Centro Universitário
   Celso Lisboa
       Aula 5 – Administração de Benefícios.
                         Prof. Angelo Pe...
As recompensas ( incentivos )
freqüentemente conseguem aumentar a
probabilidade de ser fazer alguma coisa.
As recompensas,...
Sim.
 Desde que atinjam diretamente as
 necessidades daqueles que se quer
              atingir.
Porém, e aí é o problema,...
A moderna gestão de RH reflete, hoje,
   sobre este problema: uma contínua
 dependência das recompensas que pode
gerar ( o...
As recompensas
   melhoram o desempenho?




  “Não há evidência que indique que as
 pessoas trabalham mais produtivamente...
REMUNERAÇÃO é o somatório ( ou o
    conjunto ):


                                   Salário
                            ...
O problema na concessão dos incentivos
  é o esvaziamento do ganho;
 Na intenção de manter a produtividade
 de determinado...
Em que casos conceder
      INCENTIVOS?




  Em atividades simples, repetitivas. Ou
 melhor, em atividades que não exigem...
E quando não se deve ter uma
   ação de INCENTIVOS?
  Ou melhor, quando uma ação de
   INCENTIVOS pode ser lesiva.




   ...
Plano de INCENTIVOS vs
       PUNIÇÃO.
                 angelo peres




 Os profissionais de RH tem que ter em
 mente que...
Exemplo:


Prêmio => possível de se conseguir.
Quando não atingido é desmoralizante
não tê-lo conseguido. Isto gera frustr...
A gestão de RH deve estimular um
   ambiente de trabalho em equipe; de
   cooperação; de desenvolvimento de
 habilidades e...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Aula 5 Benefícios E Incentivos

8,815 views

Published on

aula sobre benefícios

Published in: Education, Business, Technology
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
8,815
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 5 Benefícios E Incentivos

  1. 1. Centro Universitário Celso Lisboa Aula 5 – Administração de Benefícios. Prof. Angelo Peres É eficaz recompensar com incentivos? 1
  2. 2. As recompensas ( incentivos ) freqüentemente conseguem aumentar a probabilidade de ser fazer alguma coisa. As recompensas, via de regra, oferecem uma razão particular para realizá-la, bem como mudam sua atitude diante da atividade. As recompensas (incentivos) mudam o comportamento? 2
  3. 3. Sim. Desde que atinjam diretamente as necessidades daqueles que se quer atingir. Porém, e aí é o problema, estes efeitos tem tempo limitado. Para que a mudança de comportamento dure, geralmente é necessário manter as recompensas se repetindo. O problema das recompensas se repetindo é que elas podem levar a um certo saciamento daquela vontade específica; e, tornarem-se não mais compensadoras. 3
  4. 4. A moderna gestão de RH reflete, hoje, sobre este problema: uma contínua dependência das recompensas que pode gerar ( ou criar ) uma série de problemas práticos, incluindo um aumento de exigências por parte destes incentivos. Assim, uma recompensa deve ser planejada, de tal sorte que (ela) seja percebida como importante (desejável) e que gere uma mudança duradoura. 4
  5. 5. As recompensas melhoram o desempenho? “Não há evidência que indique que as pessoas trabalham mais produtivamente quando esperam ser recompensadas em proporção a seus desempenhos do que quando esperam ser igualmente recompensadas, ou na base de suas necessidades”. Morton Deutsch 5
  6. 6. REMUNERAÇÃO é o somatório ( ou o conjunto ): Salário Benefícios Incentivos Benefícios => Estão ligados a bem-estar. Incentivos => Aumento de produtividade. 6
  7. 7. O problema na concessão dos incentivos é o esvaziamento do ganho; Na intenção de manter a produtividade de determinados setores/unidades, em alguns casos, as áreas de RH erram “na mão”. Quando isto ocorre... Há uma “quebra na motivação”, boicotes, etc. Incentivos atuam no estímulo e não na motivação. 7
  8. 8. Em que casos conceder INCENTIVOS? Em atividades simples, repetitivas. Ou melhor, em atividades que não exigem o raciocínio ( atividades com baixo grau de abstração ). Ou melhor, em atividades quando o desempenho quantitativo prevalece. 8
  9. 9. E quando não se deve ter uma ação de INCENTIVOS? Ou melhor, quando uma ação de INCENTIVOS pode ser lesiva. Em atividades consideradas interessantes para o trabalhador daquela atividade. Ou quando a atividade ( a tarefa ) não tem um resultado conhecido. Ou seja, quando a tarefa é “em aberto” ( ou não se conhece o resultado dela ). 9
  10. 10. Plano de INCENTIVOS vs PUNIÇÃO. angelo peres Os profissionais de RH tem que ter em mente que, no Plano de Incentivos, está embutido a ( mesmo que não queiramos ) PUNIÇÃO. Tanto um quanto outro carregam aspectos + e -. Um Plano de Incentivos, no limite, não são naturais, são controladores e manipuladores. 10
  11. 11. Exemplo: Prêmio => possível de se conseguir. Quando não atingido é desmoralizante não tê-lo conseguido. Isto gera frustração, entre outros problemas. Os Planos de Incentivos florescem em relações assimétricas. 11
  12. 12. A gestão de RH deve estimular um ambiente de trabalho em equipe; de cooperação; de desenvolvimento de habilidades e conhecimentos em equipe. O conceito Incentivo está calcado na suposição que a eficácia está na soma dos desempenhos. Não se deve supor ( NUNCA ) que um bom Plano de Incentivos é lesivo às organizações, não é disto que se trata esta aula. Esta aula procura fazer uma reflexão sobre as diversas situações (possibilidades) de se implantar tal ação de RH. 12

×