• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Informações sobre o ENEM 2013
 

Informações sobre o ENEM 2013

on

  • 6,125 views

 

Statistics

Views

Total Views
6,125
Views on SlideShare
6,050
Embed Views
75

Actions

Likes
0
Downloads
26
Comments
0

6 Embeds 75

http://preseeditabaianinha.blogspot.com.br 53
http://preseeditabaianinha.blogspot.ru 14
http://preseeditabaianinha.blogspot.com 5
http://preseeditabaianinha.blogspot.it 1
http://preseeditabaianinha.blogspot.ca 1
http://preseeditabaianinha.blogspot.mx 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Informações sobre o ENEM 2013 Informações sobre o ENEM 2013 Document Transcript

    • W3N3 waua
    • , CURSO~_ t="ewI SUMÃRIO -----------------------------------------------. - --a x .-- /' PARA QUE SERVE oENEM A importância do exame que se tornou o principal vestibular do Brasil pág.4 VEJACOMO tO EXAME Saiba o que será exigido de você Entenda a nota do Enem Notas de corte no Sisu Acabe com suas dúvidas pág.6 pág.S pág.u pág.13 COMO ESTUDAR PARA O ENEM Professor especialista ajuda você a montar um plano de estudos págo14 RAIO X Questões que podem ser respondidas com a leitura dos enunciados pág.20 ATUALIDADES Fique antenado com o mundo e veja como as notícias caem no Enem pág, II ESTUDANDO LONGE DE CASA O caminho para se manter em outra cidade com o auxílio de bolsas pág, 24 POR DENTRO DO PROUNI E DO FIES Veja como obter uma bolsa nas faculdades particulares pág.2S A UM CLlQUE DA FACULDADE Como funciona o Sisu pág. 32 WWW.PREENEMA8RIL.COM.8R 3 •
    • POR DENTRO A cada ano, cresce o número de matriculados no Exa- me Nacional do Ensino Médio (Enem). Em 2012, foram 5,7milhões de ins- critos e 4,1 milhões de participantes - 300 mil a mais do que no ano anterior. Desde 2009, quando mudou de forma- to, o Enem ampliou sua importância e, hoje, cumpre quatro funções: a) servir como vestibular para boa parte das universidades federais, centros federais tecnológicos e algumas uni- versidades estaduais, além de ter seu resultado usado nos processos seleti- vos de mais de mil faculdades; b) permitir ao aluno concorrer a uma bolsa no ProUni e requisitar financia- mento estudantil pelo Fundo de Fi- nanciamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies) (veja na pág. 28); c) ser a prova de conclusão do ensino médio para os estudantes da Educa- ção de Jovens e Adultos (EJA) e para quem não concluiu o ensino médio na idade adequada; e d) avaliar o conhecimento dos alunos que encerram o ensino médio. 4 WWW.PREENEMABRIl.COM.BR Asfunções do exame Criado em 1998 pelo Ministério da Educação (MEC) para avaliar o desem- penho dos estudantes ao final do ensino médio, o Enem é usado desde então como alternativa ou complemento dos vestibulares por muitas universi- dades brasileiras. Atualmente, mais de mil faculdades em todo o país fazem do Enem um instrumento complementar ao vestibular tradicional. O exame assume um papel cada vez mais importante na ajuda financeira para quem estuda em universidades privadas. Desde 2004, o Enem é a forma que os estudantes têm para conseguir uma bol- sa para o Programa Universidade para Todos (ProUni). Em oito anos, o ProUni atendeu cerca de 919 mil estudantes, 67% deles com bolsa integral. Em 2010, a participação do Enem pas- sou a ser obrigatória também para a solicitação do Fundo de Financiamen- to ao Estudante do Ensino Superior (Fies). Assim, os alunos de baixa renda que quiserem pedir financiamento pelo fundo terão de fazer o exame. Desde 2009, o Enem ganhou mais duas importantes funções: {) passou a substituir o vestibular de universidades federais. Para isso, foi instituído o Sistema de