21. gênesis

595 views
496 views

Published on

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
595
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
13
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

21. gênesis

  1. 1. 1| Apostila –Gênesis GÊNESISAntes que os homens ou os anjos fossem criados, "o Verbo estava comDeus, e o Verbo era Deus". João 1:1.O mundo foi criado por Ele, "e sem Ele nada do que foi feito se fez".João 1:3. Se Cristo fez todas as coisas, existiu antes de todas elas. Aspalavras a este respeito são tão decisivas, que ninguém precisa terdúvidas. Cristo era essencialmente Deus, e no mais elevado sentido.Estava com Deus desde a eternidade, Deus sobre tudo, bendito parasempre.O Senhor Jesus Cristo, o divino Filho de Deus, existiu desde aeternidade como pessoa distinta, embora Um com o Pai. Era Ele a maisexcelsa glória do Céu. Era o comandante das inteligências celestiais, erecebia como um direito Seu as homenagens e adoração dos anjos.Review and Herald, 5 de abril de 1906.Cristo declarou por intermédio de Salomão: "O Senhor Me possuiuno princípio de Seus caminhos e antes de Suas obras maisantigas. Desde a eternidade, fui ungida [a Sabedoria]; desde o princípio,antes do começo da Terra. ... Quando punha ao mar o seu termo, paraque as águas não traspassassem o Seu mando; quando compunha osfundamentos da Terra, então, Eu estava com Ele e era Seu aluno; e eracada dia as Suas delícias, folgando perante Ele em todo o tempo." Prov.8:22, 23, 29 e 30.Ao falar de Sua preexistência, Cristo conduz a mente a eras infinitasdo passado. Ele nos assegura que jamais houve um tempo em quenão estivesse em íntima comunhão com o Deus eterno. Ele... temmantido com Deus o relacionamento de um único Ser. (VSA, 24 / 25)Col 1: 16-18.Cristo desejava que as idéias de Seus discípulos fossem puras everdadeiras em todos os sentidos. Deviam compreender, tanto quanto
  2. 2. A p o s t i l a – G ên es i s |2possível, o que se relacionava com o cálice de sofrimento que Lhe foraaquinhoado. Mostrou-lhes que o tremendo conflito que ainda nãopodiam compreender, era o cumprimento do concerto feito antesde serem postos os fundamentos do mundo. Cristo devia morrer,como deve morrer todo transgressor da lei, se continuar em pecado.Tudo isso havia de ser, mas não devia terminar em derrota, e sim numagloriosa e eterna vitória. ... (MM, CT, 295)No princípio, o Pai e o Filho repousaram no sábado após Sua obrade criação. Quando "os céus, e a Terra e todo o seu exército foramacabados" (Gên. 2:1), o Criador e todos os seres celestiais seregozijaram na contemplação da gloriosa cena. "As estrelas da alvajuntas alegremente cantavam, e todos os filhos de Deus rejubilavam." Jó38:7 (DTN, 769)O Pai operou por Seu Filho na criação de todos os seres celestiais."NEle foram criadas todas as coisas, ... sejam tronos, sejamdominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criadopor Ele e para Ele." Col. 1:16. (VSA, 25)Que é o serviço dos anjos em comparação com Sua [de Cristo]condescendência? Seu trono é desde toda a eternidade. Ele formoutoda arcada e toda coluna do grande templo da natureza. Nos LugaresCelestiais, (Meditações Matinais, 1968), pág. 40.Cristo, o Verbo, o Unigênito de Deus, era um com o eterno Pai - um nanatureza, no caráter e no propósito - o único Ser em todo o Universoque poderia entrar nos conselhos e propósitos de Deus. (O GrandeConflito, pág. 493)Conhecidas são diante de Deus todas as Suas obras, e desde eraseternas o concerto da graça (favor imerecido) existiu na mente deDeus. É conhecido como o concerto eterno, pois o plano da salvaçãonão foi concebido após a queda do homem, antes foi ele "guardado emsilêncio nos tempos eternos, e... agora, se tornou manifesto e foi
  3. 3. 3| Apostila –Gênesisdado a conhecer por meio das Escrituras proféticas, segundo omandamento do Deus eterno, para a obediência por fé, entre todas asnações". Rom. 16:25 e 26. Signs of the Times, 5 de dezembro de 1914.O plano de nossa redenção não foi um pensamento posterior,formulado depois da queda de Adão. Foi a revelação "do mistério quedesde tempos eternos esteve oculto". Rom. 16:25. Foi umdesdobramento dos princípios que têm sido, desde os séculos daeternidade, o fundamento do trono de Deus. ... Deus não ordenou aexistência do pecado. Previu-a, porém, e tomou providências paraenfrentar a terrível emergência. (VSA, 25 / 26)Deus e Cristo sabiam, desde o princípio, da apostasia de Satanás eda queda de Adão mediante o poder enganador do apóstata. Oplano da salvação foi elaborado para remir a raça caída, para dar-lheoutra oportunidade. Cristo foi designado para o cargo de Mediador dacriação de Deus, destinado desde a eternidade a ser nosso substituto epenhor. (Mensagens Escolhidas, vol. 1, pág. 250) A CRIAÇÃO DOS ANJOS Colossenses 1: 15 15 O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; Hebreus 9: 11 11 Mas, vindo Cristo, o sumo sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, isto é, não desta criação, Apoc 3: 14 14 E ao anjo da igreja que está em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus:Antes da criação do homem, existiam anjos; pois, quando osfundamentos da Terra foram lançados, "as estrelas da alva juntas
  4. 4. A p o s t i l a – G ên es i s |4alegremente cantavam, e todos os filhos de Deus rejubilavam". Jó 38:7.Depois da queda do homem foram enviados anjos a guardar a árvore davida, e isto antes que qualquer ser humano houvesse morrido. Os anjossão, em sua natureza, superiores aos homens, pois o salmista diz que ohomem foi feito "pouco menor do que os anjos". Sal. 8:5. (O GrandeConflito, pág. 511)Desde os séculos eternos era o desígnio de Deus que todos os serescriados, desde os luminosos e santos serafins até ao homem, fossemum templo para morada do Criador. (O Desejado de Todas as Nações,pág. 161)O Pai operou por Seu Filho na criação de todos os seres celestiais."NEle foram criadas todas as coisas, ... sejam tronos, sejamdominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado porEle e para Ele." Col. 1:16. (Patriarcas e Profetas, pág. 34)Todos os seres criados vivem pela vontade e poder de Deus. Sãodependentes depositários da vida de Deus. Do mais alto serafim aomais humilde dos seres vivos, todos são providos da Fonte davida. (O Desejado de Todas as Nações, pág. 785)Quando o Senhor criou esses seres [angélicos] para estarem diante deSeu trono, eram eles belos e gloriosos. Sua amabilidade e santidadeequivaliam a sua exaltada posição. Estavam investidos da sabedoria deDeus e cingidos com a armadura celestial. Signs of the Times, 14 deabril de 1898.Os espíritos maus, criados a princípio sem pecado, eram iguais,em sua natureza, poder e glória, aos seres santos que ora são osmensageiros de Deus. Mas, caídos pelo pecado, acham-se coligadospara a desonra de Deus e destruição dos homens. Unidos com Satanásem sua rebelião, e com ele expulsos do Céu, têm, através de todas aseras que se sucederam, cooperado com ele em sua luta contra aautoridade divina. Somos informados, nas Escrituras, acerca de sua
