• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Capitulo 1 - Novo Mundo...
 

Capitulo 1 - Novo Mundo...

on

  • 446 views

Primeiro capitulo de Escolhas para uma vida.

Primeiro capitulo de Escolhas para uma vida.

Statistics

Views

Total Views
446
Views on SlideShare
446
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Capitulo 1 - Novo Mundo... Capitulo 1 - Novo Mundo... Document Transcript

    • Capitulo 1 Novo Mundo... Dia 21 de Fevereiro de 2012, em uma cidade no interior do Estado do Arizona, Estados Unidos, chamada SiddenTown, consideravelmente populosa, tranqüila, em um bairro de classe média, existe uma casa simples e humilde, mas com seus requintes, nela vive Marco Crisfield, um garoto com 17 anos, brasileiro, cabelos pretos e lisos com um físico nem muito acima e nem muito abaixo da média comum para um garoto da idade, olhos castanhos claros, sociável e tímido em determinados momentos, inteligente, por incrível que se possa imaginar possui dotes culinários, toca instrumentos musicais e gosta de manter tudo sempre organizado, e sua Avó Madelaine Crisfield, com 59 anos, cabelos grisalhos e encaracolados fica o dia inteiro fazendo seus crochês ou dormido no sofá por ser ela já de idade ficou para Marco a responsabilidade de cuidado, nascendo aqui o gosto pela organização e o dotes na cozinha. Marco desde pequeno presenciou seus pais brigarem até o ponto em que sua mãe foi agredida e houve assim o fim do casamento, até que no final do ano de 2011 foi enviado pelo Conselho Tutelar, órgão que cuida de crianças que não tem os devidos cuidados recebidos pelos pais, à sua avó que residia nos Estados Unidos, mãe de seu pai que era americano. Neste dia de tempo chuvoso, às 7 horas, como de costume Marcos se levantou foi ao banheiro em estado de sonolência, lavou seu rosto, quando mirou a janela, ótimo! Tempo perfeito para se começar as aulas, ao sair do banheiro em caminho à cozinha se escutou uma voz estridente: -Marco! Marco! Você já acordou? Você se esqueceu de deixar a água para os passarinhos no jardim ontem! – Disse sua avó. -Mas vovó esta chovendo lá fora, acho que os passarinhos não morrerão de sede... – respondeu Marco em tom irônico. -Irá parar de chover logo! Vá e coloque água potável para os pobres passarinhos, Marco! Suspirou ao ouvir o pedido da avó novamente, pensou por alguns instantes, mas acabou aderindo à idéia, pegou um guarda chuva que estava atrás da porta de seu quarto e juntamente uma jarra de água na cozinha e caminhou em direção a porta. Uma chuva intensa caia ao sair, céu totalmente coberto por nuvens negras, hesitou, mas criou coragem novamente abriu o guarda-chuva e foi em direção ao reservatório de água de pássaros que ficava em uma arvore no
    • jardim. Ao substituir a água da chuva pela potável o impossível aconteceu, Marco percebeu que seu guarda-chuva parara de vibrar devido aos pingos da chuva, quando se deu conta que a pesada e forte tempestade começara a diminuir até o ponto em que não se notava mais nenhum pingo em todo lugar. Não acredito como ela consegue prever essas coisas, era impossível disso ocorrer, pensava Marco dando um singelo sorriso e balançando a cabeça com certo modo de indignação, retornou para dentro de casa e ao entrar escutou novamente a voz estridente: -Eu não disse Marco? Nunca duvide dos mais velhos, meu neto! -Sim vovó, você estava certa novamente! – Disse Marco dando algumas risadas. Logo após deixar o guarda-chuva em seu lugar apropriado se dirigiu a cozinha, preparou seu café da manhã, torradas com geléia de goiaba e um copo de suco de laranja, ah café da manhã melhor horário do dia, após escovou seus dentes e vestiu seu uniforme escolar, esse ano é importante, decidirei minha vida nele, pensava Marco, pois, já estava no 3º ano do ensino médio e precisava escolher