Vpopular
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Vpopular

on

  • 4,747 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,747
Views on SlideShare
4,747
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
43
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Vpopular Vpopular Document Transcript

  • Música Popular Arquivo de música de língua portuguesa 26 de Abril de 2003 1
  • Conteúdo A caminho de Viseu . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 Achégate a mim, Maruxa . . . . . . . . . . . . . . 5 Agora que eu vou cantar . . . . . . . . . . . . . . 6 alecrim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 Alta vai a lua . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 A machadinha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 A minha saia velhinha . . . . . . . . . . . . . . . . 10 Amores do Douro . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 Anda duermete niño . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 Ao passar a ribeirinha . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Ao romper da bela aurora . . . . . . . . . . . . . . 15 A plaina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 A praia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 As armas do meu adufe . . . . . . . . . . . . . . . 19 A senhora Chamarrita . . . . . . . . . . . . . . . . 20 Bailinho da Madeira . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Bela aurora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 Canário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Cantar dos Reis (Donões, Montalegre) . . . . . . . 24 Cantiga da Roda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 Casei-me cun pastori . . . . . . . . . . . . . . . . 26 Cerigoça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 Chamarrita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Charamba . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 Chin-glin-din . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Chula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 Delicada da cintura . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 Diz a laranja ao limão . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Em 25 de Março . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 Entrai pastores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 Entrudo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 Entrudo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Este linho é mourisco . . . . . . . . . . . . . . . . 40 Eu hei-de amar uma pedra . . . . . . . . . . . . . 41 Foi na noite de Natal . . . . . . . . . . . . . . . . 42 Fui-te ver estavas lavando . . . . . . . . . . . . . . 43 Garras dos sentidos . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 Guitarra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 Laurinda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 Lá vai o comboio . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 Lenga, lenga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 Lira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 Malhão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 Manuel cuco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 Maria Faia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 Marião . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 Menina e moça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 2
  • Vou-me embora vou partir Menina estás à janela . . . . . . . . . . . . . . . . 57 Milho verde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 moleirinha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 Letra e música: popular: Alentejo; Intérprete: Vitorino (?); Não olhes pra mim não olhes . . . . . . . . . . . . 60 Vou-me embora, vou partir mas tenho esperança Natal africano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 de correr o mundo inteiro, quero ir No alto da montanha . . . . . . . . . . . . . . . . 62 quero ver e conhecer rosa branca No alto daquela serra . . . . . . . . . . . . . . . . 63 e a vida do marinheiro sem dormir Noite feliz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 O fado dos passarinhos . . . . . . . . . . . . . . . 65 E a vida do marinheiro branca flor Oh meu S. Bentinho . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 que anda lutando no mar com talento Oh oh meu menino . . . . . . . . . . . . . . . . . 67 adeus adeus minha mãe, meu amor Oh que janela tão alta . . . . . . . . . . . . . . . . 68 eu hei-de ir hei-de voltar com o tempo O ladrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 Olhei para o céu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 Olhos pretos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71 Oliveira da serra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72 O Menino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 O menino está dormindo . . . . . . . . . . . . . . 74 Ó menino ó . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 Ó minha amora madura . . . . . . . . . . . . . . . 76 Ó patrão dê-me um cigarro . . . . . . . . . . . . . 77 O que manto de tristeza . . . . . . . . . . . . . . . 78 Ó rosa, arredonda a saia . . . . . . . . . . . . . . . 79 Os bravos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80 O sol perguntou à lua . . . . . . . . . . . . . . . . 82 Pezinho da vila . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 Pézinho do pico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 Porque não me vês Joana . . . . . . . . . . . . . . 85 Por riba se ceifa o pão . . . . . . . . . . . . . . . . 86 Puestos entan frente a frente . . . . . . . . . . . . 87 Rama . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 Resineiro engraçado . . . . . . . . . . . . . . . . . 90 Ribeira vai cheia . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91 Romance Da Lhoba (romance da loba) . . . . . . . 92 Rouxinol repica o canti . . . . . . . . . . . . . . . 93 San Macaio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Sapateia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Senhor da Serra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 S. Simão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 Tia Anica de Loulé . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 Trângulo mângulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 Três galinhas a cantar . . . . . . . . . . . . . . . . 102 Uma sardinha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 Vem cantar à roda . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 Verde Gaio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 Vou-me embora vou partir . . . . . . . . . . . . . 106 106 3
  • A caminho de Viseu Verde Gaio Letra e música: popular; (canção infantil, canção de roda) Letra e música: popular; A E7 Indo eu, indo eu, A A caminho de Viseu, [Bis] E7 Encontrei o meu amor, A Ai Jesus, que lá vou eu! [Bis] [Refrão] Ora zus, truz, truz, Ora zás, trás, trás, Ora chega, chega, chega, Ora arreda lá pr’a trás! Hei-de cantar hei-de rir [bis] hei-de ser muito alegre [bis] Indo eu, indo eu, hei-de mandar a tristeza [bis] A caminho de Viseu, para o demo que a leve [bis] Escorreguei, torci um pé, Ai que tanto me doeu! Verde gaio verde gaio verde guito [bis] agora é que vai a meio [Refrão] o rapaz do casaquito Vindo eu, vindo eu, agora é que vai a meio Da cidade de Viseu, o rapaz do casaquito Deixei lá o meu amor, O meu amor quer que eu tenha [bis] O que bem me aborreceu! juizo capacidade [bis] [Refrão] tenha ele que é mais velho [bis] eu sou de menor idade [bis] Fernando Faria (Alternativamente C/G7) verde gaio ... A E7 Sei um saco de cantigas [bis] e mais uma saquetinha [bis] quando as quero cantar [bis] desato-lhe a baracinha [bis] A. Guimarães 4 105
