Defrontar, confirmar. Pr. Moisés Sampaio de Paula 6
  • 7. Confronto • Falsos deuses • Falsos profetas • Falsa adoração • Sincretismo religiosoNão são poucos os falsos profetas que tentamatormentar a vida daqueles que servem a Jesus. Opior é que estes em geral conhecem ossentimentos e as fragilidades espirituais dos queos ouvem, e não perdem a oportunidade delembrá-los de que tem autoridade paradeterminar-lhes a "vontade divina“. A ordem deJesus para nós em relação a estes enganadores é:"Acautelai-vos". Pr. Moisés Sampaio de Paula 7
  • 8. I. Confrontando os falsos deuses Porque todos os deuses dos povos são ídolos, mas o SENHOR fez os céus. (Salmos 96:5) I. Conhecendo o falso deus Baal II. Identificando a falsa divindade Aserá Pr. Moisés Sampaio de Paula 8
  • 9. I. Confrontando os falsos deuses I. Conhecendo o falso deus Baal • É o supremo deus dos cananeus, correspondendo a Bel, deus dos babilônicos. Tanto Baal como Bel se traduzem por proprietário, marido e senhor. O Baal cananeu era chamado Baal Semain, isto é, Senhor do céu. • Baal era, no tempo de Josué, o deus sol, responsável pela germinação e crescimento da lavoura, o aumento dos rebanhos e a fecundidade das famílias. Pr. Moisés Sampaio de Paula 9
  • 10. I. Confrontando os falsos deuses I. Conhecendo o falso deus Baal • O culto a Baal era caracterizado especialmente pela licenciosidade dos seus ritos. Regado a orgias, bacanais, adultério, lesbi anismo, homossexualismo, ped ofilia e incesto e muito vinho • Seg. alguns, Baal é chefe sobre sessenta e seis legiões de demônios. Pr. Moisés Sampaio de Paula 10
  • 11. Baalísmo• A religião gerou numerosos sacerdotes e sacerdotisas com suas cerimônias, incluindo a queima de incenso e oferecendo sacrifícios queimados, ocasionalmente, consistindo de vítimas humanas.• Os sacerdotes oficiantes dançaram ao redor dos altares, cantando freneticamente e cortando-se com facas para inspirar a atenção e a compaixão do deus. Alguns jovens consagrados a Baal eram emasculados para servirem através da sodomia.• A Bíblia liga Baal como Belzebu, um dos anjos caídos de Satanás. Pr. Moisés Sampaio de Paula 11
  • 12. Malefícios do Baalismo para Israel• A assimilação do baalismo pelos israelitas resultou de uma série de fatores, dentre eles:1. o casamento misto com os cananeus, em sua expressão mais grave do rei Acabe com Jezabel;2. a participação em festas pagãs, e que fomentavam pecados sexuais; e3. as flexibilizações das religiões cananeias, em oposição às exigências da fé judaica. Pr. Moisés Sampaio de Paula 12
  • 13. I. Confrontando os falsos deuses 2. Identificando a falsa divindade Aserá • Os cananeus adoravam Aserá (Asterath, Astorate, Asterote, Astarte, Aserá, Baalat) como deusa da fertilidade, talvez mesmo como deusa da sexualidade. Era considerada esposa de El, o deus supremo da mitologia Cananéia. Pr. Moisés Sampaio de Paula 13
  • 14. I. Confrontando os falsos deuses 2. Identificando a falsa divindade Aserá • Os misteriosos postes-ídolos associados aos ritos de adoração da deusa eram aparentemente troncos de árvores sem galhos. • A função exata desses postes- ídolos estava ligada à prostituição masculina e feminina Pr. Moisés Sampaio de Paula 14
  • 15. Obelisco – (poste ídolo) • A origem dos obeliscos que vemos em muitas cidades do mundo na verdade é esta, o poste- ídolo, geralmente como símbolo de fertilidade. No Japão, onde se realiza todos os anos o Honen-sai Matsuri, uma espécie de “festival da fertilidade”, tendo como principal atração um poste-ídolo bem esculpido e definido na forma de um órgão masculino, uma homenagem ao deus “Owasegata”. • A palavra ‘obelisco’ significa literalmente "poste/pau de Baal", ou órgão de reprodução de Baal.” Pr. Moisés Sampaio de Paula 15