Seleção Unifi- cada - Sisu -, que funciona com as no- tas do Enem (veja na pág. 32). Com o resultado do exame, o estudante pode concorrer a uma vaga em dezenas de universidades públicas. A adesão das instituições ao novo processo é volun- tária. O MEC incentiva a adesão, mas respeita a recusa. A vocação do Enem como vestibular é, com o tempo, ser utilizado por todas as instituições fe- derais de ensino superior. {) passou a ser a prova de conclusão de ensino médio, em lugar do antigo Exame Nacional para a Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Enceeja) (veja boxe na pág. ao lado). /' Enem2013 O projeto do Enem prevê que o exa- me seja aplicado duas ou mais vezes por ano, tal como ocorre em outros países com provas semelhantes. Em 2012, seriam realizadas duas edições, mas o MEC não conseguiu reunir as condições necessárias para fazer isso. Duas edições podem ocorrer a partir de 2013, e aí os alunos poderão usar a melhor das duas notas no Sisu. Mesmo com as dificuldades, os er- ros e os vazamentos, o novo Enem está vingando. Ainda que haja mais modi- ficações, o modelo proposto é visto como um facilitador para a vida dos estudantes, pois abre o acesso a várias universidades, públicas e privadas, com uma só prova, e - à medida que se faça mais de um exame por ano ou que sua validade seja estendida - tende a retirar o peso que o aluno sente quando tem uma só chance de fazer o vestibular a cada 12 meses de estudo. l8l
    • MARATONA Estudantesem simuladodoEnem: a longaduração daprovaexige boapreparação Enempara concluir a ElA A partir de 2009, os alunos do ensino médio da Educação de jovens e Adul- tos (ElA) passaram a prestar o Enem para conseguir o certificado de con- clusão do ensino médio. Para prestar a prova com esse fim, não é preciso ter frequentado a escola regular nem estar matriculado na ElA.A única con- dição é que o participante tenha 18 anos completos até a data do Enem. Oestudante da ElA pode fazer o Enem com essepropósito em qualquer etapa do curso. Setirar a nota necessária, ele obtém o certificado sem precisar par- ticipar das aulas até o final. t: possível pedir a certificação de conclusão do ensino médio em cada uma das quatro áreas do Enem, separadamente. Para se candidatar com esse fim, o aluno deve indicar, quando se ins- crever no Enem, se quer obter a cer- tificação pela Secretaria Estadual de Educação, por um instituto federal ou por um centro federal. Para con- segui r o certificado, o estudante deve ter a nota mínima de 450 pontos em cada área de conhecimento do Enem (a partir de 2012) e o mínimo de 500 pontos na redação. Com o boletim do Enem em mãos, o participante deve se encaminhar à instituição de ensino assinalada na inscrição para obter o diploma de conclusão do ensino médio. Detalhe importante: com a mesma nota do Enem, o aluno pode certificar o ensino médio e já obter uma vaga na universidade. WWW.PREENEMABRILCOM.BR 5
    • POR DENTRO COMO É O ENEM 6 WWW.PREENEMABRIL.COM.BR P ara ter sucesso no Enem, preparação é fundamental. É preciso conhecer bem o exame e o que será exigi- do de você. Nesta matéria, abordamos as competências necessárias para responder às questões da prova, explicamos como a pontuação de cada aluno é calculada e como se chega à nota final, e ainda trazemos uma pesquisa re- lacionando os acertos e a pontuação de alunos que prestaram o Enem de 2011 e uma lista de notas de corte do Sisu para que você se sinta mais bem preparado para enfrentar esse desafio. O conteúdo exigido na prova do Enem está descrito na matriz de referência divulgada pelo Ministério da Educa- ção (MEC), com base no currículo do ensino médio. A matriz está disponível no site do MEC e especifica as compe- tências e habilidades exigidas na prova (e pedidas nas questões). Vale a pena conferir. O ponto forte da prova é exigir competência leitora, ou seja, medir a capacidade dos alunos para entender o que estão lendo nas perguntas (veja na pág. 20). Outra exigência é que o estu- dante tenha competência para relacio-