  • Vem cantar à roda Achégate a mim, Maruxa Letra e música: popular; (canção de campos de férias) Música: Zeca Afonso; Letra: popular: galego; Intérprete: Zeca Afonso; (cantar galego) Foi no grande tro-la-ró de Viana qu’eu achei qu’eu achei uma menina que no tro-la-ró deixei aguenta minha gente que uma hora não é nada que quem não cantar agora cantará de madrugada ah ah ah (Mariana) ah ah ah (Marianinha) vem cantar à roda vem cantar sozinha Eu cantar não sei Achégate a mim, Maruxa mas hei-de aprender chégate ben, moreniña peço ajuda ao (Manel) quérome casar contigo para o fazer serás miña mulleriña Mariana Adeus, estrela brilante compañeiriña da lua Nota - Na quadra 3 o grupo indica alguém (Mariana) que irá cantar moitas caras teño visto a quadra 4 sozinha. Na quadra 4, quam canta sozinho escolhe o mais como a tua ningunha seguinte. Adeus lubeiriña triste de espaldas te vou mirando non sei que me queda dentro que me despido chorando jj 0 In: “fura fura”, 1979; 104 5
  • Agora que eu vou cantar Uma sardinha Música: José Manuel David; Letra: popular: Alentejo; In- Letra e música: popular (?); (canção de campos de férias) térprete: Gaiteiros de Lisboa; Agora que eu vou cantar viva o meu atrevimento quem não me quiser ouvir bote os ouvidos ao vento Por bem cantar, mal não digas dos que a voz aqui levantam pois uns cantam o que sabem e outros sabem o que cantam José Guimarães Uma sardinha [bis] duas sardinhas [bis] três sardinhas [bis] um pau e um gato [bis] que se esconderam [bis] num sapato [bis] ah xixixixiuaua [bis] ah uauauauaxixi [bis] de la senhorita [bis] (luisita) [bis] uma sardinha [bis] duas sardinhas [bis] três sardinhas [bis] um pau e um gato [bis] que se disputarm [bis] te tal maneira [bis] de se meterem [bis] na banheira [bis] ah xixixixiuaua [bis] ah uauauauaxixi [bis] de la senhorita [bis] (luisita) [bis] jj 0 In: “bocas do inferno”, 1997; 6 103
  • Três galinhas a cantar alecrim Música: (popular francesa); Letra: popular; (canção infan- Letra e música: popular; til) Alecrim alecrim aos molhos por causa de ti choram os meus olhos ai meu amor quem te disse a ti que a flor do monte era o alecrim Alecrim alecrim doirado que nasce no monte Três galinhas a cantar sem ser semeado vão p’ro campo passear; ai meu amor a da frent’é a primeira quem te disse a ti logo’as outras em carreira, que a flor do monte vão assim a passear era o alecrim os bichinhos procurar Mariana A. Guimarães (versão portuguesa de “A vous dirais je Maman”) 102 7
  • Alta vai a lua não ficaram senão três dessas três que me ficaram Letra e música: popular: Trás-os-Montes; mandei-as calçar as luvas deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas Alta vai a lua alta não ficaram senão duas mais q(e) sol do meio-dia; e mais alta vai a Senhora dessas duas que ficaram quando para Belém ia; mandei-as comer pirua e Madalena ia trás dela deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas e alcança-la não podia; não ficaram senão uma e alcançou-a em Belém onde ela estaba parida; Tinha vinte e quatro freiras e era tanta a sua pobreza fi-las andar na poeira que nenhum cueiro tinha; elas morreram-me todas deitou mãos à sua cabeça com uma grande borracheira a um véu que ela trazia; Victor Almeida (Sta Marta de Penaguião) e garrou tisourinha d’ouro e em três tiras o partia; uma para pela manha e outra para o meio-dia e outra para o meio da noite onde Jesus envolvia outra para o meio da noite onde Jesus envolvia. (Português-Mirandés) 0 In: “Música tradicional, vol 6- Terras de Miranda”; 8 101
  • Trângulo mângulo A machadinha Música: Carlos Guerreiro; Letra: popular; Intérprete: Gai- Letra e música: popular; (dança de roda infantil) teiros de Lisboa; (lenga-lenga) Dm Tinha vinte e quatro freiras Ah, ah, ah, minha machadinha,[bis] Mandei-as fazer um doce A7 deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas Quem te pôs a mão, não ficaram senão doze Dm Sabendo que és minha?[bis] Dessas doze que ficaram mandei-as vestir de bronze Sabendo que és minha, também eu sou tua, deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas Sabendo que és minha, também eu sou tua, não ficaram senão onze Salta machadinha, p’ro meio da rua, Salta machadinha, p’ro meio da rua. dessas onze que ficaram mandei-as lavar os pés No meio da rua não hei-de ficar, deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas No meio da rua não hei-de ficar, não ficaram senão dez Eu hei-de ir à roda, escolher o meu par, Eu hei-de ir à roda, escolher o meu par. dessas dez que me ficaram mandei-as pró dezanove Fernando Faria deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas Dm A7 não ficaram senão nove dessas nove que ficaram mandei-as coer biscoito deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão oito dessas oito que ficaram manei-as pró dezassete deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão sete dessas sete que me ficaram mandei-as contar os reis deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão seis dessas seis que me ficaram mandei-as pró João Pinto deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão cinco dessas cinco que ficaram mandei-as cortar tabaco deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão quatro dessas quatro que ficaram mandei-as lá outra vez deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas 100 9
  • A minha saia velhinha Tia Anica de Loulé Letra e música: popular: Minho; Letra e música: popular: Algarve; A Tia Anica, tia Anica, E7 Tia Anica de Loulé, A quem deixaria ela A A caixinha do rapé? [Bis] [Refrão=] A minha saia velhinha A E7 Está toda rotinha Olé, olá, d’andar a bailar A Esta vida não está má, agora tenh’uma nova E7 feitinha na moda Olá, olé, p’ra eu estriar. A Minha mãe casai-me cedo, Tia Anica de Loulé. enquanto sou rapariga: Tia Anica, tia Anica, que o milho ceifado tarde Tia Anica da Fuseta, não dá palha nem espiga! A quem deixaria ela O meu amor era torto A barra da saia preta? e eu mandei-o cavacar: [Refrão] agora já tenho lenha para fazer um jintar. Tia Anica, tia Anica, Tia Anica de Alportel, José Nuno Oliveira (recolhida em Marrancos, anos 70) A quem deixaria ela A barra do seu mantel? [Refrão] Fernando Faria A E7 10 99
  • S. Simão Amores do Douro Música: João Afonso; Letra: popular; Intérprete: João Afonso; Música: Ricardo Costa, Carla Lopes; Letra: popular; Intér- (rimance) prete: Frei Fado d’El Rei; Em Castela há um santo que se chama S. Simão Ó meu amor se te fores onde vão frades e freiras ouvir a missa e sermão; Leva-me no teu coração e também D. Maria, das mais altas que lá vão. Eu navego nos teus olhos Ao entrar para a igreja sete frades namorou; E tu no meu coração o que estava a dizer missa logo para trás olhou; o que mudou o missal sete folhas lhe rasgou; O meu coração é terra Hei-de mandar cavá-lo o que dava as galhetes todo o vinho lhe arramou; e o que tocava o sino do campanário saltou; Para semear saudades quebrava sete costelas e um braço deslocou! Que tenho de te falar Mal haja a D. Maria e mais quem na cá passou; Lá vai o rio correndo em tão poucochinho tempo tento mal ela causou! Oh, quem mo dera agarrar João Moças, jj O amor é como um rio Vai-se e não torna a voltar Nota - segundo o livro (de 60 paginas!) que acompanha o disco, Este Ó rio que vais correndo romance encontra-se documentado já no século XVI em folhetos de Levas meu bem que eu adoro cordel. Se te faltarem as águas Leva as lágrimas que choro Aí vai meu coração Se o quiseres matar, podes: Olha que estás dentro dele Se o matas também morres José Ferreira Alves 0 In: “Novas vos trago”,1999 (Amélia Muge, Brigada Victor Jara, Gaitei- ros de Lisboa, João Afonso, Sérgio Godinho); 0 In: “Danças no tempo”, 1995; 98 11
  • Anda duermete niño Senhor da Serra Letra e música: popular: Trás-os-Montes; Intérprete: Né La- Letra e música: popular: Beira; deiras; O Senhor da Serra é meu Anda duermete niño o Senhor da Serra é meu que viene el coco que o ganhei ao serão a comere los niños que o ganhei ao serão que duermen poco oh meu divino Senhor oh meu divino Senhor Anda duermete niño tende de mim compaixão duerme sin miedo tende de mim compaixão aunque silben los aires gruñan los perros Vira vira do norte pro sul vira vira do norte pro sul Anda duermete niño quando vira o norte faz o céu azul ea la nana vira vira e torna a virar duerme duerme lucerito que eu nunca posso deixar de te amar de la manãna Oh meu divino Senhor En la perta del cielo oh meu divino Senhor venden zapatos vinde abaixo à ladeira para los angelitos vinde abaixo à ladeira que estan descalzos vinde buscar a mortalha Creissac(Jan-96) (castelhano) vinde buscar a mortalha qu’eu já tive à cabeceira qu’eu já tive à cabeceira jj 0 In: Traz os Montes; 12 97