  • 16. • Os profetas estavam conscientes que não se podia admitir tal fato entre o povo de Deus, por isso levantaram suas vozes contra as divindades pagãs. • Ezequiel 36:25 - Então aspergirei água pura sobre vós, e ficareis purificados; de todas as vossas imundícias e de todos os vossos ídolos vos purificarei. Pr. Moisés Sampaio de Paula 16
  • 17. CONFRONTANDO OS ÍDOLOSMODERNOS• Precisamos tomar o partido de Deus, não o dos homens. Como o povo de Israel, não podemos ficar coxeando entre dois pensamentos, divididos, a fim de sermos politicamente corretos. p. 3.15,16).• Profetas comprometidos - com a verdade de Deus é a maior carência nos dias atuais. Homens e mulheres de princípios, que não se vendam por dinheiro ou posição. O instrumento dos profetas do Senhor é a Sua palavra, eles sabem que precisam prestar contas Àquele que é O Senhor, não um senhor.• Palavra e Oração - os profetas de Deus sabem que é por meio destes que o Senhor intervém.• Vidas consagradas inteiramente a Deus - os profetas do Senhor não temem os falsos profetas e muito menos aos deuses. É bastante comum hoje os evangélicos ajustarem a Bíblia aos seus interesses. Pr. Moisés Sampaio de Paula 17
  • 18. II. Confrontando os falsos profetas • Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores. (Mateus 7:15 ) I. Profetizavam sob encomenda II. Eram mais numerosos Pr. Moisés Sampaio de Paula 18
  • 19. II. Confrontando os falsos profetas 1. Profetizavam sob encomenda • Nenhum sistema é profético, nenhum profeta pertence ao sistema. • Os profetas de Baal (400) e de Aserá (450) profetizavam o que o rei queria ouvir, pois faziam parte do sistema estatal de governo. Pr. Moisés Sampaio de Paula 19
  • 20. O que significa o termo PROFETA?• O termo grego para "profeta" é prophetes. Trata-se de um substantivo composto da raiz phe (dizer, proclamar), do prefixo pro (antes, de antemão).• Embora possa ter o sentido de "aquele que prediz", na literatura antiga a combinação do prefixo pro com os verbos para "falar" não possui a idéia de indicar o futuro. • Dessa forma, profeta pode significar "o que proclama abertamente", "o que proclama em alta voz", "o que declara abertamente", "o que denuncia abertamente" etc Pr. Moisés Sampaio de Paula 20
  • 21. Profetas Nenhum homem deDeus, nem tampouco a igreja, podem ficar comprometidos com qualquer esquema religioso ou politico. Se assim ofizerem, perdem suas vozes proféticas Pr. Moisés Sampaio de Paula 21
  • 22. II. Confrontando os falsos profetas 2. Eram mais numerosos No falso culto • Não havia verdade • Não havia qualidade • Mas apenas quantidade Pr. Moisés Sampaio de Paula 22
  • 23. III. Confrontando a falsa adoração • A adoração vai muito alem do culto semanal. Ela é um estilo de vida, é fruto da sinceridade do coração I. Em que ela imita a verdadeira II. No que ela diferencia da verdadeira Pr. Moisés Sampaio de Paula 23
  • 24. III. Confrontando a falsa adoração 1. Em que ela imita a verdadeira • Baal possuía rituais que tinham certa semelhança com o ritual hebreu. Usavam altar, havia música, danças e também havia sacrifícios. Elias, porém, sabia que aquela religião falsa, apesar de suas crenças e rituais, jamais conseguiria produzir fogo (1 Rs 18.24). O teste seria, portanto, a produção de fogo! Pr. Moisés Sampaio de Paula 24
  • 25. III. Confrontando a falsa adoração 1. Em que ela imita a verdadeira• Encontramos ainda hoje dezenas de religiões e seitas tentando produzir fogo santo e não logram qualquer êxito.• Somente o verdadeiro culto a Deus faz descer fogo do céu (1 Rs 18.38) Pr. Moisés Sampaio de Paula 25
  • 26. III. Confrontando a falsa adoração 2. No que ela diferencia da verdadeira Características da ADORAÇÃO VERDADEIRA • texto FALSA Produz verdade Produz mentira Produz sinceridade Produz dissimulação Produz sentimento nobre Produz egoísmo Produz arrependimento Produz espetáculo Produz bom caráter Produz mau caráter Produz entrega e voluntariedade Produz avareza e ganância Pr. Moisés Sampaio de Paula 26
