55. a norma mais alta
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

55. a norma mais alta

on

  • 475 views

 

Statistics

Views

Total Views
475
Views on SlideShare
473
Embed Views
2

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

1 Embed 2

http://remanescentedelaodiceia4.blogspot.com.br 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

55. a norma mais alta Document Transcript

  • 1. 1| A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t a A NORMA MAIS ALTA Os verdadeiros discípulos de Cristo seguem-nO através deseveros conflitos, suportando a negação de si mesmos eexperimentando amargos desapontamentos; mas isto lhes ensina aculpa e o ai do pecado, e assim são levados a olhar para ele comrepulsa. Participantes dos sofrimentos de Cristo, estão destinados aparticipar de Sua glória. Em santa visão o profeta contemplou otriunfo final da igreja remanescente de Deus. (AA, 590) Ainda se acham dispersas muitas gemas que devem serreunidas para tornar-se propriedade do povo remanescente de Deus.Mas a luz não é conferida simplesmente para fortalecer a igreja, maspara iluminar os que estão em trevas. O povo de Deus deve anunciaros louvores dAquele que os chamou das trevas para Suamaravilhosa luz. Cristo declarou aos discípulos: "Vós sois a luz domundo" (Mat. 5:14), e a missão da luz é resplandecer e dissipar astrevas. (CSES, 34) Deviam os discípulos levar avante sua obra no nome deCristo. Cada uma de suas palavras e atos devia atrair aatenção sobre Seu nome como possuindo esse poder vital peloqual os pecadores podem ser salvos. Sua fé devia centralizar-se nAquele que é a fonte de misericórdia e poder. Em Seunome deviam apresentar suas petições ao Pai, ereceberiam resposta. Deviam batizar no nome do Pai, do Filhoe do Espírito Santo. O nome de Cristo devia ser a senha, ainsígnia, o laço de união, a autoridade para sua norma deprosseguimento e a fonte de seu sucesso. Nada devia serreconhecido em Seu reino que não trouxesse Seu nome einscrição. (AA, 28) Deus com justiça reclama o amor e obediência de todasas Suas criaturas. Deu-lhes em Sua lei uma perfeita norma deretidão. Muitos, porém, se esquecem de seu Criador, e escolhemseguir seus próprios caminhos, em oposição à vontade de Deus.Pagam com inimizade o amor que é tão alto quanto o Céu e tão
  • 2. A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t a |2amplo quanto o Universo. Deus não pode baixar os reclamos de Sualei a fim de corresponder à norma de homens ímpios; nem pode ohomem em sua própria capacidade, cumprir as exigências da lei. Sópela fé em Cristo pode o pecador ser purificado da culpa ecapacitado a prestar obediência à lei de seu Criador. (AA, 425) Preparados ou não, todos terão de enfrentá-la; esomente os que têm levado a vida em conformidade com anorma divina, permanecerão firmes naquele tempo de prova.Quando legisladores seculares se unirem a ministros de religiãopara legislarem em assuntos de consciência, ver-se-á entãoquem realmente teme a Deus e O serve. Quando as trevas sãomais profundas, mais resplandece a luz de um caráter semelhanteao de Deus. Quando toda a demais confiança falha, então se veráquem tem uma confiança permanente em Jeová. E enquanto osinimigos da verdade estiverem, de todos os lados, observando osservos do Senhor para o mal, Deus estará vigiando sobre eles para obem. Ele será para eles como a sombra de uma grande rocha numaterra sedenta. (AA, 432) Paulo ergue a norma de perfeição, e mostra como pode seralcançada. "Operai a vossa salvação", diz ele, "porque Deus é o queopera em vós." (AA, 482) Deus tem chamado Seu povo para glória e virtude, e issodeverá manifestar-se na vida de todo o que verdadeiramente seassocia a Ele. Havendo-se tornado participantes do domcelestial, devem prosseguir para a perfeição, "guardados navirtude de Deus para a salvação". I Ped. 1:5. É para Deus glória,dar Ele Sua virtude a Seus filhos. Ele deseja ver homens emulheres alcançar a mais elevada norma; e quando pela fé seapegarem ao poder de Cristo, quando pleitearem Suas infalíveispromessas, considerando-as como suas, quando com persistênciabuscarem o poder do Espírito Santo que lhes não será negado,então se farão completos nEle. (AA, 530) Ninguém precisa deixar de alcançar em sua esfera aperfeição do caráter cristão. Pelo sacrifício de Cristo, foi tomadaprovidência para que o crente receba todas as coisas que dizemrespeito à vida e piedade. Deus nos convida a alcançarmos a