  • Ó Sapateia, meu bem, Ao passar a ribeirinha Sapateia agora aqui, Eu quero morrer cantando, Letra e música: popular: Açores; Já que cantando nasci. A D [Refrão] Ao passar a ribeirinha Aí vem a Sapateia, E A Para o balho se acabar. Pus o pé, molhei a meia, Menina com quem balhei, F(m Bm Bem me queira desculpar. Pus o pé, molhei a meia, Pus o pé, molhei a meia! [Refrão] Namorei na minha terra, Adeus, que me vou embora, Fui casar/ em terra alheia, Para as bandas do além. Fui casar em terra alheia, Quem me não conhece, chora, Porque não/ fiquei na minha! Que fará quem me quer bem? Fui casar em terra alheia, [Refrão] Minha mãe/ não me ralhou; Fernando Faria (Alternativamente G7/C, A7/D) Minha mãe já não se lembra Do tempo/ que já passou! A E7 Do tempo que já passou, Do tempo/ que já lá vai, Minha mãe já não se lembra Quando na/morou meu pai! Minha mãe casai-me cedo, Que me dói/ a passarinha! Ó filha coç’à c’o dedo, Que eu também/ cocei a minha! O padre da minha aldeia, No sermão/ do mês passado, Jurou p’la saúde dos filhos Que nunca/ tinha pecado! São Gonçalo de Amarante, Que estais vi/rado pr’á vila, Virai-vos pró outro lado, Que vos dá/ o sol na pila! Fui um dia ao cemitério E pisei/ as campas todas; Levantou-se um morto e disse «Talvez um/ dia tu morras!» Santo António de Lisboa, Que pr’a mim/ foste um cabrão, Das três pernas que me deste Só duas/ chegam ao chão! O cão da minha vizinha 96 13
  • Pôs-se na/ minha cadela; Sapateia Vou fazer o mesmo à dona, Pr’a ficar/ ela por ela... Letra e música: popular: Açores; Santo Cristo dos Milagres E7 A Casai-me/ que bem podeis! Se tu suspiras, suspira, Que eu já tenh’ as unhas gastas E7 A De coçar/ onde sabeis! Cá dentro, o meu coração; Já tenho teias de aranha E7 A no sítio/ que bem sabeis Se tu choras, também chora, E7 A Fernando Faria Vê lá se te quero, ou não. [Bis] A D Bm E [Refrão] Sapateia, meu bem, Sapateia, ai Outra vez a Sapateia, Ó quantas vezes, ó quantas, O jantar serve de ceia! [Bis] O ladrão da Sapateia, Na hora que quer partir, Quem tem à vista o seu bem, Dele se vai despedir. [Refrão] Ó Sapateia, meu bem, Sapateia pr’a «diente», Adiante mais um par, Que atrás vem muita gente. [Refrão] Vá de roda, fecha a roda, Fecha de meia rodela, Mal haja quem te dá penas, Amada, querida, bela. [Refrão] Ó Sapateia, meu bem, Ai torna a sapatear, Uma volta não é nada, Outra volta vamos dar. [Refrão] Dá-me a tua mão esquerda, Que eu ta quero apertar, Não te peço a mão direita, Porque já tens a quem dar. [Refrão] 14 95
  • San Macaio Ao romper da bela aurora Letra e música: popular: Açores; Letra e música: popular: Beira-Alta; G Ao romper da bela aurora San Macaio, San Macaio deu à costa, [Bis] vem o pastor da choupana D7 G vem gritando em altas vozes Ai deu à costa nos baixos da Urzelina;[Bis] muito padece quem ama G muito padece quem ama Toda a gente, toda a gente se salvou, [Bis] mais padece quem namora D7 G vem o pastor da choupana Ai se salvou, só morreu uma menina. [Bis] ao romper da bela aurora San Macaio, San Macaio deu à costa, gosto de quem canta bem Ai deu à costa lá na Ponta dos Mosteiros; é uma prenda bonita Toda a gente, toda a gente se salvou, gosto de que canta bem Ai se salvou, só morreu dois passageiros. é uma prenda bonita San Macaio, San Macaio deu à costa, Não empobrece ninguém Ai deu à costa, deu à costa na fundura; assim como não enrica Quebrou-se-lhe, quebrou-se-lhe o tabuado, não empobrece ninguém Ai ficou só, ficou só na pregadura. assim como não enrica San Macaio, San Macaio deu à costa, Ao romper ... Ai deu à costa na Baía da Feiteira; Toda a gente, toda a gente se salvou, jj Ai se salvou, só morreu uma feiticeira. San Macaio, San Macaio deu à costa, Ai deu à costa nas pedras da Fajãzinha; Toda a gente, toda a gente se salvou, Ai se salvou, só morreu uma galinha. San Macaio, San Macaio já é velho, Ai já é velho e também é marinheiro; Andava, andava sempre perdido, Sempre perdido por causa do nevoeiro. San Macaio, San Macaio deu à costa, Ai deu à costa nos baixos do Maranhão; Toda a gente, toda a gente se salvou, Ai se salvou, só o San Macaio não. Fernando Faria (Alternativamente A/E7, C/G7, E/B7) G D7 94 15
  • A plaina Rouxinol repica o canti Letra e música: popular; Letra e música: popular: Alentejo; dó Rouxinol repica o canti A plaina corre ligeira e ao passar à passadeira fá sol dó nunca mais voltes a Beja Xária Xária Xáriá-ó o-aiii Tornando lisa a madeira sem passar à Vidigueira Xária Xária Xáriá-ó Sem passar à Vidigueira fá sol dó sem ir beber ao Falcante No viçoso bosque em flor e ao passar à passadeira fá dó sol o-aiii Sente-se o mesmo rumor rouxinol repica o canti fá Xária Xária Xária Eu gosto muito de ouvir cantar a quem aprendeu sol dó se houvera quem me ensinara Xária Xária Xáriá-ó o-aiii No torno se amolda o aço quem aprendia era eu Crissa crissa crissá-ó jj Com arte, amor e cansaço Crissa crissa crissá-ó Na birgorna do ferreiro Bate o martelo certeiro Crissa crissa crissa Crissa crissa crissá-ó O rochedo antes da aurora Pinga pinga pingá-ó Aos golpes do pinção chora Pinga pinga pingá-ó Um artista com suor Lhe dará forma melhor Pinga pinga pinga Pinga pinga pingá-ó Agrupamento 739 - Fajã de Baixo, CNE sol d fÆ 16 93
  • Romance Da Lhoba (romance da loba) A praia Letra e música: popular: Trás-os-Montes; Intérprete: Gai- Letra e música: popular: Açores; teiros de Lisboa; (rimance) A F(m Indo ió la sierra arriba Olha a praia, fita a praia, Delantre de mia piara D E Indo ió la sierra arriba Olha a praia onde fica; Delantre de minha piara A F(m Repicand‘al mio caldeiro Fica atrás daquele outeiro, Remando mia samarra Presa com um laço de fita. Repicand‘al mio caldeiro Remando mia samarra Olha a praia, fita a praia, Olha a praia onde fica; Quando me sai uma lhoba Na roda da tua saia, Que era grande e parda À moda de gente rica. Quando me sai uma lhoba Que era grande e parda Rola a praia, rola a praia, E lhebou-me unha cordeira Rola a praia aqui comigo; La melhor de la piara Comigo não perdes nada, E lhebou-me unha cordeira Nem eu perco nada contigo. La melhor de la piara Eu gosto muito da praia, Arriba seite cachorros Mais gosto se lá te vejo; Abaixo pera guardiana Para irmos, bem juntinhos, Arriba seite cachorros Apanhar um caranguejo. Abaixo pera guardiana Menina, vamos à praia, Se m‘agarrardes la lhoba Na praia se vende chita; Boa cena teneis gana Uma cara, outra barata, E se non me l‘agarrardes Uma feia, outra bonita. Cenareis com la caiata Esta semana que vem, E corrian siete léguas Muito vou ter que comer; Todas siete por arada Os miúdos de uma pulga, E corrian siete léguas Que a carne é p’ra vender. Todas siete por arada E al final das siete léguas Na praia já não há moças, Yá la lhoba va cansada Que as levou a enchente; E al final das siete léguas Apenas escapou uma, Yá la lhoba ya cansada Que não tem cara de gente. Nuno Miranda (letra em Mirandês) Na praia já não há moças, Que as levou a fiada; Apenas escapou uma, Na sua cama deitada. À praia, vamos à praia, Que à praia só vai quem quer; Quem for solteiro à praia, Pr’a cima já traz mulher. 0 In: “invasões bárbaras”; Fernando Faria (Ilha de Sta. Maria) 92 17
  • A D E Ribeira vai cheia Letra e música: popular; A Nota - Alternativamente G/Em/C/D, C/Am/F/G Ribeira vai cheia E E o barco não anda, Tenho o meu amor A Lá na outra banda! Lá na outra banda E eu cá deste lado, Ribeira vai cheia E o barco parado! Se eu tivesse amores Que me têm dado, Tinha a casa cheia Até ao telhado! Amores, amores, Amores, só um; E o melhor de tudo É não ter nenhum! Fernando Faria (Alternativamente C/G, D/A) A E 18 91
