Your SlideShare is downloading. ×
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
38. abismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

38. abismo

218

Published on

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
218
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 1| Apostila–Abismo ABISMO(Gen 1: 2; 7: 11; II Pe 3: 6; Gen 8: 2) Então "se romperam todas asfontes do grande abismo, e as janelas do céu se abriram". Gên. 7:11. Aágua parecia vir das nuvens em grandes cataratas. Os rios romperamos seus limites, e inundaram os vales. Jatos de água irrompiam daterra, com força indescritível, arremessando pedras maciças amuitos metros para o ar; e ao caírem, sepultavam-se profundamenteno solo. (PP, 99)Os homens excluíram a Deus de seu conhecimento, e adoraram ascriaturas de sua própria imaginação; e, como resultado, se tornarammais e mais desprezíveis. O salmista descreve o efeito que sobre oadorador de ídolos é produzido por tal culto. Diz ele: "Tornam-sesemelhantes a eles os que os fazem, e todos os que neles confiam."Sal. 115:8. É uma lei do espírito humano que, pelo contemplar, somostransformados. O homem não se elevará acima de suas concepçõessobre a verdade, pureza e santidade. Se o espírito nunca é exaltadoacima do nível da humanidade, se não é pela fé elevado a contemplar asabedoria e o amor infinitos, o homem estará constantemente asubmergir mais e mais. Os adoradores de deuses falsos vestiram suasdivindades com atributos e paixões humanas, e assim sua norma decaráter se degradou à semelhança da humanidade pecadora.Corromperam-se conseqüentemente. "Viu o Senhor que a maldade dohomem se multiplicara sobre a Terra, e que toda a imaginação dospensamentos de seu coração era só má continuamente." "A Terra,porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a Terrade violência." Gên. 6:5 e 11. Deus dera ao homem os Seusmandamentos, como regra da vida; mas Sua lei era transgredida, etodos os pecados imagináveis foram o resultado. A impiedade dohomem era franca e ousada, a justiça pisada no pó, e os clamores dosopressos chegava até o Céu.A poligamia fora logo introduzida, contrária às disposições divinas dadasao princípio. O Senhor dera a Adão uma só esposa, mostrando Sua
  • 2. A p o s t il a – A b is m o |2ordem a tal respeito. Mas, depois da queda, os homens preferiramseguir os seus próprios desejos pecaminosos; e, como resultado, ocrime e a miséria aumentaram rapidamente. Nem a relação docasamento nem os direitos de propriedade eram respeitados. Quemquer que cobiçasse as mulheres ou as posses de seu próximo, tomava-as pela força, e os homens exultavam com suas ações de violência.Deleitavam-se na destruição da vida de animais; e o uso da carne comoalimento tornava-os ainda mais cruéis e sanguinolentos, até que vierama considerar a vida humana com espantosa indiferença. (PP, 91 / 92) Ex 15: 5, 8; Jô 28: 14; 38: 16; 38: 30; 41: 32; Sl 30: 3; 33: 7; 36: 6; 42: 7; 69: 15; 71: 20; 77: 16; 78: 15; 88: 6; 104: 6; 107: 26; 135: 6; 148: 7; Prov. 3: 20; 8: 24; 8: 27; 8: 28; Isa 14: 15; 51: 10; 63: 13; Ez 26: 19; 31: 4; 31: 15; Amos 7: 4; Jonas 2: 5; Ml 1: 4; Hac 3: 10; Luc 8: 31; 16: 26; Rom 10: 7; II Cor 11: 25; Apoc 9: 1; 9: 11; 9: 2; 17: 8; 20: 1; 20: 3; Mat 6: 22, 23; Luc 11: 33 – 36; Mat 5: 14 -16; João 8: 12 Textos para comparação, Jó 34: 22; Isa 8: 22; 9: 2 50: 10; 59: 9; II Cor 6: 14 – 16; I João 1: 6.Ez 28: 13 – 15. “Mesmo depois de haverem recebido o mais plenoconhecimento, ter-se-ia renovado a dificuldade a qualquer questão deprecedência. Assim sobreviria ruína à igreja de Cristo depois de Suapartida. A luta pelo mais alto lugar era a operação do mesmoespírito que dera origem à grande controvérsia nos mundos decima, e trouxera a Cristo do Céu para morrer. Diante dEle surgiu avisão de Lúcifer, o "filho da alva", sobrepujando em glória a todosos anjos que rodeavam o trono, e ligado pelos mais íntimos laçosao Filho de Deus. Lúcifer dissera: "Serei semelhante ao Altíssimo"(Isa. 14:12 e 14); e o desejo de exaltação própria levara conflito àscortes celestiais, e banira uma multidão das hostes de Deus. Houvessena verdade Lúcifer desejado ser semelhante ao Altíssimo, e nunca teriaperdido o lugar que lhe fora designado no Céu; pois o espírito doAltíssimo manifesta-se em abnegado ministério.”Lúcifer desejava o poder de Deus, mas não o Seu caráter. Buscavapara si mesmo o mais alto lugar, e toda criatura que é movida por seuespírito fará o mesmo. Assim serão inevitáveis a separação, a discórdia
  • 3. 3| Apostila–Abismoe a contenda. O domínio torna-se o prêmio do mais forte. O reino deSatanás é um reino de força; cada indivíduo considera todos os outroscomo obstáculo no caminho de seu próprio progresso, ou um degrausobre o qual pode subir para chegar a uma posição mais elevada.Enquanto Lúcifer reputava o ser igual a Deus uma coisa de que sedevesse apoderar, Cristo, o Exaltado, "aniquilou-Se a Si mesmo,tomando a forma de servo, fazendo-Se semelhante aos homens; e,achado na forma de homem, humilhou-Se a Si mesmo, sendo obedienteaté à morte, e morte de cruz". Filip. 2:7 e 8 (DTN, 435 - 436)Era um ser admirável de poder e glória o que se pusera em oposição aDeus. De Lúcifer, diz o Senhor: "Tu és o aferidor da medida, cheiode sabedoria e perfeito em formosura." Ezeq. 28:12. Lúcifer fora oquerubim cobridor. Estivera à luz da presença divina. Fora o maiselevado de todos os seres criados, e o primeiro em revelar ao Universoos desígnios divinos. (DTN, 758)Lúcifer: Portador de luz, “aquele que brilha”, ou “aquele que tem a luz”.A palavra “sinete” em hebraico é KHAW THAN, que significa lacrado,selado, feito para um fim.A palavra “perfeição” no hebraico é TOKNITH: na medida certa, ouseja, no padrão ou soma das outras medidas, ele foi o padrão dasoutras medidas, não podia ser aberto.Dele emanava todo o conhecimento de Deus.ABISMO: Palavra que no hebraico é “TEHOWM”, que tem váriossignificados.O primeiro: é “Águas profundas”. Lembrando que água na Bíblia é umafigura de espírito ou mundo espiritual.O segundo: é sensações ruins de perigo ou angustia.O terceiro significado: é o oposto do Céu. Êxodo 15: 5, onde fala domar que cobre as pedras. Que também é significativo. Pois na verdadeestava falando do exercito de faraó que estava sendo coberto pelas aságuas do mar.
  • 4. A p o s t il a – A b is m o |4ABISMO. II Pe. 2: 4; “Pois Deus não poupou os anjos que pecaram,mas precipitou-os os nos abismos tenebroso do inferno, reservando-ospara o juízo.” Neste sentido é um sentido espiritual. Isto quer dizer queelos foram condenados a viver na eterna escuridão espiritual, até quechegue o dia de sua destruição. Ou seja, nunca mais poderão terconhecimento das coisas de Deus.Judas 6 “E quanto aos anjos que não conservaram sua primazia, masabandonaram sua morada, guardou-os presos em cadeias eternas, sobas trevas, para o julgamento do grande Dia.”Esses anjos foram criados para serem morada do espírito de Deus, ouseja, ter o Espírito de Deus, mas eles se rebelaram contra o SeuCriador, tendo um espírito do mal. (Luc 11: 33 – 36; Mat 6: 22 – 23; Mat5: 14 -16;João 8: 12; 9: 5)Gen 1: 2 “A terra estava deserta e vazia, as trevas cobriam o oceano eum vento impetuoso cobriam as águas.” Ou seja, um mundo espiritualde trevas. Que eram retidos pelo o poder do Espírito Santo.(Luc.1:31-35; 1Cor.15:22,44-48; Heb.4:15) – Sede cuidadosa,sumamente cuidadosa na forma em que vós ocupais da natureza deCristo. Não o apresenteis perante o povo como um homem comtendência ao pecado. Ele é o segundo Adão. O primeiro Adão foicriado como um ser puro e sem pecado, sem uma mancha depecado sobre ele; era a imagem de Deus. Podia cair e caiu pela atransgressão. Por causa do pecado sua posteridade nasceu comtendências inerentes á desobediência. Porem Cristo era o unigênitoFilho de Deus. Tomou sobre si a natureza humana, e foi tentado emtodo sentido como é tentada a natureza humana. Podia ter pecado;poderia ter caído porem em nenhum momento houve nele tendência aalgum mal. Foi assediado pelas as tentações no deserto como foi Adãopelas as tentações no Éden.” Gen 1: 2; Jô 41: 31; Sl 71: 20; Jô 41: 22-24. Ex 19: 16.“Abismo”, a RVR traduz como prisão, alguns MSS dizem “poço ou“abismo”.” A linguagem de Pedro é figurada, e não serve paraidentificar nenhum lugar especial como a morada dos anjoscaídos. Judas diz que os anjos estão guardados “debaixo daescuridão em algemas eternas”.