  • 3. 3| A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t anorma da perfeição, e põe diante de nós o exemplo do caráter deCristo. O Salvador mostrou, por meio de Sua humanidadeconsumada por uma vida de constante resistência ao mal, que, coma cooperação da Divindade, podem os seres humanos alcançarnesta vida a perfeição de caráter. Esta é a certeza que Deus nos dáde que também nós podemos alcançar a vitória completa. (AA, 531) Encherá de Seu amor e da alegria da comunhão com Ele,que a Ele se apegará; e em Sua contemplação será esquecido opróprio eu. O amor de Cristo será a mola das ações. Os que sesentem constrangidos pelo amor de Deus, não perguntam quãopouco deverão dar para satisfazer às exigências de Deus; nãoindagam qual a mais baixa norma, mas aspiram à perfeitaconformidade com a vontade de seu Redentor. Com um sincerodesejo renunciam a tudo, manifestando um interesse proporcional aovalor do objeto que buscam. Uma profissão de Cristo sem esteprofundo amor, é mero palavreado, formalidade vã, pesada edesagradável tarefa. (CC, 45) Deus deseja que alcancemos a norma de perfeição que odom de Cristo nos tornou possível. Ele nos convida a fazer nossaescolha do direito, para nos ligarmos com os instrumentos celestes,adotarmos princípios que hão de restaurar em nós a imagem divina.Na palavra escrita e no grande livro da natureza, Ele revelou osprincípios da vida. É nossa obra obter conhecimento dessesprincípios e pela a obediência cooperar com Ele na restauraçãoda saúde do corpo bem como da alma. (CBV, 114/115) Nada podemos fazer sem ânimo e perseverança. Dirigipalavras de esperança e ânimo aos pobres e abatidos. Senecessário, dai-lhes provas palpáveis de vosso interesse, ajudando-os quando se encontram em apertos. Os que têm tido muitasvantagens devem lembrar-se de que eles ainda erram em muitascoisas, e que lhes é penoso quando seus erros são indicados,sendo-lhes apresentado um belo modelo do que devem ser.Lembrai-vos de que a bondade conseguirá mais que a censura. Aoprocurardes ensinar os outros, agi de maneira que eles vejam quelhes desejais uma mais elevada norma, e estais dispostos a dar-lhes auxílio. Se em algumas coisas eles falham, não vos apresseis acondená-los. (CBV, 196)
  • 4. A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t a |4 Deus olha o interior da pequenina semente que Ele própriocriou, e nela vê encoberta a bela flor, o arbusto ou a grande efrondosa árvore. Assim vê Ele as possibilidades em toda criaturahumana. Achamo-nos aqui para determinado fim. Deus nos deuo plano que tem para nossa vida, e deseja que alcancemos a maisalta norma de desenvolvimento. (CBV, 397) Como foi completo o sacrifício feito em nosso favor, assimdeve ser a nossa restauração do aviltamento do pecado. Nenhumato de impiedade será desculpado pela lei de Deus; injustiçaalguma lhe pode escapar à condenação. A ética evangélica nãoreconhece nenhuma norma senão a perfeição do caráterdivino. A vida de Cristo foi um perfeito cumprimento de todopreceito da lei. Ele disse: "Eu tenho guardado os mandamentos deMeu Pai." João 15:10. (CBV, 451) Aquele que conhece a Deus e a Sua Palavra por experiênciapessoal tem uma firme fé na origem divina das Santas Escrituras.Tem provado que a Palavra de Deus é a verdade, e que a verdadenão se pode nunca contradizer a si mesma. Não prova a Bíblia pelasidéias e a ciência humanas; submete-as, a estas, à prova da infalívelnorma. Sabe que, na verdadeira ciência, nada pode haver que estejaem contradição com o ensino da Palavra; uma vez que procedemambas do mesmo Autor, a verdadeira compreensão delasdemonstrará sua harmonia. Seja o que for, nos chamados ensinoscientíficos, que contradiga o testemunho da Palavra de Deus nãopassa de conjetura humana. (CBV, 462) Necessitamos de ter um constante sentimento do poderenobrecedor dos pensamentos puros. É nos bons pensamentosque reside a única segurança para cada alma. O homem, "comoimaginou na sua alma, assim é". Prov. 23:7. A faculdade de sedominar desenvolve-se pelo exercício. O que a princípio pareciadifícil torna-se fácil pela repetição constante, até que os retospensamentos e ações acabam por ser habituais. Se quisermos,podemos afastar-nos de tudo o que é baixo e inferior, e elevar-nospara uma alta norma; podemos ser respeitados pelos homens eamados por Deus. (CBV, 491)
