Capitulo 7 - Golpes da Vida...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Capitulo 7 - Golpes da Vida...

on

  • 313 views

7º Capitulo da obra Escolhas para uma vida.

7º Capitulo da obra Escolhas para uma vida.

Statistics

Views

Total Views
313
Views on SlideShare
313
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Capitulo 7 - Golpes da Vida... Capitulo 7 - Golpes da Vida... Document Transcript

  • Capitulo 7 Golpes da Vida... Dia 15 de julho de 2012, exatamente às 18 horas. Todos estavam arrumando as malas, afinal de contas já estava na hora de irem embora daquela casa do lago a qual quase matou cada um deles. Sarah estava descendo com as malas do seu quarto quando viu Marco parado no meio da sala, como se estivesse admirando alguma coisa. -O que foi? Por que está parado igual um idiota no meio da sala? – Perguntou Sarah, fazendo esforço para descer com as malas. -Vou sentir saudades de tudo isso que passamos aqui... – Disse Marco abaixando a cabeça e lembrando-se do que aconteceu nesses dias de férias dentro da casa. -Está bem! Sinta saudade depois, mas, por favor, me dê uma mão aqui! – Gritou Sarah começando a cair da escada. Marco voltou em si após a reflexão que tivera e correu para segurar Sarah a qual caiu em cima do colega indo parar os dois no chão e abrindo todas as malas. Logo após o tombo Sarah percebeu que estava sentada em cima de Marco e soltou um grito. -Tarado! Saia de baixo de mim! Eu só pedi ajuda e você já vem querendo ficar próximo de lugares íntimos meus? SAFADO! – Gritou Sarah se levantando e se afastando do garoto. -Mas eu não fiz nada... – Disse o garoto ainda esticado no chão – Foi você que caiu em cima de mim e – foi interrompido por Sarah. -TANTO FAZ! Só sei que estamos atrasados para por as malas dentro do carro da mãe da Jéssica que está esperando lá fora! – Disse a garota com o rosto avermelhado e começando a juntar as roupas novamente na mala que abriu com a queda. -Meu Deus, como você é complicada! – Resmungou Marco se levantando e indo ajudar a garota a catar as roupas. -Não! – Gritou Sarah de cabeça baixa – E-Eu cato pode deixar... Você tem que arrumar a sua mala ainda! Então anda logo! Marco ficou surpreso com a atitude da colega, mas seguiu o comando e subiu para arrumar as suas. Sarah após ter passado mal com a comida, ter tomado o remédio no quarto do Eren e o acontecimento do quadriciclo estava agindo de um jeito diferente. Tentou fazer comida
  • sozinha e ficou algumas noites sem jantar, mas Marco, como bom amigo, sempre levou jantar para a garota no quarto. Perguntava sempre o que estava acontecendo e a garota sempre respondia que estava resolvendo uns assuntos com os pais pelo celular, mas era algo que não fazia Marco acreditar nas palavras da amiga, posto que esta não se dava bem com os pais. Será que Sarah ainda se sentia culpada pelo que aconteceu com o quadriciclo? Eu já falei que sai bem e não foi nada, mas por que ela está assim? Eram alguns dos pensamentos que rondavam a cabeça de Marco. Enfim, todos colocaram suas malas no carro da mão de Jéssica e entraram logo em seguida. Dentro do carro os jovens conversavam. -É, gente, foram divertidos esses dias, não foram? – Perguntou Jéssica esticando os braços dentro do carro. -Se você chama o perigo de divertido, acho que sim... – Respondeu Samanta. -É, gente, mas ainda temos mais duas semanas de férias. Teremos muito tempo ainda pra descansar antes de começarem as aulas novamente! – Disse Marco, alegre. -Só para vocês mais duas semanas de tranquilidade, mas para