• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Concessões e PPPs de Rodovias - o que nos falta experimentar?
 

Concessões e PPPs de Rodovias - o que nos falta experimentar?

on

  • 1,158 views

Apresentacao realizada no InfraBrasil Expo Summit (rodovias), em 31 de janeiro de 2012. ...

Apresentacao realizada no InfraBrasil Expo Summit (rodovias), em 31 de janeiro de 2012.
O tema da apresentação é o que já experimentamos no Brasil e o que precisamos experimentar em termos de estruturação de concessões de rodovias.

Statistics

Views

Total Views
1,158
Views on SlideShare
1,157
Embed Views
1

Actions

Likes
1
Downloads
36
Comments
0

1 Embed 1

http://a0.twimg.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution-NonCommercial-ShareAlike LicenseCC Attribution-NonCommercial-ShareAlike LicenseCC Attribution-NonCommercial-ShareAlike License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Concessões e PPPs de Rodovias - o que nos falta experimentar? Concessões e PPPs de Rodovias - o que nos falta experimentar? Presentation Transcript

    • Concessões e PPPs de rodovias:o que experimentamos, o que nos falta experimentar Mauricio Portugal Ribeiro INFRABRASIL EXPO SUMMIT (rodovias) 31 de janeiro de 2012
    • SumárioO que já experimentamos 1.  Contratos baseados em indicadores de desempenho 2.  Novo modelo de equilíbrio econômico-financeiro 3.  Contribuições para lidar com barreiras a competição 4.  Garantia mínima de demanda 5.  Novo modelo de contratoO que desenvolvemos, mas não aplicamos… 6.  Contrato com prazo variável 7.  Estrutura tarifária mais eficienteO que precisamos experimentar… 8.  Pagamento por disponibilidade 9.  Relicitação com indenização de investimento não amortizado 10. Licitação pelo menor valor presente líquido de receitas 11. Sistema de fluxo livre (com cobrança aos usuários por meio dos departamentos de trânsito ou sob a forma de pedágio sombra)
    • O que já experimentamos…
    • Contratos de desempenho •  A partir da BR 116/324, transição de contratos baseados em obrigações de investimento para contratos baseados em obrigações de desempenho : –  Espaço para produção de ganhos de eficiência –  Modifica a forma tradicional de acompanhamento/fiscalização dos contratos •  Requer o desenvolvimento de uma conexão adequada entre os indicadores de serviço e o sistema de pagamentos •  Valor da tarifa pode ser reduzido se os indicadores não são cumpridos
    • Indicadores de desempenho •  De qualidade de pavimento –  IGG –  IRI •  De capacidade da rodovia –  Gatilhos para investimentos baseados em elementos dos níveis de serviço do HCM •  Indicadores de desempenho do serviço –  Resgate de emergencia, remoção e limpeza de despojos se acidentes •  Obrigações de investimento remanescentes –  Ex. instalação de passarelas –  Barreiras New Jersey
    • Descontos na tarifa por falhas de qualidadeFonte:  Estudo  de  viabilidade  da  BA  093,  de  autoria  da  Vetec  Engenharia  e  comissionado  pelo  IFC/BNDES/BID  
    • Novo modelo de manutenção doequilíbrio econômico-financeiro§  Por um lado, Brasil tem tradição de proteção do equilíbrio econômico-financeiro das concessões/PPPs§  Por outro lado, no setor de rodovias a garantia ao equilibrio econômico-financeiro foi interpretada como garantia de taxa de retorno§  Não faz sentido, de uma perspectiva regulatória, haver garantia de taxa de retorno§  Mesmo na regulação tradicional por taxa de retorno: §  Taxa de retorno é referencial e só é atingida se o concessionário for eficiente §  Separação clara entre custos controláveis e não controláveis §  Teto para os custos controláveis
    • Novo modelo de manutenção doequilíbrio econômico-financeiro§  Reequilíbrio por fluxo marginal tenta lidar com esse problema, sem, entretanto, instituir uma regulação tradicional por taxa de retorno §  Estabilizando a taxa de desconto a ser usada nos processos de reequilíbrio, por meio de estipulação de “spread” sobre taxa de mercado §  Estabelecendo obrigação de utilizar custos de mercado §  Obrigação de usar se possível como referência para as projeções as condições reais do contrato, e não as estimativas originárias
    • Contribuição para resolverbarreiras a competição "  O processo de concessão da BR 116/324 desenvolveu novos requisitos para participação de licitações "  Parcialmente seguidos pelos 7 lotes de concessão "  Adotados para todas as concessões federais seguintes "  Mudança de foco da qualificação técnica para a qualificação financeira –  Maturidade tecnica do setor de rodovias "  Evitar os índices tradicionais de análise do balanço "  Dificuldade de comparação entre empresas que operam em ambientes/setores diferentes "  Utilização de sinais de capacidade financeira "  Contribuição de capital inicial em dinheiro "  Garantia de cumprimento do contrato (deixar o mercado avaliar a saúde do vencedor da licitação)
