• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Miologia - Estudo dos músculos
 

Miologia - Estudo dos músculos

on

  • 39,090 views

Os músculos são estruturas que movem os segmentos do corpo por encurtamento da distância que existe entre suas extremidades fixadas, ou seja , por contração. Embora os ossos e as articulações ...

Os músculos são estruturas que movem os segmentos do corpo por encurtamento da distância que existe entre suas extremidades fixadas, ou seja , por contração. Embora os ossos e as articulações formem o arcabouço do corpo, eles próprios não podem mover o corpo. O movimento resulta da contração e do relaxamento dos músculos.

Statistics

Views

Total Views
39,090
Views on SlideShare
38,262
Embed Views
828

Actions

Likes
19
Downloads
1,240
Comments
4

6 Embeds 828

http://portaldaanatomia.com.br 815
http://www.google.com.br 8
http://www.google.com.hk 2
http://www.facebook.com 1
https://twitter.com 1
http://webcache.googleusercontent.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

14 of 4 previous next Post a comment

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Miologia - Estudo dos músculos Miologia - Estudo dos músculos Document Transcript

    • Miologia – Estudo dos Músculos Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br(Musculatura do ombro na vista anterior - Fonte: Atlas de Anatomia Humana – F. Netter) Conteúdo: Os músculos são estruturas que movem os segmentos do corpo por encurtamento da distância que existe entre suas extremidades fixadas, ou seja, por contração. Embora os ossos e as articulações formem o arcabouço do corpo, eles próprios não podem mover o corpo. O movimento resulta da contração e do relaxamento dos músculos.
    • www.portaldaanatomia.com.br Sumário 1. Tipos de fibras musculares -------------------------------------------------------------------------------------- 03 2. Características do tecido muscular ----------------------------------------------------------------------------- 05 3. Funções do tecido muscular ------------------------------------------------------------------------------------ 05 4. Contração muscular ---------------------------------------------------------------------------------------------- 06 5. Fisiologia da contração ------------------------------------------------------------------------------------------ 07 6. Músculo estriado esquelético ----------------------------------------------------------------------------------- 08 7. Componentes anatômicos dos músculos ---------------------------------------------------------------------- 08 8. Origem e inserção ------------------------------------------------------------------------------------------------ 09 9. Classificação quanto a disposição das fibras paralelas ------------------------------------------------------ 10 10. Classificação quanto a disposição das fibras obliqua ------------------------------------------------------ 14 11. Classificação quanto ao número de origens ----------------------------------------------------------------- 16 12. Classificação quando ao número de inserções -------------------------------------------------------------- 19 13. Classificação quanto ao número de ventres ----------------------------------------------------------------- 21 14. Classificação funcional ---------------------------------------------------------------------------------------- 23 15. Atividades ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 24 Referências ----------------------------------------------------------------------------------------------------------- 25Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 2
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos 1. TIPOS DE FIBRAS MUSCULARES O músculo é o resultado do conjunto de várias células formadoras do tecido muscular. As células que formam o tecido muscular recebem o nome de fibras. Existem três tipos de fibras musculares: fibras musculares estriadas esqueléticas; fibras musculares lisas; fibras musculares estriadas cardíacas.  Tecido muscular estriado esquelético: é cilíndrico, polinucleado, com uma simetria proteica de ação voluntária e rápida. As fibras estriadas esqueléticas formam o tecido muscular estriado esquelético, isto porque ela esta ligada a nossa movimentação voluntária. Ela recebe este nome de estriada, porque a arrumação das proteínas formadoras da fibra permitem o aparecimento de estrias, faixas claras e faixas escuras. Na microscopia eletrônica ainda se observa um aspecto cilíndrico e polinucleado (células com mais de um núcleo). (representação do tecido muscular estriado esquelético)Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 3
