44. linguagem
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

44. linguagem

on

  • 669 views

 

Statistics

Views

Total Views
669
Views on SlideShare
667
Embed Views
2

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

1 Embed 2

http://remanescentedelaodiceia4.blogspot.com.br 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

44. linguagem Document Transcript

  • 1. 1| A p o s t i l a – L i n g u a g e m LINGUAGEMMILAGRES NÃO SÃO MAIS IMPORTANTES QUE A BÍBLIA Não acaricie ninguém a idéia de que providências especiais oumanifestações miraculosas devam ser a prova da genuinidade desua obra ou das idéias que defende. Caso conservemos estas coisasdiante do povo, elas produzirão mau efeito, emoção prejudicial. Agenuína operação do Espírito Santo no coração humano é prometidapara dar eficiência mediante a Palavra. Cristo declarou que a Palavraé espírito e vida. "A Terra se encherá do conhecimento da glória doSenhor, como as águas cobrem o mar." Hab. 2:14; II Pe. 3: 12; Isa.11: 9. Satanás trabalhará da maneira mais sutil para introduzirinvenções humanas revestidas de roupagens angélicas. Mas a luz daPalavra está brilhando por entre as trevas morais; e a Bíblia jamaisserá ultrapassada por manifestações miraculosas. A verdade precisaser estudada, ser esquadrinhada em busca de tesouros ocultos.Maravilhosas iluminações não serão dadas à parte da Palavra, oupara tomar-lhe o lugar. Apegai-vos à Palavra, recebei a Palavraenxertada, que fará o homem sábio para a salvação. (II ME 100). Leiam os textos bíblicos abaixo com muita atenção e veja que a salvação não é um passo de milagre, mas é trabalhada. Por estes parágrafos podemos ver o que Deus quer de nós. (Mateus 28: 19 e 20; Isaías 28: 10, 13; II Coríntios 7: 1; Filipenses 2: 12) A salvação é trabalhada, quando as pessoas estiverem prontaspara executar, então com a palavra executarão milagres e os sonhosserão realizados, como os Apóstolos. Pois nós somos a ferramentade Deus. Atos 2: 1-5. Um dos ramos fundamentais do saber é o estudo da língua.Em todas as nossas escolas deve-se ter o cuidado especial de
  • 2. 2| A p o s t i l a – L i n g u a g e mensinar aos estudantes o uso correto da língua materna, no falar, lere escrever. Não se pode exagerar por mais que se diga com relaçãoà importância da perfeição nestas matérias. Um dos requisitosessenciais em um professor é a habilidade de falar e ler com clarezae vigor. Aquele que sabe fazer uso da língua materna, de maneirafluente e correta, pode exercer uma influência muito maior do que oque é incapaz de exprimir seus pensamentos de modo pronto e claro.(CPPE, 216) O falar incorreto, hábitos errôneos, precisam ser vencidos. Deusgostaria que cada homem fosse correto no falar, correto noshábitos, possuindo conhecimento que lhe dará um lugar deimportância entre os homens. Eu apresento esta questão como oSenhor ma tem apresentado. Determinemo-nos a assumir nósmesmos a tarefa de aprender na escola de Cristo. (MS, 200) Os obreiros inteligentes e tementes a Deus podem realizar umagrande soma de bens no sentido de reformar os que, como inválidos,vêm para ser tratados no hospital. Essas pessoas estão enfermas,não apenas física, mas mental e moralmente. A educação, oshábitos e toda a vida de muitos têm sido errôneos. Não podemeles realizar em poucos dias grandes mudanças, necessárias àadoção de hábitos corretos. Devem ter tempo para considerar oassunto e aprender a maneira correta. Se todos os que estão ligadosao hospital forem representantes corretos da verdade da reforma desaúde e de nossa fé sagrada, estarão exercendo uma influência nosentido de moldar a mente de seus pacientes. O contraste entre oshábitos errôneos e os que estão em harmonia com a verdade divinatem um poder convincente. (CSS, 258) Todos os que manuseiam a Palavra de Deus estão empenhadosnuma obra mui solene e sagrada; pois em sua pesquisa devemreceber luz e correto conhecimento, para que possam dar aos quesão ignorantes. Educação é a transmissão de idéias que são luz everdade. Todos os que diligente e pacientemente examinam asEscrituras para que possam instruir a outros, lançando-se à obra demaneira correta e com coração sincero, pondo de parte suas idéiaspreconcebidas, sejam elas quais forem, e deixando seuspreconceitos hereditários à entrada da investigação, obterãoverdadeiro conhecimento. (MM, Este Dia Com Deus, 41)
  • 3. 3| A p o s t i l a – L i n g u a g e m A habilidade de falar clara e distintamente, em tons cheios eeufônicos, é imprescindível em qualquer ramo de trabalho. Essahabilitação é indispensável naqueles que desejam tornar-sepastores, evangelistas, obreiros bíblicos ou colportores. Os queestão planejando entrar nesses ramos, devem ser ensinados ausar a voz de tal modo que, quando falam ao povo acerca daverdade, esta cause uma decidida impressão para o bem. Averdade não deve sofrer detrimento por ser comunicadamediante pronúncia defeituosa. (Manual do Colportor, págs. 29 e30) Conversação comum e perante congregações. A utilidade demuitos obreiros é prejudicada por sua ignorância com referênciaà respiração correta, e à fala clara, enérgica. Muitos nãoaprenderam a dar a ênfase devida às palavras que lêem oufalam. Freqüentemente a pronúncia não é clara. O exercíciocompleto no uso da língua materna é de muito mais valor àjuventude do que o estudo superficial de línguas estrangeiras,com negligência daquela língua. (CPPE, 208) Lendo ou recitando, a pronúncia deve ser clara. Tons nasaisou atitudes vulgares devem ser quanto antes corrigidos.Qualquer falta de clareza deve ser notada como deficiência.Muitos se têm permitido formar o hábito de falar incompleta eindistintamente, como se a língua lhes fosse demasiadamentegrande para a boca. Esse hábito lhes tem prejudicadograndemente a utilidade. (CPPE, 239) Se as pessoas defeituosas na pronúncia se submeterem àcrítica e à correção, poderão vencer esses defeitos. Devemexercitar-se com perseverança, falando em tom baixo, distinto,pondo em função os músculos abdominais em profundarespiração, e tornando a garganta o meio de comunicação.Muitos falam muito rapidamente, e em alto diapasão, fora donatural. Tal costume prejudicará a garganta e os pulmões. Emconseqüência do mau uso contínuo, os fracos e inflamadosórgãos adoecem, podendo resultar em tuberculose. (CPPE, 239) Por meio de fervorosa oração e diligente esforço havemosde obter aptidão para falar. Esta aptidão inclui a pronúncia clara
  • 4. 4| A p o s t i l a – L i n g u a g e mde cada sílaba, pondo a acentuação nos lugares que a requerem.Falai devagar. Muitos o fazem rapidamente, amontoando comprecipitação as palavras umas sobre as outras, de modo quefica perdido o efeito do que dizem. Ponde no que dizeis oespírito e a vida de Cristo. (CPPE, 254 e 255) Os dons que nos habilitam a ser cooperadores de Deus, esperaque Seus servos cultivem a voz, de modo a poderem falar e cantarde maneira que todos entendam. Não é o canto alto que énecessário, porém entonações claras, a pronúncia correta, a dicçãodistinta. Tomem todos tempo para cultivar a voz, de maneira que olouvor de Deus seja entoado em tons claros, suaves, sem asperezase estridências que ofendam ao ouvido. A aptidão de cantar é dom deDeus; seja ele usado para glória Sua. Testimonies, vol. 9, págs. 143e 144. A cultura e o correto uso da voz são grandemente negligenciadosaté por pessoas de inteligência e de atividade cristã. Muitos há quelêem ou falam de maneira tão baixa ou tão rápida, que não podemser compreendidos perfeitamente. Alguns possuem pronúnciapesada e indistinta, outros falam em tonalidade alta, em tons agudose estridentes, desagradáveis aos ouvintes. Textos, hinos, relatórios eoutras partes, apresentados em reuniões públicas, são às vezes lidosde maneira tal que não são entendidos, de modo que muitas vezesperdem toda a força e nada impressionam. (PJ, 335) Ninguém a não ser vós mesmos pode controlar vossospensamentos. Na luta por alcançar a norma mais elevada, o êxitoou o fracasso muito dependerão do caráter e da maneira pelaqual os pensamentos são disciplinados. Se os pensamentos sãobem cingidos, como Deus ordena que o sejam diariamente, girarãoem torno daqueles assuntos que nos ajudem a ter maior devoção. Seos pensamentos forem corretos, então, como resultado, aspalavras também serão corretas; as ações serão de molde a trazeralegria, conforto e descanso às pessoas. ... (MM, Este dia com Deus,64) Nenhum mestre da verdade deve achar que sua educação estácompleta enquanto não houver estudado as leis da saúde e conhecera influência dos hábitos corretos sobre a vida espiritual. Ele deve
