Especial Porto de Aveiro - Jornal de Negócios, 29.03.2010
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Especial Porto de Aveiro - Jornal de Negócios, 29.03.2010

on

  • 2,036 views

Suplemento do “Jornal de Negócios” dedicado ao Porto de Aveiro e publicado no âmbito da inauguração, a 27.03.2010, do Ramal Ferroviário do Porto de Aveiro.

Suplemento do “Jornal de Negócios” dedicado ao Porto de Aveiro e publicado no âmbito da inauguração, a 27.03.2010, do Ramal Ferroviário do Porto de Aveiro.
29 de Março de 2010.

Statistics

Views

Total Views
2,036
Views on SlideShare
1,951
Embed Views
85

Actions

Likes
0
Downloads
16
Comments
0

5 Embeds 85

http://paparaziindiscreto.blogspot.com 47
http://www.blogger.com 20
http://www.paparaziindiscreto.blogspot.com 12
http://paparaziindiscreto.blogspot.pt 3
http://paparaziindiscreto.blogspot.com.br 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Especial Porto de Aveiro - Jornal de Negócios, 29.03.2010 Especial Porto de Aveiro - Jornal de Negócios, 29.03.2010 Document Transcript

    • n+ negócios mais. edição especial Este suplemento é parte integrante do Jornal de Negócios nº 1720, de 29 de Marçode 2010, e não pode ser vendido separadamente J O S É LU ÍS C AC H O Zona Franca de Aveiro arranca em 2 ou 3 anos N OG U EI RA LEI TE O porto passa bem sem a Alta Velocidade VEJA MAIS EM NEGOCIOS.PT Depois da ferrovia, porto de Aveiro aposta em Zona Franca A ligação à rede ferroviária nacional e à plataforma logística de Cacia, este fim-de-semana inaugurada, alarga a área de influência do porto além fronteiras, à região espanhola de Castela-Leão. A Zona Franca será o próximo passo Paulo Duarte
    • II 28| |Suplemento | de Negócios | Segunda-Feira, 29 de Março de 2010 2010 Refer | Jornal Jornal de Negócios | Segunda-Feira, 29 de Março de Especial Porto de Aveiro > Em 2015, o porto terá uma capacidade de carga instalada de 8,5 milhões de toneladas e duplicará os negócios. Paulo Duarte I N F RA- E STRU TU RAS Porto de Aveiro alarga horizontes com a ligação ferroviária A ligação à rede ferroviária nacional e à plataforma logística de Cacia potencia a importância do porto Aligação ferroviária, que apartir de cimento, pasta para papel e destasemanaentraemfunciona- componentes automóveis e pro- mento,multiplicaacapacidadede dutosagro-alimentares. Sectores atracção do porto de Aveiro, per- comfortecarizexportador,eque mitindooalargamentodohinter- agorapassamabeneficiardecus- land portuário àregião espanho- tosmaisbaixosemelhoresacces- la de Castela e Leão. O porto de sibilidadesparaassuasoperações Aveiroéainfra-estruturaportuá- logísticas e de transporte. riamais próximade Salamancae Aveiro quertambém afirmar- ficaagoraligadoàredeferroviária separaalémdoslimitesfronteiri- nacional, através das linhas do ços,aspirandoàatrairasatenções NorteedaBeiraAlta,comligação da região espanhola de Castela- àfronteiradeVilarFormoso.Esta Leão,cujosprincipaispólosindus- ligaçãopermitirátambémarticu- triais são Valladolide Salamanca. larospóloslogísticosdazonapor- No final dasemanapassada, uma tuáriaedeCacia,garantindooau- delegação