  • 5. 5| Apostila–Abismo“Poço de um lugar sem fundo”, “ou poço do abismo”. A palavra se usavarias vezes na LXX para traduzir a palavra hebréia tehom (ver com.Gen 1: 2, onde abussos representa o oceano primitivo). Em Jo 41: 31representa o mar em geral: no Sal 71: 20, as profundezas da terra. Oábussos é onde vive o levitam, segundo a LXX, cujo texto foi tirado daBJ. Eis aqui a descrição que aparece em Jô: faz do abismo uma panelaborbulhante, que exala sua brisa perfumada. Deixa atrás de sim umaesteira luminosa, o abismo dirá uma marca branca... Eis rei de todos osfilhos do orgulho (Jô 41: 23-24, 26 BJ), o poço do abismo se podeconsiderar como um símbolo das extensas regiões do deserto árebe, deonde saíram os seguidores de Mahome para estender suas conquistasem grandes regiões. Em resumo: abismo, quer dizer que é a terra e suas limitações pelo pecado, e assim como Cristo tem as chaves da porta da salvação o diabo tem as chaves da destruição. Gen 19: 28; Ex 19: 18; Joel 2: 2, 10; Apoc 8: 12; Joel 1: 11; Luc 8: 31.POÇO DO ABISMOESCURECEU-SE. Cf com. cap. 6: 12; Isa 13: 10; Ez 32: 7; Jl 2: 31; Mat24: 29; Mar 13: 24-25; Luc 21: 25; Apoc 8: 12) a escuridão é tambémcaracterística da quinta praga (cap.16: 10). O escurecimento do sol podese considerar, com, respeito aos mulçumanos, como o escurecimentodo sol do cristianismo. Tal foi o efeito da propagação da religiãoislâmica. Este escurecimento do Sol pode se considerar como umescurecimento espiritual. Mais precisamente com apostasia daigreja.Que a expressão "abismo" representa a Terra em estado de confusão etrevas, é evidente de outras passagens. Relativamente à condição daTerra "no princípio", o relato bíblico diz que "era sem forma e vazia; ehavia trevas sobre a face do abismo". Gên. 1:2. A profecia ensina queela voltará, em parte ao menos, a esta condição. (GC, 658)O profeta Isaías, vendo antecipadamente o tempo da queda deSatanás, exclama: "Como caíste do Céu, ó estrela da manhã, filha daalva! como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações! E tu
  • 6. A p o s t il a – A b is m o |6dizias no teu coração: Eu subirei ao Céu, acima das estrelas de Deusexaltarei o meu trono. ... Serei semelhante ao Altíssimo. E contudolevado serás ao inferno, ao mais profundo do abismo. Os que te viremte contemplarão, considerar-te-ão, e dirão: É este o varão que faziaestremecer a Terra, e que fazia tremer os reinos? Que punha o mundocomo um deserto, e assolava as suas cidades? que a seus cativos nãodeixava ir soltos para suas casas?" (Isa. 14:12-17; Apoc 8: 10; Apoc 12:7-9 (GC, 659) (Apoc 8: 13; 14: 6; 19: 17; 9: 12; 11: 14; 12: 12; 3: 10)9.1. O domínio do papado, quando satanás teve total controle sobre aigreja e foi lhe dado todo poder. Apoc 8: 10; Isa 14: 12; Luc 8: 31. Aquiem (Luc 8: 31), os demônios ficam com medo de Cristo lhesproíbam de aproximar dos homens para continuar sua obrar deatormentar. (Apoc 8: 13); águia símbolo de visão espiritual esclarecida,alguém com visão espiritual, estaria tocando as trombeta (trêsmensagens angélicas juntas) e que seria desmascarados os demôniose Satanás estaria agindo com todo poder de engano (14: 6; 19: ) aquipode se dizer como EGW, “Vi o terceiro anjo...). justamente ao serdesmascarada toda apostasia, um poder religioso (mulher, querepresenta igreja) estaria vivendo no espírito dos sete períodos da eracristã, só que da maldade (17; 9); o povo de Deus vencerá por causa damorte de Cristo (12; 11) aqui vemos a perseverança dos santos (14; 12)pouco tempo lhe resta, pode denotar os últimos momento da historia daterra (12: 12), ao mesmo tempo que terá um acumulo do mal, tambémum acumulo do bem (3: 10).O QUINTO ANJO.Período da igreja de Tiatira, a primeira advertência com Lutero ( GC,211) A quinta trombeta o primeiro “ai”, que apresenta nos vers 1-12 (vercap. 8: 13; um nascimento da luz da Palavra de Deus “Isto é Haja Luz”depois de um grande período de trevas espirituais.cf. cap. 9: 13-14;temos Guilherme Miller dando inicio a mensagem do terceiro anjo, quecomo movimento são quatro, fechando com Apoc 18. altar de ouro. Umpovo cheio de conhecimento, com quatro chifres, um povo unido, queformarão um quadrado perfeito. Ex 30: 1-3)
  • 7. 7| Apostila–AbismoUMA ESTRELA QUE CAIU.Ou “uma estrela que havia caído”. Esta estrela não se vê cair, como aque se menciona na terceira trombeta (cap. 8: 10 se apresentam comose já tenha caído sobre a terra). Isa 14: 12; Apoc 8: 10. temos que vêque a expressão do profeta é como se ele estivesse no período daqueda, ele participava, descubra que período?É interessante notar que afigura de uma estrela caída aparece tambémna literatura apocalíptica judia, para descrever a Satanás como umaestrela que caiu do céu (Enoc Etiópico 88).SE LHE DEU.O poder representado pela a chave não era intrinsecamente seu, lhe foiconcedido por um poder superior ao seu.A CHAVE.A posição da chave significa poder para abrir e para fechar (Apoc 3: 7;cf. Mat. 16: 19)9.3 Ex 10: 12-15, 5, 10; Eze 2: 6; Luc 10: 19; 11: 12.GAFANHOTOS.Esta praga recorda a praga dos gafanhotos que arrasou o Egito (Exo 10:3-15). Aqui temos uma luta espiritual, entre um chamado para o povoservir a Deus e um poder apostata se passando por Deus.Aqui deve ser a morada de Satanás com seus anjos maus, durante milanos. Aqui estará ele circunscrito, para errar para cá e acolá, sobre arevolvida superfície da Terra, e para ver os efeitos de sua rebeliãocontra a lei de Deus. Durante mil anos, ele poderá consumir o fruto damaldição, que ele determinou. Restrito apenas à Terra, Satanás nãoterá o privilégio de percorrer outros planetas para tentar e molestaros que não caíram. Durante esse tempo, Satanás sofre extremamente.Desde a queda, suas más características têm estado em constanteexercício. Mas deve ele então ser despojado de seu poder e deixado arefletir na parte que desempenhou desde sua queda, e aguardar comtremor e terror o terrível futuro, em que deverá sofrer por todo o mal que
  • 8. A p o s t il a – A b is m o |8perpetrou, e ser castigado por todos os pecados que fez com quefossem cometidos (MM, Fé Pela a Qual eu Vivo, 353).Ao espírito de Jesus apresentaram-se as cenas do passado e dofuturo. Contemplou Lúcifer, ao ser no princípio expulso dos lugarescelestiais. Viu antecipadamente as cenas de Sua própria agonia,quando, perante todos os mundos, havia de revelar-se o caráterdo enganador. Ouviu o brado: "Está consumado" (João 19:30),anunciando estar para sempre assegurada a redenção da raçaperdida e achar-se eternamente a salvo das acusações, enganos epretensões de Satanás. (DTN, 490)Julgaremos AnjosNão sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais às coisaspertencentes a esta vida? I Cor. 6:3.Durante os mil anos entre a primeira e a segunda ressurreição, ocorreráo julgamento dos ímpios. ... Nessa oportunidade os justos reinarãocomo reis e sacerdotes diante de Deus. João, em Apocalipse, diz: "Vitronos; e assentaram-se sobre eles aqueles a quem foi dado opoder de julgar. ... Serão sacerdotes de Deus e de Cristo e reinarãocom Ele mil anos." Apoc. 20:4 e 6. É nesse tempo que, conforme foipredito por Paulo, "os santos hão de julgar o mundo". I Cor. 6:2.Em união com Cristo julgam os ímpios, comparando seus atoscom o código - a Escritura Sagrada, e decidindo cada casosegundo as ações praticadas no corpo. Então é determinada a parteque os ímpios devem sofrer, segundo suas obras; e registrada em frenteao seu nome, no livro da morte.Igualmente Satanás e os anjos maus serão julgados por Cristo e Seupovo. Diz Paulo: "Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos?" ICor. 6:3. E Judas declara que "aos anjos que não guardaram o seuprincipado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou naescuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia". Jud. 6.Ao fim dos mil anos ocorrerá a segunda ressurreição. Então os ímpiosressuscitarão dos mortos, comparecendo perante Deus para aexecução do "juízo escrito". Assim, o escritor do Apocalipse, depois dedescrever o ressurgir dos justos, diz: "Mas os outros mortos nãoreviveram, até que os mil anos se acabaram." Apoc. 20:5. A respeito dos