mim, não... – Disse Eren, suspirando. -Por quê, Eren? – Perguntou Samanta. -Nossa! É verdade! Agora lembrei que você fará um vestibular no meio do ano, não é? – Perguntou Marco. -Isso mesmo... Daqui alguns dias eu estarei indo fazer a prova que irá mudar minha vida. – Disse Eren, esperançoso. -O que irá prestar, Eren? – Perguntou Jéssica. -Relações Internacionais... É muito difícil, mas estou estudando muito mais do que eu já estudava. – Respondeu Eren. -Eren, você é inteligentíssimo! Você irá passar com certeza! – Disse Marco dando apoio para o colega. -Veremos, não é Marco? – Disse Eren, sorrindo. -Você passa tranquilo, Eren! – Disse Samanta, abraçando o rapaz. Marco, ao ver a cena olhou para Sarah, mas assustou a ver a menina olhando pela janela e com o pensamento longe. Mas, assim que percebeu que Marco tinha notado sua fugida de pensamento para outro lugar Sarah voltou a agir normalmente e quis brigar com Samanta, que estava abraçando Eren. A situação se acalmou logo em seguida, mas Marco não parava de pensar no que preocupava tanto Sarah e o que estaria deixando a garota tão distraída. Ainda no caminho de volta, Eren perguntou:
  • -E vocês, por que não irão prestar vestibulares agora, no meio do ano? -Por que ainda estou indeciso no que vou fazer. Quero ter certeza para escolher na hora necessária, no fim do ano. – Respondeu Marco. -Eu quero ser uma artista musical! – Disse Jéssica, toda animada. -Eu não vou prestar agora por que faz pouco tempo que cheguei ao país então fica complicado para eu decidir algo. -E você, Sarah? – Perguntou Eren para Sarah. -E-Eu também estou indecisa sobre o que prestar... – Respondeu a garota com vergonha. -É... Pelo visto eu sou o único da turma que vai prestar mesmo no meio do ano... Boa sorte para mim! – Disse Eren dando risadas. E assim foram os cinco amigos para a segunda parte das suas férias, estas que ainda guardavam muitas surpresas. Dois dias após terem voltado da casa do lago, Marco estava sentado em frente ao computador, novamente sem ter nada para fazer. Era exatamente 16 horas quando o rapaz, entediado, teve a brilhante idéia de ligar para Eren e ver com o colega o que poderiam fazer para mandar embora toda essa ociosidade que o assombrava. Entretanto Marco tentou uma, duas, três vezes e nada do Eren atender o celular. Já sei! Vou até a casa dele e falar com ele pessoalmente, pensou Marco, saindo logo em seguida de sua casa. O Sol estava forte, afinal era verão. Enfim o rapaz chegou à casa do amigo e bateu na porta várias vezes até que o rapaz apareceu. -Hey, Eren! Vamos fazer alguma coisa hoje à noite? – Perguntou Marco animado. -Não vou sair esses dias, amigo... – Disse Eren, suspirando. -O que? – Perguntou Marco, assustado. -Lembra? Tenho que fazer o vestibular agora, no meio do ano. Daqui a dois dias é a prova e estou estudando igual a um condenado... – Respondeu Eren, com o rosto cansado. -Então é por isso que você não atendeu o celular? -Ah! É... Tem isso também... Deixei meu celular longe para que eu não o ouvisse e perdesse a concentração nos estudos... Desculpe-me. – Disse Eren, abaixando a cabeça. -Relaxe, Eren! Não precisa se desculpar... Você está fazendo certo em estudar, mas não se mate, por que se você estiver cansado no dia toda sua preocupação e estudo não valerão de nada... – Disse Marco. -Eu sei, Marco... Mas... Mas eu preciso passar! Preciso! Afinal estudei firme todos esses anos, fui o melhor da classe. Preciso passar para tudo isso ter valido a pena! -Você vai, Eren! Tenha confiança em você! -Espero, Marco... Espero...