  5. 5. 5| Apostila –Gênesisconfederação e governo, suas várias ordens, inteligência e astúcia, e deseus maus intuitos contra a paz e felicidade dos homens. ... (VSA, 11)Antes da manifestação do mal, havia paz e alegria por todo oUniverso. Tudo estava em perfeita harmonia com a vontade do Criador.O amor a Deus era supremo; imparcial, o amor de uns para com outros.Cristo, o Verbo, o Unigênito de Deus, era um com o eterno Pai - um nanatureza, no caráter e no propósito - o único Ser em todo o Universoque poderia entrar nos conselhos e propósitos de Deus. Por Cristo, oPai efetuou a criação de todos os seres celestiais. "NEle foram criadastodas as coisas que há nos céus ... sejam tronos, sejam dominações,sejam principados, sejam potestades (Col. 1:16); e tanto para comCristo, como para com o Pai, todo o Céu mantinha lealdade. (GC, 493)Estamos informados pelas Escrituras quanto ao número, poder e glóriados seres celestiais, sua relação com o governo de Deus e também coma obra da redenção. "O Senhor tem estabelecido o Seu trono nos Céus,e o Seu reino domina sobre tudo." Sal. 103:19. E diz o profeta: "Ouvi avoz de muitos anjos ao redor do trono." Apoc. 5:11. No salão derecepção do Rei dos reis, assistem eles - como "anjos Seus, magníficosem poder... ministros Seus, que executais o Seu beneplácito","obedecendo à voz da Sua palavra". Sal. 103:20 e 21.Milhares de milhares e milhões de milhões eram os mensageiroscelestiais vistos pelo profeta Daniel. O apóstolo Paulo declarou serem"muitos milhares". Heb. 12:22. Como mensageiros de Deus, saem "àsemelhança dos relâmpagos" (Ezeq. 1:14), tão deslumbrante é suaglória e tão rápido o seu vôo. O anjo que apareceu no túmulo doSalvador, e tinha o rosto "como um relâmpago, e a sua veste brancacomo a neve", fez com que os guardas por medo dele tremessem, eficassem "como mortos". Mat. 28:3 e 4.Quando Senaqueribe, o altivo assírio, injuriou a Deus e dEle blasfemou,ameaçando Israel de destruição, "sucedeu, pois, que naquela mesmanoite, saiu o anjo do Senhor e feriu no arraial dos assírios a cento eoitenta e cinco mil deles". II Reis 19:35. Ali foram destruídos "todos osvarões valentes, e os príncipes, e os chefes", do exército deSenaqueribe. "E este tornou com vergonha de rosto à sua terra." II Crôn.32:21. ( VSA, 9 / 10)
  6. 6. A p o s t i l a – G ên es i s |6 Criação de LúciferDeus o fez [a Lúcifer] bom e formoso, tão semelhante quantopossível a Si próprio. Review and Herald, 24 de setembro de 1901.Deus o havia feito [a Lúcifer] nobre, havendo-lhe outorgado ricos dotes.Concedeu-lhe elevada posição de responsabilidade. Nada lhe pediu quenão fosse razoável. Deveria ele administrar o cargo que Deus lheatribuíra, num espírito de mansidão e devoção, buscando promover aexaltação de Deus, o qual lhe dera glória, beleza e encanto. TheSabbath School Worker, 1º de março de 1893.Embora Deus houvesse criado Lúcifer nobre e formoso, e o houvessecolocado em posição de elevada honra entre os anjos, não o deixou forado alcance da possibilidade do mal. Satanás tinha o poder, se decidissepor este caminho, de perverter seus dons. The Spirit of Prophecy, vol. 4,pág. 317. (VSA, 27)Lúcifer, no Céu, antes de sua rebelião foi um elevado e exaltadoanjo, o primeiro em honra depois do amado Filho de Deus. Seusemblante, como o dos outros anjos, era suave e exprimia felicidade. Atesta era alta e larga, demonstrando grande inteligência. Sua forma eraperfeita, o porte nobre e majestoso. Uma luz especial resplandecia deseu semblante e brilhava ao seu redor, mais viva do que ao redor dosoutros anjos; todavia, Cristo, o amado Filho de Deus, tinha preeminênciasobre todo o exército angelical. Ele era um com o Pai, antes que osanjos fossem criados. (História da Redenção, pág. 13)Lúcifer era o querubim cobridor, o mais exaltado dentre os serescriados. Sua posição era a mais próxima do trono de Deus, e ele seachava intimamente vinculado e identificado com a administração dogoverno de Deus, havendo sido ricamente dotado com a glória de Suamajestade e poder. Signs of the Times, 28 de abril de 1890.O próprio Senhor deu a Satanás sua glória e sabedoria, tornando-oo querubim cobridor, bom, nobre e extraordinariamente formoso.Signs of the Times, 18 de setembro de 1893.
  7. 7. 7| Apostila –GênesisEntre os habitantes do Céu, excluindo-se o próprio Cristo, foi Satanásdurante algum tempo o mais honrado de Deus, o mais elevado empoder e glória. Signs of the Times, 23 de julho de 1902. (VSA, 27 /28)Lúcifer, o "filho da alva", sobrepujando em glória a todos os anjos querodeavam o trono, ... [estava] ligado pelos mais íntimos laços aoFilho de Deus. (O Desejado de Todas as Nações, pág. 435)Lúcifer, "filho da alva", era o primeiro dos querubins cobridores, santo epuro. Permanecia na presença do grande Criador, e os incessantesraios de glória que cercavam o eterno Deus, repousavam sobre ele.(Patriarcas e Profetas, pág. 35)[Lúcifer] fora o mais elevado de todos os seres criados, e o primeiro emrevelar ao Universo os desígnios divinos. (O Desejado de Todas asNações, pág. 758)Em Ez 28: 13 – 14 precisamente no versículo ‘13”, está falando de umJardim do “Éden”, (Gên 2: 8; Ez 31: 8, 9; Apoc 17: 4; Isa 14: 12 -14;Apoc 21: 19 – 20)Logo que Davi se estabeleceu no trono de Israel, começou a procurarum lugar mais apropriado para a capital de seu reino. A trintaquilômetros de Hebrom, foi escolhido um lugar para a futura metrópoledo reino. Antes que Josué tivesse guiado os exércitos de Israel peloJordão, chamava-se ele Salém. Perto deste lugar, Abraão tinha provadosua fidelidade a Deus. Oitocentos anos antes da coroação de Davi, foraa residência de Melquisedeque, o sacerdote do Deus Altíssimo.Ocupava uma posição central e elevada no território, e era protegida porinúmeras colinas. Estando nos limites de Benjamim e Judá, encontrava-se muito próxima de Efraim, e era de fácil acesso a todas as outrastribos.( PP, 703) ( Sl, 76: 2; Salém: no heb, Shâlêm, completa, perfeita,pacifica ou paz; cidade da qual Melquesedeque era rei. (Gen 14: 18;Heb 7: 1, 2)
  8. 8. A p o s t i l a – G ên es i s |8Ez 31: 8; Sl 80: 10; Gen 30: 37; Gen 2: 8, 9; Apoc 2: 7; 22: 2, 14.EZ 31: 9; Gen 2: 8; Gen 13: 10; 2: 10; Ez 28: 13Texto para reforço; Ex Salisa, no heb Shâlisshâh, terceira terra [parte] outerra tripse). Distrito da região montanhosa de Efraim, por onde passouSaul quando foi procurar as mulas de seu pai. (I Sm 9: 4)Os anjos haviam sido criados cheios de bondade e amor. Amavamuns aos outros sem parcialidade e supremamente a Deus. Movidospor este amor, deleitavam-se em realizar a Sua vontade. A lei de Deusnão lhes era um pesado jugo, antes compraziam-se em obedecer aSeus mandamentos e em ouvir a voz de Sua Palavra. Porém, nesseestado de paz e pureza, o mal originou-se com aquele que havia sidoperfeito em todos os seus caminhos. O profeta disse a seu respeito:"Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tuasabedoria por causa do teu resplendor." Ezeq. 28:17. O pecado é algomisterioso e inexplicável. Não havia razão para a sua existência; tentarexplicá-lo é procurar uma razão para ele, e isto seria justificá-lo. Opecado apareceu num Universo perfeito, algo que se revelouinescusável. Signs of the Times, 28 de abril de 1890.Deus possuía conhecimento dos eventos futuros, antes mesmo dacriação do mundo. Ele não adaptou Seus propósitos para que estes seamoldassem às circunstâncias, mas permitiu que as coisas sedesenvolvessem. Não agiu para que certas condições surgissem, massabia que elas ocorreriam.O plano que se colocaria em ação no caso de se rebelar algumadas elevadas inteligências celestiais - este era o segredo, o mistériooculto desde as eras passadas. Um oferecimento foi preparado peloseternos propósitos, para realizar o próprio trabalho que Deusempreendeu em favor da humanidade caída. Signs of the Times, 25 demarço de 1897. (Romanos 16: 25)Houve um tempo em que Satanás se encontrava em harmonia comDeus, quando era sua alegria executar os divinos mandamentos. Seu
