Your SlideShare is downloading. ×
Projeto de ciclovia para o bairro da Torre - Recife / PE - equipe LUBIENSKA
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Projeto de ciclovia para o bairro da Torre - Recife / PE - equipe LUBIENSKA

4,718

Published on

Projeto de construção de ciclovia no bairro da Torre - Recife / PE.

Projeto de construção de ciclovia no bairro da Torre - Recife / PE.

Published in: Education, Travel
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,718
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
67
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. INSTITUTO HELENA LUBIENSKA Projeto de criação de ciclovia no bairro da Torre, Recife, Pernambuco Paulo Marcelo Pontes (orientador) Tâmara Marques da Silva Gomes (co-orientadora) Alessander Gabriel Soares Gomes (Técnico) Amanda Torres Campos Ana Carolina Torres Campos Camila Purificação Van-Lume Fernando Antônio Carneiro Borba Carvalho Neto Guilherme José Magalhães Jacobs Lucas Henrique Cavalcanti Santos Marcela Rodrigues de França Nara Ferreira de Araújo Thiago Dornelles Ribeiro Magalhães 2009
  • 2. Índice Introdução.............................................................................................. Pág. 4 Fundamentação Teórica ....................................................................... Pág. 5 1.0 As mudanças climáticas e seus impactos............................... Pág. 5 2.0 Impactos sobre o Nordeste Brasileiro...................................... Pág. 7 3.0 Associação das mudanças climáticas às emissões de veículos automotores ....................................................................................... Pág. 8 Proposta ................................................................................................ Pág.10 4.0. Construção de ciclovias como alternativa viável..................... Pág.10 5.0 Proposta de ciclovia no bairro da Torre................................... Pág.17 Resultados............................................................................................. Pág.18 6.0 Partindo para a ação ............................................................... Pág.18 7.0 Outras Soluções ...................................................................... Pág.18 Referências............................................................................................ Pág.19 Página 2
  • 3. Índice de imagens, gráficos e tabelas ...............................................................................................................Página Foto 1..................................................................................................... 5 Foto 2..................................................................................................... 8 Foto 3.....................................................................................................10 Foto 4.....................................................................................................11 Foto 5.....................................................................................................12 Foto 6.....................................................................................................12 Foto 7.....................................................................................................13 Foto 8.....................................................................................................13 Foto 9.....................................................................................................15 Foto 10...................................................................................................16 Foto 11...................................................................................................17 Gráfico 1................................................................................................. 6 Gráfico 2................................................................................................. 7 Tabela 1................................................................................................. 14 Página 3