  • 5. 5| A p o s t i l a – L i n g u a g e mestar habilitado a falar ao povo inteligentemente acerca dessascoisas, e a dar-lhes um exemplo que revigore suas palavras. Oensino dos hábitos corretos faz parte da obra do ministroevangélico, e ele encontrará muitas oportunidades de instruiraqueles com quem entra em contato. (Evangelismo, 439) Os homens devem assumir responsabilidadesconscienciosamente, e sentir que estão fazendo a obra de Deus.Eles devem ter fidelidade no coração para neutralizar todos ossofismas e enganos de Satanás, que poderiam afastá-los do caminhoreto, de maneira que em lugar de preferirem fazer a vontade doSenhor, sigam os impulsos do seu próprio caráter indisciplinado. Se ocoração for santificado e guiado pelo Espírito Santo, eles nãocorrerão nenhum risco, mas estarão convencidos, em tudo o queempreenderem, de fazer boa obra para Jesus; e, ao fazerem suaobra corretamente, estão eles certamente a associar-se nesta vida auma firme fortaleza do alto, e serão guiados em todo bom e santocaminho. Serão firmes aos princípios. Realizarão o seu trabalho,não para obterem um grande nome ou grandes salários, nem com opropósito de entretecer o eu em todas as suas obras e deaparecerem como alguém no mundo, mas para serem corretos emtudo aos olhos de Deus. Eles não estarão tão ansiosos para fazer umgrande trabalho como para fazer o que têm que fazer com fidelidade,tendo como único objetivo a glória de Deus. Tais homens sãograndes à vista de Deus. Seus nomes estão registrados no livro davida do Cordeiro como fiéis servos do Deus Altíssimo. Estes são oshomens mais preciosos aos olhos de Deus do que o ouro fino, maispreciosos ainda do que o ouro fino de Ofir. Health, Philanthropic, andMedical Missionary Work, págs. 29-33. (CSS, 285) Entre as primeiras coisas que se devem ter em vista, figura aposição correta, tanto estando sentados como de pé. Deus fez ohomem ereto, e deseja que ele possua não somente o benefíciofísico, mas também o mental e moral, a graça, dignidade,compostura, ânimo e confiança em si, que uma atitude ereta em tãogrande maneira tende a promover. Dê o professor instruções nesteponto pelo exemplo e por preceitos. Mostre o que é uma posiçãocorreta, e insista em que ela seja mantida. (Educação, 198)
  • 6. 6| A p o s t i l a – L i n g u a g e m Os professores devem compreender estas coisas e instruir seusalunos neste sentido. Ensinai aos estudantes que viver de maneiracorreta depende de pensar de maneira correta, e que a atividadefísica é essencial à pureza do pensamento. (Educação, 209) O homem que aceita a posição de porta-voz de Deus, deveconsiderar altamente essencial apresentar ele a verdade presentecom toda a graça e inteligência que lhe seja possível, de modo que averdade nada perca ao ser exposta perante o povo. Os queconsideram coisa de pouca importância falar com dicção imperfeita,desonram a Deus. Manuscrito 107, 1898. (Evangelismo, 665) Devemos ser testemunhas de Cristo; e assim será quandocrescermos diariamente até à completa estatura de homens emulheres em Cristo. É nosso privilégio crescer mais e mais em Suasemelhança cada dia. Então obteremos o poder de exprimir nossoamor por Ele numa linguagem mais elevada e pura, e nossas idéiasse ampliarão e ganharão profundidade, e nosso discernimento setornará mais são e digno de confiança, ao passo que o testemunhoque dermos será mais cheio de vida e certeza. Não devemoscultivar a linguagem da Terra, e sermos tão familiares com aconversação dos homens, que a linguagem de Canaã nos sejanova e estranha. Temos de aprender na escola de Cristo; todavia émanifesto que muitos se satisfazem com uma experiência bemlimitada nas coisas espirituais, pois não revelam senão pequenoconhecimento das coisas espirituais em suas orações etestemunhos. Há menos bom discernimento nos assuntosconcernentes a nossos interesses eternos, do que no que dizrespeito aos negócios terrenos e temporais. (MM, Filhos e Filhas deDeus 72)EM TONS CHEIOS, CLAROS A habilidade de falar com simplicidade e clareza, em acentossonoros, é imprescindível em qualquer ramo da obra. Essaqualidade é indispensável nos que desejam tornar-se pastores,evangelistas, obreiros bíblicos, ou colportores. Os que pretendementrar em qualquer desses ramos de trabalho, devem aprender ausar a voz de maneira tal que, ao falarem ao povo acerca daverdade, se produza uma decidida impressão para bem. A verdade
  • 7. 7| A p o s t i l a – L i n g u a g e mnão deve sofrer detrimento por ser enunciada de maneira imperfeita.(Obreiros Evangélicos, pág. 86)FALAR CLARAMENTE E COM EXPRESSÃO Todos os obreiros, falem eles do púlpito ou dêem estudosbíblicos, devem aprender a falar de maneira clara e expressiva. Carta200, 1903. (Evangelismo, pág. 666)LER A BÍBLIA EM VOZ SUAVE E HARMONIOSA Aquele que dá estudos bíblicos na congregação ou a famílias,deve ser capaz de ler com voz branda e harmoniosa cadência, demodo a se tornar aprazível aos ouvintes. (Obreiros Evangélicos, pág.87)CONVINCENTE E IMPRESSIVAMENTE A ciência de ler corretamente e com a própria entonação, é dealto valor. Não importa quanto conhecimento tenhais adquirido emoutros sentidos, se negligenciastes o cultivo da voz e da maneira defalar de modo que possais falar e ler distinta e inteligivelmente, todo ovosso saber de pouco proveito será; pois sem a cultura da voz nãopodeis comunicar prontamente e de maneira distinta aquilo queaprendestes. Aprender a transmitir convincentemente e impressivamente o quese sabe, é de especial valor para os que desejam tornar-se obreirosna causa de Deus. Quanto mais expressão vos for possívelcomunicar às palavras de verdade, tanto mais eficazes serão essaspalavras naqueles que as ouvem. A devida apresentação da verdadedo Senhor merece nossos maiores esforços. Façam os estudantesem preparo para o serviço do Mestre decididos esforços paraaprender a falar corretamente, com vigor, de modo que, quando emconversa com outros acerca da verdade, ou quando empenhados emministério público, possam apresentar pela maneira devida asverdades de origem celeste. Manuscrito 131, 1902.
  • 8. 8| A p o s t i l a – L i n g u a g e mA VOZ DO ORADOR AFETA A DECISÃO Alguns destroem a impressão solene que possam haver causadono povo por elevarem a voz demasiado alto, proclamando a verdadecom brados e gritos. Quando assim apresentada, a verdade perdemuito de sua doçura, sua força e solenidade. Se, porém, a voz tem adevida entonação, se é possuída de solenidade e modulada demaneira a ser comovente, produzirá muito melhor impressão. Tal era o tom em que Cristo ensinava os discípulos.Impressionava-os com solenidade; falava de maneira a comover ocoração. Mas, que resultado produz esse gritar? Isso não dá ao povonenhuma idéia mais exaltada da verdade, nem os impressiona maisprofundamente. Causa apenas uma sensação desagradável nosouvintes, e fatiga os órgãos vocais do orador. O tom da voz temmuita influência em afetar o coração dos que ouvem. Testimonies,vol. 2, pág. 615. (Evangelismo, pág. 667)O DEVIDO EMPREGO DOS ÓRGÃOS VOCAIS Importa dar aos órgãos vocais cuidadosa atenção e cultivo. Elessão fortalecidos pelo devido emprego, mas se enfraquecem quandousados impropriamente. Seu uso excessivo, como em pregar longossermões, caso isto se repita muitas vezes, há de não somenteprejudicar os órgãos vocais, mas ocasionar indevida tensão em todoo sistema nervoso. A delicada harpa de mil cordas vem a gastar-se,desconserta-se, e produz desarmonia em lugar de sons melodiosos. É de importância para todo orador cultivar os órgãos vocais de talsorte que os mantenha em condições saudáveis, para que possafalar ao povo as palavras de vida. Cada um deve buscarentendimento quanto à maneira mais eficaz de usar essafaculdade a ele dada por Deus, e praticar aquilo que aprende. Nãoé necessário falar em alta voz ou em elevado diapasão; isto égrandemente nocivo ao orador. Os discursos proferidos com rapidezperdem muito de seu efeito; pois as palavras não podem serpronunciadas com tanta clareza e distintamente como se fossemditas mais pausadamente, dando aos ouvintes tempo paracompreender o sentido de cada palavra.
