Capitulo 12 - Experiências e Evoluções

  • 170 views
Uploaded on

Ultimo Capitulo do livro Escolhas para uma vida

Ultimo Capitulo do livro Escolhas para uma vida

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
170
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
3
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Capítulo 12 Experiências e Evoluções. Dia 23 de dezembro de 2012. Um mês depois do encontro de Marco e Sarah na casa de Eren. Após toda aquela confusão e o pedido de casamento as coisas pareciam se acalmar. O casal estava morando em París. A casa em que viviam era dos pais de Eren que ficavam viajando pelo mundo inteiro. A neve caia tranquilamente. O cenário era deslumbrante. Exatamente às 16 horas, Marco estava em frente ao caixa eletrônico checando o cartão que sua avó lhe dera. -Seu saldo é de mil Euros. – Dizia a voz mecânica do caixa. Marco balançou a cabeça não acreditando que o dinheiro já estava acabando e o natal era daqui a dois dias. O casal não trabalhava, pois queriam somente aproveitar o dinheiro para passarem o tempo juntos. Sem preocupações. Sem nada. Celulares ficavam desligados para que ninguém os incomodasse. Antes de ir para a casa, Marco passou em uma loja rapidamente para pensar no que compraria para Sarah. Ficou alguns minutos e saiu. Chegou à casa e Sarah não estava, mas deixou um bilhete na geladeira informando que tinha ido comprar pão. Com certeza o dinheiro já teria acabado se Sarah não tivesse trazido algumas economias que ela tinha feito, pensava Marco indo tomar banho. Após ficar alguns minutos no banho, o rapaz, ao sair somente de toalha, deu de cara com Sarah. -O QUE É ISSO, MARCO? – Disse a garota vermelha virando-se de costas ao ver Marco somente de toalha. -P-POR QUE VOCÊ NÃO ME AVISOU QUE TINHA CHEGADO! – Disse o rapaz, também todo envergonhado. -E-Eu disse! – Respondeu a garota. -E-E afinal de contas, por que você está re-reclamando? Nós somos noivos não sosomos? – Perguntou Marco ficando sem jeito. -S-Sim, mas isso não é desculpa para ficar andando nu pela casa! – Gritou a garota. -Mas eu não estou nu! Estou usando a toa – antes de terminar de falar Sarah deu um murro no rapaz e o mandou ir para o quarto se trocar.
  • 2. -Onde já se viu... Sou moça de família! Um cara nu andando dentro de casa é o fim! – Dizia Sarah enquanto colocava o pão na cozinha. -Eu já disse que estava usando toalha! – Gritou Marco do quarto. -Cale a boca, seu idiota! E se eu estivesse com uma amiga? -Sarah... Você não é boa em fazer amizade... Por isso fico tranquilo! – Disse Marco com um tom de ironia. -Ora, seu – Foi interrompida por Marco. -Brincadeira! Brincadeira! – Disse Marco dando risada. Após toda aquela confusão, os dois foram jantar. Às 21 horas, enquanto os dois ficavam assistindo TV debaixo da coberta, Sarah comentou: -Marco... Minhas finanças acabaram... – Disse Sarah. -Entendo... O cartão da minha avó também está chegando ao fim... – Respondeu Marco. -Mas, eu ainda não quero voltar... – Disse Sarah se abraçando a Marco no sofá e o apertando firme. -Eu também não... Mas, no ritmo em que estamos o dinheiro irá durar mais algumas semanas... Sarah se encolheu como quem não quisesse sair mais dali. Marco a apertou forte e sorriu, dizendo que tudo iria dar certo. Entretanto, assim que terminaram de conversar, bateram a porta da casa. Os dois jovens se olharam sem entender o que acontecia. Era tarde e não conheciam ninguém na cidade. Quem seria uma hora dessas? Era o pensamento que passava nas cabeças dos dois. Marco tomou a iniciativa e se levantou ao baterem novamente. Ao abrir a porta quase morreu de susto com o grito do pai de