  • -Bem... Acho que vou indo nessa, já que você tem que estudar! Até mais, Eren! – Disse Marco, indo embora da casa do estudioso colega. No caminho de volta para casa, Marco vinha distraído, e assim que virou a esquina trombou com Sarah e Jéssica. -Hey, seu idiota! Olha por onde você anda! – Disse Sarah, brava com o amigo. -F-Foi sem querer! Eu não vi! – Disse Marco dando passos para trás. -Tudo bem! Tudo bem! Relaxem... Nós só trombamos. – Disse Jéssica entrando no meio da briga e tentado apartá-la. -Hey, meninas... Onde vocês estavam indo? – Perguntou Marco. -Estávamos indo à casa de Eren chamá-lo para tomar milk-shake agora à noite, já que está tão quente assim o clima... Na verdade, passamos antes de sua casa para te chamar também, mas sua avó nos disse que você tinha saído... – Disse Jéssica, sorrindo. -E-Eu acho legal essa idéia – Disse Marco, envergonhado por falar com Jéssica – M-Mas acho que o Eren não irá sair... Ele está trancado em casa, estudando para a prova daqui dois dias. -Bem... É uma pena ele não poder sair... Vamos nós três mesmo. O que acham? – Disse Jéssica. -E-Eu topo... – Confirmou Marco, com a cara avermelhada. -Por mim, tanto faz... – Disse Sarah como se não estivesse ligando para o que aconteceria se o Eren não fosse. -Então está fechado. Às 20 horas nos encontramos na praça em frente ao shopping para tomarmos o Milk-shake e batermos um papo. – Confirmou Jéssica, animada. -Ce-Certo! – Confirmou Marco. -Bem... Agora vou para casa tomar um banho e me arrumar para noite. Até mais, pessoal! – Disse Jéssica, saindo correndo para sua casa e deixando os dois amigos parados no local. -Acho melhor irmos também, não é? – Disse Marco começando a andar e Sarah vindo junto atrás. -Você tem uma boa chance hoje... Não perca... – Resmungou Sarah. -Boa chance? Você tem algum plano em mente? – Perguntou Marco. -Lógico! Até parece que você não me conhece! – Disse Sarah ficando brava com o amigo. -Na verdade, eu sabia que você tinha um plano... Só queria ter certeza que te conheço de cima em baixo. – Disse Marco, dando risadas. -O-O que? Na fale uma coisas dessas, seu tarado! – Gritou Sarah. -O que? – Assustou Marco – E-Eu não quis dizer nesse sentido, sua tonta! Mente poluída!
  • -Eu aqui, tentando te ajudar e você falando coisas obscenas como estas... – Resmungou Sarah, virando o rosto. -Ah! Eu não vou começar uma discussão por causa disso... – Suspirou Marco. -Bem... Ignorando o que aconteceu. O plano será da seguinte forma: Nós três compraremos Milk-Shake. Então quando você comprar o seu, eu “acidentalmente” trombarei em você que logo em seguida derrubara o seu, longe de mim, óbvio. No final de tudo, você terá que tomar junto com a Jéssica, formando um lindo casal romântico. – Terminou Sarah, dando risadas malignas. -Bem... Essa idéia não é tão ruim quanto eu pensava... Devo admitir, foi muito boa. – Disse Marco sorrindo. Como de costume, Marco parou na casa de Sarah e fez sua janta, mas foi tudo algo muito rápido. Marco teve que se apressar para ir à sua casa e se arrumar de maneira elegante para o plano, afinal este seria um dos melhores e que não arriscaria a vida de ninguém. Faltavam quinze minutos para dar o horário e Marco já estava saindo de casa. Ao chegar próximo à casa de Sarah, a viu saindo, posto que combinaram de irem juntos até o local de encontro marcado com Jéssica. Pela primeira vez, após longos meses de convivência, Marco achou que Sarah estava linda. A garota não estava vestindo nada de diferente. Uma calça jeans, camiseta preta e um tênis comum que garotas usam, mas o cabelo todo solto era algo que Marco parecia nunca ter reparado e que chamava muito sua atenção, agora. O rapaz não entendia por que se surpreendera tanto com a amiga e o por que de ela estar tão bonita sendo que o Eren não estaria no local, mas tinha que deixar tudo isso de lado e se concentrar no plano. No caminho, Marco não resistiu e perguntou: -O que você fez no cabelo? -E-Eu não fiz nada... Só fiz chapinha em casa... Fazia tempo que não usava... Está bonito? – Perguntou a garota, um pouco envergonhada passando a mão no cabelo. -S-Sim está muito... Muito legal... – Disse Marco voltando-se para frente e com certa timidez por nunca ter elogiado a amiga antes. -LEGAL? – Gritou Sarah partindo para cima do colega. -É! Calma! O que eu disse de errado?! – Gritou Marco, dando passos para trás. Neste momento que Sarah iria bater em Marco, Jéssica apareceu no horizonte e gritou: -Hey, pessoal! Aqui! – Disse Jéssica, abanando a mão. Enfim se encontraram, e Marco não levou uma surra. Juntos foram em direção a praça. -Por quê você não nos esperou na praça, Jéssica? – Perguntou Sarah.