  • 9. 9| A p o s t i l a – L i n g u a g e m A voz humana é um precioso dom de Deus; é uma força para obem, e o Senhor quer que Seus servos lhe conservem o acento e amelodia. A voz deve ser cultivada de modo a desenvolver-lhe aharmonia, para que soe agradavelmente ao ouvido, e impressione ocoração. ... O Senhor requer que o instrumento humano não seja movido porimpulso ao falar, porém proceda calmamente, fale devagar, e permitaao Espírito Santo comunicar eficiência à verdade. Nunca penseis queprovocar-vos a uma paixão no discurso, falando por impulso epermitindo que os próprios sentimentos vos ergam a voz a um tomfora do natural, seja testemunho de grande poder de Deus sobre vós.... Vossa influência deve ter vasto alcance, e as faculdades deexpressão oral devem achar-se sob o controle da razão. Quandoforçais os órgãos vocais, perde-se a modulação da voz. Importavencer decididamente a tendência de falar apressado. Deus requerdo instrumento humano todo o serviço que ele pode dar. Todos ostalentos concedidos a esse instrumento devem ser cultivados eapreciados, e empregados como precioso dom do Céu. Os obreirosno campo da seara são os instrumentos indicados por Deus,condutos pelos quais pode comunicar luz do Céu. O empregodescuidoso, imprevidente, de qualquer das faculdades dadas porDeus, diminui-lhes a eficiência, de maneira que, em uma emergência,quando poderia ser efetuado o máximo bem, eles se encontram tãofracos e doentios e inválidos, que não podem realizar senão umapequena coisa. Special Testimonies, Série A, nº 7, págs. 9-11.(Evangelismo, pág. 688)É IMPORTANTE PARA O PASTOR O CULTIVO DA VOZ Os professores de nossas escolas não devem tolerar nos alunosatitudes grosseiras e gestos vulgares, erradas entonações de voz naleitura, ou acentos ou ênfases incorretos. A perfeição na linguagem ena voz deve ser um ponto em que se insista com cada aluno. Devidoà negligência e ao mau preparo, contraem-se muitas vezes hábitosque servem de grande entrave na obra de um pastor que, noutrossentidos, cultivou seus talentos. Cumpre ajudar o aluno que está emseu poder, mediante a união da graça com o esforço, a tornar-se um
  • 10. 10 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mhomem. As aptidões mentais e físicas com que Deus o adornoupodem, mediante cultivo e penosos esforços, tornar-se uma forçapara benefício de seus semelhantes. Manuscrito 22, 1886.CULTIVAR A VOZ A educação da voz ocupa lugar importante na cultura física, vistoque ela tende a expandir e fortalecer os pulmões, e desta maneiraafastar as enfermidades. Para se conseguir correta expressão naleitura e na fala, faça-se com que os músculos abdominaisdesempenhem papel amplo na respiração, e que os órgãosrespiratórios, não fiquem constrangidos. Que a tensão sobrevenhaaos músculos do abdômen, em vez de aos da garganta. Grandecansaço e séria enfermidade da garganta e pulmões podem-se assimevitar. Deve prestar-se cuidadosa atenção para se obter umaarticulação distinta, sons macios e bem modulados, e umaenunciação não demasiado rápida. Educação, pág. 199.(Evangelismo, pág. 669)FALAR A MIL COM A MESMA FACILIDADE COM QUE SE FARIA A DEZ O falar pela garganta, fazendo a voz sair da parte superior dosórgãos vocais, forçando-os e irritando-os continuamente, não é amelhor maneira de preservar a saúde ou de aumentar a eficáciadesses órgãos. Vocês devem tomar profunda inspiração, e fazer comque a ação provenha dos músculos abdominais. Sejam os pulmõesapenas o veículo, mas não dependam deles quanto ao trabalho.Caso deixem que suas palavras venham do profundo, exercitando osmúsculos abdominais, podem falar a milhares de pessoas com amesma facilidade com que o fariam a dez. Testimonies, vol. 2, pág.614.RESPIRAR APROPRIADAMENTE Os pastores devem manter-se eretos, falar devagar, com firmezae distintamente, inspirando profundamente o ar a cada sentença, eemitindo as palavras com o auxílio dos músculos abdominais. Seeles observarem esta regra simples, atendendo às leis da saúde em
  • 11. 11 | A p o s t i l a – L i n g u a g e moutros sentidos, poderão conservar a vida e a utilidade por muitomais tempo que o podem fazer os homens em qualquer outraprofissão. O peito tornar-se-á mais amplo, e ... o orador raramentefica rouco, mesmo falando continuamente. Em vez de ficaremenfraquecidos, os pastores podem, mediante cuidado, vencerqualquer tendência para o definhamento. (Obreiros Evangélicos, pág.90)FALAR LENTA E CALMAMENTE Quando eu era mais moça, costumava falar demasiado alto. OSenhor mostrou-me que eu não poderia causar no povo a devidaimpressão elevando a voz a um tom fora do natural. Foi-me entãoapresentado Cristo e Sua maneira de falar; e havia suave melodiaem Sua voz. Esta, lenta e calma, chegava aos que O escutavam, eSuas palavras penetravam-lhes no coração, e eles podiam apanhar oque fora dito antes de ser proferida a sentença seguinte. Algunsparecem pensar que devem correr adiante, do contrário, perderão ainspiração, e o povo também. Se isto é inspiração, deixai-os perdê-la,e quanto mais depressa, melhor. Manuscrito 19b, 1890. (Evang. 670) O obreiro de Deus deve fazer sinceros esforços para tornar-se representante de Cristo, rejeitando toda gesticulaçãoimprópria, toda linguagem grosseira. Deve esforçar-se porempregar linguagem correta. Há uma numerosa classe descuidosaem sua maneira de falar, mas mediante cuidadosa e pacienteatenção, estes se poderão tornar representantes da verdade. Todosos dias deviam fazer progressos. Não deviam desmerecer suautilidade e influência, nutrindo defeitos de maneiras, de entonaçõesde voz ou linguagem. Expressões comuns, vulgares, precisam sersubstituídas por palavras sãs e puras. Mediante contínua vigilância ediligente disciplina, o jovem cristão pode guardar a língua do mal e oslábios de falarem engano. (CPPE, 238) Cristo servia-Se sempre de linguagem simples, todavia Suaspalavras provavam o conhecimento dos profundos pensadores,destituídos de preconceitos. Sua maneira de ensinar deve serseguida pelos mestres atuais. As verdades espirituais devem sersempre apresentadas em linguagem simples, para que sejamcompreendidas e encontrem guarida no coração. Assim Se dirigia
  • 12. 12 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mCristo às multidões que se apinhavam e comprimiam ao Seu redor; etodos, letrados e ignorantes, eram capazes de compreender Suaslições. (CPPE, 261) Não devemos ser sempre crianças em nosso conhecimentoe experiência nas coisas espirituais. Não nos devemos exprimirsempre na linguagem de quem acaba de receber a Cristo; masnossas orações e exortações devem crescer em inteligência àmedida que progredimos em experiência na verdade. Alinguagem de uma criança de seis anos em uma de dez anos deidade, não nos agradaria, e quão penoso seria ouvirmos expressõesde inteligência infantil em uma pessoa chegada aos anos damaturidade! Quando uma pessoa chega à idade, dela esperamosuma inteligência correspondente, em harmonia com seus anos eoportunidade. ... Mas, se esperamos esta manifestação de crescenteinteligência em uma criança, à medida que ela aumenta em idade,não devemos esperar também ver o cristão crescer em graça eexperiência? O jovem que tem vários anos de experiência na vidacristã, não deve ter a linguagem hesitante de um que é bebê emCristo. ... (Filhos e Filhas de Deus, 330) A enternecedora e subjugadora influência do Espírito de Deussobre mentes e corações humanos fará com que os verdadeirosfilhos de Deus se assentem juntos nos lugares celestiais em Cristo.... Haverá um espírito brando e submisso em todos aqueles quecontemplam a Jesus. O amor de Jesus conduz sempre à cortesiacristã, ao refinamento da linguagem e pureza de expressão quetestificam da companhia em que nos achamos - de que comoEnoque estamos andando com Deus. Não há turbulência nemrispidez, mas uma suave fragrância na linguagem e no espírito. (MM,CT, 45) A linguagem é demasiadamente fraca para tentar uma descriçãodo Céu. Apresentando-se diante de mim aquela cena, ficointeiramente absorta. Enlevada pelo insuperável esplendor eexcelente glória, deponho a pena e exclamo: "Oh, que amor! queamor maravilhoso!" A linguagem mais exaltada não conseguedescrever a glória do Céu, ou as profundidades incomparáveis doamor de um Salvador. História da Redenção, págs. 413 e 414. (MM,Cuidado de Deus, 102)
  • 13. 13 | A p o s t i l a – L i n g u a g e m O obreiro de Deus deve fazer sinceros esforços para tornar-serepresentante de Cristo, rejeitando toda gesticulação imprópria, todalinguagem grosseira. Deve esforçar-se por empregar linguagemcorreta. Há uma numerosa classe descuidosa em sua maneira defalar, mas mediante cuidadosa e paciente atenção, estes se poderãotornar representantes da verdade. Todos os dias deviam fazerprogressos. Não deviam desmerecer sua utilidade e influência,nutrindo defeitos de maneiras, de entonação de voz ou linguagem.(Conselhos aos Pais, Professores e Estudantes, pág. 238) Variam os espíritos humanos. Mentes de educação epensamento diverso recebem diferentes impressões das mesmaspalavras, e difícil é a um espírito transmitir a outro de temperamento,educação e hábitos de pensamento diferentes, através dalinguagem, exatamente a mesma idéia que é clara e distinta em seupróprio espírito. Todavia para homens sinceros, retos de espírito, elepode ser tão simples e claro que comunique sua intenção para todosos fins práticos. Caso o homem com quem ele se comunique nãoseja sincero e não queira ver e compreender a verdade, dará a suaspalavras e linguagem a direção que se ajuste a seus própriosdesígnios. Interpretará mal suas palavras, jogará com a imaginação,torcer-lhes-á o verdadeiro sentido, e então, entrincheirar-se-á naincredulidade, pretendendo que os sentimentos estão todos errados.(I ME, 19) O Espírito Santo iluminou a vida de Paulo com a luz do Céu, efoi-lhe assegurado que ele tinha uma parte na possessão adquirida ereservada para os fiéis. A linguagem de Paulo era vigorosa. Elenão conseguiu encontrar palavras suficientemente fortes paraexpressar a excelência dessa glória, honra e imortalidade que oscrentes receberiam quando Cristo viesse. Em comparação com acena em que se detinha o seu olhar espiritual, todas as afliçõestemporais apenas eram leves e momentâneas, e indignas deconsideração. Ao serem encaradas sob o aspecto da cruz, as coisasdesta vida eram uma ilusão e vacuidade. A glória que o atraía erareal, importante, duradoura, e não podia ser descrita pela linguagemhumana. (MM, Exaltai- 251) O Senhor fala aos seres humanos em linguagem imperfeita, a fimde os sentidos degenerados, a percepção pesada, terrena, dos seres