  • Resineiro engraçado As armas do meu adufe Letra e música: popular: Beira-Alta; Letra e música: popular: Beira; (canção de adufe) A D A ai as armas do meu adufe Resineiro engraçado, engraçado no falar, ai as armas do meu adufe D A ai são de pau de laranjeira Resineiro engraçado, engraçado no falar, ai são de pau de laranjeira D E7 ai quem houver de tocar nele Ó i ó ai, eu hei-de ir à terra dele, ai quem houver de tocar nele A ai há-de ter a mão ligeira Ó i ó ai, se ele me lá quiser levar. [Bis] ai há-de ter a mão ligeira Já tenho papel e tinta, caneta e mata-borrão, ai o luar da meia noite Já tenho papel e tinta, caneta e mata-borrão, ai o luar da meia noite Ó i ó ai, pr’a escrever ao resineiro, ai guarda-te lá pro verão Ó i ó ai, que trago no coração. ai guarda-te lá pro verão ai quem anda cego de amores Resineiro é casado, é casado e tem mulher, ai quem anda cego de amores Resineiro é casado, é casado e tem mulher, ai quer escuro luar não Ó i ó ai, vou escrever ao resineiro, ai quer escuro luar não Ó i ó ai, quantas vezes eu quiser. jj Fernando Faria (Mortágua; recolha de Zeca Afonso) A E7 D Nota - A primeira mulher do Zeca Afonso, com que casou em Coim- bra, era de Mortágua. Acorde de viola: Alternativamente C/F/G7, G/C/D7 90 19
  • A senhora Chamarrita Rama Letra e música: popular: Açores; Letra e música: popular: Alentejo; A senhora Chamarrita C É uma santa mulher Ó rama, ó que linda rama, Sai de manhã para a missa F C Entre à noite quando quer Ó rama da oliveira! G7 Dá voltas à Chamarrita O meu par é o mais lindo Quem manda voltar sou eu C A senhora Chamarrita Que anda aqui na roda inteira! É uma santa mulher Dá os ossos ao marido Que anda aqui na roda inteira, Come a carne com quem quer Aqui e em qualquer lugar, Ó rama, que linda rama, Se a Chamarrita não volta Ó rama do olival! Eu grito ’aqui d’el rei’ Eu gosto muito de ouvir (não tenho a certeza, pode haver erros.) Cantar a quem aprendeu. Se houvera quem me ensinara, Quem aprendia era eu! Não m’invejo de quem tem Parelhas, éguas e montes; Só m’invejo de quem bebe A água em todas as fontes. Fui à fonte beber água, Encontrei um ramo verde; Quem o perdeu tinha amores, Quem o achou tinha sede. Debaixo da oliveira Não se pode namorar; A folha é miudinha, Deixa passar o luar. Fernando Faria (Altern. D/G/A7, A/D/E7, G/C/D7) G7 F C 20 89
  • Y el Rey se vá a los moros, Bailinho da Madeira A los moros Sebastiano El Lusitano. Letra e música: popular: Madeira; Busca la muerte en dar muertes, Sebastiano el Lusitano, A E7 Diziendo aora es la hora, Eu venho de lá tão longe, ai eu venho de lá tão longe, Que un bel morir, tuta la vita honora. A Carlos Vaz (jeito de jj) E7 A Nota - Este romance referente à batalha de Alcácer-Quibir foi muito Venho sempre à beira-mar, venho sempre à beira-mar. divulgado e popular nos anos que se seguiram à batalha. E7 A A partitura a 3 vozes pode ser encontrada (por exemplo) no “Canci- Trago aqui estas coibinhas, trago aqui estas coibinhas, oneiro de música popular portuguesa” de Giacometti. E7 A Pr’amanhã, pró seu jantar, pr’amanhã, pró seu jantar. [Refrão=] A E7 Deixem passar A Esta linda brincadeira, E7 Que a gente vamos bailar A Pr’a gentinha da Madeira! [Bis] A Madeira é um jardim, a Madeira é um jardim, No mundo não há igual, no mundo não há igual. Seus encantos não têm fim, seus encantos não têm fim, É vila de Portugal, é vila de Portugal. [Refrão] Fernando Faria A E7 88 21
  • Bela aurora Puestos entan frente a frente Letra e música: popular: Açores; Letra e música: anónimo: renascença; (rimance) A E Puestos entan frente a frente A Bela Aurora da serra, [Bis] Los dos valerosos campos, B7 E Uno es del Rey Maluco, Não sei como não tem medo, [Bis] Otro de Sebastiano A E El Lusitano. Faz a cama e dorme só, [Bis] Moço, animoso y valiente, B7 E Robusto, determinado, Debaixo do arvoredo. [Bis] Aunque de poca experiencia Y no bien aconsejado, A Bela Aurora chorava, El Lusitano. Ela no pranto dizia, Já me morreu o meu bem, Brama que entrevistan los moros Já não tenho companhia. Y el exercito contrario Ya se vá llegando cerca A Bela Aurora é prendada, Aellos (dize) Santiago, Como outra inda não vi, El Lusitano. Lembra-me a minha amada, Dispara la ertelharia, Que há muito tempo perdi. La nuestra mal disparando Encontrei a Bela Aurora, Llueven balas, llueve muerte, Sentada no meu jardim, Saetas y mosquetazos. Vestida de prata e oiro, El Lusitano. A colher contas pr’a mim. Que por los lados ya todos Quem te disse, Bela Aurora, Y con sangre de los muertos, Que eu te queria largar, Está echo un grande lago. Se bendita foi a hora El Lusitano. Que te principiei a amar? Todo lo anda el buen Rey, Dando muertes mui gallardo, Apalpei o lado esquerdo, La espada tinta de sangre, Não achei o coração, Lança rota, sin cavallo. De repente me lembrou, El Lusitano. Que estava na tua mão. Que el suyo passado el pecho Suspiro por ti, meu bem, Ya no puede dar un passo, Mas que vale suspirar? A George Dalbiquerque pide Quanto mais por ti suspiro, Le de su rucio rodado. Menos te posso lograr. El Lusitano. Daselo de buena gana, Fernando Faria (alternativamente C/G/D7, D/A/E7) Y el Rey cavalga de un salto, A B7 E Mirale el Rey como jaze, De espaldas casi espirando. El Lusitano. Mas le dize que se salve, Pues todo es roto en pedaços, 0 In: (?)1600; 22 87
  • Por riba se ceifa o pão Canário Letra e música: popular: Beira-Baixa; Intérprete: Gaiteiros Letra e música: popular: Trás-os-Montes; (rimance) de Lisboa; (canção de cegada) Por riba se ceifa o pão ai, por baixo fica o restolho menina não se enamora ai do rapaz que embisga o olho Já o sol se vai pondo ai, lá pra trás do cabecinho bem pudera o nosso amo ai mandá-lo mais ligeirinho (Penha Garcia) Esta manhã fui à caça lindo canário cacei para trazer de presente à filha do nosso rei A filha do nosso rei ela era brasileira mandou fazer uma gaiola da mais fininha madeira Depois da gaiola feita seu canário meteu dentro quer de dia quer de noite era o seu divertimento Canário já se morreu já lá vai para o deserto diziam as moças todas e morreu com o bico aberto Canário já se morreu já lo vão ir a enterrar diziam as moças todas e morreu por confessar J.João (Constantim (Miranda); cantado pela Sr. Maria Cristal 1982) 0 In: Cancioneiro popular Português-Giacometti; “bocas do inferno”, 1997; 86 23
  • Cantar dos Reis (Donões, Montalegre) Porque não me vês Joana Letra e música: popular: Trás-os-Montes; (reis, janeiras, Letra e música: popular: Alentejo; Intérprete: Vitorino; canção de Natal) Porque não me vês Joana Aqui vem as três rosinhas Pois sabem que meu desejo quatro ou cinco ou seis Crece quando não te vejo se o senhor nos dá licensa Cresce se estou na cidade vimos lhe cantar os reis E não me deixa no mato Os três reis do oriente Não sei se me resguarde já chegaram a Belém E de tudo me recato visitar o Deus Menino Não me custa tan barato que Nossa Senhora tem O dia que te não vejo O menino está no berço Que não morra de desejo coberto c’o cobertor Victor Almeida (Elvas) eos anjinhos estão cantando louvado sej’o Senhor O Senhor por ser Senhor nasceu nos tristes palheiros deixou cravos deixou rosas deixou lindos travesseiros também deixou a abelhinha abelhinha com o seu mel para fazer um docinho ao divino Emanuel Você diz que tem bom vinho có có có venha-nos dar de beber rintintin florin-tintin traililairo J.Joao 0 In: “Não há terra que resista - Contraponto”, 1979; 24 85
  • Pézinho do pico Cantiga da Roda Letra e música: popular: Açores; Letra e música: popular: Beira-Baixa; Intérprete: Filipa Pais; A E Eu fui ao Pico, piquei-me, Ai, borda d’água, borda d’água A ai, borda d’água, Santarém Ai sim piquei-me, piquei-me lá num silvado. [Bis] borda d’água, Santarém... E ai, vale mais uma bord’água Nunca mais eu vou ao Pico, ai, que quanto Lisboa tem. A borda d’água, Santarém... Ai sem o Pico, sem o Pico ser podado. [Bis] Ai, ó mar largo, ó mar largo Eu fui ao Pico, piquei-me, ai, ó mar largo sem ter fundo; Ai sim piquei-me, piquei-me lá num picão. ó mar largo sem ter fundo... O pico nasce da silva, ai, vale mais andar no mar largo Nasce da silva e a silva nasce do chão. ai, que andar nas bocas do mundo. ó mar largo sem ter fundo... Ó meu amor nada, nada, Ó meu amor nada, nada, nada não. Nada trago em meu peito, Ai em meu peito, de que te faça quinhão. Ponha aqui o seu pézinho, Ai ponha aqui, ponha aqui, que não faz mal. Que esta moda do pézinho, Ai foi do Pico, foi do Pico pr´ó Faial. Fernando Faria ((Pico)) A E Nota - Alternativamente G/D, C/G, D/A 0 In: “l’amar”, 1994; 84 25