  • 9. 9| Apostila–Abismoímpios Isaías declara: "Serão amontoados como presos numamasmorra, e serão encerrados em um cárcere, e serão visitados depoisde muitos dias." Isa. 24:22. (O Grande Conflito, págs. 660 e 661)A penalidade da quebra da lei de Deus é proporcional ao preço pagopara remir seu transgressor. Que indizível felicidade aguarda os queserão salvos por meio de Cristo, e que profundezas de infortúnio aosque desprezam e rejeitam Sua grande salvação! Signs of the Times, 24de outubro de 1906. (MM, Fé Pela a Qual eu Vivo, 353) 15 de dezembroEm tudo ao seu redor via o apóstolo testemunhas do dilúvio queinundara a Terra porque seus habitantes se aventuraram a transgredir alei de Deus. As rochas que irromperam da Terra e do grande abismopelo irromper das águas, traziam-lhe vividamente ao espírito os terroresdaquele terrível derramamento da ira de Deus. Na voz de muitas águas- abismo chamando abismo - o profeta ouvia a voz do Criador. O mar,açoitado pela fúria de impiedosos ventos, representava para ele a ira deum Deus ofendido. As poderosas ondas, em sua terrível comoção,mantidas em seus limites por mão invisível, falavam do controle de umpoder infinito. E em contraste considerava a fraqueza e futilidade dosmortais que, embora vermes do pó, gloriam-se em sua supostasabedoria e força, e colocam o coração contra o Governador doUniverso, como se Deus fosse igual a eles. As rochas lhe lembravamCristo, a Rocha de sua fortaleza, em cujo abrigo podia ele refugiar-sesem temor. Do exilado apóstolo sobre o rochedo de Patmos subiampara Deus os mais ardentes anseios de alma, as mais ferventesorações. (AA, 572)Erguei diante dos perdidos e desolados o Salvador que perdoa ospecados, pois fez divina intercessão em favor deles. Ele é capaz deerguê-los do abismo do pecado, para que sejam reconhecidos comofilhos de Deus, herdeiros com Cristo de uma herança imortal. Elespodem ter a vida que se mede com a vida de Deus. Review and Herald,11 de abril de 1912. (BS, 92 e 93)É-nos impossível, por nós mesmos, escapar ao abismo do pecado emque estamos mergulhados. Nosso coração é ímpio, e não o podemostransformar. "Quem do imundo tirará o puro? Ninguém!" Jó 14:4. "Ainclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei deDeus, nem, em verdade, o pode ser." Rom. 8:7. A educação, a cultura, oexercício da vontade, o esforço humano, todos têm sua devida esfera de
  • 10. A p o s t i l a – A b i s m o | 10ação, mas neste caso são impotentes. Poderão levar a umprocedimento exteriormente correto, mas não podem mudar o coração;são incapazes de purificar as fontes da vida. É preciso um poder queopere interiormente, uma nova vida que proceda do alto, antes que oshomens possam substituir o pecado pela santidade. Esse poder éCristo. Sua graça, unicamente, é que pode avivar as amortecidasfaculdades da alma, e atraí-la a Deus, à santidade. Disse o Salvador:"Aquele que não nascer de novo"- não receber um novo coração, novosdesejos, propósitos e motivos, que conduzem a uma nova vida - "nãopode ver o reino de Deus." João 3:3. (CC, 18)É este o mesmo quadro ao qual Se referiu Cristo em Sua palestra comNatanael, quando disse: "Vereis o Céu aberto e os anjos de Deussubirem e descerem sobre o Filho do Homem." João 1:51. Apostatando,o homem alienou-se de Deus; a Terra foi separada do Céu. Através doabismo existente entre eles, não podia haver comunicação. Mas porCristo a Terra foi de novo ligada ao Céu. Com Seus próprios méritos,Cristo lançou uma ponte através do abismo que o pecado cavara, demaneira que os anjos ministradores podem manter comunhão com ohomem. Cristo une o homem caído, em sua fraqueza e desamparo, àFonte de infinito poder. (CC, 20)Graças a Deus pelos quadros luminosos que nos tem apresentado!Enfeixemos todas as benditas promessas de Seu amor, a fim de sobreelas poder deter continuamente o olhar. O Filho de Deus, deixando otrono do Pai, revestindo Sua divindade com a natureza humana a fim devir resgatar o homem do poder de Satanás; o triunfo que obteve emnosso favor, abrindo ao homem a porta do Céu, revelando aos olhoshumanos a câmara onde a Divindade manifesta Sua glória; a raçacaída erguida do abismo da ruína em que o pecado a submergira, enovamente posta em ligação com o infinito Deus, e depois de resistir àdivina prova mediante a fé em seu Redentor, revestida da justiça deCristo, e exaltada a Seu trono - eis os quadros que o Senhor deseja quecontemplemos. (CC, 118)Nesse dia romperam-se todas a fontes do grande abismo, e ascomportas dos céus se abriram. Gên. 7:11. (MM, CT, 61)Agora descobrimos que as ameias podem ser alcançadas, que Deusestá acima da escada e espera, de braços estendidos, para ajudar todapessoa que entrar no reino eterno de nosso Deus. Louvem-Lhe o santo
  • 11. 11 | Apostila–Abismonome! Habitantes da Terra, louvem-nO! Por quê? Porque por intermédiode Jesus Cristo - cujo longo braço humano envolve a raça, enquantocom Seu divino braço alcança o trono do Todo-Poderoso - é o abismotransposto com seu próprio corpo; e este átomo de mundo, que seseparou do continente do Céu pelo pecado e se tornou uma ilha, énovamente reintegrado porque Cristo transpôs o abismo - Cristo éa ponte! (MM, CT, 85)Pela transgressão, o mundo se divorciou do Céu. Cristo transpôs oabismo e ligou a Terra ao Céu. Com a natureza humana, manteve apureza de Seu caráter divino. Viveu a lei de Deus e honrou-a nummundo de transgressão, revelando aos mundos não caídos, ao universocelestial, a Satanás e a todos os caídos filhos e filhas de Adão que,mediante Sua graça, a humanidade pode guardar a lei de Deus! Ele veiopartilhar Sua própria natureza divina, Sua própria imagem com a pessoaarrependida e crente. Manuscrito 20, 1898 (Manuscript Releases, vol. 8,págs. 39-41). (MM, CT, 245)Um dos planos divinos para o desenvolvimento é a comunicação. Ocristão deve adquirir forças, fortalecendo a outros. "O que regar tambémserá regado." Prov. 11:25. Isso não é somente uma promessa; é uma leidivina, uma lei pela qual Deus designa que as correntes debenevolência, como as águas do grande abismo, sejam postas emconstante circulação, refluindo à sua fonte. No cumprimento a essa leiestá o segredo do crescimento espiritual. .. (MM, Cuidado de Deus, 250)O ódio existente entre judeus e samaritanos impedia a mulher deoferecer um obséquio a Jesus; o Salvador, porém, buscava a chavepara esse coração, e com o tato nascido do divino amor, pediu, nãoofereceu um favor. O oferecimento de uma gentileza poderia haver sidorejeitado; a confiança, no entanto, desperta confiança. O Rei do Céuchegou a essa desprezada alma, pedindo um serviço de suas mãos.Aquele que fizera o oceano, que rege as águas do grande abismo,e abre as fontes e rios da terra, repousou de Sua fadiga junto ao poçode Jacó, e esteve na dependência da bondade de uma estranha atéquanto à dádiva de um pouco de água. (DTN, 184)Foi a uma pequena distância deles - não tão afastado que O nãopudessem ver e ouvir - e caiu prostrado por terra. Sentia que, pelopecado, estava sendo separado do Pai. O abismo era tão largo, tãonegro, tão profundo, que Seu espírito tremeu diante dele. Para escapar
