Your SlideShare is downloading. ×
53. vans suspeitas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

53. vans suspeitas

125

Published on

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
125
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 1| A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a s VANS SUSPEITAS O coração daqueles que se converteram mediante o trabalho dosapóstolos, abrandou-se e uniu-se pelo amor cristão. A despeito depreconceitos anteriores, todos estavam em harmonia uns com os outros.Satanás sabia que, enquanto esta união continuasse a existir, ele seriaimpotente para deter o progresso da verdade evangélica; e procuroutirar vantagem de anteriores hábitos de pensar, na esperança de quepor este meio pudesse introduzir na igreja elementos de desunião. Assim aconteceu que, aumentando o número dos discípulos,o inimigo conseguiu despertar suspeitas de alguns queantigamente tinham tido o hábito de olhar com ciúme a seusirmãos na fé, e descobrir defeitos em seus guias espirituais; e,desta maneira, "houve uma murmuração dos gregos contra oshebreus". Atos 6:1. A causa da queixa foi a negligência que sealegava na distribuição diária de auxílio às viúvas gregas. Qualquerdesigualdade seria contrária ao espírito do evangelho, contudoSatanás conseguira despertar a suspeita. Dever-se-iam agora tomarmedidas imediatas para remover todo o motivo dedescontentamento, para que não acontecesse triunfar o inimigo emseus esforços de acarretar divisão entre os crentes. (AA, 88) Na epístola aos hebreus se salienta a inteireza de propósito quedeve caracterizar a carreira do cristão para a vida eterna: "Deixemostodo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, ecorramos com paciência a carreira que nos está proposta, olhandopara Jesus, autor e consumador da fé." Heb. 12:1 e 2. Inveja,malícia, ruins suspeitas, maledicências, cobiça - são embaraçosque o cristão deve pôr de lado, se quiser correr com êxito a carreirapara a imortalidade. Cada hábito ou prática que conduz ao pecado eleva a desonra a Cristo, precisa ser posto de lado, seja qual for osacrifício. A bênção do Céu não pode acompanhar qualquer homem emviolação dos eternos princípios de justiça. Um pecado acariciado ébastante para promover a degradação do caráter e desviar a outros.
  • 2. A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a s |2 "Se a tua mão te escandalizar", disse o Salvador, "corta-a; melhor épara ti entrares na vida aleijado, do que, tendo duas mãos, ires para oinferno, para o fogo que nunca se apaga; e, se o teu pé te escandalizar,corta-o; melhor é para ti entrares coxo na vida, do que, tendo dois pésseres lançado no inferno." Mar. 9:43-45. Se para salvar o corpo damorte, o pé ou a mão devem ser cortados, ou mesmo o olhoarrancado, quão mais pressuroso deveria ser o cristão em afastar opecado que leva morte à alma! Os competidores nos antigos jogos, depois de se haveremsubmetido à renúncia e rígida disciplina, não estavam ainda assimseguros da vitória. "Não sabeis vós", pergunta Paulo, "que os quecorrem no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva oprêmio?" I Cor. 9:24. Não importa com quanto entusiasmo e ardortivessem corrido os competidores, o prêmio seria apenas de um. A mãode um apenas agarraria o cobiçado galardão. Alguns podiam dedicarsupremo esforço para obter o prêmio, mas ao estenderem a mão paraapanhá-lo, outro, um instante antes dele, poderia arrebatar-lhe ocobiçado tesouro. Tal não é o caso na milícia cristã. Ninguém que se submete àscondições ficará desapontado ao fim da carreira. Ninguém que sejafervoroso e perseverante deixará de alcançar sucesso. Não é dosligeiros a carreira, nem dos valentes a peleja. O mais fraco dos santos,bem como o mais forte, podem alcançar a coroa de glória imortal.Podem vencer todos os que, pelo poder da divina graça, conduzem avida em conformidade com a vontade de Cristo. A prática, nospormenores da vida, dos princípios estabelecidos pela Palavra de Deus,é não raro olhada como coisa sem importância - assunto por demaistrivial para que se lhe dê atenção. Mas considerando o que está emjogo, nada é pequeno quando ajuda ou estorva. Cada ato acrescentaseu peso na balança que determina a vitória ou fracasso na vida. E arecompensa dada aos que triunfam será proporcional à energia e fervorcom que lutaram. O apóstolo se compara a uma pessoa disputando uma carreira,esforçando cada nervo para alcançar o prêmio. "Pois eu assimcorro", diz ele, "não como a coisa incerta; assim combato, nãocomo batendo no ar. Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo àservidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de
  • 3. 3| A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a salguma maneira a ficar reprovado." I Cor. 9:27. Para que não viesse acorrer incertamente ou a esmo na carreira cristã, Paulo se submetia asevero exercício. As palavras "subjugo o meu corpo", literalmentesignificam repelir por severa disciplina os desejos, os impulsos e aspaixões. Paulo temia que, tendo pregado a outros, viesse ele próprio a ficarreprovado. Ele compreendia que se não praticasse na vida os princípiosem que cria e que pregava, seu trabalho em favor de outros em nadalhe aproveitaria. Sua conversação, sua influência, sua recusa de render-se à satisfação própria, deviam mostrar que sua religião não era meraprofissão mas um viver diário em ligação com Deus. Um alvo mantinhaele sempre diante de si, e lutava fervorosamente por alcançá-lo - "ajustiça que vem de Deus pela fé". Filip. 3:9. Paulo sabia que sua batalha contra o mal não terminaria enquantoele tivesse vida. Sempre sentia a necessidade de colocar estrita guardasobre si mesmo, para que os desejos terrestres não lograssem minarseu zelo espiritual. Com todas as suas forças continuava a lutar contraas inclinações naturais. Sempre mantinha diante de si o ideal a seralcançado, e esse ideal procurava ele alcançar mediante voluntáriaobediência à lei de Deus. Suas palavras, atos e paixões - tudo era postosob o controle do Espírito de Deus. Era esta inteireza de propósitos para vencer na carreira pela vidaeterna que Paulo ansiava ver revelada na vida dos crentes coríntios. Elesabia que para alcançarem o ideal de Cristo, tinham eles diante de siuma luta vitalícia na qual não haveria tréguas. Insistia com eles paraque porfiassem lealmente, buscando dia a dia a piedade e a excelênciamoral. Suplicava-lhes para porem de lado todo embaraço, e aprosseguir rumo ao alvo da perfeição em Cristo. (AA, 313-315) Nossos irmãos e irmãs de outras partes devem sentir o dever quelhes cumpre de manter esta instituição idealizada por Deus. Alguns dosalunos voltam para casa murmurando e queixando-se, e os pais e osmembros da igreja dão ouvidos às declarações exageradas, unilaterais.Bem fariam em considerar que a história tem dois lados; no entanto,permitem que essas informações truncadas criem uma barreira entreeles e o colégio. Começam então a manifestar temores, dúvidas esuspeitas quanto à maneira por que o colégio está sendo dirigido. Tal
  • 4. A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a s |4influência produz grande dano. As palavras de descontentamentopropagam-se como uma doença contagiosa, e a impressão causadasobre o espírito de outros dificilmente se apagará. A história avoluma-sea cada repetição, chegando a gigantescas proporções, podendo severificar que não houve falta da parte dos professores ou mestres. Estescumpriram apenas seu dever em fazer vigorar os regulamentos daescola, o que se deve fazer, do contrário a escola ficará desmoralizada. Nem sempre os pais procedem com prudência. Muitos sãodemasiado exigentes no desejar levar outros a participarem de suasidéias, e tornam-se impacientes e ofensivos se o não conseguem;quando, porém, é exigido de seus filhos que observem as regras eregulamentos da escola, e eles se zangam diante da necessáriarestrição, com freqüência os pais, que professam amar e temer a Deus,unem-se aos filhos em vez de reprová-los e corrigir-lhes as faltas. Isto sedemonstra muitas