    • Novo modelo de contrato "   Melhorou a estrutura e conteúdo dos contratos existentes "   Novas cláusulas sobre seguros e sobre garantia de cumprimento do contrato "   Garantia de cumprimento proporcional ao valor do investimento estimado "   Nos últimos anos de contrato, valor mais alto da garantia de cumprimento do contrato "   Exigência de “rating” mínimo de força financeira das seguradoras e de crédito dos bancos que emitem as garantias de cumprimento de contrato "   Proteção aos financiadores em caso de término antecipado do contrato "   “Step in rights” dos financiadores "   Melhoria dos mecanismos de monitoramento financeiro –  SPC tem que cumprir com regras contábeis adotadas pela CVM para companhias abertas –  Disponibilização de todos os contratos financeiros para o regulador –  Obrigação de disponibilizar relatórios financeiros trimestrais –  Financiadores têm obrigação de notificar o Governo do descumprimento dos “covenants” financeiros pela concessionária
    • Mitigação de risco de tráfego:garantia de demanda mínima "   MG 050 " Garantia de demanda mínima; e " Espelhamento da garantia por meio de diivisão dos ganhos em caso crescimento da receita além de dado patamarFonte:  Ribeiro,  Mauricio;  Flores,  Juan  Luis;  Skromne,  Ari.  Road  Sector  Training,  Washington  DC,  23  Jun  2011  
    • O que desenvolvemos, mas nãoaplicamos…
    • Estrutura tarifária mais eficiente "   Principal fator de desgaste no pavimento é peso por eixo dos caminhões "   Tarifa atual cobra por eixo "   O ideal seria cobrar por peso esperado dos eixos (considerando a carga máxima permitida de cada tipo de veículo) "   Subsídio dos caminhões aos carros de passageiro "   No projeto da BR 116/324 foi desenvolvido sistema tarifário que corrige esse subsídio (baseado nos estudos da AASHTO) "   Governo decidiu não adotar "   Questão não é politicamente simpática "   Pressão do setor, com temor de que isso levasse a questionamento dos contratos em curso
    • Mitigação de risco de tráfego: prazo variávelda concessão" Concessão da BR 116/324 apontava necessidade de investimentos relevantes nos anos 15-17" Incertezas no tráfego e nos custos levaram ao desenvolvimento de mecanismo de prazo variável da concessão "   Se gatilho de tráfego fosse atingido, o contrato se extinguiria, deixando o novo investimento para a próxima concessão" Houve decisão governamental de mudança da estrutura da concessão e vários dos investimentos foram antecipados
    • O que precisamos experimentar…
    • Pagamento pordisponibilidade "   Importancia em programa de concessões que se expande para rodovias de médio ou baixo tráfego "   Importancia porque o principal queixa dos usuários é com o pagamento de pedágio "   Possibilidade de substituir os CREMAs e PIRs por concessões administrativas de rodovias "   Em 2005, essa idéia chegou a ser discutida no Governo "   Dúvida se as concessões administrativas com pagamento por disponibilidade seriam assinadas pela ANTT ou pelo DNIT "   É possível também fazer em concessões patrocinadas para diminuir o valor do pedágio e mitigar o risco de demanda 17  
    • Combinação pagamento pordisponibilidade com pedágio-sombra Payment   =   Availability  pyt   +   Usage  pyt   -­‐   Penal4es   Shadow  toll  (bands)  +  availability  payment   Real revenue Shadow  toll  component    Availability  component   Year Fonte:  Ribeiro,  Mauricio;  Flores,  Juan  Luis;  Skromne,  Ari.  Road  Sector   Training,  Washington  DC,  23  Jun  2011   18  
    • O sistema de fluxo livre " Importancia para melhorar eficiência e equidade da cobrança " Menor custo de transação " Substituirá investimento em praça de pedágio por investimento em sistema virtual de cobrança " Cobrança não impacta tráfego " Aumento da base pagante " Redução, em regra, do custo para o usuário atualmente pagante " Dúvidas existem ainda sobre como lidar com o risco de crédito do usuário ou de problemas no sistema de cobrança 19  
    • Outros instrumentos: a exigência delicitação periódica •  Objetivo: –  Permitir adequar a condições de mercado contrato de longo prazo que foram realizados em situação de alta incerteza, por exemplo quanto a demanda –  Submeter periodicamente (por ex. a cada 10 anos) a licitação contrato no qual parceiro privado contratado na primeira licitação realizou investimento relevante que não foi ainda amortizado/depreciado •  Como? –  Contrato estabelece licitações periódicas –  O vencedor da licitação tem obrigação de pagar o valor não amortizado do investimento ao parceiro privado operador da infraestrutura –  O parceiro privado operador da infraestrutura pode participar de nova licitação –  O critério de julgamento da licitação pode ser menor tarifa ou maior pagamento pela outorga
    • Licitação por menor valor dereceitas líquidas, com prazovariável VPIP  Fonte:  Ribeiro,  Mauricio;  Flores,  Juan  Luis;  Skromne,  Ari.  Road  Sector  Training,  Washington  DC,  23  Jun  2011  
    • Licitação por menor valorpresente líquido de receitas •  Clareza quanto aos custos de investimento –  Indicadores de resultado do serviço prefixados em relação a qualidade do serviço •  Clareza sobre o custo de manutenção e operação por ano •  Quem aceita realizar investimento, manter e operar o ativo pela menor receita líquida em valor presente? –  Incentivo a eficiência –  Quanto menor a receita presente líquida, menor será o prazo do contrato •  Tarifa pré-fixada, portanto receita presente líquida depende da realização demanda •  Prazo de contrato variável: contrato termina quando o valor de receita estipulado é atingido –  Quanto mais rápido a demanda se realiza, menor o prazo do contrato –  Quanto mais demora a realização da demanda, maior o prazo contratual