que carreira deveria seguir, mas as dúvidas eram muitas que até mesmo ele não conseguia solucioná-las. -Vovó! Estou indo para a escola, como hoje é o primeiro dia de aula não tenho certeza se volto para o almoço, deixei uma marmita no freezer para a senhora, só esquentar! -Tudo bem Marco... Boa aula meu neto! – respondeu a avó. Fechou a porta da frente de sua casa, passou seu jardim e ingressou à caminho da escola, já fazia 1 ano desde que se mudou para os Estados Unidos, desde as atrocidades e brigas violentas entre seus pais, imagens ainda estavam presentes em sua mente, feridas que demoraram para ser curadas, mas Marco tentava evitar de toda maneira pensamentos que tirariam o foco mais importantes para ele no ano, o de decidir o rumo da sua vida. Eu irei ser alguém, pensava confiante e convicto de sua decisão, tenho que me decidir o quanto antes para saber aonde devo me focar, e assim foi até sua escola. Exatamente 8 horas da manhã, Marco se encontrava em frente à sua escola, é agora... Agora que tudo vai começar, pensou e caminhou para dentro. Cumprimentava uns ou outros, mas não tinha nenhum tipo de amizade ou afinidade, chegou a sua classe, 3º ano, no 2º andar, entrou na sala discretamente enquanto os colegas de turma se cumprimentavam, davam risadas, jogavam assuntos fora e comentavam como passaram as férias. Marco, imperceptível, sentou-se em uma carteira ao lado da janela que dava vista ao pátio frontal e entrada da escola, quando percebeu uma maior movimentação de pessoas na porta de entrada da sala, quando aquele tumulto se abriu e entrou Jéssica Stalter, cabelos longos e encaracolados, loiros, corpo consideravelmente esbelto para sua idade, olhos azuis, extremamente sociável, inteligência em grau mediano, uma menina que curte cada momento da vida, valoriza os amigos, mora com os
    • pais em um bairro de classe média, Ah Jéssica... Marco sentiu um calafrio na espinha, seus pensamentos pareciam não fazer mais sentido e não pertencerem mais a ele. -Jéssica, como foram as suas férias? O que você fez no cabelo? Você ficou mais bonita sabia? – Perguntas vinham de todos ao redor, Jéssica não conseguia se mover direito sentou ao lado da parede, oposto à Marco. -Gente! Gente vai com calma é nosso primeiro dia de aula! Contem primeiro vocês como foram as suas férias? – Dizia Jéssica dando risada e meio que envergonhada pelo tumulto estava corada. Enquanto isso, Marco parecia estar em outro planeta, pensamento longe, somente admirando a menina que ele tanto era apaixonado, mas inopnadamente sentiu uma mão em seu ombro, aquilo o estremeceu inteiro, virou rapidamente dizendo: -Mas que brincadeira de mau gosto é es- Parou instantaneamente quando percebeu que era seu melhor amigo, Eren Lones, cabelo castanho-claro, físico acima da média consideravelmente forte para a idade, olhos pretos, inteligentíssimo, sociável, sabia como contornar situações, era membro do clube de ciência e tecnologia, tinha o dom de liderar e se por a frente para qualquer tipo de situação, vive com os pais, embora não paravam em casa devido ao trabalho internacional que realizavam, mora em um bairro de classe alta. - Hey, Marco! Está assustado cara? Por que esta tão em choque? – Disse Eren dando muita risada. -Droga Eren! – Virou a cabeça para frente e fechando os olhos deu um suspiro se devido ao susto - Isso não é brincadeira que se faça, desde quando aparece uma mão no seu ombro surgida do nada! - Uhum! Sei! Brincadeira sem graça... Você que estava distraído babando pela Jéssica, sua amada – disse Eren, ainda em gargalhadas. Marco como num susto saltou da cadeira dizendo: -O-O que você di-disse Eren!? E-Eu não estava babando por ninguém. Eu somente estava pensando qual profissão e caminho irei tomar esse ano – Nisso tudo Marco estava corado de vergonha. - Ora Marco! Você está até vermelho depois que falei que você gosta dela, não me venha com histórias, afinal de contas sou seu melhor amigo. Marco deu uma risada meio que sem graça e abaixou a cabeça. Em seguida Marco percebeu que o alvoroço em volta de Jéssica tinha acabado de forma repentina, olhou em volta para ver o que havia ocorrido até que seu olhar encontrou o de Sarah Abnezer, melhor amiga de Jéssica, sentada bem ao lado da amiga, longos cabelos negros e lisos, não tinha um corpo
