Your SlideShare is downloading. ×
Coluna vertebral
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Coluna vertebral

71,720
views

Published on

A coluna vertebral constitui o eixo ósseo do corpo e está constituída de modo a oferecer a resistência de um pilar de sustentação mas também a flexibilidade necessária à movimentação do tronco. Assim, …

A coluna vertebral constitui o eixo ósseo do corpo e está constituída de modo a oferecer a resistência de um pilar de sustentação mas também a flexibilidade necessária à movimentação do tronco. Assim, ela protege a medula espinhal do sistema nervoso central que está alojada no seu interior, seve de pivô para suporte e mobilidade da cabeça, permite movimentos entre as diversas partes do tronco e da fixação a numerosos músculos.

Published in: Education

1 Comment
17 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
71,720
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
1,281
Comments
1
Likes
17
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Coluna Vertebral Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br (Curvaturas da coluna vertebral - fonte: Atlas de Anatomia Humana - Sobotta.)Conteúdo:A coluna vertebral constitui o eixo ósseo do corpo e estáconstituída de modo a oferecer a resistência de um pilar desustentação mas também a flexibilidade necessária àmovimentação do tronco. Assim, ela protege a medula espinhaldo sistema nervoso central que está alojada no seu interior,seve de pivô para suporte e mobilidade da cabeça, permitemovimentos entre as diversas partes do tronco e da fixação anumerosos músculos.
  • 2. www.portaldaanatomia.com.br Sumário 1. Coluna vertebral -------------------------------------------------------------------------------------------------- 03 2. Curvaturas da coluna vertebral --------------------------------------------------------------------------------- 05 3. Estrutura geral das vértebras ------------------------------------------------------------------------------------ 06 4. Características particulares das vértebras --------------------------------------------------------------------- 09 5. Vértebras cervicais ----------------------------------------------------------------------------------------------- 09 6. Atlas ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 09 7. Áxis ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 12 8. Vértebras torácicas ----------------------------------------------------------------------------------------------- 19 9. Vértebras lombares ----------------------------------------------------------------------------------------------- 24 10. Sacro -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 28 11. Cóccix ------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 35 Atividade ------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 37 Referências ----------------------------------------------------------------------------------------------------------- 38Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 2
  • 3. www.portaldaanatomia.com.br Coluna Vertebral 1. COLUNA VERTEBRAL A coluna vertebral constitui o eixo ósseo do corpo e está constituída de modo a oferecer a resistência de um pilar de sustentação mas também a flexibilidade necessária à movimentação do tronco. Assim, ela protege a medula espinhal do sistema nervoso central que está alojada no seu interior, seve de pivô para suporte e mobilidade da cabeça, permite movimentos entre as diversas partes do tronco e da fixação a numerosos músculos. Sua função principal, entretanto, é suportar o peso da maior parte do corpo e transmiti-lo, através da articulação sacroilíaca, para os ossos do quadril. Para cumprir esta funções, a coluna apresenta certas características: I. Está constituída de 33 peças esqueléticas, as vértebras, colocadas umas sobre as outras no sentido longitudinal, de modo a formar um conjunto que se estende pela nuca, tórax, abdome e pelve, donde reconhecermos sete vértebras cervicais, doze torácicas, cinco lombares, cinco sacrais e quatro coccígeas. As vértebras sacrais são fundidas em peças única, o sacro, alicerce da pelve, que se articula com os ossos do quadril. As vértebras coccigeas são rudimentares no homem e não têm a importância que lhes é conferida nas espécies caudadas. Por ser um suporte de peso, a parte anterior das vértebras, corpo vertebral, aumenta de volume da porção cervical a lombar, uma vez que as vértebras inferiores têm sobrecarga de peso, quando comparadas com as vértebras superiores. II. Apresenta, entre os corpos vertebrais, um disco intervertebral, fibrocartilaginoso, depressível, capaz de absorver os aumentos de pressão numa súbita sobrecarga da coluna e conferir mobilidade entre vértebras adjacentes. III. Apresenta curvaturas no sentido anteroposterior, indispensáveis para a manutenção do equilíbrio e da postura ereta.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 3