vezes o ponto decisivo no caráter desses filhos.Ordens e regras são quebradas, a disciplina é pisada a pés. Os filhosdesprezam a restrição, sendo-lhes permitido falar com desrespeito dasinstituições de Battle Creek. Se tão-somente os pais refletissem, veriamos maus resultados da orientação que estão seguindo. Seria na verdadecoisa maravilhosa se, numa escola de quatrocentos alunos, dirigida porhomens e mulheres sujeitos às fraquezas da humanidade, tudo fossetão perfeito, tão exato, que desafiasse a crítica. Caso os pais se colocassem na posição dos professores, e vissemquão difícil é o administrar e disciplinar uma escola de centenas dealunos de todas as séries e de todos os feitios mentais, talvez comreflexão, vissem diversamente os fatos. Cumpre-lhes considerar quealguns filhos nunca receberam disciplina em casa. Tendo sido sempretratados complacentemente, sem nunca serem treinados na obediência,ser-lhes-ia grandemente proveitoso serem afastados dos poucoprudentes pais, e colocados sob regulamentos e exercícios tãorigorosos como os que regem os soldados num exército. A menos quese faça algo por esses filhos tão negligenciados por pais infiéis, elesjamais poderão ser aceitos por Jesus; a menos que sejam controladospor algum poder, virão a ser de nenhum préstimo nesta vida, e nãoterão parte na futura. (Ed, 43-44) Prezados irmãos: Aqueles que se acham em posição deresponsabilidade na Obra de Deus são representados como vigias
  • 5. 5| A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a ssobre os muros de Sião. Deus lhes pede que façam soar um alarme nomeio do povo. Fazei com que ele seja ouvido com toda a clareza. O diada calamidade, da assolação e da destruição está impendente sobretodos os que fizeram injustiça. Com especial rigor a mão do Senhordescerá sobre os vigias que deixaram de expor perante o povo emlinhas claras a sua obrigação para com Aquele que é seu proprietáriopela criação e pela redenção. Meus irmãos, o Senhor vos pede que examineis rigorosamente ocoração. Pede Ele que aformoseeis a verdade em vosso viver diário, eem todo o vosso trato uns com os outros. Requer de vós uma fé queopere por amor e purifique a alma. É perigoso brincardes com ossagrados reclamos da consciência; perigoso dardes um exemplo queleve os outros numa direção errada. Devem os cristãos levar consigo, por onde quer que forem, adoce fragrância da justiça de Cristo, mostrando que estãoconcordando com o convite: "Aprendei de Mim, que sou manso ehumilde de coração, e encontrareis descanso para a vossa alma."Mat. 11:29. Estais vós aprendendo diariamente na escola de Cristo -aprendendo a pôr de lado as dúvidas e suspeitas malignas; aprendendoa ser agradáveis e nobres em vosso trato com vossos irmãos, por amorde vós mesmos e de Cristo? (CSS, 355) Nas atividades do povo de Deus, sempre houve tempos de prova eteste, e Deus não determinou que protegêssemos homens, mulheres ejovens das vicissitudes que provam o caráter. Deus revelará suaatuação e concederá Seus atributos às pessoas humildes que Obuscam. Satanás também revelará suas operações e concederá a cadapessoa que ele tenta os seus atributos, suas malignas suspeitas, suaspalavras más e acusadoras contra os irmãos. A partir desse estado de coisas, o Senhor não poderápossivelmente proteger aqueles que se colocam ao lado doinimigo, pois Ele não compele a mente humana. Concede Seusbrilhantes raios de luz como uma lâmpada para guiar e conduzirtodos os que andam nos raios que dEle procedem. Essa lâmpada,a Sua Palavra, é luz para nossos pés. Mas se as pessoasdesprezam o caminho iluminado pelos raios celestes e escolhemum caminho que venha ao encontro de seu coração natural,