  • 12. A p o s t i l a – A b i s m o | 12a essa agonia, não deve exercer Seu poder divino. Como homem,cumpre-Lhe sofrer as conseqüências do pecado do homem. Comohomem, deve suportar a ira divina contra a transgressão. (DTN, 686)Jesus, precioso Salvador! Podemos estudar o amor do Pai em que Eledeu Seu querido Filho para morrer por um mundo caído. Ao estudarmosesse amor inexprimível à luz da cruz do Calvário, enchemo-nos deadmiração e assombro. Vemos misericórdia, ternura e perdãomesclados harmoniosamente com justiça, dignidade e poder. Jesusordena que o pecador olhe para Ele e viva. "Eu - diz Ele - encontrei umresgate." O abismo da perdição aberto pelo pecado é transpostopela cruz do Calvário. Pessoas arrependidas e crentes podem verum Pai perdoador reconciliando-nos consigo mesmo por meio dessacruz do Calvário. (MM, Este Dia com Deus, 174)Entre o mundano e o que serve fielmente a Deus, acha-se um grandeabismo. Seus pensamentos e simpatias e sentimentos quanto aos maismomentosos assuntos - Deus e a verdade e a eternidade - não seacham em harmonia. Uma classe está amadurecendo como o trigo parao celeiro de Deus; a outra como joio para o fogo da destruição. Comopode haver unidade de objetivo ou de ação entre eles? "Não sabeis vósque a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquerque quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus." Tia. 4:4."Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou há de odiar um eamar o outro ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeisservir a Deus e a Mamom." Mat. 6:24. Should Christians Be Members ofSecret Societies?, págs. 3-10. (Evangelismo 620)O grande abismo posto entre ele e Abraão era o abismo dadesobediência. Muitos há hoje em dia que estão seguindo a mesmatrilha. Embora membros da igreja, não são conversos. Podem tomarparte no culto religioso e cantar o salmo: "Como o cervo brama pelascorrentes das águas, assim suspira a minha alma por Ti, ó Deus!" (Sal.42:1) porém, dão testemunho de falsidade. Aos olhos de Deus, não sãomais justos que o maior pecador. O que se alegra com prazeresmundanos, que ama a ostentação, não pode servir a Deus. Como o ricoda parábola, essa pessoa não tem pendor para combater os prazeresda carne. Anseia satisfazer o apetite. Escolhe a atmosfera do pecado.Repentinamente é arrastado pela morte e baixa ao túmulo com o caráterformado durante a vida em parceria com os agentes satânicos. Na cova
  • 13. 13 | Apostila–Abismonão tem a possibilidade de escolher nada, seja bom ou mau; porquequando o homem morre, sua memória perece. (Sal. 146:4; Ecl. 9:5 e 6.)Aprender de Cristo significa receber Sua graça, que é Seu caráter. Masos que não apreciam nem aproveitam as preciosas oportunidades esagradas influências a eles concedidas na Terra, não estão qualificadospara tomar parte na pura devoção do Céu. Seu caráter não estámoldado segundo a semelhança divina. Por sua própria negligênciaabriram uma voragem que nada pode transpor. Entre eles e o justo estáposto um grande abismo. (PJ, 269 e 270)INFERNOMas Aquele que havia de sofrer a morte às mãos de homens vis, deviaressurgir como conquistador sobre o pecado e sobre a sepultura. Sob ainspiração do Todo-poderoso, o suave cantor de Israel havia testificadodas glórias da manhã da ressurreição. "Também a Minha carne",proclamou jubiloso, "repousará segura. Pois não deixarás a Minha almano inferno [a sepultura], nem permitirás que o Teu Santo vejacorrupção." Sal. 16:9 e 10. (AA, 227)Em comparação com os milhões do mundo, o povo de Deus será, comotem sido sempre, um pequeno rebanho; mas se permanecerem naverdade como revelada em Sua Palavra, Deus será seu refúgio.Permanecerão sob o amplo abrigo da Onipotência. Deus é sempre amaioria. Quando o som da última trombeta penetrar a prisão dos mortos,e os justos saírem triunfantes, exclamando: "Onde está, ó morte, o teuaguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória" (I Cor. 15:55), parapermanecerem então com Deus, com Cristo, com os anjos e com osleais e fiéis de todos os tempos, os filhos de Deus serão a grandemaioria. (AA, 590)HAJA LUZO protesto de Espira e a Confissão de Augsburgo, que assinalaram avitória da Reforma na Alemanha, foram seguidos de anos de conflitos etrevas. Enfraquecido por divisões entre seus mantenedores, atacado porpoderosos inimigos, o protestantismo parecia destinado a ser totalmentedestruído. Milhares selaram seu testemunho com o próprio sangue.Irrompeu a guerra civil; a causa protestante foi traída por um de seus
  • 14. A p o s t i l a – A b i s m o | 14principais adeptos; os mais nobres dos príncipes reformados caíram nasmãos do imperador e foram, de cidade em cidade, arrastados comocativos. Mas, no momento de seu triunfo aparente, foi o imperadorafligido com a derrota. Viu a presa arrancada ao seu poder, sendo, porfim, obrigado a conceder tolerância às doutrinas cuja destruição fora oanelo de sua vida. Pusera em risco o reino, seus tesouros e a própriavida, no intuito de esmagar a heresia. Via agora os exércitos assoladospelas batalhas, os tesouros exauridos, seus muitos reinos ameaçadosde revolta, enquanto, por toda parte, a fé que em vão se esforçara porsuprimir, estava a estender-se. Carlos V estivera a batalhar contra oPoder onipotente. Deus dissera: "Haja luz", mas o imperador haviaprocurado perpetuar as trevas. Falhara o seu propósito; e,prematuramente envelhecido e consumido pela longa luta, abdicou otrono e sepultou-se em um claustro. (GC, 211)O Senhor designa que a luz que Ele nos deu sobre as Escriturasresplandeça com raios claros e brilhantes; e é o dever de nossoscolportores fazer um esforço forte e unido para que o desígnio de Deusseja cumprido. Uma grande e importante obra está diante de nós. Oinimigo das almas reconhece isto, e está empregando todos os meiosem seu poder para levar o colportor a buscar algum outro ramo detrabalho. Este estado de coisas deve mudar-se. Deus chama oscolportores a voltar à obra. Ele chama voluntários que ponham na obratodas as energias e conhecimentos, ajudando onde quer que hajaoportunidade. O Mestre chama a cada um para fazer a parte que lhe foidada, segundo sua habilidade. Quem responderá ao chamado? Quemsairá para trabalhar na sabedoria, na graça e amor de Cristo pelos queestão perto e longe? Quem quererá sacrificar a comodidade e o prazer,e entrar nos lugares do erro, da superstição e das trevas, trabalhandozelosa e perseverantemente, falando a verdade em simplicidade, orandoem fé, fazendo o trabalho de casa em casa? Quem neste tempo quererásair fora do arraial, imbuído do poder do Espírito Santo, levando o injúriapor amor de Cristo, abrindo as Escrituras ao povo e chamando-o aoarrependimento? (Comportor Evagelista, 13)Ao passo que há necessidade de completa pesquisa da Palavra deDeus, para que se descubra a verdade, trazendo-a à luz, devemosguardar-nos de que o espírito de controvérsia nos domine em nossadiscussão das lições da Escola Sabatina. Ao apresentar-se um pontosobre o qual haja divergência de opinião, os que procuram compreender
  • 15. 15 | Apostila–Abismoa Palavra de Deus devem manifestar a graça de Cristo. A fim de quetodos saibam por si mesmos o que é a verdade, deve haver liberdadepara franca pesquisa. Entre os alunos da Escola Sabatina, deve existirum espírito de pesquisa, a fim de que os que têm idade suficiente paradiscernir evidências, sejam animados a buscar novos raios de luz eapreciar tudo o que Deus enviar a Seu povo. Nunca se há de patenteara luz que Deus deseja dar a Seu povo, a menos que haja diligenteexame da Palavra da verdade. (CSES, 27)Um dilúvio de luz está irradiando da Palavra de Deus, e é precisoque haja um despertamento para oportunidades negligenciadas.Quando todos forem fiéis em devolver a Deus o que a Ele pertence emdízimos e ofertas, abrir-se-á o caminho para que o mundo ouça amensagem para este tempo. Se o coração do povo de Deus seenchesse do amor de Cristo; se cada membro de igreja fosseinteiramente imbuído do espírito de sacrifício; se todos manifestassemcompleto fervor, não haveria falta de fundos para as missões nacionaisou estrangeiras. Nossos recursos seriam multiplicados; mil portas deutilidade se abririam e nós seríamos convidados a entrar. Tivesse sido opropósito de Deus em dar ao mundo a mensagem de misericórdiaexecutado por Seu povo, e Cristo já poderia ter vindo à Terra e ossantos já teriam recebido as boas-vindas na cidade de Deus.Testimonies, vol. 6, pág. 450.Deixai vossa luz brilhar em boas obras. Disse Cristo: "Vós sois osal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar osabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisadopelos homens." Mat. 5:13. Temo que haja muitos nessa condição.Nem todos têm a mesma obra a fazer; circunstâncias e talentosdiferentes qualificam os indivíduos para diferentes tipos de trabalhona vinha do Senhor. Há alguns que ocupam cargos de maisresponsabilidade do que outros, mas a cada um é designado umtrabalho, e o indivíduo que o executa com fidelidade e zelo, é um fielmordomo da graça de Deus. (MM, Cuidado de Deus, 321)O decidido propósito de Satanás é interromper todas ascomunicações entre Deus e Seu povo, para que possa praticar osseus enganosos ardis sem que haja uma voz para adverti-los doperigo. Ele sabe que, se puder levar os homens a duvidarem domensageiro, ou a não considerarem a verdade como sagrada, eles