  9. 9. 9| Apostila –Gênesiscoração encontrava-se cheio de amor e regozijo em servir ao Criador,até que começou a imaginar que sua sabedoria não derivava de Deus,sendo antes inerente a ele próprio, e que ele era tão digno quanto Deusde receber honra e poder. Signs of the Times, 18 de setembro de 1893.Embora Deus houvesse criado Lúcifer nobre e belo, e lhe houvesseatribuído grande honra entre os anjos, não o colocara, todavia, fora dapossibilidade de fazer o mal. Se Satanás decidisse pelo caminho errado,poderia escolhê-lo e assim perverter seus dons. Poderia haverpermanecido no favor de Deus, amado e honrado por toda a multidãoangélica, presidindo em sua exaltada posição com generoso eabnegado cuidado, exercendo seus nobres poderes para abençoaroutros e glorificar seu Autor. Contudo, pouco a pouco, começou ele aprocurar sua própria honra, e a empregar suas faculdades para atrairatenção e obter louvor para si mesmo. Gradualmente também conduziuos anjos, sobre os quais presidia, a lhe prestarem serviço, em vez dedevotarem todas as suas energias ao serviço do Criador. The Spirit ofProphecy, vol. 4, pág. 317.Pouco a pouco Lúcifer veio a condescender com o desejo de exaltaçãoprópria. ... Se bem que toda a sua glória proviesse de Deus, estepoderoso anjo veio a considerá-la como pertencente a si próprio.Patriarcas e Profetas, pág. 35.A entrada do pecado no Céu não pode ser explicada. Fosse istopossível, arranjar-se-ia alguma razão para o pecado. Mas não houve amenor escusa para ele, e sua origem permanecerá cercada de mistério.Review and Herald, 9 de março de 1886.Deus não criou o mal. Ele fez apenas o bem, à Sua própria semelhança.... O mal, o pecado e a morte... são o resultado da desobediência,originada em Satanás. Review and Herald, 4 de agosto de 1910. (VSA,30 / 31)
  10. 10. A p o s t i l a – G ê n e s i s | 10No hebraico “Éden” é casa, lugar do prazer, lugar dedicado, local deencantamento.“Jardim” é “GAN”, que significa lugar defendido ou protegido. Nestaprimeira criação, a terra era um lugar de encantos, prazer e eradefendida pelo o próprio Deus. Ou seja morada de Deus em Espírito. ELEVADA POSIÇÃO DE LÚCIFERLúcifer, no Céu, antes de sua rebelião foi um elevado e exaltado anjo, oprimeiro em honra depois do amado Filho de Deus. Seu semblante,como o dos outros anjos, era suave e exprimia felicidade. A testa eraalta e larga, demonstrando grande inteligência. Sua forma era perfeita, oporte nobre e majestoso. Uma luz especial resplandecia de seusemblante e brilhava ao seu redor, mais viva do que ao redor dos outrosanjos; todavia, Cristo, o amado Filho de Deus, tinha preeminência sobretodo o exército angelical. Ele era um com o Pai, antes que os anjosfossem criados. História da Redenção, pág. 13.Lúcifer era o querubim cobridor, o mais exaltado dentre os serescriados. Sua posição era a mais próxima do trono de Deus, e ele seachava intimamente vinculado e identificado com a administração dogoverno de Deus, havendo sido ricamente dotado com a glória de Suamajestade e poder. Signs of the Times, 28 de abril de 1890.O próprio Senhor deu a Satanás sua glória e sabedoria, tornando-o oquerubim cobridor, bom, nobre e extraordinariamente formoso. Signs ofthe Times, 18 de setembro de 1893.Entre os habitantes do Céu, excluindo-se o próprio Cristo, foi Satanásdurante algum tempo o mais honrado de Deus, o mais elevado empoder e glória. Signs of the Times, 23 de julho de 1902.Lúcifer, o "filho da alva", sobrepujando em glória a todos os anjos querodeavam o trono, ... [estava] ligado pelos mais íntimos laços ao Filho deDeus. O Desejado de Todas as Nações, pág. 435.
  11. 11. 11 | Apostila –GênesisLúcifer, "filho da alva", era o primeiro dos querubins cobridores,santo e puro. Permanecia na presença do grande Criador, e osincessantes raios de glória que cercavam o eterno Deus, repousavamsobre ele. Patriarcas e Profetas, pág. 35.[Lúcifer] fora o mais elevado de todos os seres criados, e o primeiro emrevelar ao Universo os desígnios divinos. O Desejado de Todas asNações, pág. 758. (VSA. Pág. 28) Antes que Surgisse o MalEntre os anjos existia paz e alegria, em perfeita submissão à vontade doCéu. O amor a Deus era supremo, e imparcial o amor de uns pelosoutros. Tal era a condição que existira por séculos, antes da entrada dopecado. The Spirit of Prophecy, vol. 4, págs. 316 e 317.[Lúcifer] possuía um conhecimento de inestimável valor acerca dasriquezas eternas, o que o homem não possui. Ele experimentara o purocontentamento, a paz, a exaltada felicidade e as inenarráveis alegriasdas moradas celestes. Havia sentido, antes da rebelião, o prazer daplena aprovação de Deus. Obtivera completa apreciação da glória quecircundava o Pai, e sabia que o Seu poder não conhecia limites. Signs ofthe Times, 4 de agosto de 1887.Houve um tempo em que... era a alegria [de Satanás] executar asordens divinas. Seu coração estava cheio de amor e regozijo por poderservir ao Criador. Signs of the Times, 18 de setembro de 1893.Satanás era um anjo formoso e exaltado, e assim teria permanecido senão houvesse rompido sua aliança com Deus. Signs of the Times, 21 dedezembro de 1891. (VSA. 29)
  12. 12. A p o s t i l a – G ê n e s i s | 12 A Origem do Mal é um MistérioOs anjos haviam sido criados cheios de bondade e amor. Amavam unsaos outros sem parcialidade e supremamente a Deus. Movidos por esteamor, deleitavam-se em realizar a Sua vontade. A lei de Deus não lhesera um pesado jugo, antes compraziam-se em obedecer a Seusmandamentos e em ouvir a voz de Sua Palavra. Porém, nesse estadode paz e pureza, o mal originou-se com aquele que havia sido perfeitoem todos os seus caminhos. O profeta disse a seu respeito: "Elevou-seo teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoriapor causa do teu resplendor." Ezeq. 28:17. O pecado é algo misterioso einexplicável. Não havia razão para a sua existência; tentar explicá-lo éprocurar uma razão para ele, e isto seria justificá-lo. O pecado apareceunum Universo perfeito, algo que se revelou inescusável. Signs of theTimes, 28 de abril de 1890.Deus possuía conhecimento dos eventos futuros, antes mesmo dacriação do mundo. Ele não adaptou Seus propósitos para que estes seamoldassem às circunstâncias, mas permitiu que as coisas sedesenvolvessem. Não agiu para que certas condições surgissem, massabia que elas ocorreriam.O plano que se colocaria em ação no caso de se rebelar algumadas elevadas inteligências celestiais - este era o segredo, o mistériooculto desde as eras passadas. Um oferecimento foi preparado peloseternos propósitos, para realizar o próprio trabalho que Deusempreendeu em favor da humanidade caída. Signs of the Times, 25 demarço de 1897.A entrada do pecado no Céu não pode ser explicada. Fosse istopossível, arranjar-se-ia alguma razão para o pecado. Mas não houve amenor escusa para ele, e sua origem permanecerá cercada de mistério.Review and Herald, 9 de março de 1886. (VSA. 30/ 31)Deus não criou o mal. Ele fez apenas o bem, à Sua própria semelhança.... O mal, o pecado e a morte... são o resultado da desobediência,originada em Satanás. Review and Herald, 4 de agosto de 1910.