encabeçadapelosecre- mento damovimentação de car- tário de Estado dos Transportes, gas porviaferroviária. Correia da Fonseca, esteve em Os250milhõesdeeurosdein- Valladolid apromover os portos vestimentos públicos e privados portugueses e aapresentaras no- realizados nos últimos anos no vas facilidades que se abrem em A zona franca está Ficamos bem sem Ligação ferroviária porto, transformam Aveiro na Aveirocomaligaçãoferroviária. principalportamarítimadoCen- Concluídooprojectodaligação nas orientações a Alta Velocidade. é importante, pois tro,implantadonumdistritoque é, ele próprio, o terceiro pólo in- ferroviária, aambição passaago- rapelacriação dazonafrancain- estratégicas e já foi Precisamos de hoje em dia é dustrialdoPaís,sósuplantadopor dustrial, que o próprio presiden- aprovada. Deverá mais alternativas e pouco concebível Lisboae Porto. AregiãodeAveiro,éocoração tedoPortodeAveirocalendariza para os próximos dois ou três arrancar dentro de não de alternativas um porto de Mar de indústrias como o calçado, a anos.JoséLuísCachogaranteque dois ou três anos. a mais. sem ela. cortiça, acerâmica, apastadepa- o projecto játemaaprovação po- pel, aapetroquímica, tendo ain- lítica do Governo e está pronto JOSÉ LUÍS CACHO ANTÓNIO NOGUEIRA LEITE JOSÉ LUÍS CACHO daumpesorelevantenaprodução paraavançar. Presidente do Porto de Aveiro Presidente da Comunidade Portuária Presidente do Porto de Aveiro
    • Publicidade
    • IV Refer | Jornal Jornal de Negócios | Segunda-Feira-Feira, 29 de Março de 2010 30 || Suplemento | de Negócios | Segunda-Feira, 29 de Março de 2010 Especial Porto de Aveiro > Nos últimos anos, CUF-Químicos Industriais, Dow Portugal e Air Liquide investiram 250 milhões de euros no pólo industrial de Estarreja, para duplicarem as suas capacidades de produção. DI STRI TO DE AVE I RO O coração industrial da Região Centro Paulo Duarte Dos componentes auto à cortiça e à pasta de papel, o distrito 3,9% dos lucros registados em 2008 de Aveiro é um dos pelas 1000 maiores empresas motores das que operam em Portugal foram exportações nacionais gerados no distrito de Aveiro. ÁLVARO DE MENDONÇA alvaromendonca@negocios.pt 6,2% Aregião de Aveiro é abase de al- com mais de 20 mil gumasdasmaioresempresasex- trabalhadortes em 94 portadoras portuguesas, mar- empresas, Aveiro vale 6,2% cando presença muito forte nos do emprego das 1000 maiores. sectores dapastae do papel, dos componentes para automóveis, dacortiça, cerâmica, metalurgia e das indústria alimentar e das pescas. Herança do projecto, que nos anos oitenta levou para a região uma unidade de montagem de veículosdaRenault,ogrupofran- cês mantém operacional na re- giãoumafábrica,emCacia,onde produz e exporta caixas de velo- cidades e bombas de óleo para principaiscentrosdedistribuição. AVEIRO É O TERCEIRO PÓLO EMPRESARIAL DO PAÍS As 1000 maiores por distrito modelos montados noutros paí- EmOliveiradeAzeméisimperaa sesdaEuropa.ApresençadaRe- Proleite,acooperativadosprodu- Empresas Volume de Negócios Resultados líquidos Empregados naultacaboupor resultarnacria- toresdeleiteelacticíniosdoCen- Distrito(s) Total