  • 5. 5| A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t a "O amor de Cristo nos constrange", dizia Paulo. II Cor. 5:14.Tal era a norma que dirigia a sua conduta. Se alguma vez seu ardorno caminho do dever enfraquecia por momentos, um olhar para acruz lhe fazia cingir de novo os rins do seu entendimento (Isa. 11:5),e o impelia no caminho da abnegação. Nos trabalhos pelos irmãos,contava com a manifestação de infinito amor do sacrifício deCristo, com o seu poder de subjugar e convencer os corações.(CBV, 500) A grande e maravilhosa obra da última mensagemevangélica deve ser levada avante agora como nunca antes. Omundo deve receber a luz da verdade por meio de um ministérioevangelizador da Palavra em nossos livros e periódicos. Nossaspublicações devem mostrar que o fim de todas as coisas está àsportas. Pede-se-me que diga a nossas casas editoras: "Erguei anorma; erguei-a mais alto. Proclamai a terceira mensagemangélica, a fim de que ela possa ser ouvida por todo o mundo.Fazei ver que aqui estão os que guardam os mandamentos deDeus e a fé em Jesus. Apoc. 14:12. (Colportor Evangelista, 145) A santidade, ou seja, a semelhança com Deus é oalvo a ser atingido. À frente do estudante existe aberta asenda de um contínuo progresso. Ele tem um objetivo arealizar, uma norma a alcançar, os quais incluem tudo queé bom, puro e nobre. Ele progredirá tão depressa, e tanto,quanto for possível em cada ramo do verdadeiro conhecimento.Mas seus esforços se dirigirão a objetos tanto mais elevadosque os meros interesses egoístas e temporais quanto os Céusse acham mais alto do que Terra. (CPPE, 24) Uma vez colocado o firme fundamento, precisamos desabedoria a fim de saber como convém edificar. Quando Moisésestava prestes a construir o santuário no deserto, foi advertido: "Olha,faze tudo conforme o modelo que, no monte, se te mostrou." Heb.8:5. Em Sua lei, Deus nos deu o modelo. A edificação de nossocaráter deve operar-se segundo "o modelo que, no monte, se temostrou". A lei é a grande norma de justiça. Representa ocaráter de Deus e é a prova de nossa lealdade a Seu governo. Eela nos é revelada, em toda a sua beleza e excelência, na vida deCristo. ... (CPPE, 62)
  • 6. A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t a |6 Antes de o homem se tornar realmente sábio, cumpre-lhe avaliar sua dependência de Deus, e encher-se de Suasabedoria. Ele é a fonte do poder intelectual, bem como doespiritual. Os maiores homens, que atingiram o que o mundoconsidera o máximo na ciência, não são para se comparar com oamado João ou o apóstolo Paulo. É quando se combinam acapacidade intelectual e a espiritual, que se atinge a mais altanorma de varonilidade. Os que assim fizerem, Deus aceitará comocoobreiros Seus no preparo das mentes. (CPPE, 66) Conhecer a nós mesmos é grande ciência. O mestre que seaprecia devidamente deixará que Deus lhe molde e discipline amente. E reconhecerá a origem de sua força. O conhecimento desi mesmo leva à humildade e à confiança em Deus; não toma,porém, o lugar dos esforços para o aperfeiçoamento próprio.Aquele que compreende as próprias deficiências, não se poupará asofrimentos para alcançar a mais alta norma possível na excelênciafísica, mental e moral. No preparo da juventude, não deve ter partepessoa alguma que se satisfaça com uma norma baixa. (CPPE, 67) A lição essencial da operosidade, satisfeita nos necessáriosdeveres da vida, tem ainda de ser aprendida por muitos dosseguidores de Cristo. Requer mais graça, mais severa disciplinade caráter trabalhar para Deus na qualidade de mecânico,negociante, advogado ou agricultor, introduzindo os preceitos docristianismo nas ocupações comuns da vida, do que desempenharas funções de reconhecimento missionário no campo de ação.Requer vigorosa fibra espiritual introduzir a religião na oficina detrabalho e no escritório dos negócios, santificando os pormenores davida diária, e ordenando toda transação segundo a norma da Palavrade Deus. Mas é isso que o Senhor exige. (CPPE, 279) O ideal do caráter cristão é a semelhança com Cristo. Diantede nós abre-se uma senda de contínuo progresso. Temos umobjeto a alcançar, uma norma a atingir, que incluem tudo que épuro, bom, nobre e elevado. Deve haver contínuo esforço econstante progresso para a frente e para cima, rumo à perfeiçãodo caráter. ... (CPPE, 365)