  • 16. A p o s t i l a – A b i s m o | 16não se sentirão na obrigação de atender à palavra de Deus a seurespeito. E quando a luz é rejeitada como se fosse trevas, Satanásconseguiu o que queria. (MM, Exaltai-o, 362)EXÉRCITO Gen 2: 1; Num 33: 1; Jos 5: 14; II Sam 7: 26; II Reis 25: 5; I Cr 12: 22; Sl 24: 10; 27: 3; 44: 9; Isa 1: 9; 8: 13; Joel 2: 25.Os principados e potestades do Céu estão observando a luta em que,sob circunstâncias aparentemente desanimadoras, os servos de Deusse acham empenhados. Novas conquistas estão sendo conseguidas,novas honras ganhas, ao saírem os cristãos arregimentados em tornoda bandeira de seu Redentor, para combater o bom combate da fé.Todos os anjos celestiais estão ao serviço do humilde e crente povo deDeus; e, ao entoar o exército de obreiros do Senhor, seus cânticos delouvor aqui na Terra, o coro celestial une-se com eles no louvor a Deuse a Seu Filho. (AA, 154)Lúcifer, no Céu, desejou ser o primeiro em poder e autoridade; queriaser Deus, ter o governo do Céu; e para esse fim conquistou para o seulado muitos dos anjos. Quando, com seu exército rebelde, foi lançadofora das cortes de Deus, continuou na Terra a obra de rebelião einteresse egoísta. Mediante a tentação, a condescendência com opróprio eu e a ambição, Satanás levou a efeito a queda de nossosprimeiros pais; e desde então até ao presente, a satisfação dasambições humanas e a condescendência com esperanças e desejosegoístas se têm demonstrado a ruína da humanidade. (CPPE, 32 e 33)Os alunos que professam amar a Deus e obedecer à verdade, devempossuir tal grau de domínio próprio e resistência de princípios religiososque sejam habilitados a permanecer inabaláveis em meio das tentações,e a defenderem a Cristo no colégio, nas casas que se achamhospedados, ou onde quer que estejam. A religião não é para ser usadameramente como uma capa, na casa de Deus; antes, os princípiosreligiosos devem caracterizar toda a vida. Os que bebem da fonte davida, não manifestarão, à semelhança dos mundanos, ansioso desejode variações e de prazer. Em sua conduta e caráter ver-se-ão osossego, a paz e a felicidade que encontraram em Jesus mediante odepositar-Lhe aos pés, dia-a-dia, suas perplexidades e preocupações.
  • 17. 17 | Apostila–AbismoMostrarão que há contentamento e mesmo alegria no caminho daobediência e do dever. Esses exercerão sobre os colegas umainfluência que se fará sentir na escola inteira. Os que compõemesse fiel exército serão um refrigério e fortalecimento para osprofessores e dirigentes em seus esforços, contrariando todaespécie de infidelidade, de discórdia e negligência no que concerne acooperar com os regulamentos. Sua influência será salvadora, e nogrande dia de Deus suas obras não perecerão, mas segui-los-ão nomundo por vir; e a influência de sua vida aqui falará através dosséculos sem fim da eternidade. Um jovem sincero, consciencioso, fielna escola, é inestimável tesouro. Os anjos do Céu contemplam-nocom amor. O precioso Salvador o ama, e no livro do Céu registrarátoda obra de justiça, cada tentação resistida, todo mal subjugado. Eleestará assim depositando um bom fundamento contra o tempo quehá de vir, de modo a lançar mão da vida eterna. (CSE, 46 e 47)Obediência a toda palavra de Deus é outra condição de sucesso. Asvitórias não são alcançadas por meio de cerimônias ou ostentação, masmediante a simples obediência ao mais exaltado General, o SenhorDeus do Céu. Aquele que confia neste Líder jamais conhecerá aderrota. Esta vem em conseqüência da confiança em métodos e planosdo homem, deixando o divino em segundo lugar. Obediência era alição que o Capitão dos exércitos do Senhor procurou ensinar aoextenso exército de Israel - obediência naquilo em que não podiam vernenhum sucesso. Quando houver obediência à voz de nosso Líder,Cristo conduzirá Suas batalhas de tal modo que surpreenderá osmaiores poderes da Terra. (CSE, 126)Satanás, com todo o seu exército, está no campo de batalha. Ossoldados de Cristo devem agora se reunir em torno da bandeiraensangüentada de Emanuel. Em nome do Senhor, deixai a bandeiranegra do príncipe das trevas, e assumi vossa posição com o Príncipe doCéu. (Cristo em Seu Santuário, 13)Satanás, com todo o seu exército, está no campo de batalha. Ossoldados de Cristo devem agora se reunir em torno da bandeiraensangüentada de Emanuel. Em nome do Senhor, deixai a bandeiranegra do príncipe das trevas, e assumi vossa posição com o Príncipedo Céu. (Cristo em Seu Santuário,13)
  • 18. A p o s t i l a – A b i s m o | 18A debilidade humana encontrará força e ajuda sobrenatural pararealizar os atos da Onipotência em cada severo conflito; e aperseverança na fé e a confiança perfeita em Deus garantirão osucesso. Embora a confederação do mal esteja disposta contra Seupovo, Ele ordena que sejam corajosos e fortes e lutem bravamente,pois têm um Céu a ganhar, e têm mais de um anjo em suas fileiras -o poderoso General dos exércitos lidera as hostes do Céu. Comopor ocasião da tomada de Jericó, ninguém entre os exércitos deIsrael pôde gabar-se de exercer sua força finita para derribar osmuros daquela cidade, mas o Capitão do exército do Senhorplanejou a batalha com grande simplicidade, a fim de que apenas oSenhor Deus recebesse a glória e os mortais não se exaltassem.Deus nos tem prometido todo o poder. (MM, CT, 135)Quando Josué saiu pela manhã antes de tomar Jericó, apareceu-lheum guerreiro totalmente aparelhado para a batalha. E Josuéperguntou: "És tu dos nossos, ou dos nossos inimigos?" e elerespondeu: "Não, mas venho agora como príncipe do exército doSenhor." Jos. 5:13 e 14. Houvessem os olhos de Josué sidoabertos... e pudesse ele suportar a visão, e teria visto os anjos doSenhor acampados em torno dos filhos de Israel; pois o treinadoexército celestial viera combater pelo povo de Deus, e o Capitão doexército do Senhor ali estava para comandar. ... Não foi Israel, mas oCapitão do exército do Senhor que tomou Jericó. Mas Israel tinha suaparte a desempenhar para mostrar sua fé no Capitão de suasalvação. (MM, Filhos e Filhas de Deus, 160; Jos. 5: 13- 15)Quando Josué se afastou dos exércitos de Israel, para meditar e pedir aDeus que Sua presença especial o acompanhasse, viu um homem deestatura elevada, em vestes guerreiras, com uma espadadesembainhada na mão. Josué não o reconheceu como alguém dosexércitos de Israel, mas não tinha aparência de ser inimigo. Em seu zeloacercou-se dele e perguntou: "És tu dos nossos, ou dos nossosinimigos? E disse Ele: Não, mas venho agora como Príncipe doexército do Senhor. Então Josué se prostrou sobre o seu rosto naterra, e O adorou, e disse-Lhe: Que diz meu Senhor ao Seu servo?Então disse o Príncipe do exército do Senhor a Josué: Descalça ossapatos de teus pés, porque o lugar em que estás é santo. E fez Josuéassim." Jos. 5:13-15. (HR, 178)
