Plano Estratégico do Porto de Aveiro – Sumário executivo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Plano Estratégico do Porto de Aveiro – Sumário executivo

on

  • 7,387 views

Sumário executivo do Plano Estratégico do Porto de Aveiro, apresentado à Comunidade Portuária de Aveiro a 3 de Abril de 2006, no decorrer do colóquio "Porto de Aveiro - Estratégia e Futuro”, ...

Sumário executivo do Plano Estratégico do Porto de Aveiro, apresentado à Comunidade Portuária de Aveiro a 3 de Abril de 2006, no decorrer do colóquio "Porto de Aveiro - Estratégia e Futuro”, que marcou a institucionalização do do Dia do Porto de Aveiro, tendo passado, a partir de 2006, a celebrar-se a 3 de Abril de cada ano.
Auditório do Museu Marítimo de Ílhavo.

Visite-nos em www.portodeaveiro.pt, www.youtube.com/portodeaveiro , http://www.portodeaveiro.pt/portofolio/, http://www.portodeaveiro.pt/navegantes2005/ , e http://www.portodeaveiro.pt/natal/

Statistics

Views

Total Views
7,387
Views on SlideShare
7,359
Embed Views
28

Actions

Likes
0
Downloads
128
Comments
0

2 Embeds 28

http://www.slideshare.net 26
http://webcache.googleusercontent.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Plano Estratégico do Porto de Aveiro – Sumário executivo Plano Estratégico do Porto de Aveiro – Sumário executivo Presentation Transcript