  13. 13. 13 | Apostila –Gênesis Os Primeiros Sinais do MalHouve um tempo em que Satanás se encontrava em harmonia comDeus, quando era sua alegria executar os divinos mandamentos. Seucoração encontrava-se cheio de amor e regozijo em servir ao Criador,até que começou a imaginar que sua sabedoria não derivava de Deus,sendo antes inerente a ele próprio, e que ele era tão digno quanto Deusde receber honra e poder. Signs of the Times, 18 de setembro de 1893.Embora Deus houvesse criado Lúcifer nobre e belo, e lhe houvesseatribuído grande honra entre os anjos, não o colocara, todavia, fora dapossibilidade de fazer o mal. Se Satanás decidisse pelo caminho errado,poderia escolhê-lo e assim perverter seus dons. Poderia haverpermanecido no favor de Deus, amado e honrado por toda a multidãoangélica, presidindo em sua exaltada posição com generoso eabnegado cuidado, exercendo seus nobres poderes para abençoaroutros e glorificar seu Autor. Contudo, pouco a pouco, começou ele aprocurar sua própria honra, e a empregar suas faculdades para atrairatenção e obter louvor para si mesmo. Gradualmente também conduziuos anjos, sobre os quais presidia, a lhe prestarem serviço, em vez dedevotarem todas as suas energias ao serviço do Criador. The Spirit ofProphecy, vol. 4, pág. 317. (VSA, 31/ 32)Pouco a pouco Lúcifer veio a condescender com o desejo de exaltaçãoprópria. ... Se bem que toda a sua glória proviesse de Deus, estepoderoso anjo veio a considerá-la como pertencente a si próprio.(Patriarcas e Profetas, pág. 35) Deus Apresenta a Verdadeira Posição de CristoAntes que se iniciasse a grande luta, todos deveriam ter umaapresentação clara a respeito da vontade dAquele [Deus] cuja sabedoriae bondade eram a fonte de toda a sua alegria.O Rei do Universo convocou os exércitos celestiais perante Ele, para,em sua presença, apresentar a verdadeira posição de Seu Filho, e
  14. 14. A p o s t i l a – G ê n e s i s | 14mostrar a relação que Este mantinha para com todos os seres criados.... Perante os habitantes do Céu, reunidos, o Rei declarou que ninguém,a não ser Cristo, o Unigênito de Deus, poderia penetrar inteiramente emSeus propósitos, e a Ele foi confiado executar os poderosos conselhosde Sua vontade. (Patriarcas e Profetas, pág. 36)O grande Criador reuniu os seres celestiais para poder, na presença detodos os anjos, conferir honra especial a Seu Filho. Este estava sentadono trono com o Pai, com a multidão celestial de santos anjos reunida àvolta. Então o Pai fez saber que Ele próprio ordenara que Cristo, SeuFilho, fosse igual a Ele, de modo que, onde o Filho estivesse, estaria aSua própria presença. A palavra do Filho deveria ser obedecida tãoprontamente quanto a do Pai. O Filho fora investido de autoridade paracomandar o exército celestial. Deveria Ele agir especialmente em uniãocom o Pai no projeto de criação da Terra. ...Satanás estava com inveja e ciúmes de Jesus Cristo. Não obstante,quando todos os anjos se inclinaram diante dEle para reconhecer Suasupremacia, elevada autoridade e direito de governar, Satanás tambémse prostrou, ainda que seu coração estivesse cheio de inveja e ódio.Cristo formava parte do conselho especial de Deus para a consideraçãode Seus planos, ao passo que Satanás os desconhecia. Não conhecia,nem lhe era permitido conhecer os propósitos de Deus. Por outro lado,Cristo era reconhecido como Soberano do Céu com poder e autoridadeiguais aos do próprio Deus.Satanás acreditou que ele próprio era o favorito no Céu, entre os anjos.Havia sido grandemente exaltado, mas... aspirava alcançar a altura dopróprio Deus. Glorificava-se em sua própria altivez. Sabia que os anjos ohonravam. Tinha uma missão especial a cumprir. Estivera próximo aogrande Criador, e os incessantes raios de luz gloriosa que rodeavam oDeus eterno haviam resplandecido especialmente sobre ele. Pensou emcomo os anjos haviam obedecido a seu comando com prazenteiraespontaneidade. Não eram as suas vestiduras brilhantes e formosas?Por que, então, deveria Cristo ser honrado acima dele? The Spirit ofProphecy, vol. 1, págs. 17 e 18.Os anjos alegremente reconheceram a supremacia de Cristo, e,prostrando-se diante dEle, extravasaram seu amor e adoração. Lúcifer
  15. 15. 15 | Apostila –Gênesiscurvou-se com eles; mas em seu coração havia um conflito estranho,violento. A verdade, a justiça e a lealdade estavam a lutar contra a invejae o ciúme. A influência dos santos anjos pareceu por algum tempo levá-lo com eles. ... De novo, porém, achou-se repleto de orgulho por suaprópria glória. Voltou-lhe o desejo de supremacia, e uma vez maiscondescendeu com a inveja de Cristo. Patriarcas e Profetas, págs. 36 e37. (VSA, 33/ 34) Lúcifer Inicia a Campanha Contra CristoSatanás... iniciou a obra de rebelião entre os anjos que estavam sob seucomando, procurando difundir entre eles o espírito dedescontentamento. Agiu de modo tão ardiloso que muitos dos anjos secomprometeram com ele antes que seus propósitos fossem plenamenteconhecidos. Review and Herald, 28 de janeiro de 1909.Satanás... ambicionava as mais elevadas honras que Deus concedera aSeu Filho. Tornou-se invejoso de Cristo e começou a semear entre osanjos que o honravam como querubim cobridor, o sentimento de quenão recebera a honra que sua posição demandava. Review and Herald,24 de fevereiro de 1874.Mediante sutis insinuações de que Cristo usurpara o lugar quepertencia a ele, Lúcifer lançou as sementes da dúvida na mente demuitos dos anjos. Educational Messenger, 11 de setembro de 1908.Sua [de Lúcifer] obra de engano foi efetuada com tão grande sigilo queos anjos em posições menos elevadas supuseram que ele era ogovernante do Céu. (Este Dia com Deus, pág. 254.) (VSA, 34 / 35)Os anjos leais e sinceros procuraram reconciliar este anjo poderoso erebelde com a vontade do Criador. Justificaram o ato de Deus deconferir honra a Jesus Cristo, e com poderosos argumentos tentaramconvencer Satanás de que ele próprio não possuía agora menor honrado que antes de o Pai proclamar a honra especial conferida ao Filho.Mostraram-lhe claramente que Jesus era o Filho de Deus, existindo comEle antes que os anjos houvessem sido criados, e que sempre estivera
  16. 16. A p o s t i l a – G ê n e s i s | 16à destra de Deus, sem que Sua terna e amorável autoridade jamaistivesse sido questionada; tampouco dera Ele qualquer ordem que osseres celestiais não houvessem cumprido alegremente. Argumentaramque o fato de haver Cristo recebido honras especiais por parte do Pai,na presença dos anjos, não diminuía a honra que ele [Satanás] receberaaté então. The Spirit of Prophecy, vol. 1, pág. 19.[Lúcifer] obteve a simpatia de alguns de seus companheiros ao sugerirpensamentos de crítica no tocante ao governo de Deus. A sementedaninha foi espalhada de modo sedutor; e depois que ela brotou edesenvolveu raízes na mente de muitos, recolheu ele as idéias por elemesmo implantadas na mente de outros, e as apresentou diante dasmais elevadas ordens de anjos como sendo os pensamentos de outrasmentes contra o governo de Deus. SDA Bible Commentary, vol. 4, pág.1.143. (VSA, 36) Guerra no CéuCristo Se ocupara nas cortes celestiais em convencer a Satanás de seuterrível erro, até que finalmente o maligno e seus simpatizantes seencontraram em rebelião aberta contra o próprio Deus. (Este Dia comDeus, pág. 254)Cristo, como Comandante do Céu, foi indicado para acabar com arebelião. Review and Herald, 30 de maio de 1899.Houve então batalha no Céu. O Filho de Deus, o Príncipe dos Céus,junto com Seus anjos leais, empenhou-se em conflito com o arqui-rebelde e os que a este se uniram. O Filho de Deus e os anjos sincerose leais prevaleceram, ao passo que Satanás e seus simpatizantes foramexpulsos do Céu. The Spirit of Prophecy, vol. 1, pág. 23.Anjos se empenharam em batalha; Satanás desejava derrotar o Filho deDeus e os que estavam submissos a Sua vontade. Mas os anjos bons eleais prevaleceram, e Satanás, com seus seguidores, foi expulso doCéu. Primeiros Escritos, pág. 146. (VSA, 45)