  • 4. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 4
  • 5. www.portaldaanatomia.com.br Coluna Vertebral 2. CURVATURAS DA COLUNA VERTEBRAL Antes do nascimento, a coluna vertebral acompanha a forma da parede da cavidade uterina, como faz o feto, de modo que está fletida em curva suave e contínua de concavidade anterior, denominada curvatura primária da coluna vertebral. Entretanto, a extremidade superior desta curvatura retifica se quando a criança se torna capaz de erguer a cabeça e depois, a manutenção ereta da cabeça e sua movimentação pela musculatura do pescoço, invertem a curvatura primária na região cervical, cuja concavidade passa a ser posterior. O mesmo ocorre na região lombar da coluna, em adaptação as forças da carga e locomoção, desde que a criança começa a levantar se e andar. Assim, também o segmento lombar da coluna do adulto e côncavo para trás. Deste modo, duas curvaturas, a torácica e a sacral, mantêm a direção da curvatura primária do feto, e são ditas curvaturas primárias da coluna vertebral, enquanto que as curvaturas cervical e lombar apresentam sentido inverso daquelas e são ditas curvaturas secundárias (ou compensatórias) da coluna vertebral. As convexidades cervical e lombar se continuam suavemente com a concavidade torácica, mas a passagem da curvatura lombar para sacral é abrupta. A sequência destas curvaturas é essencial para que a coluna possa suportar compressão no sentido longitudinal (axial) sem prejudicar a postura ereta. Entretanto, o exagero nesta curvatura traduz uma situação patológica. Assim, o aumento ou irregularidade da curvatura torácica é denominado cifose, sendo lordose o exagero da curvatura lombar. Por outro lado, não há curvatura laterais na coluna, mas elas podem ser criadas pelo desvio lateral de algumas vértebras, caracterizando a escoliose, causa de deformidade e desequilíbrio locomotor.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 5
  • 6. www.portaldaanatomia.com.br Coluna Vertebral 3. ESTRUTURA GERAL DAS VÉRTEBRAS Embora seja possível descrever características particulares para as vértebras de cada uma das porções da coluna, todas elas possuem uma estrutura básica, comum. Assim, cada vértebra está constituída por um anel ósseo que circunda um forame (forame vertebral), o qual pode ser considerado como um segmento do canal vertebral onde se aloja a medula espinhal. A parte anterior do anel é o corpo da vértebra, cilindróide e com superfícies cranial e caudal planas. A parte posterior do anel, denominado arco vertebral, consiste de um par de pedículos e um par de lâminas. Os pedículos projetam se posteriormente da parte superior do contorno posterior do corpo da vértebra e se unem com as lâminas que se fundem no plano mediano. Observe então o seguinte: a) no ponto de fusão das lâminas no plano mediano, projeta se posteriormente o processo espinhoso. b) no ponto de fusão dos pedículos com as lâminas projetam se três processos adicionais com direções diferentes; o processo transverso, lateralmente; o processo articular superior, cranialmente; e o processo articular inferior, caudalmente. Estes dois últimos processos apresentam uma faceta articular. Na coluna vertebral, estas facetas de vértebras adjacentes encaixam se perfeitamente. As quatro facetas articulares de cada vértebra e o disco intervertebral compreendem o mecanismo de articulação de vértebras adjacentes. c) as faces superior e inferior do pedículo apresentam uma denteação, as incisuras vertebrais, superior e inferior. Cada incisura, juntamente com a vizinha da vértebra adjacente, forma um forame intervertebral para passagem do nervo espinhal e vasos.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 6
  • 7. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 7