  • 19. 19 | Apostila–AbismoAo longo da vida, teremos nossos conflitos com os poderes dastrevas e obteremos preciosas vitórias. Nossos olhos devem manter-se fixos no alvo, no prêmio. Quando Josué subiu do Jordão paratomar Jericó, encontrou um Ser majestoso, a quem de imediatodesafiou: "És Tu dos nossos ou dos nossos adversários?" A respostafoi: "Sou príncipe do exército do Senhor e acabo de chegar. ...Descalça as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás ésanto." Jos. 5:13-15. Não Josué, o líder de Israel, mas o próprioCristo empreendeu a obra de tomar Jericó. (MM, CT, 134)Quando Josué saiu uma manhã pouco antes da tomada de Jericó,apareceu perante ele um guerreiro completamente equipado parabatalha. E Josué, perguntou-lhe: "És tu dos nossos ou dos nossosinimigos?" Jos. 5:13. Ele respondeu: "Venho agora como Príncipe doexército do Senhor." Jos. 5:14. Se os olhos de Josué tivessem sidoabertos como foram os do servo de Eliseu em Dotã, e ele pudessesuportar a cena, teria visto os anjos do Senhor acampados em voltados filhos de Israel; porque o treinado exército do Céu tinha vindopara lutar pelo povo de Deus, e o Capitão do exército do Senhorestava no comando. Quando Jericó caiu, nenhuma mão humanatocou os muros da cidade, pois os anjos do Senhor derrubaram asfortificações e entraram nas fortalezas do inimigo. Não foi Israel, maso Capitão do exército do Senhor quem tomou Jericó. Mas Israel tevesua parte a desempenhar a fim de mostrar fé no Capitão de suasalvação. (MM, Vidas Que Falam, 174)Vi em visão dois exércitos em terrível conflito. Um deles ostentava emsuas bandeiras as insígnias do mundo; guiava o outro a bandeiramanchada de sangue do Príncipe Emanuel. Estandarte após estandarteera arrastado no chão, à medida que companhia após companhia doexército do Senhor se juntava ao inimigo, e tribo após tribo das fileirasdo adversário se unia ao povo de Deus que guarda os mandamentos.Um anjo que voava pelo meio do céu pôs o estandarte de Emanuel emmuitas mãos enquanto um forte general bradava em alta voz: "Perfilai-vos! Tomem agora posição os que são leais aos mandamentos de Deuse ao testemunho de Cristo. Saí do meio deles e apartai-vos, diz oSenhor; e não toqueis nada imundo, e Eu vos receberei; e Eu serei paravós Pai e vós sereis para Mim filhos e filhas. Venham todos quantosqueiram acudir em socorro do Senhor, em socorro do Senhor contra osvalentes." (Vida e Ensino, 228)
  • 20. A p o s t i l a – A b i s m o | 20Aqui dois exércitos estavam em combate, o exército do Céu e oexército de falsos zelotes religiosos. De que lado se colocariaesse grupo dali para a frente? Ainda era possível que searrependessem e fossem perdoados, mesmo depois de teremcometido esse terrível mal contra Cristo na pessoa de Seu santo.Manuscrito 11, 1900 (MM, CT, 306)Andemos nas pegadas de Cristo com toda a humildade de verdadeirafé. Afastemos toda a confiança em nós mesmos, entregando-nos dia adia e hora após hora ao Salvador, constantemente recebendo ecomunicando Sua graça. Solicito que os que professam crer em Cristoandem humildemente diante de Deus. O orgulho e a exaltação própriasão-Lhe uma ofensa. "Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo senegue, tome a sua cruz e siga-Me." Mat. 16:24. Unicamente os queobedecem a essa ordem serão reconhecidos como Seus crentes. "Atodos quantos O receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos deDeus, a saber, aos que crêem no Seu nome; os quais não nasceram dosangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas deDeus." João 1:12 e 13. "E o Verbo Se fez carne e habitou entre nós."João 1:14. Oh! que maravilhosa condescendência! O Príncipe do Céu,o Comandante do exército celestial desceu de Sua alta posição,depôs Sua vestimenta real e Sua majestosa coroa, e revestiu dehumanidade a Sua divindade, para que pudesse tornar-Se o divinoMestre de todas as classes de homens e levar diante dos sereshumanos uma vida isenta de todo egoísmo e pecado, dando-lhes umexemplo do que, mediante Sua graça, eles podem tornar-se. (MM,Cuidado de Deus, 287)Pudessem todos ver a Cristo perante o trono, esperando por suasorações, esperando que se submetam à Sua vontade, que cessem suarebelião e voltem à aliança com Deus, em profunda penitência, orariamao Pai por perdão pelas transgressões da Sua lei, e pela lei de Jeová.As confederações do exército do inimigo estão triunfantes com essademora. Permanecerão por mais tempo sob a condenação da lei? Ouse levantarão do lado de Cristo, e com sua influência ajudarão a raçatraída, rebelde, por seu próprio conhecimento experimental? Tornar-se-ão agora coobreiros de Jesus Cristo, que está realizando intercessãopessoal por eles diante do Pai? Anjos estão mantendo para trás asagências destruidoras, pois têm um ardente interesse por essesrebeldes filhos e desejam ajudá-los a retornar ao aprisco em segurança
  • 21. 21 | Apostila–Abismoe paz, para que possam finalmente ser vencedores e salvos,eternamente salvos com a família de Deus no Céu. Manuscrito 29,1900. (MM, Cuidado de Deus, 301)Por entre as vacilações da Terra, o clarão do relâmpago e o ribombodo trovão, a voz do Filho de Deus chama os santos que dormem. Eleolha para a sepultura dos justos e, levantando as mãos para o céu,brada: "Despertai, despertai, despertai, vós que dormis no pó, esurgi!" Por todo o comprimento e largura da Terra, os mortos ouvirãoaquela voz, e os que ouvirem viverão. E a Terra inteira ressoarácom o passar do exército extraordinariamente grande de todanação, tribo, língua e povo. Do cárcere da morte vêm eles,revestidos de glória imortal, clamando: "Onde está, ó morte, o teuaguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória?" I Cor. 15:55. E os vivosjustos e os santos ressuscitados unem as vozes em prolongada ejubilosa aclamação de vitória. (MM, Cuidado de Deus, 372)No princípio, o Pai e o Filho repousaram no sábado após Sua obra decriação. Quando "os céus, e a Terra e todo o seu exército foramacabados" (Gên. 2:1), o Criador e todos os seres celestiais seregozijaram na contemplação da gloriosa cena. "As estrelas da alvajuntas alegremente cantavam, e todos os filhos de Deusrejubilavam." Jó 38:7. Agora Jesus descansava da obra de redenção;e se bem que houvesse dor entre os que O amavam na Terra, reinoucontudo alegria no Céu. Gloriosa era aos olhos dos seres celestiais aperspectiva do futuro. Uma criação restaurada, a raça redimida que,havendo vencido o pecado, nunca mais poderia cair - eis o resultadovisto por Deus e os anjos, da obra consumada por Cristo. Com estacena se acha para sempre ligado o dia em que Jesus descansou. PoisSua "obra é perfeita" (Deut. 32:4); e "tudo quanto Deus faz duraráeternamente". Ecl. 3:14. Quando se der a "restauração de todas ascoisas, as quais Deus falou por boca dos Seus santos profetas, desde oprincípio do mundo" (Atos 3:21, Versão de Figueiredo), o sábado dacriação, o dia em que Jesus esteve em repouso no sepulcro de José,será ainda um dia de descanso e regozijo. (DTN, 769 e 770)
  • 22. A p o s t i l a – A b i s m o | 22ESTRELAS Sl 147: 4; 34: 18; Num 12: 13; Jô 5: 18; Isa 1: 6; Ez 34: 16; Gen 15: 5; 22: 17; 1: 16; Num 24: 17; Deut 1: 10; 10: 22; 28: 62; juiz 5: 20; ICr 27: 23; Neem 4: 21; Jô 38: 7; Isa 14: 12; Dan 8: 10; 12: 3; Mat 2: 2; Heb11: 12; II Pe 1: 19; Apoc 1: 16; 8: 10; 22: 16."E a Sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve,e os Seus olhos como chama de fogo; e os Seus pés, semelhantes alatão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha." Apoc.1:14 e 15. Sua voz é como a música de muitas águas. Seu rosto brilhacomo Sol. Em Sua mão estão sete estrelas, e de Sua boca sai umaespada aguda de dois gumes, emblema do poder de Sua Palavra.Patmos resplende com a glória do Senhor ressurgido. (AA, 582)Foi Cristo quem ordenou ao apóstolo relatar o que lhe deveria serrevelado. "O que vês, escreve-o num livro", ordenou Ele, "e envia-o àssete igrejas que estão na Ásia: a Éfeso, e a Esmirna, e a Pérgamo, e aTiatira, e a Sardes, e a Filadélfia e a Laodicéia." "Eu sou. ... o que vivo efui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. ... Escreve ascoisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão deacontecer: o mistério das sete estrelas, que viste na Minha destra, edos sete castiçais de ouro. As sete estrelas são os anjos das seteigrejas, e os sete castiçais, que viste, são as sete igrejas." Apoc. 1:11 e18-20. (AA, 585)Cristo é representado como tendo sete estrelas em Sua mão direita.Isto nos assegura que nenhuma igreja fiel a seu encargo necessitatemer o fracasso; pois nenhuma estrela que tem a proteção doOnipotente pode ser arrebatada da mão de Cristo. "Isto diz Aqueleque tem na Sua destra as sete estrelas." Apoc. 2:1. Essas palavrassão ditas aos que ensinam na igreja - aqueles a quem Deus confioupesadas responsabilidades. As suaves influências que devem existirna igreja têm muito que ver com os ministros de Deus, os quaisdevem revelar o amor de Cristo. As estrelas do céu estão sob oSeu controle. Ele as ilumina com Sua luz. Guia-as e dirige-lhesos movimentos. Se Ele não fizesse isto tornar-se-iam estrelascaídas. Assim é com Seus ministros. Eles são apenas instrumentosem Suas mãos, e todo o bem que realizam é feito por meio de Seupoder. Através deles deve a Sua luz brilhar. (AA, 586)