Sarah. -MARCO! – Gritou Adam. -PAI? MÃE? – Gritou Sarah, saltando do sofá onde estava deitada ao ver os dois parados na porta. -SARAH! – Gritou Charlotte que saiu correndo e abraçou a filha. -Mas o que vocês estão fazendo aqui? – Dizia Sarah traumatizada enquanto a mãe a esmagava. -Co-Como vocês descobriram onde morávamos? – Disse Marco ainda sentando no chão. -Bem... Você tem um amigo que é forte e inteligente... Mas nada como uma apertadinha nele para falar algumas verdades... – Disse Adam sorrindo. -ELE ESTÁ BEM? O QUE O SENHOR FEZ COM O EREN? – Gritou Marco
  • 3. desesperado. -Pai, o que o senhor fez com nosso amigo? – Perguntou Sarah. -Fiquem tranquilos, está tudo bem... Só tive uma conversa de homem, só isso. – Disse Adam se gabando. -Ele está bem, filha. Fique tranquila... Seu pai só está se vangloriando um pouco após implorar para que o rapaz contasse... – Disse Charlotte sorrindo. -O QUE? – Gritou Adam – N-Não fale besteiras, Charlotte! Marco! Você vem comigo... Tenho vários assuntos para tratar com você! – Ao final de sua fala, Adam pegou Marco pela camisa e puxou para fora da casa, indo dar uma volta. -MARCO! – Gritou Sarah ao ver o rapaz sendo arrastado pelo pai que estava com um sorriso maníaco no rosto. -Fique tranquila, filha... Seu pai sabe o que faz... Por isso me casei com ele... Ele e aquele rapaz têm muitas coisas em comum... Acredite... – Disse Charlotte, olhando para Sarah e sorrindo. -Mas, Mãe! – Foi interrompida por Charlotte. -Mas nada! Agora vamos sentar aqui e conversar como mulheres! – Disse Charlotte se sentando no sofá. -Tudo bem... – Disse Sarah, suspirando e sentando-se também. Enquanto Sarah e a mãe ficaram conversando sentadas no sofá, Marco estava caminhando com Adam pela cidade e também tendo sua conversa. O rapaz caminhava com medo ao lado do pai de Sarah, o qual estava com o rosto fechado e sério. Até que, após alguns minutos de caminhada, Adam se propôs a falar. -Você é muito ousado sabia, rapaz? – Perguntou Adam. Marco somente balançou a cabeça com um sinal positivo. -Você tem meu respeito, rapaz... – Disse Adam sorrindo. -O-O que? – Perguntou Marco sem entender. -Você se mostrou corajoso demais para ter uma ideia maluca dessas de fugir e a cumpriu... Marco ficou calado e somente observou Adam falando. -Eu era como você, Marco... Sempre queria proteger meus amigos e ajudá-los o máximo possível. Meu único problema foi não ter pensado em me ajudar também... -Co-Como assim? – Perguntou Marco. -Eu me preocupava sempre com meus amigos. Conheci Charlotte e mesmo assim não dei a atenção necessária para ela. Todos diziam para eu olhar um pouco para mim. Enxergar que
  • 4. Charlotte estava apaixonada e tomar vergonha na cara para cuidar também do que era importante na minha vida. Mas, no final de tudo, não acreditei que ela gostava mesmo de mim. Por que quem iria gostar da minha pessoa naquela época? Além do mais, tinha meus amigos e meu objetivo era somente ajudá-los. -Mas o senhor está casado com ela agora. O que aconteceu? – Perguntou Marco. -Eu não me confessei para ela e nem ela para mim. Por minha culpa e preocupação somente nos outros, começamos a nos distanciar e quando a vi, estava namorando outro... Me da ódio só de lembrar quando a vi com outra pessoa. Simplesmente briguei com o rapaz. Alguma força me empurrou para lá e me fez separá-los. Sim... Foi uma atitude egoísta, já que não soube aproveitar, mas Charlotte não tinha me esquecido e ao ver toda aquela cena, acho que seu sentimento voltou a bater forte novamente em seu coração... -Então começaram a namorar, não é? – Perguntou Marco sorrindo. -Sim... Mas eu sempre tive um sonho... Que você acabou fazendo