    • • NOTAS o exame é uma verdadeira maratona de questões, com 180 perguntas divididas em quatro áreas nar conhecimentos de várias matérias - a chamada interdisciplinaridade. Desenvolvida pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), a prova do Enem é fundamentada em cinco capacidades básicas, ou "eixos cognitivos", definidos pelo MEC: públicas que participam do Sisu -, o Enem tornou-se uma prova extensa. Até 2008, o exame tinha apenas 63 questões, além da redação. A partir de 2009, ele quase triplica de tamanho, passando a ser composto de uma re- dação e mais 180 questões objetivas de múltipla escolha, divididas em quatro partes. São 45 questões para cada área do conhecimento:e domínio de linguagens; e compreensão e interpretação de fenômenos; e solução de problemas; e construção de argumentação; e elaboração de propostas. e Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias, em que são cobrados conhecimentos de língua portuguesa, literatura e língua estrangeira moderna (inglês ou espanhol); Para que os estudantes dessem con- ta de cumprir esse longo exame, uma verdadeira maratona de questões, desde 2009 a prova do Enem passou a ser realizada em dois dias, num fim de se- mana. A prova de 2012, por exemplo, foi realizada em 3 e 4 de novembro. No primeiro dia, sábado, o horário é das 13h às 17h30. No segundo dia, domingo, além das 90 questões, há a redação, e por isso a prova tem uma hora a mais, das 13h às 18h30. É importante chegar com, no mínimo, uma hora de antece- dência ao local da prova. oEnem também pede aos estudantes boa dose de conhecimento de atualida- des em diversas áreas, como política, economia, situação internacional e cida- dania. Por isso, é importante que o candi- dato se mantenha informado sobre o que está acontecendo no Brasil e no mundo, por meio da leitura regular de jornais, revistas e sites (veja na pág. 22). Para dar conta desse conjunto de ob- jetivos - e principalmente da necessida- de de selecionar as centenas de milha- res de candidatos para as universidades e Ciências Humanas e Suas Tecnologias, que aborda geogra- fia, história, filosofia e sociologia; e Ciências da Natureza e Suas Tecnologias, que traz perguntas sobre biologia, química e física; e Matemática e Suas Tecnologias, que exige conheci- mentossobre matemática e a relação des- sa matéria com problemas cotidianos. WWW.PREENEMABRIl.COM.BR 7
    • • _PO_R_DE_NT,_RO__ '" COMO to ENEM ocálculo da nota Saiba como o Enem é elaborado e como se chega à pontuação , Enormal a dificuldade em compreen- der a nota do Enem. Sevocê se sente assim, tenha certeza de que não é o único. Isso porque a escala da pontuação não é a mesma a que estamos acostumados desde pequenos, de "zero a 10",ou de zero a 100 ou a 1.000.A lógica da nota é outra Assim, o principal ponto que causa confusão entre os candidatos é que o número de questões corretas no exame não se reflete, de forma direta, na nota final. Para começar, é importante entender que a nota da prova tem um significado pedagógico e é calculada em uma escala criada especialmente para o Enem, com o objetivo de medir o conhecimento de cada aluno e do conjunto, tendo como base a matriz de competências e o currículo do ensino médio. Todos os estudantes são avaliados pelo mesmo critério. Podemos