  • 14. 14 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mda Terra poderem compreender-Lhe as palavras. Nisto se revela acondescendência de Deus. Ele vai ao encontro dos caídos sereshumanos onde eles se acham. Perfeita como é, em toda a suasimplicidade, a Bíblia não corresponde às grandes idéias de Deus;pois idéias infinitas não se podem corporificar perfeitamente emfinitos veículos de pensamento. Em lugar de as expressões da Bíbliaserem exageradas, como julgam muitos, as fortes expressões seenfraquecem ante a magnificência da idéia, embora o escritorescolha a mais expressiva linguagem para transmitir as verdadesda educação mais elevada. Mensagens Escolhidas, vol. 1, pág. 22(MM, Fé pela a qual eu vivo, 10) Deus deu a cada jovem o talento da linguagem a fim de que oaumentasse para Ele. Importantíssimo é esse depósito. ... Sejamvossas palavras comunicadoras de vida, encaminhando ao Salvadoros que vos rodeiam. Levem elas luz solar em vez de sombras,harmonia em lugar de animosidade. Não digais coisa alguma quenão quereríeis dizer diante de Jesus e dos anjos. Não profiraispalavra que suscite contenda em outro coração. Por maisprovocados que vos sintais, dominai as palavras precipitadas. Sefordes semelhantes a Cristo na linguagem e na ação, os que seassociarem convosco serão por isso beneficiados. Palavras e atosjustos têm influência mais poderosa para o bem que todos ossermões que se possam pregar. The Youths Instructor, 1° de janeirode 1903. (MM, Nossa Alta Vocação. 289) A linguagem floreada é inadequada à oração, seja a petição feita nopúlpito, no círculo da família, ou em particular. Especialmente o que oraem público deve servir-se de linguagem simples, para que os outrospossam entender o que diz, e unir-se à petição. (Obreiro Evangélico, 277) Em misericórdia, Deus busca levar o errante ao arrependimento.O obediente se deleitará na lei do Senhor. Ele coloca Suas leis emsua mente, e as escreve no coração. Sua linguagem será entãocomo se inspirada por um Salvador que habita no íntimo. Tem essafé que opera por amor e purifica a alma de toda contaminação desugestões satânicas. Seu coração anseia por Deus. Em suaconversão aprecia demorar-se sobre Sua misericórdia e bondade,pois para eles Ele é inteiramente amável. Aprende a linguagem doCéu, o país que adotou. (MM, Olhando Para o Alto, 291)
  • 15. 15 | A p o s t i l a – L i n g u a g e m Onde quer que vá, fico angustiada pela negligência da devidadisciplina e restrição no lar. Permitem-se às crianças retrucarem,manifestarem desrespeito e impertinência, usando linguagem que anenhuma criança se devia permitir dirigir a seus superiores. Os paisque permitem o uso de linguagem imprópria são mais dignos decensura do que seus filhos. Não de deve tolerar a impertinência nacriança, nem mesmo uma vez. Mas pais e mães, tios e tias e avós,riem da exibição de ira na criança de um ano de idade. Suaimperfeita manifestação de desrespeito, sua infantil insubordinação,são consideradas como gracinhas. Assim são confirmados os hábitoserrados, e a criança cresce, tornando-se alvo da aversão de todos osque a rodeiam. Signs of the Times, 9 de fevereiro de 1882.(Orientação da Criança, 288 e 289)ESCOLA Não obstante todo o poder que Deus lhe havia dado para exporas cenas da vida de Cristo e Seus apóstolos, de Seus profetas e deSeus reformadores de maneira mais vigorosa e impressionante doque outros historiadores, ela sempre sentia intensamente osresultados de sua falta de educação escolar. Admirava a linguagemem que outros escritores haviam apresentado a seus leitores ascenas que Deus lhe mostrara em visão, e considerava um prazer,uma conveniência e uma economia de tempo usar a linguagem delesna íntegra ou em parte ao apresentar as coisas que ela conheciapela revelação e que desejava transmitir aos seus leitores. (III ME,460) Em dirigir e ensinar classes da Escola Sabatina, na melhormaneira de auxiliar os pobres e cuidar dos doentes, de trabalharpelos não-convertidos. Deve haver cursos de saúde, de arteculinária, e classes em vários ramos de serviço no auxílio cristão.Não somente deve haver ensino, mas trabalho real, sob a direção deinstrutores experientes. Que os mestres vão à frente no trabalhoentre o povo, e outros, unindo-se a eles, aprenderão em seuexemplo. Um exemplo vale mais que muitos preceitos. (A Ciência doBom Viver, pág. 149) Avance a juventude tão rapidamente e vá tão longe em adquirirconhecimentos quanto lhe seja possível. Seja o seu campo de
  • 16. 16 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mestudos tão vasto quanto suas faculdades puderem abranger. E, àmedida que aprendam, vão eles comunicando seus conhecimentos.É assim que a mente adquirirá disciplina e vigor. É o emprego queeles fazem de seus conhecimentos que determina o valor de suaeducação. Gastar longo tempo em estudos, sem esforço algum paracomunicar o que se adquire, demonstra-se muitas vezes um prejuízoem lugar de um auxílio ao real desenvolvimento. Tanto em casacomo na escola, o esforço do estudante deve ser no sentido deaprender a estudar e a passar a outros os conhecimentos adquiridos.Seja qual for sua vocação, terá de ser durante toda a sua vida, tantoaluno como professor. Assim, poderá avançar continuamente, pondoem Deus a sua confiança, apegando-se Àquele que é infinito emsabedoria, que pode revelar os segredos ocultos durante séculos eresolver os mais difíceis problemas, para a mente que nEle crê.(CBV, 402) Muitos dos que entram na escola com o intuito de preparar-separa algum ramo de serviço desinteressado absorvem-se em estudosseculares. Desperta-se o desejo de alcançar distinções nos estudose honras no mundo. Perde-se de vista o desígnio para que entraramna escola e a vida é dedicada a ocupações egoístas e mundanas. Eformam-se muitas vezes hábitos que arruínam a vida tanto para estemundo como para o por vir. (CBV, 403) Que levam consigo os estudantes ao deixarem a escola? Paraonde vão? Que terão de fazer? Possuirão eles o conhecimento queos habilitará a ensinar outros? Terão sido educados para seremverdadeiros pais e mães? Poderão colocar-se à frente de uma famíliacomo sábios instrutores? A única educação digna desse nome é aque leva rapazes e moças a se tornarem semelhantes a Cristo, queos habilita a se desempenhar das responsabilidades da vida e dirigirsua família. Tal educação não se adquire pelo estudo dos clássicospagãos. (CBV, 444) Há uma ciência do cristianismo a ser dominada - ciência tão maisprofunda, vasta e alta que qualquer ciência humana, como os céussão mais elevados do que a Terra. A mente deve ser disciplinada,educada, exercitada; pois nos cumpre fazer serviço para Deus por
  • 17. 17 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mmaneiras que não se acham em harmonia com nossa inclinaçãoinata. As tendências hereditárias e cultivadas para o mal devem servencidas. Muitas vezes, a educação e as práticas de toda umaexistência devem ser rejeitadas para que a pessoa se possa tornarum aprendiz na escola de Cristo. Nosso coração deve ser educadoem se firmar em Deus. Cumpre-nos formar hábitos de pensamentoque nos habilitem a resistir à tentação. Devemos aprender a olharpara cima. Os princípios da Palavra de Deus - princípios tão elevadoscomo o céu e que abrangem a eternidade - cumpre-nos compreendê-los em sua relação para com a nossa vida diária. Cada ato, cadapalavra, cada pensamento deve estar de acordo com essesprincípios. Tudo deve ser posto em harmonia com Cristo, e a Elesujeito. (CBV, 453 e 454) Como estudantes deveis estar sempre aprendendo na escola deCristo; é necessário que leveis para vossa obra o capital que vos foiconfiado, de energia física e mental. Deus não aceita o coraçãodividido. Há homens e mulheres que deviam estar se preparandopara serem colportores e instrutores bíblicos. Devem alienar de sitodo pensamento não santificado e prática corrupta para que possamser santificados pela verdade. Devem ser participantes da naturezadivina, havendo escapado da corrupção que pela concupiscência háno mundo. Nada menos que o poder de Deus vos fará retos e vosguardará em retidão. Deveis oferecer a Deus não menos que omelhor que possuís. Deveis fazer obra sempre melhor ao pordes emprática o que tendes aprendido. Review and Herald, 20 de maio de1890. (Colportor Evangelista, 31) Não devemos desanimar nossos irmãos, debilitando-lhes asmãos, de modo que a obra que Deus quer seja feita por meio deles,não seja executada. Não permitais que muito tempo seja ocupadoem preparar homens para fazer o trabalho missionário. A instrução énecessária, mas que todos se lembrem de que Cristo é o GrandeMestre e a Fonte de toda a sabedoria. Que jovens e idosos seconsagrem a Deus, empreendam a obra e prossigam avante,trabalhando em humildade, sob o domínio do Espírito Santo. Aquelesque têm estado na escola, saiam para o campo e ponham em práticao conhecimento que adquiriram. Se os colportores fizerem isto,usando a habilidade que Deus lhes deu, buscando conselho dele ecombinando o trabalho de vender livros com o serviço pessoal em