  • 4. Introdução Nós, estudantes do Instituto Helena Lubienska, situado no bairro da Torre, Recife, estamos participando do campeonato de robótica First Lego League (FLL) e elaboramos este projeto com o intuito de beneficiar o meio- ambiente, o qual vem sendo bastante agredido, e a população do bairro, que atualmente sofre pelas fortes mudanças climáticas. Propomos neste projeto a viabilidade da construção de uma ciclovia que abranja o bairro da Torre, na tentativa de reduzir as emissões poluentes dos veículos motorizados, como aumentar e aperfeiçoar o tráfego de ciclistas em áreas protegidas, garantindo, assim, sua segurança. Outra medida por nós proposta é o uso de combustíveis biorrenováveis nos veículos do transporte público, o que seria útil em reduzir a poluição. Para tanto, pesquisamos exemplos de cidades as quais investiram em infra-estrutura urbana como Curitiba e que usam tais combustíveis. Certos de sua atenção e leitura criteriosa, encaminhamos esta proposta para a Câmara de Vereadores do Recife, conscientes de sua responsabilidade e interesse em minimizar os problemas que nossa população encontra em seu cotidiano. Nosso objetivo é conscientizar e ajudar a população a solucionar o problema do aquecimento global, que está afetando muito o mundo e queremos mudar isso para vivermos num lugar melhor. RECIFE, 30 de abril de 2009. Página 4
  • 5. Fundamentação Teórica 1.0. As mudanças climáticas e seus impactos O efeito estufa, tido como principal causador das mudanças climáticas, é um processo que ocorre naturalmente na Terra e que favorece a vida. Isso acontece há milhões de anos e mantém a temperatura do nosso planeta constante por volta de 15 °C. Se não fosse esse fenômeno, a temperatura terrestre giraria em torno de 17 °C. No entanto, desde a Revolução Industrial, o ser humano polui o planeta sucessivamente, fazendo com que o efeito estufa aumente em um ritmo bastante acelerado e se torne prejudicial à vida no planeta. Aí está o advento das mudanças climáticas, porque à medida que a poluição começou a degradar o ambiente, ocorreram alterações na temperatura. Apenas no século passado, a Terra esquentou cerca de 0,7 °C. Apesar de aparentemente esta variação ser insignificante, deve-se ressaltar que a última era glacial apresentou temperatura média inferior em apenas cinco graus em relação à temperatura média dos dias atuais. (Relatório “Mudanças climáticas: mudanças de vidas”, divulgado pelo Greenpeace e disponível em http://www.greenpeace.org.br/clima/pdf/catalogo_clima.pdf) Decorrentes das mudanças climáticas, geleiras polares derretem em quantidades cada vez maiores causando um efeito contínuo visto que, ao derreterem, liberam gás metano (CH4), um dos principais causadores do aquecimento global. Como consequência direta, esse derretimento causa a elevação do nível do mar e extinção de espécies como os ursos polares, adaptados à vida apenas em um ambiente específico. Em 2005, testemunhas afirmam ter visto cerca de quarenta ursos polares nadando em busca de gelo. Depois, viram quatro corpos desses animais flutuando a 260 km de distância dele. Ou seja, a crescente mortalidade de animais é uma das muitas conseqüências do aquecimento global, não ocorrendo apenas nos pólos mas em todos os ecossistemas da Terra. Foto 1. Mudanças climáticas observadas na Patagônia Patagônia há 40 anos atrás Patagônia hoje (Fotografia extraída do relatório “Mudanças Climáticas, mudanças de vidas”, elaborado pelo Greenpeace, disponível em: http://www.greenpeace.org.br/clima/pdf/ catalogo_clima.pdf , acessado no dia 26/03/2009) Página 5
  • 6. Uma outra evidência do aquecimento global é o branqueamento de corais, os que são responsáveis por filtrar cerca de 90% da atmosfera, produzindo o oxigênio necessário à manutenção da vida. Esse fenômeno deve- se a outro chamado bleaching, que é a morte ou expulsão das algas associadas aos corais. É natural, no entanto, que o aumento da temperatura do mar associado ao ser humano é agravante nesse processo. Dentre as conseqüências previstas está a morte dos corais, comprometendo bastante toda a vida marítima e prejudicando pessoas dependentes da pesca. Gráfico 1. Degradação das áreas de corais em todo o planeta (Disponível em: http://www.associacaodesafio.com.br/index.php? option=com_content&task=view&id=154&Itemid=59, acessado em 08/03/2009) A elevação da temperatura dos oceanos também reduz o sequestro de gás carbônico (CO2) pelas águas, já que a elevação de temperatura reduz a solubilidade de um gás em um líquido. Ou seja, haverá aumento na concentração de gás carbônico na atmosfera, por conta de sua solubilidade reduzida. Trata-se de uma reação em cadeia. Furacões como o Katrina que em 2005 atingiu Nova Orleans; a seca na Amazônia também ocorrida no mesmo ano são fatos nunca antes presenciados. Ainda há muitos outros problemas causados pelas mudanças climáticas e, provavelmente, a tendência é que eles fiquem mais freqüentes nos próximos anos se nada for feito. 2.0. Impactos sobre o Nordeste brasileiro Página 6