  • 6. A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a s |6tropeçarão nas trevas, sem saber onde tropeçam ou por quê.Acusarão e odiarão as próprias pessoas que fizeram caminho retopara seus pés. A história de Caim e Abel repetir-se-á. Caim insistiu em levar avanteseus próprios planos relativos à oferta ao Senhor. Abel foi firme emobedecer às orientações de Deus. Não se converteria aos caminhos deCaim. Conquanto fosse muito aceitável a oferta de Caim, aquilo quemais se exigia - o sangue do cordeiro morto - fora deixado fora. Nãopodia haver harmonia alguma entre os dois irmãos, e a contendasobreviria. Abel não poderia concordar com Caim sem sentir-se culpadode desobediência às ordens especiais de Deus. ... O Senhor agradou-Se da oferta de Abel porque era correta. Aquelaoferta era valiosa porque prefigurava o plano da redenção de Deus nocustoso oferecimento de Seu Filho unigênito como a esperança desalvação da raça caída. Caim ficou encolerizado quando Deus aceitou a oferta de Abel enão deu sinal de ter reconhecido a sua, porque ela deixara de fora averdadeira figura, a representação do Redentor do mundo. Mas oSenhor não desistiria de Seu caminho e vontade para apaziguar Caim.Arrazoou com ele: "Por que andas irado, e por que descaiu o teusemblante? Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se,todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta." Carta 16, 1897.(MM, CT, 36) "Que pensais vós do Cristo?" O que é Ele para vocêspessoalmente? Está sua fé centralizada nEle como seu Redentor?Crêem vocês que Ele os salva do pecado, que lhes imputa a Suajustiça? "O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homensamaram mais as trevas do que a luz." João 3:19. Eles não virão para aluz por temor de que seus atos sejam reprovados. Essa é a posiçãoassumida por muitos. Seus nomes estão nos livros da igreja. Observamuma série de cerimônias, mas não amam a verdade. Sentem-sesatisfeitos em permanecer à porta. Não se empenham por entrar napresença de Cristo, em participar com Ele da glória de Sua régia vida.Seu caráter não se harmoniza com a verdade. Não possuem a fé queopera pelo amor e purifica a alma. Palavras más, ruins suspeitas, atos
  • 7. 7| A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a sdesonestos lançam uma escura sombra que lhes atravessa o caminho.Sua fé submerge nessa vergonhosa sombra e eles sentem que estãoseparados de Cristo. Há um aguilhão na consciência, uma condenaçãona vida. Sentem o desejo de esconder-se de Deus. A luz veio aomundo, mas eles amaram mais as trevas do que a luz, porque as suasobras eram más. ... Chegou o tempo em que é de nosso eterno interesse crer emCristo. Ele é o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. DizEle: "Também no coração lhas inscreverei [Minhas leis]." Jer.31:33. Ele criará, naqueles que forem a Ele com fé, um divinoprincípio de santidade, que governará a alma, iluminando oentendimento e cativando as afeições. ... Que convite! Foi esse convite que estendeu Ele a Enoque antes queo mundo fosse destruído pelo Dilúvio. ... Cristo foi tão verdadeiramente oSalvador de Enoque como é nosso Salvador, e em Seu poder, adespeito da corrupção daquela época degenerada, aperfeiçoou Enoqueum caráter cristão. A voz que nos diz: "Quem Me segue não andará nas trevas" (João8:12), disse as mesmas palavras a Enoque, assegurando-lhe que, seseguisse o Salvador, não andaria nas trevas da ignorância. O Senhor instruiu Enoque e tornou-o Seu atalaia. Foi ele uma fieltestemunha de Deus. Advertiu os habitantes do mundo antigo a nãoseguirem o exemplo dos adoradores de Caim, mas a servirem o Deusvivo. Manuscrito 13, 1899. (MM, CT, 52) Era o poderoso Conselheiro que se encontrava encoberto na colunade nuvem e fogo, e que contemplava o acampamento de Seu povo. EraEle quem os corrigia em seus maus caminhos e os animava a confiarem que o Deus vivo os conduziria com segurança à Terra Prometida.Estavam eles continuamente sob o olhar dAquele que nunca dormenem dormita, e ainda assim murmuravam contra Moisés, o homem aquem Deus indicara como seu líder visível, e com quem Jesus Cristoconversava face a face, como um homem fala com seu amigo. Adespeito do fato de que o Senhor operava por meio de Seu servoMoisés, quando o inimigo os tentou com ruins suspeitas, inveja ecríticas, não resistiram e deixaram de permanecer firmes pelosprincípios.
