Your SlideShare is downloading. ×
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Ultrassom
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Ultrassom

648

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
648
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 30/07/2013 1 Paulo R. Fonseca – prfonseca@gmail.com Aplicações Ondas & Som Modo A Modo B Modo M Doppler Artefatos http://29.media.tumblr.com/tumblr_l9kpb75Zex1qzhehpo1_500.jpg
  • 2. 30/07/2013 2
  • 3. 30/07/2013 3  Guia de biópsias  Fisioterapia
  • 4. 30/07/2013 4  Classificação:  Origem ▪ Mecânica: perturbação de um meio material ▪ Eletromagnética: cargas elétricas oscilantes (vácuo)
  • 5. 30/07/2013 5  Classificação:  Direção de oscilação ▪ Transversal: direção de oscilação é perpendicular à direção de propagação ▪ Longitudinal: oscilação ocorre na mesma direção da propagação  Classificação:  Tipo de energia transmitida ▪ Sonora ▪ Térmica ▪ ...
  • 6. 30/07/2013 6  Comprimento de onda (λ)  Amplitude (A)  Freqüência (Hz)  Intensidade (Watts/cm2)  Período (T)
  • 7. 30/07/2013 7
  • 8. 30/07/2013 8  Densidade (r)  Velocidade de propagação  v = λ · f  Impedância acústica  Z = r · v  Densidade x Compressibilidade
  • 9. 30/07/2013 9
  • 10. 30/07/2013 10  Energia transportada pela onda  classifica um som em forte ou fraco At E I  2 4 r P I   A intensidade do som pode ser expressa em função da amplitude do deslocamento horizontal dos elementos de volume de ar. )( 2 2  r A v I  e Zv r Impedância Acústica
  • 11. 30/07/2013 11  Sensação auditiva não varia linearmente com a energia transportada  dB: decibel  I: intensidade  I0: limiar de audibilidade 10-12(W/m2)
  • 12. 30/07/2013 12
  • 13. 30/07/2013 13 Cristal PZT Material Amortecedor Camada de interposição Transdudor
  • 14. 30/07/2013 14
  • 15. 30/07/2013 15
  • 16. 30/07/2013 16  O transdutor é projetado para ter resposta máxima a uma certa freqüência  Determinado pela espessura  Quando menor espessura  menor o comprimento de onda  maior a freqüência  Freqüência ressonante de um cristal de PZT-4 com 1mm de espessura  Sabe-se que a velocidade do som nesse material é 4000 m/s  Considerando que a oscilação é máxima quando a onda incidente é igual ao dobro da espessura do cristal  2 x 10-3 = 2.10-3  v=fl  f=4000 /2.10-3 =2.106=2 MHz
  • 17. 30/07/2013 17  Combinação de vários sensores em  Linha  Matriz  Anel  Geometria depende da aplicação
  • 18. 30/07/2013 18  Tipicamente n.º > 256 elementos  1 mm x 10 mm  Imagem retangular  Direcionamento (focalização) obtido  Eletronicamente  Com auxílio de lentes
  • 19. 30/07/2013 19
  • 20. 30/07/2013 20 Freqüência 2-10 MHz Velocidade de Propagação 1400 – 1700 m/s Freqüência de repetição do pulso 2-10 KHz Ciclos por pulso 1-3 Duração do pulso 0,5-3 ms Comprimento espacial do pulso 0,1-1 mm Intensidade espacial máxima 0,01-100 mW/cm2 Coeficiente de atenuação 1-5 dB/cm
  • 21. 30/07/2013 21 Construtiva A = A1 + A2 Destrutiva A = A1 – A2
  • 22. 30/07/2013 22
  • 23. 30/07/2013 23
  • 24. 30/07/2013 24  X’=r2/l  X’ = “profundidade” da zona de Fresnel  r = raio do transdutor  l = comprimento de onda
  • 25. 30/07/2013 25      2 2 2 4 ZbZa ZaZb T ZbZa ZbZa R      Lembrar: Uso do gel
  • 26. 30/07/2013 26
  • 27. 30/07/2013 27  A agulha da biópsia
  • 28. 30/07/2013 28  Quando o feixe de ultra-som muda de um meio para outro  a velocidade muda  mudança no comprimento de onda  frequência é a mesma  Ocorrência de artefatos