  • 23. 23 | Apostila–AbismoO Irmão mais velho de nossa família acha-Se ao lado do tronoeterno. Olha para toda pessoa que volve o rosto para Ele como oSalvador. Conhece por experiência as fraquezas da humanidade,nossas necessidades e onde está a força de nossas tentações; pois"como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado". Heb. 4:15. Estávigiando por ti, tremente filho de Deus. Estás tentado? Ele te livrará.Estás fraco? Ele te fortalecerá. És ignorante? Ele te esclarecerá.Estás ferido? Ele te há de curar. O Senhor "conta o número dasestrelas", todavia "sara os quebrantados de coração, e liga-lhes asferidas". Sal. 147:4 e 3. ...(CBV, 71)Mas está chegando o dia em que será travada a batalha e ganha avitória. A vontade de Deus deve ser feita na Terra como o é nos Céus.As nações dos remidos não conhecerão outra lei senão a lei dos Céus.Todos serão uma família unida e feliz, revestida com as vestes de louvore ações de graças - as vestes da justiça de Cristo. Toda a natureza, emsua incomparável formosura, oferecerá a Deus um tributo de louvor eadoração. O mundo será banhado com a luz do Céu. A luz da Lua serácomo a luz do Sol, e a luz do Sol será sete vezes maior do que éhoje. Os anos decorrerão na alegria. Sobre essa cena, as estrelas damanhã cantarão em uníssono, e os filhos de Deus exultarão dealegria, enquanto Deus e Cristo Se unirão proclamando: "Não haverámais pecado nem morte." (Apoc. 21:4.) (CBV, 506)SOL Jos 10: 12; Sl 19: 4; 84: 11; 113: 3; Ecl 1: 9; Isa 13: 10; Jer 31: 35; Ez 32: 7; Joel 2: 31; Amos 8: 9; Hac 3: 11; Ml 4: 2; Mat 5: 45; 24: 29; Atos 2: 20; I Cor 15: 41; Ef 4: 26.Após a morte de Cristo, os discípulos ficaram quase vencidos pelodesalento. Seu Mestre tinha sido rejeitado, condenado e crucificado. Ossacerdotes e príncipes haviam declarado zombeteiramente: "Salvou aoutros, e a Si mesmo não pode salvar-Se. Se é o Rei de Israel, desçaagora da cruz, e creremos nEle." Mat. 27:42. O sol da esperança dosdiscípulos tinha declinado, e a noite havia descido sobre seus corações.Muitas vezes repetiram as palavras: "E nós esperávamos que fosse Eleo que remisse Israel." Luc. 24:21. Desolados e com o coração em dor,lembraram-se de Suas palavras: "Se ao madeiro verde fazem isto, quese fará ao seco?" Luc. 23:31. (AA, 25)
  • 24. A p o s t i l a – A b i s m o | 24Com o auxílio desses divinos instrumentos, apresentariam ao mundouma frente unida, e seriam vencedores no conflito que eram forçados amanter incessantemente contra os poderes das trevas. Enquantopersistissem em trabalhar unidos, mensageiros celestiais iriam adiantedeles, abrindo-lhes o caminho; corações seriam preparados para arecepção da verdade, e muitos seriam ganhos para Cristo. Enquantopermanecessem unidos, a igreja avançaria "formosa como a Lua,brilhante como o Sol, formidável como um exército combandeiras". Cant. 6:10. Nada lhe impediria o progresso. Ela avançariade vitória em vitória, cumprindo gloriosamente sua divina missão deproclamar o evangelho ao mundo. (AA, 91)A religião pura e imaculada não é um sentimento, mas a prática deobras de misericórdia e amor. Essa religião é necessária à saúde e àfelicidade. Penetra no poluído templo da alma, expulsando, com umaçoite, o pecado intruso. Tomando o trono, tudo consagra pela suapresença, iluminando o coração com os brilhantes raios do Sol daJustiça. Abre as janelas da alma em direção ao Céu, dando entrada àluz do amor de Deus. Com ela sobrevêm a serenidade e o domíniopróprio. Aumenta a resistência física, mental e moral em virtude daatmosfera do Céu, à medida que um vivo e ativo poder enche a alma.Cristo é formado em vós, a esperança da glória. Review and Herald, 15de outubro de 1901. (BS, 38)Quando vos forem ditas palavras desencorajadoras, destituídas debondade, não revideis. Não repliqueis, a não ser que possais fazê-locom palavras bondosas. Dizei a vós mesmas: "Não desapontarei omeu Salvador." A mulher cristã é uma mulher gentil. Em seus lábiosestá sempre a lei da bondade. Ela não profere palavras ríspidas. Ofalar palavras de bondade quando estais irritadas levará o brilho doSol para dentro de vosso coração e tornará o vosso caminho maissuave. Uma jovem escolar, quando convidada a definir mansidão,respondeu: "Pessoa mansa é aquela que respondeu com brandura auma pergunta áspera." Cristo disse: "Bem-aventurados os mansos,porque eles herdarão a Terra." Mat. 5:5. Serão súditos aptos para oreino do Céu, pois estão dispostos a ser ensinados. Review andHerald, 7 de abril de 1904. (BS, 153)O Sol da Justiça não irrompia sobre o mundo em esplendor, paradeslumbrar os sentidos com Sua glória. Está escrito de Cristo: "Como a
  • 25. 25 | Apostila–Abismoalva, será a Sua saída." Osé. 6:3. Calma e suavemente rompe a luzmatinal sobre a terra, dissipando as trevas e despertando o mundo paraa vida. Assim surgiu o Sol da Justiça, trazendo salvação "debaixo dasSuas asas". Mal. 4:2. ( CBV, 32)LUA Cantares 6: 10; Isa 13: 10; 30: 26; Jer 31: 35; Ez 32: 7; Mat 24: 29; Atos 2: 20; I Cor 15: 41.Mas está chegando o dia em que será travada a batalha e ganha avitória. A vontade de Deus deve ser feita na Terra como o é nos Céus.As nações dos remidos não conhecerão outra lei senão a lei dos Céus.Todos serão uma família unida e feliz, revestida com as vestes de louvore ações de graças - as vestes da justiça de Cristo. Toda a natureza, emsua incomparável formosura, oferecerá a Deus um tributo de louvor eadoração. O mundo será banhado com a luz do Céu. A luz da Luaserá como a luz do Sol, e a luz do Sol será sete vezes maior do queé hoje. Os anos decorrerão na alegria. Sobre essa cena, as estrelas damanhã cantarão em uníssono, e os filhos de Deus exultarão de alegria,enquanto Deus e Cristo Se unirão proclamando: "Não haverá maispecado nem morte." (Apoc. 21:4.) (CBV, 506)O grande Mestre Se vale da natureza para refletir a luz que inunda aentrada do Céu a fim de que homens e mulheres possam ser levados aobedecer à Sua Palavra. E a natureza cumpre o mandado do Criador.Ao coração abrandado pela graça de Deus, o, as altaneiras árvores e asflores do campo proferem suas Sol, a Lua, as estrelas palavras deconselho e admoestação. O ato de lançar a semente ao solo leva amente à semeadura espiritual. A árvore como que está a declarar queuma boa árvore não pode produzir maus frutos, tampouco pode umaárvore má produzir bons frutos. "Por seus frutos os conhecereis." Mat.7:16. Mesmo o joio tem uma lição a ensinar. Ele é a semeadura deSatanás e, se não for impedido, prejudicará o trigo, pelo seu exuberantedesenvolvimento. (CPPE, 189)Por que não são os escolhidos de Deus mais entusiastas? Estãolutando por uma coroa imortal, por uma pátria em que não haveránecessidade de luz do Sol ou de Lua, ou de qualquer lâmpada; pois oSenhor Deus lhes proporciona luz, e eles reinarão para todo o sempre.