  • 8. A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a s |8 Mas seu fracasso é explicado pela Palavra Inspirada, e é dada umaadvertência a nós outros, sobre quem os fins dos séculos têm chegado,para que não caiamos também após o mesmo exemplo deincredulidade. ... Os filhos de Israel caíram sob o poder do inimigo aoacalentarem um perverso coração de incredulidade, afastando-se doDeus vivo, e quando foram achados ao lado do inimigo, ele obtevevantagem, tornando-os aliados seus ao extremo. O pecado daincredulidade, pelo qual foi destruída sua confiança no Filho de Deus,desencaminhou Israel. No exato momento em que deveriam estarlouvando a Deus e exaltando o nome do Senhor, falando de Suabondade, contando de Seu poder, foram achados na descrença echeios de murmurações e queixas. O enganador estava procurando portodos os meios possíveis semear discórdia entre eles, criar inveja e ódioem seus corações contra Moisés e suscitar rebelião contra Deus. Aodarem ouvidos à voz do grande enganador, foram levados à aflição,prova e destruição. Manuscrito 65, 1895 (Signs of the Times, 25 de abrilde 1895). (MM, CT, 107) Foi-me mostrado que os médicos e auxiliares devem ser da maisalta ordem - pessoas que tenham um conhecimento experimental daverdade, que imponham respeito, e em cuja palavra se possa confiar.Devem ser pessoas que não possuam imaginação doentia, quetenham perfeito domínio próprio, que não sejam caprichosas ouinconstantes, que sejam destituídas de ciúmes e de ruinssuspeitas; pessoas que tenham um poder de vontade que não serenda a pequenas indisposições, que sejam livres de preconceito,que não pensem mal, que reflitam e ajam calma e atenciosamente,tendo sempre em vista a glória de Deus e o bem dos outros. Jamaisdeve alguém ser exaltado a uma posição de responsabilidadesimplesmente pelo fato de desejá-la. Devem-se escolher unicamenteaqueles que estão qualificados para a posição. Os que devem assumirresponsabilidades precisam ser primeiro provados e dar evidência deque são isentos de inveja, de que não tomam antipatia a esta ou aquelapessoa, ao passo que têm alguns amigos favoritos e não fazem nenhumcaso de outros. Praza a Deus que todos possam agir de maneira corretanessa instituição. Testimonies, vol. 1, pág. 567. (CSS, 373) O homem em paz com Deus e com seu semelhante não pode sermiserável. A inveja não estará em seu coração; a suspeita do mal nãoencontrará guarida nele; o ódio não pode nele existir. O coração em
  • 9. 9| A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a sharmonia com Deus eleva-se acima dos preconceitos e provações destavida. Testimonies, vol. 5, pág. 488. O que Satanás planta no coração - ruins suspeitas, inveja,ciúmes, maledicência, impaciência, preconceito, egoísmo e cobiça- devem ser desarraigados. Se se permite que essas másqualidades permaneçam na alma, produzirão frutos pelos quaismuitos serão corrompidos. Oh, quantos cultivam as venenosasplantas que matam os preciosos frutos do amor e debilitam a alma!O Lar Adventista, pág. 196. Unicamente o amor que origina-se no coração de Cristo, pode curar.Unicamente Aquele, em quem flui esse amor, assim como faz a seivana árvore e o sangue no corpo, poderá restaurar o coração ferido. O poder do amor possui força maravilhosa, porquanto é divino. "Aresposta branda desvia o furor" (Prov. 15:1), "o amor é paciente, ébenigno" (I Cor. 13:4); "o amor cobre multidão de pecados" (I Ped. 4:8) -sim, se aprendêssemos nessas lições, quão grande não seria o poderpara curar de que seríamos dotados! Como se transformaria a vida, e aTerra se tornaria a própria semelhança e antegozo do Céu! (Educação,pág. 114.) Existe no homem a disposição de se estimar em mais alta conta doque a seu irmão, de trabalhar para si mesmo, de procurar o mais altolugar; e muitas vezes isso dá em resultado ruins suspeitas eamargura de espírito. A ordenança que precede à ceia do Senhor,deve remover esses desentendimentos, tirar o homem de seu egoísmo,fazê-lo baixar de seus tacões de exaltação própria à humildade decoração que o levará a servir a seu irmão. O Desejado de Todas asNações, pág. 650. O tempo de graça está para acabar. ... Logo terá sido feita a últimaoração em favor dos pecadores, vertida a última lágrima, dada a últimaadvertência, a última súplica feita, e não mais se ouvirá a doce voz damisericórdia. Por isso é que Satanás está a empregar tão tremendosesforços para prender homens e mulheres em sua cilada. ... O inimigoestá a jogar a partida da vida com todos. Está atuando pararemover de nós tudo que é de natureza espiritual, e em lugar daspreciosas graças de Cristo, atravancar nosso coração com osmaus traços da natureza carnal: ódio, vis suspeitas, inveja, amor