  • Sumário Executivo do Plano Estratégico do Porto de Aveiro APA - Administração do Porto de Aveiro, SA 3 de Abril de 2006 1
  • Índice 1 Introdução ................................................................................................ 2 2 Caracterização e Enquadramento .............................................................. 3 2.1 Caracterização Estrutural do Porto de Aveiro.................................................................... 3 2.1.1 Terminais Portuários..................................................................................................... 3 2.1.2 Acessos Terrestres........................................................................................................ 4 2.1.3 Acesso Marítimo ........................................................................................................... 4 2.2 Evolução do Tráfego........................................................................................................ 5 2.3 Análise SWOT ................................................................................................................. 6 3 Visão e Objectivos Estratégicos .................................................................. 8 3.1 Visão .............................................................................................................................. 8 3.2 Objectivos Estratégicos.................................................................................................... 8 3.2.1 Alargar e Potenciar o Hinterland.................................................................................... 8 3.2.2 Realizar o Potencial de Capacidade em Reserva............................................................ 9 3.2.3 Melhorar a Oferta de Serviços Portuários ..................................................................... 10 4 Plano de Acção....................................................................................... 11 1
  • 1 Introdução No final de 2006, ficará concluído o Plano de Investimentos de expansão de infra-estruturas portuárias lançado pela APA - Administração do Porto de Aveiro, S.A. (“APA”) em 2000 e que dotará o porto de Aveiro de uma capacidade de oferta de serviços diversificada e adaptável às necessidades dos clientes, o que permitirá continuar e incrementar o processo de crescimento do volume de mercadorias movimentadas no porto de Aveiro e impulsionar a economia nacional. Neste contexto, a APA promoveu, em conjunto com os consultores Banco BPI e BCEOM (“Consultores”), a realização de um Plano Estratégico do Porto de Aveiro, destinado a balizar e orientar a estratégia de crescimento a privilegiar num horizonte de 10 anos, tendo presente as características actuais do porto de Aveiro no contexto ibérico, as perspectivas e tendências dos mercados nacional, regional e internacional de transporte de mercadorias. O Plano Estratégico do Porto de Aveiro foi desenvolvido em 3 fases distintas e sequenciais, nomeadamente: Fase 1: caracterização, enquadramento e diagnóstico do porto de Aveiro, de que resultou a respectiva análise SWOT (pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças); Fase 2: definição da visão e dos objectivos estratégicos do porto; e Fase 3: programação indicativa, em termos físicos, temporais e financeiros do plano de implementação e identificação dos respectivos agentes de desenvolvimento. A metodologia de desenvolvimento dos trabalhos baseou-se, primeiro, numa estreita colaboração entre o Conselho de Administração da APA, os Consultores e os quadros da APA, por forma a captar um espectro de opiniões e contributos tão alargado quanto possível e a envolver o conjunto de intervenientes internos à APA no processo de definição da estratégia a implementar para o porto. Posteriormente, procedeu-se à apresentação e discussão do trabalho desenvolvido a um vasto conjunto de entidades externas à APA, nomeadamente, os operadores, concessionários, agentes de navegação, investidores, importadores e exportadores, empresas de logística, associações portuárias, associações empresariais, sindicatos, associações de turismo, autoridades locais e institucionais e outras entidades relevantes que contribuíram decisivamente para o aprofundamento das conclusões e das ideias desenvolvidas internamente. Através deste contributo a APA espera ter iniciado um processo dinâmico de permanente envolvimento destas entidades na execução do Plano Estratégico, no crescimento do porto de Aveiro e consequentemente no desenvolvimento regional e nacional. 2
  • 2 Caracterização e Enquadramento 2.1 Caracterização Estrutural do Porto de Aveiro Os aspectos estruturais que definem o grau de atractividade e competitividade de um porto prendem-se fundamentalmente com três factores: as infra-estruturas e super estruturas portuárias, os acessos terrestres e o acesso marítimo. 2.1.1 Terminais Portuários No final do programa de investimentos em curso, o porto de Aveiro possuirá um conjunto de 5 terminais de movimentação de mercadorias tecnicamente adequados para movimentar todo o tipo de mercadorias e dotados de: i. uma capacidade de acostagem muito significativa - uma das maiores para terminais multiusos nos portos nacionais; ii. uma grande capacidade de terraplenos de serviço aos cais de acostagem, situação que contrasta com os problemas de espaço noutros portos nacionais, designadamente nos de Leixões e de Lisboa; e iii. uma significativa área de terrenos, que lhe permitirá acolher operações de armazenamento de longa duração e outras actividades logísticas, especializada na movimentação de granéis líquidos e sólidos. Terminal de Granéis Líquidos Terminal de Granéis Sólidos Terminal Norte - Multiusos Terminal Ro-Ro / Contentores Porto de Pesca de Largo inc. Terminal Especializado de Descarga de Pescado Terminal Sul - Multiusos Porto de Pesca Costeira Adicionalmente, possui dois terminais especializados de pesca e uma reserva de terrenos de extensão portuária, o que em conjunto com as infra-estruturadas dos terminais dotará o porto de Aveiro com uma área de 190 ha, disponível para a implementação de actividades logísticas e industriais. 3