  • 8. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 8
  • 9. www.portaldaanatomia.com.br Coluna Vertebral 4. CARACTERÍSTICAS PARTICULARES DAS VÉRTEBRAS As vértebras das regiões cervical, torácica e lobar apresentam características próprias, regionais, que distinguem estes grupos vertebrais. 5. VÉRTEBRAS CERVICAIS A 1ª e 2ª vértebra cervicais são consideradas atípicas e denominadas, respectivamente, atlas e áxis. As quatro seguintes são consideradas típicas, como a sétima, embora esta apresente algumas particularidades que serão mencionadas. 6. ATLAS Seu nome vem do fato de que suporta a cabeça, como a figura mitológica carregava o globo terrestre. A vértebra não apresenta um corpo vertebral e, assim, é um anel losângico que circunda um grande forame vertebral. Nos ângulos laterais do losango o osso apresenta massas laterais, interligados pelos arcos anterior e posterior. Sobre cada massa lateral apresenta se a fóvea articular superior, que recebe o côndilo occipital do crânio. O processo transverso projeta se lateralmente e apresenta uma forame transverso, para a passagem da artéria vertebral em eu trajeto para o crânio. Medialmente a fóvea superior pode ser identificado um tubérculo proeminente para a inserção do ligamento transverso do atlas. O arco anterior fecha o anel no plano mediano e apresenta, neste local, na sua face posterior, um faceta (fóvea) articular para o dente do áxis. Finalmente, na face interior de cada massa lateral há uma fóvea articular inferior para a faceta superior da vértebra subjacente.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 9
  • 10. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 10
  • 11. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 11
  • 12. www.portaldaanatomia.com.br Coluna Vertebral 7. ÁXIS A 2ª vértebra cervical tem este nome por servir de eixo para rotação do atlas com o crânio que ele suporta. a superfície superior do corpo vertebral projeta se no dente do áxis, com o qual se articula a face posterior do arco anterior do atlas. As fóveas articulares superiores situam se de cada lado do dente. Sobre elas giram as facetas inferiores do atlas. O ligamento transverso do atlas mantém a estabilidade da articulação do dente do áxis com a fóvea do arco anterior do atlas, estirado entre os tubérculos das massas laterais da primeira vértebra cervical. Ao contrário do atlas que não apresenta processo espinhoso, o do áxis é bifurcado, como ocorre nas vértebras cervicais típicas. 3ª, 4ª, 5ª, 6ª Vértebras Cervicais As seguintes características são particulares das vértebras cervicais C3, C4, C5 e C6: a) seu forame vertebral tem forma triangular. b) os processos transversos apresentam o forame transverso, para passagem da a. vertebral, que termina em dois tubérculos, anterior e posterior. O tubérculo anterior de C6 é de maior tamanho e denomina se tubérculo carótida, porque a a. carótida comum pode ser comprimida contra ele. c) os processos espinhosos é longo e não bifurcado, facilmente palpável, principalmente quando se flete a cabeça. Termina em um tubérculo que dá inserção ao ligamento da nuca. É conhecida como vértebra proeminente. d) o forame transverso pode não existir e, existindo, dá passagem a pequenas veias e só raramente à a. vertebral.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 12
  • 13. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 13
  • 14. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 14
  • 15. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 15
  • 16. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 16
  • 17. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 17
  • 18. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 18
  • 19. www.portaldaanatomia.com.br Coluna Vertebral 8. VÉRTEBRAS TORÁCICAS Embora as vértebras T1, T9, T10, T11 e T12 possam apresentar alguns acidentes que as distinguem das demais vértebras torácicas, estas diferenças não são de grande importância. É evidente que a primeira vértebra torácica tende a assemelhar se à última cervical, assim como as últimas torácicas podem apresentar alguns aspectos encontrados nas vértebras lombares. Para efeitos práticos entretanto, vamos assinalar aqui apenas as particularidades que são próprias das vértebras torácicas em geral. a) articulam se com as costelas e estas o fazem com o corpo vertebral e processo transverso. Para isto, o corpo apresenta uma fóvea costal superior, oval, situada na emergência do pedículo, e pode apresentar uma fóvea costal inferior, pois a cabeça da costela pode ultrapassar o corpo vertebral das vértebra subjacente e alcançar o suprajacente. Por sua vez, o processo transverso apresenta a fóvea costal transversa para articular se com o tubérculo da costela. b) os processos espinhosos são muito inclinados em relação ao plano do corpo da vértebra. c) os corpos vertebrais têm um volume intermediário entre o das vértebras cervicais e o das lombares. d) as facetas articulares situam se principalmente num plano frontal.