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos  Tecido muscular liso: é mononucleada com simetria proteica, de aspecto fusiforme (em forma de ponta), a ação dele é involuntária. Nas fibras lisas o tecido é fusiforme, as células tem ponta, são mononucleadas (cada célula possuí apenas um núcleo), e neste caso as arrumações das proteínas não obedecem a uma simetria, como a estriada esquelética. As fibras lisas não dependem da nossa vontade, o seu funcionamento é automático. Ex.: a musculatura que forma o tratogastrintestinal. (representação do tecido muscular liso)  Tecido muscular estriado cardíaco: reúne características das duas, cilíndrica, mononucleada de contração involuntária com simetria proteica. A fibra cardíaca reúne uma característica da fibra esquelética que é de se contrair de maneira rápida, e uma característica da fibra lisa que é não depender da nossa vontade. Em tão a fibra cardíaca ganha uma característica da estriada esquelética, que é uma simetria do processo proteico de contração, é mononucleada, porém a ação dela é uma ação involuntária. (representação do tecido muscular estriado cardíaco)Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 4
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos 2. CARACTERÍSTICAS DO TECIDO MUSCULAR Acontece que independente da fibra ser esquelética, cardíaca ou lisa. Existem características que são importantes na compreensão de suas funções:  Excitabilidade: é a capacidade do tecido muscular de receber e responder a estímulos.  Contratilidade: é a capacidade de encurtar se e espessar se (contrair se).  Extensibilidade: é a capacidade do tecido muscular de distender se (estender).  Elasticidade: é a capacidade do tecido muscular de retornar à sua forma original após a contração ou a extensão. 3. FUNÇÕES DO TECIDO MUSCULAR O músculo tem quatro funções-chaves: produzir movimento do corpo, mover substâncias dentro do corpo, fornecer estabilidade e gerar calor.  Movimento do corpo: Os movimentos realizados pelo corpo dependem do funcionamento integrado de ossos, articulações e músculos esqueléticos.  Movimento de substâncias dentro do corpo: o músculo cardíaco produz contrações que movem o sangue através do coração e dos vasos sanguíneos. As contrações do músculo liso movem o alimento através do trato gastrintestinal, o espermatozoide e o óvulo através dos sistemas genitais, e a urina através do sistema urinário.  Estabilização das posições do corpo e regulação do volume dos órgãos: As contrações do músculo esquelético mantêm o corpo em posições estáveis, como ficar de pé ou sentado. Os músculos posturais apresentam contrações sustentadas, quando a pessoa esta desperta; por exemplo, os músculos do pescoço ficam parcialmente contraídos para mantêm a cabeça ereta.  Produção de calor: Quando o músculo esquelético se contrai para realizar trabalho, um subproduto é o calor. Boa parte do calor liberado pelo músculo é usado para manter a temperatura corporal normal.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 5
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos 4. CONTRAÇÃO MUSCULAR Então para que haja contração muscular é necessário que haja movimentação de alguma substância, que no caso é a proteína, e independentemente se ela esteja arrumada ou não, vai dar a característica de contratilidade na estrutura muscular, essas proteínas formam o que nós chamamos de miofibrilas.  Miofibrilas: são estruturas onde as proteínas se arrumam e estão presentes no citoplasma de cada fibra muscular. Essas miofibrilas são formadas por unidades de contração, denominadas de sarcômeros.  Sarcômero: é uma estrutura formada por duas proteínas, estas são denominadas de actina e miosina a disposição é paralela, onde se tem dois eixos formados pela miosina e três eixos formados pela actina. No processo de contração as proteínas de actina, se deslocam e deslizam por cima da miosina reduzindo então o que nós chamamos de espaço H, fazendo com que o sarcômero reduza, e essa redução faz com que as linhas Z que são faixas proteicas que delimitam o sarcômero, se aproximem. Então na realidade a contração muscular se dá por redução do sarcômero porque as proteínas de actina deslizam por cima das proteínas de miosina. (representação do sarcômero no estado relaxado e contraído)Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 6