    • desenvolvido ao extremo, era razoável, tinha suas próprias formas de expressar sensualidade, olhos verdes, inteligente, não era muito sociável, passa sempre a imagem de não precisar de ninguém, que era capaz de fazer tudo sozinha, tem alguns amigos que podem ser contados nos dedos, briga constantemente com os pais, é de uma família rica, mora em um bairro de classe média, sozinha. Aquele olhar encarando Marco, era frio, sem sentimento, algo dizia irei de matar se você continuar olhando, ele desviou o olhar logo em seguida. Que olhar fora aquele, pensei que não sairia vivo dessa, pensava o jovem. - É... As coisas continuam normais como sempre pelo que vejo – disse Eren – Sarah espantando todo mundo como sempre para que sua amiga possa respirar... - Eren... Eu nunca tinha olhado nos olhos dela, são penetrantes e amedrontadores cara... – disse Marco ainda meio que traumatizado pelo choque de olhares. - É Marco, ela é grossa e máscula assim mesmo, é muito autônoma também... Além do mais eu soube que ela teve SOMENTE um namorado e este acabou traindo ela se não me engano... – disse Eren colocando a mão no queixo ficando pensativo. -Por que você disse SOMENTE um namorado e o que aconteceu com ele após a descoberta da traição? -Marco, meu caro colega, ela teve SOMENTE um, ou seja, ela não teve mais nenhum, por que o paradeiro do primeiro ainda é desconhecido. -D-E-S-C-O-N-H-E-C-I-D-O? – Disse Marcos dando um pulo para trás espantado – EEle está mo-morto? No meio de risadas, Eren falou: -Não seu inocente, é brincadeira – balançando a cabeça, indignado da ingenuidade do amigo – Na verdade sabem sim do paradeiro dele, mas foi encontrado em um hospital todo espancado e sujo com arranhões pelo corpo. - Ufa... – Marco suspirou. -É talvez ela não seja uma flor que se cheire ou se brinque, não é? – Perguntou Eren dando algumas risadas. Eis que surge uma voz feminina: -Vamos! Vamos turma, todo em seus lugares – disse a professora Clarice entrando na sala. -Sejam bem vindos de volta, espero que se esforcem ao máximo esse ano, pois é fundamental esse em suas vidas. Então comecemos já no primeiro dia de aula com matéria... – Todos deram um grande suspiro como se estivessem dizendo, não professora, no primeiro dia de aula não! Mas logo interrompeu a Docente:
    • - Oras pessoal, vamos lá, hoje vocês já terão um almoço, na verdade uma confraternização que a escola vai proporcionar e de graça! A classe após o recado da professora voltou ao normal ficando novamente alvoroçada e conversas paralelas por todos os lados até que a professora novamente chamou a atenção e após reinar a calmaria se pôs a dar aula. Após uma manhã inteira de aula, e acreditem no primeiro dia de aula, Marco estava parado em frente a um quadro negro que se encontra pendurado na parede do corredor, neste continham listas de esportes que ficariam a gosto do aluno para que se inscreva no qual mais fosse semelhante ou lhe agrada-se mais. -Então resolveu participar de algum esporte esse ano, Marco? – Disse Eren, chegando juntamente. -Bem... Acho que sim... – respondeu Marco pensativo. -Isso é uma ótima maneira de se enturmar, amigo. Já que ano passado você não se inscreveu em nenhum por ser novo na escola, mas agora já é praticamente veterano! – Disse Eren em meio de risadas. -Hey Eren! Não é para tanto também... Na