  • 18. 18 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mfavor do povo, seus talentos aumentarão pelo exercício e elesaprenderão muitas lições práticas, as quais não lhes seria possívelaprender na escola. A educação obtida por este meio prático, pode,apropriadamente, ser chamada educação superior. TestemunhosSeletos, vol. 2, págs. 546 e 547. Lembrai-vos de que é unicamente por uma consagração diária aDeus que podereis tornar-vos ganhadores de almas. Tem havido osque não podiam freqüentar a escola por serem demasiado pobrespara pagar a instrução. Mas quando se tornaram filhos e filhas deDeus, lançaram mão do trabalho onde se achavam, trabalhandopelos que lhes estavam ao redor. Ainda que destituídos doconhecimento obtido na escola, consagraram-se a Deus, e Deustrabalhou por intermédio deles. Do mesmo modo que os discípulosquando chamados de junto de suas redes para seguir a Cristo,aprenderam eles preciosas lições do Salvador. Uniram-se ao GrandeMestre, e o conhecimento que obtiveram das Escrituras, habilitou-osa falar de Cristo aos outros. Assim se tornaram verdadeiramentesábios, porque não eram por demais sábios em seu próprio conceitopara receberem instrução do alto. O renovador poder do EspíritoSanto deu-lhes energia prática e salvadora. (Colportor Evangelista,34 e 35) O conhecimento do homem mais sábio, se ele não estudou naescola de Cristo, é loucura no que diz respeito ao conduzir almas aCristo. Deus pode trabalhar unicamente com os que aceitem oconvite: "Vinde a Mim, todos os que estais cansados e oprimidos, eEu vos aliviarei. Tomai sobre vós o Meu jugo, e aprendei de Mim, quesou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para asvossas almas. Porque o Meu jugo é suave e o Meu fardo é leve."Mat. 11:28-30. Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 537. O seguidor de Cristo deve-se aperfeiçoar constantemente emmaneiras, hábitos, espírito e trabalho. Isso se opera conservando oolhar, não somente nas realizações exteriores e superficiais, mas emJesus. Opera-se uma transformação na mente, no espírito e nocaráter. O cristão é educado na escola de Cristo, para resplandecerem boas obras. No desempenho de seu ministério deve espargir emtorno de si a fragrância da cortesia cristã, aproveitando todaoportunidade para praticar atos de prestimoso serviço. Deve educar-
  • 19. 19 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mse para que possa falar distinta e impressivamente. Deve aprenderdiariamente na escola do grande Mestre. Cristo Ajudará seguramentea todos os que nEle se ocultam, nEle confiando para fortalecimento.Review and Herald, 16 de junho de 1903. (Colportor Evangelista, 66) A mais elevada educação é o conhecimento experimental doplano da salvação, adquirido por meio de sincero e diligente estudodas Escrituras. Essa educação renovará o entendimento etransformará o caráter, restaurando a imagem de Deus na alma.Fortalecerá a mente contra as enganosas insinuações do adversário,e nos habilitará a compreender a voz de Deus. Ensinará o discípulo atornar-se um coobreiro de Jesus Cristo, a extinguir a obscuridademoral que o rodeia e a levar luz e conhecimento aos homens. Ela é asingeleza da verdadeira piedade - nosso certificado da escolapreparatória da Terra para a escola superior do alto. (CPPE, 11) Alguns dos que entram para o ministério não sentem aresponsabilidade da obra. Têm falsa idéia dos requisitos de umpastor. Pensam que se requer pouco profundo estudo das ciênciasou da Palavra de Deus, para obter habilitações para o ministério.Alguns pensam que a instrução e o conhecimento perfeito dasEscrituras sejam de pouca importância, uma vez que o homempossua o Espírito. Mas Deus nunca manda Seu Espírito parasancionar a ignorância. (Obreiros Evangélicos, pág. 105) A mais verdadeira educação requer algo maior, mais divino, doque o conhecimento que se obtém meramente dos livros. Elasignifica um conhecimento individual experimental de Cristo; querdizer emancipação de idéias, hábitos e práticas adquiridos na escolado príncipe das trevas, e que se opõem à lealdade para com Deus.Quer dizer subjugar a obstinação, o orgulho, o egoísmo, as ambiçõesmundanas, a incredulidade. É a mensagem da libertação do pecado.(CPPE, 12) Sou instruída a dizer que em nossa obra educativa não devehaver nenhum compromisso a fim de satisfazer as normas do mundo.O povo que guarda os mandamentos de Deus não deve unir-se como mundo para manter os vários ramos da obra segundo os planos domundo e a sabedoria deste. (MS, 61)
  • 20. 20 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mCOMO ORAR A oração feita em público deve ser breve, e ir diretamente aoponto. Deus não requer que tornemos fastidioso o período do culto,mediante longas petições. Cristo não impõe a Seus discípulosfatigantes cerimônias e longas orações. "Quando orares," disse Ele,"não sejas como os hipócritas, pois se comprazem em orar em pénas sinagogas e às esquinas das ruas, para serem vistos peloshomens." Mat. 6:5. Alguns minutos são o bastante para qualquer oraçãopública, em geral. Pode haver casos em que as súplicas sejam demodo especial ditadas pelo Espírito de Deus. A alma suplicante ficaangustiada, e geme em busca de Deus. O espírito luta, como fezJacó, e não ficará sossegado sem a manifestação especial do poderde Deus. Em tais ocasiões pode ser justo que a petição se prolonguemais. Alguns consideram ser sinal de humildade orar a Deus demaneira comum, como se estivessem falando com um serhumano. Eles profanam Seu nome misturando desnecessária eirreverentemente em suas orações as palavras - "Deus, todo-poderoso" - tremendas e sagradas palavras, que nunca deveriampassar pelos lábios senão em tom submisso, e com sentimento derespeito. (Obreiros Evangélicos, 177) Não se exigem orações verbosas, com caráter de sermão, e quesão fora de lugar em público. Uma oração breve, feita com fervor efé, abrandará o coração dos ouvintes; mas durante as oraçõeslongas, eles esperam impacientemente, como se desejassem quecada palavra fosse o final da mesma. Houvesse o pastor que faz taloração lutado com Deus no seu aposento, até sentir que sua fé podiaater-se à promessa: "Pedi, e dar-se-vos-á", e ele havia de terchegado diretamente ao ponto em sua oração pública, pedindo comfervor e fé graça para si mesmo e seus ouvintes. Mat. 7:7. (ObreirosEvangélicos, 179) Sinto-me penalizada ao ver quão pouco apreciado é o dom dalinguagem. Na leitura da Bíblia, nas oração, ao dar testemunhos nasreuniões, quão necessária é a dicção clara, distinta! E quanto seperde, no culto de família, quando o que faz a oração curva a cabeça
  • 21. 21 | A p o s t i l a – L i n g u a g e me fala em voz baixa e fraca! Assim, porém, que o culto de famíliaterminou, os que na oração não podiam falar alto bastante para sefazerem ouvir, falam em geral em tons claros, distintos, não havendodificuldade em ouvir o que dizem. A oração feita assim, seráapropriada para o aposento particular, mas não é edificante no cultofamiliar ou público; pois a menos que as pessoas reunidas ouçam oque se diz, não podem dizer "Amém". Quase todos são capazes defalar suficientemente alto para ser ouvidos na conversação comum, epor que não hão de falar do mesmo modo quando chamados a dartestemunho ou a fazer oração? Quando falardes de coisas divinas, por que não usar tonsdistintos, e de maneira a manifestar que sabeis aquilo de que falais, enão vos envergonhais de mostrar a bandeira a que servis? Por quenão orais como quem tem a consciência livre de ofensa, e se podechegar ao trono da graça humildemente, não obstante com santaousadia, erguendo mãos santas, sem ira nem contenda? Não voscurveis, cobrindo o rosto como se algo houvesse que desejaisocultar. Erguei, porém, os olhos para o santuário celeste, ondeCristo, vosso Mediador, Se acha perante o Pai para apresentar asvossas súplicas, de mistura com Seus próprios méritos e imaculadajustiça, qual agradável incenso. (CPPE, 241) Nas reuniões sociais, a oração deve ser feita de maneira quetodos sejam edificados; os que tomam parte nesse serviço, devemseguir o exemplo dado na bela oração do Senhor para o mundo.Essa oração é simples, clara, compreensiva, e todavia não é longanem sem vida, como são por vezes as orações feitas em público.Orações assim, destituídas de vida, seria melhor que não fossemproferidas; pois são mera forma, sem poder vital, e deixam debeneficiar ou produzir edificação. (CPPE, 243) É importante a obra dos professores. Devem eles fazer daPalavra de Deus a sua meditação. Deus Se comunicará com a almapelo Seu Espírito. Enquanto estudais, orai: "Desvenda os meusolhos, para que veja as maravilhas da Tua lei." Sal. 119:18. Quandoo professor confiar em Deus, e orar, o Espírito de Cristo virásobre ele, e por meio dele Deus atuará, pelo Seu Espírito Santo,na mente do estudante. O Espírito Santo enche a mente e ocoração de esperança, coragem e de pensamentos da Bíblia,