dizer que a nota do Enem é uma régua, em que a nota 500 equivale ao desem- penho médio dos alunos da rede pública da 3a série do ensino médio em 2009 (o primeiro ano do novo exame). Com base nessa régua, é atribuída a nota de todos os alunos que prestam o Enem. TRI O primeiro passo para dar forma ao exame é o pré-teste. Nele, são testados milhares de questões, elaboradas por professores, com alunos do ensino médio de todo o pais. A partir das respostas, cada questão tem seu grau de dificul- dade apurado, o que vai corresponder a determinado lugar na régua do Enem. Com os resultados dos pré-testes, to- das as questões do Enem são postas na régua, e, com base na posição de cada questão, serão avaliadas as respostas dos estudantes que prestam o Enem. A a WWW.PREENEMABRIL.COM.BR ENTENDA A NOTA DO ENEM OEnem não é uma prova tradicional, e muitos estudantes ficam inseguros com as notas do exame. Isso porque as notas das quatro áreas - Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza, Ciências Humanas e Matemática - não representam só a proporção de erros e acertos na prova, mas dependem também do grau de dificuldade das questões acertadas e da consistência de suas respostas. Saiba aqui como são calculadas as notas finais dos participantes 800 700 600 MONTANDO A RtGUA A nota do Enem écomo uma régua, feita para medir o grau do conhecimento dos alunos. t uma régua que só tem dois parimetros: a) Omeio da régua é o número 500. Essenúmero corresponde à média de acertos na prova de 2009 dos alunos do 3° ano do ensino médio. Oque isso quer dizer? Que,sevocê tirar 500 em alguma área no próximo Enem,seu desempenho terá sido semelhante ao daqueles alunos de 2009. b) Depois, coloca-se na régua os intervalos de 100 pontos para baixo (400, 300 ...) e para cima (600, 700..). Cada100 pontos correspondem à diferença média - para cima e para baixo - do desempenho dos alunos de 2009 (issosechama desvio-padrão). Uma vez feita a régua, a nota pode variar em diferenças ínfimas, como 500,1 ou 489,3. Como o desempenho médio dos alunos foi medido por área - Matemática, Ciências Humanas, Linguagens e Códigos e Ciências da Natureza -, cada uma tem sua régua. partir do pré-teste, o Inep - instituição responsável pela realização do Enem - forma um banco de dados com milhares de questões, do qual são extrai das as 180 que compõem o exame nacional. O cálculo da nota do Enem é baseado na Teoria de Resposta ao Item (TRI), um conjunto de modelos estatísticos que explicamos em detalhe no infográfico acima O professor Dalton Francisco de Andrade, do Departamento de Informáti- ca e Estatística da Universidade Federal de Santa Catarina e pesquisador da Vu- nesp, explica que, pela TRI, os alunos que tiverem acertado o mesmo número de questões podem ter notas diferentes, em razão da coerência das respostas: espera- se que um candidato que acerte questões difíceis também acerte as fáceis. Caso o estudante acerte muitas questões difíceis, mas erre outras fáceis, haverá redução na pontuação, pois a TRI vai considerar que há alta probabilidade de os acertos terem sido casuais. A TRI ainda permite "calibrar" as pro- vas para que elas tenham um grau de dificuldade adequado às necessidades do exame. E, como as provas medem