  • 26. A p o s t i l a – A b i s m o | 26Sua vida correrá paralela à existência de Deus; mas a candeia dosímpios extinguir-se-á em ignominiosa escuridão, e então os justosresplandecerão como o Sol no reino de seu Pai. ... (CPPE, 344)Membros de igreja, despertai para a importância da distribuição denossa literatura, e dedicai mais tempo a esse trabalho. Colocai noslares das pessoas periódicos, folhetos e livros que falem doevangelho em seus diversos aspectos. Não há tempo a perder. Quemuitos se dediquem voluntária e desinteressadamente à obra dacolportagem, e ajudem, assim, a fazer soar a grandementenecessária advertência. Ao assumir a igreja o trabalho que lhe éapontado, sairá ela "formosa como a Lua, brilhante como o Sol,formidável como um exército com bandeiras". Cant. 6:10. Review andHerald, 23 de junho de 1903. (CSS, 464)TRONO I Reis 1: 13; 1: 37; 9: 5; 10: 18; I cr 17: 12; Sl 45: 6; 93: 2; 103: 19; 132: 11; Prov 16: 12; 25: 5; Isa 6: 1; 16: 5; 66: 1; Jer 3: 17; 17: 12; 43: 10; Lam 5: 19; Dan 7: 9; Mat 19: 28; Luc 1: 32; Atos 7: 49; Heb 1: 8; 4: 16; Apoc 4: 2; 4: 4; 20: 11; 22: 1.Nenhuma força oponente surgiu para impedir Sua obra, que Ele nãohouvesse previsto. Tudo sucedeu como Ele predisse. Ele não deixouSua igreja ao desamparo, mas traçou em declarações proféticas o quedeveria ocorrer, e aquilo que Seu Espírito inspirou os profetas apredizerem, tem-se realizado. Todos os Seus propósitos serãocumpridos. Sua lei está vinculada a Seu trono, e nenhum poder do malpoderá destruí-la. A verdade é inspirada e guardada por Deus; e elatriunfará sobre toda oposição. (AA, 12)Sendo interrogado quanto à verdade das acusações contra ele feitas,Estêvão começou sua defesa com voz clara, penetrante, que repercutiapelo recinto do conselho. Com palavras que mantinham a assembléiaabsorta, prosseguiu ele relatando a história do povo escolhido de Deus.Mostrou completo conhecimento da economia judaica, e interpretaçãoespiritual da mesma, agora manifesta por meio de Cristo. Repetiu aspalavras de Moisés que prediziam o Messias: "O Senhor vosso Deuslevantará dentre vossos irmãos um profeta semelhante a mim: a Eleouvireis." Atos 3:22. Patenteou sua própria lealdade para com Deus e
  • 27. 27 | Apostila–Abismopara com a fé judaica, enquanto mostrava que a lei na qual os judeusconfiavam para a salvação não fora capaz de salvar Israel da idolatria.Ligava Jesus Cristo com toda a história judaica. Referiu-se à construçãodo templo por Salomão, e às palavras deste, bem como de Isaías: "Maso Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens, como dizo profeta: O Céu é o Meu trono. (AA, 99)"O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que O temem e os livra."Sal. 34:7. Deus encarrega Seus anjos de salvar Seus escolhidos dacalamidade, de guardá-los da "peste que anda na escuridão", e da"mortandade que assola ao meio-dia". Sal. 91:6. Repetidas vezes têmanjos falado com homens, do mesmo modo como um homem fala comseu amigo, e os têm levado para lugares livres de perigo. Uma e outravez têm as encorajadoras palavras dos anjos renovado o ânimoprostrado dos fiéis, desviando-lhes o espírito das coisas da Terra,levando-os a contemplar pela fé as vestes brancas, as coroas, aspalmas da vitória que os vencedores receberão junto ao grande tronobranco. (AA, 153)Jeremias também testificou da vinda do Redentor como um príncipe dacasa de Davi: "Eis que vêm dias, diz o Senhor, em que levantarei a Davium Renovo justo; e, sendo Rei, reinará, e prosperará, e praticará o juízoe a justiça na Terra. Nos seus dias Judá será salvo, e Israel habitaráseguro; e este será o Seu nome, com que O nomearão: O SENHORJUSTIÇA NOSSA." Jer. 23:5 e 6. E outra vez: "Assim diz o Senhor:Nunca faltará a Davi varão que se assente sobre o trono da casa deIsrael; nem aos sacerdotes levíticos faltará varão diante de Mim, paraque ofereça holocausto, e queime ofertas de manjares, e faça sacrifíciotodos os dias." Jer. 33:17 e 18. (AA, 223)Assim o apóstolo, da maneira mais decidida e impressiva, procuroucorrigir as falsas e perigosas idéias e práticas que estavamprevalecendo na igreja de Corinto. Falou claramente, porém em amorpor suas almas. Em suas advertências e reprovações a luz do trono deDeus brilhou sobre eles, revelando os pecados ocultos que lhesestavam debilitando a vida. Como seriam essas advertênciasrecebidas? (AA, 321)Não se alcança posição no reino de Deus mediante favoritismo. Não éadquirida nem recebida mediante concessão arbitrária. É o resultado docaráter. A coroa e o trono são a prova de uma condição
  • 28. A p o s t i l a – A b i s m o | 28conquistada - prova do domínio do eu por meio da graça de nossoSenhor Jesus Cristo. (AA, 543)"E ouvi uma voz de harpistas, que tocavam com as suas harpas. Ecantavam um como cântico novo diante do trono, ... e ninguém podiaaprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil queforam comprados da Terra... E na sua boca não se achou engano;porque são irrepreensíveis diante do trono de Deus." Apoc. 14:2-5."E ali nunca mais haverá maldição contra alguém; e nela estará o tronode Deus e do Cordeiro, e Seus servos O servirão. E verão o Seu rosto,e nas suas testas estará o Seu nome. E ali não haverá mais noite, e nãonecessitarão de lâmpada nem de luz do Sol, porque o Senhor Deus osalumina." Apoc. 22:3-5. (AA, 591/ 592)Depois destas coisas, olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguémpodia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, queestavam diante do trono e perante o Cordeiro, trajando vestes brancase com palmas nas suas mãos; e clamavam com grande voz, dizendo:Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro."Apoc. 7:9 e 10."Estes são os que vieram de grande tribulação, e lavaram os seusvestidos e os branquearam no sangue do Cordeiro. Por isso estãodiante do trono de Deus, e O servem de dia e de noite no Seu templo;e Aquele que está assentado sobre o trono os cobrirá com a Suasombra. Nunca mais terão fome, nunca mais terão sede; nem sol nemcalma alguma cairá sobre eles. Porque o Cordeiro que está no meiodo trono os apascentará, e lhes servirá de guia para a fontes das águasda vida; e Deus limpará de seus olhos toda a lágrima." Apoc. 7:14-17. "Enão haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já asprimeiras coisas são passadas." Apoc. 21:4. (AA, 602)

×