  • 10. A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a s | 10do mundo, amor-próprio, amor dos prazeres, e soberba da vida.Precisamos fortalecer-nos contra o inimigo invasor, que atua com todo oengano da injustiça nos que perecem; pois, a menos que vigiemos eoremos, esses males penetrarão no coração, daí expulsando tudo que ébom. Review and Herald, 2 de janeiro de 1900. (Cuidado de Deus 190) Quando Cristo habita no coração, Sua presença é evidente. Boas eagradáveis palavras e ações revelam o Espírito de Cristo. É manifestadasuavidade de temperamento. Não há explosões de ira, nem obstinação,nem ruins suspeitas. Não há ódio no coração quando... idéias emétodos... não são aceitos e apreciados pelos outros. (MM, Cuidado deDeus, 286) Nas visões da noite tenho dado o claro testemunho de que oSenhor Jesus será encontrado por todos os que O buscarem de todo ocoração, apegando-se a Ele pela fé. Eu estava falando a vós comintenso fervor. Atendei à oração de Cristo por unidade. Afastai assuspeitas com que Satanás tem procurado desviar-vos. Repeli oinimigo, e então o Espírito do Senhor arvorará para vós um estandartecontra o inimigo. ... A prosperidade da alma depende do sacrifício expiatório de Cristo.Ele veio a este mundo para obter perdão em nosso favor. Nossaprimeira tarefa é esforçar-nos mui diligentemente por obterbênçãos espirituais, a fim de que nos mantenhamos leais e fiéis emmeio aos perigos destes últimos dias - evitando ceder algumacoisa aos ardis de Satanás. É dever de cada um fazer caminhosretos para os seus pés, para que não se extravie o que é manco.Não temos tempo a perder. A prosperidade da alma depende daunidade pela qual Cristo orou, a fim de que existisse entre os quecressem nEle. Devem ser um com Ele assim como Ele é um com o Pai.Apartar-se um do outro não é o plano de Deus, mas o plano do astutoadversário. (MM, Este Dia Com Deus, 72) Introduzi na alma a justiça de Cristo, com sua influência vivificante, eentão podereis cantar que Ele perdoa todas as vossas iniqüidades.Dizeis: Estou cheio de doenças espirituais. O grande Médico vosconvida a ir a Ele, para que possa curar-vos. Ele cura todas as nossasenfermidades. As piores dessas enfermidades são a inveja, o ciúme,ruins suspeitas, a maledicência, o desejo de seguir planos que se
  • 11. 11| A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a sopõem à obra de Deus. A vida de todos deveria ser santa, mas estácheia de depravação, e por isso os homens são fácil presa dastentações de Satanás. Mas, se Cristo habita em vosso coração, podeisdizer que Ele redime nossa vida da destruição e nos coroa debenignidade e terna misericórdia. Haja, então, cânticos de louvor emnossos lábios e em nosso coração. Meditai nos sofrimentos de Cristopor nós. Em vez de vigiar para encontrar algo a ser acusado econdenado nos outros, dai graças ao Senhor por haver perdão com Ele.Cristo Se entristece quando criticamos e acusamos; pois isto constitui aobra de Satanás. Tiremos águas das fontes da salvação e louvemos aoSenhor. (Este Dia Com Deus, 97) Os que são santificados pela verdade demonstrarão que averdade efetuou uma reforma em sua vida, que ela os estápreparando para a trasladação ao mundo celestial. Mas enquanto oorgulho, a inveja e ruins suspeitas predominarem na vida, Cristonão reina no coração. Seu amor não está na alma. Na vida dos que são participantes da natureza divina há umacrucifixão do espírito altivo e presunçoso que conduz à exaltação de simesmo. Em seu lugar habita o Espírito de Cristo, e aparecem na vida osfrutos do Espírito. Tendo a mente de Cristo, Seus seguidores revelam asvirtudes de Seu caráter. (MM, Este Dia Com Deus, 116) O inimigo sabe muito bem que se não tivermos amor uns para comos outros, ele poderá alcançar seu objetivo, ferindo e debilitando aigreja, por causar desavenças entre os irmãos. Pode levá-los a terruins suspeitas, falar mal, acusar, condenar e odiar um ao outro.Deste modo é desonrada a Causa de Deus, vituperado o nome deCristo, e é causado incalculável dano ao ser humano. Quão cuidadosos devemos ser, para que nossas palavras e açõesestejam todas em harmonia com a sagrada verdade que Deus nosconfiou! As pessoas do mundo estão olhando para nós, a fim de ver oque nossa fé está fazendo por nosso caráter e vida. Estão observandopara ver se ela está tendo um efeito santificador sobre nosso coração, ese somos transformados na semelhança de Cristo. São propensos adescobrir todo defeito em nossa vida e toda incoerência em nossasações. Não lhes demos motivo para censurarem nossa fé.