    • M~ ~ _ • Quest~o 32 800 • QuesUo12 700 • QuesUo8 600 !.;;; • Questão 1 ; :;; ~.;;; :::e ~ • QuesUo3 ~ ~.;;; :::e 400 J, • Questão 22 300 • QuesUo 15 • Questão 42 200 • QuesUo13 ~ ~""""""'"'''" "'"''''"'""'"''''"'"~ ,~PR~·TESTE Para que cada questão seja colocada na régua, ela passa por um pré-teste antes do Enem, organizado pelo MEC.Participam escolas em todo o Brasil. Cada aluno participante do pré-teste recebe um caderno com 48 questões. Assim, são testados milhares de questões que vão integrar o banco de dados do MEC.Do conjunto de questões do banco, saem as 180 que vão compor o Enem. COMO FUNCIONA A R~GUA Na régua são colocadas todas as uestões or seu rau de dificuldade. Assim, cada questão ocupa um lugar nela. As mais fáceis ficam para baixo de 500; as médias, por volta de 500; as mais diflceis, para cima: 600, 700, 800. Durante a prova, as respostas às questões vão definindo o grau de conhecimento de cada aluno. Por exemplo, de um aluno com grau de conhecimento 600 em Matemática, espera-seque acerte as questões abaixo de 600 e erre as que estão acima de 600. A ELABORAÇAo DA PROVA Para montar a prova, o MEC seleciona o conjunto das 45 questões de cada área. Elastêm de medir o domínio das competências, habilidades e conteúdos previstos na matriz de referência do Enem e são compostas equilibrando o grau de dificuldade das questões - fáceis, médias e difíceis. A régua, o pré·teste e o cálculo final da nota são feitos por um método chamado de TRI(Teoria da Respostaao Item). o conhecimento dos alunos sempre na mesma escala, sua grande vantagem é possibilitar a comparação dos resultados de exames diferentes. Isso pennite não só acompanhar a evolução dos alunos no decorrer dos anos como também fazer duas ou mais provas por ano e usar os resultados de qualquer uma delas para a disputa de vagas. Redação No Enem, a redação se baseia nos mesmos eixos cognitivos e na matriz de referência das questões objetivas. CALCULO DAS NOTAS Na nota final, calculada por computador, o Enem considera a consistência das respostas. Dois alunos com cinco questões certas em Matemática, por exemplo, podem ter notas diferentes. Oque acertou as cinco mais fáceis terá uma nota maior, pois seu desempenho é coerente. Ooutro, que errou questões fáceis e acertou outras difíceis, terá a sua nota reduzida pelo cálculo da casualidade, ou seja, a TRI entenderá o acerto nas questões difíceis como "chute" e reduzirá o valor do item certo. NOTAS GERAIS A prova do Enem fornece cinco notas, uma para cada área de conhecimento - Ciências da Natureza, Ciências Humanas, Linguagens e Códigos e Matemática - e mais uma para a redação. Parao cálculo das notas das quatro áreas é usada a metodologia TRI.A nota de redação segue o sistema tradicional: a nota varia de o a 1.000. Porém, sua nota é calculada de maneira totalmente distinta e se baseia na escala tradicional de zero a 1.000 pontos. Leva zero o texto que não atender ao básico da proposta solicitada (tema e tipo de texto) ou tiver menos de sete linhas. A correção é feita por duas pessoas, que atuam de forma independente, sem que uma conheça a avaliação feita pela outra. A nota final corresponde à média das duas notas. Mas, no Enem de 2011, a correção da prova de redação acabou causando polêmica: 122 candidatos entraram na /' Desempenho coerente, --. notamaior li G G G ~.~ :;400.;;; :::e J, G O O Provável 'chute", nota reduzida 300 REDAÇÃO Justiça exigindo uma reavaliação. Se- tenta e nove deles conseguiram. O MEC então decidiu fazer mudanças no modo de correção a partir de 2012. Agora, caso aconteça uma diferença de 200 pontos ou mais entre as duas ava- liações (ou de 80 pontos em alguma das cinco competências), a redação passará por uma terceira correção, feita por outro corretor. Nos casos em que nem o terceiro corretor consiga chegar a um consenso com os outros, a prova será submetida a uma banca examinadora, que dará a nota final. WWW.PREENEMABRILCOM.BR 9