  • 7. O Nordeste brasileiro sempre foi alvo de grandes secas, as quais puderam ser superadas. Em particularidade, o semi-árido tem sido uma preocupação para os governos e para a sociedade ao longo dos anos, por seu clima altamente rigoroso. Isto é, dentre outras coisas, devido às massas de ar locais e ao efeito da continentalidade. (Relatório “Mudanças climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade”, elaborado pelo INPE) Contudo, nos últimos anos, essas temperaturas vem aumentando deliberadamente em razão do aquecimento global. A variação da temperatura global do planeta está representada no gráfico abaixo, de acordo com relatório emitido pelo INPE: Gráfico 2. Variação da temperatura global do ar (FONTE: Relatório “Mudanças climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade”, elaborado pelo INPE) Pesquisadores apontam cidades como Recife e Rio de Janeiro como as primeiras do Brasil a serem tomadas pelos oceanos, visto que o derretimento das geleiras polares causado pelo aquecimento global pode provocar o aumento do nível do mar, afetando de imediato as cidades litorâneas. Com o objetivo de discutir os impactos do aquecimento global, meteorologistas de quatorze estados brasileiros reuniram-se no Instituto de Tecnologia de Pernambuco (Itep), realizada em 15 de abril de 2009. Dentre os subtemas abordados estavam: mudanças climáticas, adaptação e mitigação voltados a diversos setores e sistemas, como biodiversidade, agricultura, energias renováveis, zonas costeiras, recursos hídricos, saúde humana, megacidades, desastres naturais e políticas públicas. Página 7
  • 8. 3.0. Associação das mudanças climáticas às emissões de veículos automotores O uso continuado de combustíveis não-renováveis derivados do petróleo acarreta na emissão de gases poluentes, principalmente dióxido de carbono (gás carbônico), um dos principais causadores do efeito estufa. Quimicamente, a queima de um único litro de gasolina por um veículo automotor libera na atmosfera cerca de 1.100 litros de dióxido de carbono na atmosfera terrestre. A atual frota de veículos de passeio estimada no Recife é de 453.930 (Estatísticas apresentadas pelo Detran - PE, Fevereiro de 2009). Se estes veículos trafegarem na cidade por metade dos dias do ano e consumirem apenas um litro de gasolina, só o Recife contribuiria com a emissão de cerca de 91.126.447.500 litros de dióxido de carbono. Foto 2. Trânsito de veículos no Recife é intenso (Fotografia tirada em 12/03/2009, no bairro da Torre) Torna-se evidente a urgência de se elaborar novas formas de transporte, com menor emissão de poluentes. A demora na elaboração de projetos dessa natureza pode acarretar na impossibilidade de se reverter os impactos futuros estimados por especialistas, como a elevação do nível dos oceanos e o consequente desaparecimento de diversas cidades costeiras. Página 8
  • 9. Entre as diversas alternativas, estão a melhoria e ampliação dos meios de transporte público, que utilizem fontes renováveis de combustíveis; a criação e ampliação da área verde da cidade; a redução do consumo de energia elétrica e a conscientização e educação da população. Página 9
  • 10. Propostas 4.0. Construção de ciclovias como alternativa viável Em 1862, a prefeitura de Paris construiu nos parques da cidade caminhos especiais para os velocípedes não se misturarem com charretes e carroças, originando as primeiras ciclovias. Mais pistas cicláveis foram construídas na década de 1930 na Alemanha durante o Nacional Socialismo para facilitar o transito dos carros, os quais começavam a ser construídos pela indústria automobilística. Hoje em dia, há várias ciclovias espalhadas por todo o mundo, principalmente em cidades como Amsterdam, na Holanda. Contudo, a locomoção em duas rodas é considerada inviável pelos humanos da contemporaniedade que tem, em sua maioria, optado por “andar’’ de carro, poluindo e causando mais mudanças climáticas no planeta além de acidentes envolvendo ciclistas “sem-ciclovia’’. Dessa forma, uma das possíveis soluções para conter e retardar problemas desse tipo seria a construção de mais ciclovias, já que seria benéfico para o meio ambiente e para a saúde das pessoas. Foto 3. Bicicletas em Amsterdam (Imagem extraída de: http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/pralaepraca/84596_post.shtm, acessado em 28/03/2009) Um dos lugares onde caminhos cíclicos mais funcionam é a já citada capital holandesa onde há, dentre outras coisas, estacionamento de bicicletas. Entretanto, há locais mais próximos do Brasil como Bogotá, que são considerados referenciais neste aspecto. Cerca de 5% dos deslocamentos da cidade colombiana são feitos através de bicicletas. Nos fins de semana, ruas Página 10