Peso milhões € Peso milhões € Peso Número Peso ção de cluster automóvel muito tro,maisconhecidapelasuamar- Lisboa 407 40,70% 66.831 64,60% 28.717 70,70% 188.342 56,40% forte no distrito, com uma forte ca Mimosa. No próprio porto de Porto 201 20,10% 17.730 17,10% 4.376 10,80% 64.598 19,40% componenteexportadora,sobre- Aveiro, estão sedeadas algumas Aveiro 94 9,40% 4.080 3,90% 2.143 5,30% 20.651 6,20% tudoparaasfábricasautomóveis das maiores empresas de trans- Braga 66 6,60% 3.312 3,20% 1.258 3,10% 17.652 5,30% de Espanha. A Yazaki Saltano, formaçãoevendadepeixeebaca- umajointventure dos japoneses lhaudo país. Leiria 36 3,60% 1.203 1,20% 589 1,40% 5.536 1,70% da Yazaki com o grupo Salvador No pólo industrialde Estarre- Setúbal 36 3,60% 2.808 2,70% 1.071 2,60% 5.882 1,80% Caetano, produz componentes ja,estãoalgumasdasmaisimpor- Coimbra 29 2,90% 1.987 1,90% 1.446 3,60% 4.950 1,50% eléctricos para veículos a partir tantesempresasquímicasdopaís, Santarém 24 2,40% 812 0,80% 181 0,40% 3.357 1,00% de Ovar. Não muito longe, estão entre as quais a Cires, a CUF e a Viseu 22 2,20% 1.198 1,20% 458 1,10% 5895 1,80% asunidadesdaBoshElectrónica, DowChemical.EmValedeCam- PontaDelgada 17 1,70% 795 0,80% 304 0,70% 4.324 1,30% daSimoldes(moldesparaplásti- bra estão a empresa de embala- Faro 16 1,60% 437 0,40% 271 0,70% 1.961 0,60% co) e da Faureccia, que fabrica gensColepeaFerpinta.EmOvar Funchal 14 1,40% 701 0,70% -1.212 -3,00% 3.874 1,20% bancos para automóveis, entre estáaF.Ramada.UmpoucoaSul, Castelo Branco 7 0,70% 141 0,10% 24 0,10% 1.249 0,40% outras. naFigueiradaFoz,está aCelbi,o Guarda 7 0,70% 176 0,20% 28 0,10% 609 0,20% Aveiro é também a base dos eemCacia,juntoaEstarreja,está Portalegre 7 0,70% 467 0,50% 420 1,00% 1.391 0,40% maiores grupos cerâmicos e de a rivalPortucel. loiças sanitárias do país, desde a Aveiro é ainda o coração do Vianado Castelo 7 0,70% 294 0,30% -56 -0,10% 743 0,20% Cinca e Revigrés, à Vista Alegra grupo corticeiro Amorim, que Beja 3 0,30% 320 0,30% 752 1,90% 1.069 0,30% Atlantis, Pavigrés, Sanitana e à tem espalhadas pelo distrito a Évora 2 0,20% 29 0,00% 3 0,00% 135 0,00% Aleluia Cerâmicas, criada em Amtoim & Irmão, a Corticeira VilaReal 2 0,20% 72 0,10% -165 -0,40% 1.071 0,30% 2006 por fusão de várias empre- AmorimeaAmorimRevestimen- Angrado Heroísmo 2 0,20% 100 0,10% 12 0,00% 227 0,10% sas do sector. As cozinhas Tekae tos.Nofilãoflorestal,háaindaque Horta 1 0,10% 10 0,00% 14 0,00% 173 0,10% as torneiras Grohe também são contarcomaVicaima. E se Santa TOTAL 1.000 100,00% 103.503 100,00% 40.633 100,00% 333.689 100,00% produzidasnodistrito,bemcomo MariadaFeirapode serconside- Fonte: As 1000 Maiores Empresas os esquentadores daVulcano. radaacapitaldacortiçaportugue- ANestlé tem no distrito de Avei- sa, a vizinha vila de São João da O distrito de Aveiro acolhe quase 10% das empresas portuguesa. Em 2008, contava com 94 das 1000 maiores empresas, com roumafábricadeflocosdecereais Madeira domina a indústria do predominância nos sectores do calçado, cerâmica, cortiça, componentes auto e pasta e papel. para exportação e um dos seus calçado.