  • Casei-me cun pastori Pezinho da vila Letra e música: popular: Trás-os-Montes; (rimance) Letra e música: popular: Açores; Eu casei-me cun pastori Eu nasci à Sexta-Feira pansando de ser sinhora... de barbas e cabeleira mais parecia o Anti-Cristo O trin-drin-drina, até o senhor padre cura O trin-drin-dró. que é homem de sabedura (E)soutor die pur la manhana nunca tal houvera visto pega no cerron pastora... Ponha aqui o seu pezinho Alhá no meio d’l camino devagar devagarinho la caiata me curtou... se vai à Ribeira Grande eu tenho uma carta escrita i a chegar aí’ malhadal para ti cara bonita sopas de sebo de dou... não tenho por quem a mande Os/los curdeiros eran tantos las ouveilhas muitas mais... Fui-me casar às Capelas Qúe até nubravan al sol... por ser fraco das canelas com uma mulher sem nariz Vi venir un cabalheiru estas gentes das Fajãs con sou cabalho andadori... já me deram os parabans L’primeira cousa que m(e) dixo p´lo casamento que eu fiz de namoro me falou... Eu fui de Lisboa a Sintra Vai-te con Dius cabalheiru à casa da tia Jacinta you só quiero al miu pastori... p’ra me fazer uns calçons mas a pobre criatura L’tou pastor ten/tien outra falta esqueceu-se da abertura que tu nun la sabes no(n)... p’ra fazer as precisons Ya tien la cabeça branca d(e) andar con eilha i al sol... Eu fui até Vila Franca escachado numa tranca Vai-te con Dius cabalheiru à morte duma galinha you só quiero al miu pastori... o que ela tinha no papo sete cães e um macaco L’tou pastor ten/tien outra falta e um soldado da marinha que tu nun la sabes no(n)... ten los/l’s olho(s) regaladus Toda a moça qu’é bonita d(e) oulhar pa l’(s) raius del sol... s’ela chora s’ela grita nunca houvera de nascer Vai-te con Dius cabalheiru é coma a maçã madura you só quiero al miu pastori... da quinta do padre cura L’ tou pastor tien outra falta todos a querem comer que tu nun la sabes non... Ya tene los dientes negros de morder no rocostrones... Vai-te con Dius cabalheiro 0 In: “Música tradicional, vol 6- Terras de Miranda”; 26 83
  • O sol perguntou à lua you só quiero al miu pastori... L’ tou pastor tien outra falta Letra e música: popular:Açores; que tu nun la sabes non(n)... ten l’spinaço cobrado Gm Gm7 D#dim D7 de mudar las canhiçonas... O Sol perguntou à Lua O Sol perguntou à Lua Vai-te con Dius cabalheiru Gm Gm7 D#dim D7 you só quiero al miu pastori... Quando’a, quando havera amanha cer Quando’a, quando havera amanhacer L’tou pastor tien outra falta que tu nun ia sabes no(n)... À vista dos olhos teus Ten las costillas afundidas À vista dos olhos teus de matar los furmigones... Que vem, que vem o Sol cá fazer Que vem, que vem o Sol cá fazer Vai-te con Dius cabalheiro you só quiero al miu pastori... D7 Gm E o Sol préguntou à Lua L’ tou pastor tien outra falta Gm7 D#dim D7 que tu nun ia sabes no(n)... quando havera amanha cer Ya tene/tiene ias piernas turtas de chancar los barrancones... Tó Campos Vai-te con Dius cabalheiro Gm D#dim D7 Gm7 You só quiero al miu pastori... 3 3 L’ tou pastor tien outra falta que tu nun la sabes no(n)... Lá maior falta que l’tene não ten bicha nem cujones... I anda cá palomba branca anda cá mi(e) branca flori... Furmaremos un palaiçio de vantanas alredori... (Mirandés-português-castellano) 82 27
  • Cerigoça De amores que não são firmes, Bravo meu bem, tenho medo que me pelo. Letra e música: popular: Trás-os-Montes; Esta moda diz que é bravo, Bravo meu bem, mas eu vou cantar o manso. Ai la cerigoça Para ver se, mansamente, la beila be(n) la moça. Bravo meu bem, o teu bem-querer alcanço. Ai la cerigoça la quiero ver bailar Ó Bravo, três vezes bravo, (bis) Bravo meu bem, ó Bravo, hás-de amansar. Tudo o que é bravo se amansa, Se venira(n) los moços Bravo meu bem, também te hei-de apanhar. del outro lugar echa-se la pierna i volve-se la echar Ai ... Arreda-t(e) alha Pedro, alhega-t(e) aca Juan, Angarabitaremos, Angarabitaran. (bis) (Mirandés-castelhano) 0 In: “Música tradicional, vol 6- Terras de Miranda”; 28 81
  • Os bravos Chamarrita Letra e música: popular: Açores; (balada açoreana) Letra e música: popular: Madeira; Am E Chamarrita chama chama Eu fui à terra do bravo já dormi na tua cama Am já dormi na tua cama Bravo meu bem já tua boca beijei E já logrei os teus carinhos Para ver se embravecia e mais coisinhas qu’eu sei Am E já logrei os teus carinhos Cada vez fiquei mais manso e mais coisinhas que sei Am Chamarrita assim assim Bravo meu bem chamarrita assim ou não E dava-te o meu coração Para a tua companhia lanceolado e com’ma fita Eu fui à terra do bravo para que te não esqueças Bravo meu bem do bailo da chamarrita Com o meu vestido vermelho para que te não esqueças O que eu vi de lá mais bravo do bailo da chamarrita Bravo meu bem (não tenho a certeza, pode haver erros.) Foi um mansinho coelho As ondas do mar são brancas Bravo meu bem E no meio amarelas Coitadinho de quem nasce Bravo meu bem P’ra morrer no meio delas Eu fui à terra do bravo Bravo meu bem Para ver se embravecia Quiz bem a quem me quer mal Bravo meu bem Quiz bem a quem me não queria Joaquim Leal, jj , Fernando Faria (Ilha Terceira) Am E Outras quadras - Dizes o teu amor bravo, Bravo meu bem, não é mais do que o meu bem. É bravo, porque não quer, Bravo meu bem, que eu olhe pr’a mais ninguém. Eu fui à terra do Bravo, Bravo meu bem, vestidinha de amarelo. 80 29
  • Charamba Ó rosa, arredonda a saia Letra e música: popular: Açores; Letra e música: popular; Am G7 C [Refrão=] Esta é a vez primeira, a vez primeira A F E Ó Rosa, arredonda a saia, Que neste auditório canto, E7 Am G7 C Ó Rosa, arredonda-a bem! Em nomede Deus começo, de Deus começo, Ó Rosa, arredonda a saia, F E A Padre, Filho, Espír’to Santo. Olha a roda que ela tem! Senhora dona de casa, dona de casa, Olha a roda que ela tem, Folha de malva cheirosa, Olha a roda que ela tinha! Dai-me licença qu’eu cante, ai qu’eu cante, Ó Rosa, arredonda a saia, Na vossa sala formosa. Que fique bem redondinha! Boa noite, meus senhores, minhas senhoras, lindas flores [Refrão] Que aqui estais neste salão, Eu p’ra todos vou cantar e a todos quero saudar, A saia que traz vestida, Do fundo do coração. É bonita e bem feita, Não é curta, nem comprida, Eu vesti um vestido novo, vestido novo, Não é larga, nem estreita. Para vir aqui cantar, A charamba está no baile, ai está no baile, [Refrão] É o meu bem e o meu par. Fernando Faria (Alternativamente C/G7, D/A7, E/B7) À vista trago quem amo, ai a quem amo, A E7 Bem vejo quem ’stou querendo, Defronte está quem adoro, ai quem adoro, Quero bem a quem ’stou vendo. A ausência tem uma filha, tem uma filha Que se chama saudade, Eu sustento mãe e filha, ai mãe e filha, Bem contra a minha vontade. Em te vendo, vejo a Deus, ai vejo a Deus, Não sei se perco, se não, Trago a Deus dentro do peito, ai no meu peito, E a ti no meu coração. Fernando Faria (Ilha Terceira) G7 F Am C E 30 79
  • O que manto de tristeza Chin-glin-din Letra e música: popular: Alentejo; Letra e música: popular: Trás-os-Montes; (rimance) Oh que manto de tristeza Indo you pa la mi(e) (a)rada pela terra se espalhou atras de ias mies chabacas, quando a neve apareceu caída do céu cun ei chin-dilin-glin-dina cun ei chin-dilin-glan-daba foi Deus que a mandou cun ei chin-dilin-glin-dina Era meia-noite e fui-me deitar se m(e) olvidou la guilhada a neve a cair era sem cessar disse à minha esposa you virei atras pur eilha i achei la puerta fechada... o que acontecia amanhã verás como está cun ei chin-guilin-glin-dina quando for de dia cun ei chin-dilin-glan-daba disse à minha esposa Que yes aquelho mujeri o que acontecia que (e)sta d(e)ba’la nuestra cama amanhã verás como está quando for de dia cun ei chin-guilin-glin-dina cun ei chin-guilin-glan-daba jj cun ei chin-guilin-glin-dina se m(e) olvidou la guilhada. i (y)es l’gato d’l cunventu que ven pa la nuestra gata... Trai la (e)scupeta mujeri qu(e) l’hei dar uma (e)scupetada... Não haças* isso marido que desconjuntas la cama... Qui(e)n t(e) agarrara mujeri n(a) aqueilha sierra granada... con tres carros de lheinha outros tres de retrama... i un airico castelhano que atiçara bien la chama... umas tanazes de tres ganchos para revolver las brasas... Qui(e)n t(e) agarrara marido no meiu d(e) aqueilha sala... cun las pernas amarilhas i la cor demudada... los claristas a la puerta 0 In: “Música tradicional, vol 6- Terras de Miranda”; 78 31