  • 7. 7| A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t a Essas verdades encontram-se na Palavra de Deus - anorma pela qual nos cumpre julgar entre o certo e o erro. Aobediência a esta Palavra é, para a juventude, o melhorescudo contra as tentações a que se acham expostosenquanto se educam. Com essa Palavra aprenderão a honrar aDeus e a ser fiéis à humanidade, cumprindo alegremente osdeveres, e enfrentando as provas que cada dia traz, levandocorajosamente seus fardos. (CPPE, 438) E não se pense que isso impedirá o estudo das Ciênciasou dará lugar ao abaixamento da norma educativa. Oconhecimento de Deus é alto como o céu e amplo como oUniverso. Não há nada tão enobrecedor e próprio pararevigorar, como o estudo dos grandes temas que dizemrespeito à nossa vida eterna. Procure a juventude apoderar-sedessas verdades dadas por Deus, e a mente se lhes dilatará etornará forte nesse esforço. Ele levará todo jovem que forpraticante da Palavra a mais vasto campo de idéias, assegurando-lhe imperecível riqueza de conhecimentos. (CPPE, 441) Fosse a mente dos jovens retamente dirigida, e suaconversação seria sobre temas elevados. Quando a mente é pura eos pensamentos enobrecidos pela verdade de Deus, as palavrasserão da mesma natureza - "como maçãs de ouro em salvas deprata". Prov. 25:11. Com a atual compreensão, porém, e aspráticas atuais, com a baixa norma que os cristãos secontentam em atingir, vulgar é a conversação, e destituída deproveito. É da Terra, terrena, e não chega sequer ao nível daconversa das mais cultas classes mundanas. Quando Cristo e oCéu forem objeto de reflexão, a conversa o indicará. A linguagemserá temperada com graça, e o que fala manifestará a educaçãorecebida na escola do divino Mestre. (CPPE, 443) E o necessário conhecimento será facultado a todos quese achegam a Cristo, recebendo e praticando-Lhe os ensinos,tornando Sua Palavra parte da própria vida. O Espírito Santoensina ao estudante das Escrituras a julgar todas as coisas pelanorma da retidão, da verdade e da justiça. A divina revelaçãosupre-o do conhecimento de que ele necessita. Os que secolocam sob as instruções do grande Missionário Médico,
  • 8. A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t a |8para serem coobreiros Seus, possuirão um conhecimentoque o mundo, com todo o seu tradicional saber, não podeproporcionar. (CPPE, 484) Para satisfazer a mais elevada norma possível, precisamosser perseverantes e decididos. Em muitos casos, precisam servencidos hábitos e ideais estabelecidos, antes de podermos fazerprogresso na vida religiosa. ... A obra essencial é conformar osgostos, os apetites, as paixões, os motivos e desejos com a grandenorma de justiça. A obra deve começar no coração. A menos queeste esteja em perfeita harmonia com a vontade de Cristo,qualquer paixão dominante, qualquer hábito ou defeito, tornar-se-á um poder para destruir. (CPPE, 505) Um bom caráter tem de ser edificado tijolo a tijolo. Ascaracterísticas que hão de habilitar os jovens a trabalhar com êxitona causa de Deus, podem ser obtidas pelo diligente exercício desuas faculdades, aproveitando toda vantagem que a Providência lhesproporciona, e pondo-se em contato com a Fonte de toda asabedoria. Não se devem satisfazer com uma baixa norma. Ocaráter de José e de Daniel são bons modelos a seguir, e navida do Salvador têm eles um modelo perfeito. (CPPE, 537) À medida que a verdade é introduzida na vida prática, anorma deve ser cada vez mais elevada, até estar à altura dosreclamos da Bíblia. Isto exigirá oposição às modas, costumes,práticas e máximas do mundo. Influências mundanas, como asondas do mar, arremessam-se contra os seguidores de Cristopara afastá-los dos verdadeiros princípios de Sua mansidão egraça; mas devemos estar firmes ao princípio como uma rocha.Fazer isto requererá coragem moral, e aqueles cuja alma nãoestá fixada à Rocha eterna serão varridos pela correnteza domundo. Só podemos permanecer firmes se nossa vida estiverescondida com Cristo em Deus. A independência moral éabsolutamente legítima quando em oposição ao mundo. Ao nosconformarmos inteiramente com a vontade de Deus, somos firmadosem terreno vantajoso, e veremos a necessidade de decididaseparação dos costumes e práticas do mundo. (CSE, 132)