  • 29. 30/07/2013 29  É o coef. de atenuação x eII   0 Approximate Attenuation Coefficient Values forVarious Materials Material Coefficient (dB/cm MHz) Water 0.002 Fat 0.66 Soft tissue (average) 0.9 Muscle (average) 2.0 Air 12.0 Bone 20.0 Lung 40.0 Pulse Amplitude Loss Produced by a Reflection Interface Amplitude Loss (dB) Ideal reflector 0.0 Tissue-air -0.01 Bone-soft tissue -3.8 Fat-Muscle -20.0 Tissue-water -26.0 Muscle-blood -30.0
  • 30. 30/07/2013 30
  • 31. 30/07/2013 31
  • 32. 30/07/2013 32
  • 33. 30/07/2013 33
  • 34. 30/07/2013 34
  • 35. 30/07/2013 35  Utilizado em ecoencefalografia  Associado com o modo B para exatidão de profundidade
  • 36. 30/07/2013 36
  • 37. 30/07/2013 37 Computador Amplitude Profundidade Ganho =+  Localização das estruturas de interesse  Imagem estática e de tempo real
  • 38. 30/07/2013 38
  • 39. 30/07/2013 39  Ecocardiografia
  • 40. 30/07/2013 40
  • 41. 30/07/2013 41  Mecânica  Cristal oscilatório e girante em meio aquoso  Eletrônico  rede de cristais com aplicação de pulsos controlados eletronicamente  Eletrônico e mecânico  Para a geração de imagens em 3D
  • 42. 30/07/2013 42
  • 43. 30/07/2013 43
  • 44. 30/07/2013 44  Time gain compensator  Delay  Intensidade  Coarse gain  Reject  Near gain  Far gain  Enhancement
  • 45. 30/07/2013 45
  • 46. 30/07/2013 46
  • 47. 30/07/2013 47 Frequência Profundidade da imagem Largura do feixe Resolução Lateral Comp. Espacial do pulso Resolução axial Ciclos por pulso Resolução axial Frequência Resolução axial
  • 48. 30/07/2013 48           f ap vv v ff           f af vv v ff
  • 49. 30/07/2013 49  Identificação de estruturas móveis  Caracterização do fluxo sanguíneo v fV f cos2 
  • 50. 30/07/2013 50
  • 51. 30/07/2013 51
  • 52. 30/07/2013 52 Usando contraste de microbolhas
  • 53. 30/07/2013 53
  • 54. 30/07/2013 54
  • 55. 30/07/2013 55
  • 56. 30/07/2013 56
  • 57. 30/07/2013 57
  • 58. 30/07/2013 58
  • 59. 30/07/2013 59  Feixe com energia >100 mW/cm2 produz efeitos  Térmicos: ▪ aumento da temperatura ▪ tratamento de patologias musculares, tendinosas ou ósteo-articulares  Não-térmicos: ▪ Micromassagem ▪ Aumento da permeabilidade da membrana celular
  • 60. 30/07/2013 60  Efeito térmico - esse efeito tem permitido o seu uso para o tratamento de patologias musculares, tendinosas ou ósteo-articulares. 2ML DURANTE 10 S DURANTE 30 S Líquido T(0C) Gelatina 1 Água 2 Álcool 3,5 Glicerina 10 Parafina 10 Ácido esteárico 36 Cera 44 Líquido T(0C) Ágar 0 Albumina 2 Fígado 9 Cérebro 9,5 Gema de ovo 11 Gordura 25
  • 61. 30/07/2013 61  Micromassagem  Oriundo das oscilações provocadas pelo feixe ultra- sônico  movimentação dos tecidos aumenta a circulação de fluidos intra e extracelulares  facilitando a retirada de catabólicos e a oferta de nutrientes.  Aumento da permeabilidade da membrana celular  Feixe é capaz de alterar os potenciais de membrana  aumento da condutância da membrana ao potássio
  • 62. 30/07/2013 62  Vasoconstrição ou vasodilatação arteriolar  feixes pulsados  (4-10W/cm2)  costrição arteriolar ou vasodilatação ▪ abrir capilares em zonas de isquemia crônica.  Cavitação e efeitos pressóricos.
  • 63. 30/07/2013 63  “Ultra-som: princípios físicos e formação de imagem” – Prof. Dr. Marcos Fontes IBB/Unesp  “Princípios Físicos e Formação de Imagem em Ultra-Som” – Profa. Dra. Diana R. Pina Miranda – FMB/Unesp  “Basic Physics of ultrasound imaging” – John E. Aldrich (Crit. Care Med 2007 Vol 35 n.º 5)

×