  • salga meu maridu salga... Ó patrão dê-me um cigarro i you pur tras lhurando nin que fuera d(e) mala gana... Letra e música: popular: Alentejo; Intérprete: Vitorino; (Mirandés-português-castelhano) Ó patrão dê-me um cigarro Acabou-se o tabaco E o trigo que eu hoje entarro Fumando dá mais um saco Canta o melro no silvado E o rouxinol na ribeira Ó minha pombinha branca Quero ir à tua beira Quero ir à tua beira Quero viver a teu lado Rola o pombo na azinheira Canta o pardal no telhado Se a morte fosse interesseira Ai de nós o que seria O rico comprava a morte Só o pobre é que morria. 0 In: “semear salsa ao reguinho”, 1975; 32 77
  • Ó minha amora madura Chula Letra e música: popular; Letra e música: popular; C G7 C Ó minha amora madura quem foi que te amadurou? Tenho a chula no meu corpo, [Bis] Foi o sol e a geada G7 C e o calor que ela apanhou. Tenho o vira nos meus braços, [Bis] C G7 C E o calor que ela apanhou Quando trabalhar por gosto [Bis] debaixo da silveirinha; G7 C Ó minha amora madura Nem vou saber de cansaços. [Bis] minha amora madurinha. [Refrão:] Há silvas que dão amoras C G7 há outras que as não dão Pr’a melhor está bem, está bem, há amores que são leais C e há outros que o não são Pr’a pior já basta assim! [Bis] jj Dizes que gostas de mim, O teu gosto é só engano, Tu cortas na minha vida Como a tesoura no pano. [Refrão] Ai que linda troca de olhos, Fizeram-me agora ali, Trocaram-se uns olhos meus Por uns outros que eu bem vi. [Refrão] Meu amor não me falou, Fez-me linda companhia, Ai às quatro é de noite E às cinco é de dia. [Refrão] Não tenho cama nem casa, Ando por quatro caminhos, Dois que cheiram mal se vem, Outros dois com mais cheirinhos. Fernando Faria (Alternativamente E/B7, F/C7, D/A7, A/E7) G7 C 76 33
  • Delicada da cintura Ó menino ó Letra e música: popular: Alentejo; Intérprete: Vitorino; Letra e música: popular: Trás-os-Montes; Intérprete: Bri- Delicada da cintura gada Vitor Jara; (canção de embalar) Como a palha do centeio Ó ó ó ó menino ó Tu é que és a criatura o teu pai foi ao eiró Por quem eu tanto vareio com ’ma vara d’aguião Os olhos do meu amor p’ra matar o perdigão São duas azeitoninhas ÓóóóÓóóóÓóóó Fechados são dois botões Abertos duas rosinhas Ó ó ó ó menino ó teu pai foi ao eiró Eu gosto dos figos lampos tua a mãe à borboleta Da figueira rebeldia logo te vem dar a teta Gosto das moças do campo Olha a minha simpatia jj Nas ondas do meu cabelo Vou-me deitar a afogar É p’ra que saibas amor Que há ondas sem ser no mar Victor Almeida (Redondo) 0 In: “Não há terra que resista - Contraponto”, 1979; 34 75
  • O menino está dormindo Diz a laranja ao limão Letra e música: popular; (canção de Natal) Letra e música: popular: Alentejo; Intérprete: Vitorino; Diz a laranja ao limão Qual de nós será mais doce Sou fiel ao meu amor Assim ele p’ra mim fosse Assim ele p’ra mim fosse Fiel ao meu coração Qual de nós será mais doce Diz a laranja ao limão O menino está dormindo Victor Almeida (Elvas) Nas palhinhas despidinho Os anjos lh’estão cantando Por amor tão pobrezinho O menino está dormindo Nos braços da virgem pura Os anjos lh’estão cantando Hossana lá na altura O menino está dormindo Nos braços de São José Os anjos lh’estão cantando Gloria tibi Domine O menino está dormindo Um sono de amor profundo Os anjos lh’estão cantando Viva o Salvador do Mundo J.João 0 In: “Não há terra que resista - Contraponto”, 1979; 74 35
  • Em 25 de Março O Menino Música: Vitorino; Letra: popular: romanceiro de José Leite Música: Francisco Ribeiro; Letra: popular; Intérprete: Ma- de Vasconcelos; (rimance) dredeus; (canção infantil) Em vinte e cinco de Março ouve uma grande paixão disparceram três rapazes deste povo d’Armação Té aqui não são chegados nem à praia à costa deram té aqui não são chegados nem à praia à costa deram Té aqui não há espera Meu Padre-nosso pequenino nem tão pouco que esperar que tem a chave do menino os nomes de todos três -Quem lha deu, quem lha daria, eu os vou d’explicar foi S.Pedro, Santa Maria O primeiro é José da Silva Cruzei montes, cruzei fontes, José da Silva Negrão que o pecado não encontre lá posto ao mar a pescar nem de dia nem de noite para a sua perdição nem ao pino do meio dia O segundo era José Cravo Já os galos pretos cantam José Cravo encarnado já os anjos se alevantam fazia linda cintura já o Senhor subiu à cruz sem andar muito apertado para sempre Amen O terceiro era João Barreiro Jesus uma cara sem sinais jj(Ago-95) era o pai da pobreza não no podia ser mais Abalaram todos três dentro daquele barquinho a bebida que levaram uma garrafa de vinho Abalaram todos três não levavam a certeza que o mar que se levantava d’altura da fortaleza A. Guimarães (Arranjos: Pedro Caldeira Cabral) 0 In: “Romances”; 1991; 0 In: MadreDeus-Existir 90; 36 73
  • Oliveira da serra Entrai pastores Letra e música: popular: Alentejo; Letra e música: popular; (canção de Natal) A Entrai pastores, entrai À oliveira da serra, por este portal sagrado A vinde adorar o Menino O vento leva a flor. [Bis] numas palhinhas deitado E7 A Pastorinhos do deserto Ó-i-ó-ai, só a mim ninguém me leva, todos correm para o ver E7 A trazem mil e um presentes Ó-i-ó-ai, para o pé do meu amor. [Bis] para o menino comer À oliveira da serra, O meu Menino Jesus O vento leva a ramada. convosco é que eu estou bem Ó-i-ó-ai, só a mim ninguém me leva, nada deste mundo quero Ó-i-ó-ai, para o pé da minha amada. nada me parece bem Fernando Faria (Altern. G/D7, C/G7) Alegrem-se o céu e a terra A E7 cantemos com alegria já nasceu o Deus Menino filho da Virgem Maria Deus menino já nasceu andai ver o rei dos reis ele é quem governa o céu quer que vós o adoreis Ah meu menino Jesus que lindo amor perfeito se vem muito cansadinho vem descansar em meu peito J.João 72 37
  • Entrudo Olhos pretos Letra e música: popular: Beira-Baixa; Letra e música: popular: Açores; (balada açoreana) Ó entrudo, ó entrudo C Ó entrudo chocalheiro Olhos pretos são gentios, Que não deixas assentar G7 C As mocinhas ao soleiro São gentios, são gentios da Guiné. F C Eu quero ir para o monte (bis) Ai da Guiné, por serem negros, Que no monte é que estou bem (bis) G7</chr> <chr>C Eu quero ir para o monte (bis) Onde não veja ninguém, Da Guiné, por serem negros, gentios por não ter fé. [Bis] que no monte é que estou bem Olhos pretos, cheios de ardor, Estas casas são caiadas (bis) Ai quanto amor, diz à gente com o olhar. Quem seria a caiadeira (bis) Ai olhos pretos, do meu encanto, Foi o noivo mais a noiva (bis) Ai quanto pranto tu fizeste derramar. Com o ramo de laranjeira, Eu amei dois olhos pretos, quem seria a caiadeira Que me foram, que me foram dois traidores. Victor Almeida Quem diz que é firme, que o preto é firme, Ai quem diz que o preto é firme, entende pouco de amores. Olhos pretos são cativos, São cativos do império brasileiro. Não há paixão ai, ai como a última, Não há paixão como a última, nem amor como o primeiro. Fernando Faria (ilha Terceira) G7 F C Nota - Alternativamente: A/E7/D, D/A7/G 38 71
  • Olhei para o céu Entrudo Letra e música: popular; (canção de Natal) Letra e música: popular: Beira-Baixa; Intérprete: Zeca Afonso; Eu hei-de dar ao Menino Uma fitinha pró chapéu F#m E ele também me há-de dar Ó entrudo Ó entrudo Um lugarzinho no ceu E F#m Ó entrudo chocalheiro Olhei para o céu E Estava estrelado Que não deixas assentar Vi o Deus Menino F#m Em palhas deitado as mocinhas ao solheiro Em palhas deitado Em palhas estendido Eu quero ir para o monte Filho duma rosa Eu quero ir para o monte Dum cravo nascido Que no monte é qu’eu estou bem Que no monte é qu’eu estou bem Grupo1A Eu quero ir para o monte Eu quero ir para o monte Onde não veja ninguém Que no monte é qu’eu estou bem Estas casa são caiadas Estas casa são caiadas Quem seria a caiadeira Quem seria a caiadeira Foi o noivo mais a noiva Foi o noivo mais a noiva Com um ramo de laranjeira Quem seria a caiadeira Joaquim Leal, Fernando Faria F#m E 0 In: “traz outro amigo também” 1970; 70 39