  17. 17. 17 | Apostila –Gênesis Efeitos da RebeliãoSatanás ficou perplexo diante de sua nova condição. Fora-se a suafelicidade. Contemplou os anjos que, como ele, uma vez haviam sidotão felizes, mas agora achavam-se fora do Céu. ... Tudo pareciamodificado. Semblantes que haviam refletido a imagem de seu Criador,agora demonstravam melancolia e desespero. Contendas, discórdias eamargas recriminações revelavam-se entre eles. ... Satanás observaagora os terríveis resultados de sua rebelião. Estremeceu, temendoenfrentar o futuro e contemplar o fim de todas essas coisas.Chegara a hora dos alegres e felizes cânticos de louvor a Deus e a Seuamado Filho. Satanás havia dirigido o coral celestial. Sempre entoara aprimeira nota, e então toda a multidão angélica se unira a ele, fazendocom que gloriosos acordes musicais ressoassem pelos Céus em honraa Deus e Seu querido Filho. Agora, porém, em lugar de doces acordesmusicais, palavras de discórdia e ira caíam nos ouvidos do grande líderrebelde. ... Aproximava-se a hora da adoração, quando resplendentes esantos anjos se ajoelhavam diante do Pai. Não mais se uniria ele aocântico celestial. Nunca mais se ajoelharia em reverente e santo temordiante da presença do Deus eterno. ...Satanás tremeu ao contemplar sua obra. Achava-se sozinho a meditarsobre o passado, o presente e seus planos futuros. Sua poderosaestrutura vacila como que atingida por uma tempestade. Um anjo doCéu está passando. Ele o chama e solicita uma entrevista com Cristo.Esta lhe foi concedida. Relatou ele então ao Filho de Deus que searrependera de sua rebelião, e desejava readquirir o favor de Deus.Estava disposto a assumir o lugar que Deus previamente lhe designara,submetendo-se a Seu sábio comando. Cristo chorou diante da desgraçade Satanás, mas fez-lhe ver, comunicando a decisão divina, que elejamais poderia ser readmitido ao Céu. ... As sementes da rebelião aindase achavam dentro dele [Satanás]. ...Quando Satanás se tornou plenamente convencido de que não haviapossibilidade de ser reintegrado ao favor de Deus, manifestou suamalícia com aumentado ódio e fervente veemência. ...Como já não podia ser admitido no interior dos portais celestes,aguardaria junto à entrada para escarnecer dos anjos e procurarcontender com eles enquanto entravam e saíam. The Spirit of Prophecy,vol. 1, págs. 28 a 30.
  18. 18. A p o s t i l a – G ê n e s i s | 18 A Criação da Terra e da HumanidadeOs anjos leais lamentaram a sorte daqueles que haviam sido seuscompanheiros de felicidade e bênçãos. Sua falta foi sentida no Céu. OPai consultou a Jesus quanto à possibilidade de executar imediatamenteo propósito de fazer o homem para habitar a Terra. Signs of the Times, 9de janeiro de 1879.As mais brilhantes e exaltadas estrelas da alva louvaram... a glória [deCristo] na criação, e anunciaram Seu nascimento com cânticos dealegria. Signs of the Times, 4 de janeiro de 1883.Quando Deus formou a Terra, havia montanhas, colinas e planícies, eserpenteando entre estas existiam rios e fontes de água. A Terra nãoera constituída de uma extensa planície, mas a monotonia do cenário foiquebrada por outeiros e montanhas, não elevadas e ásperas como sãoagora, mas regulares e belas em sua forma. ... Os anjoscontemplavam e se regozijavam diante das maravilhosas e belasobras de Deus. Spiritual Gifts, vol. 3, pág. 33.Todo o Céu tomou profundo e alegre interesse na criação domundo e do homem. Os seres humanos constituíam uma nova edistinta ordem. Review and Herald, 11 de fevereiro de 1902.Depois dos seres angélicos, a família humana, formada à imagem deDeus, constitui a mais nobre de Suas obras criadas. Review and Herald,3 de dezembro de 1908.O Senhor... havia dotado Adão com poderes mentais superiores aqualquer outra criatura vivente que houvesse feito. Suas faculdadesmentais eram apenas um pouco menor do que as dos anjos. Reviewand Herald, 24 de fevereiro de 1874.Tão logo Deus, através de Jesus Cristo, criou nosso mundo e colocouAdão e Eva no jardim do Éden, Satanás anunciou seu propósito deconformar à sua própria natureza o pai e a mãe da humanidade. Reviewand Herald, 14 de abril de 1896.
  19. 19. 19 | Apostila –GênesisEste casal imaculado não usava roupas artificiais. Achavam-se vestidoscom uma cobertura de luz e glória, tais como os anjos. Signs of theTimes, 9 de janeiro de 1879.Deus criou o homem para Sua própria glória, para que depois detestada e provada, a família humana pudesse tornar-se uma com afamília celestial. Era o propósito de Deus repovoar o Céu com afamília humana. SDA Bible Commentary, vol. 1, pág. 1.082.Os lugares vagos surgidos no Céu pela queda de Satanás e seus anjos,serão preenchidos pelos redimidos do Senhor. Review and Herald, 29de maio de 1900. (VSA, 49)A lei de Deus existia antes que o homem fosse criado. Foi adaptadaà condição de seres santos. Mesmo os anjos eram governados porela. Signs of the Times, 15 de abril de 1886.O homem devia ser testado e provado; se suportasse a prova divina epermanecesse leal e fiel depois desta primeira prova, não deveria serafligido por contínua tentação, antes seria exaltado a uma posiçãoigual à dos anjos, revestido da imortalidade. Review and Herald, 24de fevereiro de 1874. (VSA, 50) Satanás Planeja Provocar a Queda do Homem[Satanás] informou [seus anjos] de seus planos para separar de Deus onobre Adão e sua companheira Eva. Se fosse possível, de algum modo,induzi-los à desobediência, Deus faria provisões por meio das quais oser humano seria perdoado, e assim o próprio Satanás e seus anjosteriam melhores chances de compartilhar da misericórdia de Deus. Seisto falhasse, poderiam unir-se a Adão e Eva, já que estes, uma vezchegando a transgredir a lei de Deus, estariam também sujeitos à iradivina, como os anjos caídos. Se transgredissem, estariam igualmentenum estado de rebelião; os anjos rebeldes poderiam unir-se a eles,tomar posse do jardim do Éden e transformá-lo em seu lar. Se
  20. 20. A p o s t i l a – G ê n e s i s | 20conseguissem acesso à árvore da vida que se encontrava no meio dojardim, sua força seria - pensavam eles - igual à dos anjos leais, e nemmesmo Deus seria capaz de expulsá-los dali.Satanás manteve consulta com seus anjos maus. Nem todos sedispuseram prontamente a unir-se a ele nessa obra arriscada e terrível.Ele lhes contou que não confiaria a nenhum deles tal trabalho; pensavaque somente ele mesmo possuía sabedoria suficiente para levar avanteum tão importante empreendimento. Gostaria que eles refletissem sobreo assunto enquanto ele próprio se retiraria a fim de amadurecer osplanos. ...Satanás ficou só a fim de aperfeiçoar os planos que seguramenteresultariam na queda de Adão e Eva. Estremeceu ao pensar quesubmergiria o santo e feliz par na miséria e remorso que ele mesmoestava agora suportando. Pareceu indeciso; em alguns momentos firmee determinado, noutros hesitante e vacilante. Seus anjos o procurarampara informá-lo da decisão que haviam tomado. Sim, unir-se-iam a ele ecompartilhariam com ele da responsabilidade e das conseqüências.Satanás lançou para longe seus sentimentos de desespero e fraquezae, como líder, fortaleceu-se para enfrentar a situação e empreender tudoque estivesse a seu alcance para desafiar a autoridade de Deus e deSeu Filho. The Spirit of Prophecy, vol. 1, págs. 31 a 33. (VSA, 51)Na criação do homem, manifestou-se a atuação de um Deuspessoal. Quando Deus fizera o homem à Sua imagem, a formahumana era perfeita, mas jazia inanimada. Então um Deus pessoal,de existência própria, soprou naquela forma o fôlego da vida, e ohomem tornou-se um ser vivo, inteligente. Todas as partes do seuorganismo se puseram em ação. O coração, as artérias, as veias, alíngua, as mãos, os pés, os sentidos, as faculdades da mente, tudo sepôs a funcionar, sendo todos submetidos a uma lei. O homem tornou-sealma vivente. Mediante Cristo, a Palavra, um Deus pessoal criou ohomem, dotando-o de inteligência e poder. (CBV, 415)Deus criou o homem para Sua própria glória, para que depois detestada e provada, a família humana pudesse tornar-se uma com afamília celestial. Era o propósito de Deus repovoar o Céu com afamília humana, caso ela se demonstrasse obediente a cada