  • 9. 9| A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t a Enquanto o espírito de crítica e de suspeita não forbanido do coração, o Senhor não pode realizar Seu anelo paraa igreja - abrir o caminho para o estabelecimento de escolas;enquanto não houver unidade, Ele não moverá aqueles a quemconfiou recursos e aptidões para o progresso dessa obra. Ospais precisam atingir mais elevada norma, observando o caminhodo Senhor e praticando a justiça, de modo a serem portadores deluz. Importa que haja inteira transformação de espírito e caráter. Oespírito de desunião nutrido no coração de alguns se comunicará aoutros, e anulará a influência que a escola exerceria para o bem. Amenos que os pais estejam prontos e ansiosos no sentido decooperar com o professor para salvação de seus filhos, não seacham preparados para o estabelecimento de uma escola entreeles. (CSE, 188) Pouco antes de deixar os Seus discípulos para retornarao Céu, Cristo declarou: "Um novo mandamento vos dou: Quevos ameis uns aos outros; como Eu vos amei a vós, quetambém vós uns aos outros vos ameis." João 13:34. Aquiestamos vendo a norma elevada cada vez mais. "Nisto todosconhecerão que sois Meus discípulos, se vos amardes uns aosoutros." João 13:35. Não puderam os discípulos nesta ocasiãocompreender as palavras de Cristo; mas após Sua crucifixão,ressurreição, e ascensão, eles compreenderam o Seu amor comonunca antes. Tinham-no visto expresso em Seus sofrimentos nojardim, no tribunal, e em Sua morte na cruz do Calvário. (CSE, 207) Por todo o tempo as palavras que Cristo proferiu no montedas bem-aventuranças conservarão o seu poder. Cada sentença éuma jóia do depósito de tesouros da verdade. Os princípiosenunciados neste discurso são para todas as eras e para todasas classes de pessoas. Com divina energia Cristo expressou Sua fée esperança ao apresentar classe por classe como benditos porhaverem adquirido caráter justo. Por viver a vida do Doador da vida,pela fé nEle, todos podem alcançar a norma indicada em Suaspalavras. Não é tal conquista digna de permanente e incansávelesforço? (CSE, 222) A ética inculcada pelo evangelho não reconhece outranorma que não a perfeição da mente e da vontade de Deus.
  • 10. A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t a | 10Todos os justos atributos do caráter residem em Deus como um todoharmonioso e perfeito. Todo aquele que recebe a Cristo como seuSalvador pessoal tem o privilégio de possuir esses atributos. Esta éuma ciência de santidade. (CSE, 228) O ideal do caráter cristão é a semelhança com Cristo.Acha-se aberta diante de nós uma senda de progresso contínuo.Temos um objetivo a atingir, uma norma a alcançar, a qual inclui tudoque é bom, puro, nobre e elevado. Deve haver contínuo esforço econstante progresso para a frente e para o alto, rumo à perfeição docaráter. (CSE, 232) Os costumes do mundo não são norma para o cristão.Ele não deve imitar suas práticas sutis, suas astúcias, suasextorsões. Todo ato injusto para com o próximo é umaviolação da regra áurea. Cada erro praticado em relação aosfilhos de Deus, é feito ao próprio Cristo na pessoa de Seus santos.Toda tentativa de tirar vantagem da ignorância, fraqueza ouinfortúnio de outrem, é registrada como fraude no livro-razão doCéu. Aquele que sinceramente teme a Deus, preferiria anteslabutar dia e noite e comer o pão da pobreza, a condescendercom a paixão do ganho que oprima a viúva e o órfão, ou prive oestrangeiro do seu direito. (CSM, 144) Logo são tentados a se desviar da sua integridade, parafazerem para si mesmos as melhores barganhas possíveis.Pode sua atitude ser perfeitamente legal, segundo a normamundana do que é correto, e ainda assim não suportar a provada lei de Deus. Seus motivos são postos em dúvida pelos irmãos, ehá suspeitas de se estarem exorbitando para servirem a si mesmos,sendo assim sacrificada aquela preciosa influência que devia ter sidoguardada sagradamente para benefício da causa de Deus. Onegócio que poderia ser um êxito financeiro nas mãos de umtrapaceiro que vende sua integridade pelo ganho mundano, seriainteiramente impróprio para um seguidor de Cristo. (CSM, 236) Diz-nos a palavra da inspiração: "Não sejais vagarosos nocuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor." Rom.12:11. Todos os que estão ligados aos nossos sanatórios lancem-seao trabalho com interesse e fervor. Se os auxiliares ainda não