  • 11. são fechadas para permitir um maior trânsito de ciclistas, além da capital contar com uma estrutura voltada aos ciclistas. Em entrevista realizada por esta equipe com Antonio Carlos Pavão, presidente do Espaço Ciência e professor de Química da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), sobre a problemática das mudanças climáticas, o cientista apontou o uso de bicicletas como uma alternativa viável e importante para a redução dos poluentes que contribuem para o aumento do efeito estufa. No Espaço Ciência, inclusive, o transporte interno de funcionários utiliza apenas bicicletas. Foto 4. O cientista Antonio Carlos Pavão defende a utilização de bicicletas como forma de transporte O bairro da Torre, na cidade de Recife, não apresenta grandes desníveis em sua topografia, o que pode ser considerado como “vocação natural” para a construção de ciclovias. Outros fatores que devem ser levados em consideração é a quantidade de bicicletas que trafegam pelas vias públicas do bairro, por tratar-se de um bairro em que considerável parcela da população não apresenta grandes recursos financeiros, e do risco elevado de acidentes, já que os ciclistas disputam o mesmo espaço que os veículos automotores. O bairro ocupa uma área de 118,8 hectares, compreendida entre as margens do rio Capibaribe e a avenida Caxangá. Página 11
  • 12. Foto 5. Bairro da Torre em fotografia de satélite. (Fotografia disponibilizada pelo Google Earth, programa disponível na internet ) Foto 6. Ciclista invadindo via destinada a automóveis, por falta de área específica destinada a bicicletas. (Fotografia tirada no dia 12/03/2009; no bairro da Torre) Página 12
  • 13. Além dos fatores citados anteriormente, a inexistência de sinalização que especifique uma área destinada ao tráfego de bicicletas e a desinformação sobre as regras de boas práticas no trânsito contirbuem para que ciclistas assumam posturas inseguras no trânsito, cometendo infrações que podem resultar em lesões graves e até mesmo morte, como o avanço de sinais vermelhos. Foto 7. Ciclista avançando sinal vermelho. (Fotografia tirada em 12/03/2009, no bairro da Torre) Foto 8. Ciclista disputa espaço entre veículos e pedestres, gerando situação de risco evidente. (Fotografia tirada em 12/03/2009, na avenida Caxangá, próximo ao Parque de Exposições do Cordeiro). Página 13
  • 14. Tabela 1. Estatistica de acidentes envolcendo ciclistas no Recife (com vítimas) Número de acidentes envolvendo Ano ciclistas, com vítimas 200 184 acidentes 5 200 134 acidentes 4 200 103 acidentes 3 200 345 acidentes 2 200 259 acidentes 1 FONTE: Anuários estatísticos do Denatran, 2001 – 2005. Um agravamento que dificulta projetos desta natureza é a falta de manutenção das ciclovias já existentes, como a ciclovia da avenida Caxangá, que apresenta condições deterioradas, como o apagamento da faixa destinada aos ciclistas e a consequente invasão desse espaço por motocicletas e carros e a falta de conscientização de motoristas, ciclistas, pedestres e demais usuários da via pública sobre regras de boas práticas de trânsito. E ainda, reforça-se o risco ocasionado pela ausência de fiscalização e sinalização, contribuindo para a existência de acidentes que resultam em lesões e inclusive mortes. Foto 9. A ciclovia da avenida Caxangá encontra-se desgastada e necessita de manutenção em caráter de urgência. Página 14
  • 15. (Fotografia tirada em 12/03/2009, na avenida Caxangá) Foto 10. Motos e bicicletas na avenida Caxangá, com risco de acidentes. (Fotografia tirada em 12/03/2009, na avenida Caxangá) Em relação ao Brasil, cidades importantes como Brasília e São Paulo têm criado projetos que visam a criação de ciclovias. Esses projetos tem sido destaque na mídia, por conta dos benefícios econômicos, sociais e ambientais associados à execução desses projetos. Página 15
  • 16. Em vinte e nove de março de 2006, o site Bicicleta na via (http://bicicletanavia.multiply.com), apresentou um artigo intitulado Via expressa para ciclistas, de onde se extraiu o trecho exposto abaixo: “A estrutura viária do Distrito Federal está prestes a ganhar uma nova concepção adaptada ao ciclista. A conclusão do relatório final do Programa Cicloviário da capital definiu a construção de ciclovias em 13 regiões administrativas. Os projetos de 15 micro redes prevêem a colocação de 153 km de asfalto em trechos urbanos e rodoviários para uso exclusivo de quem depende da bicicleta para trabalho, estudo, esporte ou lazer. O custo estimado das obras é de R$ 15 milhões.” (FONTE: http://bicicletanavia.multiply.com/journal/item/50, acessado em março de 2009) Em resumo, as ciclovias têm sido apontadas, por especialistas de diversas áreas e localidades, como alternativas viáveis que trazem benefícios econômicos, sociais e ambientais, além de contribuem sensivelmente para a redução das emissões gasosas provocadas pela queima de combustíveis não- renováveis derivados do petróleo, contribuintes das mudanças climáticas observadas nos últimos anos, conforme descrito anteriormente. 