Aula 3 2014.1 ucam - planejamento de carreira - licoes para a carreira

  • 306 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
306
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
7
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 18/02/2014 Aula 3 – PLANEJAMENTO DE CARREIRAS. Tema: Lições Para a Carreira. Prof. Angelo Peres Fonte: Revista VOCESA, Fev. 2013. CARREIRA significava originalmente, na língua inglesa, uma estrada para carruagens. No mundo do trabalho, modernamente, acabou sendo usada como um canal para atividades econômicas de alguém durante a vida inteira. Fonte: Sennett, 2003. Para CHIAVENATO, carreira significa a sequência de posições e atividades desenvolvidas por uma pessoa ao longo do tempo em uma organização. Fonte: Chiavenato, 2008. A palavra serviço (ou emprego), em inglês do século XIV, queria dizer um bloco ou parte de alguma coisa, que não se podia transportar numa carroça de um lado para o outro. Fonte: Sennett, 2003. Tradicionalmente as empresas traçavam PCs para preparar as pessoas no sentido de ocuparem os cargos mais altos (ao longo dos anos) dentro da hierarquia da organização. Fonte: Chiavenato, 2008. 1
  • 2. 18/02/2014 Contemporaneamente o PC está cedendo espaço para o autogerenciamento da carreira. Ou seja, quem tem que cuidar da carreira (da gestão dela) é o próprio trabalhador. Fonte: Chiavenato, 2008. Dessa forma, modernamente, cada pessoa deverá conhecer seus próprios talentos e saber como aprimorá-los e aplicá-los ao longo da vida profissional a fim de aproveitar as oportunidades que surgirem. Dito de outra forma, cada pessoa é que terá que cuidar (administrar) sua própria carreira; e saber como ajustála às demandas (e as exigências) do mercado de trabalho. Fonte: Chiavenato, 2008. Filme: Planejar a Carreira, com Mário Persona. Fonte: Chiavenato, 2008. Ampliar as competências; Compromisso com os objetivos e metas; Ampliar seu campo de ação/ atuação; e levar em consideração suas limitações e fraquezas Dar guinadas radicais na carreira ; PC tem que ser flexível; O pior inimigo do planejamento de carreira é a autopiedade e a inveja. 2
  • 3. 18/02/2014 Segundo a revista VOCÊ/SA para os postos mais qualificados há sempre vagas em aberto. Porém, há dificuldade de se encontrar profissionais qualificados. Um dos problemas, segundo a revista, é o descompasso entre a formação oferecida pelas faculdades e o conhecimento exigido pelo mercado de trabalho. Fonte: McKinsey & Company, 2012. Por outro lado, Peter Cappelli (2012)* aponta que parte do problema (desse problema) está nas empresas. Ou seja, elas querem alguém que preencha todos os requisitos de imediato, sem passar por um treinamento. Ou, ainda, não tem paciência de esperar que o novo trabalhador se adapte adequadamente ao ambiente. Para a McKinsey aponta em sua pesquisa 13 qualidades (características) mais valorizadas e menos encontradas pelas empresas. * Livro: Why good people can`t Get jobs (Por que as pessoas não conseguem emprego), 2012. O fato é que as empresas estão muito exigentes na hora de contratar. Certo ou errado é assim que o mercado está agindo. Isto provoca certa distância entre o que os centros de ensino oferecem e o que as empresas exigem. Fonte:Revista VOCESA, fev. 2013. 3
  • 4. 18/02/2014 Outro ponto importante é que as empresas estão muito criteriosas nas questões comportamentais e nos valores pessoais. No limite, as empresas querem profissionais que possam fazer (estabelecer ) conexões entre as áreas da organização, que conheçam o negócio, que encontrem soluções e que gerem os resultados, no mínimo, pretendidos pelas empresas. Fonte: Ricardo Loureiro, SERASA EXPERIAN. Uma das estratégias utilizadas pelas empresas está sendo driblar a falta de qualificação de profissionais mais sêniores concentrando esforços na contratação de níveis iniciais de carreira, ou com programas de estágio ou trainee. Esta alternativa as empresas tem a possibilidade de educar o jovem do modo que consideram mais adequado, bem como controlam a folha de pagamento. A verdade é que pairam grandes dilemas para quem busca uma nova posição e⁄ou novo desafio em sua carreira. Estes dilemas são diversos. E para cada nova questão novos desafios deverão ser enfrentados. OS GRANDES DILEMAS DE CARREIRA, SEGUNDO A REVISTA VOCÊ/SA. I - BUSCAR UMA POSIÇAO MAIS ALTA OU FICAR NA ATUAL? Janeiro, 2013. 4