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 19
  • 20. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 20
  • 21. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 21
  • 22. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 22
  • 23. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 23
  • 24. www.portaldaanatomia.com.br Coluna Vertebral 9. VÉRTEBRAS LOMBARES Entre as particularidades das vértebras lombares devem ser assinaladas as seguintes. a) são as vértebras mais volumosas da coluna vertebral, com corpo reniforme (em forma de rim). b) os processos espinhosos são curtos e quadriláteros, situando se no mesmo plano horizontal dos corpos vertebrais. c) não apresentam fóveas costais e forame transverso. d) as facetas articulares estão situadas em plano anteroposterior, de modo que se articulam quase em plano sagital.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 24
  • 25. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 25
  • 26. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 26
  • 27. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 27
  • 28. www.portaldaanatomia.com.br Coluna Vertebral 10. SACRO No adulto o sacro é formado pela fusão de cinco vértebras sacrais que diminuem de tamanho no sentido crânio-caudal. Deste modo, é um osso triangular recurvo, de base superior e ápice inferior, com concavidade anterior. Situa se em cunha entre os ossos do quadril e fecha, posteriormente, a cintura pélvica. Apresenta uma base, um ápice, e faces pélvicas, dorsal e lateral. Na base vê se á abertura do canal sacral (que corresponde o canal vertebral na coluna) circundado pelo corpo e arco vertebral da primeira vértebra sacral, semelhante, na forma e elementos estruturas, a uma vértebra lombar. Na face pélvica identifique uma área óssea mediana, uma série de forames de cada lado e as duas massas laterais. A área mediana é composta pelos cinco corpos vertebrais fendidos, sendo o primeiro, nítido. Este articula se com a 5ª vértebra lombar por um disco intervertebral lombossacral. Na borda superior do contorno anterior do corpo da 1ª vértebra sacral, no plano mediano, um ponto mais projetado marca o promontório sacral. Note as quatro linhas transversas que cruzam a área óssea mediana e marcam a posição dos discos intervertebrais ossificados. Nos extremos destas linhas identifique os forames sacrais pélvicos, por onde emergem os ramos ventrais dos quatro primeiros nervos sacrais. Observando um corte, nota se como o canal sacral se comunica com os forames pélvicos e dorsais. Repare que o nervo sacral se divide, ainda dentro de um túnel ósseo de comunicação, nos seus ramos ventrais e dorsais que emergem então pelos forames. Nas outras regiões da coluna a divisão do nervo espinhal se faz imediatamente após sua emergência pelo forma intervertebral. Observa se que lateralmente, cinco robustos processos ósseos contornam os forames e fundem se para formar as massas laterais direita e esquerda do sacro. A parte mais superior das massas laterais, correspondentes ao corpo de S1, expandem se para constituir as asas do sacro.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 28