  • 27. III. Confrontando a falsa adoração 2. No que ela diferencia da verdadeira• Firma-se na revelação de Deus na história (1 Rs 18.36). Abraão, Isaque e Jacó, foram pessoas reais assim como foram reais as ações de Deus em suas vidas.• Distingue-se também pela participação do adorador no culto. Elias disse: "E que eu sou teu servo" (1 Rs 18.36). A Bíblia diz que Deus procura adoradores (Jo 4.24). Israel havia sido uma nação escolhida pelo Senhor (Êx 19.5). Elias invocou, como servo pertencente a esse povo, os direitos da aliança.• Diferencia-se pela Palavra de Deus, que é o instrumento usado para concretizar os planos e propósitos de Deus (1 Rs 18.36). Pr. Moisés Sampaio de Paula 27
  • 28. IV. Confrontando o sincretismo religioso estatal • A adoração verdadeira havia se misturado com a falsa e o resultado não podia ser mais desastroso. Esse problema da "mistura" do culto hebreu com outras crenças foi uma ameaça bem presente ao longo da história de Israel (Êx 12.38; Ne 13.3). I. O perigo do sincretismo religioso II. A resposta divina ao sincretismo. Pr. Moisés Sampaio de Paula 28
  • 29. IV. Confrontando o sincretismo religioso estatal 1. O perigo do sincretismo religioso • O sincretismo religioso foi uma ameaça, ainda o é e sempre o será. A fé bíblica não pode se misturar com outras crenças! Pr. Moisés Sampaio de Paula 29
  • 30. O que significa SINCRESTISMO • SIGNIFICADO • Sincretismo é uma fusão de doutrinas de diversas origens, seja na esfera das crenças religiosas, seja nas filosóficas. A palavra é de origem grega: krasis= mesclar syn = com synkrasis Pr. Moisés Sampaio de Paula 30
  • 31. Sincretismo – Como acontece Processo espontâneo, consequente dos intercambios culturais realizados entre os diversos povosprodutos culturais das Em outros casos se deve atradicões coincidentes uma intervenção Sincretismo Religiosos Pr. Moisés Sampaio de Paula 31
  • 32. A origem histórica do sincretismo religioso• Após a queda de cada império mundial, um novo império se levantava. O centro de cada novo império possuía sua própria cultura, costumes e religiões. Com vistas a não perder suas próprias características e manter a coesão política e social, seus líderes sempre apelaram para o SINCRETISMO RELIGIOSO.• Assíria, Babilônia, Medo-Persa, Grego e Romano. As mesmas divindades são incoporadas pelos novos impérios emergentes, só que, com outros nomes. Pr. Moisés Sampaio de Paula 32
  • 33. SINCRETISMO RELIGIOSO: em meio aos impérios mundiais Babilônia Egito Grécia Roma• Deus sol Osiris Zeus Júpiter• Lua (Rainha do céu) Izis Afrodite Vênus• Filho do Sol Horus Eros Cupido Pr. Moisés Sampaio de Paula 33
  • 34. O sincretismo pelos impérios Pr. Moisés Sampaio de Paula 34
  • 35. Sincretismo no Brasil• os seguintes elementos formando o pano de fundo da religião de nosso povo: 1) rudimentos da pajelança indígena; 2) superstições provenientes do catolicismo romano, trazido para a Ilha de Vera Cruz pelos colonizadores europeus; 3) uma forte corrente kardecista (também trazida pelos europeus); 4) o extremo misticismo dos cultos afro; 5) a busca da paz interior embutida nos ensinamentos das seitas orientais; e 6) o protestantismo e sua conclamação pelo retorno às Escrituras. Pr. Moisés Sampaio de Paula 35
  • 36. Sincretismo no Brasil Pr. Moisés Sampaio de Paula 36
  • 37. Sincretismo no Brasil• Ogum– Santo Antônio;• Oxóssi – São Sebastião;• Xangô – São Jerônimo;• Iemanjá –Sª dos Navegantes; Sª Aparecida• Oxum – Nossa Senhora da Conceição;• Iansã – Santa Bárbara;• Omolu – São Lázaro. Pr. Moisés Sampaio de Paula 37
  • 38. Existe sicretismo no meio das igrejas evangélicas? Pr. Moisés Sampaio de Paula 38