  • Caracterização e Enquadramento 2.1.2 Acessos Terrestres O porto de Aveiro é servido por um conjunto de acessos rodoviários, com características de auto- estrada, com grande fluidez e sem cruzamento de zonas densamente urbanizadas, o que contrasta com o congestionamento dos acessos a outros portos da faixa atlântica central. Além da ligação por auto-estrada desde o pórtico de entrada do porto até à A1 e à A29 (SCUT Costa de Prata), servindo assim os clientes do eixo norte-sul da faixa atlântica, uma das regiões mais dinâmicas e povoadas da Península Ibérica, a conclusão da abertura da auto-estrada IP5/A25 (Aveiro-Vilar Formoso) permitirá ao porto de Aveiro beneficiar de acessos rodoviários mais rápidos e fluidos ao interior centro nacional e a Espanha, onde o porto de Aveiro possui vantagens comparativas, em termos de proximidade geográfica, para a região a noroeste de Madrid (Salamanca, Valhadolid,…). Esta fluidez nos acessos é um critério particularmente importante para o desenvolvimento do Transporte Marítimo de Curta Distância (TMDC) e das Auto-estradas do Mar. Adicionalmente, encontra-se prevista a construção da ligação ferroviária do porto de Aveiro à Linha do Norte, em Cacia, com uma extensão de 8,8 km, a qual será desenvolvida pela REFER e deverá estar concluída em 2009, o que poderá ser fundamental para alargar a zona de influência do porto a Espanha e para diversificar o tipo de cargas. 2.1.3 Acesso Marítimo As características da barra de acesso ao porto de Aveiro, nomeadamente a cota de profundidade, a largura e as condições de navegabilidade induzidas pelas marés, limitam o gabarito máximo dos navios a cerca de 8 metros de calado e 140 metros de comprimento. 4
  • Caracterização e Enquadramento Estas limitações reduzem consideravelmente o potencial de mercado para linhas regulares de tráfego contentorizado ou Ro-Ro, pelo que a APA já desenvolveu estudos para a estabilização da barra à cota de – 12,5 metros Z. H.. 2.2 Evolução do Tráfego Nos últimos 20 anos, o porto de Aveiro tem evidenciado um significativo dinamismo, reflectido num crescimento de tráfego apreciável e num aumento progressivo do grau de diversificação dos produtos movimentados. 3.500 Terminal Sul 3.000 Terminal Norte Terminal de Granéis Líquidos 2.500 Total Milhares de Toneladas 2.000 1.500 1.000 500 0 1982 1983 1984 1988 1989 1990 1994 1995 1996 2000 2001 2002 1980 1981 1985 1986 1987 1991 1992 1993 1997 1998 1999 2003 2004 2005 Em 2005, o tráfego no porto de Aveiro atingiu 3,3 milhões de toneladas, o que se traduziu num novo máximo histórico de movimentação portuária em Aveiro. Na última década, o tráfego do porto de Aveiro apresentou um crescimento médio anual de 4,1%, cinco vezes superior ao crescimento do conjunto dos portos portugueses passando a ser o principal porto português na movimentação de produtos metalúrgicos e um importante porto, no contexto nacional, na movimentação de carga fraccionada. Este crescimento contínuo foi possível devido à abertura, em 1988, da operação do Terminal Norte, o qual esgotou a sua capacidade de tráfego ao fim de 10 anos, esperando-se que a conclusão dos investimentos em curso imprima um novo impulso ao crescimento do porto de Aveiro. Em termos de tipos de tráfego, o porto de Aveiro movimenta essencialmente cargas fraccionadas, (designadamente produtos metalúrgicos e produtos florestais), granéis sólidos (designadamente produtos agro-alimentares e cimento) e granéis líquidos (constituídos principalmente por produtos químicos), perspectivando-se que estes últimos venham a registar um incremento assinalável nos próximos anos, devido à projectada instalação de tanques de armazenagem de produtos petrolíferos da BP e da AVIA, em 2007, e aos planos de produção de biodiesel. 5
  • Caracterização e Enquadramento 2.3 Análise SWOT Paralelamente à análise das características estruturais e da evolução do tráfego, foi efectuado o diagnóstico dos aspectos funcionais e organizacionais do porto de Aveiro e foram identificadas as perspectivas e tendências de evolução do mercado portuário nacional e internacional. Com base nesse diagnóstico, elaborou-se a seguinte matriz de pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças (matriz SWOT), que sintetiza as conclusões da caracterização e enquadramento do porto de Aveiro. Pontos Fortes Pontos Fracos 1. Situação Geográfica – Aveiro encontra-se no centro 1. Acesso marítimo deficiente – as características do de um importante eixo de comunicações, sendo a canal de acesso ao porto limitam o gabarito sua zona de influência bastante industrializada e máximo dos navios a cerca de 8 m de calado e dinâmica; 140 m de comprimento