  • -Porque vocês estavam demorando muito. Então, resolvi dar uma volta e ver se encontrava vocês. – Respondeu Jéssica. -Foi esse idiota que empacou no caminho! – Disse Sarah apontando para Marco. -Hey! Eu não fiz na – Foi interrompido por Jéssica. -Tudo bem, pessoal! Eu já entendi! Vamos logo comprar os Milk-shakes. – Disse Jéssica, sorrindo. Ao chegarem à praça, entraram na fila e cada um aguardando o seu Milk-Shake. Após alguns minutos de espera, todos já estavam servidos. Entretanto, quando Marco estava indo se sentar no banco, Sarah, como o planejado, esbarrou no rapaz e o fez derrubar todo seu Milkshake. -Sarah, olha por onde você anda! – Disse Marco, encenando estar bravo. -EU? Você quem deve olhar por onde anda! Já é a segunda vez que você esbarra em mim! – Retrucou Sarah, também encenando. -Gente! Por favor! Acalmem-se! – Disse Jéssica tentando apaziguar a pseudo-situação. -Bem... Acho que agora ele irá ficar sem tomar também devido à incompetência... – Disse Sarah. -Mas eu queria tanto tomar... – Disse Marco, se lamentando. -To-Tome junto comigo, Ma-Marco! – Disse Jéssica, sentindo dó do colega e ficando com o rosto avermelhado de vergonha. Marco, ao escutar isso ficou completamente envergonhado, mas balançou a cabeça e tomou coragem. Foi em direção a Jéssica com outro canudinho e o colocou no copo da garota. Sarah sentou-se ao lado, mas ficou de rosto virado, não olhando a cena. Marco e Jéssica ficaram frente a frente e tomando no mesmo copo. Os olhares não se cruzavam, mas os rostos iam se aproximando cada vez que o copo ia se esvaziando. Até que, próximo do fim, os dois olhares se encontraram. Os dois não se mexiam. Nenhuma palavra saia da boca, tanto da de Marco, quanto de Jéssica. Não se conseguia definir a situação, se era constrangedora, romântica, apaixonante... O silêncio imperou. Entretanto, ao ver a cena, Sarah se levantou bruscamente dizendo: -E-Eu vou embora! Ao ouvir essa fala, Marco quebrou completamente aquele ar tenso que estava no ar. -Por quê? – Perguntou o garoto, sem entender o ato da amiga. -Porque sim! – Disse Sarah, virando as costas para os dois. No momento que Sarah foi começar a andar, Marco, ao levantar a mão para segurar Sarah e impedi-la de partir, bateu no copo de Jéssica, derramando o resto que tinha sobre a pobre garota. Todos os três pararam e observaram a cena que acabara de acontecer.