  • 22. 22 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mque serão comunicados ao estudante. As palavras de verdadecrescerão em importância, assumindo uma extensão e plenitude desentido, em que ele jamais sonhou. A beleza e virtude da Palavra deDeus têm influência transformadora sobre o espírito e o caráter; ascentelhas do amor divino cairão na alma das crianças como umainspiração. Podemos levar a Cristo centenas e milhares de criançasse trabalharmos por elas. Special Testimony to the Battle CreekChurch, em 15 de dezembro de 1897. (CPPE, 172) Os dons que nos habilitam a ser cooperadores de Deus, esperaque Seus servos cultivem a voz, de modo a poderem falar e cantarde maneira que todos entendam. Não é o canto alto que énecessário, porém entonações claras, a pronúncia correta, a dicçãodistinta. Tomem todos tempo para cultivar a voz, de maneira que olouvor de Deus seja entoado em tons claros, suaves, sem asperezase estridências que ofendam ao ouvido. A aptidão de cantar é dom deDeus; seja ele usado para glória Sua. Testimonies, vol. 9, págs. 143e 144. Desse tempo em diante, a linguagem dos discípulos era pura,simples e correta em palavra e dicção, falassem eles sua línguanativa ou uma língua estrangeira. Esses homens humildes, quenunca tinham aprendido na escola dos profetas, apresentavamverdades tão elevadas e puras que maravilhavam os que as ouviam.Eles não podiam ir pessoalmente aos lugares mais afastados daTerra; mas estavam ali para a festa, homens de todos os quadrantesdo mundo, e as verdades recebidas por eles foram levadas para seusvários lares e anunciadas entre seu povo, ganhando almas paraCristo. (HR, 246) Em virtude de terem as avenidas da alma sido fechadas pelotirânico preconceito, muitos são ignorantes do viver saudável. Bomserviço se pode prestar ao povo ensinando-o a preparar alimentossaudáveis. Este ramo da obra é tão essencial como qualquer outroque possa ser mantido. Devem ser estabelecidas mais escolas dearte culinária, e algumas pessoas deveriam trabalhar de casa emcasa, instruindo na arte de preparar alimentos saudáveis. Muitos,muitos serão libertados da degenerescência física, mental e moral,graças à influência da reforma de saúde. Esses princípios serecomendarão por si mesmos aos que estão em busca de luz, e
  • 23. 23 | A p o s t i l a – L i n g u a g e messes partirão daí para a plena aceitação da verdade para estetempo. (BS, 128) Será feita a menos que homens e mulheres sejam ajudados poruma força fora de si mesmos. Os que têm talentos e capacidadedevem usar esses dons para abençoar os seus semelhantes,trabalhando no sentido de colocá-los em posição de poderem seajudar a si mesmos. Assim é que a educação adquirida em nossasescolas deve ser usada da melhor maneira possível. (BS, 195) Em Israel, era considerado um dever o preparo profissional. Exigia-se de cada pai que ensinasse a seus filhos algum ofício útil. Os maioreshomens em Israel eram exercitados para atividades industriais. Oconhecimento dos deveres pertencentes ao governo da casa eraconsiderado essencial a toda mulher. E a habilidade nesses deveres eraconsiderada uma honra para as mulheres da mais alta posição. Váriasprofissões eram ensinadas nas escolas dos profetas, e muitos dos alunosse mantinham a si mesmos por meio de trabalho manual. ... (BS, 196) Várias profissões eram ensinadas nas escolas dos profetas, emuitos dos alunos se mantinham a si mesmos por meio de trabalhomanual. (CBV, 186) A responsabilidade repousa especialmente sobre a mãe. Ela, decujo sangue a criança se nutre e se forma fisicamente, comunica-lhetambém influências mentais e espirituais que tendem a formar-lhe amente e o caráter. Foi Joquebede, a hebréia que, fervorosa na fé,não temeu "o mandamento do rei" (Heb. 11:23), a mãe de Moisés,libertador de Israel. Foi Ana, a mulher de oração e espírito abnegado,inspirada pelo Céu, que deu à luz Samuel, a criança divinamenteinstruída, juiz incorruptível, fundador das escolas sagradas de Israel.Foi Isabel, a parenta e especial amiga de Maria de Nazaré, quegerou o precursor do Messias. (CBV, 372) É um fato terrível, e que deve fazer tremer o coração dos pais,que em tantas escolas e colégios a que se mandam os jovens, embusca de cultura e disciplina intelectual, dominam influências quedeturpam o caráter, desviam a mente dos verdadeiros objetivos davida, e aviltam a moral. Mediante o contato com os irreligiosos, osamantes de prazeres e os corrompidos, muitíssimos jovens perdem asimplicidade e a pureza, a fé em Deus e o espírito de sacrifício que
  • 24. 24 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mpais cristãos incentivaram e conservaram mediante cuidadosasinstruções e fervorosas preces. (CBV, 403) Especulações filosóficas e pesquisas científicas em que Deusnão é reconhecido estão tornando céticos a milhares. Nas escolas dehoje são cuidadosamente ensinadas e amplamente expostas asconclusões a que os doutos têm chegado em resultado de suaspesquisas científicas; por outro lado é francamente dada a impressãode que, se esses homens estão certos, não o pode estar a Bíblia. Oceticismo exerce atração sobre o espírito humano. A juventude nelevê uma independência que lhe seduz a imaginação, e é iludida.Satanás triunfa. Ele alimenta toda semente de dúvida lançada nocoração juvenil. Faz com que ela cresça e dê frutos, e resulta emfarta colheita de incredulidade. (CBV, 439) É por ser o coração humano tão inclinado ao mal que se tornatão perigoso semear o ceticismo nos espíritos jovens. Seja o que forque enfraqueça a fé em Deus, rouba a alma do poder de resistir àtentação. Remove a única salvaguarda real contra o pecado.Precisamos de escolas em que a juventude aprenda que a grandezaconsiste em honrar a Deus mediante a revelação de Seu caráter navida diária. Necessitamos aprender acerca de Deus por meio de SuaPalavra e obras, a fim de nossa vida poder cumprir o Seu desígnio.(CBV, 440) Há um estudo de História que não é condenável. A históriasagrada era um dos estudos das escolas dos profetas. No registro deSeu trato com as nações, foram delineadas as pegadas de Jeová.Assim hoje em dia cumpre-nos considerar Seu trato com as naçõesda Terra. Devemos ver na História o cumprimento da profecia,estudar as operações da Providência nos grandes movimentos dereforma, e entender o progresso dos acontecimentos ao ver asnações mobilizando-se para o final combate do grande conflito.(CBV, 441 e 442) "Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo, como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância." I Ped. 1:13 e 14.
  • 25. 25 | A p o s t i l a – L i n g u a g e m Na educação das crianças e dos jovens, dá-se agora importantelugar aos contos de fadas, mitos e histórias imaginárias. Usam-senas escolas livros desta natureza, e encontram-se também osmesmos em muitos lares. Como podem pais cristãos permitir queseus filhos usem livros tão cheios de mentiras? Quando as criançaspedem a explicação de histórias tão contrárias aos ensinos recebidosde seus pais, a resposta é que essas histórias não são verdadeiras;mas isso não dissipa os maus resultados de seu uso. As idéiasapresentadas nesses livros desencaminham as crianças. Comunicamfalsas idéias da vida, suscitando e nutrindo o desejo pelo irreal.(CBV, 446 e 447) Nosso Salvador não animava ninguém a freqüentar as escolasdos rabinos de Sua época, pelo fato de que a mente se corromperiacom o continuamente repetido: "Dizem", ou: "Foi dito". Como, pois,devemos nós aceitar as instáveis palavras humanas como exaltadasabedoria, quando se encontra ao nosso alcance uma sabedoriamaior e infalível? (CBV, 449) O Senhor instituiu um plano pelo qual muitos dos estudantes denossas escolas podem aprender lições práticas indispensáveis aosucesso futuro. Ele nos tem dado o privilégio de manusear preciososlivros que têm sido dedicados ao progresso de nossa obra de saúdee de educação. No próprio manuseio desses livros os jovensencontrarão muitas experiências que lhes ensinarão como tratar comproblemas que os esperam nas regiões distantes. Durante sua vidaescolar, em contato com esses livros, muitos aprendem comoaproximar-se cortesmente do povo, e como exercer tato naconversação com eles em diferentes pontos da verdade presente. Aoalcançarem certo grau de êxito financeiro, alguns aprenderão liçõesde poupança e economia que lhes serão de grande vantagemquando forem enviados como missionários. Review and Herald, 4 dejunho de 1908. (Colportor Evangelista, 30) A mente e a mão divinas têm conservado, através dos séculos,em sua pureza, o relatório da Criação. É unicamente a Palavra deDeus que nos dá autêntico relato da criação do mundo. Essa Palavratem de ser o principal estudo em nossas escolas. Nela podemosaprender quanto custou nossa redenção Àquele que, desde oprincípio, era igual ao Pai, e que sacrificou a própria vida para que
  • 26. 26 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mhouvesse um povo que, redimido de tudo quanto é terreno, renovadoà imagem de Deus, pudesse subsistir em Sua presença. (CPPE, 13 e14) A muitos que põem seus filhos em nossas escolas sobrevirãofortes tentações porque desejam que eles consigam o que o mundoconsidera como a educação essencial. A esses, desejo dizer: Trazeivossos filhos à simplicidade da Palavra e estarão livres de perigo.Esse Livro é o fundamento de todo verdadeiro conhecimento. A maiselevada educação que eles possam receber consiste em aprendercomo acrescentar à sua "fé a virtude, e à virtude, a ciência, e àciência, a temperança, e à temperança, a paciência, e à paciência, apiedade, e à piedade, o amor fraternal, e ao amor fraternal, acaridade. ... Se em vós houver e aumentarem estas coisas", declaraa Palavra de Deus, "não vos deixarão ociosos nem estéreis noconhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo. ... Fazendo isto, nuncajamais tropeçareis. Porque assim vos será amplamente concedida aentrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo." IIPed. 1:5-8, 10 e 11. (CPPE, 15) E alguns há que, tendo adquirido essa educação mundana,julgam que a possam introduzir em nossas escolas. Há o perigoconstante de que aqueles que trabalham em nossas escolas ehospitais alimentem a idéia de que devem acompanhar o mundo,estudar as coisas que o mundo estuda, e familiarizar-se com o que omundo se familiariza. Cometeremos graves erros se não dermosatenção especial à pesquisa da Palavra. A Bíblia não deveria sertrazida às nossas escolas para ser tolhida entre a incredulidade. APalavra de Deus deve ser a obra fundamental e o assunto daeducação. É verdade que sabemos muito mais dessa Palavra do quesabíamos no passado, mas ainda há muito a ser aprendido. (CPPE,16) O conhecimento da verdadeira ciência é poder; e é o desígnio deDeus que esse conhecimento seja ensinado em nossas escolascomo preparo para a obra que precederá às cenas finais da históriaterrestre. A verdade deve ser levada aos mais remotos limites daTerra por meio de instrumentos exercitados para essa obra. (CPPE,19)