no meu lugar... O de fugir com ela e vivermos só nós dois. Eu não tive coragem de fazer essa proposta e acabamos somente ficando juntos mesmo após a faculdade, quando a pedi em casamento. -Então o senhor não está bravo comigo, não é? – Perguntou Marco esperando uma resposta positiva. -Lógico que estou! Que pai não estaria ao ver sua filha longe de casa? – Gritou Adam. Marco assustou, mas logo viu que o pai deu um sorriso. -Mas, você tem minha admiração... Você me encarou aquela vez e ainda tomou uma atitude desta. Você já é um homem... Não um moleque como pensava. -Fi-Fico grato ao ouvir isto do senhor! – Disse Marco envergonhado. -Você pretende fazer o que, Marco? – Perguntou Adam. -Vou fazer Direito, senhor. Gosto de estudar as leis. – Respondeu Marco. -Interessante... Profissão promissora para você que gosta de proteger os outros... -Obrigado, senhor! – Respondeu Marco sorrindo. -Agora só tenho mais uma pergunta... – Disse sério. -Pois não, senhor? – Perguntou Marco. -VOCÊ NÃO COLOCOU A MÃO EM MINHA FILHA, NÃO É? – Gritou Adam. -O QUE? – Marco pensou um instante e voltou a responder envergonhado – NÃO! NÃO FIZ NADA DISSO! MEU DEUS! NÃO PENSE UMA COISA DESSAS! -Bom mesmo! Senão você estaria morto agora... Bem, vamos para casa porque já está tarde e as duas não irão gostar que cheguemos tarde em casa... Marco e Adam suspiraram juntos ao se lembrarem de brigas que já tiveram com as
  • 5. mulheres e, assim, voltaram para casa. Ao chegarem, Sarah e Charlotte estavam sentadas no sofá ainda conversando. Porém, assim que viu Adam, Charlotte se levantou e se despediu de Sarah. Os dois falaram que tinham muitas coisas para fazer antes do natal e que apenas passaram para fazer uma visita. Alguns minutos de conversa entre os quatro e os pais de Sarah foram embora. Assim que Marco fechou a porta, suspirou e olhou para Sarah que estava sentada no sofá com um olhar de medo. -Sarah, você está bem? – Perguntou Marco, se aproximando da garota. Sarah ficava parada sem falar nada e estava apavorada. -Sarah! O que aconteceu? – Perguntou novamente Marco, desesperado. -E-Eu ouvi coisas da minha mãe que nunca pensei em ouvir dela... – Disse Sarah com a voz trêmula... -O quê? Como assim? – Perguntou Marco. Sarah pegou e falou no ouvido de Marco as coisas que a mãe perguntara. -NÃO! NÃO! NÃO! ATÉ ELA TAMBÉM PENSA ESSAS COISAS? NÃO! MEU DEUS... ELES ACHAM QUE EU SOU UM PERVERTIDO, NÃO É? – Gritou Marco, totalmente envergonhado. Sarah nem se mexia. Estava perplexa com o que ouvira, enquanto Marco ficava desesperado e envergonhado ao mesmo tempo. Enfim, após toda aquela confusão, os dois foram dormir. Afinal de contas, no outro dia era véspera de natal. Então, em 24 de dezembro de 2012, o dia correu normalmente e o dinheiro foi embora como a luz de um trem passando em uma janela. Marco combinou com Sarah de passar a véspera de natal em um restaurante perto da torre Eiffel. Lugar muito romântico, vale ressaltar. Os dois, enfim, saíram e foram ao local do encontro. Nevava, mas os dois foram a pé e de mãos dadas. Eram finalmente um casal, mas ainda sentiam vergonha um do outro às vezes. Exatamente às 23:59, os dois estavam de fronte à janela do restaurante olhando o céu e esperando os fogos de artifício. Marco estava abraçando Sarah por trás e a garota segurava as mãos do rapaz logo abaixo de seu busto. -Marco... – Murmurou Sarah. -Sim? – Perguntou Marco. -Tenho uma coisa para te dizer... -O que foi? -Mamãe falou que não irão contra o nosso casamento caso a gente volte, estude e se forme... Nosso dinheiro está acabando... Até que não seria uma má idéia, mas ela quer que eu me forme em medicina... Eu quero lutar...