  21. 21. 21 | Apostila –Gênesispalavra divina. Adão deveria ser provado a fim de demonstrar se seriaobediente, tal como os anjos fiéis, ou desobediente. SDA BibleCommentary, vol. 1, pág. 1.082. (VSA, 287)“São estes”, ele diz, “o povo que deve tomar o meu lugar no Céu, e olugar dos anjos que se uniram a mim? (PR. 589)Antes da manifestação do mal, havia paz e alegria por todo oUniverso. Tudo estava em perfeita harmonia com a vontade doCriador. O amor a Deus era supremo; imparcial, o amor de uns paracom outros. Cristo, o Verbo, o Unigênito de Deus, era um com oeterno Pai - um na natureza, no caráter e no propósito - o único Serem todo o Universo que poderia entrar nos conselhos e propósitos deDeus. Por Cristo, o Pai efetuou a criação de todos os seres celestiais."NEle foram criadas todas as coisas que há nos céus ... sejamtronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades(Col. 1:16); e tanto para com Cristo, como para com o Pai, todo oCéu mantinha lealdade. (GC, 493)A discórdia que sua conduta determinara no Céu, Satanás lançara sobreo governo de Deus. Todo o mal declarou ele ser o resultado daadministração divina. Alegava que era seu objetivo aperfeiçoar osestatutos de Jeová. Por isso permitiu Deus que ele demonstrasse anatureza de suas pretensões, a fim de mostrar o efeito de suaspropostas mudanças na lei divina. A sua própria obra o devecondenar. Satanás pretendera desde o princípio que não estava emrebelião. O Universo todo deve ver o enganador desmascarado. (PP, 42)Desde o princípio a grande controvérsia fora a respeito da lei de Deus.Satanás procurara provar que Deus era injusto, que Sua lei eradefeituosa, e que o bem do Universo exigia que ela fosse mudada.Atacando a lei, visava ele subverter a autoridade de seu Autor. Mostrar-se-ia no conflito se os estatutos divinos eram deficientes e passíveis demudança, ou perfeitos e imutáveis. (PP, 69)
  22. 22. A p o s t i l a – G ê n e s i s | 22Aqueles que deviam ter sido a luz do mundo têm projetado apenas raiospálidos e fracos. Que é luz? É piedade, bondade, verdade,misericórdia, amor; é a revelação da verdade no caráter e na vida.O evangelho, com o seu explosivo poder, depende da piedade pessoalde seus crentes, e Deus proveu, pela morte de Seu amado Filho, osmeios para que cada alma esteja perfeitamente preparada para todaboa obra. Review and Herald, 24 de março de 1891. (BS, 36)Isaias 28: 13. “Assim, pois, a palavra do Senhor lhes será preceitosobre preceito, preceito e mais preceito; regra sobre regra, regra e maisregra; um pouco aqui, um pouco ali; para que vão, e caia para traz, sequebrantem, se enlacem, e sejam presos.”Não esqueçam é um pouco aqui, e um pouco ali; ou seja, é unindo umversículo com outro versículo, ou mesmo até a metade de um versículo,é que podemos descobri os segredos de Deus.Romanos 1: 20 “Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seueterno poder, como também sua própria divindade, claramente sereconhecem, desde o principio do mundo, sendo percebidos por meiodas coisas que foram criados. Tais homens são por issoindesculpáveis”.Seja qual for a nação, tribo ou língua, quer o homem seja branco oupreto, ele ainda é portador da imagem de Deus, e "o adequado estudoda humanidade é o homem". (MM, Exaltai-o, 208)Heb. 10: 1. “PORQUE tendo a lei a sombra dos bens futuros, e não aimagem exata das coisas, nunca, pelos mesmos sacrifícios quecontinuamente se oferecem cada ano, pode aperfeiçoar os que a elesse chegam.”I Cor 10: 11 “Ora, tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritaspara aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos.” ouseja conhecer a historia da humanidade através da própria
  23. 23. 23 | Apostila –Gênesishumanidade. (Col 2: 16-17; Heb 9: 8-10; I Cor 3: 16; Heb 10: 15-18;Gal 4: 24; Heb 8: 5 - 10; I Cor 2: 13 – 14;). Tudo isto é sombra dascoisas espirituais.Se o seguidor de Cristo crer em Sua Palavra e praticá-la, não haveráCiência no mundo natural, que não possa compreender nem apreciar.Nada há que não lhe forneça meio de partilhar a verdade com outros. Ahistória natural é um tesouro de conhecimentos em que todoestudante na escola de Cristo, pode abeberar-se. Contemplando oencanto da Natureza, estudando suas lições no cultivo do solo, nocrescimento das árvores, em todas as maravilhas da terra, mar e céu,advir-nos-á percepção nova da verdade. Os mistérios ligados aoproceder de Deus para com os homens, as profundezas de Suasabedoria e penetração, vistos na vida humana - verificar-se-áserem um depósito repleto de tesouros. PrimogênitoHeb 12: 22; Ex 4: 22 – 23; Ex 13: 2; Luc 2: 23; Sl 89: 27; I Sam 13: 13,14; 16: 12; Jer 31: 8-10; Gen 27: 36; Gen 27; Tiag 1: 18, 16, 17; Ex 22:19; Apoc 14: 4; Col 1: 18; Rom 8: 22, 23; 11: 16, 28; Apoc 1: 5; Atos 26:23; I Cor 15: 20 – 23; I Tes 14 – 24; Mat 24: 30;. Cant. 6: 10; Apoc 14: 12Mas as nuvens da justiça divina já se condensam sobre eles, repletasdos elementos que destruíram Sodoma. Nas visões que lhe foramconcedidas dos acontecimentos futuros, o profeta João contemplouessa cena. Este culto dos demônios lhe foi revelado e pareceu-lhe quetodo o mundo estava à borda da perdição. Mas enquanto olhava comgrande interesse, notou a assembléia dos que guardam osmandamentos de Deus. Tinham na testa o selo do Deus vivo, e disse:"Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam osmandamentos de Deus e a fé de Jesus. E ouvi uma voz do Céu, que medizia: Escreve: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem noSenhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem dos seus trabalhos, eas suas obras os sigam. E olhei, e eis uma nuvem branca, eassentado sobre a nuvem Um semelhante ao Filho do homem, que