    • Notas de corte Entender como a nota do Enem é cal- culada e relacionar as questões certas a essa nota ajuda. Mas ainda fica a dúvida: que nota eu preciso ter para me classifi- car para a vaga que quero no Sisu? Saber _PO_RD_E_H"'_RO_--,-" COMO É O EN EM do aluno. Para facilitar a compreensão, fomos atrás de uma pesquisa realizada com quem fez a prova em 2011 e compa- rou o número de acertos com o resultado do exame. O educador Mateus Prado, especialista em Enem, desenvolveu um estudo com alunos de todo o país em que 123 candidatos declararam seus acertos na prova do Enem de 2011(cada área tem 45 questões) e, depois, suas notas, após a divulgação do boletim de desempenho individual do Inep (veja os gráficos da pesquisa na pág. ao lado). É possível ver, pela pesquisa, que o número de acertos guarda uma relação consistente com a nota final em cada área, mas há uma margem de variações. Nos gráficos, isso fica expresso pelo fato de o número de questões certas aumentar, em geral, com a nota, enquanto a largura da mancha mostra as variações. Isso exem- plifica como funciona o TRI: o mesmo número de acertos resulta em notas dife- rentes para os estudantes (dependendo do grau de coerência do conjunto das respos- tas). Nestes casos, avariação entre as notas não foi grande para os alunos com muitos acertos. Três candidatos que acertaram 41 itens de Ciências Humanas tiraram entre 692 e 717 pontos. A variação das notas foi maior no conjunto de estudantes com menos acertos. Na mesma área de Humanas, a variação entre quem acertou 14 itens foi de 410 a 471 pontos. Isso é natural, pois, com menos acertos, houve muito mais variação na composição das questões acertadas: com 41questões cer- tas, os três candidatos preencheram quase toda a prova de forma semelhante; mas, com apenas 14certas, as diferenças de um candidato para outro acentuam-se. No universo dos estudantes da pes- quisa, não houve média final abaixo de 400 pontos. O que verificamos é que, em Linguagens e Códigos, 17acertos deram a nota 505,3 a um aluno; em Ciências Hu- manas, 14questões corretas deram 410,5 pontos a outro; em Ciências da Natureza, nove acertos resultaram em 387,5 pon- tos (e dez, em 412,3); e, em Matemática, 11acertos resultaram na nota 475,8. /' a nota de corte do ano anterior não é uma garantia, mas ajuda o estudante a entender qual é o tamanho do desafio que ele tem pela frente, e com isso pla- nejar melhor seus esforços. O MEC não divulga as notas de cor- te por curso após o final da seleção dos classificados, mas, no processo seletivo do Sisu em 2013, a reportagem do GUIA DO ESTUDANTE teve acesso às notas de corte durante os quatro dias em que as inscrições no Sisu estavam abertas. No úl- timo dia, antes de as inscrições se encer- rarem, selecionamos nove carreiras em universidades públicas para apresentar as notas de corte: Administração, Arquite- tura e Urbanismo, Ciências Econômicas, Engenharia Civil, Direito, Comunicação Social (Jornalismo), Psicologia, Medicina e Relações Internacionais. Para selecio- nar as universidades de cada carreira, foi utilizado o critério dos melhores cursos do país, segundo o GUIA DO ESTU- DANTE PROFISSÕES 2013. Incluímos ainda, como um referencial, o curso com a nota mais baixa para as vagas de ampla concorrência. Assim, é possível ter uma noção de quanto foi a nota mínima de corte para entrar nessas carreiras no Sisu de 2013. Mas lembre-se: essa não é a nota de corte definitiva, pois os dados foram compilados no fim do penúltimo dia. É possível que uma parte dos alunos tenha trocado de opção no último dia, mudando, desse modo, as notas finais de corte em cada curso. Mesmo assim, esse levantamento tem uma utilização prática. Pela tabela que você vê na página 12, dá para ter uma ideia