e, em caso de más 2. Grande capacidade de acostagem, que deverá condições marítimas e meteorológicas, restringem suprir, a longo prazo, todas as esperas dos navios e o acesso ao porto; será uma das maiores dos portos portugueses nos 2. Inexistência de acesso ferroviário, o qual poderá terminais multiusos; ser importante para alargar a zona de influência 3. Grande superfície de terraplenos, devidamente económica do porto; infra-estruturados; 3. Equipamento insuficiente e desadequado, 4. Possibilidade de extensão dos terminais portuários sobretudo no Terminal Norte; e grande reserva de terraplenos (190 ha), 4. Insuficiência de armazéns cobertos; disponível para a implementação de actividades 5. Proveitos da prestação de serviços insuficientes logísticas e industriais; para cobrir os respectivos custos operacionais; 5. Boas acessibilidades rodoviárias – os acessos 6. Escasso dinamismo comercial e de marketing, com rodoviários têm características técnicas de auto- falta de orientação para o cliente; estradas e não se encontram congestionados, o 7. Dispersão das competências relacionadas com a que é particularmente importante no que respeita movimentação portuária, exercidas por três ao TMCD; unidades organizacionais distintas; 6. Ausência de pressão urbanística junto das 8. Inexistência de plano de qualidade e de um instalações portuárias; regulamento de exploração integrado; 7. Bons sistemas de segurança; 9. Complexidade dos procedimentos administrativos e 8. Boas práticas ambientais – o sistema de gestão aduaneiros, embora esteja em curso vários ambiental (SGA), criado em 2001, está em programas de desburocratização; processo final de certificação; 10. Rigidez do quadro legal relativo à utilização de 9. Imagem de eficácia na prestação de serviços e de mão-de-obra portuária. tarifas competitivas junto dos clientes. 6
  • Caracterização e Enquadramento Oportunidades Ameaças 1. Projectos de instalação de empresas petrolíferas 1. Vulnerabilidade da actividade do porto a mudanças (BP e AVIA) e de produção de biodiesel no porto de nos países de origem e de destino das mercadorias Aveiro; e/ou na dimensão dos navios utilizados, dadas as 2. Aproveitamento das potencialidades conferidas limitações do seu acesso marítimo; para a implementação de uma zona franca na zona 2. Aumento da concorrência de outros portos, portuária; designadamente dos de Leixões e Vigo; 3. Possibilidades de alargamento do hinterland e da 3. Concentração oligopolística dos operadores que capacidade de atrair outros clientes decorrentes: pode prejudicar o porto de Aveiro através da - da concretização da ligação ferroviária do porto de concentração de tráfego noutros portos onde já Aveiro à Linha do Norte; possuam concessões; - da conclusão da totalidade da rede de auto- 4. Dificuldades de concretização de projectos de estradas nacionais A25/IP5 e A 29; e desenvolvimento do porto devido a - da criação de plataformas intermodais – “porto condicionalismos ambientais; seco” de Salamanca e da Guarda; 5. Enfraquecimento da situação financeira da APA 4. Política europeia e nacional de promoção dos por diminuição dos proveitos relacionados com a projectos de TMCD e das Auto-Estradas do Mar, redução do valor de venda de inertes. para os quais o porto de Aveiro tem boas vantagens comparativas: posição geográfica central a nível nacional, acessos rodoviários muito fluidos e grande capacidade de acostagem; 5. Problemas em Leixões e Lisboa devido ao défice de espaço, dificuldades de expansão e congestionamento dos acessos rodoviários; e 6. Potencial de desenvolvimento da náutica de recreio e movimentação de navios de cruzeiro. 7
  • 3 Visão e Objectivos Estratégicos 3.1 Visão Tendo em conta a fase de transição que caracteriza actualmente o porto de Aveiro e o imperativo primário de aproveitamento e potenciação das suas novas valências infra-estruturais no contexto do mercado nacional, ibérico e internacional, a Visão do porto no horizonte de 2015 foi definida fundamentalmente com base nas características endógenas do porto de Aveiro, por forma a valorizar e explorar os seus pontos fortes e a eliminar, ou minimizar, os seus pontos fracos. Assim, a Visão perspectivada para 2015 é a seguinte: “O porto de Aveiro será um dos mais dinâmicos e competitivos portos da Faixa Atlântica da Península Ibérica no transporte de curta e média distância, e possuirá um amplo pólo de desenvolvimento logístico e industrial”. 3.2 Objectivos Estratégicos Para a prossecução desta Visão foram definidos três objectivos estratégicos: 1º - alargar e potenciar o hinterland; 2º - realizar o potencial de capacidade em reserva; 3º - melhorar a oferta de serviços portuários. Com os dois primeiros objectivos, pretende-se, fundamentalmente, potenciar os factores de competitividade endógena do porto, aproveitando: − a boa inserção territorial do porto, decorrente do dinamismo económico do hinterland, da posição geográfica central do porto nesse mesmo hinterland, dos bons acessos terrestres e da ausência de pressão urbanística; e − a grande capacidade em reserva ao nível da acostagem de navios, da utilização de terraplenos e da valorização dos terrenos em reserva para a instalação de actividades logístico-industriais. Com o terceiro objectivo, pretende-se minimizar os obstáculos ao desenvolvimento do porto, decorrentes das limitações do seu acesso marítimo, e superar os constrangimentos detectados ao nível dos processos de gestão e operação portuária. 3.2.1 Alargar e Potenciar o Hinterland O primeiro objectivo encerra duas perspectivas: uma geográfica e outra económica. 8