  • 27. 27 | A p o s t i l a – L i n g u a g e m A cruz de Cristo - ensinai-a repetidamente a todo aluno. Quantosacreditam que ela seja o que é? Quantos a introduzem em seusestudos, e lhe conhecem a verdadeira significação? Poderia acasohaver em nosso mundo um cristão sem a cruz de Cristo? Mantende,pois, a cruz erguida em vossas escolas como o fundamento daverdadeira educação. A cruz de Cristo se acha exatamente tão pertode nossos professores, e devia ser tão perfeitamente compreendidapor eles, como aconteceu com Paulo, que podia declarar: "Longeesteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor JesusCristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu, para omundo." Gál. 6:14. (CPPE, 23) Grande é a necessidade de elevar a norma da justiça em nossasescolas e de dar instruções segundo Deus. Entrasse Cristo emnossas instituições de educação para a mocidade, e as purificariacomo fez com o templo, banindo muitas coisas que exerceminfluência contaminadora. Muitos dos livros de estudo dos jovensseriam eliminados, sendo substituídos por outros de molde acomunicar conhecimento substancioso, abundantes de sentimentospróprios para serem entesourados no coração, e em preceitos quepoderiam com segurança reger a conduta. (CPPE, 25) Introduziremos porventura em nossas escolas o semeador de joio?Permitiremos que homens ensinados pelo inimigo de toda verdadedirijam a educação de nossos jovens? Ou tomaremos como guia aPalavra de Deus? Por que tomar a palavra instável dos homens comoexaltada sabedoria, quando uma sabedoria maior e segura se acha aovosso alcance? Por que apresentar à atenção dos alunos, autores dequalidade inferior, quando Aquele cujas Palavras são espírito e vida faz oconvite: "Vinde, ... e aprendei de Mim"? Mat. 11:28 e 29. (CPPE, 30 e 31) Deus não quer que, em qualquer sentido, estejamos atrasadosquanto ao trabalho educativo. Nossas escolas devem estar muitoadiantadas no que respeita à mais elevada espécie de educação. ...Se não temos escolas para os nossos jovens, eles freqüentarãooutros seminários e colégios, e estarão expostos a sentimentos deincredulidade, de cavilação e de dúvida, com referência à inspiraçãoda Bíblia. Há muita conversa referente à educação superior, e muitossupõem que consista em educação nas ciências e letras; mas issonão é tudo. A mais elevada educação inclui o conhecimento da
  • 28. 28 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mPalavra de Deus, e é compreendida nestas palavras: "Que conheçama Ti só por único Deus verdadeiro e a Jesus Cristo, a quem enviaste."João 17:3. (CPPE, 45) A APARÊNCIA PESSOAL DO EVANGELISTAA Personalidade do Evangelista – Vestimenta Segundo a luz que me tem sido dada, o ministério é um santo eelevado ofício, e os que aceitam essa posição devem terá Cristo nocoração, e manifestarem sincero desejo de representá-Lodignamente perante o povo em todas as suas ações, no vestuário, nofalar e até mesmo na maneira como falam. ... Nossas palavras, atos, comportamento e vestuário, tudo devepregar. Não somente com as palavras devemos falar ao povo, mastudo quanto diz respeito a nossa pessoa deve constituir para eles umsermão Testimonies, vol. 2, págs. 615 e 618. (Evangelismo, pág. 670e 671)Almas Perdidas por Causa de Negligência O pastor que é negligente em seu traje freqüentemente ofendeos que têm bom gosto e finas sensibilidades. Os que são deficientesneste sentido devem corrigir seus erros e ser mais ponderados. Aperda de algumas pessoas será finalmente atribuída ao desleixo dopastor. O primeiro aspecto afetou desfavoravelmente as pessoaspois não podiam de modo algum relacionar sua aparência com asverdades por ele apresentadas. Seu vestuário depunha contra ele; ea impressão causada foi de que o povo que ele representava era umgrupo descuidado que não se importava com o seu vestuário, e osseus ouvintes não queriam ter nada a ver com tal classe de pessoas.Testimonies, vol. 2, pág. 613. (Evangelismo, pág. 671)Gosto, Cor, Propriedade Alguns que ministram nas coisas sagradas se vestem de talmaneira que, pelo menos até certo ponto, sua roupa destrói ainfluência do seu trabalho. Há evidente falta de bom gosto na cor eno esmero do corte. Qual é a impressão causada por tal maneira de
  • 29. 29 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mvestir? É que a obra na qual eles estão empenhados não éconsiderada mais sagrada ou elevada do que o trabalho comum,como arar a terra. O pastor, por seu exemplo, reduz as coisassagradas ao mesmo nível das coisas comuns. Testimonies, vol. 2,pág. 614. (Evangelismo, pág. 671)A Escolha de Cores Tecido preto ou escuro é mais apropriado para o pastor nopúlpito e causará melhor impressão nas pessoas do que seriacausada pela combinação de duas ou três cores diferentes em seutraje. Testimonies, vol. 2, pág. 610. (Evangelismo, pág. 672)Propriedade de Vestuário e de Conduta Cumpre-nos apresentar propriedade no vestuário e na conduta.Nunca devemos estar negligentes ou desalinhados em nossaaparência ou em nosso trabalho. Carta 49, 1902. (Evangelismo, pág.672)O Caráter da Obreira Julgado Pelo Vestuário O caráter de uma pessoa é julgado pelo aspecto de seuvestuário. Um gosto apurado, um espírito cultivado, revelar-se-ão naescolha de ornamentos simples e apropriados. A modestasimplicidade no vestir, aliada à modéstia das maneiras, muito farãono sentido de cercar uma jovem com aquela atmosfera de sagradareserva que para ela será uma proteção contra os milhares deperigos. Educação, pág. 248.Os Incrédulos Apreciam a Simplicidade no Vestuário Muitos se trajam à maneira do mundo a fim de obter influênciasobre os incrédulos; cometem, porém, lamentável erro. Casodesejem ter real e salvadora influência, vivam segundo sua profissãode fé, mostrem essa fé por suas obras de justiça, e tornem distinta adiferença entre o cristão e o mundano. As palavras, a maneira devestir, as ações, devem falar em favor de Deus. Então, difundir-se-ásobre os que os rodeiam uma santa influência, e mesmo osdescrentes conhecerão, vendo-os, que eles têm estado com Jesus.
  • 30. 30 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mSe alguém quiser que sua influência fale em favor da verdade, viva afé que professa, imitando assim o humilde Modelo. Testimonies, vol.4, págs. 633 e 634. (Evangelismo, pág. 672)O Orgulho no Vestuário, Pedra de Tropeço Para osDescrentes Muitas almas convencidas da verdade têm sido levadas a decidir-se contra ela por causa do orgulho e do amor do mundo manifestadopor nossas irmãs. A doutrina pregada parecia clara e harmônica, e osouvintes sentiam deverem levantar uma pesada cruz, com aaceitação da verdade. Quando essas pessoas viram nossas irmãsfazendo tanta ostentação no vestuário, disseram: "Este povo veste-semesmo como nós. Não podem realmente crer o que professam;afinal, devem estar enganados. Se na verdade pensassem queCristo havia de vir em breve, e o caso de cada alma devia serdecidido para a vida eterna ou morte eterna, não podiam dedicartempo e dinheiro para se vestirem de acordo com as modasexistentes." Mal sabiam aquelas professas irmãs crentes o sermãoque seu vestuário estava pregando! Nossas palavras, ações, vestidos, são pregadores vivos ediários, juntando com Cristo, ou espalhando. Isto não é coisainsignificante, para ser passada por alto com um gracejo. A questãodo vestuário exige séria reflexão e muito orar. Muitos incrédulossentiram que não estavam procedendo bem em se permitirem serescravos da moda; mas quando vêem alguns que fazem elevadaprofissão de piedade vestindo-se da mesma maneir a que osmundanos, fruindo a sociedade dos frívolos, entendem que não podehaver mal em tais coisas. Testemunhos Seletos, vol. 1, págs. 595 e596. (Evangelismo, pág. 672 e 673)O Vestuário Simples Não Embaraça os Pobres Nosso vestuário deve ser simples, de maneira que, ao visitarmosos pobres, eles não fiquem embaraçados pelo contraste entre nossaaparência e a deles. Obreiros Evangélicos, pág. 189. (Evangelismo,pág. 673)O Vestuário Adequado a uma Profissão Sagrada
  • 31. 31 | A p o s t i l a – L i n g u a g e m O cuidado no vestuário é digno de consideração. O pastor sedeve trajar de maneira condigna com sua posição. Alguns têmfalhado a esse respeito. Em alguns casos, não somente tem havidofalta de gosto e boa combinação no vestuário, mas este tem sidodesalinhado e sujo. O Deus do Céu, cujo braço move o mundo, que nos dá vida enos sustém com saúde, é honrado ou desonrado pelo vestuário dosque oficiam em honra Sua. Obreiros Evangélicos, pág. 173. Pág. 674A MAIS ESSENCIAL EDUCAÇÃO PARA OBREIROSEVANGÉLICOS Há obreiros cristãos que não receberam educação superiorporque lhes foi impossível conseguir essa oportunidade; mas Deustem dado testemunho de os haver escolhido e ordenado para irem etrabalharem em Sua vinha. Ele os tem tornado eficientes coobreirosSeus. Possuem espírito dócil; sentem sua dependência de Deus; e oEspírito Santo está com eles a fim de ajudá-los em suas fraquezas.Aviva e comunica energia à mente, dirige os pensamentos, e auxiliana apresentação da verdade. Quando o obreiro se coloca perante o povo para lhes apresentaras palavras da vida, ouve-se em sua voz o eco da voz de Cristo. Épatente que ele anda com Deus, que esteve com Jesus e dEleaprendeu. Introduziu a verdade no íntimo santuário da alma; ela lhe éviva realidade; e ele apresenta a verdade em demonstração doEspírito e de poder. O povo ouve o jubiloso som; Deus lhes fala aocoração por meio do homem consagrado a Seu serviço. Quando, mediante o Espírito, o obreiro exalta a Cristo, torna-sena verdade eloqüente. É veemente e sincero, e aqueles por quemtrabalha lhe têm amor. Que pecado recairia sobre quem escutasseum homem assim, meramente para o criticar, para notar a mágramática ou a pronúncia incorreta, fazendo desses erros objetode ridículo! ... O orador que não possui boa instrução pode, por vezes, cairem erros gramaticais ou de pronúncia; talvez não empregue as