  • 39. Sincretismo nas Igrejas Evangélicas• Pingar “oleo ungido na frente da casa, comércio” visando proteção.• Regreção espiritual,• “cura interior” - técnica híbrida proveniente de um mistura de textos bíblicos mal interpretados, psicologia e hipnose• “confissão positiva” para a resolução dos problemas de quaisquer ordens.• Amor às riquezas - igrejas inteiras que estão abrindo mão da palavra, e do Senhor, e se prostrando perante outros deuses. Mas ninguém pode servir a Deus e a Mamom (Mt. 6.24) Pr. Moisés Sampaio de Paula 39
  • 40. Sincretismo nas Igrejas Evangélicas• Passar pelo sal grosso para fins de descarrego,• Adquirir uma série de patuás “gospel”,• Colocar copo d’água sobre o rádio ou televisão,• Um pouquinho da terra trazida de Israel Com• Alguns mililitros de água do Rio Jordão,• Os pedidos de oração devem ser isso, o sacrifício queimados no Monte Sinai. de Cristo é• Liturgia engessante e fria. chutado para• Ovelhas que vivem “visitando” outras igrejas. Ora estão aqui, ora ali. Recebendo escanteio, relega um ensino de uma maneira e de outra. do a segundo Que não tem uma referencia pastoral. São muito suscetíveis ao sincretismo religioso. plano. Pr. Moisés Sampaio de Paula 40
  • 41. IV. Confrontando o sincretismo religioso estatal 2. A resposta divina ao sincretismo. • O profeta de Tisbe deu instrução ao povo: "Lançai mão dos profetas de Baal, que nenhum deles escape. E lançaram mão deles; e Elias os fez descer ao ribeiro de Quisom e ali os matou" (1 Rs 18.40). Parece uma decisão muito radical, mas não foi. • Devemos evitar energicamente o mistura religiosa, o remédio para extirpar o mal precisava ser tomado. Pr. Moisés Sampaio de Paula 41
  • 42. Subsídios Pr. Moisés Sampaio de Paula 42
  • 43. Monte Carmelo• Monte Carmelo é uma montanha de 525,4 m na costa de Israel com vista para o Mar Mediterrâneo. O seu nome (Karmel) significa "jardim" ou "campo fértil". A grande cidade israelita de Haifa localiza-se parcialmente sobre o Monte Carmelo, além de algumas outras cidades menores, como Nesher e Tirat Hakarmel. Pr. Moisés Sampaio de Paula 43
  • 44. Monte Carmeloo monte Carmelo servia como umamuralha natural entre o marMediterrâneo e a grande planície (oVale de Jezreel) de onde hoje ficaIsrael, importante para a defesa doterritório. Frequentemente, o monte eseus arredores são citados na Bíbliacomo exemplo de beleza e fertilidade.“Florescerá abundantemente, jubilaráde alegria e exultará; deu-se-lhes aglória do Líbano, o esplendor doCarmelo e de Sarom; eles verão aglória do Senhor, o esplendor do nossoDeus.” (Isaías 35. 2). Até mesmo osábio Salomão o usou como símboloquando queria representar algo belo:“A tua cabeça é como o monteCarmelo, a tua cabeleira, como apúrpura” (Cântico 7. 5). Pr. Moisés Sampaio de Paula 44
  • 45. Conclusão• O desafio do profeta Elias serviu para:1. Demonstrar quem de fato era o Deus verdadeiro e, portanto, merecedor de toda adoração.2. Foi decisivo para fazer retroceder o coração do povo até então dividido.3. Mostrou que o pecado deve ser tratado como pecado e que a decisão de extirpá-lo deve ser tomada com firmeza. A luta contra a falsa adoração continua ainda hoje por parte dos que desejam ser fiéis a Deus. Não há como negar que ao nosso redor ecoam ainda os dons advindos de vários cultos falsos, alguns deles travestidos da piedade cristã. Assim como Elias, uma igreja triunfante deve levantar a sua voz a fim de que a verdadeira adoração prevaleça. Pr. Moisés Sampaio de Paula 45
  • 46. Contato Pr. Moisés Sampaio É pastor auxiliar na Assembléia de Deus em Rio Branco, Acre, Brasil. • Site: www.moisessampaio.com • Face: www.facebook.com/prmoisessampaio • Blog: http://prmoisessampaio.blogspot.com.br • E-mail: prmoisessampaio@gmail.com • Fone: (68)9971-3335 Pr. Moisés Sampaio de Paula 46