verdade estou procurando me inscrever em algum esporte por que aqui nesse País quem pratica esporte pode conseguir bolsas em incríveis universidades... É somente para isso que eu – sendo interrompido por Eren: -Bem Marco você que escolhe então... Só não tente se excluir da turma só por você ser estrangeiro. Utilize sim o esporte para se enturmar, é divertido... – nisso Eren começou a andar e sair de perto de Marco inda para a porta de saída, mas continuou dizendo – E acho que seria legal você se inscrever no futebol, além de eu jogar, o pessoal é muito amigável, acho que seria uma boa... – parou na porta e antes de sair falou – Pense Marco! Bem... Nos encontramos no refeitório para a confraternização, até mais! – Enfim saiu pela porta. Futebol... Pensava Marco, olhando para a lista de inscrição, se trancou em um momento de reflexão interno e após alguns segundos tomou a coragem e escreveu seu nome no time de futebol da escola, estava meio receoso, mas como ele pensara anteriormente esse ano deveria ser diferente, porém no meio de sua reflexão motivacional quando por um instante desviou seu olhar para o lado, Jéssica estava parada lá dizendo: -Marco! Marco! Você esta bem? – disse Jéssica com um sorriso mínimo no rosto. -S-Sim... – Marco não conseguiu falar direito. -Ainda bem, pensei que você estava passando mal, você não respondeu as duas primeiras vezes que te chamei você só ficava olhando para lista e de cabeça baixa, logo pensei, ele deve estar passando mal! – disse ela se afastando levemente e dando sorrisos e pequenas risadas.
    • Marco não dizia nada. -Ah! Pelo visto se inscreveu no time de futebol esse ano, isso é bom, você vai se enturmar mais com o pessoal da classe. Eu já estou pensando em entrar para o clube de música, dizem que tocar instrumentos melhora seu desempenho escolar, não é? – Disse dando risadas. -É não é? – Disse Marco meio que travado. No meio do silêncio de alguns segundos após a fatídica fala de Marco se ouviu um grito – Vamos Jéssica! Se você enrolar mais eu vou ai te buscar! Vai logo, vamos aproveitar a confraternização, a comida é de graça! – Disse Sarah com seu jeito sério parada na porta de saída. Jéssica afirmou com a cabeça, assinou a lista para o clube de música e se despediu dizendo: -Até mais Marco, talvez nos encontremos na confraternização, Tchau! – Saiu correndo logo em seguida, se encontrou com Sarah e ambas saíram pela porta em direção ao refeitório. Porque eu não respondi direito? Porque eu travei feito uma estatua? Como sou um inútil! Eram perguntas que não calavam na cabeça de Marco que se incriminava pelo comportamento inesperado de sua parte. Agora o que restava após a fatídica e fria conversa era, infelizmente para ele, ir à confraternização, pois as mudanças, pensava, teriam de começar de algum jeito. Então levantou a cabeça e partiu em direção à porta rumo ao refeitório. Marco ao chegar encontrou um refeitório diferente do que ele vira ano passado, estava todo decorado com panos, flores, mesas enfeitadas com toalhas com diversos desenhos e gigantescas faixas de boas vindas penduradas em torno de todo estabelecimento, havia muita gente tanto em pé quanto sentadas às mesas. Beleza! Vai ser tranqüilo para achar lugar, pensou Marco ironicamente, mas em seguida escutou seu nome no meio da multidão, quando focou em direção a uma mão que balançava no meio das pessoas, era Eren o convidando para se juntar à mesa do time de futebol. Marco meio sem graça hesitou, mas vendo a vontade do amigo de ter ele presente à mesa foi mais forte e se pôs em direção a ela. Ao chegar e se sentar à mesa as perguntas já começaram a cair com a água cai de uma cascata: -Então Marco! Você vai mesmo jogar no time de futebol esse ano? Que legal cara! Pode contar com a gente – Disse Frank, cabelo loiro curto, olhos castanhos, físico típico para um garoto atleta em seus 17 anos, era sociável, considerado o melhor jogador do time de futebol, diziam que no ano passado o time da escola não teria ganhado o campeonato por que Frank ficara fora da final devido a uma lesão na coxa esquerda. -É verdade Marco! Vai ser legal cara, nós todos aqui achamos você um cara legal, embora seja muito reservado – Disse Lance, amigo de Frank e Eren, cabelo longo e moreno, e