  • -Droga! Desculpe, Jéssica! – Disse Marco se desculpando pelo que derrubara na amiga. -Não tem problema, Marco! Essas coisas acontecem... – Respondeu Jéssica, dando risada. -Me desculpe... – Disse Sarah de cabeça baixa. -Sarah, não precisa se desculpar... Você não fez isso porque quis... – Disse Jéssica. -Acho melhor irmos para casa agora, não é? – Disse Marco. -Eu acho uma boa idéia! Tenho que lavar minha roupa. Até mais pessoal! – Disse Jéssica, indo embora. Assim que Jéssica sumiu de vista, Marco virou bruscamente para falar com Sarah sobre o que havia acontecido, mas ao virar viu a menina andando rapidamente para frente como se estivesse fugindo. Ah você não me escapa agora, pensou Marco, correndo atrás da amiga. Após uma longa corrida, Marco alcançou Sarah e segurou a menina pelos ombros, dizendo: -Por que você falou que ia embora? – Disse Marco, respirando fundo em busca de ar por tanto correr. -Porque... PORQUE EU QUERIA DEIXAR VOCÊS DOIS SOZINHOS! IDIOTA! – Respondeu agressivamente, Sarah. -Mas você sabia que eu não ia saber o que fazer se eu ficasse sozinho com ela! Você sabe bem como sou tímido! -Você estava quase lá... – Respondeu Sarah, desviando o olhar de Marco. -O que? – Perguntou Marco. -Você estava quase conseguindo algo e tinha que ser incompetente para derrubar a bebida na menina! Só você mesmo! – Disse Sarah tirando as mãos de Marco de seus ombros. -Mas tudo isso aconteceu por que você falou que ia embora! – Retrucou Marco. -Não! Isso aconteceu porque você não tem confiança em si mesmo... "Tenha fé em você!" Não foi isso que você me disse quando viemos embora do clube de luta, aquele outro dia? Marco, ao ouvir estas palavras, lembrou-se do que dissera para a amiga e percebeu que não era tão confiante quanto ele pensava. A garota estava certa, afinal? Pensava o rapaz. -Bem... Você terá outras chances... Afinal de contas, temos um contrato não é? – Disse Sarah, sorrindo. -Sim... Na próxima, estarei mais confiante! – Disse Marco, alegre. -Isso que gosto de ouvir! – Respondeu Sarah. Enfim, os dois se despediram e foram para suas casas, posto que estava muito tarde. O outro dia inteiro Marco passou limpando a casa, pois a empregada contratada faltou. Isso deixou impossibilitado, o pobre e esforçado rapaz, de sair à noite para se divertir e até fora dormir mais cedo.
  • No outro dia, Marco acordou tarde, exatamente 13 horas. Lembrou-se de que Eren tinha feito a prova de manhã. A primeira coisa que fez foi ligar para seu amigo, porém, foi surpreendido quando este não atendia o celular. À tarde, saiu de sua casa e foi à de Eren para ver como este tinha ido na tão esperada prova, mas, novamente fora surpreendido quando viu a casa inteira fechada. Neste horário, o gabarito possivelmente já teria saído. Será que Eren passou e está comemorando em algum lugar? Pensou Marco, em dúvida. O rapaz conversou com Sarah, Jéssica e Samanta, mas nenhuma delas tinha visto o rapaz. Após passar a tarde inteira correndo atrás do amigo, Marco desistiu e pensou que encontraria o colega no dia seguinte, no treino de futebol, já que esse nunca faltava a nenhum treino. No dia seguinte, Marco foi mais animado ao treino para ver como estava o colega, mas, por incrível que possa parecer, Eren também não apareceu no treino. Marco conversou com todos do time, mas nenhum teve contato com Eren depois do dia prova. Será que ele passou e foi embora sem avisar? Pensava Marco, sem entender a atitude do colega. Enfim, após o treino, Marco passou novamente na casa de Eren a qual estava totalmente fechada ainda. Logo depois, foi para sua casa. Exatamente às 21 horas da noite, Marco estava deitado no sofá assistindo TV quando o telefone de sua casa tocou. O garoto foi e atendeu. -Alô? – Disse Marco. -Por favor, com quem eu falo? – Uma voz trêmula e desesperada no telefone. -Ma-Marco... – Respondeu Marco, assustado com a voz. -Marco! Aqui quem fala é a mãe do Eren! Ele sumiu! Por favor, você não sabe onde ele está? Marco ficou pasmo e não disse nada. -Já fazem dois dias que ele sumiu! Depois da prova, nós não o encontramos mais! Por favor! Você sabe onde ele está?! – Disse a mãe de Eren, desesperada. -E-Eu não sei! – Respondeu Marco, preocupado – Eu vou encontrá-lo! Pode ficar tranqüila! Vou sair agora mesmo! -Por favor, Marco, nos ajude! Estamos muito desesperados! Ele não atende o celular e nem nada. Quando chegamos em casa e ele não estava... -Fique tranqüila! Assim que encontrá-lo, retorno para a senhora! Até mais! – Disse Marco, desligando o telefone e saindo correndo de casa. Enquanto Marco corria e procurava por Eren, ligou para Sarah, Jéssica e Samanta avisando sobre o ocorrido. As três meninas também saíram às ruas em busca do colega desaparecido. Ficaram correndo por horas pela cidade em busca do amigo.