  • 29. www.portaldaanatomia.com.br Coluna Vertebral A face dorsal do sacro é acidentada e convexa, enquanto que a pélvica é lisa e côncava. Observe que a fusão das peças sacrais esconde o canal sacral, mas ele é visível no extremo inferior como uma abertura triangular, o hiato sacral, pois não há fusão da quarta e quinta lâminas sacrais. O hiato é o término do canal sacral e, no vivente, é ocluído por uma membrana fibrosa. No plano mediano observe a crista sacral mediana, resultante da fusão de processos espinhosos reduzidos a quatro tubérculos espinhosos (o hiato sacral ocupa o lugar do quinto). De cada lado da crista sacral mediana há uma crista sacral intermédia, produto da fusão dos processos articulares. Esta apresenta pequenos tubérculos articulares, lateralmente aos quais situam se os forames sacrais dorsais, por onde emergem os ramos dorsais dos quatro primeiros nervos sacrais (o quinto sai pelo hiato sacral). Lateralmente aos forames pode se identificar uma terceira crista sacral lateral. Observe a presença, na parte mais cranial da face posterior, correspondendo à primeira vértebra sacral, de proeminentes processos articulares que se articulam com os articulares inferiores da quita vértebra lombar. A face lateral é alargada até o nível de S1, mas estreita se consideravelmente em direção caudal para converter se, inferiormente, em simples borda. A porção alargada é áspera no seu terço dorsal, mas apresenta uma faceta articular nos dois terços pélvicos, a faceta auricular (pois tem forma de orelha), para articular se com o ílio na articulação sacrilíaca.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 29
  • 30. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 30
  • 31. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 31
  • 32. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 32
  • 33. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 33
  • 34. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 34
  • 35. www.portaldaanatomia.com.br Coluna Vertebral 11. CÓCCIX Deriva se da fusão de 3 ou 4 peças coccígeas, constituindo um osso irregular, afilado, que representa o vestígio da cauda no extremo inferior da coluna vertebral. Articula se com o sacro por meio de um disco intervertebral.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 35
  • 36. www.portaldaanatomia.com.br Coluna VertebralProf. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 36
  • 37. www.portaldaanatomia.com.br Coluna Vertebral ATIVIDADE 1. Cite as divisões da coluna vertebral e quantas vértebras encontramos em cada uma delas. 2. Qual estrutura une o processo espinhoso ao processo transverso? 3. Qual estrutura une o processo transverso ao corpo vertebral? 4. Como ocorre a articulação entre as costelas e a coluna vertebral? 5. Cite 3 funções da coluna vertebral. 6. Quais as características gerais das vértebras? 7. Explique como diferenciamos as vértebras por região. 8. Cite quais ossos se articulam com a primeira vértebra torácica (T1). 9. Cite 5 acidentes ósseos do sacro. 10. Quais ossos se articulam com o sacro? 11. Explique a anatomia do disco intervertebral.Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 37
  • 38. www.portaldaanatomia.com.br Coluna Vertebral REFERÊNCIAS MOORE, K. L.; DALLEY, A. F.. Anatomia orientada para a clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. DANGELO, J. G.; FATTINI, C. A.. Anatomia humana sistêmica e segmentar: para o estudante de medicina. São Paulo: Editora Atheneu, 2002. GARDNER E ET AL. Anatomia Geral — Introdução. Anatomia — Estudo Regional do Corpo Humano. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1971. p.3-9. TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. http://auladeanatomia.com/Prof. Gustavo Martins PiresE-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 38
  • 39. peso e servir como alavanca para impulsionar o corpo. A construção do pé com vários ossos e articulações, permite a adaptação do pé aos tipos de superfícies, além de aumentar sua ação propulsora. 2. ESQUELETO DO PÉ O esqueleto do pé é formado pelos ossos tarsais, metatarsais e falanges. Quase todos os ossos se unem por articulações sinoviais, conferindo mobilidade necessária para se adaptar a forças longitudinais aplicadas sobre o pé e, se moldar aos diferentes tipos de superfícies durante a marcha. Os ossos do tarso (do grego – tarso = superfície plana) a palavra era usada para uma série de estruturas planas. Hipócrates usava a expressão “tarsós podós” = planta do pé. Galeno utilizou o termo para o esqueleto, envolvendo apenas os ossos cuneiformes e cubóide como parte do tarso. São ossos pares e curtos, totalizando sete ossos em cada pé.  O tálus (do latim –PORTAL DA ANATOMIA HUMANA talus www.portaldaanatomia.com.br dado de = tornozelo, contato@portaldaanatomia.com.br jogar), articula-se, proximalmente, com a face inferior da tíbia e, as porções articulares