    • Publicidade
    • 32 | Suplemento |de Negócios | Segunda-Feira, 29 de Março de 2010de 2010 VI Refer | Jornal Jornal de Negócios | Segunda-Feira, 29 de Março . Especial Porto de Aveiro > Não conseguimos competir com os cruzeiros de Leixões ou de Lisboa, mas podemos receber navios de 100/200 passageiros. J OSÉ LU ÍS CACH O, PRE SI DE N TE DO PORTO DE AVE I RO “A zona franca será uma garantia do nosso sucesso no futuro” O porto quer ser a porta atlântica de uma vasta região que vai de Aveiro a Salamanca Paulo Duarte JAIME LUÍS de 20 vagões, com 220 metros de QuemconheceAveiroeoportode comprimento, 740 toneladas de marqueacompanhaaorlacostei- pesobruto,quetransportoupasta radacidadetendealembrar-seda de papel dafábricaCeltejo, daAl- pesca e da indústria conserveira, tri,apartirdeVilaVelhadeRódão, que acompanhava a faina. Mas destinados àexportação. hojejánãoéassim.Osmilhõesin- Mas não é só pelaferroviaque vestidos nas zonas de acostagem, oportodeAveirocontaexpandir- desembarqueearmazenagem,es- separaumespaçogeográficoque, tão já a dar os primeiros frutos, estrategicamente,consideranatu- agoraquesecumpremdezanosde ral.Nosúltimosanos,oportocon- remodelaçãointensiva.Osrespon- tabilizou 150 milhões de investi- sáveis falam de um “porto novo”, mentos público e quase 100 mi- que emerge após 50 anos de com- lhõesdeprojectosprivados.“Enos bate contrao mar. Anovaligação próximos dois ou três anos ainda ferroviária à plataforma logística faltapôrnochãomais30ou40mi- multimodal de Cacia é exemplo lhões”,asseguraaoNegócios,José dissoeazonafrancaqueseprepa- Luís Cacho. ra será a continuação do sucesso Longe de uma visão pessimis- esperado. ta, o presidente daporto de Avei- O novo ramal ferroviário do ro não condenaadecisão de adiar porto de Aveiro, que asseguraali- aligação de AltaVelocidade aEs- gação à plataforma de Cacia pro- panha.“Estamospreparadospara mete fazertodaadiferençaparaa abitolaeuropeia,masparajáusa- novavidadeumporto,queanseia mos a linha da Beira Alta e neste por se tornar porta atlântica de momento já despachamos 200 a umavastaregião, que vai dacosta 300 milhões de toneladas de car- portuguesa até às zonas agro-in- ga para o país vizinho”, afirma, o dustriaisdeSalamancaeVallado- que confere com cinco a dez por lid, no coração daprovínciaespa- centodototaldotrânsitodoporto nholade Castelae Leão que comanda. Umitemque espe- O homem que responde pelo ravercrescerno futuro próximo. renascimento do porto de Aveiro Comumtráfegode3,5 milhões – melhorseriadizer, um segundo de toneladas, e com um cresci- parto – é José Luís Cacho, enge- mento de 40% no último ano, o nheirocivilde50anos,quehádez porto de Aveiro não receiaacon- abraçouacausadosportosdemar, corrência vizinha. “Sabemos que como parcelaindissociável daex- não podemos competir com os pansão do País emtermos econó- cruzeirosdeLeixõesoudeLisboa, micos. masjátemostidopequenosnavios ‘O ramal faz parte da segunda que nos procuram”, afirma José fase de expansão, mas é umpasso Luís Cacho. “Não temos ambição importante, pois hoje em dia é deatrairgrandescruzeiros,sóna- poucoconcebívelumportodemar viosde100/200pessoas,maisvo- sem uma ligação ferroviária” ex- cacionados parao turismo cultu- plicaopresidentedoporto.Depois ral”, avança. daconclusãodaobra,emfinaisde Aapostavaimaisparaomanu- 2009, de obtidos os certificados seamento de produtos agro-ali- devidos e de efectuados os movi- mentares, uma área “onde têm mentosatítuloexperimental,ora- sido efectuados grandes investi- mal,quecustou72milhõesdeeu- mentosaoníveldearmazenagem” ros, está pronto a reunir grandes paraalémdo aproveitamento das cargas.Aprimeirafoiacirculação cargas químicas, que têm por