  24. 24. A p o s t i l a – G ê n e s i s | 24tinha sobre a Sua cabeça uma coroa de ouro, e na Sua mão umafoice aguda. E outro anjo saiu do templo, clamando com grande vozao que estava assentado sobre a nuvem: Lança a tua foice, e sega; é jávinda a hora de segar, porque já a seara da Terra está madura. EAquele que estava assentado sobre a nuvem meteu a Sua foice à Terra,e a Terra foi segada. E saiu do templo, que está no Céu, outro anjo, oqual também tinha uma foice aguda. E saiu do altar outro anjo, que tinhapoder sobre o fogo, e clamou com grande voz ao que tinha a foiceaguda, dizendo: Lança a tua foice aguda, e vindima os cachos da vinhada Terra, porque já as suas uvas estão maduras. E o anjo meteu a suafoice à Terra e vindimou as uvas da vinha da Terra, e lançou-as nogrande lagar da ira de Deus." Apoc. 14:12-19. (II TS. 371) Apostila Senhor Justiça nossa, pág. 3 Além da vinda do Senhor a Seu templo, Malaquias também prediz o segundo advento, Sua vinda para a execução do juízo, nestas palavras: "E chegar-Me-ei a vós para juízo, serei uma testemunha veloz contra os feiticeiros e contra os adúlteros, e contra os que juram falsamente, e contra os que defraudam o jornaleiro, e pervertem o direito da viúva, e do órfão, e do estrangeiro, e não Me temem, diz o Senhor dos exércitos." Mal. 3:5. À mesma cena se refere Judas quando diz: "Eis que é vindo o Senhor com milhares de Seus santos; para fazer juízo contra todos, e condenar dentre eles todos os ímpios por todas as suas obras de impiedade." Jud. 14 e 15. Esta vinda, e a vinda do Senhor ao Seu templo, são acontecimentos distintos e separados. (GC, 424 – 426; Apoc 11: 19) A vinda de Cristo ao lugar santíssimo como nosso Sumo Sacerdote, para a purificação do santuário, a que se faz referência em Daniel 8:14; a vinda do Filho do homem ao Ancião de Dias, conforme se acha apresentada em Daniel 7:13; e a vinda do Senhor a Seu templo, predita por Malaquias, são descrições do mesmo acontecimento; e isso é também representado pela vinda do esposo ao casamento, descrita por Cristo na parábola das dez virgens, de Mateus 25. (GC, 426) A entrada triunfal de Jesus em Jerusalém foi um imperfeito símbolo da Sua vinda nas nuvens do céu com poder e glória, por entre as aclamações dos anjos e o regozijo dos santos. Então, cumprir-se-ão as palavras de Cristo aos fariseus: "Desde agora Me não vereis mais, até que
  25. 25. 25 | Apostila –Gênesis digais: Bendito o que vem em nome do Senhor." Mat. 23:39. Em visão profética, foi mostrado a Zacarias aquele dia de triunfo final; e ele viu também a condenação dos que, no primeiro advento, rejeitaram a Cristo: "E olharão para Mim, a quem traspassaram; e O prantearão como quem pranteia por um unigênito; e chorarão amargamente por Ele, como se chora amargamente pelo primogênito." Zac. 12:10. Esta cena anteviu Cristo quando contemplou a cidade e chorou sobre ela. Na ruína temporal de Jerusalém viu Ele a final destruição daquele povo que era culpado do sangue do Filho de Deus. (DTN, 580) Os discípulos de Cristo esperavam a vinda imediata do reino de Sua glória; mas ao dar-lhes esta oração Jesus ensinou que o reino não devia ser então estabelecido. Deviam orar por sua vinda como acontecimento ainda no futuro. Mas essa petição era-lhes também uma certeza. Conquanto não devessem esperar a vinda do reino em seus dias, o fato de haver (MM, Maravilhosa Graça, 345) Sua Igreja deve ser um templo construído segundo a semelhança divina, e o anjo arquiteto trouxe do Céu a sua vara de ouro para medir, a fim de que cada pedra seja lavrada e ajustada pela medida divina, e polida para brilhar como um emblema do Céu irradiando em todas as direções os refulgentes e luminosos raios do Sol da Justiça. A Igreja há de ser alimentada com o maná do Céu e guardada unicamente sob a proteção de Sua graça. Vestida com a completa armadura de luz e justiça ela entra em seu conflito final. A escória, material imprestável, será consumida, e a influência da verdade testifica ao mundo de seu caráter santificador e enobrecedor. (Igreja Remanescente, 14[ Apoc 11: 19.]Mas, na Palavra escrita é que está revelado com maior clareza oconhecimento de Deus ao homem caído. Este é o repositório dasinexauríveis riquezas de Cristo. ... As verdades da redenção sãosusceptíveis de desenvolvimento e expansão constantes. Emboravelhas, são sempre novas, e revelam constantemente ao pesquisadorda verdade maior glória e força mais potente. Rom 1: 20 (Parábolas deJesus, págs. 125-127.)
  26. 26. A p o s t i l a – G ê n e s i s | 26"Temos, porém, este tesouro", prosseguiu o apóstolo, "em vasos debarro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós." IICor. 4:7. Deus poderia ter proclamado Sua verdade por meio de anjossem pecado, mas este não é Seu plano. Ele escolhe seres humanos,homens repassados de fraquezas, como instrumentos na execução deSeus desígnios. Os tesouros de valor inapreciável são colocadosem vasos terrestres. Por intermédio de homens Suas bênçãosdevem ser transmitidas ao mundo. Por meio deles Sua glória devebrilhar em meio às trevas do pecado. Em amorável ministério devemir ao encontro dos necessitados e dos pecadores e guiá-los à cruz. E emtoda a sua obra devem tributar glória, honra e louvor Àquele que é sobretudo e sobre todos. (AA, 330) A Bíblia revela a verdade de maneira tão simples, e com tão perfeitaadaptação às necessidades e anseios do coração humano, que teminspirado admiração e encanto aos espíritos mais cultos, ao mesmotempo que habilita o humilde e ignorante a discernir o caminho dasalvação. Não obstante, essas verdades singelamente declaradas seprendem a assuntos tão elevados, de tão vasto alcance, tãoinfinitamente além da capacidade de compreensão humana, que não aspodemos aceitar senão por haverem sido declaradas por Deus. Assimse nos expõe o plano da salvação, de maneira que toda pessoapossa ver os passos que lhe cumpre dar em arrependimento paracom Deus e fé para com nosso Senhor Jesus Cristo, a fim desalvar-se pela maneira indicada por Deus; todavia, sob essasverdades, tão facilmente compreendidas, jazem mistérios que são oesconderijo de Sua glória - mistérios que se acham para além doalcance de nosso espírito em suas indagações, inspirando, no entanto,reverência e fé ao sincero pesquisador da verdade. (Caminho a Cristo,107 e 108).O significado da dispensação judaica não é ainda plenamentecompreendido. Profundas e vastas verdades são prefiguradas emseus ritos e símbolos. O evangelho é a chave que desvenda seusmistérios. Pelo conhecimento do plano de salvação, suas verdadesabrir-se-nos-ão ao entendimento. Muito mais do que o fazemos, temos oprivilégio de compreender estes maravilhosos temas. Devemosentender as profundas coisas de Deus. Anjos desejam atentar para
  27. 27. 27 | Apostila –Gênesisas verdades reveladas a quem sonda a Palavra de Deus com coraçãocontrito, e suplica por maior comprimento, e largura, e profundidade, ealtura da sabedoria, que só Ele pode conceder. (PJ, 133).O Antigo Testamento é o solo em que as sementes da piedade práticaforam inicialmente semeadas. Isto foi repetido nas palavras de Cristoaos Seus discípulos. Ainda precisamos aprender que toda adispensação judaica é uma profecia resumida do evangelho. É oevangelho em símbolos. Da coluna de nuvem Cristo apresentou osdeveres do homem para com Deus e para com o seu semelhante. Suaspalavras, aos instrumentos designados, tanto no Antigo como no NovoTestamento, indicam claramente as virtudes cristãs. Através de todos osSeus ensinos Ele espalhou as preciosas sementes da verdade. Todosos que praticarem os princípios expostos, verão que estes são comopérolas preciosas, de muito valor. (MM. Refletindo a Cristo, 104)Em Gen 2: 25. “E ambos estavam nus, o homem e a sua mulher; e nãose envergonhavam.” (textos para Cf, Isa 47: 3; Ez. 16: 37; Lam 1: 8.;Gen 3: 7). nestes textos a palavra “nudez” reflete prostituição. Mas só éprostituição porque foi praticado com outro ser que é seu marido.Em Levitico 18: 6. Diz: “Nenhum de vós se chegará áquela que lhe épróxima por sangue, para descobrir a sua nudez. Eu Sou o Senhor”Aqui mais uma vez indica um ato sexual entre duas pessoas. A palavra“nudez”, se for colocada como verbo, é ‘ARAH, e significa se despejar,esparrar para fora de si, fluir para fora. Ou seja um ato sexual, etornando os dois uma só carne.Mas o texto também diz, que eles não sentiam vergonha. A palavravergonha em hebraico é BOSH e significa a sensação de fazer algoerrado. Mas para eles não sentir vergonha estava fazendo tudoconforme a ordem de Deus.E por estarem de acordo com a ordem de Deus, não tinham de que seenvergonhar. Era um ato singelo sem sentimento de culpa, sem ciúmessem magoas imensas da perca.