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos 5. FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO Existe um elemento chamado ATP, que vai liberar energia para que haja o descolamento da actina por cima da miosina. E quem vai permitir que esse ATP libere essa energia é a miosina que vai adquirir uma característica, que nos chamamos de ATPase. Então a miosina que é uma proteína estrutural que formou o sarcômero, vai atuar como uma enzima forçando o ATP a liberar a energia. Quando ele liberar essa energia ele solta um fósforo e passa a condição de ADP. Esse ADP vai ser carregado pela respiração celular e volta à condição de ATP. Acontece que nos temos uma bateria de reserva chamada creatina que é acionada quando a respiração celular não consegue dar conta de repor a quantidade de energia solicitada. Então durante o processo de produção de energia a creatina é carregada e ela fica na condição de fosfocreatina. Quando a nossa atividade muscular é muito intensa a fosfocreatina passa direto a energia para o ADP transformando ele em ATP. Então a fosfocreatina tem que transferir a energia para o ATP, o ATP sofre a ação enzimática e libera a energia para que a contração muscular aconteça. (representação esquemática da fisiologia da contração)Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 7
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos 6. MÚSCULO ESTRIADO ESQUELÉTICO O músculo como um todo nasceu das miofibrilas, onde eu tenho as unidades de contração, que juntos formão as fibras musculares, estas são envoltas pelo endomísio, um grupamento de endomísio forma um feixe muscular o qual é envolvido pelo perimísio, e o conjunto de tudo isso forma o ventre músculo o qual este envolvido pelo epimísio. Este ventre possui em suas extremidades tendões que irão se fixar nos osso e a partir do processo de contração promover o movimento. (representação do componentes do músculo estriado esquelético) 7. COMPONENTES ANATÔMICOS DOS MÚSCULOS  Ventre Muscular: é o conjunto de fibras musculares.  Fáscia muscular: é um tecido conjuntivo fibroso que envolve o ventre muscular e minimiza o atrito gerado nas contrações musculares.  Tendão Muscular: é um tecido conjuntivo denso que fixa o músculo ao osso, é um componente passivo, pois não entra em atividade de contração.  Aponeurose: é o mesmo tecido dos tendões, mas o que difere é a forma.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 8
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos 8. ORIGEM E INSERÇÃO  Origem: é o ponto fixo do músculo, afixação de um tendão muscular no osso estacionário.  Inserção: é o ponto móvel do músculo, o qual vai em direção á origem, afixação do outro tendão muscular no osso móvel. (representação da origem e da inserção muscular – Fonte: Atlas de Anatomia Humana – SOBOTTA).Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 9
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos 9. CLASSIFICAÇÃO QUANTO A DISPOSIÇÃO DAS FIBRAS PARALELAS  Tipo longas: músculos nos quais predomina o comprimento. Ex.: m. esternocleidomastóideo.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 10
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos  Tipo Largo: músculos nos quais o comprimento e a largura se equivalem. Ex.: m. glúteo máximo.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 11
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos  Tipo leque: quando as fibras convergem para um tendão em uma das extremidades, tomando o aspecto de leque. Ex.: m. peitoral maior.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 12
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos  Tipo Fusiforme: quando ocorre uma convergência das fibras em direção aos tendões de origem e inserção. Ex.: m. braquial.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 13
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos 10. CLASSIFICAÇÃO QUANTO A DISPOSIÇÃO DAS FIBRAS OBLIQUA  Tipo Peniforme: músculos cujas fibras são oblíquas em relação aos tendões, lembrando barbas de uma pena. Ex.: m. reto da coxa (femoral). Estes músculos são ditos Bipenados (onde os feixes se prendem nas duas bordas do tendão).Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 14
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos  Tipo Semi-peniforme: quando os feixes musculares se prendem em uma só borda do tendão. Ex.: m. extensor longo dos dedos do pé. Estes músculos são ditos Unipenados.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 15
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos 11. CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO NÚMERO DE ORIGENS Quando os músculos apresentam mais de um tendão, se diz que apresenta mais de uma cabeça de origem por isso recebem as respectivas denominações:  Com 2 origens – Bíceps. Ex.: m. biceps braquial.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 16