  • 11. 11| A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t aaprenderam a ciência de serem ligeiros, comecem imediatamente ase exercitar nesse sentido, ou consintam em que seu salário sejaproporcional à quantidade de trabalho feito. Devem as enfermeiras efuncionários tornar-se cada dia mais eficientes, mais versados emtodos os pormenores da sua profissão e mais serviçais. Podemajudar-se individualmente a atingir uma norma cada vez maiselevada como a mão ajudadora do Senhor. Aqueles que são pornatureza vagarosos exercitem-se dia a dia para poderem fazerseu trabalho com maior rapidez, e, ao mesmo tempo com todocuidado. ... (CSM, 269) Ninguém que professe piedade se refira com indiferença àsaúde do corpo, iludindo-se a si mesmo com o pensamento de que aintemperança não é pecado, nem afeta a sua espiritualidade. Háentre a natureza física e a moral íntima relação. A norma de virtudeé elevada ou degradada pelos hábitos físicos. O excesso nocomer, ainda que seja o melhor alimento, produzirá condiçõesmórbidas dos sentimentos morais. E se o alimento não é o maissaudável, os efeitos serão ainda mais danosos. Qualquer hábito quenão promova ação saudável no organismo humano, degrada asfaculdades mais altas e mais nobres. Hábitos errôneos no comer eno beber levam a erros de pensamento e de ação. A tolerância paracom o apetite fortalece as propensões sensuais, dando-lhesascendência sobre as faculdades mentais e espirituais. (CSRA, 62) Deve a sabedoria humana ser combinada com a divinasabedoria e misericórdia de Deus. Escondamos em Cristo o nossoeu. Trabalhemos diligentemente para alcançar a alta normaque Deus nos estabeleceu - a transformação moral peloevangelho. Deus nos apela para avançarmos em rumos certos,fazendo retos caminhos para nossos pés, para que o quemanqueja não se desvie inteiramente. Então Cristo ficarásatisfeito. Carta 39, 1901. (CSM, 211) Há muito pouco poder moral no mundo cristão professo.Maus hábitos têm sido tolerados e leis físicas e morais têm sidodesatendidas, até que o padrão geral de virtude e piedade setornou excessivamente baixo. Os hábitos que rebaixam a normade saúde física, enfraquecem as forças mentais e morais. Atolerância para com apetites e paixões pervertidos exerce uma
  • 12. A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t a | 12influência controladora sobre os nervos e o cérebro. Os órgãosanimais são estimulados, ao passo que os morais são deprimidos.É impossível ao intemperante ser um cristão, pois suas faculdadesmais altas são trazidas em cativeiro pelas paixões. Testimonies,vol. 3, pág. 51. Podeis nunca saber os resultados de vossa influência diária,mas estai certos de que a exerceis para bem ou para mal. Muitosque possuem um coração bondoso e bons impulsos, permitemque sua atenção seja absorvida pelos assuntos e prazeresmundanos, enquanto as almas que para eles atentam em buscade guia são levadas pela corrente a naufrágio desesperador.Tais pessoas podem possuir uma profissão de fé elevada, e achar-sebem conceituadas na opinião dos homens, mesmo como cristãos,mas no dia de Deus, quando as nossas obras irão ser comparadascom a lei divina, será descoberto que não atingiram a norma. Outrosque viram a sua conduta degradaram-se um pouco mais do que eles,e outros ainda se aviltaram mais do que esta última classe, e dessamaneira a obra de degenerescência prosseguiu. (CSS, 413) Muitos indagam: "Como devo eu fazer a entrega do próprioeu a Deus?" Desejais entregar-vos a Ele, mas sois faltos depoder moral, escravos da dúvida e dirigidos pelos hábitos devossa vida de pecado. Vossas promessas e resoluções sãocomo palavras escritas na areia. Não podeis dominar ospensamentos, os impulsos, as afeições. O conhecimento de vossaspromessas violadas e dos votos não cumpridos, enfraquece aconfiança em vossa própria sinceridade, levando-vos a julgar queDeus não vos pode aceitar; mas não precisais desesperar. O quedeveis compreender é a verdadeira força da vontade. Esta é o poderque governa a natureza do homem, o poder da decisão ou deescolha. Tudo depende da reta ação da vontade. O poder da escolhadeu-o Deus ao homem; a ele compete exercê-lo. Não podeis mudarvosso coração, não podeis por vós mesmos consagrar a Deus asvossas afeições; mas podeis escolher servi-Lo. Podeis dar-Lhe avossa vontade; Ele então operará em vós o querer e o efetuar,segundo a Sua vontade. Desse modo toda a vossa natureza serálevada sob o domínio do Espírito de Cristo; vossas afeiçõescentralizar-se-ão nEle; vossos pensamentos estarão em harmoniacom Ele. (CC, 47)