  • Este linho é mourisco O ladrão Letra e música: popular: Minho; Letra e música: popular: Açores; Bm F(7 Bm Ó ladrão, ladrão, ó ladrão maldito, F(7 Bm Ó ladrão, ladrão, ó ladrão maldito, F(7 Bm Tu juras e negas o que me tens dito, Tu juras e negas o que me tens dito. O pai do ladrão Era sapateiro, Este linho é mourisco Fazia sapatos, e a fita dele namora Ganhava dinheiro. quem daqui não tem amores pega o chapéu vá-se embora Ó ladrão, ladrão, Ó ladrão malvado, Ai-a-li-o-lai-o-lai-lalolé(?) Tu juras e negas lai-a-ró meu bem O que me tens dado. regala-te o meu amor regala-te e passa bem Ó ladrão, ladrão, Já lá vai pr’ó Pio, O minha mãe dos trabalhos No meio do caminho, para quem trabalho eu Deu um assobio. trabalho mato meu corpo não tenho nada de meu O ladrão está morto, Quem o mataria? Mondadeiras lá de baixo Foram as pimpolhas mondai o meu linho bem De Santa Maria. não olheis para a portela Fernando Faria (alternativamente Am/E7, Gm/D7) que a merenda logo vem Bm jj 40 69
  • Oh que janela tão alta Eu hei-de amar uma pedra Letra e música: popular; Intérprete: Vitorino; Letra e música: popular: Alentejo; Intérprete: Vitorino, Ja- nita Salomé; (rimance) Oh que janela tão alta feita de cal e areia Eu hei-de amar uma pedra oh que menina tão linda deixar o teu coração numa janela tão feia uma pedra sempre é mais firme tu és falsa e sem razão Janela de pau de pinho que a meu respeito te abriste Tu és falsa e sem razão torna-te a cerrar janela eu hei-de amar uma pedra disfarça que me não viste eu hei-de amar uma pedra deixar o teu coração Além naquela janela eu a fiz eu a risquei Quando eu estava de abalada a menina que lá mora meu amor para te ver só por morte deixarei armou-se uma trovada mais tarde deu em chover A. Guimarães (Arranjos: Pedro Caldeira Cabral) Mais tarde deu em chover sem fazer frio nem nada meu amor para te ver quando eu estava de abalada jj 0 In: “Romances”; 1991; 0 In: “Romances”, 1991; 68 41
  • Foi na noite de Natal Oh oh meu menino Letra e música: popular; (canção de Natal) Letra e música: popular:Trás-os-Montes; (canção de Natal) Foi na noite de Natal noite de santa alegria caminhando vai José caminhando vai Maria Ambos vão para Belém mais de noite que de dia e chegaram a Belém já toda a gente dormia [refrão:] Oh oh meu menino Buscou lume S.José Oh oh meu amor pois a noite estava fria qu’as vossas palavras e ficou ao desamparo nos matam com dor sozinha a Virgem Maria Filhos de pai rico Quando S.José voltou em bercinhos doirados já viu a Virgem Maria e só vós meu menino com o Deus Menino nos braços em palhinhas deitado que toda a gente alumia [refrão] J.João [A] Senhora lavava S. José estendia e o menino chorava com o frio que fazia [refrão] jj Nota - Esta música que ouvi na zona de Miranda do Douro, é por ve- zes tocada em gaita de fole (tio Pascoal) (e penso que isto se reflecte na própria melodia). Disseram-me que era cantada quando dão o Menino a beijar no Na- tal. 42 67
  • Oh meu S. Bentinho Fui-te ver estavas lavando Letra e música: popular: Minho; (canção de romaria) Letra e música: popular: Alentejo; Fui-te ver estavas lavando fui-te ver estavas lavando no rio sem [as]sabão lavas com águas de rosas lavas com águas de rosas fica-te cheiro na mão Ficou-te o cheiro na mão (Oh meu São Bentinho ficou-te o cheiro na mão de trás do hospital)[bis] ficou-te o cheiro no fato (tu deste a saúde se eu morrer e tu ficares a quem estava mal)[bis] se eu morrer e tu ficares adorna o meu retrato A quem estava mal e aos outros também Adorna o meu retrato oh meu São Bentinho adorna o meu retrato para sempre amen adorna meu coração fui te ver estavas lavando Oh meu São Bentinho fui te ver estavas lavando de lado de lá da ponte no rio sem [as]sabão onde puseste o pé jj nasceu uma fonte Oh meu São Bentinho velinhas a arder se as velas se apagarem voltai-as a acender jj (música escrita de memória: quem me confirma a letra?) Nota - Esta música é cantada por quem vem á pequena capela do São Bento detrás do hospital de S. Marcos em Braga. Normalmente as romarias são à quinta feira e há uma pessoa que dita o verso e depois todos os outros o repetem enquanto vão andando. 66 43
  • Garras dos sentidos O fado dos passarinhos Música: popular; Letra: Augustina Bessa-Luís; Intérprete: Música: António Menano; Letra: popular: Açores; (fado de Mísia; (Fado Menor) Coimbra) Não quero cantar amores, Dó Sol Dó Amores são passos perdidos. Passarinho da ribeira São frios raios solares, Sol Dó Verdes garras dos sentidos. Se não fores meu inimigo [bis] São cavalos corredores Fá Com asas de ferro e chumbo, Empresta-me as tuas asas Caídos nas águas fundas. Sol Dó Não quero cantar amores. Deixa-me ir voar contigo paraísos proibidos, Sol contentamentos injustos, Passarinho da ribeira Feliz adversidade, Fá Sol Dó Amores são passos perdidos. Ai!...Se não fores meu inimigo São demência dos olhares, Ao longe cruzando o espaço Alegre festa de pranto, Vai um bando de andorinhas [bis] São furor obediente, São frios raios solares. Que te leva um abraço E muitas saudades minhas Da má sorte defendidos Os homens de bom juízo Ao longe cruzando o espaço Têm nas mãos prodigiosas Ai!...Vai um bando de andorinhas Verdes garras dos sentidos. Fernando Carvalho (Ilha das Flores) Não quero cantar amores Sol D FÆ Nem falar dos seus motivos. Victor Almeida 0 In: “Garra dos Sentidos”, 98; 44 65
  • Noite feliz Guitarra Letra e música: popular(?); (canção de Natal) Música: Pedro Ayres Magalhães, Rodrigo Leão; Letra: po- pular: poetas do fado; Intérprete: Madredeus; Noite feliz, noite feliz o Senhor Deus de amor Quando uma guitarra trina pobrezinho nasceu em Belém Nas mãos de um bom tocador eis na lapa Jesus nosso bem A própria guitarra ensina dorme em paz ó Jesus A cantar seja quem for dorme em paz ó Jesus Eu quero que o meu caixão Noite de paz noite de amor Tenha uma forma bizarra tudo dorme em redor A forma de um coração entre os astros que espargem a luz A forma de uma guitarra indicando o Menino Jesus brilha a estrela da paz Guitarra, guitarra querida Eu venho chorar contigo brilha a estrela da paz Sinto mais suave a vida Quando tu choras comigo 64 45
  • Laurinda No alto daquela serra Letra e música: popular; Intérprete: Vitorino; (rimance) Letra e música: popular; Am Am No alto daquela serra Ó Laurinda, linda, linda no alto daquela serra Am Am está um lenço Ó Laurinda, linda, linda está um lenço a acenar Dm Dm Am Am Está dizendo viva viva És mais linda do qu’o Sol(e) está dizendo viva viva Dm Dm Am Am morra quem Deixa-medormir uma noite morra quem não sabe amar E E Am Nas bordas do teu lençol Do outro lado do monte do outro lado do monte Sim, sim, cavalheiro, sim tem meu pai Sim, sim, cavalheiro, sim tem meu pai um castanheiro Hoje sim, amanhã não Meu marido, não esta cá Dá castanhas em outubro Foi pr’a feira de Marvão dá castanhas em outubro uvas brancas Onze horas, meia-noite uvas brancas em janeiro Onze horas, meia-noite Marido a porta bateu jj Bateu uma, bateu duas Laurinda não respondeu Ou ela está doentinha Ou ela está doentinha Ou encontrou outro amor Ou então procur’a chave Lá no meio do corredor De quem é aquele chapéu? De quem é aquele chapéu? Debroado a galão É para ti meu marido Que fiz eu por minha mão De quem é aquele casaco? De quem é aquele casaco? Que ali vejo pendurado É para ti meu marido Que o trazeis bem ganhado(?) De quem é aquele cavalo? De quem é aquele cavalo? Que na minha esquadra entrou É para ti meu marido Foi teu pai quem tu mandou De quem é aquele suspiro? 46 63