  • 5. 18/02/2014 Para a CATHO busca-se novos postos, em muitos casos, na procura de mais responsabilidade. Porém, em geral, pessoas acima de 35 anos recusam promoções (ou procura evitá-las). II - MANTENHO MINHA REMUNERAÇÃO OU OPTO POR UMA VIDA MAIS EQUILIBRADA? Segundo pesquisas recentes 36% dos profissionais abaixo de 30 anos consideram a QV um quesito tão importante quanto a remuneração, na decisão de manter ou não o emprego. Profissionais com mais idade também prezam um ritmo de trabalho mais light. Nesta questão específica o que vai ditar sua decisão será qual é seu objetivo de vida (ambição de carreira); e o que realmente dá significado à sua vida. Segundo a FIRJAN, 66% dos municípios brasileiros oferecem boas condições de desenvolvimento (emprego, renda, educação e saúde). III - OPTO POR TRABALHAR NUMA CIDADE GRANDE OU NUMA MENOR? O estudo aponta a quase erradicação das localidade com baixo desenvolvimento. 5
  • 6. 18/02/2014 Para a Mckinsey, até 2020, em 13 dos 26 estados brasileiros o consumo deve aumentar mais no interior do que nas capitais. Isto aponta para uma nova realidade: O Brasil terá uma situação inédita de oferta de empregos temporários fora das capitais. Trabalhar no interior (hoje) aponta para uma nova realidade: oportunidade de crescimento; e uma vida mais saudável equilibrada. Segundo pesquisadores, o novo trabalhador deve mais do que ver onde está trabalhando (o local) e, mais: se tem autonomia no trabalho; se o aprendizado é contínuo e de qualidade; e se há importante aumento de responsabilidade na atividade que desempenha. Porém, um ponto deve ser levado em consideração: a família vai com você ? Esta é uma realidade por que todos passamos. Na verdade é um dilema muito estressante. IV - OPTO POR PROLONGAR MINHA CARREIRA ATÉ SER DEMITIDO OU FAÇO UMA MUDANÇA RADICAL? Como saber se seu cargo corre risco? 6
  • 7. 18/02/2014 Perda de competência; Demissões frequentes na empresa; Etc.. O que fazer? Converse com colegas que já passaram por esta situação; Ler sobre o assunto e fale com um mentor; e Prepare-se para a transição na sua carreira enquanto está empregado. V - TER UM EMPREGO ESTÁVELCOM UMA REMUNERAÇÃO BAIXA OU PROCURAR UM TRABALHO CHEIO DE RISCOS MAS COM UMA REMUNERAÇÃO ALTA? A solução (em que alternativa você estiver) é retomar o controle (e o comando) de sua carreira. Gerir sua carreira. Segundos todos os estudos sérios sobre este tema aponta-nos para: remuneração não é fator que mais pesa na decisão de uma pessoa. 7
  • 8. 18/02/2014 A grande fonte de retenção de talentos tem sido: as oportunidades de carreira, o clima da empresa, entre outros. Nestes casos, quem optar por esta situação deverá ter em mente o seguinte: mesmo que o negócio fracasse a experiência trará importante aprendizado. Em negócios comuns (empresas que tenham uma atividade normal e a atividade oferecida seja normal) é importante desconfiar da proposta de trabalho. As empresas que oferecem mais dinheiro (salários muito acima da média do mercado) geralmente estão com dificuldades de contratar ou de reter. Determinadas estratégias de atração de talentos, de algumas empresas, têm realmente sido esta: fisgar o profissional pretendido com uma remuneração acima do mercado. Porém, isto é um risco e o futuro, em alguns casos, é incerto. IMPORTANTE RESSALTAR: VI - NO TRABALHO POSSO REVELAR-ME (COMO SOU NA MINHA INTIMIDADE) OU MANTENHO-ME FRIO? 8