  • Visão e Objectivos Estratégicos Na perspectiva geográfica, pretende-se alargar o actual hinterland do porto de Aveiro ao interior do País e à região a noroeste de Madrid, em função da melhoria dos acessos rodoviários (IP5/A25) e da integração na rede ferroviária. Na perspectiva económica, pretende-se potenciar o dinamismo económico do hinterland, através do aumento e diversificação das mercadorias movimentadas, abrangendo novos mercados, incluindo a introdução de nichos de mercado de contentores e TMCD, e aumentando o número de clientes, com especial enfoque para os clientes instalados no porto, designadamente nos espaços em reserva. 3.2.2 Realizar o Potencial de Capacidade em Reserva A realização do potencial de capacidade em reserva contempla igualmente duas ópticas de abordagem. Por um lado, pretende-se transformar a capacidade disponível de acostagem e de terraplenos num factor de melhoria da operação portuária, através, nomeadamente, da minimização do tempo de espera dos navios e da maximização do aproveitamento da capacidade de armazenagem. Por outro lado, dever-se-á potenciar as vantagens estratégicas da grande reserva de terrenos disponíveis, cerca de 190 ha, decorrentes da sua boa inserção geográfica e do acesso a cais de acostagem (possibilidade de cais de uso privativo), para a instalação de actividades logísticas e industriais utilizadoras do porto, transformando o espaço num pólo de desenvolvimento económico da região. 9
  • Visão e Objectivos Estratégicos 3.2.3 Melhorar a Oferta de Serviços Portuários A melhoria da oferta de serviços portuários deverá ser suportada na resolução de um conjunto de constrangimentos, de forma a aumentar a competitividade do porto e a sua capacidade de resposta às necessidades dos clientes. Desses constrangimentos, destaca-se: − a melhoria do acesso marítimo ao porto; − a concretização da ligação à rede ferroviária; − a adequação da oferta de super-estruturas e equipamentos às solicitações do mercado; − a flexibilização e aumento da produtividade das operações de estiva; − a modernização (informatização e simplificação) dos procedimentos administrativos e aduaneiros; e − a optimização da organização funcional das operações portuárias e a coordenação entre os diferentes agentes e actores portuários. Alguns destes constrangimentos não são específicos do porto de Aveiro mas sim de âmbito nacional, tendo, contudo, reflexos negativos na competitividade dos portos nacionais face aos portos espanhóis. 10
  • 4 Plano de Acção Para atingir os Objectivos acima descritos, foram identificadas seis Linhas Estratégicas de Desenvolvimento, desdobradas num conjunto de 34 acções/projectos que foram explicitadas em termos descritivos, temporais, financeiros e organizacionais (agentes responsáveis e executores) através da elaboração de fichas de acção individuais. As linhas estratégicas de desenvolvimento e as acções/projectos correspondentes são resumidamente as seguintes: Linhas Estratégicas de Acções/Projectos Desenvolvimento Estudo de navegabilidade do acesso ao porto Dragagens de estabilização do acesso ao porto Melhoria dos Acessos Estudo de reconfiguração do acesso/barra do porto Reconfiguração do acesso /barra do porto Construção do acesso ferroviário Conclusão da 3ª fase da via de cintura portuária Criação da Zona de Actividades Logísticas e Industriais (ZALI) Elaboração do plano da zona transição entre a ZALI e a Ordenamento Territorial zona urbana envolvente Implementação de um sistema de informação geográfica Concretização do projecto da marina da Barra Preparação do concurso público internacional para a concessão dos terminais de carga seca da zona norte Lançamento do concurso público internacional para a Passagem para o Modelo de concessão dos terminais de carga seca da zona norte Landlord port Adjudicação da concessão dos terminais de carga seca da zona norte Reorganização dos serviços de exploração portuária, decorrente da concessão 11
  • Plano de Acção Linhas Estratégicas de Acções/Projectos Desenvolvimento Elaboração do Regulamento de Exploração Conclusão da actualização do sistema Gespor Conclusão da implementação do sistema de informação de gestão da APA (GIAF) Melhoria do enquadramento Implementação do sistema VTS organizacional e regulamentar Reorganização dos serviços de coordenação e controlo do movimento portuário dos navios Conclusão do processo de certificação ambiental Implementação do sistema de qualidade interno da APA Clarificação do quadro de intervenção da mão-de-obra portuária Elaboração de um estudo de mercado Elaboração de um plano de actuação comercial Elaboração de um plano de promoção e relações Promoção da actuação comercial externas Criação na APA de um observatório de mercado Elaboração de um dossier do investidor da ZALI Criação na APA de um gabinete de apoio ao cliente Institucionalização de um órgão com funções consultivas envolvendo toda a comunidade portuária Parcerias com a comunidade intraportuária Envolvimento da comunidade Parcerias com a comunidade extraportuária portuária Simplificação e informatização dos procedimentos administrativos e aduaneiros Elaboração da carta de qualidade do porto de Aveiro Promoção conjunta do porto de Aveiro 12