    • um corpo não tão desenvolvido, todos diziam que quando estavam na piscina 2 ou 3 meninos o confundiram com uma garota de costas, era sociável, divertido e algumas vezes muito sincero. -Cale a boca Lance! Não é que ele seja reservado imbecil, ele é aluno novo e estrangeiro, a vergonha impera sobre ele ainda mais quando ele vê pessoas desbocadas como você! – Disse irritado Trevor, amigo de todos do time, cabelo médio e escuro, físico semelhante ao de Frank, era sociável, porém se achava inteligente algumas vezes, diziam que era devido ao posto de capitão do time, apesar de que quem arrumava as jogadas era o treinador e ele somente obedecia. -Hey, hey gente! Calma aí! Não assustemos nosso novo companheiro já de plano assim! – Interveio Eren dando algumas risadas de lado. Enquanto essa discussão se estendia Marco não pronunciava nenhuma palavra, a imagem da quase conversa entre ele e Jéssica passava como um filme em sua cabeça até que foi levemente empurrado por Eren voltando à tona. -Acorda Marco! Você não escutou nada do que falamos não é? – Disse Eren sorrindo. -N-Não, me desculpe! -AINDA BEM! – disseram todos dando muitas risadas -Então, vai ficar sentado aí? Só falta você pegar sua refeição! Vá logo! – Disse Eren. Marco levantou rapidamente e foi em direção a fila a qual ficou 10 minutos, era a maior fila que encontrara desde que chegou ao País. Após a longa espera montou seu belíssimo prato, com uma diversidade incrível de comidas típicas da cidade. Tudo corria bem até o momento que Marco deu o passo para trás a fim de sair e ir em direção à mesa. Neste momento ocorreu o que o rapaz nunca mais gostaria de vivenciar novamente. Ao virar deu de encontro com Sarah e sua bandeja cheia de alimentos e refrigerante que conseqüentemente com a trombada caíram em sua roupa. Por incrível que possa parecer o local inteiro ficara em silencio ao presenciar o sinistro. Marco alguns segundos após se pronunciou meio que receado: -De-Desculpa! Tudo bem com você? Foi sem querer! Sarah continuava com cabeça baixa, aparentava estar olhando o uniforme todo sujo. Marco insistiu: -H-Hey! Vo-Você esta bem? Deixe-me te – foi interrompido brutalmente com o levantamento da cabeça de Sarah e o olhar que o perfurava como uma lâmina, enfurecida ela disse: -SEU I-D-I-O-T-A! MALDITO! Você é louco, é? Marco deu um salto para trás com o susto que levara, olhava para os lados, mas não sabia o que fazer na situação nem desviar seu olhar conseguia ninguém em volta se movia, quando ele pensou em dizer mais alguma coisa tudo escureceu. Algum tempo depois Marco recobrou a
    • consciência, olhou ao seu redor, percebeu que estava na enfermaria. Mas o que foi que aconteceu e por que minha cabeça dói tanto, pensou o garoto. Levantou logo em seguida e foi em frente o espelho, ah aquela imagem, o maior susto que tomara em sua vida, ao se olhar no espelho viu um de seus olhos totalmente roxos, dizia ele baixo: -O-O que foi que aconteceu com meu olho! -Simples você tomou o direto mais lindo que eu já vi na minha vida! – Disse Eren entrando no quarto. -O QUE? DIRETO? – Disse Marco assustado indo para trás. -É meu caro amigo, você tomou o soco mais lindo de toda a escola. Não sabia que ela brigava tão bem... – Disse Eren no meio de gargalhadas. -E-Ela? – Disse Marco pensativo. -É MARCO! O que foi agora? Além de tomar um belo soco sofreu amnésia? Foi a Sarah