    • Jornal de Negócios | Segunda-Feira, 29 de Março de 2010 de 2010 | Refer || VII Jornal de Negócios | Segunda-Feira, 29 de Março | Suplemento 33 . > Com de 3,5 milhões de toneladas de tráfego, o movimento no porto de Aveiro cresceu 40% no último ano. rumo o desenvolvimento do pólo químicodeEstarrejaouosnovosin- quepermitiaaquiháunsanos,pas- sou já aos 160 metros e aos nove, segurançamarítima,ouaaquisição dascertificaçõesambientaisparaa A zona franca A dragagem vestimentos daGalp naregião”. respectivamente, garante o presi- expansãofísicadeumaestruturain- está nas nossas da enseada, Váriosdosprojectos,quenoPla- dente, que não duvidaque no futu- serida numa área de excepção no Estratégico de 2005 não passa- ro chegaráaos 180 metros de com- –“queremos cumprir com tudo o orientações que garantirá vamdopapel,estãojáresolvidosou em execução avançada. Aarmaze- primentocom10metrosdecalado. que é devido”, diz José Luís Cacho – , são outras das preocupações ac- estratégias e maior segurança nagem coberta, apontada como Zona Franca em três anos tuaisdaadministraçãodoprincipal já foi aprovada, e a obtenção umadeficiêncianodeve-e-haverdo Maisqueemanseio–ejáaprovado porto do centro do País. estudo então encomendado, estáa pelo poder político – está a nova Apesardedescrever2009como O arranque do das certificações gerar os seus frutos, tendo já sido acumuladouminvestimentopriva- zona franca no porto de Aveiro. “Neste momento depende só de “um ano difícil”, não só pelas vicis- situdestransversaisatodaaindús- projecto em dois ambientais, do de cinco milhões de euros. Aes- nós”, afirmaJosé Luís Cacho , que triamastambémpeloproblemasla- ou três anos só são os próximos trutura de radares VTS é também promete o arranque do projecto boraisocorridoslocalmente(greve umarealidade desde 2009. “dentrodedoisoutrêsanos”.Azona dos estivadores em pleno mês de depende de nós. objectivos. MasoportodeAveiroestáainda franca“estánasnossasorientações Agosto,porexemplo),JoséLuísCa- longedacompetitividadequealme- estratégicasenoprojectodedesen- cho avançacom umagestão finan- ja. Por isso mesmo, dos barcos de volvimento”. ceiraequilibrada, que permitiu fa- 140metroseoitodecalado(aparte Projectos como a dragagem da zer face a uma receita que rondou donavioqueficadebaixodeágua]), enseada, que permitiráumamaior os 15 milhões de euros. Pub
    • 34 | | Suplementode Jornal de Negócios | Segunda-Feira, 29 de Março de 2010 VIII Refer | Jornal | Negócios | Segunda-Feira, 29 de Março de 2010 . Especial Porto de Aveiro > O ramal tem início na Plataforma Multimodal de Cacia, junto ao km 276,4 da Linha do Norte e termina num feixe distribuidor, junto ao porto de Aveiro, com ligações aos terminais portuários. AN TÓN I O N OG U E I RA LE I TE PORTO DE AVEIRO LIGADO “Porto de A ligação ferroviária ao porto de Aveiro era um investimento prioritário das orientações estratégicas para o sector ferroviário, aprovadas pelo governo em 2006, O Projecto integra a Plataforma Multimodal de Cacia e o ramal de ligação da Linha do Norte ao porto e representou um investimento total de 85 milhões de euros, dos Aveiro passa quais 73 milhões para a ligação ferroviária e os restantes 12 milhões para a plataforma de Cacia. Em ambos os casos o investimento foi comparticipado a 65% pela União Europeia, através do FEDER, o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional. bem sem a Alta Velocidade” Presidente da Comunidade Portuária afirma que o porto precisa de mais alternativas e não de alternativas a mais JAIME LUÍS