  • 32. 32 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mmais eloqüentes expressões, ou as mais belas imagens; mas, se elepróprio comeu do pão da vida, se bebeu da fonte viva, podealimentar almas famintas, e oferecer da água da vida aos que estãosedentos. Seus defeitos serão perdoados e esquecidos. Seusouvintes não se cansarão nem se desgostarão, antes darão graças aDeus pela mensagem de misericórdia a eles enviada por meio deSeu servo. (CPPE, 509 e 510)O APERFEIÇOAMENTO PRÓPRIO DOS OBREIROS Caso o obreiro se haja consagrado plenamente a Deus, e sejadiligente em orar, suplicando força e sabedoria celestes, a graça deCristo será seu guia, e ele vencerá os próprios defeitos, tornando-se maise mais inteligente nas coisas de Deus. Ninguém se aproveite disso,porém, para ser indolente, para desperdiçar o tempo e as oportunidades,e negligenciar o preparo essencial a fim de tornar-se eficiente. O Senhornão Se agrada daqueles que, tendo tido ocasiões de obter conhecimento,negligenciam aproveitar os privilégios postos ao seu alcance. ... O homem cuja mente é iluminada pela Palavra de Deus, há desentir, mais que qualquer outra pessoa na Terra, que deve ser maisdiligente no exame da Bíblia, no estudo das ciências; pois suaesperança e vocação são maiores que qualquer outra. Quanto maisintimamente um homem se achar ligado com a Fonte de todo oconhecimento e sabedoria, tanto mais ele pode ser auxiliadointelectual e espiritualmente. O conhecimento de Deus é a educaçãoessencial; todo verdadeiro obreiro dedicará seu constante estudopara obtenção desse conhecimento. (CPPE, 510) Uma nova norma de caráter é proposta - a vida de Cristo. Amente é mudada; as faculdades são estimuladas à ação em novasesferas. O homem não é dotado de faculdades novas, mas asfaculdades que possui são santificadas. A consciência é despertada.Somos dotados de traços de caráter que nos habilitam a prestarserviço a Deus. Freqüentemente surge a questão: Por que, pois, há tantospretensos crentes na Palavra de Deus, nos quais não se vê umareforma na linguagem, no espírito e no caráter? Por que há tantosque não podem sofrer oposição a seus propósitos e planos, quemanifestam temperamento não santificado, e cujas palavras são
  • 33. 33 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mrudes, insultuosas e apaixonadas? Vê-se em sua vida o mesmoamor-próprio, a mesma condescendência egoísta, a mesma índole elinguagem precipitada, vistos na vida do mundano. Há o mesmoorgulho sensitivo, a mesma entrega ao pendor natural, a mesmaperversidade de caráter, como se a verdade lhes fosse inteiramentedesconhecida. A razão é que não são convertidos. Não esconderamno coração o fermento da verdade. Não teve ele oportunidade derealizar sua obra. Suas tendências naturais e cultivadas para o malnão foram subjugadas a seu poder transformador. A vida dessaspessoas revela a ausência da graça de Cristo, uma descrença emSeu poder de regenerar o caráter. (PJ, 99) "Como purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a Tua palavra. De todo o meu coração Te busquei; não me deixes desviar dos Teus mandamentos. Escondi a Tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra Ti. Em Teus preceitos meditarei e olharei para os Teus caminhos. Alegrar-me-ei nos Teus estatutos; não me esquecerei da Tua palavra." Sal. 119:9-11, 15 e 16. De serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que crêem no Seu nome;os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem davontade do homem, mas de Deus. E o Verbo Se fez carne e habitouentre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a Sua glória, glóriacomo do unigênito do Pai. ... Porque todos nós temos recebido da Suaplenitude e graça sobre graça." João 1:12-16. (III, ME, 135) João 1: 1; 1: 13,14; Apoc 1: 15, 16; Tiag 3: 2; Rom. 8: 29; Heb 2: 17; Filemom 16 Cristo foi as primícias dos que dormem. Foi para glória de Deusque o Príncipe da vida fosse as primícias, o antítipo do molhomovido. "Porque os que dantes conheceu também os predestinoupara serem conformes à imagem de Seu Filho, a fim de que Ele sejao Primogênito entre muitos irmãos." Rom. 8:29. Esta mesma cena,a ressurreição de Cristo dentre os mortos, fora pelos judeuscelebrada em tipo. Quando amadureciam as primeiras espigas docereal no campo, eram elas colhidas cuidadosamente; e quando opovo subia a Jerusalém, eram apresentadas ao Senhor como ofertade gratidão. O povo movia perante Deus o molho maduro,
  • 34. 34 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mreconhecendo-O como o Senhor da seara. Depois desta cerimôniapodia ser lançada a foice ao trigo, e juntada a colheita. (I ME, 305) Sua fé é apenas o assentimento da mente e do juízo à verdade;mas esta não é introduzida no coração, para santificar a alma etransformar o caráter. "Porque os que dantes conheceu tambémos predestinou para serem conformes à imagem de Seu Filho, afim de que Ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aosque predestinou a estes também chamou; e aos que chamou aestes também justificou; e aos que justificou a estes tambémglorificou." Rom. 8:29 e 30. O chamado e a justificação não são amesma coisa. O chamado é o atrair do pecador para Cristo e é aoperação do Espírito Santo no coração, convencendo do pecado econvidando ao arrependimento. (I ME, 390) É a Palavra de Deus que é essencial para o nossocrescimento espiritual. "O Espírito é o que vivifica, a carne paranada aproveita; as palavras que Eu vos disse, são espírito e vida."João 6:63. Os que praticam as palavras de Cristo introduzirão o Céuem sua vida. (MM, Exaltai-o, 129) Jesus continuou: "O que é nascido da carne é carne, e o que énascido do Espírito é espírito". João 3:6 (DTN, 172) "Eu o ressuscitarei no último dia." Cristo tornou-Se umamesma carne conosco, a fim de nos podermos tornar um espíritocom Ele. É em virtude dessa união que havemos de ressurgir dosepulcro - não somente como manifestação do poder de Cristo, masporque, mediante a fé, Sua vida se tornou nossa. Os que vêem aCristo em Seu verdadeiro caráter, e O recebem no coração, têm vidaeterna. É por meio do Espírito que Cristo habita em nós; e oEspírito de Deus, recebido no coração pela fé, é o princípio da vidaeterna. O Desejado de Todas as Nações, pág. 388. (Mateus 19: 28 e29) "Porque não temos que lutar contra a carne e sangue, mas,sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipesdas trevas deste século." Efés. 6:12. (Colportor Evangelista, 115) A velha natureza, nascida do sangue e da vontade da carne,não pode herdar o reino de Deus. Os velhos caminhos, as tendências
  • 35. 35 | A p o s t i l a – L i n g u a g e mhereditárias, os hábitos antigos precisam ser abandonados; pois agraça não é herdada. O novo nascimento consiste em ter novosintuitos, novos gostos, novas tendências. Os que, pelo EspíritoSanto, são gerados para uma nova vida, tornaram-se participantesda natureza divina, e em todos os seus hábitos e práticasevidenciarão sua relação com Cristo. Quando homens que alegamser cristãos retêm todos os seus defeitos naturais de caráter edisposição, em que a sua posição difere da dos mundanos? Eles nãoapreciam a verdade como elemento santificador e refinador. Nãonasceram de novo. ...(MM, O Senhor Logo Vem, 235) Estas palavras apresentam perante o obreiro de Cristo umelevado objetivo, que entretanto, pode ser alcançado por todos osque, colocando-se sob o controle do grande Professor, aprendemdiariamente na escola. (AA, 368)A PALAVRA Deut 11:18; 18:18; 30:14; 32:2; Heb 4:12; Jo 29:22; Sl 12: 6; 119:105; Prov 17:27; Luc 8:11; João 15:3; Atos 12: 24; Rom 8: 10; Cl. 3: 16; II Pe. 3: 5; Heb. 11:3; I João 2:14. Os líderes judeus imaginavam-se demasiado sábios paranecessitar de instrução, demasiado justos para necessitar desalvação e demasiado honrados para necessitar da honra que vemde Cristo. O Salvador afastou-Se deles para outorgar a outros osprivilégios de que tinham abusado e a obra que haviamnegligenciado. A glória de Deus tinha de ser revelada e SuaPalavra confirmada. O reino de Cristo tinha de ser estabelecidono mundo. A salvação de Deus tinha que se tornar conhecida nascidades do deserto; e os discípulos foram chamados para fazer aobra que os líderes judaicos deixaram de fazer. (AA, 16) Considerai a tocante cena. Vede a Majestade do Céu tendo emtorno os doze por Ele escolhidos. Logo os separará para a obra quelhes destinou. Por meio desses débeis instrumentos, medianteSua Palavra e Espírito, Ele Se propõe colocar a salvação aoalcance de todos. (AA, 18)
  • 36. 36 | A p o s t i l a – L i n g u a g e m Cristo havia terminado a obra que Lhe fora dada para fazer.Tinha reunido os que deviam continuar Sua obra entre os homens. Edisse: "E nisso sou glorificado. E Eu já não estou mais no mundo;mas eles estão no mundo, e Eu vou para Ti. Pai santo, guarda emTeu nome aqueles que Me deste, para que sejam um, assim comoNós." "Eu não rogo somente por estes, mas também por aqueles quepela Sua palavra hão de crer em Mim; para que todos sejam um." "Euneles, e Tu em Mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, epara que o mundo conheça que Tu Me enviaste a Mim, e que os tensamado a eles como Me tens amado a Mim." João 17:10-11, 20-21 e23. (AA, 24) Não é prova conclusiva de que um homem é cristão o manifestarele êxtases espirituais sob circunstâncias extraordinárias. Santidadenão é arrebatamento: é inteira entrega da vontade a Deus; é viverpor toda a palavra que sai da boca de Deus; é fazer a vontade denosso Pai celestial; é confiar em Deus na provação, tanto nas trevascomo na luz; é andar pela fé e não pela vista; é apoiar-se em Deuscom indiscutível confiança, descansando em Seu amor. (AA, 51)