quem te bateu! Mas também em cara, justo nela você foi trombar! – Eren não conseguia parar de dar risada. - Nossa Eren, como você está engraçadinho demais hoje para o meu gosto! Mas pensando bem, até que foi engraçado mesmo – disse Marco dando uma singela risada. - Isso aí Marco, não veja tudo como algo para se desesperar ou negativo, sempre alguma coisa, mesmo que minimamente, tem seu lado positivo e ensinamentos – Disse Eren. -Bem... Acho que tive ensinamento mesmo, aprendi que tenho que saber brigar melhor – Disse Marco dando risadas. -É isso é uma verdade, além do mais, foi uma ótima maneira de começar as aulas. Tenho certeza que você irá se enturmar mais fácil após todo esse ocorrido – Disse Eren em um tom irônico. Os dois depois da conversa ficaram rindo do que acontecera, por fim ao entardecer foram embora da escola. No caminho de volta Marco balançava a cabeça de um lado para o outro com certo modo de indignação, não acredito que tomei um soco de uma menina, justo no primeiro dia de aula e no meio do refeitório, quando relembrava a cena Marco balançava ainda mais a cabeça e ficava completamente envergonhado, não conversara da maneira adequada com Jéssica, recebeu o golpe mais lindo que todos jamais viram de Sarah e como explicar para sua avó o olho roxo? Eram pensamentos que enchiam sua cabeça. Ao chegar a casa, passou pelo corredor, percebeu que sua avó estava na sala assistindo seus programas e ao tentar passar com passos silenciosos ouviu: -Então você arrumou briga na escola hoje? – Disse sua avó sentada de frente à TV. -O-O que? N-Não arrumei nada! – Disse Marco impressionado.
    • -Então por que esta tentando passar pelas minhas costas sem fazer nenhum barulho? Se está tão cauteloso tenho certeza de que algo ocorreu e que você não quer que eu saiba. Marco não dizia nada, estava incrédulo que sua avó tinha tamanha perspicácia. -Marco. Meu cara e querido neto, eu já te disse milhões de vezes. Nunca duvide ou suspeite dos mais velhos. Temos conhecimentos que vocês mais novos nem se quer imaginam ter, mas que no futuro também terão. -Na verdade não foi uma briga... Foi mais para uma surra mesmo – Disse Marco abaixando a cabeça – Eu não pude fazer nada... Não... Na verdade eu não esperava nada dela. Sua avó permaneceu em silêncio enquanto Marco ainda se pronunciava sobre o ocorrido. -Foi uma menina! – Gritou Marco – O que eu poderia fazer? Bater nela? Para que? Para eu me tornar um monstro como meu pai? Sua avó teve um arrepio que vinha do fundo da sua alma, este se converteu em algumas lagrimas que escorreram pelo rosto flácido e antigo que muitas primaveras presenciou, Marco logo em seguida percebeu que falara mais do que devia e tentou concertar: -N-Não foi isso que quis dizer vovó... Não estou culpando a senhora pelas atitudes de – Foi interrompido pela voz tremula de sua avó: -Tudo bem meu neto, eu sei que você não quis insinuar nada... Hoje você foi o homem que ele nunca vai ser... Ainda sim sei que errei com ele... Marco estava paralisado, nunca vira sua avó derramar lagrimas, pior ainda, não acreditava ter dito todas aquelas coisas. Simplesmente abaixou a cabeça, pediu desculpas e disse que nunca mais a faria chorar novamente, que ele traria felicidade para a família algo que seu pai e filho de sua avó nunca trouxera. Após a conversa Marco se retirou e foi para seu quarto, trancou a porta, se jogou na cama com as mãos ao rosto dizia baixo: -O que foi que eu disse? Por que... Por que eu disse aquilo? Droga... Primeiro dia de aula e me acontece tudo isso! Com certeza... Com certeza esse ano promete! Com essas falas e pensamentos misturados em sua cabeça começou mais um ano na vida de Marco, um ano que com certeza seria diferente de todos os outros, que mudaria a vida do jovem rapaz de uma vez por todas, um novo mundo começara.