  • Marco não agüentava mais correr e começou a caminhar até achar um banco na praça em frente ao shopping e se sentar. O rapaz estava indignado por não ter encontrado o amigo ainda, mas, para sua surpresa, ao olhar ao redor, viu Eren todo sujo sentando em um banco de cabeça baixa. Marco correu para ajudá-lo e, quando chegou perto, colocou a mão sobre os ombros do amigo e disse: -Você está bem, Eren? – Disse Marco, assustado. Eren nem sequer piscava ou erguia a cabeça. -Eren, o que acontece? Responda-me? Nada dele responder. -Droga, Eren! Fale-me alguma coi – Foi interrompido por Eren, que murmurou: -Eu sou um incompetente. -O que? – Disse Marco, não acreditando no que ouvira. -Eu sou um idiota, burro e incompetente... – Disse Eren, indignado. -Por que você está falando uma coisa dessas? -Porque não passei no vestibular... Eu simplesmente desisti de tudo o que eu tenho... Não vou ser ninguém... Essa é a verdade... Marco não acreditou no que ouviu e, com raiva, pegou o amigo pelo colarinho da camisa. -E isso é motivo para deixar todos a sua volta preocupados? Eren se assustou ao ver o colega o segurando pelo colarinho de sua blusa. -Se você quer ser um incompetente, imbecil e covarde, que seja! Mas não envolva quem gosta de você no meio dessa sua ignorância! – Disse Marco, revoltado com a atitude do amigo – Todos estão te procurando! Sua família está desesperada e aí você me fala bobagens como essas? Você é melhor que isso, Eren! -Marco... Você não entende... Eu sou um incompetente! Estudei todos esses anos igual à um louco, fui o melhor aluno da classe para nada! Marco soltou o colega, que caiu sentado no chão. -Não, Eren... Você está errado... Tudo o que você fez esses anos estão guardados aí dentro de você... Valem alguma coisa... Se você não passou, isso não significa que você é incompetente, burro ou não tem conhecimento algum... – Disse Marco, olhando nos olhos do amigo. -Mas, Marco, eu... – Foi interrompido por Marco. -Eren... Todo mundo cai, erra, não passa. Mas, isso é apenas mais um desafio que a vida nos proporciona. Quem somos nós se não errarmos ou cairmos? Isso é do ser
  • humano e é isso que nos torna mais fortes, não incompetentes. Mas, se você desistir só porque errou alguma vez, aí sim você poderá se chamar de incompetente e covarde, pois tem medo de encarar a realidade. Eren não respondia nada, até que começou a dar risada de cabeça baixa. -Eu não acredito... Eu... Tomando conselho e moral de você, Marco... Quem diria... Você mudou demais nesse decorrer do ano... Marco não entendeu direito o que o colega quis dizer, mas deu um sorriso. -Você está certo... Eu estava com medo de encarar a minha realidade... E-Eu estava tão acostumado a ir bem em tudo que fazia que... Ao ver que errei, não quis fazer mais nada... Achei que seria um total fracasso... Entende-me? -Eren... Você é exemplar... Não é uma falha ou outra que irá destruir quem você é, pois isso só depende de você querer ou não continuar... Eren se levantou, olhou para o amigo e o estendeu a mão. Marco, ao ver a atitude, apertou a mão do amigo e ambos sorriram. -Obrigado, Marco... Não posso parar aqui ainda... Temos o vestibular no final do ano, certo? – Disse Eren, sorrindo. -Lógico! Tenho certeza que nesse, nós passaremos! – Disse Marco, confiante. Neste mesmo momento de amizade, saíram as três garotas que estavam escondidas atrás de uma árvore escutando toda a conversa