  • 6. -Sarah, se você quiser voltar eu volto com você. Já disse que vou onde você for. Vou estar sempre ao teu lado. Sobre a faculdade... Curse e termine. Depois vá para a luta. Pelo menos, você conseguirá satisfazer sua família além de ter mais um diploma em sua carreira. – Disse Marco, apertando mais Sarah em seu abraço. -É sério mesmo que você voltaria... Por mim? – Perguntou Sarah, tentando acreditar no que ouvira. -Sim... Já disse que sim... Você é minha noiva... Não vou te deixar nunca e vou te apoiar mesmo quando todos quiserem ir contra você... – Respondeu Marco. Neste instante, começaram a soltar os fogos de artifício. O céu, que era negro, ficou colorido em questão de segundos. Tudo ficava ainda mais bonito com a torre perto e a neve caindo lentamente. Marco, de repente, virou Sarah para si e tirou uma pequena caixa do bolso. Mostrou para a garota, que já estava envergonhada, e a abriu. Era um anel de noivado com uma pequena pedra de diamante no topo. -Feliz natal, Sarah. – Disse Marco, sorrindo para a garota. -O-O que é isso? – Perguntava a garota, envergonhada. -Ora, nosso anel de noivado. Isso mostra que quero ter você como minha mulher e que o pedido de casamento não foi brincadeira... – Respondeu Marco, pegando a mão de Sarah e colocando o anel em seu dedo. -M-Mas Marco, eu não comprei nada para você! – Disse Sarah, totalmente envergonhada e desesperada. -Tola... Você é meu presente de natal! Você estando comigo aqui é o melhor presente que alguém poderia desejar! Obrigado, Sa – Nesse momento, Sarah pulou e beijou Marco. - Sabia que você também fala demais têm horas? – Perguntou Sarah, após o beijo. -Você sempre um passo a minha frente, não é? – Ao terminar a pergunta, Marco pegou e beijou Sarah. Após alguns minutos de toda a situação, Sarah perguntou rapidamente: -Marco... Somente uma pergunta... Quanto você gastou nesse anel? -Então... – Disse Marco, começando a se afastar de Sarah. -Então o que, Marco? Quanto você gastou nesse anel? – Perguntou a garota, começando a ficar nervosa. - Quinhentos e cinqüenta euros... – Disse Marco. -O QUÊ? Você gastou quase todo o nosso dinheiro no anel?! É fofo, mas idiota sua atitude! MARCO, SEU IDIOTA! -ME DESCULPE! – Gritou Marco.