aproximada da pontuação necessá- ria para entrar nos nove cursos. Juntando essa informação com os gráficos desta reportagem que permitem estimar o nú- mero aproximado de questões certas para atingir determinada pontuação, você pas- sa a ter uma referência aproximada para avaliar o seu desempenho em simulados do Enem. Isso permite, por exemplo, que você descubra a que distância está de seus objetivos, ou seja, de ingressar nos cursos que pretende cursar. Por exemplo, para entrar em Psicologia na Universidade Federal de São Carlos (Ufscar) no Sisu 2013, foram necessários 746 pontos. Se- gundo a pesquisa com os estudantes que prestaram o Enem, para obter essa nota o aluno teve de acertar entre 145 e 150 questões aproximadamente. No Enem 2011, as pontuações mais altasforam nas áreas de Matemática e de Ciências da Natureza Notafinal Após o Enem, o estudante recebe cinco notas: uma para cada área do conheci- mento, mais a da redação. Em cada área, as notas máximas dos alunos em 2011 - todos provavelmente com as 45 questões certas na área - foram: Matemática: 953 pontos; Ciências Humanas: 793,1;Ciên- cias da Natureza: 867,2; e Linguagens e Códigos: 795,5.As notas mínimas foram 321,6 pontos em Matemática; 252,6 em Ciências Humanas; 265 em Ciências da Natureza; e 301,2 em Linguagens e Có- digos. Como a redação é corrigida com um método diferente, a mínima foi de zero ponto e a máxima de 1.000 pontos. Analisando essas notas, pode-se perce- ber um pressuposto do TRI: as réguas fo- ram diferentes entre si.A de Matemática, por exemplo, teve os pontos minimo e má- ximo bem mais altos que os da régua de Ciências Humanas. O motivo é simples: na prova de 2009, os alunos tiveram de- sempenho melhor em Humanas, e, assim, o "500" da régua de Humanas ficou num ponto de maior dificuldade. Em Matemá- tica, houve o contrário: o "500" da régua ficou baixo, e, dessa forma, sobrou pou- co espaço para baixo e muito para cima. Conclusão: quem foibem em matemática teve sua média final ampliada. Mais um ponto: como pode chegar a 1.000, a nota de redação acaba sendo a mais importante na hora de tirar a média das cinco pontuações. Em sua preparação para o Enem, é bom garantir um lugar especial para aprimorar sua capacidade de redigir uma boa dissertação. ' Acertos versus notas Mesmo depois de compreender na teo- ria como se chega à nota do Enem, todo esse processo pode ainda parecer distante 10 WWW.PREENEMABRILCOM.BR
    • •-------------------------------------------------------------------------------------------------- VEJAA RELAÇÃO ENTRE O NÚMERO DE ACERTOS E A NOTA DO ENEM Como mostram os gráficos, há uma relação consistente entre o número de questões que o aluno acerta e sua nota final em cada área do Enem de 2011. Osgráficos são o resultado de uma pesquisa feita pelo professor Mateus Prado com 123 alunos. Note que há variações da nota entre alunos com o mesmo número de acertos, mas dentro de certos limites •• NOTADEGlOVANA, repórter do GUIA DO ESTUDANTE OCI~NCIAS 45 aCI~NCIAS DA 45 HUMANAS 40 NATUREZA 40 Veja o caso dos dois Comparando com o alunos escolhidos: 35 desempenho de 35 ambos acertaram 28 E! 30 Giovana: com 27 E! 30 questões, o aluno 1 '" acertos, o aluno 1 '" teve nota 582,3 e o 2, ~ 25 teve 638,9 pontos, e o ~ 25 w 8~ w 511,4. Obteve a nota c 2,636,3; com nota c ~ 20 ~ 20 maior o aluno com o 2l OS exatamente igual à 2l conjunto de respostas .~ 15 0000 dela, o aluno 3 .