• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Aula 4   2014.1 ucam - comp org - motivacao inteligencia e vontade
 

Aula 4 2014.1 ucam - comp org - motivacao inteligencia e vontade

on

  • 336 views

 

Statistics

Views

Total Views
336
Views on SlideShare
335
Embed Views
1

Actions

Likes
1
Downloads
4
Comments
0

1 Embed 1

http://www.slideee.com 1

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Aula 4   2014.1 ucam - comp org - motivacao inteligencia e vontade Aula 4 2014.1 ucam - comp org - motivacao inteligencia e vontade Document Transcript

    • 29/01/2014 Aula 4 Disciplina: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Temas: Motivação, Inteligência, Vontade e Inteligência Emocional. Prof. Angelo Peres MOTIVAÇÃO Nosso comportamento é, geralmente, motivado por um desejo de atingir algum objetivo Fonte: http://site.suamente.com.br/a-motivacao-no-ambiente-profissional/ comportamento comportamento Nossos objetivos nem sempre são conscientes. Fonte do Slide: http://equilibriocorpoemente.wordpress.com/2010/07/27/motivacao-interna-xmotivacao-externa/ 1
    • 29/01/2014 Em grande parte nossos impulsos que motivam nossos padrões de comportamento são inconscientes. Portanto, grande parte de nosso comportamento é influenciada por necessidades e motivos inconscientes. Ou seja, uma parte importante da motivação humana está abaixo da superfície. CONSCIENTES INCONSCIENTES Assim, de certa forma, pode-se entender porque as pessoas diferem-se: por suas capacidades, ou por sua vontade (ou motivação). Fonte do Slide: http://www.evolucaohumana.com.br/blog/?p=3363 2
    • 29/01/2014 Esta afirmação está correta? Os objetivos estão fora dos indivíduos. MOTIVOS OS MOTIVOS, OU NECESSIDADES, SÃO MOLAS DE AÇÃO. OBJETIVOS + Força de Motivos Quando uma necessidade é satisfeita (saciada), esta fica com menor força e, normalmente, não motivam mais. Porém, nesta hora uma outra necessidade entra como a competitiva. - Quantidade de Motivos 3
    • 29/01/2014 Ou seja, quando uma necessidade é satisfeita, já não é mais um motivador do comportamento. Quando uma necessidade é satisfeita... Denominase necessidade saciada. Quando uma necessidade não é satisfeita... Denominase necessidade bloqueada. Uma pessoa pode tentar diferentes comportamentos a fim de encontrar o comportamento que permita chegar ao objetivo ou que reduza a tensão criada pelo bloqueio. Bloqueio Bloqueio Triunfo Na ausência de qualquer resultado positivo, a pessoa pode encontrar objetivos substitutos. 4
    • 29/01/2014 Uma pessoa pode tentar diferentes comportamentos a fim de encontrar o comportamento que permita chegar ao objetivo ou que reduza a tensão criada pelo bloqueio. SITUAÇÃO MOTIVADORA. ATIVIDADE DIRIGIDA PARA O OBJETIVO MOTIVO COMPORTA MENTO OBJETIVO ATIVIDADE NO OBJETIVO TEORIAS DA MOTIVAÇÃO. Fonte: http://arquivos.unama.br/nead/gol/gol_adm_3mod/lider_desenv_gerencial/web/Aula13/verprint.htm 5
    • 29/01/2014 Fonte: http://arquivos.unama.br/nead/gol/gol_adm_3mod/lider_desenv_gerencial/web/Aula13/verprint.htm O que é inteligência? Fonte: http://arquivos.unama.br/nead/gol/gol_adm_3mod/lider_desenv_gerencial/web/Aula13/verprint.htm A capacidade mental de raciocinar, planejar, resolver problemas, abstrair ideias, compreender ideias e linguagens e aprender. 6
    • 29/01/2014 Inteligência é habilidade cognitiva. Inteligentes são as pessoas que encontram soluções e saídas de situações espinhosas, ou que sacam respostas com rapidez. Inteligência Emocional Inteligência é a capacidade de ler entre as linhas e de ligar idéias não explicitamente relacionadas. “Capacidade de fazer deduções a partir de relações e correlações” Spearman (1863-1945) É a capacidade de reconhecer os próprios sentimentos e os dos outros, assim como a capacidade de lidar com eles. 7
    • 29/01/2014 Está relacionada a habilidade de motivar a si mesmo e persistir mediante frustrações; controlar impulsos, canalizar emoções para situações apropriadas; praticar gratificação prorrogada; motivar pessoas, ajudando-as a liberarem seus melhores talentos, e conseguir seu engajamento a objetivos de interesses comuns(Gilberto Vitor). 1. Autoconhecimento Emocional - reconhecer um sentimento enquanto ele ocorre. 2. Controle Emocional - habilidade de lidar com seus próprios sentimentos, adequando-os para a situação. 3. Automotivação - dirigir emoções a serviço de um objetivo é essencial para manter-se caminhando sempre em busca. 4. Reconhecimento de emoções em outras pessoas. 5. Habilidade em relacionamentos interpessoais. Nossas emoções possuem o potencial de nos servir como um sofisticado e delicado sistema interno de orientação. As cinco áreas de habilidades da Inteligência Emocional: Inteligência Intrapessoal Autoconhecimento; Controle emocional; e Automotivação. Inteligência Interpessoal Reconhecimento das emoções; e Habilidade de relacionamento. Nossas emoções nos alertam quando as necessidades humanas naturais não são encontradas. 8
    • 29/01/2014 Nossas emoções são uma fonte valiosa da informação. Nossas emoções nos ajudam a tomar decisões. Se nós aprendermos a confiar em nossas emoções isto nos ajudará a ajustar nossos limites que são necessários para proteger nossa saúde física e mental. oNossas expressões faciais podem demonstrar uma grande quantidade de emoções. Também é necessário que nós sejamos eficazes para escutar e entender os sinais dos outros. Quando nos sentimos incomodados com o comportamento de uma pessoa, nossas emoções nos alertam. Nossas emoções ajudamnos a comunicar com os outros. Nossas emoções são talvez a maior fonte potencial capaz de unir todos os membros da espécie humana. 9
    • 29/01/2014 REFERÊNCIAS: BOWDITCH, J.;BUONO, A. Elementos de Comportamento Organizacional. São Paulo: Pioneira, 2002. GOLEMAN, D. Inteligência Emocional. São Paulo: Objetiva, 1995. HERSEY,P.;BLANCHARD. Psicologia para Administradores de Empresas. São Paulo: EPU, 1977. 10