  28. 28. A p o s t i l a – G ê n e s i s | 28Esse casal, que não tinha pecados, não fazia uso de vestesartificiais. Estavam revestidos de uma cobertura de luz e glória, talcomo a usam os anjos. Enquanto viveram em obediência a Deus, estaveste de luz continuou a envolvê-los. Embora todas as coisas que Deuscriou fossem belas e perfeitas, e aparentemente nada faltasse sobre aTerra criada para fazer Adão e Eva felizes, ainda manifestou Seugrande amor plantando para eles um jardim especial. Uma porção deseu tempo devia ser ocupada com a feliz tarefa de cuidar do jardim, e aoutra porção para receber a visita dos anjos, ouvir suas instruções, e emfeliz meditação. (História da Redenção, págs. 20 e 21)Gen 3: 1. “ORA, a serpente era mais astuta que todas as alimárias docampo que o SENHOR Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assimque Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim?” (Jó 1: 7;2: 2; II Cor 11: 3; Apoc 12: 9; 20: 2)A palavra “Comereis” em hebraico é ‘AKAL’ que significa, além dedevorar, absorver, receber de alguém, ter conhecimento, experimentar.(Jer 15: 16; Ez 2: 8; 3: 3; Apoc 10: 10)No jardim tinha duas Árvores, que não eram Árvores, mas sim seres.(Gen 2: 9; Ez 31: 8; Prov 3: 13 - 18; 11: 30; Apoc 2: 7; Ez 47: 12)Em Rom 11: 29. “porque os dons e a vocação de Deus sãoirretratáveis”. O anjo caído, tinha perdido o corpo celeste, masconservava os dons. ( Isa 14: 29: Luc 13: 3; II Reis 1: 2; II Cr 26: 6; Isa11: 8; Deut 8: 15)Sendo assim Lúcifer se apresenta a Eva como serafin, serpente voadoraGen 3: 2 E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardimcomeremos,Gen 3: 2; 2: 16;A palavra para respondeu no hebraico é ‘AMAR’ e significa falar, dizer,em fim comunicar com a boca, porém há um significado interessante
  29. 29. 29 | Apostila –Gênesisque é “oferecer, usado em Gen 22: 2. “prosseguiu Deus: .. essaexpressão pode significar também intenção de fazer algo Ex 2: 14.Fruto (Deut 7: 13) tocar (I Sam 10: 26; Gen 20: 6). Então a ordem erapara nem tocar, que significa também envolvimento sexual.GEN 1: 28 “E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai emultiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre ospeixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal quese move sobre a terra.”Cristo procura reproduzir-Se no coração dos homens; e faz isto porintermédio daqueles que nEle crêem. O objetivo da vida cristã é afrutificação - a reprodução do caráter de Cristo no crente, para que Sepossa reproduzir em outros. (MM, Exaltai-o, 275; Gen 1: 28) Col 1: 6, 10.Dia a dia estamos semeando sementes para a colheita futura. Nãopodemos ser demasiado cuidadosos quanto à semente que pornossas palavras semeamos. Muitas vezes são proferidas palavrasdescuidadamente, e esquecidas, mas essas palavras, para bem ou paramal, trarão sua sementeira. Semeai uma palavra áspera, cruel, e estasemente, encontrando terreno na mente dos ouvintes, brotará parafrutificar segundo a sua espécie. Semeai uma semente em amoráveis,gentis palavras à semelhança de Cristo, e ela vos trará abundantecolheita em retribuição. Acautelemo-nos, não profiramos palavras que emvez de serem uma bênção, sejam maldição. Se semearmos trigo,ceifaremos trigo; se semearmos joio, ceifaremos joio; e a colheita, seja detrigo ou seja de joio, será certa e farta. (MM, Nossa Alta Vocação, 292)Gen 3: 3 “Mas Deus disse, não coma do fruto. (Prov 18: 20, 21; Luc 3: 8)Gen 3: 5 disse a serpente “no dia em que comeres sereis como Deus,ou seja, como eu. Sabedor do bem e do mal. Ou seja a serpente dissese receberes de mim serás como eu. Terás a mesma natureza minha.Pois o salvador dissera que no dia em que comesse morreria. Neste
  30. 30. A p o s t i l a – G ê n e s i s | 30versículo a palavra Deus é ELOHIYM palavra que na Biblia é aplicada aDeus, mas que pode ser aplicada a qualquer pessoa de nobre e grandevalor. Mas que Deus eles seriam iguais? Teriam a natureza de Lúcifer.TIAGO 1: 15. “Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá a luz opecado, uma vez consumado, gera a morte.” (Gen 3: 6; Jo 15: 35; Sl 7:14; Isa 59: 4; Rom 6: 23)Gen 3:4 Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis.(João 8: 44; II Cor 11: 3)Gen 3: 5 Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes seabrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal.(Ef 1: 18; Gen 1: 26; 14: 18, 19; Sl 7: 8; Isa 14: 14; Ez 28: 2)Gen 3: 6 ‘‘Quando Eva viu que a árvore parecia agradável ao paladar,era atraente aos olhos e, além disso desejável aos olhos para dela seobter discernimento, tomou do seu fruto, comeu-o e deu a seu marido,que comeu também.’ (Tiag. 1: 14, 15; I João 2: 16; Num 30: 7, 8; Jer 44:15, - 24; Isa 34: 14, 15; II Cor 11: 3; I Tim 2: 14.) (Lilit Isa 34: 14; Sl 74:14; Isa 13: 22; Apoc 18: 2)Quando Eva viu "que aquela árvore era boa para se comer, e agradávelaos olhos, e árvore desejável para dar entendimento, tomou do seufruto, e comeu". Gên. 3:6. Era agradável ao paladar, e enquanto comia,pareceu-lhe sentir um poder vivificador, e imaginou-se entrando em umasuperior condição de existência. Havendo já transgredido, tornou-setentadora a seu marido, e "ele comeu". Gên. 3:6 (ED, 25)Haverá mulheres que se tornarão tentadoras, e que farão o máximopossível para atrair e conquistar a atenção dos homens sobre elas.Primeiro, buscarão granjear-lhes a simpatia, a seguir, a afeição, edepois levá-los a violar a santa lei de Deus. Os que desonraram aprópria mente e a afeição fixando-as naquilo que é proibido pelaPalavra de Deus, não terão escrúpulos de desonrar a Deus com
  31. 31. 31 | Apostila –Gênesisvárias espécies de idolatria. Deus os entregará a suas vis afeições.Importa guardar os pensamentos; cercar a alma com os preceitos daPalavra de Deus; e ser muito cuidadoso quanto a cada pensamento,palavra e ação a fim de não ser surpreendido pelo pecado. Review andHerald, 17 de maio de 1887. (Evangelismo, 681)

×