5.0 Proposta de ciclovia no bairro da Torre Diante do exposto, esta proposta tem como finalidade sugerir a realização estudos que avaliem a possibilidade de se construir e se manter uma ciclovia no bairro da Torre, em Recife. A vocação natural da Torre para a construção de ciclovias apresenta-se evidente com uma topografia local plana e por uma considerável quantidade de ciclistas se movimentando pelas ruas do bairro. A ciclovia terá impacto direto sobre a grande quantidade de ciclistas que trafegam nas ruas do bairro, aumentando sua segurança e ampliando a discussão sobre a necessidade de veículos de transporte não-poluentes. Ao mesmo tempo, propõe-se a criação de uma campanha educativa entre motoristas e ciclistas, com o objetivo de conscientizar a população sobre os benefícios a serem obtidos pela construção e boa utilização de áreas destinadas ao tráfego exclusivo de bicicletas. Certamente, as próximas gerações apreciarão o esforço e dedicação dos representantes eleitos pela população, no tocante à preocupação dos impactos provocados pelas mudanças climáticas a nível regional e na construção de alternativas que minimizem esses impactos, melhorando a qualidade de vida dos futuros habitantes. Página 16
  • 17. Resultados 6.0. Partindo para a ação Cientes de que a simples produção de um projeto não solucionará os problemas surgidos com as mudanças climáticas, nossa equipe criou estratégias de ação para possibilitar a transformação deste projeto em ação social. Produzimos uma cartilha que utiliza os repentes do cordel, um símbolo de nossa região, para alertar a população sobre os riscos e demonstrar como cada pessoa pode contribuir para minimizar os efeitos dessas mudanças. Dentro da intuição escolar, realizamos apresentações para os demais estudantes, a fim de conscientizá-los sobre o papel que cada um pode desempenhar efetivamente. Foto 11. Apresentação em sala de aula, para professores e estudantes. (Foto tirada em 20 de maio de 2009) Página 17
  • 18. Em contrapartida, o projeto foi entregue ao vereador Jairo Brito, da Câmara Municipal de Vereadores do Recife, para que possa ser apreciado pelos vereadores desta cidade, que poderão efetivamente compor um projeto de lei para a construção de ciclovia no bairro da Torre. 7.0. Outras soluções Uma das propostas da FLL (First Lego League) é a de trocar informações com outras comunidades que enfrentem os mesmos problemas, analisando as soluções encontradas por estas comunidades e propondo outras soluções alternativas. Nossa equipe buscou trocar informações com outros grupos participantes do campeonato, de regiões distintas, como Osasco (SP), Brasília (DF) e Olinda (PE). Os contatos foram realizados através da internet, por meio de e-mails e mensagens instantâneas. Entre as soluções encontradas pelas equipes, estão propostas de redução e reciclagem da poluição provocada pelo consumo de óleo comestível e de redução e tratamento do lixo urbano, de forma a reduzir a emissão de gases poluentes, que possam contribuir para o aumento das mudanças climáticas. Através de um blog (www.robolubi.blogspot.com) e de um fórum (www.robolubi.forums-free.com) que mantemos na internet para tratar de assuntos referentes à robótica e educação tecnológica, divulgamos este relatório, como forma de divulgar nosso trabalho e estimular criação de outros projetos semelhantes, em outras localidades. Página 18
  • 19. Referências: MARENGO, José A. Mudanças climáticas globais e seus impactos sobre a biodiversidade, relatório elaborado pelo INPE, 2007. Mudanças climáticas, mudanças de vida, relatório elaborado pelo Greenpeace, 2009. Mudanças climáticas: o que são, artigo disponível em http://p2- raw.greenpeace.org/brasil/greenpeace-brasil-clima/entenda/o-que-sao Regras da FLL e orientações para realização da pesquisa, disponível em http://www.usfirst.org/firstlegoleague/community/fll/judgeblog.html Urso Polar, artigo disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Urso-polar Ciclovia, artigo disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Ciclovia . Ciclovias em Amsterdã, artigo disponível em http://pedaleiro.com.br/2008/11/20/a-amsterdam-da-america-do-sul-bogota/ Via expressa para ciclistas, http://bicicletanavia.multiply.com/journal/item/50, acessado em março de 2009 Pavão, Antonio Carlos. Entrevista concedida no Espaço Ciência, em setembro de 2008. Página 19

×