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos  Com 3 origens – Tríceps. Ex.: m. triceps sural (da perna).Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 17
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos  Com 4 origens – Quadríceps. Ex.: m. quadríceps femoral (da coxa).Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 18
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos 12. CLASSIFICAÇÃO QUANDO AO NÚMERO DE INSERÇÕES Do mesmo modo os músculos podem se inserir por mais de um tendão. Recebendo assim as seguintes denominações:  Quando apresenta 2 inserções diz se Bicaudados. Ex.: m. flexor curto do hálux.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 19
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos  Quando apresenta 3 ou mais inserções diz se Policaudados. Ex.: m. extensor dos dedos da mão.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 20
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos 13. CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO NÚMERO DE VENTRES Alguns músculos apresentam mais de um ventre muscular. E são dito:  Digástricos: quando apresentam 2 ventres musculares. Ex.: m. digástrico.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 21
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos  Poligástricos: os que apresentam número maior de ventres. Ex.: m. reto do abdome.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 22
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos 14. CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL  Agonista: quando um músculo é o agente principal do movimento.  Antagonista: quando um músculo se opõe ao trabalho do agonista.  Sinergista: acompanha o movimento principal.  Fixadores: auxiliam o movimento principal com a fixação de um grupo muscular.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 23
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos 15. ATIVIDADES 1. Qual é a classificação funcional dos músculos? 2. Qual é a função do tecido muscular? Explique cada uma delas. 3. Como se chama o feixe de células musculares envolvidas pelo perimísio? 4. Quais são as características do tecido muscular? Explique cada uma delas. 5. O que são miofibrilas? 6. O que são sarcômeros? 7. Explique o processo de contração muscular. 8. Explique a fisiologia da contração muscular. 9. Quais são os componentes anatômicos dos músculos? 10. Diferencie origem e inserção. 11. Como são classificados os músculos quanto à disposição das fibras paralelas? 12. Como são classificados os músculos quanto à disposição das fibras oblíquas? 13. Como são classificados os músculos quanto ao número de origens? 14. Como são classificados os músculos quanto ao número de inserções? 15. Como são classificados os músculos quanto ao número de ventres?Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 24
    • www.portaldaanatomia.com.br Miologia – Estudo dos Músculos REFERÊNCIAS MOORE, K. L.; DALLEY, A. F.. Anatomia orientada para a clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. DANGELO, J. G.; FATTINI, C. A.. Anatomia humana sistêmica e segmentar: para o estudante de medicina. São Paulo: Editora Atheneu, 2002. GARDNER E ET AL. Anatomia Geral — Introdução. Anatomia — Estudo Regional do Corpo Humano. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1971. p.3-9. TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. NETTER, F. Atlas de Anatomia Humana. 4. ed. Elsevier, 2002.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 25
    • peso e servir como alavanca para impulsionar o corpo. A construção do pé com vários ossos e articulações, permite a adaptação do pé aos tipos de superfícies, além de aumentar sua ação propulsora. 2. ESQUELETO DO PÉ O esqueleto do pé é formado pelos ossos tarsais, metatarsais e falanges. Quase todos os ossos se unem por articulações sinoviais, conferindo mobilidade necessária para se adaptar a forças longitudinais aplicadas sobre o pé e, se moldar aos diferentes tipos de superfícies durante a marcha. Os ossos do tarso (do grego – tarso = superfície plana) a palavra era usada para uma série de estruturas planas. Hipócrates usava a expressão “tarsós podós” = planta do pé. Galeno utilizou o termo para o esqueleto, envolvendo apenas os ossos cuneiformes e cubóide como parte do tarso. São ossos pares e curtos, totalizando sete ossos em cada pé.  O tálus (do latim –PORTAL DA ANATOMIA HUMANA talus www.portaldaanatomia.com.br dado de = tornozelo, contato@portaldaanatomia.com.br jogar), articula-se, proximalmente, com a face inferior da tíbia e, as porções articulares