  • 13. 13| A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t a Ninguém a não ser vós mesmos pode controlar vossospensamentos. Na luta por alcançar a norma mais elevada, oêxito ou o fracasso muito dependerão do caráter e da maneirapela qual os pensamentos são disciplinados. Se ospensamentos são bem cingidos, como Deus ordena que o sejamdiariamente, girarão em torno daqueles assuntos que nos ajudem ater maior devoção. Se os pensamentos forem corretos, então, comoresultado, as palavras também serão corretas; as ações serão demolde a trazer alegria, conforto e descanso às pessoas (MM, EsteDia Com Deus, 64) Não vos torneis descuidados, separando-vos da Fontede vossa força. Cuidai de vossos pensamentos, cuidai devossas palavras, procurando glorificar a Deus em todas ascoisas que empreenderdes. Quanto mais perto chegardes dacruz, tanto mais claramente vereis os inigualáveis atrativos deJesus e o incomparável amor que Ele manifestou ao homemcaído. ... (MM, Cuidado de Deus, 102) Pais, sois vós os que haveis de decidir se o espírito devossos filhos se encherá de pensamentos enobrecedores, ou desentimentos viciosos. Não podeis conservar desocupada sua menteativa, tampouco podeis expulsar o mal com um simples gesto deenfado. Unicamente incutindo princípios corretos, podeis excluirmaus pensamentos. A não ser que os pais plantem no coraçãodos filhos as sementes da verdade, o inimigo semeará o joio. Ainstrução boa e sã é o único preventivo contra as más conversas quecorrompem os bons costumes. A verdade protegerá a alma dasintermináveis tentações que terão de ser enfrentadas. (CPPE, 121) Apelo aos estudantes em nossas escolas a que sejamsóbrios. A frivolidade da juventude não é agradável a Deus.Seus esportes e jogos abrem a porta a um dilúvio detentações. Em vossas faculdades intelectuais estais na possede dotação celestial, e não deveis permitir que vossospensamentos sejam baixos, rasteiros. O caráter formadosegundo os preceitos da Palavra de Deus revelará princípiosfirmes, nobres e puras aspirações. Quando o Espírito Santocoopera com as faculdades da mente humana, altos e santosimpulsos são o resultado certo. ... (CSE, 233)
  • 14. A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t a | 14 O Espírito é dado para glorificar, não o recebedor, mas oDoador. Quando a luz de Cristo brilha na alma, os lábios seencherão de louvor e ação de graças a Deus. Vossas orações, ocumprimento de vossos deveres, vossa beneficência, vossaabnegação, não serão o tema de vossos pensamentos ouconversação. Jesus será engrandecido, o eu oculto, e Cristoaparecerá como tudo em todos. (CSM 126) Devem-se ensinar às crianças lições de pureza desde asua infância. Nunca é cedo demais para as mães começarem aencher a mente de seus filhos de pensamentos puros e santos. Euma das maneiras de fazer isso é conservar todas as coisasao seu redor puras e asseadas. Mães, se desejais que ospensamentos de vossos filhos sejam puros, tornai puro seuambiente. Sejam seus dormitórios escrupulosamenteasseados e limpos. Ensinai-lhes a cuidar de suas próprias roupas.Cada criança deve ter um lugar próprio para guardar suas roupas.Poucos pais são tão pobres que não possam prover para estafinalidade uma grande caixa, a qual pode ser provida de prateleirase atrativamente coberta. (CSS, 103) Sejam os cristãos cautelosos, e não transmitam segredoalgum aos descrentes. Não devem confiar-lhes nenhum segredoque desacredite o povo de Deus. Guardai os vossospensamentos; fechai a porta à tentação. Fazei o vosso trabalhocomo estando em presença do Vigia divino. Trabalhaipacientemente, esperando que, pela graça de Cristo, alcanceissucesso em vossa profissão. Conservai de pé as barreiras que oSenhor levantou para vossa segurança. Guardai o vosso coraçãocom toda a diligência, pois dele procedem as saídas da vida ou damorte. (CSS, 341) Pais, exaltai o padrão do cristianismo no espírito de vossosfilhos; ajudai-os a entretecer a pessoa de Jesus em sua experiência;ensinai-os a ter o maior respeito pela casa de Deus e acompreender que quando entram ali devem fazê-lo com o coraçãocomovido, ocupando-se com pensamentos como estes: "Deusestá aqui; esta é a Sua casa. Devo alimentar pensamentospuros e guiar-me pelos mais santos propósitos. ... Este é o