dos amigos. -Vote Marco para presidente! – Gritou Samanta, vindo próximo aos colegas. -O que? Vocês estavam aí o tempo todo? – Perguntou Marco, sem entender o que acontecia. -Quase o tempo todo, pois assim que escutamos sua voz viemos o mais rápido possível e vimos o seu sermão! Foi muito fofo! – Disse Jéssica, sorrindo. -Eu falei para não ficarmos escutando a conversa, mas as garotas ficaram todas entusiasmadas com o seu diálogo, que, entretanto, devo deixar claro que achei horrível como todos os outros... – Disse Sarah, emburrada. -Não ligue para ela, Marco! É tudo mentira dela! Tenho certeza que ela adorou seu comportamento! – Disse Samanta, provocando Sarah. -O que? – Disse a garota com o rosto vermelho de vergonha – Você está louca? Desde quando eu iria gostar de algo que o Marco fala? Ele é um inútil e tarado! -Eu até posso ser inútil, mas, por favor, tarado não... – Disse Marco, suspirando. -O importante é que encontramos o Eren e agora ele deve voltar e explicar tudo direitinho para sua família, certo Eren? – Disse Jéssica.
  • -Sim... Sei que estou em apuros, mas é algo que tenho encarar como parte da decisão louca que tomei sem pensar... -Relaxe Eren, tudo dará certo! – Disse Marco, sorrindo para o colega. No final de tudo, Eren, Samanta e Jéssica foram para suas casas e, como de costume, Marco e Sarah estavam voltando juntos, pois moravam perto um do outro. -Sinceramente... Não pensei que o Eren era tão neurótico pelos estudos dessa maneira. – Disse Marco. -Eu o conheço faz tempo... Logo imaginei o motivo de ele ter desaparecido... – Respondeu Sarah. -Bem... Acho que podemos tirar proveito dessa situação para o seu lado... O que acha? – Perguntou Marco. -Proveito? -Sim. Ele, querendo ou não, está triste por não ter passado, então, nada como uma garota para animá-lo. Mostre-se prestativa com ele. Vamos bolar um plano para – Foi interrompido por Sarah. -Acho melhor não... – Disse a garota, que parou na esquina a qual ela teria que virar par ir para sua casa. -O que? – Disse Marco, sem entender. -Eu... Eu acho melhor focarmos um pouco mais em você e na Jéssica. Acho que estamos próximos de conseguir alguma coisa. – Disse Sarah, sem olhar para Marco. -Espera... Por que você está querendo focar tanto em mim e na Jéssica? Antes você queria planos só para você... -Porque sim, oras! – Disse firme Sarah. -Mas, Sarah! Nós temos um acord – Foi interrompido pela garota. -Nós vamos dar prioridade para você e a Jéssica... Não quero mais discussões... Nós podemos bolar pequenas coisas, mas vou ajudar mais vocês agora... – Sarah não levantava a cabeça. -Sarah... – Marco ainda não entendia por que a garota estava falando aquilo. -Bem... Então é melhor se preparar, pois a coisa agora vai ferver para seu lado! – Disse Sarah, levantando a cabeça e sorrindo. -Bem... – Disse Marco, abrindo um sorriso – Então, vamos nessa! Enfim, cada um foi para sua casa para terminar mais um dia, mas, no caminho de volta, algo importunava Marco. O rapaz não entendia a atitude da amiga. Ele iria participar dos planos que a amiga bolaria, mas com certo receio e preocupação, pois
  • algo parecia estar errado. O que será que Sarah estaria sentindo ou pensando para tomar atitudes desse gênero? Nem parece aquela menina de alguns meses atrás. Esses eram pensamentos que ficavam na cabeça de Marco. Enfim, o que resta agora é somente se preparar para o que virá nesse próximo semestre.