  • No alto da montanha De quem é aquele suspiro? Que ao meu leito se atirou Laurinda, que aquilo ouviu Letra e música: popular ?; (canção infantil) Caiu no chão desmaiou Ó Laurinda, linda, linda Ó Laurinda, linda, linda Não vale a pena desmaiar Todo o amor, que t’eu tinha Vai-se agora acabar Vai buscar as tuas irmãs Vai buscar as tuas irmãs Trá-las todas num andor Que a mais linda delas todas No alto da montanha Há-de ser meu novo amor pertinho lá do céu havia um castelinho jfc aonde um rei viveu Dm Am E de lá se via o céu se via a terra ao longe o mar no alto da montanha quem me dera lá morar 62 47
  • Lá vai o comboio Natal africano Letra e música: popular (?); (canção infantil) Letra e música: popular (?); (canção de Natal) Logo que nasceu Jesus acampou e à luz das estrelas uma voz suou uaaa, uaaa... Maria Senhora Lá vai o comboio logo o embalou lá vai a’apitar e à luz das estrelas Lá vai o comboio uma voz suou p’ra beira do mar uaaa, uaaa... p’ra beira do mar Mariana p’ra beira do rio e os passageiros cheiinhos de frio cheiinhos de frio cheios de calor e os passageiros a tocar tambor A. Guimarães 48 61
  • Não olhes pra mim não olhes Lenga, lenga Letra e música: popular: Alentejo; Letra e música: popular; Intérprete: Gaiteiros de Lisboa; (lenga-lenga) Não olhes pra mim não olhes qu’eu não sou o teu amor Tenho uma roca de pau de figueira qu’eu não sou como a figueira Diz a minha mãe que não sou fiandeira que dá fruto sem ter flor Diz meu pai Casar, casar Diz a minha mãe que não tem que me dar E rosa branca desmaiada Diz meu pai que me dá uma cabra onde deixaste o cheiro Diz minha mãe que a danada é brava deixei-o no meu quintal Diz meu pai Nós a amansaremos à sombra do limoeiro Tenho um tear de madeira de pinho à sombra do limoeiro Não é de estopa nem de linho onde não seja regada Diz meu pai Casar, casar onde deixaste o cheiro Diz minha mãe que não tenho enxoval e rosa branca desmaiada Diz meu pai Que me dá uma leira Esta noite à meia noite Diz minha mãe que não sou lavradeira já meia noite seria Nós a amanharemos ouvi uma pomba cantar Tenho dois fusos de ferro coado e no coração de Maria Diz minha mãe que não os dê de fiado E rosa branca ... Diz meu pai Casar, casar Diz minha mãe que não tenho lençóis jj Diz meu pai Que mos compra depois Diz minha mãe que depois e tarde Diz meu pai Nós a esconderemos Toca gaiteiro que nós dançaremos Nuno Miranda 0 In: “invasões bárbaras”; 60 49
  • Lira moleirinha Letra e música: popular: Açores; Intérprete: Adriano Cor- Letra e música: popular; reia de Oliveira; (balada açoreana) Oh que lindos olhor tem A E7 ai, a filha da moleirinha [bis] Morte que mataste Lira, tão mal empregada ela A andar ao pó da farinha [bis] Morte que mataste Lira, Trigueirinha me chamaste A7 D Bm ai, eu de sangue não o sou [bis] Morte que mataste Lira, isso de andar à farinha Mata-me a mim, que sou teu! foi o sol que me crestou [bis] Morte que mataste lira Trigueirinha me chamaste Mata-me a mim que sou teu eu por isso não me zanguei [bis] Mata-me com os mesmos ferros trigueirinha é a pimenta Com que a lira morreu e vai à mesa do rei [bis] A lira por ser ingrata A. Guimarães Tiranamente morreu A morte a mim não me mata Firme e constante sou eu Veio um pastor lá da serra À minha porta bateu Veio me dar por notícia Que a minha lira morreu jj, Fernando Faria A E7 A7 D Bm 50 59
  • Milho verde Malhão Letra e música: popular: Beira-Baixa; Intérprete: Zeca Afonso; Letra e música: popular; G D Milho verde, milho verde Ó malhão, malhão, Milho verde maçaroca G À sombra do milho verde que vida é a tua? Namorei uma cachopa D Comer e beber, ó tirim-tim-tim, Milho verde, milho verde G Milho verde miudinho À sombra do milho verde passear na rua. Namorei um rapazinho Ó malhão, malhão, Milho verde, milho verde Malhão de Lisboa, Milho verde folha larga Sempre a passear, ó tirim-tim-tim, À sombra do milho verde A vida é boa. Namorei uma casada Ó malhão, malhão, Mondadeiras do meu milho Ó malhão do Porto, Mondai o meu milho bem Andaste a beber, ó tirim-tim-tim, Não olhais para o caminho E ficaste torto. Que a merenda já lá vem Ó malhão, malhão, Jorge Pinto Quem te não dançou? Por causa de ti, ó tirim-tim-tim, O meu pai casou. Ó malhão, malhão, Quem te deu as meias? Foi o caixeirinho, foi o caixeirinho Das pernas feias. Ó malhão, malhão, Quem te deu as botas? Foi o caixeirinho, foi o caixeirinho Das pernas tortas. Ó malhão, malhão, Ó Margaridinha, Quem te pôs a mão, quem te pôs a mão Sabendo que és minha? eras do teu pai eras do teu pai mas agora és minha Fernando Faria (Alternativamente C/G, A/E, D/A) G D 58 51
  • Manuel cuco Menina estás à janela Letra e música: popular; Letra e música: popular: Alentejo; Intérprete: Vitorino; Gm C F O meu pai é Manuel Cuco, [2] Meninaestás à janela D7 G C Minha mãe, mãe, mãe, com o teucabelo à lua Gm Am F Minha mãe, mãe, mãe, não me voudaqui embora D7 Gm G C Am Minha mãe, Cuca Maria. [Bis] sem levaruma prenda tua Meus irmãos também são cucos,[2] Lá em casa tudo é cuco,[2] sem levar uma prenda tua Tudo é, é, é, tudo é, é, é, sem levar uma prenda dela Tudo é uma cucaria. com o teu cabelo à lua menina estás à janela O meu pai é Manuel Nabo, O meu pai é Manuel Nabo, Os olhos requerem olhos Minha mãe, mãe, mãe, e os corações corações Minha mãe, mãe, mãe, e os meus requerem os teus Minha mãe, Ana Nabiça. em todas as ocasiões O meu tio é Zé do Grelo,[2] [Gosto muito dos teus olhos Minha avó-ó-ó, minha avó-ó-ó, mas ainda mais dos meus Só gostava de hortaliça se não foram os meus olhos O meu pai é farmacêutico, como iria (eu) ver os teus] O meu pai é farmacêutico, [Chorai olhos chorai olhos Passa a vi-vi-vi, que o chorar não é desprezo Passa a vi-vi-vi, também a virgem chorou Passa a vida a fazer pírulas. quando viu seu filho preso] Quando me zango com ele, Quando me zango com ele, jj, Creissac, Aníbal Vinhas Vou à ga-ga-ga, vou à ga-ga-ga, F G Am C Vou à gaveta e tiro-las. O Zé beijou a Maria, O Zé beijou a Maria, Mas a mãe, mãe, mãe, Mas a mãe, mãe, mãe, Mas a mãe viu-os beijar. Foi contar logo ao marido, Foi contar logo ao marido, E o pai, pai, pai, e o pai, pai, pai, Obrigou-os a casar. Fernando Faria (Alternativamente Em/B7, Am/E7) 52 57
  • Menina e moça Gm D7 3 Música: Fausto Frazão; Letra: popular; Intérprete: António Menano; (fado de Coimbra) Variantes: - em vez de ... Meus irmãos também são cucos É preciso ter sofrido cantar: Lá em casa tudo é cuco e ter-se de amores chorado para se entender o sentido em vez do 2. verso cantar: que há na tristeza do fado. O meu pai é Manuel Nabo, Numa noite de luar Minha mãe, mãe, mãe, sob um céu doce e calado Minha mãe, mãe, mãe, nada se pode igualar Minha mãe, Maria Nabiça. à mágoa de um triste fado. Lá em casa tudo é nabo Tudo é, é, é, tudo é, é, é, Fernando Pais Tudo é uma hortaliça 56 53
  • Maria Faia Marião Letra e música: popular: Beira-Baixa; Intérprete: Zeca Afonso; Letra e música: popular; Intérprete: Brigada Vitor Jara (?); C Am E Adeus, ó Vale de Gouvinhas Marião Eu não sei como te chamas F G C Am Am não és vila nem cidade Marião oh Maria Faia G F C G C Sim sim Marião não não Marião nem que nome te hei-de eu pôr és um povo pequenino Marião E Am feito à minha vontade Marião oh Maria Faia oh Faia Maria Sim sim Marião não não Marião cravo não que tu és rosa oh Maria Faia Hei-de cercar Vale de Gouvinhas Marião Rosa não que tu és flor com trinta metros de fita Marião oh Maria Faia oh Faia Maria Sim sim Marião não não Marião à porta do meu amor Marião Não te quero chamar cravo hei-de pôr a mais bonita Marião Que te estou a engrandecer Sim sim Marião não não Marião Chamo-te antes espelho Onde espero de me ver Os meus olhos não são olhos Marião sem estar os teus defronte Marião O meu abalou Sim sim Marião não não Marião Deu-me uma linda despedida parecem dois rios d’água Marião Abarcou-me a mão direita quando vão de monte a monte Marião Adeus oh prenda querida Sim sim Marião não não Marião jj; Creissac(Jan-96) (Malpica :moda da azeitona) Já corri os mares à roda Marião G Am C E c’uma vela branda acesa Marião Sim sim Marião não não Marião em todo o mar achei água Marião só em ti pouca firmeza Marião Sim sim Marião não não Marião Nota - Se fôr muito baixo tentar: Dm A Dm C F A Dm. Mariana No original a tonalidade é Cm; (usar travessão no 3) F G Am C 0 In: traz outro amigo também; 54 55