Nogueira Leite Aadministração do Porto de Avei- elogia a ro esteve na semana passada em melhoria das Valladolid paraumaacção de sen- condições de sibilização e marketing, no sentido navegabilidade de convencer as indústrias locais a na entrada da usaremoportoportuguês,agorali- barra do porto. gado aSalamancaporviaférrea. Trata-se de pôr em práticaaes- tratégiade alargamento do hinter- vas facilidades do porto. landconcebidapelaestruturadirec- Nogueira Leite não poupa elo- tivadoportodeAveiro,quenãoen- gios aos desenvolvimentos do Por- tende o modelo de negócio criado to de Aveiro. “Tem feito melhorias nos últimos anos sem a participa- na condição de navegabilidade na ção efectiva de Castela-Leão, a re- entradadabarraenaarmazenagem gião espanhola que mais pode be- de granéis líquidos”, afirma, real- neficiar das novas facilidades cria- çandoa“posiçãoestratégicadapla- das nacapitaldaRia. taformadeCaciaeaabsolutaessen- Esta é apenas mais uma das cialidade do novo ramal ferroviá- démarches da administração do rio”. No negócio que representa, a PortodeAveiro,nosentidoderen- indústria química, Nogueira Leite tabilizarumainfra-estruturaonde, lembra que “não seria totalmente nos últimos dez anos, foram injec- evidentecontinuarainvestiremEs- tadoscercade150milhõesdeeuros tarreja, se o Porto de Aveiro não se de investimentos públicos e priva- modernizasse”. Os preços compe- dos. titivosdetransportesãoimportan- Comooutrosportosnacionais,o tes, explica. deAveiromantémumaComunida- Bate palmas às acessibilidades de Portuária com uma associação rodo-ferroviárias existentes e não dotada de direcção executiva, e teme o adiamento da rede de alta onde estão representadas Autar- velocidadeoudasnovasauto-estra- quias e agremiações empresariais, das.“AlinhadaBeiraAltaserveper- bemcomo aUniversidade local. feitamente os nossos interesses. O presidente da Comunidade Aliás, os consultores do Governo Portuáriade Aveiro é António No- perguntaram-nosseaaltavelocida- gueiraLeite,queéadministradorda de seria essencial e nós dissemos CUF,umadasempresaslocalizadas que não”, refere. “Precisamos de no complexo petroquímico de Es- mais alternativas, não precisamos tarrejaequemaisbeneficiacomno- de alternativas amais”, conclui.
    • Jornal de Negócios | Segunda-Feira, 29 de Março de 2010de Suplemento || 35 Jornal de Negócios | Segunda-Feira, 29 de Março | 2010 | Refer IX . > No início de Março, circulou no novo ramal a primeira composição. Com 20 vagões e 220 metros de comprimento, transportou pasta de papel da Celtejo destinada a Itália. Região Centro à conquista de Leão e Castela APlataformaMultimodal de Cacia boiodiárioentreCaciaeAveiro. Está éaprimeirodosprojectosdoPlano PortugalLogísticoaentraremope- aindaprevistaainstalação no local de aoperadores logísticos envolvi- 25% 6,3 raçãoemtodasassuascambiantes. dos naactividade marítimae tam- crescimento anual previsto Área em hectares destinada Orçadaem12,6milhõesdeeuros,vai bém o transporte a cargo de gran- no tráfego, duplicando à fixação de actividades logísticas servirde ponto de ligação do Porto des indústrias que normalmente os movimentos de carga e à realização das operações deAveirocomalinhaferroviáriana- utilizam a ferrovia, como foi já o nos próximos quatro anos. ferroviárias adstritas. cionalecomasinfra-estruturasro- caso daAltri (pastade papel) ou da doviárias circundantes, nomeada- Cimpor(cimento). AGalp,comins- mente a A25, em direcção a Vilar talaçõesnaregião,tambémdeverá Formoso e àfronteiraespanhola, e beneficiardanovainfra-estrutura, aA1,queligaLisboaaoPorto. bemcomooutrasindústrias,como O