  • 12. A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a s | 12 Não é a oposição do mundo que constitui o maior perigo para nós; éo mal acalentado precisamente em nosso meio que ocasiona nossomais grave infortúnio. É a vida não consagrada de adeptos de coraçãofrouxo que atrasa a obra da verdade e lança trevas sobre a igreja deDeus. ... (Este Dia Com Deus, 163) Os átrios do templo da alma podem ser o antro de inveja,orgulho, paixão, ruins suspeitas, amargura e formalismo vazio.Cristo olha pesarosamente para Seu povo professo que se senterico e abastado no conhecimento da verdade, estando porémdestituído da verdade na vida e no caráter e inconsciente de suacondição. Em pecado e descrença, consideram levianamente asadvertências e os conselhos de Seus servos e tratam Seusembaixadores com escárnio e desdém, ao passo que suas palavras decensura são consideradas contos ociosos. O discernimento parece ter-se ausentado, e eles não conseguem fazer distinção entre a luz queDeus lhes envia e as trevas oriundas do inimigo de sua alma. ... (MM,Este Dia Com Deus, 226) Impossível era ao apóstolo reprovar o mau procedimento sem quealguns que professavam crer na verdade ficassem ofendidos. Otestemunho inspirado não podia fazer bem a essas pessoas; poishaviam perdido o discernimento espiritual. Os ciúmes, as ruinssuspeitas, as acusações, cerravam a porta à operação do EspíritoSanto. Paulo se haveria de boa vontade demorado em verdades maisaltas e difíceis, verdades ricas em nutrição, mas suas instruçõeshaveriam ferido diretamente as tendências deles para os ciúmes, e nãohaveriam sido recebidas. Os mistérios divinos da piedade, que osteriam habilitado a apreender as verdades necessárias para aqueletempo, não podiam ser ditas. (Evangelismo, 370) Há em nossas igrejas pessoas que professam a verdade, asquais não passam de estorvos à obra de reforma. São embaraços àsrodas do carro da salvação. Esta classe encontra-se em frequentesprovas. Dúvidas, ciúmes, suspeitas, são frutos do egoísmo, eparecem estar entretecidos em sua própria natureza.Denominarei essa classe murmuradores crônicos da igreja. Eleslhe causam mais dano, do que dois pastores são capazes dedesfazer. São uma sobrecarga à igreja, e grande peso aosministros de Cristo. Vivem numa atmosfera de dúvidas, ciúmes e
  • 13. 13| A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a ssuspeitas. São exigidos muito tempo e labor dos embaixadores deCristo para desfazer sua má obra, e restaurar na igreja a harmonia ea união. Isto saca o ânimo e as energias dos servos de Deus,incapacitando-os para a obra que Ele tem para eles - salvar da ruínaas almas que perecem. O Senhor retribuirá a esses perturbadores deSião segundo as suas obras. (Evangelismo, 371) Fui dirigida a alguns de vossos ensaios, e fui levada a ler ossentimentos que existiam no grupo, sendo vós a pessoa preeminente.Havia mesquinhos ciúmes e invejas, ruins suspeitas emaledicências. ... O culto de coração é o que Deus requer; asformas e o culto de lábios são como o metal que soa e o címbaloque tine. Vosso canto visa a exibição, não louvar a Deus com oespírito e o entendimento. O estado do coração revela a qualidade dareligião do que professa piedade. Carta 1a, 1890. (Evangelismo, 507) Coisa alguma retarda e entrava tanto a obra em seus váriosramos, como o ciúme e as suspeitas e desconfianças. Isto reveladominar a desunião entre os obreiros de Deus. O egoísmo, eis a raizde todo mal. Carta 113a, 1897. (Evangelismo, 633) Quantos são deficientes em amor! Oh, se o amor pudesse arrancardo coração o ódio, a rivalidade, a contenda, a raiz de amargura