  • 9. 18/02/2014 A cultura das empresas brasileiras, em geral, é sentimentalista. A amizade construída no trabalho não pode ser confundida, e nem pode atrapalhar as relações de trabalho; e, muito menos ao profissionalismo. VII - FAZER UMA CARREIRA LONGA NUMA MESMA EMPRESA OU CIRCULAR POR VÁRIAS? Sugere-se, nestes casos, uma postura amistosa e colaborativa. Porém, filtre as informações que pretende partilhar, bem como tenha cuidado com quem quer (tenciona) fazer esta compartilhação. Você poderá se arrepender terrivelmente. A ideia de fidelidade a empresa que trabalha não existe mais. Ou seja, ser fiel a uma empresa (hoje) chega a ser ingenuidade. Assim, mudar de desafio ao longo da carreira é coisa normal e saudável. O importante é você verificar se suas mudanças de emprego estão dentro de uma lógica de carreira. Ou seja, se estas mudanças te proporcionaram aprendizado, crescimento e aumento de responsabilidade. E se elas (as mudanças) resultaram no desenvolvimento de novas habilidades VIII - SEGUIR NUMA EMPRESA COMO FUNCIONÁRIO OU SER UM EMPREENDEDOR? 9
  • 10. 18/02/2014 Ser executivo tem sua sedução; e, sair de um emprego estável é algo mais que arriscado. Ser um empreendedor requer excepcional noção de gerenciamento, entender de custos, e compreender os movimentos do mercado. Optar por uma empresa em crescimento (em formação) tem muito a ver com o perfil da pessoa. Em geral, elas são mais agressivas, dinâmicas e ousadas (e mais afeitas a inovação e ao risco). Optam por empresas startups startups. Neste tipo de negócio, geralmente, a remuneração é diferenciada e a visibilidade é muito maior. Fora que se aprende muito mais. Ser empreendedor requer que você seja: vendedor, marqueteiro, cuidar de finanças, RH, etc. IX - FICAR EM UMA GRANDE COMPANHIA OU IR PARA UMA PEQUENA? Para uma pessoa jovem esta é uma boa forma de começar no MT. Este tipo de empresa dá a este trabalhador uma visão global do negócio. O risco é embarcar num negócio que pode fechar. 10
  • 11. 18/02/2014 Neste tipo de negócio (empresa startup a startup) mudança é constante; porém, quando a empresa amadurece, fatores, tais como: motivação pessoal, pioneirismo e autonomia, em alguns casos, ficam mais raros. Nestes casos a própria empresa vai carecer de um profissional com outro tipo de perfil. Ou seja, profissionais acostumados a viver em empresas com um crescimento menos acelerado. X - JÁ QUE TEREI DE TRABALHAR ATÉ UMA IDADE MAIS AVANÇADA, DEVO SEGUIR NA MESMA PROFISSÃO OU MUDAR DE CARREIRA? Quando isto ocorre é hora de mudar de ares. Caso você esteja em outra fase em sua carreira(numa fase menos arrojada), sugere-se seguir a empresa. No caso de pessoas com uma idade mais avançada, geralmente, a motivação está na busca da QV. Porém, a mudança de uma ocupação para outra gera estresse e angústia. Fora que, exige esforço extra (emocional e financeiro). O que devemos fazer é, sempre, revisar a carreira (ver se ela está ficando obsoleta em relação as mudanças do MT). Mito Importante Que Temos Que Apagar: não é verdade que temos uma única vocação. Nunca tenha UM ÚNICO PLANO DE CARREIRA. Numa idade madura, por exemplo, é importante ter a percepção de um trabalho significativo, que dá sentido vida. Fonte: Prof. Rogério Chér (FGV). 11
  • 12. 18/02/2014 Em alguns casos, nosso hobby pode se transformar numa nova carreira. Tais como, escrever, cozinhar, costurar, internet, entre outros. Experiência internacional é sabido por todos como muito enriquecedora para o profissional, bem como muito bem vista pelas empresas. Esta experiência (também) pode ser construída em escolas de negócios do exterior XI – FICAR NO BRASIL OU BUSCAR UMA EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL? A aquisição de conhecimento (experiência internacional) valoriza o CV. É bem-vinda em qualquer fase da carreira. Porém, deve-se ressaltar que o Brasil está sendo destino de muitos investimentos externos; e há a perspectiva de crescimento em setores-chaves (infraestrutura, petróleo e gás, serviços, varejo, etc.). Assim, conhecer o mercado brasileiro tornou-se uma competência. E você só consegue desenvolver esta competência ficando aqui. REFERÊNCIAS: CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. SENNETT, R. A Corrosão do Caráter. 7. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003. Revista VOCÊ/SA. Como Encantar as Empresas. São Paulo: Fev., 2013. _________. As Melhores Respostas para Seus Grandes Dilemas de Carreira. São Paulo: Abril, 2013. 12