alargamento natural do hin- as empresas químicas instaladas terlanddoPortodeAveiroatéàsre- emEstarreja. giões de Castela e Leão, em Espa- Pub nha,éumdosobjectivosdoprojec- to. Nasemanapassada, aComuni- dadePortuáriadeAveiroesteveem Valladolid,parasensibilizarpoten- ciais clientes espanhóis. A CP Carga deverá ser um dos principais operadores daplatafor- ma. O crescimento anual previsto para os próximos exercícios é de 25%, duplicando o movimento de quatro emquatro anos. Antes mesmo da nova ligação ferroviáriaaoPortodeAveiroestar concluída,aPlataformadeCaciajá tinhavárias operacionalidades em marcha, mas o investimento que embrevedeveráatingiravelocida- dedecruzeiro–ecujainauguração formalfoiefectuadanopassadodia 4 de Março – é de molde atorná-la umverdadeiro pólo de desenvolvi- mento paraaregião. Plataforma ocupa 9,8 hectares OcontratodeconcessãoàReferfoi celebradoemAbrilde2009,sendo quearesponsabilidadedainfra-es- truturaficou com o Porto de Avei- ro. O desenho do terminal inter- modalcontemplouumfeixedere- cepção/expedição de comboios e um de linhas de carga/descarga. Tendo como interfaces o ramal do portodeAveiroeaLinhadoNorte, a plataforma de Cacia ocupa uma área de 9,8 hectares, dos quais 6,3 destinadosàfixaçãodeactividades logísticas e àrealização das opera- ções ferroviárias adstritas. De acordo com informação a- vançadapelaadministraçãodoPor- todeAveiro,prevê-separaaspróxi- massemanasaoperaçãodeumcom-
    • X VI| Empreendedorismo | Negócios | Negócios | Terça-Feira,de 2010 2010 36 ||Suplemento | de Negócios | Segunda-Feira, 29 de Março Março Julho de 2010 Refer | Jornal Jornal de Jornal de Segunda-Feira, 29 de 14 de de Especial Porto de Aveiro > A Plataforma de Cacia foi inaugurada a 20 de Fevereiro, num investimento público de 12,1 milhões de euros. E STRATÉ G I A I D E I A S - C H AV E Portugal Logístico prevê rede nacional com 11 plataformas Neste momento estão em curso ou concluídos seis dos projectos previstos na rede prevista no Plano Nacional de Plataformas Logísticas. Plano contempla um investimento total superior a mil milhões de euros Paulo Duarte que emEspanhaexistiamcercade PLATAFORMA DO POCEIRÃO duasdezenasdeplataformasdotipo (LISBOA-SUL) enunciado,enquantoquedoladode Em Outubro foi emitida a declaração cádafronteiraexistiaapenasuma. de impacto ambiental. A construção Osriscosassociadosàcontinui- deverá ter início ainda este ano. dade deste estado de coisas eram As primeiras empresas iniciarão grandes. E não só se consubstan- a operação no primeiro semestre ciavamnumaperdade competiti- de 2012. Esta plataforma tem como vidade,mastambémnainadequa- promotor a Logz e implicará um dautilizaçãoerentabilizaçãodaca- investimento de 307 milhões de euros. pacidadeportuáriaeferroviáriajá instalada ou em projecto avança- PLATAFORMA DE CASTANHEIRA do de construção e remodelação. DO RIBATEJO (LISBOA NORTE) AsvantagenscompetitivasdePor- Está em curso o processo de infra- tugal poderiam estar a ser desba- -estruturação da plataforma, ratadas,nãoaproveitandoalocali- que tem como promotor a Abertis. zação geoestratégica do país em termosdecomunicaçõesintercon- PÓLO LOGÍSTICO DA BOBADELA tinentais atlânticas. Tem como promotor a CP e já se encontra em exploração. Implicou um Nova rede terá 11 plataformas investimento de 19 milhões de euros. Anovarededeplataformaslogísti- cas, entretanto apresentada, prevê PLATAFORMA DE LEIXÕES um investimento de 1,038 mil mi- Já foram emitidas as declarações lhõesdeeuros,dosquais131milhões de impacte ambiental favoráveis aos sãorelativosaacessibilidades.Esti- Pólos 1 e 2 e lançado o processo