  • 15. 15| A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t alugar onde Deus vem ter com Seu povo e o abençoa." ... (MM,Cuidado de Deus, 66) Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seuspensamentos, e se converta ao Senhor, que Se compadecerádele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar.Porque os Meus pensamentos não são os vossospensamentos, nem os vossos caminhos os Meus caminhos,diz o Senhor. Isa. 55:7 e 8. Não vos ocupeis em servir a vós mesmos, tornando-vosindiferentes com as reivindicações de Deus a vosso respeito. SoisSua propriedade. Tende princípios fixos. Considerai que Jesus voscomprou a um preço infinito. Vossos pensamentos devem manter-sepuros; eles são do Senhor. Dedicai-os a Ele. Nada podemos merecerde Deus. Não podemos dar-Lhe coisa alguma que não Lhepertença. Reteremos de Deus o que é Seu? Não roubeis a Deus,empenhando Seu tempo, Seus talentos e Sua força no mundo.Ele pede vossas afeições. Dai-as a Ele. Elas Lhe pertencem. Elepede vosso tempo, momento após momento: dai-Lho, pois Lhepertence. Ele pede vosso intelecto: dai-Lho, pois Lhe pertence. (EsteDia Com Deus, 365) "Porventura alcançarás os caminhos de Deus, ou chegarás àperfeição do Todo-poderoso?" "Os Meus pensamentos não são osvossos pensamentos, nem os vossos caminhos os Meus caminhos,diz o Senhor. Porque, assim como os céus são mais altos do quea Terra, assim são os Meus caminhos mais altos do que osvossos caminhos e os Meus pensamentos mais altos do que osvossos pensamentos." "Eu sou Deus, e não há outro deus, não háoutro semelhante a Mim; que anuncio o fim desde o princípio, edesde a antiguidade as coisas que ainda não aconteceram." Jó 11:7;Isa. 55:8 e 9; 46:9 e 10. (GC, 344) O Céu se aproxima da Terra por meio daquela escadaespiritual cuja base está firmemente plantada na Terra, enquanto seuúltimo degrau atinge o trono do Ser infinito. Anjos estãoconstantemente subindo e descendo por esta escada de fulgurantebrilho, levando as orações dos necessitados e angustiados ao Pai,no alto, e trazendo bênção e esperança, coragem e auxílio aos filhos
  • 16. A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t a | 16dos homens. Esses anjos de luz criam uma atmosfera celestialem redor da alma, erguendo-nos para o invisível e eterno. Nãolhes podemos contemplar as formas com nossa vista natural;somente pela visão espiritual podemos distinguir os seres celestiais.Somente o ouvido espiritual pode ouvir a harmonia de vozescelestiais. (AA, 153) Essas palavras são plenas de instrução e ferem a notatônica da vitória. O apóstolo apresenta perante os crentes aescada do progresso cristão, cujos degraus representam cadaqual um acréscimo no conhecimento de Deus e em cujaascensão não deve haver parada. Fé, virtude, ciência, temperança,paciência, piedade, amor fraternal e caridade são os degraus daescada. Somos salvos pelo subir degrau a degrau, passo apóspasso, para o alto ideal de Cristo para nós. Assim é Ele feito para nóssabedoria, e justiça, e santificação e redenção. (AA, 530) O apóstolo Pedro tivera uma longa experiência nas coisasde Deus. Sua fé no poder de Deus para salvar se fortalecera comos anos, até alcançar a prova suficiente de que não hápossibilidade de fracasso para aquele que, avançando pela fé,ascende degrau a degrau, sempre para cima e para a frente,em direção ao último degrau da escada que alcança ospróprios portais do Céu. (AA, 533) Chamamos-lhes a atenção para as mansões que Cristo estápreparando para todos os que O amam. Apontamos-lhes aquelacidade que tem fundamentos, da qual o arquiteto e construtor éDeus. Subam degrau por degrau, e alcançarão a Deus no topoda escada, e a Santa Cidade de Deus. Ninguém que resolutamentesubir por essa escada deixará de receber a vida eterna. "Pois destamaneira é que vos será amplamente suprida a entrada no reinoeterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo." I Ped. 1:11.Manuscrito 13, 1884 (Manuscript Releases, vol. 19, págs. 353-355).(MM, CT, 87) Orai pelo novo nascimento. Se experimentardes este novonascimento deleitar-vos-eis, não nos tortuosos caminhos de vossospróprios desejos, mas no Senhor. Desejareis estar sob Suaautoridade. Estareis de contínuo procurando alcançar norma
  • 17. 17| A p o s t i l a – A N o r m a M a i s A l t amais alta. Sede não apenas leitores da Bíblia, mas ferventesestudiosos dela, para que possais saber o que Deus requer devós. Necessitais do conhecimento experimental de como fazer a Suavontade. Cristo é nosso Professor. (CSE, 147) "A caridade é sofredora, é benigna; a caridade não éinvejosa; a caridade não trata com leviandade, não se ensoberbece."I Cor. 13:4. A mais pura alegria jorra da mais profunda humilhação. Ocaráter mais forte e mais nobre é construído sobre ofundamento da paciência, do amor e da submissão à vontade deDeus. (AA, 319) A principesca dignidade do caráter cristão resplandecerácomo o Sol, e os raios luminosos irradiados da face de Cristo serefletirão nos que se purificaram a si mesmos assim como Ele é puro.Testimonies, vol. 4, pág. 357