  • 7. Assim passaram o natal com confusões que eram típicas do casal. No ano novo, os dois voltaram para os Estados Unidos e ficaram morando na casa em que Sarah morava sozinha. A proposta feita pelos pais também foi aceita e Sarah se focou em medicina enquanto Marco foi para o direito. O casamento ocorreu no mês de março de 2013, sendo a festa inteira bancada pelos pais de Sarah. Marco ficou bêbado, pois quis aproveitar a festa ao máximo possível já que, para ele, tudo foi de graça. Entre brigas, discussões, risadas, sorrisos, mágoas, dificuldades e tantas outras coisas, se passaram seis anos. Marco era advogado e, mesmo sendo novato na área, seu serviço era um dos melhores na cidade de SiddenTown. Com isso, conseguia ganhar dinheiro fácil. Entretanto, este era direcionado para a sua avó pagar todos os gastos de quando fugiu com Sarah. Já a garota, terminou a faculdade de medicina para contentar seus pais. Mas, assim que saiu, voltou ao octógono para praticar luta. Lutava tão bem que em apenas um ano já estava participando de eventos principais dos maiores campeonatos de luta do país. Os outros amigos também conseguiram seguir a carreira que desejavam. Jéssica, após todos estes anos, se tornou uma cantora famosa e conhecida mundialmente devido a sua bela voz e talento musical. Mantinha contato com Sarah sempre que conseguia, mas sua carreira deixava seu tempo muito escasso para sua vida pessoal. Eren conseguiu bolsa na faculdade e se tornou diplomata do país. Agora o rapaz entendia por que os pais não paravam em casa, pois ele também morava mais no exterior do que no país de origem. No meio de tantas mudanças, Eren conheceu uma italiana e acabou se casando. Eren e Marco sempre que podiam jogavam bolas juntos, mas com o serviço de ambos os encontros foram diminuindo. Já os telefonemas não. Por fim, Samanta voltou para o Brasil no final do ano de 2012 com Jéssica que viera fazer um show. Amigos dos produtores que firmaram contratos com Jéssica se interessaram na beleza de Samanta e a lançaram no mundo da moda. Passaram-se dois anos sem conseguir repercussão alguma, porém, no terceiro ano de desfiles, Samanta explodiu com sua beleza em revistas e entrevistas para programas de TV. Recebeu, também, papeis de personagens para novelas e na maioria das vezes como vilã, no entanto, isso às vezes não a contentava. Atualmente, participa de desfiles e atua como juíza. Não casou, mas trocava de namorado a cada três meses. Exatamente no dia 25 de dezembro de 2018, estavam reunidos na sala de jantar Marco, Sarah, Adam e Charlotte para fazer a ceia natalina. Marco e Adam ficavam sempre infernizando um ao outro, embora os dois se admirassem subjetivamente. -Então Marco, perdeu mais alguma ação? – Perguntou Adam, sentando-se à mesa com o prato de comida. -Não! E eu já disse que só perdi uma ação até hoje! Não fique lembrando disso, velhote...
  • 8. – Disse Marco, olhando ironicamente para Adam. -Com quem você acha que está falando, moleque? Podem ter se passado seis anos de quando conversamos a sério, mas ainda posso te dar uns tabefes! – Disse Adam, começando a ficar nervoso. -Se o senhor conseguir me acertar com sua velocidade. Caso isso aconteça, terei que processá-lo... – Disse Marco, provocando Adam. -Gente... Por favor, é natal... Eu sei que vocês se amam, mas vão com calma... – Disse Charlotte. -É verdade... Já que é natal, tenho que dar um presente a vocês! – Disse Sarah, toda alegre. -Não é muito caro, é? – Perguntou Marco, preocupado. -Se for caro, espero que tenha usado o dinheiro dele! – Disse Adam, olhando ironicamente para Marco. -Eu não ganho tudo isso que o senhor acha! – Respondeu Marco. -Você ganha muito! Pare de ser pão duro! – Respondeu Adam. Então, começou aquela discussão sem fim. Sarah não conseguia falar de tão alto que estava. Até que ela resolveu gritar: -ESTOU GRÁVIDA! A discussão parou de forma repentina e todos ficaram olhando para a garota com o rosto vermelho. -E-Esse era o presente de natal... Parabéns Marco, você vai ser papai. E papai, parabéns. Você será vovô! É um menino. – Disse Sarah, timidamente sorrindo. Os dois começaram a ficar brancos. Um olhou para o outro com cara de pavor e gritaram juntos: -OOOOOOOOOOOO QUÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊ? Assim termina esta história. De decisões e indecisões, quedas e subidas, alegrias e tristezas, certo e errado. Agora deixou a seu critério, leitor, de bolar uma continuação para a vida dos dois. Como será que a vida deles será daqui para frente? Como será o filho deles? São dúvidas que agora será você quem irá responder e bolar a sua história. Tomem suas opiniões, escolham seus lados e façam suas ESCOLHAS PARA UMA VIDA! FIM