de Quando, hácercade três anos, foi zãodeserdainversãodetendência ma-sequearedefiqueoperacional, concurso para a concessão. O prazo apresentado o Plano Nacional de quesequeriaintroduziremPortu- O processo emvelocidadedecruzeiro,até2015. de entrega das propostas foi PlataformasLogísticas,opanorama daactividadeemPortugal,secom- gal. Questões macro económicas, como acrescente globalização dos logístico, na sua OPlanoPortugalLogísticoprevê aconstrução de plataformas urba- recentemente adiado por um mês e meio, a pedido dos concorrentes. É parado como daEuropa, eradeso- fluxosdemercadoriaseoacentuar globalidade, nas nacionais, de grande oumédia um projecto de 118 milhões de euros. lador.Marcadapeladispersãoepe- daespecialização dos mercados de dimensão,quesedeverãosituarem losaltoscustosdecapacidadeinsta- produção, provocavamo aumento chega a valer zonasperiféricasàsduasprincipais PLATAFORMA DE AVEIRO lada,alogísticaestavadeverasatra- sadaemrelação aos nossos princi- das distâncias percorridas pelas mercadorias, potenciando o trans- 15% dos custos áreas metropolitanas, de Lisboa e Porto.A redeintegraráaindaplata- No pólo portuário, as obras das acessibilidades rodoviárias e do ramal paisparceiroscomerciais. porte de grandes quantidades de de produção formas portuárias, em número de ferroviário estão concluídas. O pólo Foi precisamente o esbaterdas barreirasproteccionistasàcircula- produtos semi-acabados por via marítimaatécentroslogísticospró- das empresas. quatro,quesesituarãonasimedia- ções dos portos de Leixões, Aveiro, de Cacia já está em exploração, por contrato de concessão entre a REFER ção de bens, acentuando um am- ximosdosmercadosdeconsumo. LisboaeSines,sendoqualqueruma e a Administração do Porto de Aveiro. bientedecomércioglobalealocali- delas poli-nucleada. Haveráainda Investimento de 72,7 milhões. zaçãodasunidadesprodutivasnum Logística pesa 5% dos custos plataformastransfonteiriças, junto espaçogeográficocadavezmaisam- Asituaçãodeinfra-estruturalogís- aeixos estratégicos dos principais PLATAFORMA DE SINES plo,quedeterminouaapresentação ticaemPortugaleradeficitária.Ten- fluxosdetráfegoparaoexterior,em O pólo A já se encontra concluído. do plano do Portugal Logístico. do ematenção que o custo do pro- ticaemPortugalvinhademonstran- Valença,Chaves,GuardaeElvas.Fi- Investimento de 65 milhões de euros. Numcontextodeintensacompeti- cesso logístico, nasuaglobalidade, doumapreciávelgraudedesenvol- nalmente,existiráumaplataforma ção e pressão sobre as margens de chegaaatingiros15%doscustosde vimento–comdestaqueparaases- regionalemTunes,noAlgarve,que comercialização, a actividade de produção, nomeadamente nas pe- truturasdedistribuiçãocriadaspe- pretendeserviraregião. transporteearmazenagemganha- quenas e médias empresas, torna- lasredesdemédiasegrandessuper- Atodas estas plataformas, jun- vaparticularimportância,namedi- va-se notório que o cenário de de- fíciescomerciais–osubsistemade tar-seaindaosCentrosdeCargaAé- daemque, fazendo parte daestru- sarticulaçãoedesordenamentopo- apoio à produção demonstrava, à rea,nasimediaçõesdosactuaisdois turade custos e dacadeiade valor deriapôremcausaaprópriacapa- época de apresentação do Plano, principais aeroportos do País, não dosbens,seriaumelemento-chave cidadecompetitivadosectorindus- grandes debilidades, emclaracon- esquecendo a eventualidade da parasempreacompetitividade. trialportuguês. tradição com o que se passava na construção do novo Aeroporto de OpróprioPlanoexplicavajáara- Se no apoio ao consumo alogís- Europacomunitária. De destacar Lisboa.
    • Publicidade
    • Publicidade