~ 15 mais consistente. Com 10 acertou 24; o aluno 4, 10 44 acertos em 45, o com 607,8 pontos, melhor da turma fez tam bém conseguiu 24 784,4 pontos. o' questões certas. o' 300 400 500 600 700 800 900 1000 300 400 500 600 700 800 900 1000 NOTA NOTA 45 QMATEMATICA 45 LINGUAGENS ECODIGOS 4(} Olhe os gráficos de 1 a 40 Vemos aqui dois 35 4 e o 6, corrigidos com 35 alunos com notas a TRI.Temosaqui a parecidas, e número s 30 maior nota: 897,8, com :g 30 de acertos diferentes: ~ 43 acertos. O motivo é li: '" o o aluno 1 teve 15 ~ 25 que o ponto 500 da ~ 25 w w c c acertos e 540 pontos, ~ 20 régua de matemática s 20 02, 24 acertos e 537,5- 2l o· equivale à menor 2l Provavelmente, o .~ 15 Aluno 1;:- média de acertos .~ 15 o segundo acertou 10 (em 2009). Assim, há 10 o questões difíceis e espaço para quem errou fáceis, o que acertar bastante reduziu sua nota. o' ampliar sua nota. o' 300 400 500 600 700 800 900 1000 300 400 500 600 700 800 900 1000 NOTA NOTA REDAÇAo 1000 QNOTAFINAL 180 A nota da redação Vejamos exemplos de segue o padrão 800 variação entre acertos 150 tradicional: vai de o a e notas (com a nota '"o 1.000. Entre os 123 :!: de redação incluída): ffi 120v alunos do estudo, a ~ 600 aluno 1, 159 acertos, ~ nota mais alta foi 980, nota 779; aluno 2, 148 ~ • e a menor, 360. Ouso acertos, nota 698,6; 2l 90 .:> de outro critério 400 aluno 3, 123 acertos, z facilita que a nota de nota 691; aluno 4, 112 60 e--Aluno6 redação supere a 200 acertos, nota 565,4; média das demais: no aluno 5, 79 acertos, 30 estudo, issoocorreu nota 566,1; aluno 6, com 85 alunos (69%). 52 certas, nota 476,8. o' 300 400 500 600 700 800 900 1000 ALUNOS /' NOTA WWW.PREENEMABRIL.COM.BR 11
    • _PO_RD_E_Nl_RO__ ~",~(_O_M_O_É_O__E_N_EM e __ Será que eu passol o ENEM FORNECE A NOTA USADA PELO SISU. O MEC NÃO INFORMAAS NOTAS DE CORTE FINAIS. TRAZEMOS AQUI AS NOTAS DE CORTE PARA VAGAS EM AMPLA CONCORRrNCIA EM NOVE CARREIRAS, PESQUISADAS UM DIA ANTES DE ENCERRADAS AS INSCRIÇOES NO SISU 2013 MEDICINA Instituição Total de Vagas Nota corte vagas ampla cone. ampla cone. UFC 160 140 784,78 UFG 22 17 805,60 UFV 40 32 790,54 UFU 30 20 817,77 UFPR 18 10 813,36 UNIRIO 77 67 787,56 UFF 87 68 792,62 UFRR 6 2 771.17 UESPI* 50 34 760,71 COMUNICAÇÃO SOCIAL - 10RNALlSMO Instituição Total de Vagas Nota corte vagas ampla cone. ampla cone. UFC 50 43 703,26 UFG 10 8 725.14 UFV 32 25 712,48 UFjF 49 24 713A4 UNIPAMPA* 50 25 675,02 ARQUITETURA E URBANISMO UFAL - Campus A. C. Simões 36 27 705A6 UFPB 28 18 723,16 UTFPR 44 22 748,50 UFRRj 25 12 773,73 UFPEL 60 36 730)4 UFAL - Campus Arapiraca* 40 30 685,20 PSICOLOGIA UFAL 80 60 670.12 UFAM 28 24 683)9 UFC 80 70 714,86 UFjF 38 19 719,58 UFSj 4 2 712,59 UFPB 44 29 691,78 UFPR 8 4 758,52 UFF 49 38 715,50 UFSCAR 40 24 746,70 UNIFESP 50 42 726,18 UFPI* 50 43 650,14 ADMINISTRAÇÃO UFPB 48 31 670)4 UFPR 6 3 747,84 UFRN 25 21 664A2 UFU 30 20 706,26 UNEMAT* 40 40 588,31 RELAÇÕES INTERNACIONAIS ENGENHARIA CIVIL UFAM 28 24 715,96 UFC 100 87 711,08 UFF 44 34 749,78 UFG 9 7 776,58 UFjF 73 36 743,00 UFOP 36 25 764,68 UFPR 17 10 762,82 UFRj 60 42 782,64 UFSCAR 80 48 767,33 UFU 30 20 779,25 UFV 48 38 756,16 UTFPR 44 22 753,20 UFAL* 40 30 693,36 DIREITO UFAL 52 39 718,56 UFC 100 87 749,74 UFMS 60 52 736,38 UFPB 4.0 26 751,98 UFPR 10 6 785AO UFU 30 20 760,34 UESPI* 40 28 669,77 CIÊNCIAS ECONÕMICAS UFG 8 6 739,90 UFC 80 70 663,40 UFU 30 20 733,20 UFG 8 6 720,58 UEPB (matutino) 48 24 690,64 UFV 40 32 708,60 UFPB 24 16 716,64 UFjF 39 19 723,18 UFRj 60 42 756,11 UFU 30 20 709,64 UFF 54 42 735,52 UFMS 60 52 682)3 UFRRj 40 20 738,08 UFPB 36 23 658,18 UFRR 7 2 718,56 UFPI 40 35 648)6 UNIPAMPA 50 25 701,32 UFPR 8 4 744,56 UFPEL 50 30 717,72 UFT 5 4 701,80 UNIFESP 40 34 746,42 UEMS* 50 35 609,23 UEPB (noturno)* 24 12 688,26 Fonte: Sisu * Curso com nota mais baixa entre as instituições para as vagas de ampla concorrência /' 12 WWW.PREENEMABRIl.COM.BR