pelaqual muitos são contaminados! O amor de Jesus não poderá nunca serrecebido e derramado largamente em um coração enquantosentimentos invejosos, ódio, ciúmes e ruins suspeitas não foremexpulsos. ... Muitos se estão enganando a si mesmos; pois o princípio doamor não lhes habita no coração. Eles podem fechar os olhos aospróprios erros e defeitos; não podem, porém, iludir a Deus. Importaque haja uma reforma. A relha do arado precisa aprofundar os sulcosem nosso coração orgulhoso, e quebrar os torrões de nossa naturezanão santificada, para que o Espírito e o amor de Jesus sejamimplantados em nosso coração. O tempo se apressa grandemente, etoda obra será em breve levada a juízo, e ou nossos pecados ou nossosnomes serão apagados do Livro da Vida. ... O amor puro é simples em sua maneira de agir, separa-se dequalquer outro princípio de ação. Quando misturado com motivosterrenos e interesses egoístas, deixa de ser puro. Deus considera mais
  • 14. A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a s | 14a quantidade de amor com que trabalhamos, do que a quantidade querealizamos. O amor é um atributo celeste. O coração natural não opode produzir. Essa planta celeste só desenvolve no lugar em queCristo reina supremo. Onde existe o amor, há poder e verdade navida. O amor faz bem, e coisa alguma senão bem. Os que possuemamor, dão fruto para santidade e, no fim, a vida eterna. The YouthsInstructor, 13 de janeiro de 1898. (Filhos e Filhas de Deus, 49) O nono mandamento requer de nós inviolável consideração pelaexata verdade em toda declaração pela qual seja afetado o caráter denosso semelhante. A língua, tão pouco controlada pelo ser humano,precisa ser refreada por princípios vigorosamente conscienciosos,pela lei do amor para com Deus e o homem. Carta 15, 1895. Aqui se inclui todo o falar que seja falso a respeito de qualquerassunto, toda a tentativa ou intuito de enganar nosso próximo. Aintenção de enganar é o que constitui a falsidade. Por um relance deolhos, por um movimento da mão, uma expressão do rosto, pode-sedizer falsidade tão eficazmente como por palavras. Todo o exagerointencional, toda a sugestão ou insinuação calculada a transmitir umaimpressão errônea ou desproporcionada, mesmo a declaração de fatosfeita de tal maneira que iluda, é falsidade. Este preceito proíbe todoesforço no sentido de prejudicar a reputação de nosso próximo, peladifamação ou suspeitas ruins, pela calúnia ou intrigas. Mesmo asupressão intencional da verdade, pela qual pode resultar o agravo aoutrem, é uma violação do nono mandamento. Patriarcas e Profetas,pág. 309. (Filhos e Filhas de Deus, 64) Satanás tem destruído muitas almas ao levá-las a se colocaremno caminho da tentação. Delas se aproxima como se aproximou deCristo, tentando-as a amar o mundo. Diz-lhes que podem investircom lucro neste ou naquele empreendimento, e, na boa fé, lheseguem os ditames. Logo são tentados a se desviar da sua integridade, para fazerempara si mesmos as melhores barganhas possíveis. Pode sua atitude serperfeitamente legal, segundo a norma mundana do que é correto, eainda assim não suportar a prova da lei de Deus. Seus motivos sãopostos em dúvida pelos irmãos, e há suspeitas de se estaremexorbitando para servirem a si mesmos, sendo assim sacrificada aquela
  • 15. 15| A p o s t i l a – V a n s S u s p e i t a spreciosa influência que devia ter sido guardada sagradamente parabenefício da causa de Deus. O negócio que poderia ser um êxitofinanceiro nas mãos de um trapaceiro que vende sua integridade peloganho mundano, seria inteiramente impróprio para um seguidor deCristo. (CSM, 236)

×